APRESENTAÇÃO MOEDAS SOCIAIS

752 visualizações

Publicada em

APRESENTAÇÃO MOEDAS SOCIAIS

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
752
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
266
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

APRESENTAÇÃO MOEDAS SOCIAIS

  1. 1. Apoio:
  2. 2. As moedas sociais são uma espécie do grupo moedas paralelas, e também podem ser chamadas de moedas solidárias ou moedas locais. São sistemas criados e administrados por grupos sociais, para viabilizar a realização de pagamentos, trocas ou transmissão de obrigações entre os membros de uma determinada comunidade (=> Lei 10.214/01) O QUE SÃO AS MOEDAS SOCIAIS?
  3. 3. POR QUE NÃO TER MOEDAS MAIORES?
  4. 4. “As pessoas tem que entender que a moeda ela é social se ela não acumular, e sim, se ela circular” Heloísa Primavera Especialista em Economia Solidária e Moedas Sociais O QUE SÃO AS MOEDAS MAIORES?
  5. 5. POR QUE NÃO TER MOEDAS MAIORES?
  6. 6. Fiduciário Adjetivo 1. relativo, pertencente ou próprio de fidúcia; fiducial. 2. economia cujo valor depende somente da confiança a ele dispensada (diz-se de papel-moeda). "moeda fiduciária." 3. submetido à oneração por fideicomisso. 4. substantivo masculino herdeiro ou legatário, com a obrigação de transferir os bens da herança ou do legado, de acordo com a condição estipulada pelo testador, para pessoa por este indicada no testamento. Origem ETIM lat. fiduciarius,a,um jur 'id.' POR QUE NÃO TER MOEDAS MAIORES?
  7. 7. POR QUE NÃO TER MOEDAS MAIORES?
  8. 8. 1) Falta de lastro para iniciar a circulação da moeda social; 2) Medo dos produtores e comerciantes de perderem dinheiro se a moeda não tiver validade; 3) Poucas empresas aceitam entrar no sistema (consumidores não têm opção onde gastar a moeda social); 4) Os moradores têm medo de que a moeda seja falsificada e acabem sendo enganados; DIFICULDADES PARA GARANTIR A CIRCULAÇÃO DA “MOEDA SOCIAL CIRCULANTE LOCAL” - BCD
  9. 9. 5) Produtores e consumidores não percebem vantagens no uso da moeda social e por isso preferem trabalhar com a moeda nacional; 6) A maioria dos moradores não entende ou sequer têm conhecimento da moeda social no bairro/município. 7) Muitas pessoas associam a moeda social à “questão política” 8) Dificuldades operacionais: dificuldade em ter troco em moeda social; necessidade urgente de trocar a moeda e o Banco Comunitário estar fechado; falta de sinalização dos locais onde se aceita a moeda entre outras. DIFICULDADES PARA GARANTIR A CIRCULAÇÃO DA “MOEDA SOCIAL CIRCULANTE LOCAL” - BCD
  10. 10. Moedas Sociais Regionais (Objetivos Comerciais): - Entre comerciantes - Uma combinação dos modelos acima - Entre comerciantes e consumidores - Entre consumidores (C2C) - Entre consumidores e comerciantes (C2B) OBJETIVO DA MOEDA SOCIAL
  11. 11. Moedas Sociais Setoriais (Objetivos Sociais): - Assistência à terceira idade; atividades de autoajuda para aposentados; educação; tomar conta de crianças; reforçar a identidade do grupo social; ecologia; cultura; - Combater o desemprego; fortalecer a comunidade local; - Outros propósitos sociais (infinitos) OBJETIVO DA MOEDA SOCIAL
  12. 12. EMISSÃO DAS MOEDAS SOCIAIS
  13. 13. A Emissão de Moedas Sociais Locais Circulantes, própria dos Bancos Comunitários, deve ter por princípio as seguintes orientações: i) ser lastreada em moeda nacional (Real); ii) ser indexada ao Real; iii) permitir o câmbio (moeda social x real x moeda social); iv) ter circulação restrita o território de atuação do Banco Comunitário (não mais que 60.000 hab.); v) ser de livre aceitação pelos moradores e comércio local. E mais; vi) não deve ser cobrado juros para empréstimo em moeda social; vii) na frente da moeda deve ter o nome e endereço da entidade gestora do banco; viii) no verso da moeda deve ter um texto explicativo de que se trata de um “bônus” que promove o desenvolvimento local e de uso exclusivo para troca de produtos e serviços na comunidade. EMISSÃO DAS MOEDAS SOCIAIS
  14. 14. A moeda social surge na economia solidária como alternativa ao escambo, e possui características próprias. É considerada um instrumento de desenvolvimento local, destinada a beneficiar o mercado de trabalho dos grupos que participam da economia da localidade. O QUE SÃO AS MOEDAS SOCIAIS
  15. 15. Seu uso é restrito, e a sua circulação beneficia a redistribuição dos recursos na esfera da própria comunidade. O aumento da quantidade de moeda social corresponde ao aumento das transações realizadas pelos participantes da economia local. Sempre observando o lastro (para cada moeda social uma moeda oficial do mesmo valor). O QUE SÃO AS MOEDAS SOCIAIS
  16. 16. Sua criação se inspira nos conceitos da economia solidária de articulação e trocas da economia, na produção e comercialização de produtos que vai além da lógica capitalista, por beneficiar a comunidade local e trazer desenvolvimento. A moeda social, por sua circulação restrita, auxilia a diminuir o poder centralizador da economia capitalista globalizada, e promove a inclusão social. O QUE SÃO AS MOEDAS SOCIAIS
  17. 17. GOVERNO BCD ONG BCD GOVERNO BCDBEIRA RIO PALMAS MARICÁ
  18. 18. Conjunto Palmeiras, Fortaleza-CE • Fundado em 1998 • Lastro inicial de R$ 2.000,00
  19. 19. BANCOS COMUNITÁRIOS PERSPECTIVAS PARA O BRASIL • 51 Bancos Comunitários 2009 •118 Bancos Comunitários 2016
  20. 20. BANCOS COMUNITÁRIOS PERSPECTIVAS PARA A PARAÍBA •03 Bancos Comunitários João Pessoa (São José, São Rafael, Muçumagro) •01 Banco Comunitário Lagoa de Dentro (Lagoa) •01 Banco Comunitário Pombal (Maringá) •01 Banco Comunitário Remígio Discussão 03 01 01 01
  21. 21. 1 1 1 *São José *São Rafael * Muçumagro BANCOS COMUNITÁRIOS PERSPECTIVAS PARA JOÃO PESSOA
  22. 22. 60 Anos 70% de Trabalhadores 9 Instituições Comunitárias 29 Estabelecimentos Comerciais 3.500 Habitantes Aproximadamente 500 Residências Aproximadamente 5 Instituições Governamentais COMUNIDADE SÃO RAFAEL, JOÃO PESSOA-PB
  23. 23. FIB: 50% DA COMUNIDADE MAPEAMENTO SOCIOECONOMICO: 100% DA COMUNIDADE PARCERIA COM INCUBES/UFPB MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICO PESQUISA FIB
  24. 24. ORGANOGRAMA DO BCDJB
  25. 25. ÁRVORE DO ABRAÇO De mãos dadas, construindo uma nova economia BANCO COMUNITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO JARDIM BOTÂNICO
  26. 26. LANÇAMENTO DA MOEDA SOCIAL ORQUÍDEA Profº Dr Genauto (ITES-UFBA) Profº Dr Maurício (INCUBES-UFPB) Profº Dr Paul Singer ( Secretário da SENAES) Katiucha Maria (Diretora Geral do CPCC) Enoque Raulino (Coordenador do Banco Comunitário) Daniel Pereira (Diretor do CPCC) LANÇAMENTO DA MOEDA SOCIAL ORQUÍDEA COM PARTICIPAÇÃO DO SECRETÁRIO NACIONAL PAUL SINGER NA COMUNIDADE SÃO RAFAEL
  27. 27. Primeira Moeda Social do CPCC Urna utilizada para escolha do nome do Banco Comunitário INAUGURAÇÃO DO BANCO COMUNITÁRIO Representante (SEDH-PB) Ednaldo Rosendo (INCUBES-UFPB) Flávio Gomes (Agente de Crédito) Enoque Raulino ( Coordenador do Banco) Diogo Rego (ITES-UFBA) Hildevânio Macedo (Prefeitura Municipal de João Pessoa) Daniel Pereira (Diretor do CPCC) 27 DE ABRIL DE 2013 INAUGURAÇÃO DO BCDJB
  28. 28. MOEDAS SOCIAIS BRASILEIRAS
  29. 29. SÃO JOSÉ SÃO RAFAEL LAGOA DE DENTROMUÇUMAGRO POMBAL
  30. 30. ANTES DEPOIS IDENTIDADE LOCAL CONTIDA NAS MOEDAS SOCIAIS
  31. 31. CENTRO POPULAR DE CULTURA E COMUNICAÇÃO Site: http://www.cpcc.webnode.com.br Email: cpcc.org.br@gmail.com Fones: (83) 9 8886-6277 (83) 9 8854-8148
  32. 32. BANCO CENTRAL DO BRASIL. Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/pre/microFinancas/arquivos/horario_arquivos/apres_116.pdf>. Acesso em 20 de dezembro de 2015. __________ Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/pre/microFinancas/publico/Default.asp?idEvento=23>. Acesso em 20 de dezembro de 2015. __________ Disponível em: <https://www.bcb.gov.br/Nor/relincfin/Palestra_Marusa_Vasconcelos_Freire_._Moedas_Sociais.pdf Blog o futuro do dinheiro. Disponível em: <https://ofuturododinheiro.wordpress.com/brasil-2012/>. Acesso em 20 de dezembro de 2015. Site do CENTRO POPULAR DE CULTURA E COMUNICAÇÃO. Disponível em: <http://cpcc.webnode.com.br/bcd-jardim-bot%C3%A2nico/bcd-jardim-bot%C3%A2nico/>. Acesso em 31 de dezembro de 2015. FREIRE, Marusa Vasconcelos. MOEDAS SOCIAIS: CONTRIBUTO EM PROL DE UM MARCO LEGAL E REGULATÓRIO PARA AS MOEDAS SOCIAIS CIRCULANTES LOCAIS NO BRASIL. Faculdade de Direito - Universidade de Brasília. 2010. 374p. Site Cidadania e território. Moedas sociais. Disponível em: <http://www.cidadaniaeterritorio.org/#!moedas- sociais/c23lz>. Acesso em 20 de dezembro de 2015.
  33. 33. Site Consultor Social. Casa da moeda pode imprimir dinheiro dos bancos sociais. Disponível em: <http://www.consultorsocial.org.br/noticias/111-casa-da-moeda-pode-imprimir-dinheiro-dos-bancos- sociais.html>. Acesso em 20 de dezembro de 2015. Site Portal do desenvolvimento. Moedas sociais ganham força nas comunidades. Disponível em: <http://www.portaldodesenvolvimento.org.br/moedas-sociais-ganham-forca-nas-comunidades/>. Acesso em 20 de dezembro de 2015. Site Sinal.org. Informativo. Disponível em: <http://www.sinal.org.br/informativos/porsinal/?id=7853&tipo=porsinal&show=shw&numero=36>. Acesso em 20 de dezembro de 2015. Site da UNISINOS. Finanças solidárias e moedas sociais, uma entrevista especial com Heloisa Primavera. Disponível em: <http://www.ihu.unisinos.br/noticias/2547-financas-solidarias-e-moedas-sociais-uma-entrevista- especial-com-heloisa-primavera>. Acesso em 20 de dezembro de 2015. Site do FEBES. ARTIGO SOBRE MOEDAS SOCIAIS. Disponível em: <http://www.fbes.org.br/biblioteca22/rel_parte2.pdf>. Acesso em 20 de dezembro de 2015. Site do Slideshare. Moedas sociais, clubes de trocas na Argentina e o projeto sol na França. Disponível em: <http://pt.slideshare.net/redlases/moedas-sociais-clubes-de-troca-na-argentina-e-o-projeto-sol-na-franca>. Acesso em 20 de dezembro de 2015.

×