SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Apoio:
São serviços financeiros e bancários gerenciados pela comunidade, fazendo
com que estes serviços além de mais acessíveis sejam um instrumento de organização
e estímulo ao desenvolvimento local.
O Banco Comunitário é de propriedade da comunidade e é gerido por uma
organização da sociedade civil. Além da entidade gestora, é necessário que exista, ou
que seja formado, um conselho local que faça a controladoria social do Banco.
REDE BRASILEIRA DE BANCOS COMUNITÁRIOS
Ainda não existe no Brasil um marco regulatório próprio
para os Bancos Comunitários e as finanças solidárias.
Nesta ausência, os Bancos Comunitários devem ficar
atentos para algumas normas vigentes.
Rede Brasileira de Bancos Comunitários
GOVERNO
BCD
ONG
BCD
GOVERNO
BCDBEIRA
RIO
PALMAS
MARICÁ
60
Anos
70%
de Trabalhadores
9
Instituições
Comunitárias
29
Estabelecimentos
Comerciais
3.500 Habitantes Aproximadamente
500 Residências Aproximadamente
5 Instituições Governamentais
COMUNIDADE SÃO RAFAEL, JOÃO PESSOA-PB
FIB:
50% DA COMUNIDADE
MAPEAMENTO
SOCIOECONOMICO:
100% DA COMUNIDADE
ÁRVORE DO ABRAÇO
De mãos dadas,
construindo uma nova
economia
Inauguração do Banco Comunitário
Representante (SEDH Governo da Paraíba), Edinaldo
(Incubes-UFPB), Flávio (Agende de Crédito), Enoque
(Coordenador do BCDJB), Diogo (Ites-UFBA),
Hildevânio (Secretário da Prefeitura de João Pessoa) e
Daniel (CPCC)
Primeira moeda usada em evento
pelo CPCC
Urna utilizada para a escolha do
nome do banco e da Moeda
Social
SÃO JOSÉ SÃO RAFAEL
LAGOA DE DENTROMUÇUMAGRO
POMBAL
• Visitas aos municípios/comunidades para certificação se o
mesmo reúne as condições necessárias para organização
de um banco comunitário;
• O mapeamento dos parceiros locais para implantação do
BCD;
• O mapeamento dos empreendimentos;
• O mapeamento da produção e consumo local;
• Roda de Diálogo - Com as Lideranças Locais;
• Roda de Diálogo - Economia Solidária;
• Roda de Diálogo - Sobre Finanças Solidárias;
• Intercâmbio entre os Bancos Comunitários;
• Roda de Diálogo - Sobre Agentes de Crédito;
• Formação de planejamento do Banco Comunitário com
Entidade Gestora;
• Formação de Planejamento com Conselho Gestor para
determinar o funcionamento do Banco, nome, produtos,
gestão, parcerias;
• Lançamento da Moeda Social;
• Inauguração do Banco Comunitário;
• Formações especializadas e focadas em gestão interna do
BCD;
• Reuniões com o poder público local, para novas parcerias;
• Articulação com novos parceiros;
• Formação aprofundada sobre gestão operacional do BCD
para (agentes de crédito, produtores locais e consumidores);
• Formação sobre marketing social para ampliação da
visualização do BCD.
Os Bancos Comunitários de Desenvolvimento são geridos no interior de
estruturas de organizações de caráter comunitário como: (associações,
fóruns, conselhos) ou outros tipos de iniciativa da sociedade civil que
estejam inseridas na comunidade (sindicatos, ONGs, igrejas).
Seu funcionamento supõe, portanto, a constituição de
uma equipe de coordenação executiva no seio da
própria organização associativa.
Sua gestão implica desse modo, numa dimensão
compartilhada, com forte componente de controle social local
baseado em mecanismos de democracia direta.
Associação
Clube
Cooperativa
Fundação
Igreja
 Ceder o Estatuto da Entidade, para a reformulação e inserção
dos artigos relacionados a Finanças Solidárias e o BCD;
 Fazer as ATAS que respaldem as ações do BCD;
 Representar, judicialmente e legalmente o BCD;
 Articular o Conselho Gestor do BCD;
 Articular o Conselho de Avaliação de Crédito do BCD;
 Firmar as parcerias necessárias para bom funcionamento do
BCD.
 Os artigos relacionados a Finanças Solidárias e o BCD
são:
VI – prestação de serviços a instituições financeiras na
qualidade de correspondente no país, de acordo com as
diretrizes fixadas pelo Conselho Monetário Nacional;
VII - atuação como organização de microfinanças no território
nacional, desenvolvendo ações de finanças CPCC ESTATUTO
SOCIAL 24 solidárias, tais como: microcrédito para produção e
para consumo, fundos solidários, moeda social, bancos
 Fazer as ATAS que respaldem as ações do
BCD;
Estas ATAS devem conter todas as informações
pertinentes as reuniões do conselho gestor sobre as demandas
do BCD no território de atuação. Devem conter dados dos
participantes, de recursos disponibilizados pelo BCD,
inadimplentes, mudança de equipe e outras informações de
relevância.
 Representar, judicialmente e legalmente o
BCD;
É papel da entidade gestora representar o BCD
legalmente quando for necessário, como na hora de fazer uma
parceira com o poder publico local, setor privado, outras
organizações não governamentais, abertura de conta, assinatura
de ATAS, registro de documentos, contabilidade entre outras
ações.
 Articular o Conselho Gestor do BCD;
A Entidade Gestora se compromete por toda a parte de
mobilização inicial do Conselho Gestor, compromete se também
quando o mesmo estiver enfraquecido de realizar nova
mobilização, além de sempre buscar novos membros para as
ações do BCD.
 Articular o Conselho de Avaliação de Crédito do BCD;
Assim como o Conselho Gestor, é papel da
entidade gestora realizar a mobilização e
acompanhamento das reuniões do CAC, além das
liberações de crédito que estão sendo feitas.
 Firmar as parcerias necessárias para bom
funcionamento do BCD.
Todas as parcerias formais do BCD, devem ser feitas de
forma documental e é a entidade gestora que faz tal parceria, por
isso é sempre importante estar com toda a documentação da
organização em dia perante os órgãos competentes.
Lembre se: Se a organização local não for forte,
provavelmente o BCD também não será, ou seja,
organização gestora consolidada, na maioria das
vezes reflete um BCD forte e consolidado também!
CENTRO POPULAR DE CULTURA E COMUNICAÇÃO
Site: http://www.cpcc.webnode.com.br
Email: cpcc.org.br@gmail.com
Fones: (83) 9 8886-6277 (83) 9 8854-8148
BANCO CENTRAL DO BRASIL. Disponível em:
<http://www.bcb.gov.br/pre/microFinancas/arquivos/horario_arquivos/apres_116.pdf>. Acesso em 20 de dezembro de
2015.
__________ Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/pre/microFinancas/publico/Default.asp?idEvento=23>. Acesso em
20 de dezembro de 2015.
__________ Disponível em:
<https://www.bcb.gov.br/Nor/relincfin/Palestra_Marusa_Vasconcelos_Freire_._Moedas_Sociais.pdf
Blog o futuro do dinheiro. Disponível em: <https://ofuturododinheiro.wordpress.com/brasil-2012/>. Acesso em 20 de
dezembro de 2015.
Site do CENTRO POPULAR DE CULTURA E COMUNICAÇÃO. Disponível em: <http://cpcc.webnode.com.br/bcd-
jardim-bot%C3%A2nico/bcd-jardim-bot%C3%A2nico/>. Acesso em 31 de dezembro de 2015.
FREIRE, Marusa Vasconcelos. MOEDAS SOCIAIS: CONTRIBUTO EM PROL DE UM MARCO LEGAL E
REGULATÓRIO PARA AS MOEDAS SOCIAIS CIRCULANTES LOCAIS NO BRASIL. Faculdade de Direito -
Universidade de Brasília. 2010. 374p.
Site Cidadania e território. Moedas sociais. Disponível em: <http://www.cidadaniaeterritorio.org/#!moedas-
sociais/c23lz>. Acesso em 20 de dezembro de 2015.
Site Consultor Social. Casa da moeda pode imprimir dinheiro dos bancos sociais. Disponível em:
<http://www.consultorsocial.org.br/noticias/111-casa-da-moeda-pode-imprimir-dinheiro-dos-bancos-sociais.html>.
Acesso em 20 de dezembro de 2015.
Site Portal do desenvolvimento. Moedas sociais ganham força nas comunidades. Disponível em:
<http://www.portaldodesenvolvimento.org.br/moedas-sociais-ganham-forca-nas-comunidades/>. Acesso em 20
de dezembro de 2015.
Site Sinal.org. Informativo. Disponível em:
<http://www.sinal.org.br/informativos/porsinal/?id=7853&tipo=porsinal&show=shw&numero=36>. Acesso em 20
de dezembro de 2015.
Site da UNISINOS. Finanças solidárias e moedas sociais, uma entrevista especial com Heloisa Primavera.
Disponível em: <http://www.ihu.unisinos.br/noticias/2547-financas-solidarias-e-moedas-sociais-uma-entrevista-
especial-com-heloisa-primavera>. Acesso em 20 de dezembro de 2015.
Site do FEBES. ARTIGO SOBRE MOEDAS SOCIAIS. Disponível em:
<http://www.fbes.org.br/biblioteca22/rel_parte2.pdf>. Acesso em 20 de dezembro de 2015.
Site do Slideshare. Moedas sociais, clubes de trocas na Argentina e o projeto sol na França. Disponível em:
<http://pt.slideshare.net/redlases/moedas-sociais-clubes-de-troca-na-argentina-e-o-projeto-sol-na-franca>.
Acesso em 20 de dezembro de 2015.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Inclusao pelo credito
Inclusao pelo creditoInclusao pelo credito
Inclusao pelo credito
vitadenarium
 
Fatima E Vitor 4º 17 Dezembro 2008
Fatima E Vitor 4º 17 Dezembro 2008Fatima E Vitor 4º 17 Dezembro 2008
Fatima E Vitor 4º 17 Dezembro 2008
formandostqi
 

Mais procurados (17)

APRESENTAÇÃO BANCO COMUNITÁRIO JARDIM BOTÂNICO
APRESENTAÇÃO BANCO COMUNITÁRIO JARDIM BOTÂNICOAPRESENTAÇÃO BANCO COMUNITÁRIO JARDIM BOTÂNICO
APRESENTAÇÃO BANCO COMUNITÁRIO JARDIM BOTÂNICO
 
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
COOPERATIVAS DE CRÉDITOCOOPERATIVAS DE CRÉDITO
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
 
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCDAPRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
 
APRESENTAÇÃO MOEDAS SOCIAIS
APRESENTAÇÃO MOEDAS SOCIAISAPRESENTAÇÃO MOEDAS SOCIAIS
APRESENTAÇÃO MOEDAS SOCIAIS
 
Banco Palmas - 100 perguntas mais frequentes
Banco Palmas - 100 perguntas mais frequentesBanco Palmas - 100 perguntas mais frequentes
Banco Palmas - 100 perguntas mais frequentes
 
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTELISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
 
APRESENTAÇÃO FUNDOS ROTATIVOS SOLIDÁRIOS
APRESENTAÇÃO FUNDOS ROTATIVOS SOLIDÁRIOSAPRESENTAÇÃO FUNDOS ROTATIVOS SOLIDÁRIOS
APRESENTAÇÃO FUNDOS ROTATIVOS SOLIDÁRIOS
 
Inclusao pelo credito
Inclusao pelo creditoInclusao pelo credito
Inclusao pelo credito
 
bancos multiplus
bancos multiplusbancos multiplus
bancos multiplus
 
APRESENTAÇÃO E-DINHEIRO
APRESENTAÇÃO  E-DINHEIROAPRESENTAÇÃO  E-DINHEIRO
APRESENTAÇÃO E-DINHEIRO
 
Financas solidarias na recuperacao economica
Financas solidarias na recuperacao economicaFinancas solidarias na recuperacao economica
Financas solidarias na recuperacao economica
 
Microcrédito social agência de fomento
Microcrédito social   agência de fomentoMicrocrédito social   agência de fomento
Microcrédito social agência de fomento
 
Cooperar 2006
Cooperar 2006Cooperar 2006
Cooperar 2006
 
CORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASIL
CORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASILCORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASIL
CORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASIL
 
Fatima E Vitor 4º 17 Dezembro 2008
Fatima E Vitor 4º 17 Dezembro 2008Fatima E Vitor 4º 17 Dezembro 2008
Fatima E Vitor 4º 17 Dezembro 2008
 
Técnicas de Vendas - Manejo de Carteira
Técnicas de Vendas - Manejo de CarteiraTécnicas de Vendas - Manejo de Carteira
Técnicas de Vendas - Manejo de Carteira
 
Prot. 1186 17 pl declara de utilidade pública o centro de recuperação e re...
Prot. 1186 17   pl  declara de utilidade pública o centro de recuperação e re...Prot. 1186 17   pl  declara de utilidade pública o centro de recuperação e re...
Prot. 1186 17 pl declara de utilidade pública o centro de recuperação e re...
 

Destaque

Destaque (9)

APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100
APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100
APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100
 
DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
 
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)
 
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAELAPRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
 
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIALAPRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
 
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUALAPRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
 
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIROAPRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
 
APRESENTAÇÃO SOBRE MEI
APRESENTAÇÃO SOBRE MEIAPRESENTAÇÃO SOBRE MEI
APRESENTAÇÃO SOBRE MEI
 
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAAPRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
 

Semelhante a APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCD

Carta do Encontro Estadual de Finanças Solidárias - Ba - novembro 2014
Carta do Encontro Estadual de Finanças Solidárias - Ba - novembro 2014Carta do Encontro Estadual de Finanças Solidárias - Ba - novembro 2014
Carta do Encontro Estadual de Finanças Solidárias - Ba - novembro 2014
TRAMPO Comunicação e Eventos Soares
 
O Banco de Desenvolvimento dos BRICS: Por que o novo banco dos BRICS deve ado...
O Banco de Desenvolvimento dos BRICS: Por que o novo banco dos BRICS deve ado...O Banco de Desenvolvimento dos BRICS: Por que o novo banco dos BRICS deve ado...
O Banco de Desenvolvimento dos BRICS: Por que o novo banco dos BRICS deve ado...
Oxfam Brasil
 

Semelhante a APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCD (20)

TCC 1 UNOPAR Analise de Sistemas de Informação
TCC 1 UNOPAR Analise de Sistemas de InformaçãoTCC 1 UNOPAR Analise de Sistemas de Informação
TCC 1 UNOPAR Analise de Sistemas de Informação
 
Carta do Encontro Estadual de Finanças Solidárias - Ba - novembro 2014
Carta do Encontro Estadual de Finanças Solidárias - Ba - novembro 2014Carta do Encontro Estadual de Finanças Solidárias - Ba - novembro 2014
Carta do Encontro Estadual de Finanças Solidárias - Ba - novembro 2014
 
Microcrédito e finanças solidárias
Microcrédito e finanças solidáriasMicrocrédito e finanças solidárias
Microcrédito e finanças solidárias
 
Instituição financeira cooperativa alternativa nota 10
Instituição financeira cooperativa   alternativa nota 10Instituição financeira cooperativa   alternativa nota 10
Instituição financeira cooperativa alternativa nota 10
 
Livro Microcrédito
Livro MicrocréditoLivro Microcrédito
Livro Microcrédito
 
Apostila William CAPRIATA Ofici(1).pdf
Apostila William  CAPRIATA  Ofici(1).pdfApostila William  CAPRIATA  Ofici(1).pdf
Apostila William CAPRIATA Ofici(1).pdf
 
Midiaintegrada brb
Midiaintegrada brbMidiaintegrada brb
Midiaintegrada brb
 
O Banco de Desenvolvimento dos BRICS: Por que o novo banco dos BRICS deve ado...
O Banco de Desenvolvimento dos BRICS: Por que o novo banco dos BRICS deve ado...O Banco de Desenvolvimento dos BRICS: Por que o novo banco dos BRICS deve ado...
O Banco de Desenvolvimento dos BRICS: Por que o novo banco dos BRICS deve ado...
 
Banco Comunitário Jardim Maria Sampaio
Banco Comunitário Jardim Maria SampaioBanco Comunitário Jardim Maria Sampaio
Banco Comunitário Jardim Maria Sampaio
 
Plano de Ação do Rotary Divinópolis Leste
Plano de Ação do Rotary Divinópolis LestePlano de Ação do Rotary Divinópolis Leste
Plano de Ação do Rotary Divinópolis Leste
 
4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez
4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez
4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez
 
Artigo cooperativas de crédito
Artigo cooperativas de créditoArtigo cooperativas de crédito
Artigo cooperativas de crédito
 
Sistema financeiro ppt 2003
Sistema financeiro ppt 2003Sistema financeiro ppt 2003
Sistema financeiro ppt 2003
 
Sistema financeiro ppt 2003
Sistema financeiro ppt 2003Sistema financeiro ppt 2003
Sistema financeiro ppt 2003
 
fabcr22_apresentação_Como planejar um programa de médios e grandes doadores n...
fabcr22_apresentação_Como planejar um programa de médios e grandes doadores n...fabcr22_apresentação_Como planejar um programa de médios e grandes doadores n...
fabcr22_apresentação_Como planejar um programa de médios e grandes doadores n...
 
Guia do Associativismo do Distrito de Lisboa
Guia do Associativismo do Distrito de LisboaGuia do Associativismo do Distrito de Lisboa
Guia do Associativismo do Distrito de Lisboa
 
Festival 2018 - CRM, as cinco coisas que aprendi
Festival 2018 - CRM, as cinco coisas que aprendiFestival 2018 - CRM, as cinco coisas que aprendi
Festival 2018 - CRM, as cinco coisas que aprendi
 
Microfinanças: Microcrédito e Microsseguros no Brasil - O papel das instituiç...
Microfinanças: Microcrédito e Microsseguros no Brasil - O papel das instituiç...Microfinanças: Microcrédito e Microsseguros no Brasil - O papel das instituiç...
Microfinanças: Microcrédito e Microsseguros no Brasil - O papel das instituiç...
 
Balanço Final do Governo Lula - livro 1 (cap. 3)
Balanço Final do Governo Lula - livro 1 (cap. 3)Balanço Final do Governo Lula - livro 1 (cap. 3)
Balanço Final do Governo Lula - livro 1 (cap. 3)
 
Criativa Birô
Criativa BirôCriativa Birô
Criativa Birô
 

Mais de INSTITUTO VOZ POPULAR (6)

APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULARAPRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
 
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIASMODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
 
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCCREGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
 
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTEAPRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
 
APRESENTAÇÃO - WEB RÁDIO
APRESENTAÇÃO - WEB RÁDIOAPRESENTAÇÃO - WEB RÁDIO
APRESENTAÇÃO - WEB RÁDIO
 
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
 

APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCD

  • 2. São serviços financeiros e bancários gerenciados pela comunidade, fazendo com que estes serviços além de mais acessíveis sejam um instrumento de organização e estímulo ao desenvolvimento local. O Banco Comunitário é de propriedade da comunidade e é gerido por uma organização da sociedade civil. Além da entidade gestora, é necessário que exista, ou que seja formado, um conselho local que faça a controladoria social do Banco. REDE BRASILEIRA DE BANCOS COMUNITÁRIOS
  • 3. Ainda não existe no Brasil um marco regulatório próprio para os Bancos Comunitários e as finanças solidárias. Nesta ausência, os Bancos Comunitários devem ficar atentos para algumas normas vigentes. Rede Brasileira de Bancos Comunitários
  • 5.
  • 6. 60 Anos 70% de Trabalhadores 9 Instituições Comunitárias 29 Estabelecimentos Comerciais 3.500 Habitantes Aproximadamente 500 Residências Aproximadamente 5 Instituições Governamentais COMUNIDADE SÃO RAFAEL, JOÃO PESSOA-PB
  • 8.
  • 9.
  • 10. ÁRVORE DO ABRAÇO De mãos dadas, construindo uma nova economia
  • 11.
  • 12. Inauguração do Banco Comunitário Representante (SEDH Governo da Paraíba), Edinaldo (Incubes-UFPB), Flávio (Agende de Crédito), Enoque (Coordenador do BCDJB), Diogo (Ites-UFBA), Hildevânio (Secretário da Prefeitura de João Pessoa) e Daniel (CPCC) Primeira moeda usada em evento pelo CPCC Urna utilizada para a escolha do nome do banco e da Moeda Social
  • 13.
  • 14. SÃO JOSÉ SÃO RAFAEL LAGOA DE DENTROMUÇUMAGRO POMBAL
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21. • Visitas aos municípios/comunidades para certificação se o mesmo reúne as condições necessárias para organização de um banco comunitário; • O mapeamento dos parceiros locais para implantação do BCD; • O mapeamento dos empreendimentos; • O mapeamento da produção e consumo local;
  • 22. • Roda de Diálogo - Com as Lideranças Locais; • Roda de Diálogo - Economia Solidária; • Roda de Diálogo - Sobre Finanças Solidárias; • Intercâmbio entre os Bancos Comunitários; • Roda de Diálogo - Sobre Agentes de Crédito;
  • 23. • Formação de planejamento do Banco Comunitário com Entidade Gestora; • Formação de Planejamento com Conselho Gestor para determinar o funcionamento do Banco, nome, produtos, gestão, parcerias; • Lançamento da Moeda Social; • Inauguração do Banco Comunitário;
  • 24. • Formações especializadas e focadas em gestão interna do BCD; • Reuniões com o poder público local, para novas parcerias; • Articulação com novos parceiros; • Formação aprofundada sobre gestão operacional do BCD para (agentes de crédito, produtores locais e consumidores); • Formação sobre marketing social para ampliação da visualização do BCD.
  • 25. Os Bancos Comunitários de Desenvolvimento são geridos no interior de estruturas de organizações de caráter comunitário como: (associações, fóruns, conselhos) ou outros tipos de iniciativa da sociedade civil que estejam inseridas na comunidade (sindicatos, ONGs, igrejas). Seu funcionamento supõe, portanto, a constituição de uma equipe de coordenação executiva no seio da própria organização associativa. Sua gestão implica desse modo, numa dimensão compartilhada, com forte componente de controle social local baseado em mecanismos de democracia direta.
  • 27.  Ceder o Estatuto da Entidade, para a reformulação e inserção dos artigos relacionados a Finanças Solidárias e o BCD;  Fazer as ATAS que respaldem as ações do BCD;  Representar, judicialmente e legalmente o BCD;  Articular o Conselho Gestor do BCD;  Articular o Conselho de Avaliação de Crédito do BCD;  Firmar as parcerias necessárias para bom funcionamento do BCD.
  • 28.  Os artigos relacionados a Finanças Solidárias e o BCD são: VI – prestação de serviços a instituições financeiras na qualidade de correspondente no país, de acordo com as diretrizes fixadas pelo Conselho Monetário Nacional; VII - atuação como organização de microfinanças no território nacional, desenvolvendo ações de finanças CPCC ESTATUTO SOCIAL 24 solidárias, tais como: microcrédito para produção e para consumo, fundos solidários, moeda social, bancos
  • 29.  Fazer as ATAS que respaldem as ações do BCD; Estas ATAS devem conter todas as informações pertinentes as reuniões do conselho gestor sobre as demandas do BCD no território de atuação. Devem conter dados dos participantes, de recursos disponibilizados pelo BCD, inadimplentes, mudança de equipe e outras informações de relevância.
  • 30.  Representar, judicialmente e legalmente o BCD; É papel da entidade gestora representar o BCD legalmente quando for necessário, como na hora de fazer uma parceira com o poder publico local, setor privado, outras organizações não governamentais, abertura de conta, assinatura de ATAS, registro de documentos, contabilidade entre outras ações.
  • 31.  Articular o Conselho Gestor do BCD; A Entidade Gestora se compromete por toda a parte de mobilização inicial do Conselho Gestor, compromete se também quando o mesmo estiver enfraquecido de realizar nova mobilização, além de sempre buscar novos membros para as ações do BCD.
  • 32.  Articular o Conselho de Avaliação de Crédito do BCD; Assim como o Conselho Gestor, é papel da entidade gestora realizar a mobilização e acompanhamento das reuniões do CAC, além das liberações de crédito que estão sendo feitas.
  • 33.  Firmar as parcerias necessárias para bom funcionamento do BCD. Todas as parcerias formais do BCD, devem ser feitas de forma documental e é a entidade gestora que faz tal parceria, por isso é sempre importante estar com toda a documentação da organização em dia perante os órgãos competentes.
  • 34. Lembre se: Se a organização local não for forte, provavelmente o BCD também não será, ou seja, organização gestora consolidada, na maioria das vezes reflete um BCD forte e consolidado também!
  • 35. CENTRO POPULAR DE CULTURA E COMUNICAÇÃO Site: http://www.cpcc.webnode.com.br Email: cpcc.org.br@gmail.com Fones: (83) 9 8886-6277 (83) 9 8854-8148
  • 36. BANCO CENTRAL DO BRASIL. Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/pre/microFinancas/arquivos/horario_arquivos/apres_116.pdf>. Acesso em 20 de dezembro de 2015. __________ Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/pre/microFinancas/publico/Default.asp?idEvento=23>. Acesso em 20 de dezembro de 2015. __________ Disponível em: <https://www.bcb.gov.br/Nor/relincfin/Palestra_Marusa_Vasconcelos_Freire_._Moedas_Sociais.pdf Blog o futuro do dinheiro. Disponível em: <https://ofuturododinheiro.wordpress.com/brasil-2012/>. Acesso em 20 de dezembro de 2015. Site do CENTRO POPULAR DE CULTURA E COMUNICAÇÃO. Disponível em: <http://cpcc.webnode.com.br/bcd- jardim-bot%C3%A2nico/bcd-jardim-bot%C3%A2nico/>. Acesso em 31 de dezembro de 2015. FREIRE, Marusa Vasconcelos. MOEDAS SOCIAIS: CONTRIBUTO EM PROL DE UM MARCO LEGAL E REGULATÓRIO PARA AS MOEDAS SOCIAIS CIRCULANTES LOCAIS NO BRASIL. Faculdade de Direito - Universidade de Brasília. 2010. 374p. Site Cidadania e território. Moedas sociais. Disponível em: <http://www.cidadaniaeterritorio.org/#!moedas- sociais/c23lz>. Acesso em 20 de dezembro de 2015.
  • 37. Site Consultor Social. Casa da moeda pode imprimir dinheiro dos bancos sociais. Disponível em: <http://www.consultorsocial.org.br/noticias/111-casa-da-moeda-pode-imprimir-dinheiro-dos-bancos-sociais.html>. Acesso em 20 de dezembro de 2015. Site Portal do desenvolvimento. Moedas sociais ganham força nas comunidades. Disponível em: <http://www.portaldodesenvolvimento.org.br/moedas-sociais-ganham-forca-nas-comunidades/>. Acesso em 20 de dezembro de 2015. Site Sinal.org. Informativo. Disponível em: <http://www.sinal.org.br/informativos/porsinal/?id=7853&tipo=porsinal&show=shw&numero=36>. Acesso em 20 de dezembro de 2015. Site da UNISINOS. Finanças solidárias e moedas sociais, uma entrevista especial com Heloisa Primavera. Disponível em: <http://www.ihu.unisinos.br/noticias/2547-financas-solidarias-e-moedas-sociais-uma-entrevista- especial-com-heloisa-primavera>. Acesso em 20 de dezembro de 2015. Site do FEBES. ARTIGO SOBRE MOEDAS SOCIAIS. Disponível em: <http://www.fbes.org.br/biblioteca22/rel_parte2.pdf>. Acesso em 20 de dezembro de 2015. Site do Slideshare. Moedas sociais, clubes de trocas na Argentina e o projeto sol na França. Disponível em: <http://pt.slideshare.net/redlases/moedas-sociais-clubes-de-troca-na-argentina-e-o-projeto-sol-na-franca>. Acesso em 20 de dezembro de 2015.