Formação da urina pelos rins cap. 27 .1

14.310 visualizações

Publicada em

0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.310
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
204
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
245
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Formação da urina pelos rins cap. 27 .1

  1. 1. Reabsorção e Secreção pelos Túbulos RenaisLigantes: Camila Abreu e Fânia Teixeira
  2. 2.  Filtração? Reabsorção? Secreção? Excreção urinária = Filtração glomerular – Reabsorção tubular + Secreção tubular
  3. 3. A reabsorção tubular é seletiva equantitativamente grande Filtração = Taxa de filtração glomerular x Concentração plasmática Os processos de filtração glomerular e de reabsorção tubular são quantitativamente muito superiores em relação à excreção urinária Diferentemente da filtração glomerular, que é relativamente não seletiva, a reabsorção tubular é altamente seletiva
  4. 4. A reabsorção tubular é seletiva equantitativamente grande
  5. 5. A reabsorção tubular incluimecanismos passivos e ativos
  6. 6. Transporte Ativo Transporte ativo primário  Ex: bomba sódio-potássio ATPase Transporte ativo secundário  Reabsorção de glicose pelo túbulo renal
  7. 7. Os solutos podem ser transportadosatravés de células epiteliais ou entrecélulas Os solutos podem ser reabsorvidos ou secretados através das células pela via transcelular ou; Entre as células movendo-se através das junções oclusivas e dos espaços intercelulares pela via paracelular
  8. 8. O transporte ativo primário através damembrana tubular está ligado a hidrólise deATP O transporte ativo primário pode mover solutos contra um gradiente eletroquímico Sódio-potássio ATPase, hidrogênio ATPase, hidrogênio-potássio ATPase e cálcio ATPase Relembrando:  Membrana basolateral  Membrana luminal
  9. 9. Reabsorção ativa secundária atravésda membrana tubular
  10. 10. Secreção ativa secundária nostúbulos Contratransporte: a energia liberada do movimento dissipativo de uma das substâncias permite o movimento ativo de uma segunda substância na direção oposta
  11. 11. Pinocitose – Um mecanismo detransporte ativo para reabsorção deproteínas Algumas porções do túbulo especialmente o túbulo proximal, reabsorvem moléculas grandes como proteínas por pinocitose
  12. 12. Transporte máximo para substânciasque são reabsorvidas ativamente Transporte máximo ocorre quando a quantidade de soluto liberada para o túbulo excede a capacidade das proteínas transportadoras e de enzimas específicas envolvidas no processo de transporte Ex: o transporte máximo da glicose é a taxa máxima na qual a glicose pode ser reabsorvida nos túbulos  Glicose:  Transporte máximo: 375 mg/min  Carga filtrada normal: 125 mg/min
  13. 13.  Transporte máximo para substâncias que são reabsorvidas ativamente Transporte máximo para substâncias que são secretadas ativamente
  14. 14. Substâncias que são transportadas ativamentemas que não exibem um transporte máximo Substâncias que são reabsorvidas passivamente não demonstram um transporte máximo O transporte desse tipo é denominado transporte gradiente-tempo, porque a taxa de transporte depende do gradiente eletroquímico e do tempo que a substância está no túbulo Algumas substâncias que são transportadas ativamente também possuem características de transporte gradiente-tempo  Ex: a reabsorção de sódio no túbulo proximal, onde a capacidade máxima de transporte da bomba sódio-potássio ATPase basolateral é normalmente bem maior do que a taxa real de reabsorção
  15. 15. A reabsorção passiva de água por osmose estáacoplada principalmente à reabsorção de sódio Quando solutos são transportados para fora do túbulo por transporte ativo tanto primário quanto secundário, suas concentrações tendem a diminuir dentro do túbulo enquanto aumentam no interstício renal. Isso cria uma diferença de concentração que causa osmose na mesma direção em que os solutos são transportados, do lúmen tubular para o interstício renal Uma grande parte do fluxo osmótico ocorre através das junções oclusivas entre as células epiteliais, bem como através das próprias células Arrasto de solvente
  16. 16. Reabsorção de cloreto, ureia e deoutros solutos por difusão passiva
  17. 17. Reabsorção e Secreção ao Longo de Porções Diferentes do Néfron Reabsorção tubular proximal  Extensa borda em escova, labirinto de canais intercelulares e basais;  Luminal e basolateral.  Na+, Cl-, K+ e água filtrada: 65%  Cloreto: pouco menos  Reabsorção ativa primária (bomba de NaKATPase - membrana basolateral),
  18. 18.  1° metade do TP  Cotransporte (transcelular): Na+, HCO3- e nutrientes orgânicos (ex: a.a., glicose) 2° metade do TP  Reabsorvidos: a.a. e glicose restante  Contratransporte: Na+ (entra) e H+ (sai)  Cotransporte: Na+ e Cl - (+ []) – via paracelular, junções intercalares.  Canais de cloreto específicos OBS:  Proteínas (hormônios peptídeos, pequenas proteínas e até albumina) são reabsorvidas por pinocitose (transporte ativo), mecanismo saturável. Cerca de 7g de albumina é filtrada por dia, o que representa 0,01 % do que passa por dia pelos rins (50.000g/dia). No entanto o TCP reabsorve avidamente a albumina e a urina quase não apresenta sinais desta proteína (150mg/dia aproximadamente 2%).  As proteínas são parcialmente degradadas por enzimas na
  19. 19.  Concentração de soluto ao longo do TP 1: [] tubular = [] plasma Osmolaridade mantida: alta permeabilidade à água
  20. 20.  Secreção de ácidos e bases orgânicos pelo TP  Sais biliares, oxalato, urato, catecolaminas (excretadas pela urina);  Fármacos e toxinas danosas: céls. tubulares p/ lúmen tubular (rapidamente depuradas)  OBS: Penicilina, salicilatos (problema). Ác. paramino-hipúrico (PAH): depuração até 90%, estimula fluxo sg renal.
  21. 21.  Transporte de soluto e de água na Alça de Henle  Seg. descendente e ascendente fino (memb. epit. fina, s/ borda em escova, poucas mitocôndrias)  Muito permeável à água (20%) e moderado à maioria dos solutos (como uréia e Na);  Difusão simples
  22. 22.  Ascendente fino e ascendente espesso: praticamente impermeáveis à água (p/ [] urina) Asc. espesso: cels. epit. espessas, alta ativ. metab., reabsorção ativa (Na+, Cl – e K+): 25%; e pela via paracelular (Mg++, Ca++ Na+ e K+) Bomba Na/K ATPase (memb. basolaterais das céls. epit.)
  23. 23.  Túbulo Distal  1° porção: mácula densa (céls. epit. agrupadas compactamente; parte do complexo justaglomerular – no ângulo entre as arteríolas aferente e eferentes);  Controle por feedback do FG e Fluxo sanguíneo  Deteccção da [] de Na no TD – renina – angiotensinogênio (fígado) – angiotensina I – angiotensina II – vasoconstrição das arteríolas renais – aldosterona (adrenais) – aumento da reabsorção de Na e eliminação do K  Quase impermeáveis à uréia.  2° porção: semelhante a asc. espessa (“segmento de diluidor”)
  24. 24.  Túbulo Distal Final e Túbulo Coletor Cortical  Similares  Céls. principais e intercalares  Quase impermeáveis à uréia. Alça de Henle asc. espessa  Reabsorção de Na e secreção de K (aldosterona e [] de íons K)  Reabsorção de água (horm. ADH - vasopressina)  H secretado contra alto grad. de []: regulação ác. - base
  25. 25. 1 - Inibemaldosterona de 2 - Inibem entradaestimular de Na pelosreabsorção de Na e canais de Nasecreção de K Diuréticos poupadores de potássio: - Céls. Principais 1 - Redução do Na reduz entrada de K p/ cél q reduz a saída p/ o lúmen; 2 – Redução na excreção urinária de K
  26. 26.  Ducto Coletor Medular  Reabsorção água e Na: 10 %  Determina a quantidade final do débito urinário  Controle do horm. ADH  Permeável à uréia (transportadores de uréia) para o interstício medular  Secreta H contra alto grad. de []
  27. 27. PARA REFLETIR...
  28. 28. 1 - Após receber um transplante renal, um paciente desenvolveu grave hipertensão (170/110mmHg). O arteriograma renal indica grave estenose da artéria renal no seu único rim, com uma redução da taxa de filtração glomerular (TFG) para 25% do normal. Qual das seguintes mudanças, comparadas com a situação normal, pode ser esperada nesse paciente supondo-se as condições em equilíbrio?A) Aumento acentuado da [] de Na no plasma;B) Redução da excreção de Na pela urina para 25% do normal;C) Redução da excreção de creatinina pela urina para 25% do normal;D) Aumento da creatinina sérica para cerca de 4 vezes o normal;E) Fluxo sanguíneo renal normal no rim estenosado
  29. 29. 1 - Após receber um transplante renal, um paciente desenvolveu grave hipertensão (170/110mmHg). O arteriograma renal indica grave estenose da artéria renal no seu único rim, com uma redução da taxa de filtração glomerular (TFG) para 25% do normal. Qual das seguintes mudanças, comparadas com a situação normal, pode ser esperada nesse paciente supondo-se as condições em equilíbrio?A) Aumento acentuado da [] de Na no plasma;B) Redução da excreção de Na pela urina para 25% do normal;C) Redução da excreção de creatinina pela urina para 25% do normal;D) Aumento da creatinina sérica para cerca de 4 vezes o normal;
  30. 30. Resposta Uma estenose grave arterial renal, que reduz a TFG a 25% do normal, também pode diminuir o fluxo sanguíneo renal, mas causaria somente uma redução transitória na excreção urinária da creatinina. A diminuição transitória pode aumentar a creatinina sérica (para aproximadamente 4 vezes o normal) o que restauraria a carga de creatinina filtrada normal, resultando no retorno da excreção urinária normal da creatinina, em condições de equilíbrio. A secreção urinária de Na pode também diminuir transitoriamente mas, também, será normalizada de forma que a ingestão e excreção de Na estejam equilibradas. A concentração plasmática de Na não deve ser alterada de forma significativa porque ela é
  31. 31. 2 - Qual das seguintes alternativas causa, geralmente, a retenção renal de sódio ou de água durante a insuficiência cardíaca compensada?A) Diminuição na produção de angiotensina II;B) Diminuição na produção de aldosterona;C) Vasodilatação simpática das arteríolas aferentes;D) Aumento da TFG;E) Aumento na produção de hormônio antidiurético.
  32. 32. 2 - Qual das seguintes alternativas causa, geralmente, a retenção renal de sódio ou de água durante a insuficiência cardíaca compensada?A) Diminuição na produção de angiotensina II;B) Diminuição na produção de aldosterona;C) Vasodilatação simpática das arteríolas aferentes;D) Aumento da TFG;E) Aumento na produção de hormônio antidiurético.
  33. 33. Resposta Na insuficiência cardíaca compensada, a atividade simpática está aumentada. Um dos efeitos observados e a vasoconstrição das arteríolas aferentes nos néfrons renais. Isto diminui a pressão hidrostática glomerular e, assim, a TFG, resultando no aumento da retenção de Na e água no corpo. Também ocorre a liberação de angiotensina II que produz, diretamente, retenção renal de Na e estimula a secreção de aldosterona que, por sua vez, causa uma aumento adicional na retenção de Na pelos rins. O excesso de Na no organismo aumenta a osmolaridade, o que aumenta a liberação do hormônio antidiurético, resultando em retenção renal
  34. 34. 3 - A pressão sanguínea de um homem hipertenso, com 55 anos, tem sido razoavelmente controlada pela administração de um diurético tiazídico. Durante sua última visita (seis meses atrás) sua pressão sanguínea era 130/75 mmHg e sua creatinina sérica era 1 mg/dl. O paciente tem se exercitado regularmente nos últimos dois anos, mas recentemente, sentiu dores no joelho e começou a se automedicar com grande quantidade de uma droga antiinflamatória não-esteroide. Quando chegou ao consultório, sua pressão sanguínea era 155/85 mmHg e sua creatinina sérica era 2 mg/dl. Qual das seguintes alternativas explica melhor o aumento da creatinina sérica?A) aumento da resistência na arteríola aferente que reduz a TFG;B) Aumento da resistência arteriolar eferente que reduz a
  35. 35. 3 - A pressão sanguínea de um homem hipertenso, com 55 anos, tem sido razoavelmente controlada pela administração de um diurético tiazídico. Durante sua última visita (seis meses atrás) sua pressão sanguínea era 130/75 mmHg e sua creatinina sérica era 1 mg/dl. O paciente tem se exercitado regularmente nos últimos dois anos, mas recentemente, sentiu dores no joelho e começou a se automedicar com grande quantidade de uma droga antiinflamatória não-esteroide. Quando chegou ao consultório, sua pressão sanguínea era 155/85 mmHg e sua creatinina sérica era 2 mg/dl. Qual das seguintes alternativas explica melhor o aumento da creatinina sérica?A) aumento da resistência na arteríola aferente que reduz a TFG;B) Aumento da resistência arteriolar eferente que reduz a a TFG;
  36. 36. Resposta As prostaglandinas renais tem um papel importante prevenindo a vasoconstrição excessiva das arteríolas aferentes e diminuindo a TFG, especialmente sob condições de depleção de volume. A administração de diurético tiazídicos tende a produzir depleção de volume e o uso adicional de drogas antiinflamatórias não esteróides inibiria a formação de prostaglandinas vasodilatadoras, causando um aumento da resistência das arteríolas aferentes e diminuindo a TFG. O aumento da resistência das arteríolas eferentes ou aumento do coeficiente de filtração nos capilares glomerulares tende a elevar a TFG. O bloqueio da síntese de prostaglandinas resultaria na redução da secreção de renina e da formação de angiotensina II. É improvável que o aumento da massa muscular devido aos
  37. 37. 4 - Duas semanas após a constrição da artéria renal de um rim remanescente para reduzir, inicialmente, a pressão da artéria renal em 20 mmHg (de 100 para 80 mmHg), qual das seguintes alterações pode ser esperada, comparativamente à situação antes da constrição da artéria?A) Diminuição acentuada da excreção de Na (> 20%);B) Aumento acentuada da secreção de renina (> 2vezes);C) Retorno da pressão arterial renal para, aproximedamente, 100 mmHg;D) Grande diminuição da TFG (>20%);E) Grande redução do fluxo sanguíneo renal (>20%).
  38. 38. 4 - Duas semanas após a constrição da artéria renal de um rim remanescente para reduzir, inicialmente, a pressão da artéria renal em 20 mmHg (de 100 para 80 mmHg), qual das seguintes alterações pode ser esperada, comparativamente à situação antes da constrição da artéria?A) Diminuição acentuada da excreção de Na (> 20%);B) Aumento acentuada da secreção de renina (> 2vezes);C) Retorno da pressão arterial renal para, aproximedamente, 100 mmHg;D) Grande diminuição da TFG (>20%);E) Grande redução do fluxo sanguíneo renal (>20%).
  39. 39. Resposta A redução da pressão de perfusão renal para 80 mmHg (dentro da margem da auto-regulação) somente causaria uma redução transitória de TFG, fluxo sanguíneo renal e excreção de Na, e um aumento transitória na excreção de renina. A diminuição da excreção de Na e o aumento da secreção de renina elevariam a pressão arterial, normalizando, assim, a pressão de perfusão renal, além de restabelecendo a função renal normal. Enquanto a pressão de perfusão renal não for reduzida aquém da faixa de auto-regulação, a TFG e o fluxo sanguíneo renal retornam aos valores
  40. 40. Referencias Bibliográficas GUYTON, Arthur C.; HALL, John E. Tratado de fisiologia médica. 12. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011. 1151 p. GUYTON, Arthur C.; HALL, John E. Tratado de fisiologia médica. 12. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011. 1151 p. Disponível em <http://www.elsevier.com.br/site/uploads/material/priv ado/978853523/9788535237351/84082/index.html#p erguntas_e_respostas_comentadas>. Acesso em: 25 de março de 2012.
  41. 41. DÚVIDAS?... ATÉ A PROXIMA! FIM

×