SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Apoio:
COMO IMPLANTAR UM BANCO
COMUNITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO?
Ainda não existe no Brasil um marco regulatório próprio
para os Bancos Comunitários e as Finanças Solidárias.
Nesta ausência, os Bancos Comunitários devem ficar
atentos para algumas normas vigentes.
Rede Brasileira de Bancos Comunitários
COMO IMPLANTAR UM BANCO
COMUNITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO?
GOVERNO
BCD
ONG
BCD
GOVERNO
BCDBEIRA
RIO
PALMAS
MARICÁ
BANCOS COMUNITÁRIOS
PERSPECTIVAS PARA O BRASIL
• 51 Bancos Comunitários 2009
•118 Bancos Comunitários 2016
•03 Bancos Comunitários João Pessoa (São José, São Rafael, Muçumagro)
•01 Banco Comunitário Lagoa de Dentro
•01 Banco Comunitário Pombal
•01 Banco Comunitário Remígio Discussão
03
01
01
01
BANCOS COMUNITÁRIOS
PERSPECTIVAS PARAA PARÍBA
1
1
1
*São José
*São Rafael
* Muçumagro
BANCOS COMUNITÁRIOS
PERSPECTIVAS PARA JOÃO PESSOABANCOS COMUNITÁRIOS
PERSPECTIVAS PARA JOÃO PESSOA
60
Anos
70%
de Trabalhadores
9
Instituições
Comunitárias
29
Estabelecimentos
Comerciais
3.500 Habitantes Aproximadamente
500 Residências Aproximadamente
5 Instituições Governamentais
COMUNIDADE SÃO RAFAEL, JOÃO PESSOA-PB
ORGANOGRAMA DE UM BCD
CONCEITO DE CONSELHO GESTOR
O “CONSELHO GESTOR, é formado por
Representantes de Entidades da Sociedade Civil e, se
possível, por uma representação de Gestores Públicos, com
atuação na área de economia popular e solidária. É também o
espaço no qual se faz a Controladoria Social do banco, onde
se discute coletivamente as dificuldades e as estratégias para
que o banco cumpra seus objetivo para os quais foi criado”.
(CARTILHA PARA MULTIPLICADORES NA METODOLOGIA DE BANCOS COMUNITÁRIOS, CE, 2012.)
CONCEITO DE CONSELHO GESTOR
“Seriam uma instância máxima de decisão, formada
por membros dos BCDs e representantes de
entidades parcerias, responsável pelas decisões
mais estratégicas e diretrizes maiores d
empreendimento”.
Genauto França Filho
“Espaço Público de Proximidade” Seu
funcionamento se assemelha ao de uma
Assembleia Geral.
Jean Louis Laville
PAPEL DO CONSELHO GESTOR
O CONSELHO GESTOR, tem a função de construir a
missão, valores, política de crédito do BCD, construir os critérios
das políticas, além de dar representatividade comunitária ao banco.
Esta instância será o escudo de proteção do BCD, junto ao
início de desconfiança dos trabalhos que começarão a ser
realizados no território.
Quanto mais Instituições Representativas e Atuantes no
território estiverem no C.G do Banco, mais forte e com credibilidade
ele será provavelmente!
CONTRUÇÃO DO BCD
A missão é tida como o detalhamento da razão de ser da empresa, ou seja,
é o porquê da empresa. Na missão, tem se acentuado o que a empresa produz, sua
previsão de conquistas futuras e como espera ser reconhecida pelos clientes e
demais STAKEHOLDERS.
A missão de uma empresa corresponde ao seu propósito e para quem ela de
destina. Para definir isso com assertividade, é interessante que se responda a três
questões básicas:
Por que a empresa existe?
O que a empresa faz?
Para quem?
CONSTRUÇÃO DA MISSÃO,
VISÃO E VALORES DO BCD
Fornecer soluções, produtos e serviços financeiros e de seguros com
agilidade e competência, principalmente por meio da inclusão bancária e da
promoção da mobilidade social, contribuindo para o desenvolvimento
sustentável e a construção de relacionamentos duradouros para a criação de
valor aos acionistas e a toda a sociedade.
Garantir a excelência na entrega de produtos e serviços
financeiros, maximizando valor para clientes e acionistas
É ser um banco de mercado, competitivo e rentável, atuando
com espírito público em cada uma de suas ações junto à
sociedade.
CONSTRUÇÃO DA MISSÃO,
VISÃO E VALORES DO BCD
A visão é algo responsável por nortear a
organização. É um acumulado de convicções que
direcionam sua trajetória.
A visão pode ser percebida como a direção
desejada, o caminho que se pretende percorrer, uma
proposta do que a empresa deseja ser a médio e longo
prazo e, ainda, de como ela espera ser vista por todos.
CONSTRUÇÃO DA MISSÃO,
VISÃO E VALORES DO BCD
CONSTRUÇÃO DA MISSÃO,
VISÃO E VALORES DO BCD
Ser reconhecida como a melhor e mais eficiente instituição
financeira do País e pela atuação em prol da inclusão
bancária e do desenvolvimento sustentável.
Ser o melhor grupo financeiro do Brasil em geração
de valor para clientes, acionistas e colaboradores.
Ser o banco mais relevante e confiável para a vida
dos clientes, funcionários, acionistas e para o
desenvolvimento do Brasil
Valores são princípios, ou crenças, que servem de guia, ou
critério, para os comportamentos, atitudes e decisões de todas e
quaisquer pessoas, que no exercício das suas responsabilidades, e na
busca dos seus objetivos, estejam executando a Missão, na direção da
Visão.
São os ideais de atitude, comportamento e resultados que
devem estar presentes nos funcionários e nas relações da empresa com
clientes, fornecedores e parceiros.
CONSTRUÇÃO DA MISSÃO,
VISÃO E VALORES DO BCD
CONSTRUÇÃO DA MISSÃO,
VISÃO E VALORES DO BCD
• Cliente como razão de ser da Organização
• Transparência em todos os relacionamentos
• Respeito à concorrência
• Crença no valor e na capacidade de desenvolvimento das pessoas
• Respeito à dignidade e diversidade do ser humano
• Compromisso com a melhoria contínua de qualidade
• Nossa conduta deve refletir os mais altos padrões de ética;
• Nossa comunicação deve ser clara e precisa;
• Nosso gerenciamento deve ser em equipe, consistente e focado;
• Nosso relacionamento com clientes e colaboradores deve ser transparente e baseado na responsabilidade e confiança entre as partes.
• Espírito público (transformação do nosso País).
• Ética (consciência do justo para nós e para os outros).
• Potencial humano (capacidade de superar e ir além).
• Competência (capacidade de vencer desafios).
• Eficiência (busca pela melhor forma de fazer as coisas).
• Unicidade (um em todos).
• Sustentabilidade (resultado, desenvolvimento e proteção do nosso mundo).
• Inovação (transformar ideias em soluções).
• Agilidade (vontade de fazer acontecer).
1ª fase - Visitas aos
municípios/comunidad
es para certificação se
o mesmo reúne as
condições necessárias
para organização de
um banco comunitário;
2ª fase – O
mapeamento dos
parceiros locais
para implantação
do BCD;
3ª fase - O
mapeamento dos
empreendimento
s;
4ª fase – O
mapeamento da
produção e
consumo local;
FASE DE IDENTIFICAÇÃO (F1).
Nessa fase, será realizado:
5ª fase –
Roda de
Diálogo -
Com as
Lideranças
Locais;
6ª fase –
Roda de
Diálogo -
Economia
Solidária;
7ª fase – Roda
de Diálogo -
Sobre Finanças
Solidárias;
8ª fase –
Intercâmbio
entre os Bancos
Comunitários;
9ª fase – Roda
de Diálogo -
Sobre Agentes
de Crédito;
FASE DE PREPARAÇÃO (F2).
Nessa fase, será realizado:
10ª fase – Roda
de Diálogo para
planejamento do
Banco
Comunitário com
Entidade Gestora;
11ª fase – Roda de
Diálogo para
Planejamento com
Conselho Gestor
para determinar o
funcionamento do
Banco, nome,
produtos, gestão,
parcerias;
12ª fase –
Lançamento da
Moeda Social;
(PB, realização de
lançamento da
Moeda Simbólica
para arrecadação de
lastro)
13ª fase –
Inauguração do
Banco
Comunitário;
(PB, Lançamento
da Moeda Oficial)
FASE DE IMPLANTAÇÃO (F3).
Nessa fase, será realizado:
14ª fase – Rodas de
Diálogo especializadas e
focadas em gestão
interna do BCD;
15ª fase –
Reuniões
com o poder
público local,
para
parcerias;
16ª fase –
Articulação
com novos
parceiros;
17ª fase –
Roda de
Diálogo
aprofundada
sobre gestão
operacional do
BCD para
(agentes de
crédito,
produtores
locais e
consumidores)
;
18ª fase –
Roda de
Diálogo sobre
marketing
social para
ampliação da
visualização
do BCD.
FASE DE CONSOLIDAÇÃO (F4).
Nessa fase, será realizado:
AGORA É A NOSSA VEZ
Primeiro, vamos escolher as Instituições e seus
respectivos representantes no CONSELHO GESTOR,
em seguida, marcar a primeira reunião e começar o
planejamento para implantação do nosso Banco
Comunitário.
CENTRO POPULAR DE CULTURA E COMUNICAÇÃO
Site: http://www.cpcc.webnode.com.br
Email: cpcc.org.br@gmail.com
Fones: (83) 9 8886-6277 (83) 9 8854-8148

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

APRESENTAÇÃO BANCO COMUNITÁRIO JARDIM BOTÂNICO
APRESENTAÇÃO BANCO COMUNITÁRIO JARDIM BOTÂNICOAPRESENTAÇÃO BANCO COMUNITÁRIO JARDIM BOTÂNICO
APRESENTAÇÃO BANCO COMUNITÁRIO JARDIM BOTÂNICOINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCDAPRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCDINSTITUTO VOZ POPULAR
 
CORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASIL
CORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASILCORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASIL
CORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASILINSTITUTO VOZ POPULAR
 
Contributo das Microfinancas na reducacao da pobreza
Contributo das Microfinancas na reducacao da pobrezaContributo das Microfinancas na reducacao da pobreza
Contributo das Microfinancas na reducacao da pobrezaUniversidade Pedagogica
 
Fatima E Vitor 4º 17 Dezembro 2008
Fatima E Vitor 4º 17 Dezembro 2008Fatima E Vitor 4º 17 Dezembro 2008
Fatima E Vitor 4º 17 Dezembro 2008formandostqi
 
Festival 2017 - Marcos Barroso e Washington Luiz
Festival 2017 - Marcos Barroso e Washington LuizFestival 2017 - Marcos Barroso e Washington Luiz
Festival 2017 - Marcos Barroso e Washington LuizABCR
 
Microfinanças: Microcrédito e Microsseguros no Brasil - O papel das instituiç...
Microfinanças: Microcrédito e Microsseguros no Brasil - O papel das instituiç...Microfinanças: Microcrédito e Microsseguros no Brasil - O papel das instituiç...
Microfinanças: Microcrédito e Microsseguros no Brasil - O papel das instituiç...Fundação Dom Cabral - FDC
 
Festival 2018 - CRM, as cinco coisas que aprendi
Festival 2018 - CRM, as cinco coisas que aprendiFestival 2018 - CRM, as cinco coisas que aprendi
Festival 2018 - CRM, as cinco coisas que aprendiABCR
 
Tipologia Cooperativista
Tipologia CooperativistaTipologia Cooperativista
Tipologia Cooperativistaejaes
 
Prot. 1186 17 pl declara de utilidade pública o centro de recuperação e re...
Prot. 1186 17   pl  declara de utilidade pública o centro de recuperação e re...Prot. 1186 17   pl  declara de utilidade pública o centro de recuperação e re...
Prot. 1186 17 pl declara de utilidade pública o centro de recuperação e re...Claudio Figueiredo
 

Mais procurados (17)

APRESENTAÇÃO BANCO COMUNITÁRIO JARDIM BOTÂNICO
APRESENTAÇÃO BANCO COMUNITÁRIO JARDIM BOTÂNICOAPRESENTAÇÃO BANCO COMUNITÁRIO JARDIM BOTÂNICO
APRESENTAÇÃO BANCO COMUNITÁRIO JARDIM BOTÂNICO
 
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCDAPRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
 
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
COOPERATIVAS DE CRÉDITOCOOPERATIVAS DE CRÉDITO
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
 
APRESENTAÇÃO MOEDAS SOCIAIS
APRESENTAÇÃO MOEDAS SOCIAISAPRESENTAÇÃO MOEDAS SOCIAIS
APRESENTAÇÃO MOEDAS SOCIAIS
 
APRESENTAÇÃO E-DINHEIRO
APRESENTAÇÃO  E-DINHEIROAPRESENTAÇÃO  E-DINHEIRO
APRESENTAÇÃO E-DINHEIRO
 
Financas solidarias na recuperacao economica
Financas solidarias na recuperacao economicaFinancas solidarias na recuperacao economica
Financas solidarias na recuperacao economica
 
CORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASIL
CORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASILCORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASIL
CORRESPONDENTES BANCÁRIOS NO BRASIL
 
Microcrédito social agência de fomento
Microcrédito social   agência de fomentoMicrocrédito social   agência de fomento
Microcrédito social agência de fomento
 
Cooperar 2006
Cooperar 2006Cooperar 2006
Cooperar 2006
 
Contributo das Microfinancas na reducacao da pobreza
Contributo das Microfinancas na reducacao da pobrezaContributo das Microfinancas na reducacao da pobreza
Contributo das Microfinancas na reducacao da pobreza
 
Microcrédito
MicrocréditoMicrocrédito
Microcrédito
 
Fatima E Vitor 4º 17 Dezembro 2008
Fatima E Vitor 4º 17 Dezembro 2008Fatima E Vitor 4º 17 Dezembro 2008
Fatima E Vitor 4º 17 Dezembro 2008
 
Festival 2017 - Marcos Barroso e Washington Luiz
Festival 2017 - Marcos Barroso e Washington LuizFestival 2017 - Marcos Barroso e Washington Luiz
Festival 2017 - Marcos Barroso e Washington Luiz
 
Microfinanças: Microcrédito e Microsseguros no Brasil - O papel das instituiç...
Microfinanças: Microcrédito e Microsseguros no Brasil - O papel das instituiç...Microfinanças: Microcrédito e Microsseguros no Brasil - O papel das instituiç...
Microfinanças: Microcrédito e Microsseguros no Brasil - O papel das instituiç...
 
Festival 2018 - CRM, as cinco coisas que aprendi
Festival 2018 - CRM, as cinco coisas que aprendiFestival 2018 - CRM, as cinco coisas que aprendi
Festival 2018 - CRM, as cinco coisas que aprendi
 
Tipologia Cooperativista
Tipologia CooperativistaTipologia Cooperativista
Tipologia Cooperativista
 
Prot. 1186 17 pl declara de utilidade pública o centro de recuperação e re...
Prot. 1186 17   pl  declara de utilidade pública o centro de recuperação e re...Prot. 1186 17   pl  declara de utilidade pública o centro de recuperação e re...
Prot. 1186 17 pl declara de utilidade pública o centro de recuperação e re...
 

Destaque

DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010INSTITUTO VOZ POPULAR
 
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)INSTITUTO VOZ POPULAR
 
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTELISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTEINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAELAPRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAELINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIALAPRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIALINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUALAPRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUALINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIROAPRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIROINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO FUNDOS ROTATIVOS SOLIDÁRIOS
APRESENTAÇÃO FUNDOS ROTATIVOS SOLIDÁRIOSAPRESENTAÇÃO FUNDOS ROTATIVOS SOLIDÁRIOS
APRESENTAÇÃO FUNDOS ROTATIVOS SOLIDÁRIOSINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAAPRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAINSTITUTO VOZ POPULAR
 
Jardim paraíso
Jardim paraísoJardim paraíso
Jardim paraísoEliete
 
TELECENTRO COMUNITÁRIO VOZ POPULAR - MÓDULO IMPRESS
TELECENTRO COMUNITÁRIO VOZ POPULAR - MÓDULO IMPRESSTELECENTRO COMUNITÁRIO VOZ POPULAR - MÓDULO IMPRESS
TELECENTRO COMUNITÁRIO VOZ POPULAR - MÓDULO IMPRESSINSTITUTO VOZ POPULAR
 
5. Conselho Escolar Ida
5. Conselho Escolar Ida5. Conselho Escolar Ida
5. Conselho Escolar IdaSandra Luccas
 

Destaque (16)

DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
 
APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100
APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100
APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100
 
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)
 
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTELISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
 
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAELAPRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
APRESENTAÇÃO FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) SÃO RAFAEL
 
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIALAPRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
 
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUALAPRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
 
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIROAPRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
 
APRESENTAÇÃO FUNDOS ROTATIVOS SOLIDÁRIOS
APRESENTAÇÃO FUNDOS ROTATIVOS SOLIDÁRIOSAPRESENTAÇÃO FUNDOS ROTATIVOS SOLIDÁRIOS
APRESENTAÇÃO FUNDOS ROTATIVOS SOLIDÁRIOS
 
APRESENTAÇÃO SOBRE MEI
APRESENTAÇÃO SOBRE MEIAPRESENTAÇÃO SOBRE MEI
APRESENTAÇÃO SOBRE MEI
 
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAAPRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
 
Jardim paraíso
Jardim paraísoJardim paraíso
Jardim paraíso
 
Apostilas
ApostilasApostilas
Apostilas
 
TELECENTRO COMUNITÁRIO VOZ POPULAR - MÓDULO IMPRESS
TELECENTRO COMUNITÁRIO VOZ POPULAR - MÓDULO IMPRESSTELECENTRO COMUNITÁRIO VOZ POPULAR - MÓDULO IMPRESS
TELECENTRO COMUNITÁRIO VOZ POPULAR - MÓDULO IMPRESS
 
Competencia dos acs
Competencia dos acsCompetencia dos acs
Competencia dos acs
 
5. Conselho Escolar Ida
5. Conselho Escolar Ida5. Conselho Escolar Ida
5. Conselho Escolar Ida
 

Semelhante a Implantando um Banco Comunitário de Desenvolvimento

(Transformar) planejamento estratégico 1
(Transformar) planejamento estratégico   1(Transformar) planejamento estratégico   1
(Transformar) planejamento estratégico 1Ink_conteudos
 
Criando ideias - Maria Luiza Pinto - Santander
Criando ideias - Maria Luiza Pinto - SantanderCriando ideias - Maria Luiza Pinto - Santander
Criando ideias - Maria Luiza Pinto - SantanderUnomarketing
 
Missão, visão, valores-
Missão, visão, valores- Missão, visão, valores-
Missão, visão, valores- Danilo Pires
 
4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez
4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez
4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e SolidezSICOOB NORTE
 
Artigo cooperativas de crédito
Artigo cooperativas de créditoArtigo cooperativas de crédito
Artigo cooperativas de créditoJulio Cesar
 
Apresentação institucional 3T16
Apresentação institucional 3T16Apresentação institucional 3T16
Apresentação institucional 3T16Kianne Paganini
 
IMPORTÂNCIA DE DEFINIR A MISSÃO ORGANIZACIONAL DE FORMA CLARA
IMPORTÂNCIA DE DEFINIR A MISSÃO ORGANIZACIONAL DE FORMA CLARAIMPORTÂNCIA DE DEFINIR A MISSÃO ORGANIZACIONAL DE FORMA CLARA
IMPORTÂNCIA DE DEFINIR A MISSÃO ORGANIZACIONAL DE FORMA CLARAB&R Consultoria Empresarial
 
Apresentação institucional 3T16
Apresentação institucional 3T16Apresentação institucional 3T16
Apresentação institucional 3T16Kianne Paganini
 
Apresentação institucional 3T16
Apresentação institucional 3T16Apresentação institucional 3T16
Apresentação institucional 3T16Kianne Paganini
 
Apresentação institucional 3T16
Apresentação institucional 3T16Apresentação institucional 3T16
Apresentação institucional 3T16Kianne Paganini
 
Revista Jussara Motta 23.pdf
Revista Jussara Motta 23.pdfRevista Jussara Motta 23.pdf
Revista Jussara Motta 23.pdfJussaraMotta7
 
Revista sescon2013
Revista sescon2013Revista sescon2013
Revista sescon2013FACE Digital
 
Credisfera-Estratégia de Conteúdo (1).pdf
Credisfera-Estratégia de Conteúdo (1).pdfCredisfera-Estratégia de Conteúdo (1).pdf
Credisfera-Estratégia de Conteúdo (1).pdfIohana Ruiz
 
Credisfera-Estratégia de Conteúdo (1).pdf
Credisfera-Estratégia de Conteúdo (1).pdfCredisfera-Estratégia de Conteúdo (1).pdf
Credisfera-Estratégia de Conteúdo (1).pdfIohana Ruiz
 
2014 03 04 gestão careconsulting
2014 03 04 gestão careconsulting2014 03 04 gestão careconsulting
2014 03 04 gestão careconsultingWagner Louzada
 
Apresentação institucional 2T16
Apresentação institucional 2T16Apresentação institucional 2T16
Apresentação institucional 2T16Kianne Paganini
 
Apresentação Networking: COMO AUMENTAR O FATURAMENTO DA SUA EMPRESA NA PRÁTICA
Apresentação Networking: COMO AUMENTAR O FATURAMENTO DA SUA EMPRESA NA PRÁTICA Apresentação Networking: COMO AUMENTAR O FATURAMENTO DA SUA EMPRESA NA PRÁTICA
Apresentação Networking: COMO AUMENTAR O FATURAMENTO DA SUA EMPRESA NA PRÁTICA Gabriel Santa Rosa
 
Missão, Visão e Valores das 10 melhores empresas em 2017
Missão, Visão e Valores das 10 melhores empresas em 2017Missão, Visão e Valores das 10 melhores empresas em 2017
Missão, Visão e Valores das 10 melhores empresas em 2017Eduardo Lisboa
 

Semelhante a Implantando um Banco Comunitário de Desenvolvimento (20)

(Transformar) planejamento estratégico 1
(Transformar) planejamento estratégico   1(Transformar) planejamento estratégico   1
(Transformar) planejamento estratégico 1
 
GRUPO 04- T4
GRUPO 04- T4GRUPO 04- T4
GRUPO 04- T4
 
Criando ideias - Maria Luiza Pinto - Santander
Criando ideias - Maria Luiza Pinto - SantanderCriando ideias - Maria Luiza Pinto - Santander
Criando ideias - Maria Luiza Pinto - Santander
 
Missão, visão, valores-
Missão, visão, valores- Missão, visão, valores-
Missão, visão, valores-
 
4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez
4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez
4º Fórum Sicoob Norte - Expansão, Inovação e Solidez
 
Artigo cooperativas de crédito
Artigo cooperativas de créditoArtigo cooperativas de crédito
Artigo cooperativas de crédito
 
Microcrédito e finanças solidárias
Microcrédito e finanças solidáriasMicrocrédito e finanças solidárias
Microcrédito e finanças solidárias
 
Apresentação institucional 3T16
Apresentação institucional 3T16Apresentação institucional 3T16
Apresentação institucional 3T16
 
IMPORTÂNCIA DE DEFINIR A MISSÃO ORGANIZACIONAL DE FORMA CLARA
IMPORTÂNCIA DE DEFINIR A MISSÃO ORGANIZACIONAL DE FORMA CLARAIMPORTÂNCIA DE DEFINIR A MISSÃO ORGANIZACIONAL DE FORMA CLARA
IMPORTÂNCIA DE DEFINIR A MISSÃO ORGANIZACIONAL DE FORMA CLARA
 
Apresentação institucional 3T16
Apresentação institucional 3T16Apresentação institucional 3T16
Apresentação institucional 3T16
 
Apresentação institucional 3T16
Apresentação institucional 3T16Apresentação institucional 3T16
Apresentação institucional 3T16
 
Apresentação institucional 3T16
Apresentação institucional 3T16Apresentação institucional 3T16
Apresentação institucional 3T16
 
Revista Jussara Motta 23.pdf
Revista Jussara Motta 23.pdfRevista Jussara Motta 23.pdf
Revista Jussara Motta 23.pdf
 
Revista sescon2013
Revista sescon2013Revista sescon2013
Revista sescon2013
 
Credisfera-Estratégia de Conteúdo (1).pdf
Credisfera-Estratégia de Conteúdo (1).pdfCredisfera-Estratégia de Conteúdo (1).pdf
Credisfera-Estratégia de Conteúdo (1).pdf
 
Credisfera-Estratégia de Conteúdo (1).pdf
Credisfera-Estratégia de Conteúdo (1).pdfCredisfera-Estratégia de Conteúdo (1).pdf
Credisfera-Estratégia de Conteúdo (1).pdf
 
2014 03 04 gestão careconsulting
2014 03 04 gestão careconsulting2014 03 04 gestão careconsulting
2014 03 04 gestão careconsulting
 
Apresentação institucional 2T16
Apresentação institucional 2T16Apresentação institucional 2T16
Apresentação institucional 2T16
 
Apresentação Networking: COMO AUMENTAR O FATURAMENTO DA SUA EMPRESA NA PRÁTICA
Apresentação Networking: COMO AUMENTAR O FATURAMENTO DA SUA EMPRESA NA PRÁTICA Apresentação Networking: COMO AUMENTAR O FATURAMENTO DA SUA EMPRESA NA PRÁTICA
Apresentação Networking: COMO AUMENTAR O FATURAMENTO DA SUA EMPRESA NA PRÁTICA
 
Missão, Visão e Valores das 10 melhores empresas em 2017
Missão, Visão e Valores das 10 melhores empresas em 2017Missão, Visão e Valores das 10 melhores empresas em 2017
Missão, Visão e Valores das 10 melhores empresas em 2017
 

Mais de INSTITUTO VOZ POPULAR

APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULARAPRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULARINSTITUTO VOZ POPULAR
 
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIASMODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIASINSTITUTO VOZ POPULAR
 
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCCREGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCCINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTEAPRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTEINSTITUTO VOZ POPULAR
 
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)INSTITUTO VOZ POPULAR
 

Mais de INSTITUTO VOZ POPULAR (6)

APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULARAPRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
 
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIASMODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
 
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCCREGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
 
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTEAPRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
 
APRESENTAÇÃO - WEB RÁDIO
APRESENTAÇÃO - WEB RÁDIOAPRESENTAÇÃO - WEB RÁDIO
APRESENTAÇÃO - WEB RÁDIO
 
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
 

Implantando um Banco Comunitário de Desenvolvimento

  • 2. COMO IMPLANTAR UM BANCO COMUNITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO? Ainda não existe no Brasil um marco regulatório próprio para os Bancos Comunitários e as Finanças Solidárias. Nesta ausência, os Bancos Comunitários devem ficar atentos para algumas normas vigentes. Rede Brasileira de Bancos Comunitários
  • 3. COMO IMPLANTAR UM BANCO COMUNITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO? GOVERNO BCD ONG BCD GOVERNO BCDBEIRA RIO PALMAS MARICÁ
  • 4. BANCOS COMUNITÁRIOS PERSPECTIVAS PARA O BRASIL • 51 Bancos Comunitários 2009 •118 Bancos Comunitários 2016
  • 5. •03 Bancos Comunitários João Pessoa (São José, São Rafael, Muçumagro) •01 Banco Comunitário Lagoa de Dentro •01 Banco Comunitário Pombal •01 Banco Comunitário Remígio Discussão 03 01 01 01 BANCOS COMUNITÁRIOS PERSPECTIVAS PARAA PARÍBA
  • 6. 1 1 1 *São José *São Rafael * Muçumagro BANCOS COMUNITÁRIOS PERSPECTIVAS PARA JOÃO PESSOABANCOS COMUNITÁRIOS PERSPECTIVAS PARA JOÃO PESSOA
  • 7.
  • 8. 60 Anos 70% de Trabalhadores 9 Instituições Comunitárias 29 Estabelecimentos Comerciais 3.500 Habitantes Aproximadamente 500 Residências Aproximadamente 5 Instituições Governamentais COMUNIDADE SÃO RAFAEL, JOÃO PESSOA-PB
  • 9.
  • 11.
  • 12. CONCEITO DE CONSELHO GESTOR O “CONSELHO GESTOR, é formado por Representantes de Entidades da Sociedade Civil e, se possível, por uma representação de Gestores Públicos, com atuação na área de economia popular e solidária. É também o espaço no qual se faz a Controladoria Social do banco, onde se discute coletivamente as dificuldades e as estratégias para que o banco cumpra seus objetivo para os quais foi criado”. (CARTILHA PARA MULTIPLICADORES NA METODOLOGIA DE BANCOS COMUNITÁRIOS, CE, 2012.)
  • 13. CONCEITO DE CONSELHO GESTOR “Seriam uma instância máxima de decisão, formada por membros dos BCDs e representantes de entidades parcerias, responsável pelas decisões mais estratégicas e diretrizes maiores d empreendimento”. Genauto França Filho “Espaço Público de Proximidade” Seu funcionamento se assemelha ao de uma Assembleia Geral. Jean Louis Laville
  • 14. PAPEL DO CONSELHO GESTOR O CONSELHO GESTOR, tem a função de construir a missão, valores, política de crédito do BCD, construir os critérios das políticas, além de dar representatividade comunitária ao banco. Esta instância será o escudo de proteção do BCD, junto ao início de desconfiança dos trabalhos que começarão a ser realizados no território. Quanto mais Instituições Representativas e Atuantes no território estiverem no C.G do Banco, mais forte e com credibilidade ele será provavelmente!
  • 16. A missão é tida como o detalhamento da razão de ser da empresa, ou seja, é o porquê da empresa. Na missão, tem se acentuado o que a empresa produz, sua previsão de conquistas futuras e como espera ser reconhecida pelos clientes e demais STAKEHOLDERS. A missão de uma empresa corresponde ao seu propósito e para quem ela de destina. Para definir isso com assertividade, é interessante que se responda a três questões básicas: Por que a empresa existe? O que a empresa faz? Para quem? CONSTRUÇÃO DA MISSÃO, VISÃO E VALORES DO BCD
  • 17. Fornecer soluções, produtos e serviços financeiros e de seguros com agilidade e competência, principalmente por meio da inclusão bancária e da promoção da mobilidade social, contribuindo para o desenvolvimento sustentável e a construção de relacionamentos duradouros para a criação de valor aos acionistas e a toda a sociedade. Garantir a excelência na entrega de produtos e serviços financeiros, maximizando valor para clientes e acionistas É ser um banco de mercado, competitivo e rentável, atuando com espírito público em cada uma de suas ações junto à sociedade. CONSTRUÇÃO DA MISSÃO, VISÃO E VALORES DO BCD
  • 18. A visão é algo responsável por nortear a organização. É um acumulado de convicções que direcionam sua trajetória. A visão pode ser percebida como a direção desejada, o caminho que se pretende percorrer, uma proposta do que a empresa deseja ser a médio e longo prazo e, ainda, de como ela espera ser vista por todos. CONSTRUÇÃO DA MISSÃO, VISÃO E VALORES DO BCD
  • 19. CONSTRUÇÃO DA MISSÃO, VISÃO E VALORES DO BCD Ser reconhecida como a melhor e mais eficiente instituição financeira do País e pela atuação em prol da inclusão bancária e do desenvolvimento sustentável. Ser o melhor grupo financeiro do Brasil em geração de valor para clientes, acionistas e colaboradores. Ser o banco mais relevante e confiável para a vida dos clientes, funcionários, acionistas e para o desenvolvimento do Brasil
  • 20. Valores são princípios, ou crenças, que servem de guia, ou critério, para os comportamentos, atitudes e decisões de todas e quaisquer pessoas, que no exercício das suas responsabilidades, e na busca dos seus objetivos, estejam executando a Missão, na direção da Visão. São os ideais de atitude, comportamento e resultados que devem estar presentes nos funcionários e nas relações da empresa com clientes, fornecedores e parceiros. CONSTRUÇÃO DA MISSÃO, VISÃO E VALORES DO BCD
  • 21. CONSTRUÇÃO DA MISSÃO, VISÃO E VALORES DO BCD • Cliente como razão de ser da Organização • Transparência em todos os relacionamentos • Respeito à concorrência • Crença no valor e na capacidade de desenvolvimento das pessoas • Respeito à dignidade e diversidade do ser humano • Compromisso com a melhoria contínua de qualidade • Nossa conduta deve refletir os mais altos padrões de ética; • Nossa comunicação deve ser clara e precisa; • Nosso gerenciamento deve ser em equipe, consistente e focado; • Nosso relacionamento com clientes e colaboradores deve ser transparente e baseado na responsabilidade e confiança entre as partes. • Espírito público (transformação do nosso País). • Ética (consciência do justo para nós e para os outros). • Potencial humano (capacidade de superar e ir além). • Competência (capacidade de vencer desafios). • Eficiência (busca pela melhor forma de fazer as coisas). • Unicidade (um em todos). • Sustentabilidade (resultado, desenvolvimento e proteção do nosso mundo). • Inovação (transformar ideias em soluções). • Agilidade (vontade de fazer acontecer).
  • 22.
  • 23. 1ª fase - Visitas aos municípios/comunidad es para certificação se o mesmo reúne as condições necessárias para organização de um banco comunitário; 2ª fase – O mapeamento dos parceiros locais para implantação do BCD; 3ª fase - O mapeamento dos empreendimento s; 4ª fase – O mapeamento da produção e consumo local; FASE DE IDENTIFICAÇÃO (F1). Nessa fase, será realizado:
  • 24. 5ª fase – Roda de Diálogo - Com as Lideranças Locais; 6ª fase – Roda de Diálogo - Economia Solidária; 7ª fase – Roda de Diálogo - Sobre Finanças Solidárias; 8ª fase – Intercâmbio entre os Bancos Comunitários; 9ª fase – Roda de Diálogo - Sobre Agentes de Crédito; FASE DE PREPARAÇÃO (F2). Nessa fase, será realizado:
  • 25. 10ª fase – Roda de Diálogo para planejamento do Banco Comunitário com Entidade Gestora; 11ª fase – Roda de Diálogo para Planejamento com Conselho Gestor para determinar o funcionamento do Banco, nome, produtos, gestão, parcerias; 12ª fase – Lançamento da Moeda Social; (PB, realização de lançamento da Moeda Simbólica para arrecadação de lastro) 13ª fase – Inauguração do Banco Comunitário; (PB, Lançamento da Moeda Oficial) FASE DE IMPLANTAÇÃO (F3). Nessa fase, será realizado:
  • 26. 14ª fase – Rodas de Diálogo especializadas e focadas em gestão interna do BCD; 15ª fase – Reuniões com o poder público local, para parcerias; 16ª fase – Articulação com novos parceiros; 17ª fase – Roda de Diálogo aprofundada sobre gestão operacional do BCD para (agentes de crédito, produtores locais e consumidores) ; 18ª fase – Roda de Diálogo sobre marketing social para ampliação da visualização do BCD. FASE DE CONSOLIDAÇÃO (F4). Nessa fase, será realizado:
  • 27. AGORA É A NOSSA VEZ Primeiro, vamos escolher as Instituições e seus respectivos representantes no CONSELHO GESTOR, em seguida, marcar a primeira reunião e começar o planejamento para implantação do nosso Banco Comunitário.
  • 28. CENTRO POPULAR DE CULTURA E COMUNICAÇÃO Site: http://www.cpcc.webnode.com.br Email: cpcc.org.br@gmail.com Fones: (83) 9 8886-6277 (83) 9 8854-8148