SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
História
   Social
 da Criança
e da família
Até o século XIII não havia diferença nos trajes das crianças e dos adultos.
Assim que a mesma largava os cueiros
(faixa de tecido que era enrolada em torno de seu corpo)
ela era vestida como os outros homens e mulheres de sua condição.




                                                O Delfim, herdeiro do trono francês
                                                ( em óleo 1661).
Gêmeos, pintura do século XVII:
túnicas orientais e perucas cacheadas
O príncipe Luís, futuro rei da Espanha,
em tela de 1710: faixa e manto de monarca
Algumas pinturas francesas desta época mostram crianças
brincando com calças justas e, por cima, um vestido longo,
aberto na frente.
Exemplo: tela Brincadeiras Infantis, 1560, Pieter Bruegel.
Os italianos usavam brocados e veludos
drapeados com bom gosto, sem extrema
rigidez. Os gibões e as estreitas calças
LEGGINGS dos homens não levavam
acolchoados e mangas, mesmo amplas
não tinham formas exageradas; nisso os
feitios   italianos se    diferenciavam
bastante do resto da europa . Era comum
aos homens, como da idade média,
trazer seus punhais e bolsas penduradas
nos cintos.
Os trajes dos meninos inspirados
no traje adulto.
Maria de Medici,                     Anna Maria de Medici
rainha da França (pintura de 1593)   (pintura de 1690)
Os trajes das meninas eram inspirados
nos das mulheres.
Menina do século XVII, com gola de renda
e arranjo de pérolas na cabeça: minoria
Também achava-se divertido dar às crianças de boa família algumas características
do traje popular, como o barrete dos trabalhadores (touca, chapéu, gorro).
Meninos com trajes inspirados no uniforme militar ou naval:
assim se criou o tipo do pequeno marinheiro que persistiu
do fim do século XVIII até os nossos dias.
BRASIL
“Um país sem crianças”

   Final século XIX
   Início século XX
A roupa que Monteiro Lobato
(com as irmãs Judite e Ester)
veste, em foto da década de 1880 ,
é muito parecida com o "costume"
da criança do anúncio ao lado...
                                     extraído de "jornais brasileiros do fim
                                     do século XIX e do começo do XX“.
                                     Por sua vez, esse costume é muito
                                     semelhante ao da personagem exibida
                                     na página seguinte...
...que ilustra o conto"Um homem", de Olavo Bilac.
(Contos Pátrios, 1904).
O menino da ilustração é considerado “um homem”
no conto porque assume a liderança da família após a
morte do pai.
Olavo Bilac aos nove anos.




                             Meninos de terno enfeitam a capa do livro
                             Poesias Infantis, de Olavo Bilac (1904)
Monteiro Lobato "começou a sentir-se gente grande quando
ficou decidido que iria prestar os exames em São Paulo.
“Estava com treze anos".
Sala de aula da Escola Caetano de Campos, colégio
freqüentado pelas crianças da elite paulistana.
Fotografia de sala de aula feminina que ilustra o livro
Histórias da nossa terra, de Julia Lopes de Almeida,
publicado em 1907.
Traje infantil dos anos de 1920
Traje infantil dos anos de 1930   Traje infantil dos anos de 1950
Anúncio da "Revista da Semana", de 19/03/1918, que mostra uma criança
vestida como se fosse um adulto em miniatura, inclusive fumando.
       Anúncio da "Revista da Semana", de 19/03/1918, que mostra uma criança
          vestida como se fosse um adulto em miniatura, inclusive fumando .
Olavo Bilac (1865-1918), intitula uma crônica de 1908,
em que recorda seus tempos de criança:



(...) nunca fui verdadeiramente menino e nunca fui verdadeiramente moço.
A cousa não teria importância, se fosse uma desgraça acontecida a mim
somente: mas foi uma desgraça que aconteceu a toda uma geração.
Toda a gente do Rio, que tem hoje a minha idade, deve estar sentindo,
ao ler estas linhas, a mesma tristeza.
Fomos todos criados para gente macambúzia, e não para gente alegre.
Nunca nos deixaram gozar essas duas quadras deliciosas da vida
que em que o existir é um favor divino.
Os nossos avós e os nossos pais davam-nos a mesma educação que
haviam recebido: cara amarrada, palmatória dura, estudo forçado e,
escravização prematura à estupidez das fórmulas,
das regras e das hipocrisias. (...)
“É preciso estar quieto! É preciso ser sério, é preciso ser homem!".
Tanto nos recomendaram isso, que ficamos homens.
E que homens! Céticos, tristes, de um romantismo doentio... (...)
Referências Bibliográficas:


http://www2.fateb.br/ftp/professores/Marcia%20Elaine/

http://veja.abril.com.br/181000/p_122.html

http://fido.palermo.edu/servicios_dyc/encuentro2007/02_auspicios_publicacions

ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família .Rio de Janeiro:Guanabara, 1981.



Componentes do grupo:

Adriana T.M. Oliveira
Silvana A.Marques
Sonara Souza

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

HistóRia Da EducaçãO No Brasil Da Colonia Ao ImpéRio
HistóRia Da  EducaçãO No  Brasil  Da Colonia Ao ImpéRioHistóRia Da  EducaçãO No  Brasil  Da Colonia Ao ImpéRio
HistóRia Da EducaçãO No Brasil Da Colonia Ao ImpéRio
Nila Michele Bastos Santos
 
As concepções de criança e infância...
As concepções de criança e infância...As concepções de criança e infância...
As concepções de criança e infância...
Marilia Pires
 
Gestao da educação escolar
Gestao da educação escolarGestao da educação escolar
Gestao da educação escolar
eliasdemoch
 
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTILLUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ritagatti
 
A historia da criança e da familia aries
A historia da  criança e da familia   ariesA historia da  criança e da familia   aries
A historia da criança e da familia aries
Daniele Rubim
 
Estágio Educação Infantil
Estágio Educação InfantilEstágio Educação Infantil
Estágio Educação Infantil
Luúh Reis
 
PNAIC - Ano 2 educação do campo
PNAIC - Ano 2   educação do campoPNAIC - Ano 2   educação do campo
PNAIC - Ano 2 educação do campo
ElieneDias
 
Fundamentos historiocos e epistemologicos
Fundamentos historiocos e epistemologicosFundamentos historiocos e epistemologicos
Fundamentos historiocos e epistemologicos
Carmen Campos
 
Saberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantilSaberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantil
VIROUCLIPTAQ
 
Aula De Literatura Infantil
Aula De Literatura InfantilAula De Literatura Infantil
Aula De Literatura Infantil
roessencia
 

Mais procurados (20)

Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
 
A infância ao longo do tempo
A infância ao longo do tempoA infância ao longo do tempo
A infância ao longo do tempo
 
História da educação
História da educação História da educação
História da educação
 
HistóRia Da EducaçãO No Brasil Da Colonia Ao ImpéRio
HistóRia Da  EducaçãO No  Brasil  Da Colonia Ao ImpéRioHistóRia Da  EducaçãO No  Brasil  Da Colonia Ao ImpéRio
HistóRia Da EducaçãO No Brasil Da Colonia Ao ImpéRio
 
Slide educação especial
Slide educação especialSlide educação especial
Slide educação especial
 
Gestão Democrática "Novo Paradigma para Responder os Desafios da Escola Atual"
Gestão Democrática "Novo Paradigma para Responder os Desafios da Escola Atual" Gestão Democrática "Novo Paradigma para Responder os Desafios da Escola Atual"
Gestão Democrática "Novo Paradigma para Responder os Desafios da Escola Atual"
 
As concepções de criança e infância...
As concepções de criança e infância...As concepções de criança e infância...
As concepções de criança e infância...
 
4. Políticas educacionais e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
4. Políticas educacionais e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima4. Políticas educacionais e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
4. Políticas educacionais e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
 
Gestao da educação escolar
Gestao da educação escolarGestao da educação escolar
Gestao da educação escolar
 
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTILLUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
História da educação infantil no Brasil e no Mundo
História da educação infantil no Brasil e no MundoHistória da educação infantil no Brasil e no Mundo
História da educação infantil no Brasil e no Mundo
 
A historia da criança e da familia aries
A historia da  criança e da familia   ariesA historia da  criança e da familia   aries
A historia da criança e da familia aries
 
Estágio Educação Infantil
Estágio Educação InfantilEstágio Educação Infantil
Estágio Educação Infantil
 
O uso do lúdico na educação infantil
O uso do lúdico na educação infantilO uso do lúdico na educação infantil
O uso do lúdico na educação infantil
 
PNAIC - Ano 2 educação do campo
PNAIC - Ano 2   educação do campoPNAIC - Ano 2   educação do campo
PNAIC - Ano 2 educação do campo
 
Fundamentos historiocos e epistemologicos
Fundamentos historiocos e epistemologicosFundamentos historiocos e epistemologicos
Fundamentos historiocos e epistemologicos
 
Saberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantilSaberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantil
 
Aula De Literatura Infantil
Aula De Literatura InfantilAula De Literatura Infantil
Aula De Literatura Infantil
 
Histórico Ed Infantil
Histórico Ed InfantilHistórico Ed Infantil
Histórico Ed Infantil
 
O Educar E O Cuidar Na EducaçãO Infantil
O Educar E O Cuidar Na EducaçãO InfantilO Educar E O Cuidar Na EducaçãO Infantil
O Educar E O Cuidar Na EducaçãO Infantil
 

Destaque

As concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógica
As concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógicaAs concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógica
As concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógica
Marilia Pires
 
HistóRia Social Da CriançA E Da FamíLia
HistóRia Social Da CriançA E Da FamíLiaHistóRia Social Da CriançA E Da FamíLia
HistóRia Social Da CriançA E Da FamíLia
SILVANA Fernandes
 
Tipos de Família
Tipos de Família Tipos de Família
Tipos de Família
Cordeiro_
 
Álbum de criança: imagens da infância nas fotografias da Revista do Globo 192...
Álbum de criança: imagens da infância nas fotografias da Revista do Globo 192...Álbum de criança: imagens da infância nas fotografias da Revista do Globo 192...
Álbum de criança: imagens da infância nas fotografias da Revista do Globo 192...
+ Aloisio Magalhães
 
A historia da criança e da familia aries
A historia da  criança e da familia   ariesA historia da  criança e da familia   aries
A historia da criança e da familia aries
Daniele Rubim
 
03 apostila - formação de formadores - aula 3 19.08.08
03   apostila - formação de formadores - aula 3 19.08.0803   apostila - formação de formadores - aula 3 19.08.08
03 apostila - formação de formadores - aula 3 19.08.08
Welington Moura
 
Ter amigos é muito bom (1)
Ter amigos é muito bom (1)Ter amigos é muito bom (1)
Ter amigos é muito bom (1)
Alice Lirio
 
Estatuto da criança e adolescente
Estatuto da criança e adolescenteEstatuto da criança e adolescente
Estatuto da criança e adolescente
Adriano Monteiro
 

Destaque (20)

Histórias de crianças e infâncias
Histórias de crianças e infânciasHistórias de crianças e infâncias
Histórias de crianças e infâncias
 
As concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógica
As concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógicaAs concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógica
As concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógica
 
HistóRia Social Da CriançA E Da FamíLia
HistóRia Social Da CriançA E Da FamíLiaHistóRia Social Da CriançA E Da FamíLia
HistóRia Social Da CriançA E Da FamíLia
 
Tipos de Família
Tipos de Família Tipos de Família
Tipos de Família
 
Index
IndexIndex
Index
 
Álbum de criança: imagens da infância nas fotografias da Revista do Globo 192...
Álbum de criança: imagens da infância nas fotografias da Revista do Globo 192...Álbum de criança: imagens da infância nas fotografias da Revista do Globo 192...
Álbum de criança: imagens da infância nas fotografias da Revista do Globo 192...
 
ADOLESCENTE
ADOLESCENTEADOLESCENTE
ADOLESCENTE
 
Sistema de garantia de direitos citações
Sistema de garantia de direitos   citaçõesSistema de garantia de direitos   citações
Sistema de garantia de direitos citações
 
POLÍTICA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES
POLÍTICA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES  POLÍTICA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES
POLÍTICA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES
 
Família e Limites
Família e LimitesFamília e Limites
Família e Limites
 
A historia da criança e da familia aries
A historia da  criança e da familia   ariesA historia da  criança e da familia   aries
A historia da criança e da familia aries
 
03 apostila - formação de formadores - aula 3 19.08.08
03   apostila - formação de formadores - aula 3 19.08.0803   apostila - formação de formadores - aula 3 19.08.08
03 apostila - formação de formadores - aula 3 19.08.08
 
QUESTÃO SOCIAL E GARANTIA DE DIREITOS NO BRASIL: Limites e Possibilidades na ...
QUESTÃO SOCIAL E GARANTIA DE DIREITOS NO BRASIL: Limites e Possibilidades na ...QUESTÃO SOCIAL E GARANTIA DE DIREITOS NO BRASIL: Limites e Possibilidades na ...
QUESTÃO SOCIAL E GARANTIA DE DIREITOS NO BRASIL: Limites e Possibilidades na ...
 
Ter amigos é muito bom (1)
Ter amigos é muito bom (1)Ter amigos é muito bom (1)
Ter amigos é muito bom (1)
 
Aula 10 O adolescente na escola, na família e na sociedade
Aula 10 O adolescente na escola, na família e na sociedadeAula 10 O adolescente na escola, na família e na sociedade
Aula 10 O adolescente na escola, na família e na sociedade
 
Estatuto da criança e adolescente
Estatuto da criança e adolescenteEstatuto da criança e adolescente
Estatuto da criança e adolescente
 
Familia_Escola
Familia_EscolaFamilia_Escola
Familia_Escola
 
Proposta do infantil ll educação infantil
Proposta do infantil ll   educação infantilProposta do infantil ll   educação infantil
Proposta do infantil ll educação infantil
 
Democracia, participação social e saúde
Democracia, participação social e saúdeDemocracia, participação social e saúde
Democracia, participação social e saúde
 
A instituição familiar
A instituição familiar A instituição familiar
A instituição familiar
 

Semelhante a Traje Infantil - História Social da Criança e da Família

UFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e Comunicação
UFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e ComunicaçãoUFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e Comunicação
UFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e Comunicação
Nome Sobrenome
 
As Narrativas da História do Brasil
As Narrativas da História do BrasilAs Narrativas da História do Brasil
As Narrativas da História do Brasil
Ricardo Rodrigues
 
Historia da BD
Historia da BDHistoria da BD
Historia da BD
cvbotelho
 
Destaques Enciclopédia 09-03-2015 a 15-03-2015
Destaques Enciclopédia 09-03-2015 a 15-03-2015Destaques Enciclopédia 09-03-2015 a 15-03-2015
Destaques Enciclopédia 09-03-2015 a 15-03-2015
Umberto Neves
 

Semelhante a Traje Infantil - História Social da Criança e da Família (20)

Monteiro lobato
Monteiro lobato Monteiro lobato
Monteiro lobato
 
Monteiro lobato
Monteiro lobato Monteiro lobato
Monteiro lobato
 
Obras do PAS: Artigo 5º, Luís XIV e Casa de bonecas
Obras do PAS: Artigo 5º, Luís XIV e Casa de bonecasObras do PAS: Artigo 5º, Luís XIV e Casa de bonecas
Obras do PAS: Artigo 5º, Luís XIV e Casa de bonecas
 
j carlos
j carlosj carlos
j carlos
 
2º tarefa do face grupo - mariana medeiros
2º tarefa do face grupo  -   mariana medeiros2º tarefa do face grupo  -   mariana medeiros
2º tarefa do face grupo - mariana medeiros
 
UFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e Comunicação
UFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e ComunicaçãoUFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e Comunicação
UFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e Comunicação
 
Jorge amado By: Elayne Farias!
Jorge amado By: Elayne Farias!Jorge amado By: Elayne Farias!
Jorge amado By: Elayne Farias!
 
Histórico das produções clássicas
Histórico das produções clássicasHistórico das produções clássicas
Histórico das produções clássicas
 
Aquilino Ribeiro
Aquilino RibeiroAquilino Ribeiro
Aquilino Ribeiro
 
As Narrativas da História do Brasil
As Narrativas da História do BrasilAs Narrativas da História do Brasil
As Narrativas da História do Brasil
 
Tessituras 2011
Tessituras 2011Tessituras 2011
Tessituras 2011
 
Dia de Portugal - MPR
Dia de Portugal - MPRDia de Portugal - MPR
Dia de Portugal - MPR
 
Monteiro Lobato
Monteiro LobatoMonteiro Lobato
Monteiro Lobato
 
Destaques Enciclopédia 05-01-2015 a 11-01-2015
Destaques Enciclopédia 05-01-2015 a 11-01-2015Destaques Enciclopédia 05-01-2015 a 11-01-2015
Destaques Enciclopédia 05-01-2015 a 11-01-2015
 
Vestuario no seculo XII, XIV e XV - Feminino e Infantil
Vestuario no seculo XII, XIV e XV - Feminino e InfantilVestuario no seculo XII, XIV e XV - Feminino e Infantil
Vestuario no seculo XII, XIV e XV - Feminino e Infantil
 
Dia do livro infantil
Dia do livro infantilDia do livro infantil
Dia do livro infantil
 
Bmag ilse losa
Bmag ilse losaBmag ilse losa
Bmag ilse losa
 
Historia da BD
Historia da BDHistoria da BD
Historia da BD
 
Destaques Enciclopédia 09-03-2015 a 15-03-2015
Destaques Enciclopédia 09-03-2015 a 15-03-2015Destaques Enciclopédia 09-03-2015 a 15-03-2015
Destaques Enciclopédia 09-03-2015 a 15-03-2015
 
Aquilino ribeiro
Aquilino ribeiroAquilino ribeiro
Aquilino ribeiro
 

Mais de Simone Wanderley Lustosa Landen

Mais de Simone Wanderley Lustosa Landen (8)

Apresentação do Teste das Pirâmides Coloridas de Pfister_Novo Design
Apresentação do Teste das Pirâmides Coloridas de Pfister_Novo DesignApresentação do Teste das Pirâmides Coloridas de Pfister_Novo Design
Apresentação do Teste das Pirâmides Coloridas de Pfister_Novo Design
 
Apresentação do Teste Pirâmides Coloridas de Pfister
Apresentação do Teste Pirâmides Coloridas de PfisterApresentação do Teste Pirâmides Coloridas de Pfister
Apresentação do Teste Pirâmides Coloridas de Pfister
 
PHILIPPE ARIÈS UM HISTORIADOR MARGINAL (Autor: Marcos Silva - Departamento de...
PHILIPPE ARIÈS UM HISTORIADOR MARGINAL (Autor: Marcos Silva - Departamento de...PHILIPPE ARIÈS UM HISTORIADOR MARGINAL (Autor: Marcos Silva - Departamento de...
PHILIPPE ARIÈS UM HISTORIADOR MARGINAL (Autor: Marcos Silva - Departamento de...
 
Estruturalismo
EstruturalismoEstruturalismo
Estruturalismo
 
Toc neurofisiologia - Simone W. L.
Toc   neurofisiologia - Simone W. L.Toc   neurofisiologia - Simone W. L.
Toc neurofisiologia - Simone W. L.
 
N107a08
N107a08N107a08
N107a08
 
Carl Jung
Carl Jung Carl Jung
Carl Jung
 
Toc neurofisiologia
Toc   neurofisiologiaToc   neurofisiologia
Toc neurofisiologia
 

Traje Infantil - História Social da Criança e da Família

  • 1. História Social da Criança e da família
  • 2. Até o século XIII não havia diferença nos trajes das crianças e dos adultos. Assim que a mesma largava os cueiros (faixa de tecido que era enrolada em torno de seu corpo) ela era vestida como os outros homens e mulheres de sua condição. O Delfim, herdeiro do trono francês ( em óleo 1661).
  • 3. Gêmeos, pintura do século XVII: túnicas orientais e perucas cacheadas
  • 4. O príncipe Luís, futuro rei da Espanha, em tela de 1710: faixa e manto de monarca
  • 5.
  • 6. Algumas pinturas francesas desta época mostram crianças brincando com calças justas e, por cima, um vestido longo, aberto na frente. Exemplo: tela Brincadeiras Infantis, 1560, Pieter Bruegel.
  • 7. Os italianos usavam brocados e veludos drapeados com bom gosto, sem extrema rigidez. Os gibões e as estreitas calças LEGGINGS dos homens não levavam acolchoados e mangas, mesmo amplas não tinham formas exageradas; nisso os feitios italianos se diferenciavam bastante do resto da europa . Era comum aos homens, como da idade média, trazer seus punhais e bolsas penduradas nos cintos.
  • 8. Os trajes dos meninos inspirados no traje adulto.
  • 9. Maria de Medici, Anna Maria de Medici rainha da França (pintura de 1593) (pintura de 1690)
  • 10. Os trajes das meninas eram inspirados nos das mulheres.
  • 11. Menina do século XVII, com gola de renda e arranjo de pérolas na cabeça: minoria
  • 12. Também achava-se divertido dar às crianças de boa família algumas características do traje popular, como o barrete dos trabalhadores (touca, chapéu, gorro).
  • 13. Meninos com trajes inspirados no uniforme militar ou naval: assim se criou o tipo do pequeno marinheiro que persistiu do fim do século XVIII até os nossos dias.
  • 14. BRASIL “Um país sem crianças” Final século XIX Início século XX
  • 15. A roupa que Monteiro Lobato (com as irmãs Judite e Ester) veste, em foto da década de 1880 , é muito parecida com o "costume" da criança do anúncio ao lado... extraído de "jornais brasileiros do fim do século XIX e do começo do XX“. Por sua vez, esse costume é muito semelhante ao da personagem exibida na página seguinte...
  • 16. ...que ilustra o conto"Um homem", de Olavo Bilac. (Contos Pátrios, 1904). O menino da ilustração é considerado “um homem” no conto porque assume a liderança da família após a morte do pai.
  • 17. Olavo Bilac aos nove anos. Meninos de terno enfeitam a capa do livro Poesias Infantis, de Olavo Bilac (1904)
  • 18. Monteiro Lobato "começou a sentir-se gente grande quando ficou decidido que iria prestar os exames em São Paulo. “Estava com treze anos".
  • 19. Sala de aula da Escola Caetano de Campos, colégio freqüentado pelas crianças da elite paulistana.
  • 20. Fotografia de sala de aula feminina que ilustra o livro Histórias da nossa terra, de Julia Lopes de Almeida, publicado em 1907.
  • 21. Traje infantil dos anos de 1920
  • 22. Traje infantil dos anos de 1930 Traje infantil dos anos de 1950
  • 23. Anúncio da "Revista da Semana", de 19/03/1918, que mostra uma criança vestida como se fosse um adulto em miniatura, inclusive fumando. Anúncio da "Revista da Semana", de 19/03/1918, que mostra uma criança vestida como se fosse um adulto em miniatura, inclusive fumando .
  • 24. Olavo Bilac (1865-1918), intitula uma crônica de 1908, em que recorda seus tempos de criança: (...) nunca fui verdadeiramente menino e nunca fui verdadeiramente moço. A cousa não teria importância, se fosse uma desgraça acontecida a mim somente: mas foi uma desgraça que aconteceu a toda uma geração. Toda a gente do Rio, que tem hoje a minha idade, deve estar sentindo, ao ler estas linhas, a mesma tristeza. Fomos todos criados para gente macambúzia, e não para gente alegre. Nunca nos deixaram gozar essas duas quadras deliciosas da vida que em que o existir é um favor divino. Os nossos avós e os nossos pais davam-nos a mesma educação que haviam recebido: cara amarrada, palmatória dura, estudo forçado e, escravização prematura à estupidez das fórmulas, das regras e das hipocrisias. (...) “É preciso estar quieto! É preciso ser sério, é preciso ser homem!". Tanto nos recomendaram isso, que ficamos homens. E que homens! Céticos, tristes, de um romantismo doentio... (...)
  • 25. Referências Bibliográficas: http://www2.fateb.br/ftp/professores/Marcia%20Elaine/ http://veja.abril.com.br/181000/p_122.html http://fido.palermo.edu/servicios_dyc/encuentro2007/02_auspicios_publicacions ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família .Rio de Janeiro:Guanabara, 1981. Componentes do grupo: Adriana T.M. Oliveira Silvana A.Marques Sonara Souza