Turismo em espaço rural

2.478 visualizações

Publicada em

Geografia A - 11º ano
O Turismo em Espaço Rural

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.478
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
90
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Turismo em espaço rural

  1. 1. TURISMO EM ESPAÇO RURAL Joana Rodrigues Nº7 11ºB
  2. 2. INTRODUÇÃO Nesta atmosfera de abertura e diversificação funcional, o turismo emerge como uma oportunidade para revitalizar os territórios, melhorar a qualidade de vida das populações e valorizar os seus recursos mais relevantes, nomeadamente o património natural e cultural. O Turismo no Espaço Rural, nas suas múltiplas facetas, tem adquirido uma importância económica e social crescente, associada à sua contribuição para a valorização e sustentabilidade da paisagem.
  3. 3. O espaço rural português, pela extensão que ocupa, pela população que nele habita e pelo grande e diversificado potencial de recursos naturais, humanos e culturais que prende, deve ser valorizado de forma a promover o desenvolvimento económico e social e de acesso às condições de suporte à vida das pessoas e à atividade das empresas. Só assim será possível esbater os contrastes entre áreas urbanas e áreas rurais, e contribuir para um país territorialmente mais equilibrado.
  4. 4. As áreas rurais, apesar de apresentarem graves insuficiências e fragilidades em relação às áreas urbanas, não são, contudo, uniformes. Pelo contrário, exibem entre si profundos contrastes. As que se localizam no litoral, junto aos grandes centros urbanos, apresentam um forte dinamismo económico, proporcionado por essa proximidade, e uma organização ao nível do território e da empresa que torna difícil, por vezes, estabelecer os limites entre os espaços urbanos e os espaços rurais. Representam áreas densamente povoadas, urbanizadas e ocupadas, já de forma significativa, por atividades ligadas a outros setores de atividade, como o secundário e o terciário. A agricultura praticada é moderna, voltada para o mercado e marcada pela pluriatividade da mão-de- obra, proporcionada pela difusão das referidas atividades.
  5. 5. No interior do país, a realidade é completamente diferente. O espaço rural apresenta características muito vincadas, permitindo estabelecer, de forma bem nítida, as diferenças que o separam do espaço urbano. A estas áreas rurais encontram-se associados a graves problemas: envelhecimento demográfico, despovoamento, baixo nível de instrução e de qualificação da mão-de-obra, oferta insuficiente de serviços e equipamentos, baixo nível de vida da população, entre outros. Estas fragilidades tem contribuído para a diminuição da população ativa, para o abandono das atividades ligadas ao setor, para a desvitalização continuada destas áreas, cada vez com menos capacidade em atrair população e em fixá-la.
  6. 6. No entanto, estas áreas encerram recursos valiosos que são, cada vez mais, encarados como potenciais vetores de desenvolvimento. Entre esses recursos aponta-se o património ao nível da paisagem, do ambiente, da história, da cultura ou da arquitetura. Trata-se de património cuja preservação é crescentemente acarinhada, não só pelo valor inerente mas também pelo papel que desempenha na consolidação da identidade do país e da região. É neste contexto que o desenvolvimento rural, pilar fundamental da PAC, deve ser encarado. Neste sentido, o espaço rural deixa de ser considerado exclusivamente como espaço de produção e passa a ser entendido como espaço de regulação, de informação e de suporte.
  7. 7. A multifuncionalidade atribuída, assim, às áreas rurais pressupõe uma diversificação ao nível das atividades económicas a desenvolver, promotora da pluriatividade. A população ativa passará, assim, a dispor de atividades alternativas e complementares, que além de contribuírem para melhorar o seu nível e qualidade de vida ajudarão à preservação dos recursos, à diminuição das assimetrias nacionais, ao mesmo tempo que determinarão a contenção do êxodo rural. Face à diversificação funcional que pode ser assumida nas áreas rurais, variadas são também as atividades que podem ser desenvolvidas, como por exemplo as que se ligam ao turismo, à indústria, aos serviços, às produções locais de qualidade, à silvicultura ou às energias renováveis.
  8. 8. O QUE É O TER? Conjunto de atividades e serviços prestados a troco de remuneração, de forma personalizada e de acordo com os valores tradicionais e modos de vida das comunidades rurais em que se insere.
  9. 9. PRINCIPAIS RAZÕES DO INCREMENTO DA PROCURA PELO TER ¤O interesse património; crescente pelo ¤ Uma maior sensibilidade ecológica; ¤ Um maior interesse pelas especialidades gastronómicas tradicionais; ¤ O crescimento descontrolado de muitas áreas balneares, que destrói a beleza e prolonga os principais problemas das grandes cidades. ¤ O aumento dos tempos de recreio e lazer; ¤ Os níveis crescentes de instrução da população; ¤ Melhoria das infraestruturas de acesso e das comunicações; ¤ Maior sensibilidade, por parte da população, para as questões ligadas à saúde e ao seu relacionamento com a natureza; ¤ Busca da paz e da tranquilidade.
  10. 10. OBJETIVOS DE TER Oferecer aos turistas a oportunidade de conviver com as práticas, as tradições e os valores da sociedade rural, valorizando as particularidades das regiões, desde a paisagem à gastronomia; aos costumes e ao património (recursos endógenos), podendo assim contruir um importante fator de desenvolvimento das áreas rurais.
  11. 11. TURISMO COMO POLO DINAMIZADOR DO DESENVOLVIMENTO RURAL De modo a “fugir” ao stress da vida urbana, a população urbana procura locais de descanso e sossego, surgindo assim uma variedade de estratégias, ligadas a esta nova procura, que devem ser encaradas de forma integrada. É essencial desenvolver novas atividades económicas, sociais e ambientais, fortalecendo o tecido produtivo das regiões mais desfavorecidas. Estimulam-se então atividades ligadas ao lazer, bem como à conservação de tradições culturais e ambientais. É neste contexto que o turismo é encarado como base potenciadora do desenvolvimento rural, através da criação de novos postos de emprego, induzindo o desenvolvimento de outras atividades e valorizando recursos locais (gastronomia, artesanato, património...).
  12. 12. TER – MOTOR DO DESENVOLVIMENTO LOCAL Turismo Diminui o despovoamento Aumenta e rejuvenesce a população Cria emprego Cria-se riqueza Preserva o património arquitetónico e paisagístico Melhora as acessibilidades Dá a conhecer a região e os seus produtos Aumenta a construção civil, o comércio, os serviços e artesanato. Minimiza as assimetrias sociais, culturais, demo gráficas…
  13. 13. IMPORTÂNCIA DO TER PARA A SUSTENTABILIDADE NATURAL E CULTURAL O turismo deve ser incitado como atividade complementar, de forma a obter-se um desenvolvimento sustentável das áreas rurais evitando situações de sobre-exploração de recursos, perca de originalidade e de autenticidade dos locais visitados. É neste contexto que se torna crucial que se cônjuge de forma integrada as vertentes económica, social e ambiental potenciando um desenvolvimento sustentável das áreas rurais através de um fenómeno como o turismo que é utilizador de recursos territoriais, paisagísticos, tradicionais, patrimoniais culturais.
  14. 14. SUSTENTABILIDADE NATURAL E CULTURAL DO TER
  15. 15. De modo a diminuir os efeitos negativos do TER é necessária a: Formação e sensibilização das populações locais para a importância de um turismo duradouro e sustentável. Redução da sazonalidade através da implementação/alargamento do turismo sénior socialmente apoiado. Promoção do “turismo verde”, valorizando as suas múltiplas potencialidades. Divulgação e valorização das potencialidades das culturas tradicionais locais. Valorização dos produtos locais de qualidade. Potencialização da hospitalidade das populações das áreas rurais, bem como do seu património cultural.
  16. 16. Conclusão Turismo, cultura e natureza constituem um conjunto inseparável no centro das oportunidades de desenvolvimento uma vez que promovem a valorização dos recursos com um harmonioso planeamento regional e local, para poder ser sustentável no tempo. O quadro evolutivo das políticas europeias para o mundo rural traduz a passagem de um modelo orientado para o setor agrícola em direção a um modelo centrado na sociedade rural e na estruturação das suas paisagens, com a maior valorização de novos recursos e uma maior dependência da sociedade urbana.
  17. 17. PÓVOA DÃO
  18. 18. PÓVOA DÃO A Póvoa do Dão é uma pequena aldeia medieval situada a 14 km de Viseu, na freguesia de Silgueiros, a maior do concelho de Viseu. Atravessada por uma via romana, que integra as Rotas Romanas do Dão, pertenceu à família fidalga Santos Lima durante mais de 700 anos. Esta aldeia estava abandonada à alguns anos e apenas com um habitante e as restantes casas em ruínas. Foi entretanto recuperada, reconstruída e tornou-se uma aldeia turística onde as casas, todas em granito e com o interior em madeira, foram mantidas na sua forma original. Na aldeia existe um restaurante já bastante conceituado e prima pelas várias especialidades gastronómicas. Existe ainda uma piscina para uso exclusivo dos habitantes, bem como um campo de ténis e futebol. O preço de aluguer vai de 65€ a 125€, por noite.
  19. 19. Ao ar livre entre cerca de 120 hectares, banhados ao longo de 2,5 km pelo rio Dão, encontramos dezenas de nascentes, percursos pedonais e trilhos organizados para passeio e aventura, socalcos em granito, um vasto pulmão florestal, a exploração agrícola biológica e várias espécies de fauna e flora.  Atividades:  Piscina;  Ténis;  Trilhos pedestres;  Pesca desportiva;  Piqueniques;  Birdwatching;  Observação de Astros;  Percursos na Natureza (Biodiversidade);  Percursos Micológicos.  Worshops:  Cozinha;  Agricultura Biológica:  Enologia:  Defesa dos Ecossistemas;  Artesanato.  Outras atividades:  Vindimas;  Santo Amaro;  Varejo da Azeitona.
  20. 20. FONTES  Livro:  Preparação para o Exame Nacional 2014 Geografia A 11, Porto Editora  Geografia A 11º ano, Texto  Sites:  http://www.dgadr.mamaot.pt/diversificacao/turismo-rural/fator-dedesenvolvimento-rural  http://www.agroportal.pt/Turismo/ter/daolafoes.htm  PowerPoint’s fornecidos pelo professor

×