SlideShare uma empresa Scribd logo
Workshop de Requisitos 2011
                31/Jan e 01/Fev

        Campus da UFC em Quixadá

            Prof. Camilo Almendra
Observações
• Regra
   – Proibido uso de notebook
• Horários
   – 31/Jan e 01/Fev
   – 08:30h às 11:30h
   – Intervalo de 10 min por volta de 10:00h
• Certificados
   – Disponíveis na 1ª semana de aula
   – Atividade complementar (8 horas)
   – Apenas para quem compareceu aos dois dias
Workshop de Requisitos
               Parte 1
Requisitos
Prática #1
Requisitos de software são...


        um problema de

   COMUNICAÇÃO
O que são Requisitos? (BABoK 2.0)
• Uma condição ou capacidade necessitada por um
  stakeholder para resolver um problema ou alcançar
  um objetivo;
• Uma condição ou capacidade que deve ser atendida
  por uma solução (ou parte dela) para satisfazer um
  contrato, padrão, especificação, ou documento
  formal;
• Um documento representando a condição ou
  capacidade citadas anteriormente.

               Ajudou em alguma coisa essa definição?
Tipos de Requisitos (BABoK 2.0)

 Requisitos de                Metas, Objetivos e
                              Necessidades da
   Negócio                        Empresa



 Requisitos de                Necessidades de
                               [um grupo de]
 Stakeholder                    stakeholders



 Requisitos de                Características de
                              uma solução para
   Solução                     atender RN e RS
Requisitos da Solução (BABok 2.0)


      Requisitos               Requisitos Não-
      Funcionais                 Funcionais




     Características da    Condições ambientais de operação
    solução descritas em                    +
         termos de         Atributos de qualidades que devem
      comportamento            estar presentes na solução
Requisitos e Engenharia de Software
 Atividades
Fundamentais
                                 Projeto e
               Especificação
                               Implementação




                                 Evolução/
                Validação
                                Manutenção
Requisitos e o RUP    Analista
                     de Negócios
Requisitos e o Scrum   Dono do
                       Produto
Requisitos e o XP    Cliente
                    Presente
Facilitador (!= Intermediário)


 Interessados    Analista de Negócios




                  Dono do Produto       Equipe
Patrocinadores



                       Cliente
  Usuários            Presente
Análise de Negócios
                   Modelagem            Engenharia
                   de Negócios         de Requisitos
  Para ajudar a
   definir uma         Entendendo o      Entendendo o
                         Negócio            Usuário
 Solução para um
   Problema de           Busca da          Busca do
     Negócio           Simplificação     Detalhamento



[BABok]                  Foco no
                         Domínio
                                            Foco no
                                            Sistema
Conversando
                  1. Negócio
                  •Por quê?




       2. Estrutura           3. Processos
       •Quem/ o quê?
                              •Quando?
       •Quanto?
                              •Como?
       •Onde?
As 6 perguntas (6 W’s)
• Negócios
  – Por quê esse negócio/projeto/sistema é importante?
• Estrutura
  – Quem está envolvido?
  – Quantos recursos e pessoas?
  – Onde será usado?
• Processos
  – Quando é usado?
  – Como.... MAIS DÍFICIL
Prática #2




        Por quê?
Conversando com os clientes/usuários
• Entrevista
  – Tradicional técnica de “coleta”
  – Estruturada ou não...
     • ... o importante é deixar que histórias sejam contadas
  – Bom uso:
     • Iniciar contatos e apresentações entre equipe e
       clientes/usuários
     • Estabelecer a visão geral do problema
  – Mau uso:
     • Ser a única forma de coleta de requisitos
     • Ser usada para “tirar pedidos”
     • Enviar o/a Analista SOZINHO
Prática #4
• Perda na tradução




   Dono do Produto   Analista



                                Analista   Equipe
Conversando com os clientes/usuários
• Sessões de Prototipação
Conversando com clientes/usuários
• Prototipação Online
Conversando com clientes/usuários




                    Observação
                      Direta
Conversando com clientes/usuários
Fechamento
Gestão de Requisitos...
• ... ou de Conhecimento?
Canais de comunicação
Próximo dia
• Recolher resultado do brainstorming
Workshop de Requisitos
               Parte 2
Qualidade dos Bons Requisitos
•   Completo
•   Correto
•   Viável
•   Necessário
•   Priorizado
•   Não ambíguo
•   Verificável
Conversando com clientes e usuários
• Brainstorm (“Tóro de Palpites”)
   – Estimula o pensamento criativo sobre um problema
   – Aproveita a experiência e criatividade de todos os
     participantes
   – Vantagens:
      • Liberdade, exagero, conexões livres
   – Desvantagens:
      • Perda de foco, depende do entusiasmo dos
        participantes
   – É uma técnica. Não é bagunça!

   Preparação            Sessão              Análise
Prática #3
• Preparação Brainstorm
   – Problema:
       • Gerenciar eventos
   – Foco da sessão:
       • Quais funções o sistema precisa
         apresentar para suportar as
         necessidades de Organizadores e
         Participantes?
   – 1 ou 2 escribas por equipe

• Sessão
   – 15 minutos
   – Regras:
      • Não julgue, tudo é válido
      • Melhore a idéia do colega do lado
      • Quantidade! Muitas idéias!
Conversando com clientes e usuários
• Análise do Brainstorm (prática na
  parte 2)
• 6 chapéus do pensamento
   – Branco
      • Fatos, números, objetividade
   – Vermelho
      • Emoções, sentimentos, INTUIÇÃO
   – Preto
      • Falhas, barreiras, incompatibilidade
   – Amarelo
      • Positivo, benefícios,
         compatibilidade
   – Verde
      • Criatividade, provocação,
         investigação (“sessão”)
   – Azul
      • Pensamento sobre o pensamento,
         organização, condução
Prática #5
• Análise do Brainstorm da parte 1
• 6 chapéus do pensamento (5 minutos/
  chapéu)
   – Branco
      • Fatos, números, objetividade
   – Vermelho
      • Emoções, sentimentos, INTUIÇÃO
   – Preto
      • Falhas, barreiras, incompatibilidade
   – Amarelo
      • Positivo, benefícios,
         compatibilidade
   – Verde
      • Criatividade, provocação,
         investigação (“sessão”)
   – Azul
      • Pensamento sobre o pensamento,
         organização, condução
Como a solução será usada?



                                                 Objetivo de
                    ...     Passos     ...        Negócio
Ator/Usuário




               Cenário / Caso de Uso / Estória / ...
Atores... Pessoas?
• Tipos de Atores
  – Humano, Sistema, Tempo,
    Agente, Mago

• Pessoas
  – As mais complexas, sem
    dúvida!
Quem?
• Quais são os clientes da solução?

• Quais são os usuários?
   – É possível para falar com todos?
   – São muitos?
   – E se for um produto novo?

• Modelagem de Papéis de Usuário
   –   Brainstorm
   –   Organização
   –   Consolidação
   –   Refinar
Brainstorming
• Um papel é um usuário



    Organização
    • Quais papéis possuem interseção?


        Consolidação
        • 100% de interseção = 1 papel de usuário
        • Parcial = generalização/ especialização


             Refinamento
             • Atributos, fatos, dados, informações
Personas
• Representação imaginária para um papel
   – Papel que represente muitos usuários
   – Múltiplas personas para mesmo papel
• Cada persona...
   – possui um nome
   – uma foto (!)
   – e descrição de hábitos, motivações, expectativas,
     objetivos.
• Equipe deve sentir que “conhece” as personas
• Baseado em dados quantitativos e qualitativos
   – Apesar de ser uma técnica bem subjetiva
Prática #6
• Foco:
  – Sistema Gerenciador
    de Eventos
• Questões:


                          FOTO
  – Quais usuários?
  – Quais papéis?
  – Quais atributos?
Caso de Uso
  “Um caso de uso captura um contrato entre os
   stakeholders de um sistema, relativo ao seu
    comportamento. O caso de uso descreve o
     comportamento do sistema sob diversas
      condições, na medida em que o sistema
 responde a requisições de um dos stakeholders,
            chamado ator primário.”
                                 Alistair Cockburn
                 Writing Effective Use Cases, 2001
Caso de Uso
• Casos de uso são puro COMPORTAMENTO
  – Casos de uso não dizem COMO, dizem apenas O
    QUÊ o sistema faz
• Ferramenta poderosa
  – Linguagem natural = flexibilidade
  – Pode ser usado para modelar processos de
    negócios, projeto de sistema, requisitos
    funcionais
  – Tanto de maneira casual como formal
Caso de uso - Níveis

                  NEGÓCIO/SOLUÇÃO



                  USUÁRIO


                  SUBFUNÇÕES
Modelo de Caso de Uso
• Após identificação inicial de casos de uso
• Identificar relacionamentos entre casos de uso
   – Facilita entendimento
   – Facilita reuso e manutenção
• 3 tipos de
  relacionamentos
   – <includes>
   – <extends>
   – <inherits>
Modelo de Caso de Uso
• Relação de Inclusão
  – Uma parte de um caso de uso base pode ser encapsulada
    como um caso de uso adicional, e o caso de uso base
    somente depende do resultado do adicional

   Caso de Uso Base inclui Caso de Uso Adicional
Modelo de Caso de Uso
• Relação de Extensão
  – Uma parte de um caso de uso base é opcional ou não-
    importante para o entendimento do principal objetivo,
    sendo assim encapsulada em um caso de uso adicional

  Caso de Uso Adicional estende Caso de Uso Base
Modelo de Caso de Uso
• Relação de Herança
  – Casos de uso que compartilham comportamento comum,
    estrutura ou objetivo

      Caso de Uso Filho herda Caso de Uso Pai
Estrutura básica
• Ator
   – Usuário/stakeholder que executa a funcionalidade
• Objetivo (título)
   – O que o ator vai alcançar ao executar esse caso de uso
• Fluxo principal
   – Passos principais para executar a funcionalidade
• Fluxo alternativo
   – Exceções que podem ocorrer no fluxo principal
• Pré-condições
   – Condições obrigatórias para que o caso de uso seja executado
• Pós-condições
   – Condições esperadas após a execução com êxito do caso de uso
Prática #7
• Escrever 1 (um) caso de uso
   – Pode englobar vários itens dos requisitos
• Desenvolver as especificações básicas
O que são Estórias?

                Estória de Usuário

 Descrição
                    Conversas         Confirmações
 (Cartões)


 Planejamento                        Documentar Detalhes
                    Expor Detalhes
   Lembrete                           Definir o “Pronto”
Motivação
Como funciona?

                 representa          Requisitos
  Cartão                                 do
                                      Cliente



   Conversas



                              Confirmações
Foco
Características

            I npendente
            N egociável
            V aliosa
            E stimável
            S mall (pequena)
            T estável
Como um

         <PERFIL>      QUEM?
eu quero/devo/posso

<FUNCIONALIDADE>       O QUE?
para

       <OBJETIVO DE   POR QUE?
        NEGÓCIO>
Prática #8
• Parte 1: Cartões (Descrição da Estória de Usuário)




       Blá blá blá blá blé blu blo lorem
       ipsum
Conversas
• Notas importantes
• Ajudam a definir os limites da estória
• Sem exagero de detalhes
Um cliente pode fechar o pedido   Um cliente pode fechar o pedido
pagando com cartão de crédito     pagando com cartão de crédito

Nota: aceitar MasterCard, Visa,   Nota: aceitar MasterCard, Visa,
Hipercard; Débito e Crédito.      Hipercard; Débito e Crédito;
                                  Aceitar parcelamento em até 12x
                                  (se compra acima de R$100 ,00);
                                  Sistema guarda número cartão
                                  para uso futuro; Compras acima
                                  de R$200,00, pedir (...)
Prática #9
• Parte 2: Conversas




                       Conversa:
                       • Lorem
                       •Ip´sum
                       •Sei-que lá
                       •Não esquecer
Confirmações
• Como o sistema será avaliado pelo cliente
• Critérios de aceitação da entrega
Um cliente pode fechar o pedido pagando com cartão de
crédito

Nota: aceitar MasterCard, Visa, Hipercard; Débito e Crédito.

           Testes:
           • Usar Visa, MasterCard e Hipercard (ok)
           • Usar American Express (falha)
           • Entrar c/ números de cartões inválidos ou incompletos (falha)
           • Entrar com cartões expirados
           • Valores de compra distintos, incluindo valor acima do limite
           do cartão
Prática #10
• Parte 3: Confirmações




                          Testes:
                          • Lorem
                          •Ip´sum
                          •Sei-que lá
                          •Não esquecer
Fechamento
Hipóteses, não axiomas
• Axioma
  – “um axioma ou postulado é uma sentença ou proposição
    que não é provada ou demonstrada e é considerada como
    óbvia ou como um consenso”
• Hipótese
  – “é uma formulação provisória, com intenções de ser
    posteriormente demonstrada ou verificada, constituindo
    uma suposição admissível”
• Requisitos não são axiomas!
• Requisitos são meras hipóteses até que sejam
  testados!
Dinâmica
• Cuidado com
  sua linguagem!
Espero que você tenha aprendido que...
• Não se deve confiar demais em um documento
  – mesmo que você seja o próprio autor
• O foco é em Software rodando
  – requisitos são apenas um meio
• Que qualquer software faz parte de um ecossistema
  complexo
  – de pessoas, processos, outros sistemas
• Requisitos tem tudo a ver com comunicação e
  gestão de conhecimento
• Que você ainda tem muito a aprender sobre isso!
Uma pequena ação

  Que pequena ação (coisa) você pode se
          comprometer a fazer?

 Algo que você possa fazer hoje mesmo?

   Escreva no cartão (para si mesmo)!
Referências Principais
    User Stories Applied, Mike
    Cohn                               Subject to Change: creating
                                      great products and services,
                                                    Adaptive Path

    Engenharia de Software, Ian
    Sommerville                                  Escrevendo Casos
                                                   de Uso Eficazes,
                                                  Alistair Cockburn
     A Guide to the BABoK 2.0, IIBA
     (breve em português)
Até a próxima...
• Obrigado!

• Licença

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

color and Shade selection techinque
color and Shade selection techinquecolor and Shade selection techinque
color and Shade selection techinque
mahmoudzahw1
 
Linha de Produto de Software: Diferentes produtos para diferentes clientes
Linha de Produto de Software: Diferentes produtos para diferentes clientesLinha de Produto de Software: Diferentes produtos para diferentes clientes
Linha de Produto de Software: Diferentes produtos para diferentes clientes
Priscylla Silva
 
MINI CURSO Pitch: Como Apresentar Ideias a Investidores
MINI CURSO Pitch: Como Apresentar Ideias a InvestidoresMINI CURSO Pitch: Como Apresentar Ideias a Investidores
MINI CURSO Pitch: Como Apresentar Ideias a Investidores
Escola do Marketing Digital
 
Introdução à Pesquisa de Mercado
Introdução à Pesquisa de MercadoIntrodução à Pesquisa de Mercado
Introdução à Pesquisa de Mercado
Eros Augusto Asturiano Martins
 
Superando As Expectativas Dos Clientes
Superando As Expectativas Dos ClientesSuperando As Expectativas Dos Clientes
Superando As Expectativas Dos Clientes
Michel Moreira
 
Diagnosis in endodontics Sunil M Eraly Malabar Dental College and Research ...
Diagnosis in endodontics   Sunil M Eraly Malabar Dental College and Research ...Diagnosis in endodontics   Sunil M Eraly Malabar Dental College and Research ...
Diagnosis in endodontics Sunil M Eraly Malabar Dental College and Research ...
sunileraly
 
Lentes de Contatos e fragmentos dentais - CO2 - Prof Ícaro Augusto
Lentes de Contatos e fragmentos dentais - CO2 - Prof Ícaro AugustoLentes de Contatos e fragmentos dentais - CO2 - Prof Ícaro Augusto
Lentes de Contatos e fragmentos dentais - CO2 - Prof Ícaro Augusto
Icaro Soares
 
Cicatrizacion y regeneracion tisular guiada
Cicatrizacion y regeneracion tisular guiadaCicatrizacion y regeneracion tisular guiada
Cicatrizacion y regeneracion tisular guiada
Carlos González
 
Class i preparation for amalgam,PRESENTED BY: DR. ANUBHUTI BDS,MDS Dept. of ...
Class i preparation for amalgam,PRESENTED BY: DR. ANUBHUTI BDS,MDS  Dept. of ...Class i preparation for amalgam,PRESENTED BY: DR. ANUBHUTI BDS,MDS  Dept. of ...
Class i preparation for amalgam,PRESENTED BY: DR. ANUBHUTI BDS,MDS Dept. of ...
Anubhuti Singh
 
Como referenciar de maneira assertiva
Como referenciar de maneira assertivaComo referenciar de maneira assertiva
Como referenciar de maneira assertiva
Pamella Botelho
 
Exame Clínico NIC.pdf
Exame Clínico NIC.pdfExame Clínico NIC.pdf
Exame Clínico NIC.pdf
GlauciaPeresVilasBoa
 
Pasta Zinco-Enólica- Materiais de Moldagem
Pasta Zinco-Enólica- Materiais de MoldagemPasta Zinco-Enólica- Materiais de Moldagem
Pasta Zinco-Enólica- Materiais de Moldagem
Marcos Paulo Hutchison
 
Recent advances in management of dental hypersensitivity
Recent advances in management of dental hypersensitivityRecent advances in management of dental hypersensitivity
Recent advances in management of dental hypersensitivity
Manoj Paradhi
 
Produto 1 P
Produto   1 PProduto   1 P
Produto 1 P
Dawison Calheiros
 
Preparo biomecânico
Preparo biomecânico  Preparo biomecânico
Preparo biomecânico
Camilla Bringel
 
Reputação - como impulsionar a sua dentro e fora do BNI
Reputação - como impulsionar a sua dentro e fora do BNIReputação - como impulsionar a sua dentro e fora do BNI
Reputação - como impulsionar a sua dentro e fora do BNI
Enrico Cardoso
 
Insiginia
InsiginiaInsiginia
Guias quirurgicas[1]
Guias quirurgicas[1]Guias quirurgicas[1]
Guias quirurgicas[1]
Veronica Fernandez
 
Apresentação de Campanha Publicitária
Apresentação de Campanha PublicitáriaApresentação de Campanha Publicitária
Apresentação de Campanha Publicitária
Keila Schons
 
Treinamento boas práticas de instalação rev02-2011
Treinamento boas práticas de instalação   rev02-2011Treinamento boas práticas de instalação   rev02-2011
Treinamento boas práticas de instalação rev02-2011
Renan Amicuchi
 

Mais procurados (20)

color and Shade selection techinque
color and Shade selection techinquecolor and Shade selection techinque
color and Shade selection techinque
 
Linha de Produto de Software: Diferentes produtos para diferentes clientes
Linha de Produto de Software: Diferentes produtos para diferentes clientesLinha de Produto de Software: Diferentes produtos para diferentes clientes
Linha de Produto de Software: Diferentes produtos para diferentes clientes
 
MINI CURSO Pitch: Como Apresentar Ideias a Investidores
MINI CURSO Pitch: Como Apresentar Ideias a InvestidoresMINI CURSO Pitch: Como Apresentar Ideias a Investidores
MINI CURSO Pitch: Como Apresentar Ideias a Investidores
 
Introdução à Pesquisa de Mercado
Introdução à Pesquisa de MercadoIntrodução à Pesquisa de Mercado
Introdução à Pesquisa de Mercado
 
Superando As Expectativas Dos Clientes
Superando As Expectativas Dos ClientesSuperando As Expectativas Dos Clientes
Superando As Expectativas Dos Clientes
 
Diagnosis in endodontics Sunil M Eraly Malabar Dental College and Research ...
Diagnosis in endodontics   Sunil M Eraly Malabar Dental College and Research ...Diagnosis in endodontics   Sunil M Eraly Malabar Dental College and Research ...
Diagnosis in endodontics Sunil M Eraly Malabar Dental College and Research ...
 
Lentes de Contatos e fragmentos dentais - CO2 - Prof Ícaro Augusto
Lentes de Contatos e fragmentos dentais - CO2 - Prof Ícaro AugustoLentes de Contatos e fragmentos dentais - CO2 - Prof Ícaro Augusto
Lentes de Contatos e fragmentos dentais - CO2 - Prof Ícaro Augusto
 
Cicatrizacion y regeneracion tisular guiada
Cicatrizacion y regeneracion tisular guiadaCicatrizacion y regeneracion tisular guiada
Cicatrizacion y regeneracion tisular guiada
 
Class i preparation for amalgam,PRESENTED BY: DR. ANUBHUTI BDS,MDS Dept. of ...
Class i preparation for amalgam,PRESENTED BY: DR. ANUBHUTI BDS,MDS  Dept. of ...Class i preparation for amalgam,PRESENTED BY: DR. ANUBHUTI BDS,MDS  Dept. of ...
Class i preparation for amalgam,PRESENTED BY: DR. ANUBHUTI BDS,MDS Dept. of ...
 
Como referenciar de maneira assertiva
Como referenciar de maneira assertivaComo referenciar de maneira assertiva
Como referenciar de maneira assertiva
 
Exame Clínico NIC.pdf
Exame Clínico NIC.pdfExame Clínico NIC.pdf
Exame Clínico NIC.pdf
 
Pasta Zinco-Enólica- Materiais de Moldagem
Pasta Zinco-Enólica- Materiais de MoldagemPasta Zinco-Enólica- Materiais de Moldagem
Pasta Zinco-Enólica- Materiais de Moldagem
 
Recent advances in management of dental hypersensitivity
Recent advances in management of dental hypersensitivityRecent advances in management of dental hypersensitivity
Recent advances in management of dental hypersensitivity
 
Produto 1 P
Produto   1 PProduto   1 P
Produto 1 P
 
Preparo biomecânico
Preparo biomecânico  Preparo biomecânico
Preparo biomecânico
 
Reputação - como impulsionar a sua dentro e fora do BNI
Reputação - como impulsionar a sua dentro e fora do BNIReputação - como impulsionar a sua dentro e fora do BNI
Reputação - como impulsionar a sua dentro e fora do BNI
 
Insiginia
InsiginiaInsiginia
Insiginia
 
Guias quirurgicas[1]
Guias quirurgicas[1]Guias quirurgicas[1]
Guias quirurgicas[1]
 
Apresentação de Campanha Publicitária
Apresentação de Campanha PublicitáriaApresentação de Campanha Publicitária
Apresentação de Campanha Publicitária
 
Treinamento boas práticas de instalação rev02-2011
Treinamento boas práticas de instalação   rev02-2011Treinamento boas práticas de instalação   rev02-2011
Treinamento boas práticas de instalação rev02-2011
 

Destaque

PMBOK
PMBOKPMBOK
JAD e levantamento de requisitos
JAD e levantamento de requisitosJAD e levantamento de requisitos
JAD e levantamento de requisitos
Eduardo Castro
 
PROJETO INTEGRADOR IV: DESENVOLVIMENTO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
PROJETO INTEGRADOR IV: DESENVOLVIMENTO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃOPROJETO INTEGRADOR IV: DESENVOLVIMENTO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
PROJETO INTEGRADOR IV: DESENVOLVIMENTO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
Orlando Oliveira Orlando
 
Fundamentos de Engenharia de Requisitos
Fundamentos de Engenharia de RequisitosFundamentos de Engenharia de Requisitos
Fundamentos de Engenharia de Requisitos
Barbara Lima
 
How to run a user-centered, requirements gathering workshop
How to run a user-centered, requirements gathering workshopHow to run a user-centered, requirements gathering workshop
How to run a user-centered, requirements gathering workshop
Fergus Roche
 
Como sacar partido a la situación actual
Como sacar partido a la situación actualComo sacar partido a la situación actual
Como sacar partido a la situación actual
Jose Puchades Vigar
 
Tendencias de mercado
Tendencias de mercadoTendencias de mercado
Tendencias de mercado
Jose Puchades Vigar
 
Análisis de la organización comercial y direccion de ventas - jose puchades
Análisis de la organización comercial y direccion de ventas -    jose puchadesAnálisis de la organización comercial y direccion de ventas -    jose puchades
Análisis de la organización comercial y direccion de ventas - jose puchades
Jose Puchades Vigar
 
Cómo aumentar las ventas en la revolución digital 2015
Cómo aumentar las ventas en la revolución digital   2015Cómo aumentar las ventas en la revolución digital   2015
Cómo aumentar las ventas en la revolución digital 2015
Jose Puchades Vigar
 

Destaque (9)

PMBOK
PMBOKPMBOK
PMBOK
 
JAD e levantamento de requisitos
JAD e levantamento de requisitosJAD e levantamento de requisitos
JAD e levantamento de requisitos
 
PROJETO INTEGRADOR IV: DESENVOLVIMENTO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
PROJETO INTEGRADOR IV: DESENVOLVIMENTO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃOPROJETO INTEGRADOR IV: DESENVOLVIMENTO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
PROJETO INTEGRADOR IV: DESENVOLVIMENTO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
 
Fundamentos de Engenharia de Requisitos
Fundamentos de Engenharia de RequisitosFundamentos de Engenharia de Requisitos
Fundamentos de Engenharia de Requisitos
 
How to run a user-centered, requirements gathering workshop
How to run a user-centered, requirements gathering workshopHow to run a user-centered, requirements gathering workshop
How to run a user-centered, requirements gathering workshop
 
Como sacar partido a la situación actual
Como sacar partido a la situación actualComo sacar partido a la situación actual
Como sacar partido a la situación actual
 
Tendencias de mercado
Tendencias de mercadoTendencias de mercado
Tendencias de mercado
 
Análisis de la organización comercial y direccion de ventas - jose puchades
Análisis de la organización comercial y direccion de ventas -    jose puchadesAnálisis de la organización comercial y direccion de ventas -    jose puchades
Análisis de la organización comercial y direccion de ventas - jose puchades
 
Cómo aumentar las ventas en la revolución digital 2015
Cómo aumentar las ventas en la revolución digital   2015Cómo aumentar las ventas en la revolución digital   2015
Cómo aumentar las ventas en la revolución digital 2015
 

Semelhante a Workshop de Requisitos

Usuários são peças fundamentais no quebra-cabeça da inovação: entenda e inter...
Usuários são peças fundamentais no quebra-cabeça da inovação: entenda e inter...Usuários são peças fundamentais no quebra-cabeça da inovação: entenda e inter...
Usuários são peças fundamentais no quebra-cabeça da inovação: entenda e inter...
Impacta Eventos
 
Engenharia Requisitos
Engenharia RequisitosEngenharia Requisitos
Engenharia Requisitos
elliando dias
 
T@rget Trust - Formação: Análise de Negócios
T@rget Trust - Formação: Análise de NegóciosT@rget Trust - Formação: Análise de Negócios
T@rget Trust - Formação: Análise de Negócios
Targettrust
 
Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 01
Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 01Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 01
Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 01
Danielle Ballester, PMP,PSM,SFC,SDC,SMC,SPOC,SCT
 
Workshop: Ouvindo usuários e stakeholders
Workshop: Ouvindo usuários e stakeholdersWorkshop: Ouvindo usuários e stakeholders
Workshop: Ouvindo usuários e stakeholders
Neue Labs
 
Princípios Fundamentais da Análise de Requisitos
Princípios Fundamentais da Análise de RequisitosPrincípios Fundamentais da Análise de Requisitos
Princípios Fundamentais da Análise de Requisitos
elliando dias
 
Um processo de inovação contínua de software baseado em prototipagem
Um processo de inovação contínua de software baseado em prototipagemUm processo de inovação contínua de software baseado em prototipagem
Um processo de inovação contínua de software baseado em prototipagem
Carlos Carvalho
 
Especificação requisitos
Especificação requisitosEspecificação requisitos
Especificação requisitos
Luis Fernandes
 
Um Esforço Combinado Na Padronização
Um Esforço Combinado Na PadronizaçãoUm Esforço Combinado Na Padronização
Um Esforço Combinado Na Padronização
wallyvianna
 
Análise de Negócios como ferramenta para desenvolver produtos de sucesso - UN...
Análise de Negócios como ferramenta para desenvolver produtos de sucesso - UN...Análise de Negócios como ferramenta para desenvolver produtos de sucesso - UN...
Análise de Negócios como ferramenta para desenvolver produtos de sucesso - UN...
Claudio Kerber
 
MTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. IntroduçãoMTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. Introdução
Alan Vasconcelos
 
Modelagem de usuários
Modelagem de usuáriosModelagem de usuários
Modelagem de usuários
Luciana Nunes
 
Workshop Desenvolvimento Ágil
Workshop Desenvolvimento ÁgilWorkshop Desenvolvimento Ágil
Workshop Desenvolvimento Ágil
Ricardo Infante
 
Pesquisa comportamento a2
Pesquisa comportamento a2Pesquisa comportamento a2
Pesquisa comportamento a2
Filipe Campelo Xavier da Costa
 
Design de Interação, Experiência do Usuário e Usabilidade - 2010
Design de Interação, Experiência do Usuário e Usabilidade - 2010Design de Interação, Experiência do Usuário e Usabilidade - 2010
Design de Interação, Experiência do Usuário e Usabilidade - 2010
Mourylise Heymer
 
Proposta para especificação de histórias de usuários alinhadas a IEEE 830
Proposta para especificação de histórias de usuários alinhadas a IEEE 830Proposta para especificação de histórias de usuários alinhadas a IEEE 830
Proposta para especificação de histórias de usuários alinhadas a IEEE 830
André Agostinho
 
Cd - aulas 06 e 07
Cd - aulas 06 e 07Cd - aulas 06 e 07
Analise de Negócios em Ambientes Ágeis
Analise de Negócios em Ambientes ÁgeisAnalise de Negócios em Ambientes Ágeis
Analise de Negócios em Ambientes Ágeis
Marcelo Neves
 
Usabilidade - Uma introdução
Usabilidade - Uma introduçãoUsabilidade - Uma introdução
Usabilidade - Uma introdução
Erico Fileno
 
Softwares de apoio ao desenvolvimento 2012
Softwares de apoio ao desenvolvimento   2012Softwares de apoio ao desenvolvimento   2012
Softwares de apoio ao desenvolvimento 2012
Diogo Winck
 

Semelhante a Workshop de Requisitos (20)

Usuários são peças fundamentais no quebra-cabeça da inovação: entenda e inter...
Usuários são peças fundamentais no quebra-cabeça da inovação: entenda e inter...Usuários são peças fundamentais no quebra-cabeça da inovação: entenda e inter...
Usuários são peças fundamentais no quebra-cabeça da inovação: entenda e inter...
 
Engenharia Requisitos
Engenharia RequisitosEngenharia Requisitos
Engenharia Requisitos
 
T@rget Trust - Formação: Análise de Negócios
T@rget Trust - Formação: Análise de NegóciosT@rget Trust - Formação: Análise de Negócios
T@rget Trust - Formação: Análise de Negócios
 
Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 01
Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 01Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 01
Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 01
 
Workshop: Ouvindo usuários e stakeholders
Workshop: Ouvindo usuários e stakeholdersWorkshop: Ouvindo usuários e stakeholders
Workshop: Ouvindo usuários e stakeholders
 
Princípios Fundamentais da Análise de Requisitos
Princípios Fundamentais da Análise de RequisitosPrincípios Fundamentais da Análise de Requisitos
Princípios Fundamentais da Análise de Requisitos
 
Um processo de inovação contínua de software baseado em prototipagem
Um processo de inovação contínua de software baseado em prototipagemUm processo de inovação contínua de software baseado em prototipagem
Um processo de inovação contínua de software baseado em prototipagem
 
Especificação requisitos
Especificação requisitosEspecificação requisitos
Especificação requisitos
 
Um Esforço Combinado Na Padronização
Um Esforço Combinado Na PadronizaçãoUm Esforço Combinado Na Padronização
Um Esforço Combinado Na Padronização
 
Análise de Negócios como ferramenta para desenvolver produtos de sucesso - UN...
Análise de Negócios como ferramenta para desenvolver produtos de sucesso - UN...Análise de Negócios como ferramenta para desenvolver produtos de sucesso - UN...
Análise de Negócios como ferramenta para desenvolver produtos de sucesso - UN...
 
MTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. IntroduçãoMTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. Introdução
 
Modelagem de usuários
Modelagem de usuáriosModelagem de usuários
Modelagem de usuários
 
Workshop Desenvolvimento Ágil
Workshop Desenvolvimento ÁgilWorkshop Desenvolvimento Ágil
Workshop Desenvolvimento Ágil
 
Pesquisa comportamento a2
Pesquisa comportamento a2Pesquisa comportamento a2
Pesquisa comportamento a2
 
Design de Interação, Experiência do Usuário e Usabilidade - 2010
Design de Interação, Experiência do Usuário e Usabilidade - 2010Design de Interação, Experiência do Usuário e Usabilidade - 2010
Design de Interação, Experiência do Usuário e Usabilidade - 2010
 
Proposta para especificação de histórias de usuários alinhadas a IEEE 830
Proposta para especificação de histórias de usuários alinhadas a IEEE 830Proposta para especificação de histórias de usuários alinhadas a IEEE 830
Proposta para especificação de histórias de usuários alinhadas a IEEE 830
 
Cd - aulas 06 e 07
Cd - aulas 06 e 07Cd - aulas 06 e 07
Cd - aulas 06 e 07
 
Analise de Negócios em Ambientes Ágeis
Analise de Negócios em Ambientes ÁgeisAnalise de Negócios em Ambientes Ágeis
Analise de Negócios em Ambientes Ágeis
 
Usabilidade - Uma introdução
Usabilidade - Uma introduçãoUsabilidade - Uma introdução
Usabilidade - Uma introdução
 
Softwares de apoio ao desenvolvimento 2012
Softwares de apoio ao desenvolvimento   2012Softwares de apoio ao desenvolvimento   2012
Softwares de apoio ao desenvolvimento 2012
 

Mais de Camilo Almendra

NPI - Palestra WTISC 2015 - UFC Quixadá
NPI - Palestra WTISC 2015 - UFC QuixadáNPI - Palestra WTISC 2015 - UFC Quixadá
NPI - Palestra WTISC 2015 - UFC Quixadá
Camilo Almendra
 
Seminário - Estudos Empíricos em Engenharia de Software - RE@Quixadá
Seminário - Estudos Empíricos em Engenharia de Software - RE@QuixadáSeminário - Estudos Empíricos em Engenharia de Software - RE@Quixadá
Seminário - Estudos Empíricos em Engenharia de Software - RE@Quixadá
Camilo Almendra
 
Estágio Supervisionado e NPI - UFC Quixadá
Estágio Supervisionado e NPI - UFC QuixadáEstágio Supervisionado e NPI - UFC Quixadá
Estágio Supervisionado e NPI - UFC Quixadá
Camilo Almendra
 
Gestão de Projetos de TI em Empresas
Gestão de Projetos de TI em EmpresasGestão de Projetos de TI em Empresas
Gestão de Projetos de TI em Empresas
Camilo Almendra
 
Empreendedorismo: Tendências na Internet
Empreendedorismo: Tendências na InternetEmpreendedorismo: Tendências na Internet
Empreendedorismo: Tendências na Internet
Camilo Almendra
 
Relato Experiência Taxonomia SOLO
Relato Experiência Taxonomia SOLORelato Experiência Taxonomia SOLO
Relato Experiência Taxonomia SOLO
Camilo Almendra
 
Trabalho em Equipe
Trabalho em EquipeTrabalho em Equipe
Trabalho em Equipe
Camilo Almendra
 
Introdução a Gestão de Projetos
Introdução a Gestão de ProjetosIntrodução a Gestão de Projetos
Introdução a Gestão de Projetos
Camilo Almendra
 
Das Fábricas aos Time Auto-organizados
Das Fábricas aos Time Auto-organizadosDas Fábricas aos Time Auto-organizados
Das Fábricas aos Time Auto-organizados
Camilo Almendra
 
Introdução à Iniciação de Projetos de Software
Introdução à Iniciação de Projetos de SoftwareIntrodução à Iniciação de Projetos de Software
Introdução à Iniciação de Projetos de Software
Camilo Almendra
 
Dissertação - Janeiro/2003 - DC/UFC
Dissertação - Janeiro/2003 - DC/UFCDissertação - Janeiro/2003 - DC/UFC
Dissertação - Janeiro/2003 - DC/UFC
Camilo Almendra
 
Introdução de Kanban para Equipes Scrum
Introdução de Kanban para Equipes ScrumIntrodução de Kanban para Equipes Scrum
Introdução de Kanban para Equipes Scrum
Camilo Almendra
 
Verificação, Validação e Teste de Software
Verificação, Validação e Teste de SoftwareVerificação, Validação e Teste de Software
Verificação, Validação e Teste de Software
Camilo Almendra
 
Introdução a Gerência de Configuração de Software
Introdução a Gerência de Configuração de SoftwareIntrodução a Gerência de Configuração de Software
Introdução a Gerência de Configuração de Software
Camilo Almendra
 

Mais de Camilo Almendra (14)

NPI - Palestra WTISC 2015 - UFC Quixadá
NPI - Palestra WTISC 2015 - UFC QuixadáNPI - Palestra WTISC 2015 - UFC Quixadá
NPI - Palestra WTISC 2015 - UFC Quixadá
 
Seminário - Estudos Empíricos em Engenharia de Software - RE@Quixadá
Seminário - Estudos Empíricos em Engenharia de Software - RE@QuixadáSeminário - Estudos Empíricos em Engenharia de Software - RE@Quixadá
Seminário - Estudos Empíricos em Engenharia de Software - RE@Quixadá
 
Estágio Supervisionado e NPI - UFC Quixadá
Estágio Supervisionado e NPI - UFC QuixadáEstágio Supervisionado e NPI - UFC Quixadá
Estágio Supervisionado e NPI - UFC Quixadá
 
Gestão de Projetos de TI em Empresas
Gestão de Projetos de TI em EmpresasGestão de Projetos de TI em Empresas
Gestão de Projetos de TI em Empresas
 
Empreendedorismo: Tendências na Internet
Empreendedorismo: Tendências na InternetEmpreendedorismo: Tendências na Internet
Empreendedorismo: Tendências na Internet
 
Relato Experiência Taxonomia SOLO
Relato Experiência Taxonomia SOLORelato Experiência Taxonomia SOLO
Relato Experiência Taxonomia SOLO
 
Trabalho em Equipe
Trabalho em EquipeTrabalho em Equipe
Trabalho em Equipe
 
Introdução a Gestão de Projetos
Introdução a Gestão de ProjetosIntrodução a Gestão de Projetos
Introdução a Gestão de Projetos
 
Das Fábricas aos Time Auto-organizados
Das Fábricas aos Time Auto-organizadosDas Fábricas aos Time Auto-organizados
Das Fábricas aos Time Auto-organizados
 
Introdução à Iniciação de Projetos de Software
Introdução à Iniciação de Projetos de SoftwareIntrodução à Iniciação de Projetos de Software
Introdução à Iniciação de Projetos de Software
 
Dissertação - Janeiro/2003 - DC/UFC
Dissertação - Janeiro/2003 - DC/UFCDissertação - Janeiro/2003 - DC/UFC
Dissertação - Janeiro/2003 - DC/UFC
 
Introdução de Kanban para Equipes Scrum
Introdução de Kanban para Equipes ScrumIntrodução de Kanban para Equipes Scrum
Introdução de Kanban para Equipes Scrum
 
Verificação, Validação e Teste de Software
Verificação, Validação e Teste de SoftwareVerificação, Validação e Teste de Software
Verificação, Validação e Teste de Software
 
Introdução a Gerência de Configuração de Software
Introdução a Gerência de Configuração de SoftwareIntrodução a Gerência de Configuração de Software
Introdução a Gerência de Configuração de Software
 

Último

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
Momento da Informática
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
2m Assessoria
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 

Último (10)

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 

Workshop de Requisitos

  • 1. Workshop de Requisitos 2011 31/Jan e 01/Fev Campus da UFC em Quixadá Prof. Camilo Almendra
  • 2. Observações • Regra – Proibido uso de notebook • Horários – 31/Jan e 01/Fev – 08:30h às 11:30h – Intervalo de 10 min por volta de 10:00h • Certificados – Disponíveis na 1ª semana de aula – Atividade complementar (8 horas) – Apenas para quem compareceu aos dois dias
  • 6. Requisitos de software são... um problema de COMUNICAÇÃO
  • 7. O que são Requisitos? (BABoK 2.0) • Uma condição ou capacidade necessitada por um stakeholder para resolver um problema ou alcançar um objetivo; • Uma condição ou capacidade que deve ser atendida por uma solução (ou parte dela) para satisfazer um contrato, padrão, especificação, ou documento formal; • Um documento representando a condição ou capacidade citadas anteriormente. Ajudou em alguma coisa essa definição?
  • 8. Tipos de Requisitos (BABoK 2.0) Requisitos de Metas, Objetivos e Necessidades da Negócio Empresa Requisitos de Necessidades de [um grupo de] Stakeholder stakeholders Requisitos de Características de uma solução para Solução atender RN e RS
  • 9. Requisitos da Solução (BABok 2.0) Requisitos Requisitos Não- Funcionais Funcionais Características da Condições ambientais de operação solução descritas em + termos de Atributos de qualidades que devem comportamento estar presentes na solução
  • 10. Requisitos e Engenharia de Software Atividades Fundamentais Projeto e Especificação Implementação Evolução/ Validação Manutenção
  • 11. Requisitos e o RUP Analista de Negócios
  • 12. Requisitos e o Scrum Dono do Produto
  • 13. Requisitos e o XP Cliente Presente
  • 14. Facilitador (!= Intermediário) Interessados Analista de Negócios Dono do Produto Equipe Patrocinadores Cliente Usuários Presente
  • 15. Análise de Negócios Modelagem Engenharia de Negócios de Requisitos Para ajudar a definir uma Entendendo o Entendendo o Negócio Usuário Solução para um Problema de Busca da Busca do Negócio Simplificação Detalhamento [BABok] Foco no Domínio Foco no Sistema
  • 16. Conversando 1. Negócio •Por quê? 2. Estrutura 3. Processos •Quem/ o quê? •Quando? •Quanto? •Como? •Onde?
  • 17. As 6 perguntas (6 W’s) • Negócios – Por quê esse negócio/projeto/sistema é importante? • Estrutura – Quem está envolvido? – Quantos recursos e pessoas? – Onde será usado? • Processos – Quando é usado? – Como.... MAIS DÍFICIL
  • 18. Prática #2 Por quê?
  • 19. Conversando com os clientes/usuários • Entrevista – Tradicional técnica de “coleta” – Estruturada ou não... • ... o importante é deixar que histórias sejam contadas – Bom uso: • Iniciar contatos e apresentações entre equipe e clientes/usuários • Estabelecer a visão geral do problema – Mau uso: • Ser a única forma de coleta de requisitos • Ser usada para “tirar pedidos” • Enviar o/a Analista SOZINHO
  • 20. Prática #4 • Perda na tradução Dono do Produto Analista Analista Equipe
  • 21. Conversando com os clientes/usuários • Sessões de Prototipação
  • 22. Conversando com clientes/usuários • Prototipação Online
  • 23. Conversando com clientes/usuários Observação Direta
  • 26. Gestão de Requisitos... • ... ou de Conhecimento?
  • 28. Próximo dia • Recolher resultado do brainstorming
  • 30. Qualidade dos Bons Requisitos • Completo • Correto • Viável • Necessário • Priorizado • Não ambíguo • Verificável
  • 31. Conversando com clientes e usuários • Brainstorm (“Tóro de Palpites”) – Estimula o pensamento criativo sobre um problema – Aproveita a experiência e criatividade de todos os participantes – Vantagens: • Liberdade, exagero, conexões livres – Desvantagens: • Perda de foco, depende do entusiasmo dos participantes – É uma técnica. Não é bagunça! Preparação Sessão Análise
  • 32. Prática #3 • Preparação Brainstorm – Problema: • Gerenciar eventos – Foco da sessão: • Quais funções o sistema precisa apresentar para suportar as necessidades de Organizadores e Participantes? – 1 ou 2 escribas por equipe • Sessão – 15 minutos – Regras: • Não julgue, tudo é válido • Melhore a idéia do colega do lado • Quantidade! Muitas idéias!
  • 33. Conversando com clientes e usuários • Análise do Brainstorm (prática na parte 2) • 6 chapéus do pensamento – Branco • Fatos, números, objetividade – Vermelho • Emoções, sentimentos, INTUIÇÃO – Preto • Falhas, barreiras, incompatibilidade – Amarelo • Positivo, benefícios, compatibilidade – Verde • Criatividade, provocação, investigação (“sessão”) – Azul • Pensamento sobre o pensamento, organização, condução
  • 34. Prática #5 • Análise do Brainstorm da parte 1 • 6 chapéus do pensamento (5 minutos/ chapéu) – Branco • Fatos, números, objetividade – Vermelho • Emoções, sentimentos, INTUIÇÃO – Preto • Falhas, barreiras, incompatibilidade – Amarelo • Positivo, benefícios, compatibilidade – Verde • Criatividade, provocação, investigação (“sessão”) – Azul • Pensamento sobre o pensamento, organização, condução
  • 35. Como a solução será usada? Objetivo de ... Passos ... Negócio Ator/Usuário Cenário / Caso de Uso / Estória / ...
  • 36. Atores... Pessoas? • Tipos de Atores – Humano, Sistema, Tempo, Agente, Mago • Pessoas – As mais complexas, sem dúvida!
  • 37. Quem? • Quais são os clientes da solução? • Quais são os usuários? – É possível para falar com todos? – São muitos? – E se for um produto novo? • Modelagem de Papéis de Usuário – Brainstorm – Organização – Consolidação – Refinar
  • 38. Brainstorming • Um papel é um usuário Organização • Quais papéis possuem interseção? Consolidação • 100% de interseção = 1 papel de usuário • Parcial = generalização/ especialização Refinamento • Atributos, fatos, dados, informações
  • 39. Personas • Representação imaginária para um papel – Papel que represente muitos usuários – Múltiplas personas para mesmo papel • Cada persona... – possui um nome – uma foto (!) – e descrição de hábitos, motivações, expectativas, objetivos. • Equipe deve sentir que “conhece” as personas • Baseado em dados quantitativos e qualitativos – Apesar de ser uma técnica bem subjetiva
  • 40. Prática #6 • Foco: – Sistema Gerenciador de Eventos • Questões: FOTO – Quais usuários? – Quais papéis? – Quais atributos?
  • 41. Caso de Uso “Um caso de uso captura um contrato entre os stakeholders de um sistema, relativo ao seu comportamento. O caso de uso descreve o comportamento do sistema sob diversas condições, na medida em que o sistema responde a requisições de um dos stakeholders, chamado ator primário.” Alistair Cockburn Writing Effective Use Cases, 2001
  • 42. Caso de Uso • Casos de uso são puro COMPORTAMENTO – Casos de uso não dizem COMO, dizem apenas O QUÊ o sistema faz • Ferramenta poderosa – Linguagem natural = flexibilidade – Pode ser usado para modelar processos de negócios, projeto de sistema, requisitos funcionais – Tanto de maneira casual como formal
  • 43. Caso de uso - Níveis NEGÓCIO/SOLUÇÃO USUÁRIO SUBFUNÇÕES
  • 44. Modelo de Caso de Uso • Após identificação inicial de casos de uso • Identificar relacionamentos entre casos de uso – Facilita entendimento – Facilita reuso e manutenção • 3 tipos de relacionamentos – <includes> – <extends> – <inherits>
  • 45. Modelo de Caso de Uso • Relação de Inclusão – Uma parte de um caso de uso base pode ser encapsulada como um caso de uso adicional, e o caso de uso base somente depende do resultado do adicional Caso de Uso Base inclui Caso de Uso Adicional
  • 46. Modelo de Caso de Uso • Relação de Extensão – Uma parte de um caso de uso base é opcional ou não- importante para o entendimento do principal objetivo, sendo assim encapsulada em um caso de uso adicional Caso de Uso Adicional estende Caso de Uso Base
  • 47. Modelo de Caso de Uso • Relação de Herança – Casos de uso que compartilham comportamento comum, estrutura ou objetivo Caso de Uso Filho herda Caso de Uso Pai
  • 48. Estrutura básica • Ator – Usuário/stakeholder que executa a funcionalidade • Objetivo (título) – O que o ator vai alcançar ao executar esse caso de uso • Fluxo principal – Passos principais para executar a funcionalidade • Fluxo alternativo – Exceções que podem ocorrer no fluxo principal • Pré-condições – Condições obrigatórias para que o caso de uso seja executado • Pós-condições – Condições esperadas após a execução com êxito do caso de uso
  • 49. Prática #7 • Escrever 1 (um) caso de uso – Pode englobar vários itens dos requisitos • Desenvolver as especificações básicas
  • 50. O que são Estórias? Estória de Usuário Descrição Conversas Confirmações (Cartões) Planejamento Documentar Detalhes Expor Detalhes Lembrete Definir o “Pronto”
  • 52. Como funciona? representa Requisitos Cartão do Cliente Conversas Confirmações
  • 53. Foco
  • 54. Características I npendente N egociável V aliosa E stimável S mall (pequena) T estável
  • 55. Como um <PERFIL> QUEM? eu quero/devo/posso <FUNCIONALIDADE> O QUE? para <OBJETIVO DE POR QUE? NEGÓCIO>
  • 56. Prática #8 • Parte 1: Cartões (Descrição da Estória de Usuário) Blá blá blá blá blé blu blo lorem ipsum
  • 57. Conversas • Notas importantes • Ajudam a definir os limites da estória • Sem exagero de detalhes Um cliente pode fechar o pedido Um cliente pode fechar o pedido pagando com cartão de crédito pagando com cartão de crédito Nota: aceitar MasterCard, Visa, Nota: aceitar MasterCard, Visa, Hipercard; Débito e Crédito. Hipercard; Débito e Crédito; Aceitar parcelamento em até 12x (se compra acima de R$100 ,00); Sistema guarda número cartão para uso futuro; Compras acima de R$200,00, pedir (...)
  • 58. Prática #9 • Parte 2: Conversas Conversa: • Lorem •Ip´sum •Sei-que lá •Não esquecer
  • 59. Confirmações • Como o sistema será avaliado pelo cliente • Critérios de aceitação da entrega Um cliente pode fechar o pedido pagando com cartão de crédito Nota: aceitar MasterCard, Visa, Hipercard; Débito e Crédito. Testes: • Usar Visa, MasterCard e Hipercard (ok) • Usar American Express (falha) • Entrar c/ números de cartões inválidos ou incompletos (falha) • Entrar com cartões expirados • Valores de compra distintos, incluindo valor acima do limite do cartão
  • 60. Prática #10 • Parte 3: Confirmações Testes: • Lorem •Ip´sum •Sei-que lá •Não esquecer
  • 62. Hipóteses, não axiomas • Axioma – “um axioma ou postulado é uma sentença ou proposição que não é provada ou demonstrada e é considerada como óbvia ou como um consenso” • Hipótese – “é uma formulação provisória, com intenções de ser posteriormente demonstrada ou verificada, constituindo uma suposição admissível” • Requisitos não são axiomas! • Requisitos são meras hipóteses até que sejam testados!
  • 63. Dinâmica • Cuidado com sua linguagem!
  • 64. Espero que você tenha aprendido que... • Não se deve confiar demais em um documento – mesmo que você seja o próprio autor • O foco é em Software rodando – requisitos são apenas um meio • Que qualquer software faz parte de um ecossistema complexo – de pessoas, processos, outros sistemas • Requisitos tem tudo a ver com comunicação e gestão de conhecimento • Que você ainda tem muito a aprender sobre isso!
  • 65. Uma pequena ação Que pequena ação (coisa) você pode se comprometer a fazer? Algo que você possa fazer hoje mesmo? Escreva no cartão (para si mesmo)!
  • 66. Referências Principais User Stories Applied, Mike Cohn Subject to Change: creating great products and services, Adaptive Path Engenharia de Software, Ian Sommerville Escrevendo Casos de Uso Eficazes, Alistair Cockburn A Guide to the BABoK 2.0, IIBA (breve em português)
  • 67. Até a próxima... • Obrigado! • Licença