SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Apoio:
São fundos mantidos
por Entidades da Sociedade
Civil ou Organizações
Comunitárias, Formais ou
Informais e destinados ao apoio
de projetos associativos e
comunitários de produção de
bens e serviços.
O FRS é uma poupança comunitária gerida
coletivamente para fortalecer a agricultura familiar e a
economia dos catadores, artesãos ou comerciantes populares.
Essa poupança é formada por
meio da doação voluntária de recursos
por cada membro participante do
fundo ou ainda, pode ser constituída a
partir de ações e recursos externos
destinados ao FRS.
Por meio dos Fundos Rotativos
Solidários, investem se recursos na
comunidade, através de empréstimos
com prazos e reembolsos mais flexíveis e
mais adaptados às condições
socioeconômicas das famílias
empobrecidas beneficiadas pelos FRS.
A aplicação dos recursos e sua sucessiva reposição
para novos investimentos seguem modalidades e ritmos
decididos pela próprio grupo que gere o FRS.
A formação de uma Poupança Comunitária e
Autofinanciamento é um direito de todos, reconhecido pelo
Programa Nacional de Direitos Humanos do Ministério da Justiça.
b) Incentivar e promover a realização de atividades de valorização da cultura das
comunidades tradicionais, entre elas ribeirinhos, extrativistas, quebradeiras de
coco, pescadores artesanais, seringueiros, geraizeiros, varzanteiros, pantaneiros,
comunidades de fundo de pasto, caiçaras e faxinalenses. (PNDH-3, 2010)
Com isso, o financiamento é mais barato e mais acessível
para os projetos apoiados, favorecendo o acesso mais democrático
e solidário ao crédito, e estimulando o crescimento local.
Os FRS nascem das vivências tradicionais de
reciprocidade que levam, por exemplo, qualquer agricultor ou
agricultora à compartilhar a água de beber no sertão, pois, lá
não se nega água, ou quando se cria os animais em áreas de
pastagens comuns (os fundos de pasto), quando se faz um
mutirão para bater laje, ou mais essencial ainda, quando se
ajuda uma família carente a adquirir uma cabra para dar leite ao
filho e começar a sua criação.
Um agricultor assim traduziu o
princípio ético e o mecanismo que rege o
sistema:
“O beneficio que eu recebi, vou me esforçar
para que outros também possam recebê-lo”.
Esse movimento de aplicação,
reposição e reinvestimento obedece a uma
lógica de solidariedade característica de
comunidades camponesas.
É nesse sentido que os FRS revelam-se como
poderoso instrumento de economia comunitária, a serviço do
desenvolvimento autocentrado e pautado na Agroecologia.
Os Fundos Solidários têm longa
história no Brasil, mas foi a partir dos anos
1980 que ganharam força junto aos
movimentos sociais e às atividades
comunitárias ligadas a diversas igrejas.
O primeiro fundo Rotativo solidário da Paraíba
surgiu em 1993, na Comunidade Rural de Caiçara,
Município de Soledade.
Esse primeiro projeto foi financiado pela
Catholic Relief Service (CRS), em convênio com o
Programa Mundial de Alimentação.
O trabalho foi assumido pelo Programa de Aplicação de
Tecnologia Apropriada às Comunidades (PATAC), em parceria
com o Sindicato de Trabalhadores Rurais (STR) de Soledade e
com a paróquia local.
O objetivo era criar uma forma de disponibilizar recursos
financeiros para a construção de cisternas de placas.
Essa comunidade foi escolhida porque era muito
populosa e tinha grande deficiência de infraestruturas para
captação e armazenamento de água.
É um FUNDO
É ROTATIVO
É SOLIDÁRIO
porque reúne recursos (financeiros, mão de
obra, sementes, etc.).
porque os recursos giram, circulam entre
todos os participantes.
porque você recebe o benefício, mas
também pensa no outro, divide com o
irmão.
São exemplos de FRS: Os mutirões para a construção ou
manutenção de bens comuns (estradas, açudes, poços) ou em
benefício a famílias que necessitam de ajuda para colher os
roçados ou reformar suas casas.
FRS SEM OU COM CIRCULÇÃO DE
MOEDA
FRS DE
PALMAS
FRS FOGÕES
ECOLÓGICOS
FRS BANCOS DE
SEMENTES
COMUNITÁRIOS
FRS DE
CISTERNAS
FRS DE CERCAS DE
ARAME
FRS DE
ANIMAIS
Obrigado!
Arquivista Jonathas Carecas, Comunidade São Rafael, Castelo Branco IIII, Nº: 110, CEP: 58050-705
FONE: 83 9 8854-8148 / 83 9 8886-6277 SITE: www.cpcc.webnode.com.br E-MAIL: cpcc.org.br@gmail.com
CENTRO POPULAR DE CULTURA E COMUNICAÇÃO
Site: http://www.cpcc.webnode.com.br
Email: cpcc.org.br@gmail.com
Fones: (83) 9 8886-6277 (83) 9 8854-8148

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cidades do futuro, cidades sustentáveis
Cidades do futuro, cidades sustentáveis Cidades do futuro, cidades sustentáveis
Cidades do futuro, cidades sustentáveis Rafaela Galdino
 
Cooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdfCooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdfAdm.Geisiane Soares
 
AULA 1- GESTÃO AMBIENTAL NO AGRONEGOCIO.pdf
AULA 1- GESTÃO AMBIENTAL NO AGRONEGOCIO.pdfAULA 1- GESTÃO AMBIENTAL NO AGRONEGOCIO.pdf
AULA 1- GESTÃO AMBIENTAL NO AGRONEGOCIO.pdfClaudiaSiano
 
Sucessão na Agricultura Familiar - por Valter Bianchini
Sucessão na Agricultura Familiar - por Valter BianchiniSucessão na Agricultura Familiar - por Valter Bianchini
Sucessão na Agricultura Familiar - por Valter BianchiniRede Jovem Rural
 
Desenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento SustentavelDesenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento Sustentavellupajero
 
Aula 2 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 2 Cooperativismo prova dia 05/11/2014Aula 2 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 2 Cooperativismo prova dia 05/11/2014Matheus Yuri
 
Sistemas Reprodutores Feminino e Masculino
Sistemas Reprodutores Feminino e MasculinoSistemas Reprodutores Feminino e Masculino
Sistemas Reprodutores Feminino e MasculinoPibid Biologia Cejad
 
Apresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio AmbienteApresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio AmbienteMarilucia Santos
 
Associativismo Aula I IFGoiano Campus Ceres
Associativismo Aula I IFGoiano Campus CeresAssociativismo Aula I IFGoiano Campus Ceres
Associativismo Aula I IFGoiano Campus Ceresescola_associativismo
 
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAAPRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAINSTITUTO VOZ POPULAR
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017
Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017
Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017FETAEP
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambientecoldplay
 
Desenvolvimento sustentavel
Desenvolvimento sustentavelDesenvolvimento sustentavel
Desenvolvimento sustentavelAdeildo Caboclo
 
Fernanda e vanessa economia solidaria
Fernanda e vanessa economia solidariaFernanda e vanessa economia solidaria
Fernanda e vanessa economia solidariaVanessa Nogueira
 
Cooperativismo e Associativismo
Cooperativismo e AssociativismoCooperativismo e Associativismo
Cooperativismo e AssociativismoPeterson Rodrigues
 
Efeitos agrotoxicos abelhas_silvestres_brasil
Efeitos agrotoxicos abelhas_silvestres_brasilEfeitos agrotoxicos abelhas_silvestres_brasil
Efeitos agrotoxicos abelhas_silvestres_brasilJoão Siqueira da Mata
 
Premio cidades mais sustentáveis
Premio cidades mais sustentáveisPremio cidades mais sustentáveis
Premio cidades mais sustentáveisElinaldoMS
 

Mais procurados (20)

Cidades do futuro, cidades sustentáveis
Cidades do futuro, cidades sustentáveis Cidades do futuro, cidades sustentáveis
Cidades do futuro, cidades sustentáveis
 
Cooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdfCooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdf
 
Sustentabilidade Urbana
Sustentabilidade UrbanaSustentabilidade Urbana
Sustentabilidade Urbana
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
AULA 1- GESTÃO AMBIENTAL NO AGRONEGOCIO.pdf
AULA 1- GESTÃO AMBIENTAL NO AGRONEGOCIO.pdfAULA 1- GESTÃO AMBIENTAL NO AGRONEGOCIO.pdf
AULA 1- GESTÃO AMBIENTAL NO AGRONEGOCIO.pdf
 
Sucessão na Agricultura Familiar - por Valter Bianchini
Sucessão na Agricultura Familiar - por Valter BianchiniSucessão na Agricultura Familiar - por Valter Bianchini
Sucessão na Agricultura Familiar - por Valter Bianchini
 
Desenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento SustentavelDesenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento Sustentavel
 
Aula 2 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 2 Cooperativismo prova dia 05/11/2014Aula 2 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 2 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
 
Sistemas Reprodutores Feminino e Masculino
Sistemas Reprodutores Feminino e MasculinoSistemas Reprodutores Feminino e Masculino
Sistemas Reprodutores Feminino e Masculino
 
Apresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio AmbienteApresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio Ambiente
 
Associativismo Aula I IFGoiano Campus Ceres
Associativismo Aula I IFGoiano Campus CeresAssociativismo Aula I IFGoiano Campus Ceres
Associativismo Aula I IFGoiano Campus Ceres
 
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAAPRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017
Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017
Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Coleta seletiva
Coleta seletivaColeta seletiva
Coleta seletiva
 
Desenvolvimento sustentavel
Desenvolvimento sustentavelDesenvolvimento sustentavel
Desenvolvimento sustentavel
 
Fernanda e vanessa economia solidaria
Fernanda e vanessa economia solidariaFernanda e vanessa economia solidaria
Fernanda e vanessa economia solidaria
 
Cooperativismo e Associativismo
Cooperativismo e AssociativismoCooperativismo e Associativismo
Cooperativismo e Associativismo
 
Efeitos agrotoxicos abelhas_silvestres_brasil
Efeitos agrotoxicos abelhas_silvestres_brasilEfeitos agrotoxicos abelhas_silvestres_brasil
Efeitos agrotoxicos abelhas_silvestres_brasil
 
Premio cidades mais sustentáveis
Premio cidades mais sustentáveisPremio cidades mais sustentáveis
Premio cidades mais sustentáveis
 

Destaque

APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIAS
APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIASAPRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIAS
APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIASINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOS
APRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOSAPRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOS
APRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOSINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO PONTO DE FINANÇAS SOLIDÁRIOS
APRESENTAÇÃO PONTO DE FINANÇAS SOLIDÁRIOSAPRESENTAÇÃO PONTO DE FINANÇAS SOLIDÁRIOS
APRESENTAÇÃO PONTO DE FINANÇAS SOLIDÁRIOSINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCDAPRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCDINSTITUTO VOZ POPULAR
 
DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010INSTITUTO VOZ POPULAR
 
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)INSTITUTO VOZ POPULAR
 
TERMO DE REFERÊNCIA DOS BANCOS COMUNITÁRIOS
TERMO DE REFERÊNCIA DOS BANCOS COMUNITÁRIOSTERMO DE REFERÊNCIA DOS BANCOS COMUNITÁRIOS
TERMO DE REFERÊNCIA DOS BANCOS COMUNITÁRIOSINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCD
APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCDAPRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCD
APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCDINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAELAPRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAELINSTITUTO VOZ POPULAR
 
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTELISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTEINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICO
APRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICOAPRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICO
APRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICOINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCD
APRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCDAPRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCD
APRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCDINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIALAPRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIALINSTITUTO VOZ POPULAR
 
CORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASIL
CORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASILCORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASIL
CORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASILINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUALAPRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUALINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIROAPRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIROINSTITUTO VOZ POPULAR
 

Destaque (20)

APRESENTAÇÃO MOEDAS SOCIAIS
APRESENTAÇÃO MOEDAS SOCIAISAPRESENTAÇÃO MOEDAS SOCIAIS
APRESENTAÇÃO MOEDAS SOCIAIS
 
APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIAS
APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIASAPRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIAS
APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIAS
 
APRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOS
APRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOSAPRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOS
APRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOS
 
APRESENTAÇÃO PONTO DE FINANÇAS SOLIDÁRIOS
APRESENTAÇÃO PONTO DE FINANÇAS SOLIDÁRIOSAPRESENTAÇÃO PONTO DE FINANÇAS SOLIDÁRIOS
APRESENTAÇÃO PONTO DE FINANÇAS SOLIDÁRIOS
 
APRESENTAÇÃO CAC
APRESENTAÇÃO CACAPRESENTAÇÃO CAC
APRESENTAÇÃO CAC
 
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCDAPRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
 
DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
 
APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100
APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100
APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100
 
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)
 
APRESENTAÇÃO AGENTES DE CRÉDITO
APRESENTAÇÃO AGENTES DE CRÉDITOAPRESENTAÇÃO AGENTES DE CRÉDITO
APRESENTAÇÃO AGENTES DE CRÉDITO
 
TERMO DE REFERÊNCIA DOS BANCOS COMUNITÁRIOS
TERMO DE REFERÊNCIA DOS BANCOS COMUNITÁRIOSTERMO DE REFERÊNCIA DOS BANCOS COMUNITÁRIOS
TERMO DE REFERÊNCIA DOS BANCOS COMUNITÁRIOS
 
APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCD
APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCDAPRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCD
APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCD
 
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAELAPRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
 
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTELISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
 
APRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICO
APRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICOAPRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICO
APRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICO
 
APRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCD
APRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCDAPRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCD
APRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCD
 
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIALAPRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
 
CORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASIL
CORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASILCORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASIL
CORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASIL
 
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUALAPRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
 
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIROAPRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
 

Semelhante a APRESENTAÇÃO FUNDOS ROTATIVOS SOLIDÁRIOS

Cisternas: fonte de água e mudanças - O Programa 1 Milhão de Cisternas
Cisternas: fonte de água e mudanças - O Programa 1 Milhão de CisternasCisternas: fonte de água e mudanças - O Programa 1 Milhão de Cisternas
Cisternas: fonte de água e mudanças - O Programa 1 Milhão de CisternasRenato Guimaraes
 
Portfolio Rede Pintadas - Cooperação e Articulação
Portfolio Rede Pintadas - Cooperação e ArticulaçãoPortfolio Rede Pintadas - Cooperação e Articulação
Portfolio Rede Pintadas - Cooperação e ArticulaçãoFernando Fischer
 
Sugestões de ações comunitárias de ecologia integral na cidade.pdf
Sugestões de ações comunitárias de ecologia integral na cidade.pdfSugestões de ações comunitárias de ecologia integral na cidade.pdf
Sugestões de ações comunitárias de ecologia integral na cidade.pdfAfonso Murad (FAJE)
 
Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...
Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...
Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...prbeiro
 
Carta do Encontro Estadual de Finanças Solidárias - Ba - novembro 2014
Carta do Encontro Estadual de Finanças Solidárias - Ba - novembro 2014Carta do Encontro Estadual de Finanças Solidárias - Ba - novembro 2014
Carta do Encontro Estadual de Finanças Solidárias - Ba - novembro 2014TRAMPO Comunicação e Eventos Soares
 
Cartilha sobre Banheiro Redondo: Série Compartilhando Experiências
Cartilha sobre Banheiro Redondo: Série Compartilhando Experiências Cartilha sobre Banheiro Redondo: Série Compartilhando Experiências
Cartilha sobre Banheiro Redondo: Série Compartilhando Experiências Designer, Enóloga e Agrônoma
 
Carta política do Araripe
Carta política do AraripeCarta política do Araripe
Carta política do AraripeASA Pernambuco
 
Cartilha Cisterna Calçadão a série é uma produção da Articulação no Semi-Árid...
Cartilha Cisterna Calçadão a série é uma produção da Articulação no Semi-Árid...Cartilha Cisterna Calçadão a série é uma produção da Articulação no Semi-Árid...
Cartilha Cisterna Calçadão a série é uma produção da Articulação no Semi-Árid...Prof. Oliveira Andrade
 
Projetos - síntese - Jequitinhonha
Projetos - síntese - JequitinhonhaProjetos - síntese - Jequitinhonha
Projetos - síntese - JequitinhonhaClesio DaGama
 
03 2017 Boletim do Contribuinte Asas de Socorro
03 2017 Boletim do Contribuinte Asas de Socorro03 2017 Boletim do Contribuinte Asas de Socorro
03 2017 Boletim do Contribuinte Asas de SocorroAsas de Socorro
 
Boletim informativo n°3
Boletim informativo n°3 Boletim informativo n°3
Boletim informativo n°3 thiagorh
 
Apresentação Bancos Sociais
Apresentação Bancos SociaisApresentação Bancos Sociais
Apresentação Bancos SociaisFórum Habilis
 
I Seminário da Pesca Artesanal e Assistência Técnica em Pernambuco
I Seminário da Pesca Artesanal e Assistência Técnica em Pernambuco I Seminário da Pesca Artesanal e Assistência Técnica em Pernambuco
I Seminário da Pesca Artesanal e Assistência Técnica em Pernambuco cppcomunicacao
 
A cooperação familiar garante qualidade de vida no Semiárido
A cooperação familiar garante qualidade de vida no SemiáridoA cooperação familiar garante qualidade de vida no Semiárido
A cooperação familiar garante qualidade de vida no SemiáridoFCVSA
 
Inovando em-agroecologia-cartilha-agroecológica-de-produção-familiar
Inovando em-agroecologia-cartilha-agroecológica-de-produção-familiarInovando em-agroecologia-cartilha-agroecológica-de-produção-familiar
Inovando em-agroecologia-cartilha-agroecológica-de-produção-familiarDenise Dhiira Mazeto
 

Semelhante a APRESENTAÇÃO FUNDOS ROTATIVOS SOLIDÁRIOS (20)

Cisternas: fonte de água e mudanças - O Programa 1 Milhão de Cisternas
Cisternas: fonte de água e mudanças - O Programa 1 Milhão de CisternasCisternas: fonte de água e mudanças - O Programa 1 Milhão de Cisternas
Cisternas: fonte de água e mudanças - O Programa 1 Milhão de Cisternas
 
Portfolio Rede Pintadas - Cooperação e Articulação
Portfolio Rede Pintadas - Cooperação e ArticulaçãoPortfolio Rede Pintadas - Cooperação e Articulação
Portfolio Rede Pintadas - Cooperação e Articulação
 
Sugestões de ações comunitárias de ecologia integral na cidade.pdf
Sugestões de ações comunitárias de ecologia integral na cidade.pdfSugestões de ações comunitárias de ecologia integral na cidade.pdf
Sugestões de ações comunitárias de ecologia integral na cidade.pdf
 
Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...
Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...
Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...
 
Carta do Encontro Estadual de Finanças Solidárias - Ba - novembro 2014
Carta do Encontro Estadual de Finanças Solidárias - Ba - novembro 2014Carta do Encontro Estadual de Finanças Solidárias - Ba - novembro 2014
Carta do Encontro Estadual de Finanças Solidárias - Ba - novembro 2014
 
Cartilha sobre Banheiro Redondo: Série Compartilhando Experiências
Cartilha sobre Banheiro Redondo: Série Compartilhando Experiências Cartilha sobre Banheiro Redondo: Série Compartilhando Experiências
Cartilha sobre Banheiro Redondo: Série Compartilhando Experiências
 
Populações tradicionais
Populações tradicionaisPopulações tradicionais
Populações tradicionais
 
Carta política do Araripe
Carta política do AraripeCarta política do Araripe
Carta política do Araripe
 
Cartilha Cisterna Calçadão a série é uma produção da Articulação no Semi-Árid...
Cartilha Cisterna Calçadão a série é uma produção da Articulação no Semi-Árid...Cartilha Cisterna Calçadão a série é uma produção da Articulação no Semi-Árid...
Cartilha Cisterna Calçadão a série é uma produção da Articulação no Semi-Árid...
 
Nova eco aldeia 2011.2
Nova eco aldeia 2011.2Nova eco aldeia 2011.2
Nova eco aldeia 2011.2
 
Projetos - síntese - Jequitinhonha
Projetos - síntese - JequitinhonhaProjetos - síntese - Jequitinhonha
Projetos - síntese - Jequitinhonha
 
Evora solidária
Evora solidáriaEvora solidária
Evora solidária
 
03 2017 Boletim do Contribuinte Asas de Socorro
03 2017 Boletim do Contribuinte Asas de Socorro03 2017 Boletim do Contribuinte Asas de Socorro
03 2017 Boletim do Contribuinte Asas de Socorro
 
Inclusao Social
Inclusao SocialInclusao Social
Inclusao Social
 
Boletim informativo n°3
Boletim informativo n°3 Boletim informativo n°3
Boletim informativo n°3
 
Apresentação Bancos Sociais
Apresentação Bancos SociaisApresentação Bancos Sociais
Apresentação Bancos Sociais
 
I Seminário da Pesca Artesanal e Assistência Técnica em Pernambuco
I Seminário da Pesca Artesanal e Assistência Técnica em Pernambuco I Seminário da Pesca Artesanal e Assistência Técnica em Pernambuco
I Seminário da Pesca Artesanal e Assistência Técnica em Pernambuco
 
A cooperação familiar garante qualidade de vida no Semiárido
A cooperação familiar garante qualidade de vida no SemiáridoA cooperação familiar garante qualidade de vida no Semiárido
A cooperação familiar garante qualidade de vida no Semiárido
 
Inovando em-agroecologia-cartilha-agroecológica-de-produção-familiar
Inovando em-agroecologia-cartilha-agroecológica-de-produção-familiarInovando em-agroecologia-cartilha-agroecológica-de-produção-familiar
Inovando em-agroecologia-cartilha-agroecológica-de-produção-familiar
 
Carta dos fundos rotativos solidários Bahia
Carta dos fundos rotativos solidários BahiaCarta dos fundos rotativos solidários Bahia
Carta dos fundos rotativos solidários Bahia
 

Mais de INSTITUTO VOZ POPULAR

APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULARAPRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULARINSTITUTO VOZ POPULAR
 
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIASMODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIASINSTITUTO VOZ POPULAR
 
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCCREGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCCINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTEAPRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTEINSTITUTO VOZ POPULAR
 
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)INSTITUTO VOZ POPULAR
 

Mais de INSTITUTO VOZ POPULAR (9)

APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULARAPRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
 
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIASMODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
 
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCCREGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
 
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTEAPRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
 
APRESENTAÇÃO - WEB RÁDIO
APRESENTAÇÃO - WEB RÁDIOAPRESENTAÇÃO - WEB RÁDIO
APRESENTAÇÃO - WEB RÁDIO
 
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
 
APRESENTAÇÃO E-DINHEIRO
APRESENTAÇÃO  E-DINHEIROAPRESENTAÇÃO  E-DINHEIRO
APRESENTAÇÃO E-DINHEIRO
 
APRESENTAÇÃO SOBRE MEI
APRESENTAÇÃO SOBRE MEIAPRESENTAÇÃO SOBRE MEI
APRESENTAÇÃO SOBRE MEI
 
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
COOPERATIVAS DE CRÉDITOCOOPERATIVAS DE CRÉDITO
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasdiegosouzalira10
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 

Último (20)

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 

APRESENTAÇÃO FUNDOS ROTATIVOS SOLIDÁRIOS

  • 2. São fundos mantidos por Entidades da Sociedade Civil ou Organizações Comunitárias, Formais ou Informais e destinados ao apoio de projetos associativos e comunitários de produção de bens e serviços.
  • 3. O FRS é uma poupança comunitária gerida coletivamente para fortalecer a agricultura familiar e a economia dos catadores, artesãos ou comerciantes populares. Essa poupança é formada por meio da doação voluntária de recursos por cada membro participante do fundo ou ainda, pode ser constituída a partir de ações e recursos externos destinados ao FRS.
  • 4. Por meio dos Fundos Rotativos Solidários, investem se recursos na comunidade, através de empréstimos com prazos e reembolsos mais flexíveis e mais adaptados às condições socioeconômicas das famílias empobrecidas beneficiadas pelos FRS. A aplicação dos recursos e sua sucessiva reposição para novos investimentos seguem modalidades e ritmos decididos pela próprio grupo que gere o FRS.
  • 5. A formação de uma Poupança Comunitária e Autofinanciamento é um direito de todos, reconhecido pelo Programa Nacional de Direitos Humanos do Ministério da Justiça. b) Incentivar e promover a realização de atividades de valorização da cultura das comunidades tradicionais, entre elas ribeirinhos, extrativistas, quebradeiras de coco, pescadores artesanais, seringueiros, geraizeiros, varzanteiros, pantaneiros, comunidades de fundo de pasto, caiçaras e faxinalenses. (PNDH-3, 2010) Com isso, o financiamento é mais barato e mais acessível para os projetos apoiados, favorecendo o acesso mais democrático e solidário ao crédito, e estimulando o crescimento local.
  • 6. Os FRS nascem das vivências tradicionais de reciprocidade que levam, por exemplo, qualquer agricultor ou agricultora à compartilhar a água de beber no sertão, pois, lá não se nega água, ou quando se cria os animais em áreas de pastagens comuns (os fundos de pasto), quando se faz um mutirão para bater laje, ou mais essencial ainda, quando se ajuda uma família carente a adquirir uma cabra para dar leite ao filho e começar a sua criação.
  • 7. Um agricultor assim traduziu o princípio ético e o mecanismo que rege o sistema: “O beneficio que eu recebi, vou me esforçar para que outros também possam recebê-lo”. Esse movimento de aplicação, reposição e reinvestimento obedece a uma lógica de solidariedade característica de comunidades camponesas.
  • 8. É nesse sentido que os FRS revelam-se como poderoso instrumento de economia comunitária, a serviço do desenvolvimento autocentrado e pautado na Agroecologia. Os Fundos Solidários têm longa história no Brasil, mas foi a partir dos anos 1980 que ganharam força junto aos movimentos sociais e às atividades comunitárias ligadas a diversas igrejas.
  • 9.
  • 10. O primeiro fundo Rotativo solidário da Paraíba surgiu em 1993, na Comunidade Rural de Caiçara, Município de Soledade. Esse primeiro projeto foi financiado pela Catholic Relief Service (CRS), em convênio com o Programa Mundial de Alimentação.
  • 11. O trabalho foi assumido pelo Programa de Aplicação de Tecnologia Apropriada às Comunidades (PATAC), em parceria com o Sindicato de Trabalhadores Rurais (STR) de Soledade e com a paróquia local. O objetivo era criar uma forma de disponibilizar recursos financeiros para a construção de cisternas de placas. Essa comunidade foi escolhida porque era muito populosa e tinha grande deficiência de infraestruturas para captação e armazenamento de água.
  • 12. É um FUNDO É ROTATIVO É SOLIDÁRIO porque reúne recursos (financeiros, mão de obra, sementes, etc.). porque os recursos giram, circulam entre todos os participantes. porque você recebe o benefício, mas também pensa no outro, divide com o irmão.
  • 13. São exemplos de FRS: Os mutirões para a construção ou manutenção de bens comuns (estradas, açudes, poços) ou em benefício a famílias que necessitam de ajuda para colher os roçados ou reformar suas casas. FRS SEM OU COM CIRCULÇÃO DE MOEDA
  • 14. FRS DE PALMAS FRS FOGÕES ECOLÓGICOS FRS BANCOS DE SEMENTES COMUNITÁRIOS
  • 15. FRS DE CISTERNAS FRS DE CERCAS DE ARAME FRS DE ANIMAIS
  • 16. Obrigado! Arquivista Jonathas Carecas, Comunidade São Rafael, Castelo Branco IIII, Nº: 110, CEP: 58050-705 FONE: 83 9 8854-8148 / 83 9 8886-6277 SITE: www.cpcc.webnode.com.br E-MAIL: cpcc.org.br@gmail.com
  • 17. CENTRO POPULAR DE CULTURA E COMUNICAÇÃO Site: http://www.cpcc.webnode.com.br Email: cpcc.org.br@gmail.com Fones: (83) 9 8886-6277 (83) 9 8854-8148