Filosofia medieval raiana 27 np

618 visualizações

Publicada em

Slides - Filosofia Medieval

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
618
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
287
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Filosofia medieval raiana 27 np

  1. 1. FILOSOFIA MEDIEVAL
  2. 2.  A filosofia medieval ocorreu entres os séculos VIII e XIV, nesse período houve diversos pensadores, a principal característica desse período era o domínio da igreja romana sobre toda a Europa. Sua forma de domínio predominante era demonstrada através das cruzadas a Terra Santa, consagrando reis comandados por eles, tornando a filosofia medieval importante, sendo lecionada nas escolas, ficando conhecida pelo nome de Escolástica.
  3. 3. SANTO AGOSTINHO E SÃO TOMÁS DE AQUINO  Santo Agostinho (354 a 430, ensinou retórica nas cidades italianas de Roma e Milão) e São Tomás de Aquino (1227 á 1274, importante teólogo, filósofo e padre dominicano do século XIII), foram os maiores pensadores da Patrística e da Escolástica. Santo Agostinho seguiu os princípios da filosofia de Platão, já Santo Tomás de Aquino seguiu a de Aristóteles. Com isso, cada um em sua época, pode influenciar não só a religião católica como muitos pensadores cristãos que surgiram após eles. Entre suas características comuns destacam-se o fato de que Nenhum deles colocava em dúvida a imortalidade da alma, em suas teorias eles retomam ao desprezo do mundo e fé, razão e revelação se os seus pontos principais.
  4. 4.  Os dois filósofos tanto Santo Agostinho como Santo Tomás de Aquino afirmam que Deus, sendo eterno, transcendente, senhor da bondade e da sabedoria, nos criou e criou tudo o que conhecemos do nada. Para Santo Agostinho, as ideias estavam no Espírito de Deus. Santo Tomás de Aquino acrescenta a noção das pessoas em seus raciocínios. Dizia que Deus é a causa da nossa existência. Além disso, Deus está continuamente criando o mundo ao unir as pessoas para seguir novos objetos.  Santo Agostinho Santo Tomás de Aquino
  5. 5. ESCOLÁSTICA  É uma corrente filosófica com um pensamento critico dominante no ensino nas universidades da Europa da Idade Média, dominou o pensamento cristão entre os séculos XI e XIV e teve como principal nome o teólogo e filósofo o italiano São Tomás de Aquino. Entre suas características mais marcantes destacamos a consciência da alienação, na doutrina das duas verdades; a negação da alienação na separação definitiva entre razão e fé, e na afirmação de que o real, em sua totalidade, natureza e história, é racional.
  6. 6.  Como sistema filosófico, a escolástica tentou resolver, a partir das teorias religiosas, problemas como a relação entre fé e razão, desejo e pensamento; a oposição entre realismo e nominalismo; e a probabilidade da existência de Deus. Historicamente, no entanto a escolástica diz que a filosofia é, ao mesmo tempo, racional e religiosa, motivo pelo qual seu problema mais grave é o das relações entre a razão e a fé.
  7. 7. PATRÍSTICA  Foi à primeira filosofia cristã criada pelos escritores escolásticos da igreja católica. A patrística resultou do esforço feito pelos dois apóstolos intelectuais (São Paulo e São João) e pelos primeiros Padres da Igreja para conciliar a nova religião que era o Cristianismo, com o pensamento filosófico dos gregos e romanos, pois somente com essa conciliação seria possível convencer os pagãos da nova verdade e convertê-los a ela.  A Patrística é basicamente, uma filosofia responsável pela evolução progressiva dos dogmas cristãos e pelo que se chama hoje de Tradição Católica, essa filosofia procurou conciliar as verdades da revelação bíblica com as construções do pensamento próprio da filosofia grega.
  8. 8.  Para impor as ideias cristãs, os padres da Igreja as transformaram em verdades reveladas por Deus. Por serem decretos divinos, seriam como dogmas ou leis. Dessa forma, o grande tema de toda a Filosofia patrística é o da possibilidade de conciliar razão e fé, e a esse respeito, havia três posições principais. Os que julgavam fé e razão irreconciliáveis e a fé superior à razão, os que julgavam fé e razão conciliáveis, mas subordinavam a razão à fé e os que julgavam razão e fé irreconciliáveis, mas afirmavam que cada uma delas tem seu campo próprio de conhecimento e não devem misturar-se, a razão se refere a tudo o que diz respeito à vida temporal dos homens no mundo, a fé com tudo o que se refere à salvação da alma e à vida eterna futura.
  9. 9. REFERÊNCIAS  http://www.infoescola.com/filosofia/filosofia- medieval/  http://www.brasilescola.com/historiag/filosofia- medieval.htm  http://www.estudopratico.com.br/historia-da- filosofia-medieval-escolas-e-filosofos/
  10. 10. COMPONENTES: Débora Weiss, Raiana Coêlho, Matheus Detoni e Andrew De Cézaro Turma: 27NP

×