Síndromes vestibulares

1.772 visualizações

Publicada em

Síndrome Vestibular- Audiologia - Fonoaudiologia

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.772
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
76
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Síndromes vestibulares

  1. 1. Síndrome vestibular Central e Periférica
  2. 2.  SÍNDROME = conjunto de sintomas que caracterizam uma doença ou um conjunto de fenômenos.  SÍNDROMES VESTIBULARES- relaciona-se com o sistema vestibular - EQUILÍBRIO CORPORAL:  Vertigem  Náusea  enjoos  Tonturas
  3. 3. Localizado no ouvido interno, compreende: 3 canais semi-circulares, o utrículo e o sáculo.
  4. 4. VESTIBULAR, VISUAL E PROPRIOCEPTIVO (MOTOR)
  5. 5. Vertigem - sensação de uma tontura rotatória, podendo causar náuseas, vômitos, ilusão de movimento. vertigem vem do verbo em Latim “redemoinho”.  TONTURA sensação de flutuação, instabilidade, cabeça pesada, atordoamento, impressão de queda.
  6. 6.  Periféricas  Acometem o sistema vestibular periférico:  Canais semicirculares  Utrículo  Sáculo  Nervo vestibular  Central  Lesões nas estruturas vestibulares do SNC  (núcleos vias e inter- relações)
  7. 7.  Vertigem de origem central apresenta quadro insidioso e lento, podendo ser alterada.  No sistema nervoso central, a instabilidade é mais intensa, sendo os pacientes incapazes de manter-se em pé ou caminhar durante a fase aguda.  Nistagmo – Oscilações repetidas e involuntária rítmicas de um ou ambos os olhos em algumas ou todas as posições de mirada.  Os pacientes que procuram atendimento devem ser estudados em unidades especiais de vertigem e equilíbrio, onde os especialistas trabalham em estreita colaboração com o otorrinolaringologista, neurologista e oftalmologista.  Diferenças entre síndromes vestibulares centrais x síndromes vestibulares periféricas.
  8. 8.  VASCULAR:  Tronco cerbelar;  Mal formações;  Hemorragias;  Doenças desmielinizantes  TUMORES DO ANGULO PONTO-CEREBELAR:  Tumores do tronco cerebelar  Epilepsia focal  Crise do lombo temporal  Doenças degenerativas  Arnold Chiari  CAUSAS SISTÊMICAS:  Drogas  Pré-sincope  Doenças infecciosas  Lesões na cabeça
  9. 9.  Desencadeamento nas mudanças da posição da cabeça;  Lesão no sistema nervoso central;  Causas mais comuns são: Processos tumorais e malformações vasculares (Cerebelo e tronco cerebral)
  10. 10.  Doenças desmielinizantes são constituídas por um grande grupo de doenças neurológicas, cujo substrato patológico é essencial e desmielinizarão da matéria branca do sistema nervoso central;  Esclerose múltipla – Predisposição genética que age em fatores ambientais e agentes virais não identificados que induzem uma resposta imunológica anormal contra o SNC e seus próprios constituintes.  Distúrbios de equilíbrio – Combinação de via vestibular com déficits de motor.  Sintoma inicial em 5% dos pacientes, mas está previsto ao longo do curso da doenças em aproximadamente 50% dos pacientes. Além disso, 10% dos casos refere-se a perda auditiva;  Oscilação do ambiente e borrão das imagens que vêm a interferir significativamente com as suas atividades diárias agravada durante a deambulação ou atividades que exijam a manutenção da fixação visual (Leitura);
  11. 11.  Localizados no tronco cerebral;  Meduloblastoma – Tumor com crescimento rápido que se origina na parte de trás do vermis capilar, com 4 ventrículos. - Quadro clínico: Aparecimento de hidrocefalia decorrente de obstrução do quarto ventrículo. - Sintomas: Ataxia, diplopia, nistagmo e dismetria ocular. - 4% dos tumores intracranianos, e é mais comum em crianças.  Astrocitoma cerebelar: Representa 20% dos tumores cerebrais infantis e tem sintomas semelhantes ao meduloblastoma. - Sintomas: Cefano fronto-occipital, dor de cabeça, ataxia, perda do membro, diplopia, nistagmo. - Tumores Pineal : Glioma, Germinoma, Pinelomas (Pineocitoma e Pineoloblastoma) e Teratoma.  Gliomas: Apresentam quase 65% dos tumores de tronco em pacientes com menos de 20 anos.  Chordomas: São tumores decorrentes de restos da notocorda, sendo localizados no clivus do forame occipital na parte de trás da cabeça.
  12. 12. - Sintomas: Envolvimento do nervo craniano (II a XII) vertigem, disartria, ataxia  Miningiomas do forame magno pode causar sintomas semelhantes. Metástases Intracranianos – 20% dos casos, na estrutura da fossa posterior. - Sintomas: Dor de cabeça, tontura, desequilíbrio e evidente apenas durante a marcha ataxia.  Síndromes paraneoplásticas – Efeitos remotos de malignidade, com incidência menor que 1% dos pacientes com câncer.  Apresentam: Vertigem, diplopia, distúrbios óculomotor e instabilidade, sendo a lesão mais frequente para os núcleos vestibulares e coclear.  Degeneração cerebelar paraneoplástica – Mais comum em pacientes com tumores ginecológicos. Suspeitado em mulheres de meia-idade;  Opsoclonus – Desordem caracterizada por ataxia (Irregular ou contúnua), com saltos dos olhos dos pacientes em todas as direções.
  13. 13.  Dividido em categorias: - Tratamento específico: Controlar a vertígem sintomática, tontura e instabilidade e aliviar as náuseas e vómitos. - Anti- histamínicos. - Drogas sedativas: Sulpirida vestibular, tietilperazina, meclizine, cinarizina ou flunarizina.
  14. 14.  Síntomas:  Apresenta-se geralmente em crises agudas,há alterações de equilíbrio, porém conseguem caminhar, já em constrastes com os pacientes centrais que mal conseguem se manter em pé durante a crise.  Vertigem (rotatória), Manifestações auditivas (hipoacusia, zumbidos, plenitude aural, intolerância a ruídos)  O Nistagmo espontâneo periférico pode ser inibido com a fixação ocular, é proeminente de 12 a 24 horas diferente da central que persiste semanas a meses.  Trabalha-se com diagnóstico de exclusão, considerando ausencias de lesão do sistema nervoso central.  Duração das Crises:  Minutos a Horas: Doença de Ménière  Segundos: Vertigem Posicional Paroxística Benigna (VPPB)  Dias a Semanas : Neuronite Vestibular
  15. 15. Doença de Ménière Vertigem Postural Paroxística Benigna (VPPB) Neuronite Vestibular Labirintopatias Metabólicas
  16. 16.  Doenças sistemicas como diabetes, hipertensão , reumatismos  Utilização de drogas que chamamos ototóxicas, como alguns antibióticos e antiinflamatórios que alteram as funções do ouvido  Barotrauma: Alterações bruscas da pressão barométrica, como no mergulho e nos aviões  Hábitos: excesso de doces, cafeína, tabagismo, álcool ou drogas.  Aterosclerose  Traumas sonoros
  17. 17.  O objetivo do tratamento é promover a recuperação do equilíbrio corporal e também controlar efetivamente a tontura e sinais/sintomas associados.  Diagnóstico: testes de sensibilidade, equilíbrio, coordenação, avaliação postural, vestíbulo-ocular e ampliatude de movimento.  Exames: eletronistagmografia, eletrococleografia e teste calórico.
  18. 18.  A avaliação e reabilitação vestibular estão descritos como competência do fonoaudiólogo em vários documentos publicados pelo Conselho federal de Fonoaudióloga.
  19. 19. De acordo com o Parecer CRFa. 2ª Região/SP Nº 01/2009, antes de iniciar qualquer intervenção, o fonoaudiólogo deve:  Solicitar indicação médica  ter conhecimento aprofundado sistema vestibular e intervenções terapêuticas  ter conhecimento dos principais protocolos de reabilitação vestibular  aplicação das manobras de reposição canalicular  ser capaz de identificar as intercorrencias que surgirem durante as manobras.
  20. 20.  GANANÇA, M. M. et al. Vertigem. Revista Brasileira de Medicina (edição especial), Rio de Janeiro, vol. 50, p.193-200, jan, 1994. GANANÇA, F. F. et al. Vertigem de Origem Periférica e Central: Orientação Diagnóstica e Terapêutica. Jornal Brasileiro de Medicina, Rio de Janeiro, vol.68, n.6, p.71-88, jun.,1995. GANANÇA, M. M; CAOVILLA, H. H. Desequilíbrio e Reequilíbrio. In: GANANÇA, M. M. Vertigem tem cura São Paulo: Lemos Editorial, 1998, 13-19. 

×