SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
HOSPITAL UNIVERSITÁRIO
HU/CAS-UFJF
SERVIÇO SOCIAL
Anna Cláudia Rodrigues Alves
Chefe do Serviço Social – HU/CAS
VERDADES E INVERDADES SOBRE O
SERVIÇO SOCIAL
FALSO VERDADEIRO
O trabalho do Assistente Social é voluntário e
exercido de forma gratuita.
O Assistente Social é um profissional de Serviço Social que
exerce seu trabalho de forma remunerada nas organizações
públicas e privadas, com competência e atribuições
específicas para atuação em diferentes áreas.
Assistente Social é uma moça boazinha que
ajuda as pessoas.
O Serviço Social é uma profissão de homens e mulheres que
atuam na realidade social através do atendimento às
demandas, elaboração de pesquisas e construção de
propostas que visam o atendimento às necessidades sociais
da população. São pessoas que visam o aprimoramento
profissional contínuo, colocando-se a serviço dos princípios
do Código de Ética Profissional. A associação com a “moça
boazinha” se deve a sua origem histórica, vinculada à Igreja
Católica, como “profissional da ajuda” e não como agente
implementador de políticas públicas, quando o Serviço
Social passou a ser reconhecido e regulamentado como
profissão, em 1957.
VERDADES E INVERDADES SOBRE O
SERVIÇO SOCIAL
FALSO VERDADEIRO
O Assistente Social trabalha somente com
os pobres.
O trabalho não se restringe à pobreza. Entretanto, a
realidade social e econômica do Brasil faz com que o
trabalho do assistente social seja, em grande parte,
direcionado à população mais empobrecida da sociedade.
Qualquer um pode fazer Serviço Social,
inclusive, políticos e religiosos.
Somente poderão exercer a profissão de Assistente
Social os possuidores de diploma de curso superior em
Serviço Social, que deve ser expedido por
estabelecimento de ensino sediado em países estrangeiros
ou não, desde que devidamente revalidado e registrado
em órgão competente no Brasil.
VERDADES E INVERDADES SOBRE
O SERVIÇO SOCIAL
FALSO VERDADEIRO
ASSISTENCIALISMO
≠
ASSISTÊNCIA SOCIAL
≠
SERVIÇO SOCIAL
ASSISTENCIALISMO: é o contraponto do direito, da proteção
ou Seguridade Social. É o acesso a um bem através da doação. Com
o assistencialismo, não há a garantia de cidadania, pois o acesso a
condições dignas de vida depende do favor, da boa vontade e/ou
interesse de alguém.
ASSISTÊNCIA SOCIAL: é uma política pública de atenção e
defesa de direitos, regulamentada pela Lei Orgânica da Assistência
Social (LOAS). Destina-se à população mais vulnerável, com o
objetivo de superar exclusões sociais, defender e vigiar os direitos
de cidadania e de dignidade humana.
SERVIÇO SOCIAL: é uma profissão que atua no campo das
políticas sociais, entre elas, a Assistência Social. Opõe-se ao
assistencialismo por meio de uma prática que visa à expansão dos
direitos e a emancipação da sociedade.
SERVIÇO SOCIAL
Portanto, o Serviço Social é uma profissão, cujo objeto de intervenção
são as expressões da QUESTÃO SOCIAL.
QUESTÃO SOCIAL: Conjunto de problemas sociais e, ao mesmo tempo,
políticos e econômicos, que surgiram na sociedade capitalista, no
momento em que a classe trabalhadora foi reconhecida como classe
política.
POLÍTICAS SOCIAIS: são criadas pela sociedade capitalista para
responder à questão social, em atendimento às necessidades básicas da
população.
POLÍTICAS PÚBLICAS: são todos os serviços e benefícios oferecidos
pelo Estado (governo) aos cidadãos, a partir da contribuição dos
mesmos, como, por exemplo, através dos diversos impostos.
SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA DA SAÚDE
Política de Saúde no Brasil: intervenção estatal sobre esta política
amplia-se com a C88, quando a saúde passa a ser reconhecida como
direito de todos e dever do Estado.
SUS foi criado como organismo de regulação, coordenação e execução do
conjunto de ações e serviços de saúde.
Resolução 218 de 6/3/97 do Conselho Nacional de Saúde: reconhece o
Serviço Social como uma das 13 profissões da saúde: única ciência social
aplicada presente no processo de trabalho em saúde.
O Serviço Social na saúde orienta-se pelo projeto da Reforma Sanitária,
isto é, pelos princípios e diretrizes do SUS e pela concepção ampliada da
saúde:
SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA DA SAÚDE
“a saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, entre
outros, a alimentação, a moradia, o saneamento básico, o meio
ambiente, o trabalho, a renda, a educação, o transporte, o lazer,
o acesso a bens e serviços essenciais; os níveis de saúde da
população expressam a organização social e econômica do país”
Lei Orgânica da Saúde (Lei 8080/ MS 1999):
Pauta seus atendimentos, sobretudo, na perspectiva do cuidado
integral em saúde e do direito dos usuários, reforçando as
noções de cidadania, em favor do acesso destes às políticas
públicas, em especial à política de Seguridade Social.
ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO
SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE
Atividades apresentadas por eixos de atuação, com base no
documento “Parâmetros para Atuação de Assistentes Sociais na
Saúde” (CFESS, 2009):
Ações Assistenciais
Ações em Equipe
Ações Socieducativas
Ações de Mobilização, Participação e Controle Social
Ações de Investisgação, Planejamento e Gestão
Ações de Assessoria, qualificação e formação profissional.
ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO
SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE
Ações Assistenciais
Acolher o usuário, por meio de uma escuta qualificada de suas
necessidades, na perspectiva do cuidado em saúde, tendo em
vista garantir uma trajetória resolutiva destes no interior da
Unidade e na rede loco-regional;
Realizar abordagem e análise social com vistas à identificação da
condição sócio-econômica, familiar e de acesso ao conjunto das
políticas públicas;
Trabalhar junto às famílias dos usuários no sentido de fortalecer
os vínculos na perspectiva da promoção, prevenção e
recuperação da saúde dos mesmos;
ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO
SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE
Ações Assistenciais
Realizar visitas institucionais com vistas à articulação com a rede
socioassistencial;
Realizar visitas domiciliares, quando necessário;
Orientar os usuários quanto aos direitos sociais (previdenciários,
trabalhistas, assistenciais, etc);
Registrar atendimentos sociais em prontuário único, com
respaldo das informações sigilosas que devem ser registradas no
prontuário social.
ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO
SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE
Ações em equipe
Participar do projeto de humanização da instituição, de forma
transversal a todo atendimento, em conformidade com o Projeto
da Reforma Sanitária;
Sensibilizar o usuário para adesão ao projeto terapêutico
construído e oferecido pela equipe multriprofissional;
Identificar e notificar situações de violência e violação dos direitos
às autoridades competentes bem como a verificação das
providências cabíveis;
Desenvolver ações de referência e contra-referência, tendo em
vista garantir a continuidade e resolutividade assistencial.
ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO
SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE
Ações Socieducativas
Realizar grupos de educação em saúde junto aos usuários, na
perspectiva da “ética da responsabilidade” e não “da convicção”;;
Realizar salas de espera, tendo em vista a prevenção e promoção
da saúde, socializando informações sobre saúde aos usuários que
aguardam atendimento;
Participar de campanhas preventivas;
Elaborar e/ou divulgar materiais socioeducativos como folhetos,
cartilhas, folders, cartazes, etc., que facilitem o conhecimento e o
acesso dos usuários aos serviços oferecidos pelas Unidades de
Saúde e aos direitos sociais, em geral.
ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO
SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE
Ações de mobilização, participação e controle social
Mobilizar e incentivar os usuários, suas famílias e trabalhadores
de saúde para participar de movimentos sociais, fóruns,
conselhos e conferências de saúde e de outras políticas públicas;
Encaminhar usuários aos serviços de ouvidoria da instituição e
do SUS, quando necessário;;
Instituir e/ou fortalecer os espaços coletivos de participação dos
usuários nas instituições de saúde, através da criação de
conselhos gestores de unidades e outras modalidades de
aprofundamento do controle democrático;
Participar de fóruns, conferências e conselhos de saúde,
contribuindo para a democratização da saúde enquanto direito.
ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO
SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE
Ações de Investigação, Planejamento e Gestão
Elaborar planos e projetos de ação profissional, com a participação
de toda equipe;
Realizar estudos e investigações com relação aos determinantes
sociais da saúde;
Registrar as ações realizadas com a elaboração de relatórios
periódicos, a fim de possibilitar a análise e avaliação do plano de
ação;
Utilizar documentação técnica, a fim de produzir conhecimento no
âmbito do SUS;
Construção do perfil sócio-econômico dos usuários para estabelecer
estratégias de intervenção coletivamente;
Realizar estudos da política de saúde loco-regional, estadual e
nacional.
ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO
SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE
Ações de Investigação, Planejamento e Gestão
Participar da gestão das unidades de saúde de forma horizontal,
procurando garantir a inserção de diversos segmentos na gestão;
Participar nas Comissões e Comitês temáticos (ética, humanização,
etc.);
Participar de estudos relativos ao perfil epidemiológico e condição
sanitária das regiões;
Realizar estudos de determinados segmentos de usuários;
Realizar estudos em relação aos espaços de controle social a fim de
subsidiá-los, tendo em vista o fortalecimento de seu potencial
político;
Participar de investigações que estabeleçam relações entre as
condições de trabalho e o favorecimento de determinadas patologias
(saúde do trabalhador)
ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO
SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE
Ações de Assessoria, Qualificação e Formação Profissional
Participar de cursos, congressos, seminários, encontros de pesquisas
objetivando realizar estudos e troca de informações entre os diversos
profissionais de saúde;
Supervisionar diretamente estagiários de Serviço Social e
estabelecer articulação com as Unidades Acadêmicas;
Participar ativamente dos programas de residência, desenvolvendo
ações de preceptoria, coordenação, assessoria e tutoria;
Garantir educação permanente da equipe de serviço social e demais
trabalhadores na instituição;
Prestar assessoria às entidades, movimentos sociais e conselhos,
tendo em vista o fortalecimento do controle democrático, em defesa
da saúde pública de qualidade.
PRINCIPAIS INSTRUMENTOS UTILIZADOS
PELO SERVIÇO SOCIAL DO HU
Entrevista de internação;
Caderno de registros do setor, com descrição dos atendimentos
individuais realizados durante o plantão, internamento, etc.;
Estudo de prontuário: em que são colhidos dados referentes ao
histórico clínico, familiar e social do paciente, bem como as
informações registradas durante a entrevista de internação;
Abordagem social: conduta em que são ouvidas e registradas as
demandas sobre a realidade biopsicosocial do usuário e sua
família;;
Prontuário único (prontuário eletrônico), com respaldo das
informações sigilosas que devem ser registradas no Prontuário
Social;
PRINCIPAIS INSTRUMENTOS UTILIZADOS
PELO SERVIÇO SOCIAL DO HU
Abordagem multiprofissional (feita no acolhimento de
determinadas equipes de especialidades);
Relatório Social;
Relatório estatístico mensal dos atendimentos;
Relatório das salas de espera;
Ata e avaliação das atividades desenvolvidas em grupo.
DEMANDAS E ORIENTAÇÕES MAIS
RECORRENTES AO SERVIÇO SOCIAL DO HU
Benefícios previdenciários
Auxílio doença;
Procuração;
Majoração de 25% sobre a aposentadoria por invalidez;
Isenção de carência, FGTS e/ou PIS/PASEP para patologias
graves;
Salário maternidade;
Perícia Médica (Perícia em trânsito).
Benefícios assistenciais: BPC/LOAS de amparo ao idoso e ao
deficiente.
Programas governamentais como o Bolsa Família;
DEMANDAS E ORIENTAÇÕES MAIS
RECORRENTES AO SERVIÇO SOCIAL DO HU
Política local de passe-livre e carro de apoio;
Passe-livre interestadual;
Isenção de imposto de renda;
TFD (Tratamento fora de domicílio);
Mandado Judicial, principalmente para procedimentos de alta
complexidade (alto custo);
Encaminhamentos ao setor de órtese e prótese do SUS;
Orientações quanto ao cadastro do cartão SUS;
Orientações relativas à saúde da criança: documentação (registro),
pré-natal, amamentação, aspectos educacionais, etc.;
DEMANDAS E ORIENTAÇÕES MAIS
RECORRENTES AO SERVIÇO SOCIAL DO HU
Encaminhamentos à Defensoria Pública para providências quanto à
garantia de pensão alimentícia, quando necessário;
Contato com órgãos públicos de defesa e proteção de determinados
segmentos populacionais, quando os casos demandam
acompanhamento e/ou intervenção judicial:
Conselho Tutular
Vara da Infância e Juventude
Conselho do Idoso
CEDI
Promotoria de Saúde; etc.
Contato com Centro de Atendimento à Mulher e com a Casa Abrigo,
quando autorizado pela demandante vítima de violência;
DEMANDAS E ORIENTAÇÕES MAIS
RECORRENTES AO SERVIÇO SOCIAL DO HU
Orientações para aquisição de medicamentos de alto custo;
Informações referentes aos direitos reprodutivos (métodos
contraceptivos, critérios para requerer ligadura pelo SUS, pré-natal,
etc.);
Orientações quanto ao processo de interdição (curatela);
Orientações para aquisição de bolsas de colostomia e urostomia pelo
SUS;
Orientações quanto à Internação Domiciliar;
Contatos e encaminhamentos à rede CRAS;
Contatos e encaminhamentos ao Terceiro Setor, quando necessário;
Providências quanto à Internação Social, quando necessário.
“A relevância dos aspectos sociais na atuação de
um profissional de saúde está em que, ao
considerá-los, esse profissional estará mais
próximo de alcançar a realidade de seus
usuários e, desta forma, ter uma prática mais
efetiva e de qualidade, que atenda aos seus
anseios e tenha verdadeiro potencial de produzir
saúde” (REIS, R.A., 2004).
OBRIGADA!
EMAIL INSTITUCIONAL:
servicosocial.cas@ufjf.edu.br
CONTATO SERVIÇO SOCIAL HU/SANTA CATARINA:
4009-5178
CONTATO SERVIÇO SOCIAL HU/DOM BOSCO:
4009-5345 / 4009-5364.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúdeO trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúde
Alinebrauna Brauna
 
Oficina de serviço social elaboração de relatórios e laudos.
Oficina de serviço social   elaboração de relatórios e laudos.Oficina de serviço social   elaboração de relatórios e laudos.
Oficina de serviço social elaboração de relatórios e laudos.
Rosane Domingues
 
Reforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidaçãoReforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidação
Luanapqt
 
Dicionário de Termos Técnicos da Assistência Social [PMBH-MG]
Dicionário de Termos Técnicos da Assistência Social [PMBH-MG]Dicionário de Termos Técnicos da Assistência Social [PMBH-MG]
Dicionário de Termos Técnicos da Assistência Social [PMBH-MG]
Henrique Manoel Carvalho Silva
 

Mais procurados (20)

2 visita domiciliar
2  visita domiciliar2  visita domiciliar
2 visita domiciliar
 
O trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúdeO trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúde
 
Cras paif
Cras paifCras paif
Cras paif
 
Direito do idosos
Direito do idososDireito do idosos
Direito do idosos
 
Paif e scfv
Paif e scfvPaif e scfv
Paif e scfv
 
prática do assistente social: conhecimento, instrumentalidade e intervenção p...
prática do assistente social: conhecimento, instrumentalidade e intervenção p...prática do assistente social: conhecimento, instrumentalidade e intervenção p...
prática do assistente social: conhecimento, instrumentalidade e intervenção p...
 
Oficina de serviço social elaboração de relatórios e laudos.
Oficina de serviço social   elaboração de relatórios e laudos.Oficina de serviço social   elaboração de relatórios e laudos.
Oficina de serviço social elaboração de relatórios e laudos.
 
HumanizaSUS
HumanizaSUSHumanizaSUS
HumanizaSUS
 
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIALOS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
 
Estudo social e parecer social
Estudo social e parecer socialEstudo social e parecer social
Estudo social e parecer social
 
Suas 13 estudos de caso para debate
Suas  13 estudos de caso para debateSuas  13 estudos de caso para debate
Suas 13 estudos de caso para debate
 
Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e OrganizacionaisAula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
 
A politica nacional da assistencia social
A politica nacional da assistencia socialA politica nacional da assistencia social
A politica nacional da assistencia social
 
VISITA DOMICILIAR
VISITA DOMICILIARVISITA DOMICILIAR
VISITA DOMICILIAR
 
Projeto de intervenção estagio ii -
Projeto de intervenção   estagio ii -Projeto de intervenção   estagio ii -
Projeto de intervenção estagio ii -
 
Reforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidaçãoReforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidação
 
Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...
Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...
Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...
 
Slides grupo8
Slides grupo8Slides grupo8
Slides grupo8
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
 
Dicionário de Termos Técnicos da Assistência Social [PMBH-MG]
Dicionário de Termos Técnicos da Assistência Social [PMBH-MG]Dicionário de Termos Técnicos da Assistência Social [PMBH-MG]
Dicionário de Termos Técnicos da Assistência Social [PMBH-MG]
 

Destaque

O serviço social e a possibilidade de uma
O serviço social  e a possibilidade de umaO serviço social  e a possibilidade de uma
O serviço social e a possibilidade de uma
Vilma Pereira da Silva
 
O trabalho do assistente social no caps ad
O trabalho do assistente social no caps adO trabalho do assistente social no caps ad
O trabalho do assistente social no caps ad
Alinebrauna Brauna
 

Destaque (8)

O serviço social e a possibilidade de uma
O serviço social  e a possibilidade de umaO serviço social  e a possibilidade de uma
O serviço social e a possibilidade de uma
 
Iv congresso internacional de serviço social
Iv congresso internacional de serviço socialIv congresso internacional de serviço social
Iv congresso internacional de serviço social
 
Grupo Sala de Espera de um Ambulatório de Infectologia
Grupo Sala de Espera de um Ambulatório de InfectologiaGrupo Sala de Espera de um Ambulatório de Infectologia
Grupo Sala de Espera de um Ambulatório de Infectologia
 
Parâmetros para a atuação de assistentes sociais na saúde
Parâmetros para a atuação de assistentes sociais na saúdeParâmetros para a atuação de assistentes sociais na saúde
Parâmetros para a atuação de assistentes sociais na saúde
 
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempoVigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
 
O trabalho do assistente social no caps ad
O trabalho do assistente social no caps adO trabalho do assistente social no caps ad
O trabalho do assistente social no caps ad
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
 

Semelhante a Anexo 8-profissão-de-serviço-social

Resuminho de políticas publicas
Resuminho de políticas  publicasResuminho de políticas  publicas
Resuminho de políticas publicas
Regiany Viscaino
 
Túlio i seminário macrorregioanl pnh
Túlio i seminário macrorregioanl pnhTúlio i seminário macrorregioanl pnh
Túlio i seminário macrorregioanl pnh
redehumanizasus
 
Implantação cls esf santa anita (1)
Implantação cls esf santa anita (1)Implantação cls esf santa anita (1)
Implantação cls esf santa anita (1)
Esf Santa Anita
 
SUS Um Processo Social em Construção
SUS Um Processo Social em ConstruçãoSUS Um Processo Social em Construção
SUS Um Processo Social em Construção
ivanaferraz
 
Os principios do_sus
Os principios do_susOs principios do_sus
Os principios do_sus
lulia ramos
 

Semelhante a Anexo 8-profissão-de-serviço-social (20)

Teste
TesteTeste
Teste
 
Resuminho de políticas publicas
Resuminho de políticas  publicasResuminho de políticas  publicas
Resuminho de políticas publicas
 
A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...
A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...
A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...
 
Controle social
Controle socialControle social
Controle social
 
Apresentação semana do serviço social maringá
Apresentação semana do serviço social maringáApresentação semana do serviço social maringá
Apresentação semana do serviço social maringá
 
Túlio i seminário macrorregioanl pnh
Túlio i seminário macrorregioanl pnhTúlio i seminário macrorregioanl pnh
Túlio i seminário macrorregioanl pnh
 
Assistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência Social
Assistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência SocialAssistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência Social
Assistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência Social
 
SERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL
SERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONALSERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL
SERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL
 
Implantação cls esf santa anita (1)
Implantação cls esf santa anita (1)Implantação cls esf santa anita (1)
Implantação cls esf santa anita (1)
 
feb_otani_24out.ppt
feb_otani_24out.pptfeb_otani_24out.ppt
feb_otani_24out.ppt
 
Participação do acs no controle social
Participação do acs no controle socialParticipação do acs no controle social
Participação do acs no controle social
 
A dimensão socioeducativa do trabalho do assistente social na área da saúde
A dimensão socioeducativa do trabalho do assistente social na área da saúdeA dimensão socioeducativa do trabalho do assistente social na área da saúde
A dimensão socioeducativa do trabalho do assistente social na área da saúde
 
Saúde.mc
Saúde.mcSaúde.mc
Saúde.mc
 
SUS Um Processo Social em Construção
SUS Um Processo Social em ConstruçãoSUS Um Processo Social em Construção
SUS Um Processo Social em Construção
 
Serviço Social Perguntas e Respostas - para iniciante
Serviço Social   Perguntas e Respostas - para inicianteServiço Social   Perguntas e Respostas - para iniciante
Serviço Social Perguntas e Respostas - para iniciante
 
Fts faculdade anhanguera
Fts   faculdade  anhangueraFts   faculdade  anhanguera
Fts faculdade anhanguera
 
Os principios do_sus
Os principios do_susOs principios do_sus
Os principios do_sus
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
 
Análise de conjuntura ivete
Análise de conjuntura iveteAnálise de conjuntura ivete
Análise de conjuntura ivete
 
Conselho nacional
Conselho nacionalConselho nacional
Conselho nacional
 

Mais de Rosane Domingues

Mais de Rosane Domingues (20)

Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
Projeto de vida- Brincadeira poética- 2020
 
Eletiva- Cinema e Fotografia
Eletiva- Cinema e Fotografia Eletiva- Cinema e Fotografia
Eletiva- Cinema e Fotografia
 
Acolhimento Aula de Eletiva - Inova
Acolhimento Aula de Eletiva - InovaAcolhimento Aula de Eletiva - Inova
Acolhimento Aula de Eletiva - Inova
 
Acolhimento- Projeto d Vida- Inova- MODELO
Acolhimento-  Projeto d Vida- Inova- MODELOAcolhimento-  Projeto d Vida- Inova- MODELO
Acolhimento- Projeto d Vida- Inova- MODELO
 
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
1960 Quarto de despejo - Carolina maria de jesus.
 
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
101 questões- Ética no serviço social - simulado grupo de estudo- CONCURSO SE...
 
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 3 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
 
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
Parte 2 de 4-ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441 d...
 
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
Parte 1 de 4- ECA -2017- Anotado e Interpretado- atualizado até a Lei 13.441d...
 
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
MODELO- Pesquisa Socioeconômica clima organizacional
 
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL- versão 2016
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL-  versão 2016FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL-  versão 2016
FORMULÁRIO DE DENÚNCIA ÉTICA-SERVIÇO SOCIAL- versão 2016
 
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIALMANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
 
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
OS CONTEÚDOS E AS REFERÊNCIAS PARA CONSTRUÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA CULTURA E ...
 
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
 
Plano municipal - CULTURA- social - 2012
Plano municipal - CULTURA- social  - 2012Plano municipal - CULTURA- social  - 2012
Plano municipal - CULTURA- social - 2012
 
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
Plano municipal social - Vulnerabilidade e riscos sociais-2012
 
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 176 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
 
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 276 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
 
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
PEDAGOGIA- 150 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE PEDAGOGIA PARA ESTUDANTE ...
 
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
PEDAGOGIA- 200 DE 809 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA ESTUDANTE E PROFESSORES...
 

Último

O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
azulassessoria9
 
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
azulassessoria9
 
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
azulassessoria9
 
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdfatividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
Autonoma
 

Último (20)

Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
 
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptxM0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
 
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptxOrações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
 
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdfatividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
 

Anexo 8-profissão-de-serviço-social

  • 1. HOSPITAL UNIVERSITÁRIO HU/CAS-UFJF SERVIÇO SOCIAL Anna Cláudia Rodrigues Alves Chefe do Serviço Social – HU/CAS
  • 2. VERDADES E INVERDADES SOBRE O SERVIÇO SOCIAL FALSO VERDADEIRO O trabalho do Assistente Social é voluntário e exercido de forma gratuita. O Assistente Social é um profissional de Serviço Social que exerce seu trabalho de forma remunerada nas organizações públicas e privadas, com competência e atribuições específicas para atuação em diferentes áreas. Assistente Social é uma moça boazinha que ajuda as pessoas. O Serviço Social é uma profissão de homens e mulheres que atuam na realidade social através do atendimento às demandas, elaboração de pesquisas e construção de propostas que visam o atendimento às necessidades sociais da população. São pessoas que visam o aprimoramento profissional contínuo, colocando-se a serviço dos princípios do Código de Ética Profissional. A associação com a “moça boazinha” se deve a sua origem histórica, vinculada à Igreja Católica, como “profissional da ajuda” e não como agente implementador de políticas públicas, quando o Serviço Social passou a ser reconhecido e regulamentado como profissão, em 1957.
  • 3. VERDADES E INVERDADES SOBRE O SERVIÇO SOCIAL FALSO VERDADEIRO O Assistente Social trabalha somente com os pobres. O trabalho não se restringe à pobreza. Entretanto, a realidade social e econômica do Brasil faz com que o trabalho do assistente social seja, em grande parte, direcionado à população mais empobrecida da sociedade. Qualquer um pode fazer Serviço Social, inclusive, políticos e religiosos. Somente poderão exercer a profissão de Assistente Social os possuidores de diploma de curso superior em Serviço Social, que deve ser expedido por estabelecimento de ensino sediado em países estrangeiros ou não, desde que devidamente revalidado e registrado em órgão competente no Brasil.
  • 4. VERDADES E INVERDADES SOBRE O SERVIÇO SOCIAL FALSO VERDADEIRO ASSISTENCIALISMO ≠ ASSISTÊNCIA SOCIAL ≠ SERVIÇO SOCIAL ASSISTENCIALISMO: é o contraponto do direito, da proteção ou Seguridade Social. É o acesso a um bem através da doação. Com o assistencialismo, não há a garantia de cidadania, pois o acesso a condições dignas de vida depende do favor, da boa vontade e/ou interesse de alguém. ASSISTÊNCIA SOCIAL: é uma política pública de atenção e defesa de direitos, regulamentada pela Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS). Destina-se à população mais vulnerável, com o objetivo de superar exclusões sociais, defender e vigiar os direitos de cidadania e de dignidade humana. SERVIÇO SOCIAL: é uma profissão que atua no campo das políticas sociais, entre elas, a Assistência Social. Opõe-se ao assistencialismo por meio de uma prática que visa à expansão dos direitos e a emancipação da sociedade.
  • 5. SERVIÇO SOCIAL Portanto, o Serviço Social é uma profissão, cujo objeto de intervenção são as expressões da QUESTÃO SOCIAL. QUESTÃO SOCIAL: Conjunto de problemas sociais e, ao mesmo tempo, políticos e econômicos, que surgiram na sociedade capitalista, no momento em que a classe trabalhadora foi reconhecida como classe política. POLÍTICAS SOCIAIS: são criadas pela sociedade capitalista para responder à questão social, em atendimento às necessidades básicas da população. POLÍTICAS PÚBLICAS: são todos os serviços e benefícios oferecidos pelo Estado (governo) aos cidadãos, a partir da contribuição dos mesmos, como, por exemplo, através dos diversos impostos.
  • 6. SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA DA SAÚDE Política de Saúde no Brasil: intervenção estatal sobre esta política amplia-se com a C88, quando a saúde passa a ser reconhecida como direito de todos e dever do Estado. SUS foi criado como organismo de regulação, coordenação e execução do conjunto de ações e serviços de saúde. Resolução 218 de 6/3/97 do Conselho Nacional de Saúde: reconhece o Serviço Social como uma das 13 profissões da saúde: única ciência social aplicada presente no processo de trabalho em saúde. O Serviço Social na saúde orienta-se pelo projeto da Reforma Sanitária, isto é, pelos princípios e diretrizes do SUS e pela concepção ampliada da saúde:
  • 7. SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA DA SAÚDE “a saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, entre outros, a alimentação, a moradia, o saneamento básico, o meio ambiente, o trabalho, a renda, a educação, o transporte, o lazer, o acesso a bens e serviços essenciais; os níveis de saúde da população expressam a organização social e econômica do país” Lei Orgânica da Saúde (Lei 8080/ MS 1999): Pauta seus atendimentos, sobretudo, na perspectiva do cuidado integral em saúde e do direito dos usuários, reforçando as noções de cidadania, em favor do acesso destes às políticas públicas, em especial à política de Seguridade Social.
  • 8. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE Atividades apresentadas por eixos de atuação, com base no documento “Parâmetros para Atuação de Assistentes Sociais na Saúde” (CFESS, 2009): Ações Assistenciais Ações em Equipe Ações Socieducativas Ações de Mobilização, Participação e Controle Social Ações de Investisgação, Planejamento e Gestão Ações de Assessoria, qualificação e formação profissional.
  • 9. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE Ações Assistenciais Acolher o usuário, por meio de uma escuta qualificada de suas necessidades, na perspectiva do cuidado em saúde, tendo em vista garantir uma trajetória resolutiva destes no interior da Unidade e na rede loco-regional; Realizar abordagem e análise social com vistas à identificação da condição sócio-econômica, familiar e de acesso ao conjunto das políticas públicas; Trabalhar junto às famílias dos usuários no sentido de fortalecer os vínculos na perspectiva da promoção, prevenção e recuperação da saúde dos mesmos;
  • 10. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE Ações Assistenciais Realizar visitas institucionais com vistas à articulação com a rede socioassistencial; Realizar visitas domiciliares, quando necessário; Orientar os usuários quanto aos direitos sociais (previdenciários, trabalhistas, assistenciais, etc); Registrar atendimentos sociais em prontuário único, com respaldo das informações sigilosas que devem ser registradas no prontuário social.
  • 11. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE Ações em equipe Participar do projeto de humanização da instituição, de forma transversal a todo atendimento, em conformidade com o Projeto da Reforma Sanitária; Sensibilizar o usuário para adesão ao projeto terapêutico construído e oferecido pela equipe multriprofissional; Identificar e notificar situações de violência e violação dos direitos às autoridades competentes bem como a verificação das providências cabíveis; Desenvolver ações de referência e contra-referência, tendo em vista garantir a continuidade e resolutividade assistencial.
  • 12. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE Ações Socieducativas Realizar grupos de educação em saúde junto aos usuários, na perspectiva da “ética da responsabilidade” e não “da convicção”;; Realizar salas de espera, tendo em vista a prevenção e promoção da saúde, socializando informações sobre saúde aos usuários que aguardam atendimento; Participar de campanhas preventivas; Elaborar e/ou divulgar materiais socioeducativos como folhetos, cartilhas, folders, cartazes, etc., que facilitem o conhecimento e o acesso dos usuários aos serviços oferecidos pelas Unidades de Saúde e aos direitos sociais, em geral.
  • 13. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE Ações de mobilização, participação e controle social Mobilizar e incentivar os usuários, suas famílias e trabalhadores de saúde para participar de movimentos sociais, fóruns, conselhos e conferências de saúde e de outras políticas públicas; Encaminhar usuários aos serviços de ouvidoria da instituição e do SUS, quando necessário;; Instituir e/ou fortalecer os espaços coletivos de participação dos usuários nas instituições de saúde, através da criação de conselhos gestores de unidades e outras modalidades de aprofundamento do controle democrático; Participar de fóruns, conferências e conselhos de saúde, contribuindo para a democratização da saúde enquanto direito.
  • 14. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE Ações de Investigação, Planejamento e Gestão Elaborar planos e projetos de ação profissional, com a participação de toda equipe; Realizar estudos e investigações com relação aos determinantes sociais da saúde; Registrar as ações realizadas com a elaboração de relatórios periódicos, a fim de possibilitar a análise e avaliação do plano de ação; Utilizar documentação técnica, a fim de produzir conhecimento no âmbito do SUS; Construção do perfil sócio-econômico dos usuários para estabelecer estratégias de intervenção coletivamente; Realizar estudos da política de saúde loco-regional, estadual e nacional.
  • 15. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE Ações de Investigação, Planejamento e Gestão Participar da gestão das unidades de saúde de forma horizontal, procurando garantir a inserção de diversos segmentos na gestão; Participar nas Comissões e Comitês temáticos (ética, humanização, etc.); Participar de estudos relativos ao perfil epidemiológico e condição sanitária das regiões; Realizar estudos de determinados segmentos de usuários; Realizar estudos em relação aos espaços de controle social a fim de subsidiá-los, tendo em vista o fortalecimento de seu potencial político; Participar de investigações que estabeleçam relações entre as condições de trabalho e o favorecimento de determinadas patologias (saúde do trabalhador)
  • 16. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE Ações de Assessoria, Qualificação e Formação Profissional Participar de cursos, congressos, seminários, encontros de pesquisas objetivando realizar estudos e troca de informações entre os diversos profissionais de saúde; Supervisionar diretamente estagiários de Serviço Social e estabelecer articulação com as Unidades Acadêmicas; Participar ativamente dos programas de residência, desenvolvendo ações de preceptoria, coordenação, assessoria e tutoria; Garantir educação permanente da equipe de serviço social e demais trabalhadores na instituição; Prestar assessoria às entidades, movimentos sociais e conselhos, tendo em vista o fortalecimento do controle democrático, em defesa da saúde pública de qualidade.
  • 17. PRINCIPAIS INSTRUMENTOS UTILIZADOS PELO SERVIÇO SOCIAL DO HU Entrevista de internação; Caderno de registros do setor, com descrição dos atendimentos individuais realizados durante o plantão, internamento, etc.; Estudo de prontuário: em que são colhidos dados referentes ao histórico clínico, familiar e social do paciente, bem como as informações registradas durante a entrevista de internação; Abordagem social: conduta em que são ouvidas e registradas as demandas sobre a realidade biopsicosocial do usuário e sua família;; Prontuário único (prontuário eletrônico), com respaldo das informações sigilosas que devem ser registradas no Prontuário Social;
  • 18. PRINCIPAIS INSTRUMENTOS UTILIZADOS PELO SERVIÇO SOCIAL DO HU Abordagem multiprofissional (feita no acolhimento de determinadas equipes de especialidades); Relatório Social; Relatório estatístico mensal dos atendimentos; Relatório das salas de espera; Ata e avaliação das atividades desenvolvidas em grupo.
  • 19. DEMANDAS E ORIENTAÇÕES MAIS RECORRENTES AO SERVIÇO SOCIAL DO HU Benefícios previdenciários Auxílio doença; Procuração; Majoração de 25% sobre a aposentadoria por invalidez; Isenção de carência, FGTS e/ou PIS/PASEP para patologias graves; Salário maternidade; Perícia Médica (Perícia em trânsito). Benefícios assistenciais: BPC/LOAS de amparo ao idoso e ao deficiente. Programas governamentais como o Bolsa Família;
  • 20. DEMANDAS E ORIENTAÇÕES MAIS RECORRENTES AO SERVIÇO SOCIAL DO HU Política local de passe-livre e carro de apoio; Passe-livre interestadual; Isenção de imposto de renda; TFD (Tratamento fora de domicílio); Mandado Judicial, principalmente para procedimentos de alta complexidade (alto custo); Encaminhamentos ao setor de órtese e prótese do SUS; Orientações quanto ao cadastro do cartão SUS; Orientações relativas à saúde da criança: documentação (registro), pré-natal, amamentação, aspectos educacionais, etc.;
  • 21. DEMANDAS E ORIENTAÇÕES MAIS RECORRENTES AO SERVIÇO SOCIAL DO HU Encaminhamentos à Defensoria Pública para providências quanto à garantia de pensão alimentícia, quando necessário; Contato com órgãos públicos de defesa e proteção de determinados segmentos populacionais, quando os casos demandam acompanhamento e/ou intervenção judicial: Conselho Tutular Vara da Infância e Juventude Conselho do Idoso CEDI Promotoria de Saúde; etc. Contato com Centro de Atendimento à Mulher e com a Casa Abrigo, quando autorizado pela demandante vítima de violência;
  • 22. DEMANDAS E ORIENTAÇÕES MAIS RECORRENTES AO SERVIÇO SOCIAL DO HU Orientações para aquisição de medicamentos de alto custo; Informações referentes aos direitos reprodutivos (métodos contraceptivos, critérios para requerer ligadura pelo SUS, pré-natal, etc.); Orientações quanto ao processo de interdição (curatela); Orientações para aquisição de bolsas de colostomia e urostomia pelo SUS; Orientações quanto à Internação Domiciliar; Contatos e encaminhamentos à rede CRAS; Contatos e encaminhamentos ao Terceiro Setor, quando necessário; Providências quanto à Internação Social, quando necessário.
  • 23. “A relevância dos aspectos sociais na atuação de um profissional de saúde está em que, ao considerá-los, esse profissional estará mais próximo de alcançar a realidade de seus usuários e, desta forma, ter uma prática mais efetiva e de qualidade, que atenda aos seus anseios e tenha verdadeiro potencial de produzir saúde” (REIS, R.A., 2004).
  • 24. OBRIGADA! EMAIL INSTITUCIONAL: servicosocial.cas@ufjf.edu.br CONTATO SERVIÇO SOCIAL HU/SANTA CATARINA: 4009-5178 CONTATO SERVIÇO SOCIAL HU/DOM BOSCO: 4009-5345 / 4009-5364.