Introdução à microbiologia

43.123 visualizações

Publicada em

Aula de introdução a microbiologia

Publicada em: Educação
1 comentário
26 gostaram
Estatísticas
Notas
  • preciso de uma cópia deste para uma aula.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
43.123
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
31
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.881
Comentários
1
Gostaram
26
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Introdução à microbiologia

  1. 1. INTRODUÇÃO À MICROBIOLOGIA<br />Renato Varges<br />
  2. 2. Porque estudar Microbiologia?<br />
  3. 3. Cerca de metade da biomassa do planeta é constituída por microrganismos, sendo os 50% restantes distribuídos entre plantas (35%) e animais (15%).<br /><ul><li> Importante para sobrevivência dos seres humanos, plantas e animais
  4. 4. Infecções primárias e secundárias
  5. 5. Reciclagem de resíduos
  6. 6. Produção de antibióticos, vitaminas, outras substâncias
  7. 7. Industria de alimentos e combustíveis
  8. 8. Engenharia genética, etc...</li></li></ul><li>Microbiologia: Mikros (= pequeno) + Bio (= vida) + logos (= ciência)<br />A Microbiologia é classicamente definida como a área da ciência que dedica-se ao estudo de organismos que somente podem ser visualizados ao microscópio.<br />Assim, a microbiologia envolve o estudo de organismos procarióticos (bactérias, archaeas), eucarióticos (algas, protozoários, fungos) e também seres acelulares (vírus).<br />
  9. 9. O que se estuda na Microbiologia?<br /><ul><li>Classificação
  10. 10. Estrutura
  11. 11. Reprodução
  12. 12. Hereditariedade
  13. 13. Atividades bioquímicas
  14. 14. Nutrição
  15. 15. Atividades e relações entre si e com outros seres vivos
  16. 16. Habilidade em causar mudanças físicas e químicas no ambiente</li></li></ul><li>História da Microbiologia<br />Antes do século XVIII, a que se atribuía as doenças?<br />Maldição divina<br />Teoria dos miasmas (vapores ou venenos)<br />Mau odores<br />O ar como meio de transmissão<br />
  17. 17. A descoberta dos microrganismos<br />As primeiras observações:<br />Antoni Van Leeuwenhoek<br /> (1632 - 1723) <br />Lentes 200 a 300 X<br />
  18. 18. O MUNDO INVISÍVEL<br />Leeuwenhoek - Fundador da microbiologia <br />Observações relatadas a Sociedade Real de Londres<br />Observou e descreveu os microrganismos ("animáliculos“)<br />
  19. 19. Louis Pasteur (1822-1895)<br />Teoria germinal das enfermidades infecciosas<br />
  20. 20. Teoria microbiana das doenças<br /><ul><li>Robert Koch (1843-1910):
  21. 21. Descobriu a etiologia do Antraz.
  22. 22. Fez o primeiro isolamento bacteriano
  23. 23. Descobriu e isolou o bacilo causador da tuberculose
  24. 24. Desenvolveu o primeiro tratamento contra a tuberculose
  25. 25. Revolucionou a medicina para diagnóstico e tratamento de doenças e aumentou a expectativa de vida em décadas.</li></li></ul><li>Teoria microbiana das doenças<br />POSTULADOS DE KOCH<br /><ul><li> Os microorganismos devem estar presentes em todos os casos de doenças
  26. 26. Os microorganismos devem ser isolados em cultura pura no laboratório
  27. 27. Os mesmos sintomas devem surgir se o microorganismo for inoculado em um hospedeiro saudável e susceptível
  28. 28. O mesmo microorganismo deve ser re-isolado do hospedeiro inoculado</li></li></ul><li>DIVERSIDADE DOS MICRORGANISMOS<br />● BACTÉRIAS<br />● FUNGOS<br />● VÍRUS<br />● PROTOZOÁRIOS <br />● ALGAS<br />
  29. 29. Taxonomia<br />Sistemas de classificação dos seres vivos<br />Linnaeus (séc. XVIII): Reinos Animal e Vegetal<br />Haeckel (1866): Inclusão do reino Protista: "animais" e "vegetais“ unicelulares<br />Whittaker (1969): Cinco reinos - características morfólogicas e fisiológicas:<br />Monera: ProcariotosProtista: Eucariotos unicelulares Fungi: Eucariotos aclorofiladosPlantae: VegetaisAnimalia: Animais<br />
  30. 30. Taxonomia<br />Carl Woese (1990) - O DNA poderia ser considerado um fóssil molecular. <br /><ul><li>Classificação baseada em aspectos evolutivos (filogenéticos)
  31. 31. Comparação das sequências de genes que codificavam o rRNA</li></ul>Esta nova proposta de classificação subdivide os seres vivos em 3 domínios:Archaea: Composto por procariotos – Ancestrais das bactériasBacteria: Composto por procariotos – Bactérias em geralEukarya: Composto por eucariotos – Animais, vegetais, algas, protozoários e fungos<br />
  32. 32. <ul><li>A sistemática é a ciência dedicada a inventariar e descrever a biodiversidade e compreender as relações filogenéticas entre os organismos.
  33. 33. Taxonomia: do grego tassein = "para classificar" e nomos = lei. È a ciência de administrar a descoberta, descrição e classificação das espécies e grupo de espécies, com suas normas e princípios
  34. 34. Filogenia: relações evolutivas entre os organismos
  35. 35. Classificação definitiva: métodos fenotípicos e genotípicos</li></li></ul><li>Métodos fenotípicos<br />Morfologia<br />Coco : De forma esférica ou subesférica (do gênero Staphylococcus) <br />Bacilo ou Bastonete : Em forma de bastonete (do gênero Bacillus) <br />Vibrião : Em forma de vírgula (do gênero Vibrio) <br />Espiroqueta : Em forma de espiral (do gênero Treponema e Leptospira)<br />Vibrios<br />Espiroqueta<br />Cocos<br />Bacilos ou Bastonetes<br />
  36. 36. 2. Propriedades tintoriais<br /><ul><li>Gram-positivas
  37. 37. Gram-negativas
  38. 38. Bacilos álcool ácido resistentes - BAAR
  39. 39. Não se coram pelo Gram</li></ul>Gram-negativas<br />BAAR<br />Gram-positivas<br />
  40. 40. 3. Exigências nutricionais<br />Autotróficas x Heterotróficas<br />A maioria das espécies bacterianas de interesse médico apresentam nutrição heterotrófica, ou seja, tanto a fonte de energia quanto a de átomos são moléculas orgânicas que a bactéria ingere como alimento. <br />
  41. 41. 4. Tipagem enzimática: enzimas do metabolismo<br /><ul><li> Enzimas respiratórias
  42. 42. Pesquisa da Catalase
  43. 43. Metabolismo glicídico</li></ul> A maioria das bactérias utiliza os hidratos de carbonohidrolizando-os até à formação de ácidos com consequente alteração do pH do meio. Em alguns casos essa hidrólise conduz à formação de gases. <br />
  44. 44. 5. Enzimas extracelulares e toxinas<br /><ul><li>Pesquisa de coagulase: a presença desta enzima indica patogenicidade; na presença de plasma, os produtores de coagulase (como o Staphylococcusaureus) vão desencadear os mecanismos da coagulação.
  45. 45. Pesquisa de enzimas hidrolíticas: esta prova tem a sua principal aplicação na caracterização de espécies do géneroStreptococcus, alguns dos quais elaboram enzimas hemolíticas</li></li></ul><li>6. Sorotipagem<br /><ul><li>Microrganismos inertes às provas bioquímicas
  46. 46. Microrganismos de cultivo difícil
  47. 47. Fins epidemiológicos</li></li></ul><li>Métodos genotípicos<br />Tamanho do DNA<br />Índice Crioscópico<br />Índice Citosina-Guanina (C+G)<br />Hibridização de DNA <br />Sondas moleculares: 50-100pb <br />Sequenciamento de DNA<br />Ribotipagem: RNAr 16S<br />Análise plasmidial<br />
  48. 48. Nomenclatura binomial<br /><ul><li>Atribuição de nomes científicos às espécies.
  49. 49. Formado por duas palavras – o nome do gênero e o restritivo específico (adjetivo que qualifica o gênero)</li></ul>Ex:<br />Escherichiacoli ou Escherichiacoli<br /> nome homenageia Theodor Escherich, <br />coli: lembra que habita o cólon humano ou intestino grosso.<br />Staphylococcusaureus ou Staphylococcusaureus<br />Staphylo (tipo de agrupamento) + coccus (forma esférica)<br />aureus(cor de ouro).<br />Staphylococcussp. X Staphylococcusspp. <br />

×