Diuréticos

12.521 visualizações

Publicada em

Resumo das classes de diuréticos e seus principais fármacos.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.521
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
265
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Diuréticos

  1. 1. Vanessa Cunha - Enfermagem
  2. 2. Uso:  Prevenção da insuficiência renal, intoxicação, hipertensão arterial e insuficiência cardíaca congestiva.  Estes fármacos atuam nos transportadores renais de sódio, responsáveis pela reabsorção da água no néfron. Assim, a inibição da reabsorção de sódio mantém a água dentro dos túbulos, sendo eliminada na urina.
  3. 3. A membrana de filtração apresenta carga NEGATIVA !. Se, após o efeito de primeira passagem, o fármaco apresentar: 1. Carga negativa: é repelido na membrana de filtração. 2. Carga positiva: ficará aderido na membrana de filtração. CONSEQUÊNCIA: Os diuréticos, em sua maioria, não são filtrados e, sim, secretados!
  4. 4. Observe o esquema abaixo que demonstra a reabsorção de sódio em cada porção do néfron: Na+ 100% filtrado! 60% reabsorvido 8 a 10% reabsorvido 2% reabsorvido 20% reabsorvido Eliminação de Na+ sem diurético: 1% Eliminação de Na+ com diurético: 6%
  5. 5. Na alça de Henle há um mecanismo compensatório de prevenção contra a perda excessiva de água, responsável pela retenção de água, denominado mecanismo de concentração urinária. Assim, mesmo que reduza a reabsorção de sódio no túbulo proximal, quando o filtrado alcançar a alça de Henle com sódio e água em excesso, o mecanismo de concentração urinária permitirá a reabsorção da maior parte do sódio e água. Diuréticos: Atuação antes da Alça de Henle: baixo efeito diurético Atuação depois da Alça de Henle: maior efeito diurético pelo bloqueio do mecanismo compensatório.
  6. 6. Não atuam nas células epiteliais renais Atuam nas células renais 1. Inibidores da Anidrase Carbônica 2. Diuréticos de Alça 3. Diuréticos Tiazídicos 4. Poupadores de potássio
  7. 7.  Características: São filtrados e pouco reabsorvidos; farmacologicamente inertes.  Como atuam? Atuam aumentando a osmolaridade do fluido tubular nos segmentos permeáveis, mantendo a água nos túbulos para ser excretada com a urina.  Desvantagem: A administração é somente intravenosa, são fracos ou adjuntivos – uma vez que atuam no túbulo proximal.  Exemplos: glicerina¹, isossorbida², manitol e ureia³. ¹ Pode provocar hiperglicemia ² É um vasodilatador ³ Tem como efeito adverso a gota.
  8. 8. Administração na corrente sanguínea AUMENTA o volume extracelular do sangue Efeito colateral: hipertensão. DIMINUI o sistema renina-angiotensina aldosterona, responsável por atuar em casos de hipotensão. AUMENTA o fluxo sanguíneo renal: com isso, o fármaco é mais rapidamente filtrado AUMENTA a osmolaridade dentro do túbulo. RESULTADO: diminui a reabsorção de água: maior produção de urina.
  9. 9.  Uso: É limitado e possui baixo efeito diurético, sendo usado em casos de desequilíbrio de diálise, glaucoma, edema cerebral e prevenção da insuficiência renal aguda.  Efeitos adversos: Expansão transitória do volume extracelular (hipertensão), cefaleia e hiponatremia.  Contraindicações: Pacientes anúricos, com função hepática reduzida, com hiperglicemia ou sangramento craniano grave.
  10. 10. Inibidores da anidrase carbônica LEGENDA: Na+/K+ ATPase FLUIDO TUBULAR HCO3- Transportador Na+/H+ Na+ Reage com H+ H+ Volta para o transportador CO2 + H2O SANGUE H+ + HCO3- ANIDRASE CARBÔNICA RESULTADO: É um gás e passa pela membrana H2CO3 CO2 + H2O ANIDRASE CARBÔNICA
  11. 11. Os inibidores da anidrase carbônica impedem a formação de H+ (bloqueio da reação: CO2 + H2O H+ + HCO3-). Assim, não há H+ para atuar no transportador de Na+/H+, impedindo a reabsorção de sódio e água, por conseguinte. Isso vai promover alcalinização da urina e, consequente, acidificação do pH sanguíneo devido a retenção do bicarbonato no fluido tubular. Exemplos: Acetazolamida, Metazolamida e Diclorfenamida.
  12. 12.  Uso: Jogadores de futebol em locais com ar rarefeito, impede a alcalose metabólica, mantendo o atleta com o pH próximo do normal e eliminação de fármacos ácidos.  Efeitos adversos: Litíase (cálculo renal): promove a precipitação dos sais de oxalato de cálcio.  Contraindicações: Cirrose hepática (aumento do amônio), pacientes com DPOC (piora a acidose metabólica ou respiratória) e pacientes com cálculo renal.
  13. 13. Diuréticos de Alça Legenda: Na+/K+ ATPase Transportador tríplice Segmento grosso da Alça de Henle Na+ K+ 2Cl-
  14. 14. Os diuréticos de alça promovem a inibição do transportador tríplice, afetando o mecanismo de concentração urinária devido a perda do gradiente de concentração.  Indicações: Hipertensão grave e situações edematosas, exceto em casos de gravidez porque diminui o débito cardíaco para o feto. Para idosos deve ser administrado com atenção pois este fármaco leva a hipotensão.  Efeitos adversos: Hipocalemia: assim, para evitar a perda excessiva de potássio é possível associar o diurético de alça com poupadores de potássio e incentivar a alimentação rica em K+.  Contraindicações: Casos de osteoporose e pacientes arrítmicos, devido a perda de cálcio e magnésio, respectivamente.
  15. 15. O interstício fica NEGATIVO, Favorece a reabsorção de cálcio e magnésio (cátions). O interstício perde a negatividade, prejudicando a reabsorção de cálcio e magnésio. FLUIDO FLUIDO SOMATÓRIO Na+ Na+ 2Cl- Carga negativa 2ClK+ K+ K+ INTERSTÍCIO INTERSTÍCIO
  16. 16.  Administração IV apenas em casos de emergência (crise hipertensiva) porque esses fármacos diminuem a resistência vascular periférica por um mecanismo desconhecido.  Pico de ação diurética via oral é de 1 hora. Com isso, deve-se atentar para os hábitos de vida do paciente. Por exemplo: se ele trabalhar, devido a engarrafamentos e distância casa x trabalho, deve-se orientar para usar o diurético quando chegar ao trabalho.  Interações medicamentosas: diuréticos de alça administrados junto com antiinflamatórios não-esteróides promovem resistência diurética a furosemida, tendo uma resposta diurética reduzida.  Contraindicado em pacientes alérgicos a sulfas, pois possuem estrutura parecida com a desses fármacos.
  17. 17. Ao passar pelo túbulo coletor, o sódio em excesso entra muito rapidamente na célula principal gerando uma carga negativa no fluido tubular, favorecendo a saída de mais potássio no túbulo coletor. Na+/K+ ATPase Na+ CÉLULA PRINCIPAL
  18. 18. Ao mesmo tempo, o túbulo coletor tenta também corrigir o excesso de potássio no fluido tubular através da bomba de H+/K+ ATPase, encontrada na célula intercalar. Com isso, o fluido tubular fica rico em prótons, permitindo a acidificação da urina e, por conseguinte, alcalinizando o pH sanguíneo: alcalose metabólica. Na+/K+ ATPase K+ H+
  19. 19.  Exemplos: Furosemida, Bumetanida, Ácido etacrínico e Torsemida¹. ¹ Novo fármaco no mercado, podendo ser administrado em dias alternados, porém seu custo é elevado.  ATENÇÃO: No ouvido também há o transportador tríplice e, por isso, o uso pode levar a surdez. O zumbido no ouvido indica que a crise está prestes a ocorrer: alcalose metabólica e hipocalemia.
  20. 20. Diuréticos Tiazídicos Na+/K+ ATPase Bomba Na+/ Cl- Na+ Cl-
  21. 21. Os diuréticos tiazídicos inibem a bomba de Na+/Cl, mantendo o sódio dentro do túbulo provocando efeito similar¹ao da furosemida no túbulo coletor. Entretanto, como não age no mecanismo de concentração urinária, não é tão potente. Além disso, não elimina cálcio e potencializa a vitamina D (captação de cálcio), sendo usado em pacientes com osteoporose, diminui a resistência vascular periférica com uso crônico e é indicado para idosos (não causa hipotensão). Assim, são sempre a primeira escolha! ¹ O efeito é menor do que o da furosemida porque chega menos sódio no túbulo distal devido a reabsorção fisiológica na Alça de Henle.
  22. 22.  Uso: Hipertensão leve a moderada, insuficiência cardíaca leve e edema resistente grave (sendo associado aos diuréticos de alça).  Efeitos adversos: Hipocalemia, alcalose metabólica, impotência sexual masculina (reversível), aumento do colesterol plasmático, hiperglicemia (diminui a secreção de insulina) e gota.  Exemplos: Hidroclorotiazida, Clorotiazida e meticlotiazida.
  23. 23. Poupadores de potássio Inibidores de canais de sódio Antagonistas de receptores mineralocorticoides
  24. 24. Bloqueia o canal de sódio na célula principal do túbulo coletor, potencializa o efeito diurético de tiazídicos e de Alça. Impede a perda de potássio e não altera o pH da urina. Exemplos: Amilorida e Triantereno. Na+ IMPEDE A SAÍDA DE POTÁSSIO K+ Na+ CÉLULA PRINCIPAL
  25. 25.  Efeitos adversos: Retenção de K+ : hipercalemia. Retenção de H+ : acidose metabólica, devido a inibição do transportador de K+/H+ na célula intercalar. Na+ K+ K+ H+ CÉLULA INTERCALAR
  26. 26. No núcleo das células principais há receptor para aldosterona, responsável pela transcrição/produção da Na+/K+ ATPase e canal de sódio. Assim, a ausência do transportador de sódio, impedindo a sua reabsorção e da água. Na+ K+ Na+ CÉLULA PRINCIPAL
  27. 27.  Exemplos: Espironolactona, Canrenona e Eplerenona.  Recomendações: É mais recomendado seu uso, apesar de ser mais caro do que a Amilorida, porque tem efeito de proteção cardíaca contra o remodelamento cardíaco, ou seja, inibe o processo de espessamento do músculo cardíaco, responsável pela insuficiência cardíaca.  Efeitos adversos: Desconforto do sistema gastrointestinal, hipercalemia e acidose metabólica.
  28. 28.  O que é? Edema que é ou se tornou refratário a um determinado diurético.  Como evitar ou tentar resolver o problema? Aumentar a dose ou associar a outro diurético (sinergismo); ou administrar doses menores com maior frequência ou infusão intravenosa contínua.  Quais são as causas? Ligação a proteínas, insuficiência renal crônica, falência cardíaca, síndrome nefrótica, entre outros.

×