SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
HELENISMO
•

A partir do ano 350 a.C., uma nova
civilização começou a ascender
politicamente e militarmente no Mundo
Antigo. A Macedônia, sob o domínio do
rei Felipe II, iniciou um processo de
expansão territorial que rompeu com a
hegemonia do mundo grego.
•

Sendo educado pelo filósofo grego
Aristóteles, Alexandre entrou em contato
com o conjunto de valores da cultura grega.
Além disso, suas incursões pelo Oriente
também o colocou em contato com outras
culturas. Simpático ao conhecimento dessas
diferentes culturas, o imperador Alexandre
agiu de forma a mesclar valores ocidentais e
orientais. É desse intercâmbio que temos
definida a cultura helenística
•

O helenismo foi marcado pelo rompimento de
fronteiras entre países e culturas. Quanto à
religião houve uma espécie de sincretismo;
na ciência, a mistura de diferentes
experiências culturais; e a filosofia dos présocráticos e de Sócrates, Platão e Aristóteles
serviu como fonte de inspiração para
diferentes correntes filosóficas as quais
veremos algumas agora.
PERÍODO HELENISTA
Século IV a.C. ascensão de Alexandre.
 Império Macedônico
 Fim definitivo da Polis (Fim da política).
1. Fim da Esfera Pública
2. Fim da Democracia (Estado de
Direito e Soberania Popular)
3. Tirania Absoluta

Conseqüências na Esfera
Intelectual
. Fim das grandes especulações teóricas
Fim da polis como referência;
Filosofia como auto-ajuda e consolação;
Acaba a política e a esfera pública e assim o
combustível da filosofia, que era os debates
em praça publica, e assim a filosofia deixa de
construir grandes especulações teóricas. A
Filosofia se volta para a ética da arte de
viver.
O Cosmopolitismo
Helênico
•

O ideal da Pólis é substituído pelo
ideal cosmopolita (o mundo inteiro é
uma pólis ), e o homem-citadino é
substituído pelo homem-indivíduo; a
contraposição grego e bárbaro em
larga medida é superada pela
concepção homem em uma dimensão
de igualitarismo universal.
•

Compreendemos porque todas as filosofias então
elaboradas, com exceção da socrática, arriscaram
tornar-se desatualizadas e superadas pelos tempos.
Surgiu assim a exigências de novas filosofias mais
eficazes do ponto de vista prático que ajudassem a
enfrentar os novos acontecimentos e a inversão dos
antigos valores aos quais estavam estreitamente
ligadas. De tal modo, que cultura helênica, difundiuse em vários lugares, tornou-se cultura helenística, e
o centro da cultura passou de Atenas para
Alexandria. Como expressões das novas exigências
impuseram-se as filosofias Cínica, Epicurista,
Estóica e Cética, enquanto o platonismo e o
aristotelismo caíram em grande medida em
esquecimento.
A Cultura Helenística
A cultura helenística resultou da
fusão da cultura grega com a cultura
oriental, promovida pela expansão do
império Macedônico com Alexandre
Magno.
A Grécia não era mais o centro
cultural do mundo. Os principais
centros da cultura helenística foram
Alexandria, no Egito, Antioquia, na
Turquia, e Pérgamo, na Ásia Menor.
•

As principais contribuições para a
formação do mundo ocidental ocorreram:
- Artes: se a arte grega caracteriza-se
pelo equilíbrio, pela leveza e pelo
humanismo, as artes helenísticas
perderam aquelas características e
passaram a ser dominadas pelo realismo
exagerado e pelo sensacionalismo. Os
artistas helenísticos não se
preocupavam com o belo, mas sim com o
grandioso e luxuoso.
Farol de Alexandria
Grande Altar de Zeus
Vênus de Milo
Vitória de Samotrácia
Ciências
•

os conhecimentos científicos alcançaram tal nível de
desenvolvimento, principalmente no campo da astronomia e
da matemática, que fizeram com que as ciências helenísticas
fossem as mais desenvolvidas da História, durante várias
séculos.
Os grandes nomes deste período foram:
– Euclides : que desenvolveu de maneira extraordinária os
conhecimentos de geometria;
– Arquimedes : descobridor da lei da alavanca e da
hidrostática. Inventou o parafuso tubular para bombear água,
a hélice, as lentes convexas e criou um planetário. Para
defender sua cidade, cercada pelos romanos, construiu
máquinas poderosas como catapultas, que atiravam pedras
enormes sobre os inimigos; com um sistema de espelhos,
que concentrava os raios solares, conseguiu incendiar vários
navios romanos;
Após a morte de Alexandre, aos 33 anos, o
império foi dividido em 3 grandes reinos:
• O da Síria ou Ásia Ocidental, que abrangia
a Síria, a Ásia Menor e a Mesopotâmia;
• O reino do Egito, que compreendia além do
Egito, a Arábia e parte da Palestina;
• O reino da Macedônia, que englobava a
Grécia.
Entre os séculos II e I a.C, todos esses
grandes reinos e outros menores foram
conquistados pelos romanos.
Os Cínicos
•

A filosofia cínica foi fundada em Atenas
por Antístenes (discípulo de Sócrates)
por volta de 400 a.C. Os cínicos diziam
que a felicidade podia ser alcançada
por todos, pois ela não consistia em
luxúria, poder político ou boa saúde e
sim em se libertar disto tudo. Achavam
que as pessoas não deviam se
preocupar com o sofrimento (próprio ou
alheio) nem com a morte. O principal
representante desta corrente filosófica
foi Diógenes (discípulo de Antístenes ).
Antístenes
•

•

Conta-se que, um dia, Sócrates parou
diante de uma tenda do mercado em
que estavam expostas diversas
mercadorias. Depois de algum tempo,
ele exclamou: “Vejam quantas coisas o
ateniense precisa para viver!”.
Naturalmente ele queria dizer com isto
que ele próprio não precisava de nada
daquilo.
Esta postura de Sócrates foi o ponto de
partida para a filosofia cínica , fundada
em Atenas por Antístenes – um
•

Os cínicos diziam que a verdadeira felicidade
não depende de fatores externos como o luxo,
o poder político e a boa saúde. Para eles, a
verdadeira felicidade consistia em se libertar
dessas coisas casuais e efêmeras. E
justamente porque a felicidade não estava
nessas coisas ela podia ser alcançada por
todos. E, uma vez alcançada, não podia mais
ser perdida.
•

O cínico mais importante foi Diógenes. Conta-se que
ele vivia dentro de um barril e não possuía mais do
que uma túnica, um cajado e um embornal de pão.
Um dia, quando estava sentado ao sol junto ao seu
barril, recebeu a visita de Alexandre Magno.
Alexandre aproximou-se do sábio, perguntou-lhe se
ele tinha algum desejo e disse-lhe que, caso tivesse,
seu desejo seria imediatamente satisfeito. Ao que
Diógenes respondeu: “Sim, desejo que te afastes da
frente do meu sol”. Com isto Diógenes mostrou que
era mais rico e mais feliz que o grande conquistador.
Ele tinha tudo o que desejava.
•

Os cínicos achavam que as pessoas não
precisavam se preocupar com a saúde, nem
mesmo com o sofrimento e com a morte. E
elas também não deveriam se atormentar com
o sofrimento dos outros. Hoje em dia, quando
empregamos as palavras “cínico” e “cinismo”
estamos nos referindo, na maioria das vezes, a
apenas este aspecto: o da impudência, da
insensibilidade ao sentir e ao sofrer$ do outro.
Diógenes
EPICURISMO


O Epicurismo surge nos arredores de Atenas. Era
uma escola conhecida por seus lindos jardins, nos
quais Epicuro ministrava suas aulas, por isso ficou
conhecida como “Filosofia do Jardim”.



O Epicurismo se baseia em cinco pontos principais:

1.

A realidade é plenamente penetrável e compreensível
pela inteligência do homem.

2. Nas diversas situações o homem pode construir sua
felicidade.
3. A felicidade significa a ausência de dores no
corpo e perturbação na alma.
4. Para atingir esta paz e felicidade, o homem
só precisa de si mesmo.
5. A felicidade não depende da nobreza, da
riqueza, dos deuses, ou das conquistas
exteriores, pois o homem só é feliz quando é
autônomo e independente de
condicionamentos exteriores.
No epicurismo a lógica e a física eram
rudimentares, mas ambas estavam
subordinadas à ética da arte de viver.
A LÓGICA DO
EPICURISMO:







A lógica elabora o caminho para a verdade, nela os
sentimentos são mensageiros da verdade.
Toda sensação é objetiva, é produzida por alguma
coisa, sendo, portanto, verdadeira.
A sensação colhe o ser essencial de modo infalível e
não confunde a alma, como pensa Platão.
Sobre as idéias e as representações mentais,
Epicuro afirma que elas são memória daquilo que
vem do exterior, isto é, a experiência deixa na mente
uma impressão das sensações passadas, e essa
impressão permite conhecer as coisas.
É esta lógica que vai fundamentar a ética epicurista
em termos opostos aos de Platão.
A ÉTICA DO EPICURISMO


Com base na lógica apresentada, os sentimentos de prazer e
dor permitem distinguir o bem e o mal.



O bem é tudo aquilo que proporciona prazer e o mal é tudo
aquilo que proporciona dor. Não se trata porém de uma filosofia
hedonista, na medida em que a busca do prazer deve obedecer
ao comando da razão e do bom senso.



Sobre o prazer, Epicuro dirá que este é a ausência de dores no
corpo e a falta de perturbação na alma.



Não se trata, porém, de dissipação e torpeza, trata-se do prazer
segundo o sóbrio raciocinar, é o prazer escolhido com
sabedoria.
Epicuro analisa três tipos de
prazer
1.

Prazeres Naturais e Necessários: Como é o caso de
comer quando se tem fome e repousar quando se
esta cansado. Não inclui os prazeres do amor e do
desejo, pois estes causam a perturbação da alma e
não são nem naturais nem necessários.

2. Prazeres Naturais e Não Necessários: Como é o caso
de comer bem e vestir-se com apuro.
3. Prazeres Não Naturais e Não Necessários: São
prazeres vazios, baseados em opiniões falsas, dentro
os quais, o desejo de riqueza, poder e honras. Estes
prazeres produzem a perturbação da alma e não
aliviam a dor do corpo.
A AMIZADE, A POLÍTICA E A MORTE
SEGUNDO O EPICURISMO


•

•
•

Esta filosofia enxerga o homem, não mais como
cidadão, mas como homem privado.
A AMIZADE para Epicuro:
“De todas as coisas que a sabedoria busca, em vista
de uma vida feliz, ao maior bem é a conquista da
amizade”.
“A Amizade anda pela terra, anunciando a todos que
devemos acordar para dar alegria uns aos outros”.
“A riqueza, segundo a natureza, esta inteira no pão,
na água e no abrigo qualquer para o corpo,, a
riqueza supérflua multiplica os desejos e perturba a
alma. O maior dos prazeres é a amizade, trata-se do
laço verdadeiro entre os indivíduos, é ver um outro
como eu”.
A política


A POLITICA para Epicuro é a busca do
poder, da fama e da riqueza. Ela é
enganosa miragem, tão vazia quanto as
coisas que busca. Neste sentido, a vida
pública não enriquece o homem, mas o
dispersa e dissipa.



A vida política não é natural, causa
perturbações na alma e dores no corpo,
comprometendo a felicidade. “Retira-te
para dentro de ti mesmo, porque a coroa
da serenidade é superior à coroa dos
grandes imperadores”.
OS QUATRO REMEDIOS PARA
EVITAR O SOFRIMENTO
1. Vazios são os temores com relação aos deuses e ao
além.
2. A morte não é nada, e deve ser encarada sem pavor.
3. O prazer bem entendido pode dar felicidade a todos.
4. O mal dura pouco e é suportável.


A MORTE quando chega, nada sentimos e enquanto
não chega não é real. Portanto é um mal para que
nutre falsas opiniões sobre ela
ESTOICISMO









Surge 25 anos depois do Epicurismo, por volta do
ano 312 a.C., seu maior filosofo e fundador da escola
era Zenão.
Estoicismo antigo: entre séc. IV e VI a.C.
Estoicismo médio: séc. II e I a.C.
Novo Estoicismo: Época do Império Romano, na
qual assume tons religiosos e de meditação moral.
Possui uma lógica, uma ética e uma física. Neste
sentido, afirmavam que a filosofia é uma arvore cujas
raízes estão na lógica; o tronco, na física; e a ética
nos frutos.
A lógica, como no Epicurismo, fornece os critérios
de verdade.
A LÓGICA DO ESTOICISMO







A base do conhecimento é a sensação,
aquilo que afeta os sentidos.
Nestes termos, a sensação é uma impressão
provocada pelos objetos sobre os nossos
órgãos sensoriais, e que se transmite à alma,
nela se imprimindo e gerando a
representação.
É preciso, porém, um consentir, um aprovar
do logos, que está em nossa alma, ou seja, o
logos atua sobre nossas impressões.
Temos, então, a representação
compreensiva.
A FÍSICA DO ESTOICISMO
A física estóica se baseia em três pontos:
1. O ser é o que tem a capacidade de agir e sofrer,
nestes termos, o ser é corpo.
2. Ser e corpo são idênticos, portanto temos um
Materialismo monista.
3. Deus penetra toda a realidade. Deus é inteligência,
mas também é natureza.
 Trata-se de um Deus Physis e Logos, Natureza e
Razão. Deus hora é sopro, hora é fogo, e nisto
consiste toda a matéria.
 Em suma, Deus esta em tudo. Assim, não há o
dualismo metafísico de Platão.

A ÉTICA DO ESTOICISMO


A ética estóica consiste na busca da felicidade, que se alcança vivendo
segundo a natureza. Existem três princípios para esta vida

1. Conservar-se a si mesmo.
2. Apropriar-se do próprio ser e de tudo que é necessário para a sua
conservação.
3. Conciliar-se consigo mesmo, saber o que você é, possuir auto critica.
Conciliar-se com as coisas que são conforme sua essência.


São esses princípios que nos trazem a noção do bem segundo a ética
estóica.



Como o homem é um ser racional, o bem é o que conserva e
incrementa a razão; o mal é o que danifica a razão.


Assim, a sabedoria e a virtude tornam o
homem livre e feliz. Sabedoria e virtude
significam erradicar e eliminar todas as
paixões, tornar-se sereno e indiferente aos
sofrimentos impostos pelo destino.



Trata-se da apatia estóica. Por ela, eliminase toda a piedade, compaixão e misericórdia,
pois estes são defeitos e vícios da alma. O
sábio não se comove em favor de quem quer
que seja; não é próprio do homem forte
deixar-se vencer pela piedade e afastar-se da
justa severidade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Filosofia Grécia
Filosofia GréciaFilosofia Grécia
Filosofia Grécia
Luci Bonini
 
Aulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoAulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platão
Péricles Penuel
 
O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!
Lu Rebordosa
 
As escolas helenistas - Epicurismo e Estoicismo
As escolas helenistas - Epicurismo e EstoicismoAs escolas helenistas - Epicurismo e Estoicismo
As escolas helenistas - Epicurismo e Estoicismo
João Paulo Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Filosofia Grécia
Filosofia GréciaFilosofia Grécia
Filosofia Grécia
 
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de HiponaAula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
 
ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA
 
Aulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoAulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platão
 
Introdução à Filosofia - Os Pré-socráticos, Os Sofistas e Sócrates
Introdução à Filosofia - Os Pré-socráticos, Os Sofistas e SócratesIntrodução à Filosofia - Os Pré-socráticos, Os Sofistas e Sócrates
Introdução à Filosofia - Os Pré-socráticos, Os Sofistas e Sócrates
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
 
As escolas helenistas - Epicurismo e Estoicismo
As escolas helenistas - Epicurismo e EstoicismoAs escolas helenistas - Epicurismo e Estoicismo
As escolas helenistas - Epicurismo e Estoicismo
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
 
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da FilosofiaAula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
 
Heráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devirHeráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devir
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
 
2 helenismo
2   helenismo2   helenismo
2 helenismo
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
 
Aula de filosofia antiga, tema: São Tomás de Aquino
Aula de filosofia antiga, tema: São Tomás de AquinoAula de filosofia antiga, tema: São Tomás de Aquino
Aula de filosofia antiga, tema: São Tomás de Aquino
 

Semelhante a Helenismo

Trabalho filosofia 26 tp mateus e pedro
Trabalho filosofia 26 tp   mateus e pedroTrabalho filosofia 26 tp   mateus e pedro
Trabalho filosofia 26 tp mateus e pedro
Alexandre Misturini
 
Antropologia (Slide)[1][1][1]
Antropologia (Slide)[1][1][1]Antropologia (Slide)[1][1][1]
Antropologia (Slide)[1][1][1]
Dell Sales
 
Colégio estadual visconde de bom retiro 21mp
Colégio  estadual visconde de bom retiro 21mpColégio  estadual visconde de bom retiro 21mp
Colégio estadual visconde de bom retiro 21mp
Alexandre Misturini
 
FILOSOFIA - ESTOICISMO (A Arte de Viver em Paz Sob Qualquer Circunstância)..pdf
FILOSOFIA - ESTOICISMO (A Arte de Viver em Paz Sob Qualquer Circunstância)..pdfFILOSOFIA - ESTOICISMO (A Arte de Viver em Paz Sob Qualquer Circunstância)..pdf
FILOSOFIA - ESTOICISMO (A Arte de Viver em Paz Sob Qualquer Circunstância)..pdf
Wilker Simões
 
A filosofia antiga clássica greco_romana
A filosofia antiga clássica greco_romanaA filosofia antiga clássica greco_romana
A filosofia antiga clássica greco_romana
Aldenei Barros
 
PPT - Cultura Grega
PPT - Cultura GregaPPT - Cultura Grega
PPT - Cultura Grega
josafaslima
 
Asescolashelenistas 140504182703-phpapp01
Asescolashelenistas 140504182703-phpapp01Asescolashelenistas 140504182703-phpapp01
Asescolashelenistas 140504182703-phpapp01
rayg3
 

Semelhante a Helenismo (20)

filosofia helenica
filosofia helenicafilosofia helenica
filosofia helenica
 
Trabalho filosofia 26 tp mateus e pedro
Trabalho filosofia 26 tp   mateus e pedroTrabalho filosofia 26 tp   mateus e pedro
Trabalho filosofia 26 tp mateus e pedro
 
Apostila ENEM Filosofia 1 - Período Helenístico
Apostila ENEM Filosofia 1 - Período HelenísticoApostila ENEM Filosofia 1 - Período Helenístico
Apostila ENEM Filosofia 1 - Período Helenístico
 
2017322 71528 helenismo+
2017322 71528 helenismo+2017322 71528 helenismo+
2017322 71528 helenismo+
 
Antropologia (Slide)[1][1][1]
Antropologia (Slide)[1][1][1]Antropologia (Slide)[1][1][1]
Antropologia (Slide)[1][1][1]
 
Colégio estadual visconde de bom retiro 21mp
Colégio  estadual visconde de bom retiro 21mpColégio  estadual visconde de bom retiro 21mp
Colégio estadual visconde de bom retiro 21mp
 
FILOSOFIA - ESTOICISMO (A Arte de Viver em Paz Sob Qualquer Circunstância)..pdf
FILOSOFIA - ESTOICISMO (A Arte de Viver em Paz Sob Qualquer Circunstância)..pdfFILOSOFIA - ESTOICISMO (A Arte de Viver em Paz Sob Qualquer Circunstância)..pdf
FILOSOFIA - ESTOICISMO (A Arte de Viver em Paz Sob Qualquer Circunstância)..pdf
 
Helenismo e suas correntes
Helenismo e suas correntesHelenismo e suas correntes
Helenismo e suas correntes
 
helenismo
helenismohelenismo
helenismo
 
Epicurismo 25
Epicurismo 25Epicurismo 25
Epicurismo 25
 
Filosofia 03 - Helenismo
Filosofia 03 - HelenismoFilosofia 03 - Helenismo
Filosofia 03 - Helenismo
 
A filosofia antiga clássica greco_romana
A filosofia antiga clássica greco_romanaA filosofia antiga clássica greco_romana
A filosofia antiga clássica greco_romana
 
Felicidade andersom 11 mp
Felicidade andersom 11 mpFelicidade andersom 11 mp
Felicidade andersom 11 mp
 
Pensamento Helenico.pptx
Pensamento Helenico.pptxPensamento Helenico.pptx
Pensamento Helenico.pptx
 
PPT - Cultura Grega
PPT - Cultura GregaPPT - Cultura Grega
PPT - Cultura Grega
 
2a. apostila-de-filosofia
2a. apostila-de-filosofia2a. apostila-de-filosofia
2a. apostila-de-filosofia
 
Asescolashelenistas 140504182703-phpapp01
Asescolashelenistas 140504182703-phpapp01Asescolashelenistas 140504182703-phpapp01
Asescolashelenistas 140504182703-phpapp01
 
Felicidade
FelicidadeFelicidade
Felicidade
 
Filosofi e sociology
Filosofi e sociologyFilosofi e sociology
Filosofi e sociology
 
FILOSOFIA E ÉTICA- caderno de slides
FILOSOFIA E ÉTICA- caderno de slidesFILOSOFIA E ÉTICA- caderno de slides
FILOSOFIA E ÉTICA- caderno de slides
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 

Helenismo

  • 2. • A partir do ano 350 a.C., uma nova civilização começou a ascender politicamente e militarmente no Mundo Antigo. A Macedônia, sob o domínio do rei Felipe II, iniciou um processo de expansão territorial que rompeu com a hegemonia do mundo grego.
  • 3. • Sendo educado pelo filósofo grego Aristóteles, Alexandre entrou em contato com o conjunto de valores da cultura grega. Além disso, suas incursões pelo Oriente também o colocou em contato com outras culturas. Simpático ao conhecimento dessas diferentes culturas, o imperador Alexandre agiu de forma a mesclar valores ocidentais e orientais. É desse intercâmbio que temos definida a cultura helenística
  • 4. • O helenismo foi marcado pelo rompimento de fronteiras entre países e culturas. Quanto à religião houve uma espécie de sincretismo; na ciência, a mistura de diferentes experiências culturais; e a filosofia dos présocráticos e de Sócrates, Platão e Aristóteles serviu como fonte de inspiração para diferentes correntes filosóficas as quais veremos algumas agora.
  • 5. PERÍODO HELENISTA Século IV a.C. ascensão de Alexandre.  Império Macedônico  Fim definitivo da Polis (Fim da política). 1. Fim da Esfera Pública 2. Fim da Democracia (Estado de Direito e Soberania Popular) 3. Tirania Absoluta 
  • 6. Conseqüências na Esfera Intelectual . Fim das grandes especulações teóricas Fim da polis como referência; Filosofia como auto-ajuda e consolação; Acaba a política e a esfera pública e assim o combustível da filosofia, que era os debates em praça publica, e assim a filosofia deixa de construir grandes especulações teóricas. A Filosofia se volta para a ética da arte de viver.
  • 7. O Cosmopolitismo Helênico • O ideal da Pólis é substituído pelo ideal cosmopolita (o mundo inteiro é uma pólis ), e o homem-citadino é substituído pelo homem-indivíduo; a contraposição grego e bárbaro em larga medida é superada pela concepção homem em uma dimensão de igualitarismo universal.
  • 8. • Compreendemos porque todas as filosofias então elaboradas, com exceção da socrática, arriscaram tornar-se desatualizadas e superadas pelos tempos. Surgiu assim a exigências de novas filosofias mais eficazes do ponto de vista prático que ajudassem a enfrentar os novos acontecimentos e a inversão dos antigos valores aos quais estavam estreitamente ligadas. De tal modo, que cultura helênica, difundiuse em vários lugares, tornou-se cultura helenística, e o centro da cultura passou de Atenas para Alexandria. Como expressões das novas exigências impuseram-se as filosofias Cínica, Epicurista, Estóica e Cética, enquanto o platonismo e o aristotelismo caíram em grande medida em esquecimento.
  • 9. A Cultura Helenística A cultura helenística resultou da fusão da cultura grega com a cultura oriental, promovida pela expansão do império Macedônico com Alexandre Magno. A Grécia não era mais o centro cultural do mundo. Os principais centros da cultura helenística foram Alexandria, no Egito, Antioquia, na Turquia, e Pérgamo, na Ásia Menor.
  • 10. • As principais contribuições para a formação do mundo ocidental ocorreram: - Artes: se a arte grega caracteriza-se pelo equilíbrio, pela leveza e pelo humanismo, as artes helenísticas perderam aquelas características e passaram a ser dominadas pelo realismo exagerado e pelo sensacionalismo. Os artistas helenísticos não se preocupavam com o belo, mas sim com o grandioso e luxuoso.
  • 15. Ciências • os conhecimentos científicos alcançaram tal nível de desenvolvimento, principalmente no campo da astronomia e da matemática, que fizeram com que as ciências helenísticas fossem as mais desenvolvidas da História, durante várias séculos. Os grandes nomes deste período foram: – Euclides : que desenvolveu de maneira extraordinária os conhecimentos de geometria; – Arquimedes : descobridor da lei da alavanca e da hidrostática. Inventou o parafuso tubular para bombear água, a hélice, as lentes convexas e criou um planetário. Para defender sua cidade, cercada pelos romanos, construiu máquinas poderosas como catapultas, que atiravam pedras enormes sobre os inimigos; com um sistema de espelhos, que concentrava os raios solares, conseguiu incendiar vários navios romanos;
  • 16. Após a morte de Alexandre, aos 33 anos, o império foi dividido em 3 grandes reinos: • O da Síria ou Ásia Ocidental, que abrangia a Síria, a Ásia Menor e a Mesopotâmia; • O reino do Egito, que compreendia além do Egito, a Arábia e parte da Palestina; • O reino da Macedônia, que englobava a Grécia. Entre os séculos II e I a.C, todos esses grandes reinos e outros menores foram conquistados pelos romanos.
  • 17. Os Cínicos • A filosofia cínica foi fundada em Atenas por Antístenes (discípulo de Sócrates) por volta de 400 a.C. Os cínicos diziam que a felicidade podia ser alcançada por todos, pois ela não consistia em luxúria, poder político ou boa saúde e sim em se libertar disto tudo. Achavam que as pessoas não deviam se preocupar com o sofrimento (próprio ou alheio) nem com a morte. O principal representante desta corrente filosófica foi Diógenes (discípulo de Antístenes ).
  • 19. • • Conta-se que, um dia, Sócrates parou diante de uma tenda do mercado em que estavam expostas diversas mercadorias. Depois de algum tempo, ele exclamou: “Vejam quantas coisas o ateniense precisa para viver!”. Naturalmente ele queria dizer com isto que ele próprio não precisava de nada daquilo. Esta postura de Sócrates foi o ponto de partida para a filosofia cínica , fundada em Atenas por Antístenes – um
  • 20. • Os cínicos diziam que a verdadeira felicidade não depende de fatores externos como o luxo, o poder político e a boa saúde. Para eles, a verdadeira felicidade consistia em se libertar dessas coisas casuais e efêmeras. E justamente porque a felicidade não estava nessas coisas ela podia ser alcançada por todos. E, uma vez alcançada, não podia mais ser perdida.
  • 21. • O cínico mais importante foi Diógenes. Conta-se que ele vivia dentro de um barril e não possuía mais do que uma túnica, um cajado e um embornal de pão. Um dia, quando estava sentado ao sol junto ao seu barril, recebeu a visita de Alexandre Magno. Alexandre aproximou-se do sábio, perguntou-lhe se ele tinha algum desejo e disse-lhe que, caso tivesse, seu desejo seria imediatamente satisfeito. Ao que Diógenes respondeu: “Sim, desejo que te afastes da frente do meu sol”. Com isto Diógenes mostrou que era mais rico e mais feliz que o grande conquistador. Ele tinha tudo o que desejava.
  • 22. • Os cínicos achavam que as pessoas não precisavam se preocupar com a saúde, nem mesmo com o sofrimento e com a morte. E elas também não deveriam se atormentar com o sofrimento dos outros. Hoje em dia, quando empregamos as palavras “cínico” e “cinismo” estamos nos referindo, na maioria das vezes, a apenas este aspecto: o da impudência, da insensibilidade ao sentir e ao sofrer$ do outro.
  • 24. EPICURISMO  O Epicurismo surge nos arredores de Atenas. Era uma escola conhecida por seus lindos jardins, nos quais Epicuro ministrava suas aulas, por isso ficou conhecida como “Filosofia do Jardim”.  O Epicurismo se baseia em cinco pontos principais: 1. A realidade é plenamente penetrável e compreensível pela inteligência do homem. 2. Nas diversas situações o homem pode construir sua felicidade.
  • 25. 3. A felicidade significa a ausência de dores no corpo e perturbação na alma. 4. Para atingir esta paz e felicidade, o homem só precisa de si mesmo. 5. A felicidade não depende da nobreza, da riqueza, dos deuses, ou das conquistas exteriores, pois o homem só é feliz quando é autônomo e independente de condicionamentos exteriores. No epicurismo a lógica e a física eram rudimentares, mas ambas estavam subordinadas à ética da arte de viver.
  • 26. A LÓGICA DO EPICURISMO:      A lógica elabora o caminho para a verdade, nela os sentimentos são mensageiros da verdade. Toda sensação é objetiva, é produzida por alguma coisa, sendo, portanto, verdadeira. A sensação colhe o ser essencial de modo infalível e não confunde a alma, como pensa Platão. Sobre as idéias e as representações mentais, Epicuro afirma que elas são memória daquilo que vem do exterior, isto é, a experiência deixa na mente uma impressão das sensações passadas, e essa impressão permite conhecer as coisas. É esta lógica que vai fundamentar a ética epicurista em termos opostos aos de Platão.
  • 27. A ÉTICA DO EPICURISMO  Com base na lógica apresentada, os sentimentos de prazer e dor permitem distinguir o bem e o mal.  O bem é tudo aquilo que proporciona prazer e o mal é tudo aquilo que proporciona dor. Não se trata porém de uma filosofia hedonista, na medida em que a busca do prazer deve obedecer ao comando da razão e do bom senso.  Sobre o prazer, Epicuro dirá que este é a ausência de dores no corpo e a falta de perturbação na alma.  Não se trata, porém, de dissipação e torpeza, trata-se do prazer segundo o sóbrio raciocinar, é o prazer escolhido com sabedoria.
  • 28. Epicuro analisa três tipos de prazer 1. Prazeres Naturais e Necessários: Como é o caso de comer quando se tem fome e repousar quando se esta cansado. Não inclui os prazeres do amor e do desejo, pois estes causam a perturbação da alma e não são nem naturais nem necessários. 2. Prazeres Naturais e Não Necessários: Como é o caso de comer bem e vestir-se com apuro. 3. Prazeres Não Naturais e Não Necessários: São prazeres vazios, baseados em opiniões falsas, dentro os quais, o desejo de riqueza, poder e honras. Estes prazeres produzem a perturbação da alma e não aliviam a dor do corpo.
  • 29. A AMIZADE, A POLÍTICA E A MORTE SEGUNDO O EPICURISMO   • • • Esta filosofia enxerga o homem, não mais como cidadão, mas como homem privado. A AMIZADE para Epicuro: “De todas as coisas que a sabedoria busca, em vista de uma vida feliz, ao maior bem é a conquista da amizade”. “A Amizade anda pela terra, anunciando a todos que devemos acordar para dar alegria uns aos outros”. “A riqueza, segundo a natureza, esta inteira no pão, na água e no abrigo qualquer para o corpo,, a riqueza supérflua multiplica os desejos e perturba a alma. O maior dos prazeres é a amizade, trata-se do laço verdadeiro entre os indivíduos, é ver um outro como eu”.
  • 30. A política  A POLITICA para Epicuro é a busca do poder, da fama e da riqueza. Ela é enganosa miragem, tão vazia quanto as coisas que busca. Neste sentido, a vida pública não enriquece o homem, mas o dispersa e dissipa.  A vida política não é natural, causa perturbações na alma e dores no corpo, comprometendo a felicidade. “Retira-te para dentro de ti mesmo, porque a coroa da serenidade é superior à coroa dos grandes imperadores”.
  • 31. OS QUATRO REMEDIOS PARA EVITAR O SOFRIMENTO 1. Vazios são os temores com relação aos deuses e ao além. 2. A morte não é nada, e deve ser encarada sem pavor. 3. O prazer bem entendido pode dar felicidade a todos. 4. O mal dura pouco e é suportável.  A MORTE quando chega, nada sentimos e enquanto não chega não é real. Portanto é um mal para que nutre falsas opiniões sobre ela
  • 32. ESTOICISMO       Surge 25 anos depois do Epicurismo, por volta do ano 312 a.C., seu maior filosofo e fundador da escola era Zenão. Estoicismo antigo: entre séc. IV e VI a.C. Estoicismo médio: séc. II e I a.C. Novo Estoicismo: Época do Império Romano, na qual assume tons religiosos e de meditação moral. Possui uma lógica, uma ética e uma física. Neste sentido, afirmavam que a filosofia é uma arvore cujas raízes estão na lógica; o tronco, na física; e a ética nos frutos. A lógica, como no Epicurismo, fornece os critérios de verdade.
  • 33. A LÓGICA DO ESTOICISMO     A base do conhecimento é a sensação, aquilo que afeta os sentidos. Nestes termos, a sensação é uma impressão provocada pelos objetos sobre os nossos órgãos sensoriais, e que se transmite à alma, nela se imprimindo e gerando a representação. É preciso, porém, um consentir, um aprovar do logos, que está em nossa alma, ou seja, o logos atua sobre nossas impressões. Temos, então, a representação compreensiva.
  • 34. A FÍSICA DO ESTOICISMO A física estóica se baseia em três pontos: 1. O ser é o que tem a capacidade de agir e sofrer, nestes termos, o ser é corpo. 2. Ser e corpo são idênticos, portanto temos um Materialismo monista. 3. Deus penetra toda a realidade. Deus é inteligência, mas também é natureza.  Trata-se de um Deus Physis e Logos, Natureza e Razão. Deus hora é sopro, hora é fogo, e nisto consiste toda a matéria.  Em suma, Deus esta em tudo. Assim, não há o dualismo metafísico de Platão. 
  • 35. A ÉTICA DO ESTOICISMO  A ética estóica consiste na busca da felicidade, que se alcança vivendo segundo a natureza. Existem três princípios para esta vida 1. Conservar-se a si mesmo. 2. Apropriar-se do próprio ser e de tudo que é necessário para a sua conservação. 3. Conciliar-se consigo mesmo, saber o que você é, possuir auto critica. Conciliar-se com as coisas que são conforme sua essência.  São esses princípios que nos trazem a noção do bem segundo a ética estóica.  Como o homem é um ser racional, o bem é o que conserva e incrementa a razão; o mal é o que danifica a razão.
  • 36.  Assim, a sabedoria e a virtude tornam o homem livre e feliz. Sabedoria e virtude significam erradicar e eliminar todas as paixões, tornar-se sereno e indiferente aos sofrimentos impostos pelo destino.  Trata-se da apatia estóica. Por ela, eliminase toda a piedade, compaixão e misericórdia, pois estes são defeitos e vícios da alma. O sábio não se comove em favor de quem quer que seja; não é próprio do homem forte deixar-se vencer pela piedade e afastar-se da justa severidade.