O Antigo Regime em Portugal na  1ª  metade do séc.  XVIII
Na década de 70 do séc. XVII, as finanças portuguesas estavam exauridas. As campanhas militares da Restauração e a baixa d...
(...) Acharemos (e não ainda todos) que só o pano de linho [feito em Portugal] e os sapatos são obras nossas. Chapéus, já ...
D. Luís de Meneses 3º conde da Ericeira  1632 —1690 <ul><li>O Conde da Ericeira toma então algumas medidas com vista ao de...
Surgiram diversas manufacturas. No entanto, esta política manufactureira não foi bem sucedida.
Em 27 de Dezembro de 1703, o cônsul inglês John Methuen assina um tratado comercial com Portugal: o  tratado de Methuen .
(….) Sua Sagrada Majestade Britânica ao sobredito Exmo. Senhor João Methuen; Sua Sagrada Majestade Portuguesa ao Exmo. D. ...
Em  1699, chegam ao reino as primeiras remessas de ouro do Brasil. Desde então, a quantidade foi aumentando, chegando às 1...
As enormes receitas chegavam para cobrir o défice da balança comercial. A moeda cunhada era de grande valor e permitia ao ...
O ouro e os diamantes atraíram uma vaga de emigrantes para  o sertão brasileiro.
Reuniões das Cortes O desafogo financeiro permitiu ao rei reforçar e centralizar os poderes da coroa. D. Filipe II 1581 15...
D. João V 1689 - 1750 Palácio da Ajuda; Lisboa D. João V  (1706 – 1750) exerceu o poder de forma absoluta num ambiente de ...
O rei empenhou-se na edificação de grandes obras públicas, como o Aqueduto das Águas Livres , em Lisboa.
Em 1717, deu-se início à construção do palácio e convento de Mafra.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

2 O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii

13.715 visualizações

Publicada em

1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.715
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.650
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
437
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2 O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii

  1. 1. O Antigo Regime em Portugal na 1ª metade do séc. XVIII
  2. 2. Na década de 70 do séc. XVII, as finanças portuguesas estavam exauridas. As campanhas militares da Restauração e a baixa dos lucros do comércio açucareiro e tabaqueiro, devido à concorrência internacional, levam D. Luís de Meneses, conde da Ericeira , Vedor da Fazenda do rei D. Pedro II, a executar uma política mercantilista. D. Pedro II O Pacífico 1648 – 1706 Palácio Nacional de Sintra
  3. 3. (...) Acharemos (e não ainda todos) que só o pano de linho [feito em Portugal] e os sapatos são obras nossas. Chapéus, já se desprezam os nossos, e não se estima homem limpo o que não traz chapéus de França. (...). O único meio que há para evitar este dano e impedir que o dinheiro saia do Reino é introduzir nele as artes [manufacturas]. (...). O dinheiro nos reinos tem a qualidade que tem o sangue no corpo de alimentar todas as partes dele; e para o alimentar anda em perpétua circulação, de sorte que não pára senão com a inteira ruína do corpo. Isto mesmo faz o dinheiro. (…) Duarte Ribeiro de Macedo: Discurso Sobre a Introdução das Artes no Reino ; (1675)
  4. 4. D. Luís de Meneses 3º conde da Ericeira 1632 —1690 <ul><li>O Conde da Ericeira toma então algumas medidas com vista ao desenvolvimento manufactureiro: </li></ul><ul><li>Criação de têxteis: Covilhã, Guarda, Fundão, Portalegre; </li></ul><ul><li>Importação de equipamento e contratação de técnicos estrangeiros; </li></ul><ul><li>Leis pragmáticas, limitando a importação de panos e vestuário luxuoso; </li></ul><ul><li>Criação de condições favoráveis à fixação de investidores estrangeiros. </li></ul>
  5. 5. Surgiram diversas manufacturas. No entanto, esta política manufactureira não foi bem sucedida.
  6. 6. Em 27 de Dezembro de 1703, o cônsul inglês John Methuen assina um tratado comercial com Portugal: o tratado de Methuen .
  7. 7. (….) Sua Sagrada Majestade Britânica ao sobredito Exmo. Senhor João Methuen; Sua Sagrada Majestade Portuguesa ao Exmo. D. Manuel Teles, marquês de Alegrete, Conde de Vilar Maior, cavaleiro professo na Ordem de Cristo, etc. Os quais, em virtude dos plenos poderes a eles respectivamente concedidos, depois de uma madura e exacta consideração nesta matéria, concordaram nos artigos seguintes: Artigo 1º Sua Sagrada Majestade El-Rei de Portugal promete, tanto em próprio nome como dos seus sucessores, admitir para sempre daqui em diante no reino de Portugal os panos de lã e mais fábricas de lanifícios da Inglaterra , como era costume até o tempo que foram proibidos pelas leis, não obstante qualquer condição em contrário. Artigo 2º É estipulado que Sua Sagrada e Real Majestade Britânica, em seu próprio nome, e no dos seus sucessores, será obrigada para sempre, daqui por diante, a admitir na Grã-Bretanha os vinhos do produto de Portugal , de sorte que em tempo algum (haja paz ou guerra entre os reis de Inglaterra e de França) não se poderá exigir de direitos de alfândega nestes vinhos, (…)
  8. 8. Em 1699, chegam ao reino as primeiras remessas de ouro do Brasil. Desde então, a quantidade foi aumentando, chegando às 15 toneladas anuais!
  9. 9. As enormes receitas chegavam para cobrir o défice da balança comercial. A moeda cunhada era de grande valor e permitia ao rei, que garantia 1/5 de toda a produção, levar uma vida de grande luxo e ostentação.
  10. 10. O ouro e os diamantes atraíram uma vaga de emigrantes para o sertão brasileiro.
  11. 11. Reuniões das Cortes O desafogo financeiro permitiu ao rei reforçar e centralizar os poderes da coroa. D. Filipe II 1581 1598 1581 1583 D. Filipe III 1598 1621 1619 D. Filipe IV 1621 1640 D. João IV 1640 1656 1641 1642 1645 1653 D. Afonso VI 1656 1683 1668 D. Pedro II 1683 1706 1674 1679 1697 D. João V 1706 1750 -------
  12. 12. D. João V 1689 - 1750 Palácio da Ajuda; Lisboa D. João V (1706 – 1750) exerceu o poder de forma absoluta num ambiente de grande luxo e ostentação. O Magnânimo procurava imitar o modelo da corte de Luís XIV de França. Coche de D. João V Museu dos Coches Lisboa
  13. 13. O rei empenhou-se na edificação de grandes obras públicas, como o Aqueduto das Águas Livres , em Lisboa.
  14. 14. Em 1717, deu-se início à construção do palácio e convento de Mafra.

×