SlideShare uma empresa Scribd logo
Eu ouço e me esqueço.
Eu vejo e relembro.
Eu faço e compreendo.


            Confúncio
AT07 – Professor, Pesquisador, Animador e Mágico




    Tema da sessão:


         Relato de Experiência na Aplicação
              da Taxonomia SOLO no
             Planejamento de Disciplina


                Prof. Camilo Almendra
                 camilo.almendra@ufc.br
25/Abril/2012
Objetivos
●   Ao final dessa apresentação, os participantes
    serão capazes de:
    ●   Avaliar seus objetivos de disciplinas segundo a
        taxonomia SOLO
    ●   Descrever o processo básico de implementação da
        taxonomia em uma disciplina
Agenda
●   Parte 1
    ●   Motivação
    ●   Taxonomia SOLO
●   Parte 2
    ●   Processo de Implementação
    ●   Relato de Experiência
Mas o quê está errado?
Curta metragem: http://www.daimi.au.dk/~brabrand/short-film/
Qualquer semelhança com nomes,
pessoas ou acontecimentos reais
  terá sido mera coincidência...
             ou não?
Exercício: Quais as mensagens principais do filme?
Minha realidade perspectiva
●   Alunos sem hábito de leitura
●   Falta curiosidade
●   Falta persistência
●   Aulas ”não rendem”
●   Alunos não respondem o que espero nas
    provas
●   ”Dispersos...”
Perspectiva deles
●   ”Tem uma lista de exercícios para a prova?”
●   ”A prova é igual a lista?”
●   ”Tem esse livro em pdf?”
●   ”Coloca umas questões de concurso!”
●   ”Professor, não dá para aceitar nada nessa
    questão?”
●   ”Aula chata... opa, alguém curtiu no Facebook!”
O que está acontecendo?
Opinião: http://www.youtube.com/watch?v=kkWxtMFWqZw




Século 20
                                   Século 21
Fato
●   Éramos, na maioria, Susans. Agora somos, na
    maioria, Roberts
●   Mudaram as pessoas, ou outras pessoas
    tiveram acesso ao ensino superior?
    ●   Essa apresentação não busca identificar a causa
●   O fato é que dentro da Universidade, temos um
    novo aluno
    ●   O que vamos fazer?
Exercício:



 O que é bom ensino?


 What is good teaching?
Mudança de Foco




O quê o professor faz
   não é mais tão
                        O quê o aluno
     relevante.         está fazendo?
  O aluno não está
 prestando atenção
      mesmo...
Mudança de Foco
          CONTEÚDO                 COMPETÊNCIA
●   Foco no Conteúdo
●   Exemplo:
     Objetivos:
      –   Requisitos funcionais e não-funcionais
      –   Casos de usos
      –   Estórias de usuário
      –   Gestão de mudanças
      –   Modelagem de processos

                                         Problemas?
Problema #1
            ”Conteúdo” como ”Objetivo”
                                                       Definir requisito funcional,
Analisar requisitos do
                                                        Descrever partes de um
 sistema, Categorizar,
                                                       Caso de uso, Descrever as
Identificar conflitos, ...
                                                         etapas da gestão de ...




                             Compreender:
                             ●   Requisitos funcionais e não-
                                 funcionais
                             ●   Casos de usos
                             ●   Estórias de usuário
                             ●   Gestão de mudanças
                             ●   Modelagem de processos
Problema #2
       ”Compreender” como ”Objetivo”


Muito difícil de avaliar!


                Compreender:
                 ●




                 ●
                     Requisitos funcionais e não-
                     funcionais
                     Casos de usos
                                                    ?
                 ●   Estórias de usuário
                 ●   Gestão de mudanças
                 ●   Modelagem de processos
Mudança de Foco
                CONTEÚDO                       COMPETÊNCIA
●   Foco na Competência
    ●   competencia = conhecimento + capacidade_de_agir;
●   Alunos fazem algo e então o produto ou processo é
    observado (avaliado)
●   Exemplo:
        Objetivos:
         –   Classificar requisitos de sistema em funcionais e não-funcionais
         –   Avaliar atributos de qualidade de requisitos
         –   Construir casos de usos                              Compreender é
         –   Construir estórias de usuário                           pré-requisito!
         –   Aplicar controle de mudanças
         –   Comparar métodos de modelagem de processos
Taxonomia SOLO
●   SOLO - Structured Observed Learning Outcomes
    ●   Ações de aluno indicadas através de verbos
    ●   Resultados esperados = elaborados pelo professor
●   ILO – Intended Learning Outcomes
    ●   Objetivos de aprendizado formulados: Verbo + Substantivo
●   Níveis e ações comuns
    ●   SOLO 2 (mono-estrutural)
        –   definir, citar, identificar, nomear, ...
    ●   SOLO 3 (multi-estrutural)
        –   combinar, descrever, classificar, aplicar método, ...
    ●   SOLO 4 (relacional)
        –   analisar, comparar, integrar, explicar causas, ...
    ●   SOLO 5 (abstração extendida)
        –   teorizar, generalizar, prever, julgar, refletir, ...
Teaching Teaching &
       Understanding Understanding
  ●   Mais informações
      sobre a Taxonomia SOLO




                                            Livro ”Teaching for Quality Learning
                                                     at University ” http://amzn.to/HYWU60

Link: http://www.itu.dk/~brabrand/Teaching-Learning-UFPE-2010.ppt
Processo de Implementação
                                                     Formas de
                                                      Avaliação


                    Operacionalize           Incentivo ao aprendizado
 Objetivos
                          e
  Gerais
                      Formule
 do Curso
                        ILOs
                                              Suporte ao aprendizado
O que os alunos     O que os alunos
aprendem a FAZER?   aprendem a FAZER
                    em relação a cada item
                                                     Formas de
                    da ementa?                         Ensino
Relato: Disciplina ”Requisitos de
               Software”
●   Competências chave
                                                Objetivos
                                                 Gerais
                                                do Curso




     Elicitar e especificar requisitos de sistemas novos
        ou legados em vários domínios de aplicação


    Planejar e executar o ciclo de vida dos requisitos em
                   um projeto de software
Relato: Disciplina ”Requisitos de
               Software”
●   ”Filosofia” Geral
     ●   Conceitos e teorias são PILARES para o trabalho na
         área de Requisitos
     ●   Para a construção de PRODUTOS e artefatos, é
         necessário compreensão dos PILARES
     ●   Com a compreensão do trabalho necessário para a
         fabricação de PRODUTOS, é possível desenhar ou
         adotar PROCESSOS
     ●   PROCESSOS guiam a construção de PRODUTOS
         que aderem a critérios de qualidade definidos nos
         PILARES
Relato: Disciplina ”Requisitos de
           Software”


    Elicitar e especificar requisitos de sistemas
     novos ou legados em vários domínios de
                       aplicação


  Planejar e executar o ciclo de vida dos requisitos
              em um projeto de software




  PILARES           PRODUTOS          PROCESSOS
Relato: Disciplina ”Requisitos de
               Software”      Operacionalize
                                  e Formule ILOs
●   Ementa original! :(
Relato: Disciplina ”Requisitos de
               Software”      Operacionalize
●   Organização da ementa                                                              e Formule ILOs
●   Assunto de ”Especificação Formal de Software”
    ●   Princípios de modelagem como decomposição e abstração. Pré e pós condições. Invariantes. Visão
        geral de modelos matemáticos e linguagens de especificação como Z, VDM, NFR e GORE.
        Interpretação de modelos (sintaxe e semântica).
●   Assunto de ”Fundamentos de Banco de Dados”
    ●   Modelagem de informações (modelo entidade-relacionamento e diagrama de classes).
●   Assunto de ”Modelagem e Analise de Sistemas”
    ●   Modelagem de comportamento (diagramas de estados, diagramas de casos de uso, diagramas de
        interação). Modelagem de estrutura (arquitetura). Modelagem de domínio. Modelagem funcional.
●   Agora sim, ”Requisitos”
    ●   Fundamentos como completitude, consistência, robustez, análise estática, simulação, verificação de
        modelos, segurança, safety, usabilidade, desempenho, análise de causa/efeito, priorização, análise de
        impacto, rastreabilidade. Definição de requisitos de produto, projeto, restrições, fronteiras de um
        sistema. Processo de requisitos. Níveis de requisitos (necessidades, objetivos, requisitos dos usuários,
        requisitos de sistema, requisitos de software. Características de requisitos (testáveis, verificáveis e
        outras). Interação entre requisitos e arquitetura. Fontes e técnicas de elicitação. Documentação de
        requisitos (normas, tipos, audiência, estrutura, qualidade). Especificação de requisitos. Revisões e
        inspeções. Construção de protótipos para validar requisitos. Relação com testes de aceitação.
        Gerência de requisitos. Modelagem de processos de negócios. Padrões de análise.
Relato: Disciplina ”Requisitos de
               Software”      Operacionalize
●   Grupo ”Pilares”                                                      e Formule ILOs
     ●   Definição de requisitos de produto, projeto, restrições,
         fronteiras de um sistema. Níveis de requisitos (necessidades, objetivos, requisitos dos
         usuários, requisitos de sistema). Fontes e técnicas de elicitação. Atributos de
         qualidade (Completitude, consistência, robustez, FURPS, SMART). Características de
         requisitos (testáveis, verificáveis e outras). Tipos ( segurança, safety, usabilidade,
         desempenho).
●   Grupo ”Produtos”
     ●   Especificação de requisitos. Documentação de requisitos (normas, tipos, audiência,
         estrutura, qualidade).
●   Grupo ”Processo”
     ●   Processo de requisitos. Gerência de requisitos. Modelagem de processos de
         negócios. Construção de protótipos para validar requisitos. Relação com testes de
         aceitação.
●   Grupo ”???”
     ●   Processos fundamentais (análise estática, simulação, verificação de modelos, análise
         de causa/efeito, priorização, análise de impacto, rastreabilidade). Padrões de análise.
         Interação entre requisitos e arquitetura. Revisões e inspeções.
Relato: Disciplina ”Requisitos de
            Software”      Operacionalize
Intented Learning Outcomes                        e Formule ILOs

Avaliar atributos de qualidade de requisitos;   SOLO 4 (ou 5)

Elaborar e Categorizar requisitos em diferentes SOLO 3
 níveis de abstração;

Aplicar técnicas de elicitação apropriadas ao   SOLO 4
 contexto;

Especificar requisitos em forma de casos de     SOLO 3
 uso e estórias de usuário;

Modelar processos de negócio;                   SOLO 3

Gerenciar mudanças em requisitos.               SOLO 4 (ou 5)
Processo de Implementação
                                                     Formas de
                                                      Avaliação


                    Operacionalize           Incentivo ao aprendizado
 Objetivos
                          e
  Gerais
                      Formule
 do Curso
                        ILOs
                                              Suporte ao aprendizado
O que os alunos     O que os alunos
aprendem a FAZER?   aprendem a FAZER
                    em relação a cada item
                                                     Formas de
                    da ementa?                         Ensino
Ex: ILO ”Elaborar e Categorizar requisitos
           em diferentes níveis”
●   Pilares
    ●   Stakeholders e suas diferentes necessidades
    ●   Requisitos e seus níveis de abstração (negócio,
        stakeholder, solução)
●   Produtos
    ●   Lista de requisitos funcionais e não-funcionais
    ●   Categorizados por tipo de stakeholder
●   Processos
    ●   Identificação de stakeholders
    ●   Levantamento de requisitos
Ex: ILO ”Elaborar e Categorizar requisitos
           em diferentes níveis”
●   Suporte ao Aprendizado
    ●   Uso de domínio conhecido (Aplicações móveis, Sistemas
        acadêmicos)
        –   Exemplos fabricados
    ●   Práticas de levantamento de requisitos
        –   Geração de material autêntico
    ●   Prática de categorização dos requisitos
        –   Em cima de exemplos didáticos e do material autêntico gerado
        –   Leitura do material didático era indispensável para a prática
●   Incentivo ao Aprendizado
    ●   Mesma prática solicitado em exame
    ●   Domínios diferentes, mas conhecidos (Venda de Passagens
        Aéres e Automação Bancária)
Ex: ILO ”Elaborar e Categorizar requisitos
           em diferentes níveis”
●   Observações após 1º exame
    ●   Alunos reclamaram de ”falta de questões sobre conceitos”
    ●   Dificuldades para redigir os requisitos de acordo com cada
        perspectiva (negócio, stakeholder, usuário)
         –   Mais prática de redação ou falta de entendimento do domínio?
    ●   Sem dificuldade para explicar os conceitos
    ●   Sem dificuldade de classificar requisitos já escritos
●   Oportunidades de aprendizado (não planejadas)
    ●   Demonstrar a dificuldade de se trabalhar com novo domínio
    ●   Demonstrar a dificuldade de redação técnica
Inspiração para Ativação
●   Sua experiência prática!
●   Iniciativas de Educação a Distância
    ●   saas-class.org, db-class.com, coursera.org
    ●   Muitos exemplos de ativação (exercícios, testes)
●   Relatos de aplicação de PBL (Problem-based Learning)
    ●   http://bit.ly/HVctJL
●   Design & Teach a Course (Carnegie Mellon)
    ●   http://www.cmu.edu/teaching/designteach/design/index.html
●   Casos curiosos
    ●   Meu mentiroso favorito - http://www.zenmoments.org/my-favorite-liar/
    ●   Teste Primeiro - http://testfirst.org/
Pontos em Aberto
●   Difícil planejar atividades de nível intermediário
    ●   SOLO 2 é natural, material didático em abundância
    ●   SOLO 5 é o PBL, Projetos Finais
    ●   Mas, e o meio do campo?
●   Tempo necessário para avaliação de atividades e exames
●   Qual é a Filosofia Geral de Engenharia de Software?
●   Como aplicar uma mudança com alunos e docentes ”viciados”?
●   Como estender essa mudança para o nível de graduação ou unidade
    acadêmica?
●   Materiais ”didáticos” muito informativos, mas pouco interativos
●   Avaliação de curso
    ●   ILOs podem não ser facilmente relacionados com ementa
    ●   ENADE focado em conteúdo e não em competências
●   Você tem pontos em aberto a sugerir?
Objetivos

          ●   Ao final dessa apresentação, os
              participantes serão capazes de:
SOLO 5        ●   Avaliar seus objetivos de disciplinas
                  segundo a taxonomia SOLO
              ●   Descrever o processo básico de
SOLO 2            implementação da taxonomia em uma
                  disciplina




          Objetivos Atingidos?
         Resultados Observados?
Obrigado!
●   AT07 – Professor, Pesquisador, Animador e Mágico
    ●   Coordenação: Prof. Arthur Callado (arthur@ufc.br)
●   Contato
    ●   http://groups.google.com/group/ppam-l
    ●   http://www.casa.ufc.br
●   Link para essa apresentação
    ●   http://www.slideshare.net/ccalmendra


                      Prof. Camilo Almendra
                     (camilo.almendra@ufc.br)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Taxonomia de bloom2 revisado
Taxonomia de bloom2 revisadoTaxonomia de bloom2 revisado
Taxonomia de bloom2 revisado
louisacarla
 
Programa de Atividades - Taxonomias Benjamim Bloom
Programa de Atividades - Taxonomias Benjamim BloomPrograma de Atividades - Taxonomias Benjamim Bloom
Programa de Atividades - Taxonomias Benjamim Bloom
Editora Moderna
 
DomíNios De Aprendizagem E Taxonomia
DomíNios De Aprendizagem E TaxonomiaDomíNios De Aprendizagem E Taxonomia
DomíNios De Aprendizagem E Taxonomia
UESB
 
Tax bloom simples
Tax bloom   simplesTax bloom   simples
Tax bloom simples
Silvia Fleming
 
Pp Da Dri
Pp Da DriPp Da Dri
Guia de-elaboracao-de-itens
Guia de-elaboracao-de-itensGuia de-elaboracao-de-itens
Guia de-elaboracao-de-itens
Atividades Diversas Cláudia
 
Slides matrizes de competências e habilidades 1
Slides matrizes de competências e habilidades 1Slides matrizes de competências e habilidades 1
Slides matrizes de competências e habilidades 1
Dianaricardo28
 
Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02
Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02
Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02
Jhosyrene Oliveira
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
thayselm
 
Apontamentos sobre a taxonomia de bloom revisada
Apontamentos sobre a taxonomia de bloom revisadaApontamentos sobre a taxonomia de bloom revisada
Apontamentos sobre a taxonomia de bloom revisada
Maria Angélica Zanotto
 
Taxonomia de Bloom
Taxonomia de BloomTaxonomia de Bloom
Taxonomia de Bloom
lamtirufrr
 
Manual de elaboração de itens
Manual de elaboração de itensManual de elaboração de itens
Manual de elaboração de itens
RitaMuniz9
 
Conceitos taxonomia de bloom
Conceitos taxonomia de bloomConceitos taxonomia de bloom
Conceitos taxonomia de bloom
Rita André
 
OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...
OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...
OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...
ANGRAD
 
Planejamento e PPP 4
Planejamento e PPP 4Planejamento e PPP 4
Planejamento e PPP 4
Gabriel Nabuco
 
[Módulo 5] Tema: Didática - Objetivos e Avaliação
[Módulo 5] Tema: Didática - Objetivos e Avaliação[Módulo 5] Tema: Didática - Objetivos e Avaliação
[Módulo 5] Tema: Didática - Objetivos e Avaliação
tecnodocencia_ufc
 
Apresentação spaece alterado 2º
Apresentação spaece   alterado 2ºApresentação spaece   alterado 2º
Apresentação spaece alterado 2º
Geraldo Alves Silva Alves
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
Gilmar Machado
 
Taxonomia de Anderson
Taxonomia de AndersonTaxonomia de Anderson
Taxonomia de Anderson
Rosario Cação
 
Slide teoria taxonomia de bloom claudia de oliveira andrade
Slide teoria taxonomia de bloom claudia de oliveira andradeSlide teoria taxonomia de bloom claudia de oliveira andrade
Slide teoria taxonomia de bloom claudia de oliveira andrade
Pedagoga Claudia Oliveira Andrade
 

Mais procurados (20)

Taxonomia de bloom2 revisado
Taxonomia de bloom2 revisadoTaxonomia de bloom2 revisado
Taxonomia de bloom2 revisado
 
Programa de Atividades - Taxonomias Benjamim Bloom
Programa de Atividades - Taxonomias Benjamim BloomPrograma de Atividades - Taxonomias Benjamim Bloom
Programa de Atividades - Taxonomias Benjamim Bloom
 
DomíNios De Aprendizagem E Taxonomia
DomíNios De Aprendizagem E TaxonomiaDomíNios De Aprendizagem E Taxonomia
DomíNios De Aprendizagem E Taxonomia
 
Tax bloom simples
Tax bloom   simplesTax bloom   simples
Tax bloom simples
 
Pp Da Dri
Pp Da DriPp Da Dri
Pp Da Dri
 
Guia de-elaboracao-de-itens
Guia de-elaboracao-de-itensGuia de-elaboracao-de-itens
Guia de-elaboracao-de-itens
 
Slides matrizes de competências e habilidades 1
Slides matrizes de competências e habilidades 1Slides matrizes de competências e habilidades 1
Slides matrizes de competências e habilidades 1
 
Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02
Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02
Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Apontamentos sobre a taxonomia de bloom revisada
Apontamentos sobre a taxonomia de bloom revisadaApontamentos sobre a taxonomia de bloom revisada
Apontamentos sobre a taxonomia de bloom revisada
 
Taxonomia de Bloom
Taxonomia de BloomTaxonomia de Bloom
Taxonomia de Bloom
 
Manual de elaboração de itens
Manual de elaboração de itensManual de elaboração de itens
Manual de elaboração de itens
 
Conceitos taxonomia de bloom
Conceitos taxonomia de bloomConceitos taxonomia de bloom
Conceitos taxonomia de bloom
 
OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...
OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...
OFICINA PEDAGÓGICA II “ESTRATÉGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM NO CURSO DE AD...
 
Planejamento e PPP 4
Planejamento e PPP 4Planejamento e PPP 4
Planejamento e PPP 4
 
[Módulo 5] Tema: Didática - Objetivos e Avaliação
[Módulo 5] Tema: Didática - Objetivos e Avaliação[Módulo 5] Tema: Didática - Objetivos e Avaliação
[Módulo 5] Tema: Didática - Objetivos e Avaliação
 
Apresentação spaece alterado 2º
Apresentação spaece   alterado 2ºApresentação spaece   alterado 2º
Apresentação spaece alterado 2º
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Taxonomia de Anderson
Taxonomia de AndersonTaxonomia de Anderson
Taxonomia de Anderson
 
Slide teoria taxonomia de bloom claudia de oliveira andrade
Slide teoria taxonomia de bloom claudia de oliveira andradeSlide teoria taxonomia de bloom claudia de oliveira andrade
Slide teoria taxonomia de bloom claudia de oliveira andrade
 

Destaque

Ev. de aprendizajes / alineamiento constructivo PPT
Ev. de aprendizajes / alineamiento constructivo PPTEv. de aprendizajes / alineamiento constructivo PPT
Ev. de aprendizajes / alineamiento constructivo PPT
Elizabeth Ruiz
 
Taxonomia de biggs
Taxonomia de biggsTaxonomia de biggs
Taxonomia de biggs
Monserrat Navarro
 
John biggs alineamiento y verbos con anexos imp sólo tablas verbos para dida...
John biggs alineamiento y verbos con anexos imp  sólo tablas verbos para dida...John biggs alineamiento y verbos con anexos imp  sólo tablas verbos para dida...
John biggs alineamiento y verbos con anexos imp sólo tablas verbos para dida...
Universidad del Golfo
 
Taxonomia solo[1]
Taxonomia solo[1]Taxonomia solo[1]
Taxonomia solo[1]
adolfin1969
 
Taxonomia SOLO-EROA
Taxonomia SOLO-EROATaxonomia SOLO-EROA
El alineamiento constructivo
El alineamiento constructivoEl alineamiento constructivo
El alineamiento constructivo
angiesalgado
 
Nunca Te Queixes Do Teu Trabalho
Nunca Te Queixes Do Teu TrabalhoNunca Te Queixes Do Teu Trabalho
Nunca Te Queixes Do Teu Trabalho
Filipe Almeida
 
Os dez mandamentos
Os dez mandamentosOs dez mandamentos
Os dez mandamentos
Vinicio Pacifico
 
Resumen d..
Resumen d..Resumen d..
Resumen d..
Nestor Ley
 
O baile da vida
O baile da vidaO baile da vida
O baile da vida
Maria Gomes
 
Técnicas de Elicitação de Requisitos
Técnicas de Elicitação de RequisitosTécnicas de Elicitação de Requisitos
Técnicas de Elicitação de Requisitos
Noaldo Sales
 
Dojo de Requisitos
Dojo de RequisitosDojo de Requisitos
Dojo de Requisitos
Marcelo Neves
 
Artigo Transp Sw
Artigo Transp SwArtigo Transp Sw
Artigo Transp Sw
transparenciadesoftware
 
Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016
Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016
Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016
Carlos Giovani Rodrigues
 
Engenharia de requisitos para metodos ageis dissertacao
Engenharia de requisitos para metodos ageis   dissertacaoEngenharia de requisitos para metodos ageis   dissertacao
Engenharia de requisitos para metodos ageis dissertacao
tsblackboy
 
Como hospedar seu site
Como hospedar seu siteComo hospedar seu site
Como hospedar seu site
William Silva
 
Relato de experiência da aplicação do SCRUM
Relato de experiência da aplicação do SCRUMRelato de experiência da aplicação do SCRUM
Relato de experiência da aplicação do SCRUM
elifrancis
 
3 unidade eng economica
3 unidade eng economica3 unidade eng economica
3 unidade eng economica
Moises Souza
 
06 Requisitos
06 Requisitos06 Requisitos
06 Requisitos
Waldemar Roberti
 
Smarts and Smarter
Smarts and SmarterSmarts and Smarter
Smarts and Smarter
Morgana Giorgia
 

Destaque (20)

Ev. de aprendizajes / alineamiento constructivo PPT
Ev. de aprendizajes / alineamiento constructivo PPTEv. de aprendizajes / alineamiento constructivo PPT
Ev. de aprendizajes / alineamiento constructivo PPT
 
Taxonomia de biggs
Taxonomia de biggsTaxonomia de biggs
Taxonomia de biggs
 
John biggs alineamiento y verbos con anexos imp sólo tablas verbos para dida...
John biggs alineamiento y verbos con anexos imp  sólo tablas verbos para dida...John biggs alineamiento y verbos con anexos imp  sólo tablas verbos para dida...
John biggs alineamiento y verbos con anexos imp sólo tablas verbos para dida...
 
Taxonomia solo[1]
Taxonomia solo[1]Taxonomia solo[1]
Taxonomia solo[1]
 
Taxonomia SOLO-EROA
Taxonomia SOLO-EROATaxonomia SOLO-EROA
Taxonomia SOLO-EROA
 
El alineamiento constructivo
El alineamiento constructivoEl alineamiento constructivo
El alineamiento constructivo
 
Nunca Te Queixes Do Teu Trabalho
Nunca Te Queixes Do Teu TrabalhoNunca Te Queixes Do Teu Trabalho
Nunca Te Queixes Do Teu Trabalho
 
Os dez mandamentos
Os dez mandamentosOs dez mandamentos
Os dez mandamentos
 
Resumen d..
Resumen d..Resumen d..
Resumen d..
 
O baile da vida
O baile da vidaO baile da vida
O baile da vida
 
Técnicas de Elicitação de Requisitos
Técnicas de Elicitação de RequisitosTécnicas de Elicitação de Requisitos
Técnicas de Elicitação de Requisitos
 
Dojo de Requisitos
Dojo de RequisitosDojo de Requisitos
Dojo de Requisitos
 
Artigo Transp Sw
Artigo Transp SwArtigo Transp Sw
Artigo Transp Sw
 
Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016
Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016
Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016
 
Engenharia de requisitos para metodos ageis dissertacao
Engenharia de requisitos para metodos ageis   dissertacaoEngenharia de requisitos para metodos ageis   dissertacao
Engenharia de requisitos para metodos ageis dissertacao
 
Como hospedar seu site
Como hospedar seu siteComo hospedar seu site
Como hospedar seu site
 
Relato de experiência da aplicação do SCRUM
Relato de experiência da aplicação do SCRUMRelato de experiência da aplicação do SCRUM
Relato de experiência da aplicação do SCRUM
 
3 unidade eng economica
3 unidade eng economica3 unidade eng economica
3 unidade eng economica
 
06 Requisitos
06 Requisitos06 Requisitos
06 Requisitos
 
Smarts and Smarter
Smarts and SmarterSmarts and Smarter
Smarts and Smarter
 

Semelhante a Relato Experiência Taxonomia SOLO

Programa de Aula da Disciplina Administração Estratégica
Programa de Aula da Disciplina Administração EstratégicaPrograma de Aula da Disciplina Administração Estratégica
Programa de Aula da Disciplina Administração Estratégica
LabCEO UFF
 
Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação disciplina gerenciam...
Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação   disciplina gerenciam...Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação   disciplina gerenciam...
Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação disciplina gerenciam...
Fabio Abel
 
Avaliar Para Quê
Avaliar Para QuêAvaliar Para Quê
Avaliar Para Quê
Paula Peres
 
Plano de ensino 2016 adm da produção e operações 1
Plano de ensino 2016 adm da produção e operações 1Plano de ensino 2016 adm da produção e operações 1
Plano de ensino 2016 adm da produção e operações 1
Cristiano Ferreira Cesarino
 
Fundamentos de Gerenciamento de projetos: porque os projetos falham?
Fundamentos de Gerenciamento de projetos: porque os projetos falham?Fundamentos de Gerenciamento de projetos: porque os projetos falham?
Fundamentos de Gerenciamento de projetos: porque os projetos falham?
IMED Virtual
 
322e69d080
322e69d080322e69d080
322e69d080
afermartins
 
Palestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de UsabilidadePalestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de Usabilidade
Luiz Agner
 
Gp aula-12
Gp aula-12Gp aula-12
Gp aula-12
Samuel Fernandes
 
Plano de ensino - Gerência de Projetos
Plano de ensino - Gerência de ProjetosPlano de ensino - Gerência de Projetos
Plano de ensino - Gerência de Projetos
Hélder Lima
 
Workshop de Requisitos
Workshop de RequisitosWorkshop de Requisitos
Workshop de Requisitos
Camilo Almendra
 
Educação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas
Educação, Treinamento e Desenvolvimento de PessoasEducação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas
Educação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas
Sustentare Escola de Negócios
 
Métodos Ágeis - UNIBH - Introdução
Métodos Ágeis - UNIBH - IntroduçãoMétodos Ágeis - UNIBH - Introdução
Métodos Ágeis - UNIBH - Introdução
Joaquim Lopes Júnior
 
Elerning em contexto de Realidade Aumentada
Elerning em contexto de Realidade AumentadaElerning em contexto de Realidade Aumentada
Elerning em contexto de Realidade Aumentada
Carlos Amorim
 
1299158038 objectivos pedagogicos
1299158038 objectivos pedagogicos1299158038 objectivos pedagogicos
1299158038 objectivos pedagogicos
Tarcisio Baptista
 
Gpae geral2011
Gpae geral2011Gpae geral2011
Gpae geral2011
LabCEO UFF
 
Lean Experts Programa 2010
Lean Experts Programa 2010Lean Experts Programa 2010
Lean Experts Programa 2010
Luis Fernandes
 
Módulo 9 - Introdução à Programação Orientada a Objectos
Módulo 9 - Introdução à Programação Orientada a Objectos Módulo 9 - Introdução à Programação Orientada a Objectos
Módulo 9 - Introdução à Programação Orientada a Objectos
Luis Ferreira
 
Planejamento Estratégico Industrial 2010
Planejamento Estratégico Industrial 2010Planejamento Estratégico Industrial 2010
Planejamento Estratégico Industrial 2010
LabCEO UFF
 
Design e projetos_uv
Design e projetos_uvDesign e projetos_uv
Design e projetos_uv
Dênia Falcão de Bittencourt
 
SC - EAD - SL05 - Criação e Desenvolvimeto de Cursos
SC - EAD - SL05 - Criação e Desenvolvimeto de CursosSC - EAD - SL05 - Criação e Desenvolvimeto de Cursos
SC - EAD - SL05 - Criação e Desenvolvimeto de Cursos
UFPB
 

Semelhante a Relato Experiência Taxonomia SOLO (20)

Programa de Aula da Disciplina Administração Estratégica
Programa de Aula da Disciplina Administração EstratégicaPrograma de Aula da Disciplina Administração Estratégica
Programa de Aula da Disciplina Administração Estratégica
 
Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação disciplina gerenciam...
Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação   disciplina gerenciam...Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação   disciplina gerenciam...
Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação disciplina gerenciam...
 
Avaliar Para Quê
Avaliar Para QuêAvaliar Para Quê
Avaliar Para Quê
 
Plano de ensino 2016 adm da produção e operações 1
Plano de ensino 2016 adm da produção e operações 1Plano de ensino 2016 adm da produção e operações 1
Plano de ensino 2016 adm da produção e operações 1
 
Fundamentos de Gerenciamento de projetos: porque os projetos falham?
Fundamentos de Gerenciamento de projetos: porque os projetos falham?Fundamentos de Gerenciamento de projetos: porque os projetos falham?
Fundamentos de Gerenciamento de projetos: porque os projetos falham?
 
322e69d080
322e69d080322e69d080
322e69d080
 
Palestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de UsabilidadePalestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de Usabilidade
 
Gp aula-12
Gp aula-12Gp aula-12
Gp aula-12
 
Plano de ensino - Gerência de Projetos
Plano de ensino - Gerência de ProjetosPlano de ensino - Gerência de Projetos
Plano de ensino - Gerência de Projetos
 
Workshop de Requisitos
Workshop de RequisitosWorkshop de Requisitos
Workshop de Requisitos
 
Educação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas
Educação, Treinamento e Desenvolvimento de PessoasEducação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas
Educação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas
 
Métodos Ágeis - UNIBH - Introdução
Métodos Ágeis - UNIBH - IntroduçãoMétodos Ágeis - UNIBH - Introdução
Métodos Ágeis - UNIBH - Introdução
 
Elerning em contexto de Realidade Aumentada
Elerning em contexto de Realidade AumentadaElerning em contexto de Realidade Aumentada
Elerning em contexto de Realidade Aumentada
 
1299158038 objectivos pedagogicos
1299158038 objectivos pedagogicos1299158038 objectivos pedagogicos
1299158038 objectivos pedagogicos
 
Gpae geral2011
Gpae geral2011Gpae geral2011
Gpae geral2011
 
Lean Experts Programa 2010
Lean Experts Programa 2010Lean Experts Programa 2010
Lean Experts Programa 2010
 
Módulo 9 - Introdução à Programação Orientada a Objectos
Módulo 9 - Introdução à Programação Orientada a Objectos Módulo 9 - Introdução à Programação Orientada a Objectos
Módulo 9 - Introdução à Programação Orientada a Objectos
 
Planejamento Estratégico Industrial 2010
Planejamento Estratégico Industrial 2010Planejamento Estratégico Industrial 2010
Planejamento Estratégico Industrial 2010
 
Design e projetos_uv
Design e projetos_uvDesign e projetos_uv
Design e projetos_uv
 
SC - EAD - SL05 - Criação e Desenvolvimeto de Cursos
SC - EAD - SL05 - Criação e Desenvolvimeto de CursosSC - EAD - SL05 - Criação e Desenvolvimeto de Cursos
SC - EAD - SL05 - Criação e Desenvolvimeto de Cursos
 

Mais de Camilo Almendra

NPI - Palestra WTISC 2015 - UFC Quixadá
NPI - Palestra WTISC 2015 - UFC QuixadáNPI - Palestra WTISC 2015 - UFC Quixadá
NPI - Palestra WTISC 2015 - UFC Quixadá
Camilo Almendra
 
Seminário - Estudos Empíricos em Engenharia de Software - RE@Quixadá
Seminário - Estudos Empíricos em Engenharia de Software - RE@QuixadáSeminário - Estudos Empíricos em Engenharia de Software - RE@Quixadá
Seminário - Estudos Empíricos em Engenharia de Software - RE@Quixadá
Camilo Almendra
 
Estágio Supervisionado e NPI - UFC Quixadá
Estágio Supervisionado e NPI - UFC QuixadáEstágio Supervisionado e NPI - UFC Quixadá
Estágio Supervisionado e NPI - UFC Quixadá
Camilo Almendra
 
Gestão de Projetos de TI em Empresas
Gestão de Projetos de TI em EmpresasGestão de Projetos de TI em Empresas
Gestão de Projetos de TI em Empresas
Camilo Almendra
 
Empreendedorismo: Tendências na Internet
Empreendedorismo: Tendências na InternetEmpreendedorismo: Tendências na Internet
Empreendedorismo: Tendências na Internet
Camilo Almendra
 
Trabalho em Equipe
Trabalho em EquipeTrabalho em Equipe
Trabalho em Equipe
Camilo Almendra
 
Introdução a Gestão de Projetos
Introdução a Gestão de ProjetosIntrodução a Gestão de Projetos
Introdução a Gestão de Projetos
Camilo Almendra
 
Das Fábricas aos Time Auto-organizados
Das Fábricas aos Time Auto-organizadosDas Fábricas aos Time Auto-organizados
Das Fábricas aos Time Auto-organizados
Camilo Almendra
 
Introdução à Iniciação de Projetos de Software
Introdução à Iniciação de Projetos de SoftwareIntrodução à Iniciação de Projetos de Software
Introdução à Iniciação de Projetos de Software
Camilo Almendra
 
Dissertação - Janeiro/2003 - DC/UFC
Dissertação - Janeiro/2003 - DC/UFCDissertação - Janeiro/2003 - DC/UFC
Dissertação - Janeiro/2003 - DC/UFC
Camilo Almendra
 
Introdução de Kanban para Equipes Scrum
Introdução de Kanban para Equipes ScrumIntrodução de Kanban para Equipes Scrum
Introdução de Kanban para Equipes Scrum
Camilo Almendra
 
Verificação, Validação e Teste de Software
Verificação, Validação e Teste de SoftwareVerificação, Validação e Teste de Software
Verificação, Validação e Teste de Software
Camilo Almendra
 
Introdução a Gerência de Configuração de Software
Introdução a Gerência de Configuração de SoftwareIntrodução a Gerência de Configuração de Software
Introdução a Gerência de Configuração de Software
Camilo Almendra
 

Mais de Camilo Almendra (13)

NPI - Palestra WTISC 2015 - UFC Quixadá
NPI - Palestra WTISC 2015 - UFC QuixadáNPI - Palestra WTISC 2015 - UFC Quixadá
NPI - Palestra WTISC 2015 - UFC Quixadá
 
Seminário - Estudos Empíricos em Engenharia de Software - RE@Quixadá
Seminário - Estudos Empíricos em Engenharia de Software - RE@QuixadáSeminário - Estudos Empíricos em Engenharia de Software - RE@Quixadá
Seminário - Estudos Empíricos em Engenharia de Software - RE@Quixadá
 
Estágio Supervisionado e NPI - UFC Quixadá
Estágio Supervisionado e NPI - UFC QuixadáEstágio Supervisionado e NPI - UFC Quixadá
Estágio Supervisionado e NPI - UFC Quixadá
 
Gestão de Projetos de TI em Empresas
Gestão de Projetos de TI em EmpresasGestão de Projetos de TI em Empresas
Gestão de Projetos de TI em Empresas
 
Empreendedorismo: Tendências na Internet
Empreendedorismo: Tendências na InternetEmpreendedorismo: Tendências na Internet
Empreendedorismo: Tendências na Internet
 
Trabalho em Equipe
Trabalho em EquipeTrabalho em Equipe
Trabalho em Equipe
 
Introdução a Gestão de Projetos
Introdução a Gestão de ProjetosIntrodução a Gestão de Projetos
Introdução a Gestão de Projetos
 
Das Fábricas aos Time Auto-organizados
Das Fábricas aos Time Auto-organizadosDas Fábricas aos Time Auto-organizados
Das Fábricas aos Time Auto-organizados
 
Introdução à Iniciação de Projetos de Software
Introdução à Iniciação de Projetos de SoftwareIntrodução à Iniciação de Projetos de Software
Introdução à Iniciação de Projetos de Software
 
Dissertação - Janeiro/2003 - DC/UFC
Dissertação - Janeiro/2003 - DC/UFCDissertação - Janeiro/2003 - DC/UFC
Dissertação - Janeiro/2003 - DC/UFC
 
Introdução de Kanban para Equipes Scrum
Introdução de Kanban para Equipes ScrumIntrodução de Kanban para Equipes Scrum
Introdução de Kanban para Equipes Scrum
 
Verificação, Validação e Teste de Software
Verificação, Validação e Teste de SoftwareVerificação, Validação e Teste de Software
Verificação, Validação e Teste de Software
 
Introdução a Gerência de Configuração de Software
Introdução a Gerência de Configuração de SoftwareIntrodução a Gerência de Configuração de Software
Introdução a Gerência de Configuração de Software
 

Relato Experiência Taxonomia SOLO

  • 1. Eu ouço e me esqueço. Eu vejo e relembro. Eu faço e compreendo. Confúncio
  • 2. AT07 – Professor, Pesquisador, Animador e Mágico Tema da sessão: Relato de Experiência na Aplicação da Taxonomia SOLO no Planejamento de Disciplina Prof. Camilo Almendra camilo.almendra@ufc.br 25/Abril/2012
  • 3. Objetivos ● Ao final dessa apresentação, os participantes serão capazes de: ● Avaliar seus objetivos de disciplinas segundo a taxonomia SOLO ● Descrever o processo básico de implementação da taxonomia em uma disciplina
  • 4. Agenda ● Parte 1 ● Motivação ● Taxonomia SOLO ● Parte 2 ● Processo de Implementação ● Relato de Experiência
  • 5. Mas o quê está errado? Curta metragem: http://www.daimi.au.dk/~brabrand/short-film/
  • 6. Qualquer semelhança com nomes, pessoas ou acontecimentos reais terá sido mera coincidência... ou não? Exercício: Quais as mensagens principais do filme?
  • 7. Minha realidade perspectiva ● Alunos sem hábito de leitura ● Falta curiosidade ● Falta persistência ● Aulas ”não rendem” ● Alunos não respondem o que espero nas provas ● ”Dispersos...”
  • 8. Perspectiva deles ● ”Tem uma lista de exercícios para a prova?” ● ”A prova é igual a lista?” ● ”Tem esse livro em pdf?” ● ”Coloca umas questões de concurso!” ● ”Professor, não dá para aceitar nada nessa questão?” ● ”Aula chata... opa, alguém curtiu no Facebook!”
  • 9. O que está acontecendo? Opinião: http://www.youtube.com/watch?v=kkWxtMFWqZw Século 20 Século 21
  • 10. Fato ● Éramos, na maioria, Susans. Agora somos, na maioria, Roberts ● Mudaram as pessoas, ou outras pessoas tiveram acesso ao ensino superior? ● Essa apresentação não busca identificar a causa ● O fato é que dentro da Universidade, temos um novo aluno ● O que vamos fazer?
  • 11. Exercício: O que é bom ensino? What is good teaching?
  • 12. Mudança de Foco O quê o professor faz não é mais tão O quê o aluno relevante. está fazendo? O aluno não está prestando atenção mesmo...
  • 13. Mudança de Foco CONTEÚDO COMPETÊNCIA ● Foco no Conteúdo ● Exemplo: Objetivos: – Requisitos funcionais e não-funcionais – Casos de usos – Estórias de usuário – Gestão de mudanças – Modelagem de processos Problemas?
  • 14. Problema #1 ”Conteúdo” como ”Objetivo” Definir requisito funcional, Analisar requisitos do Descrever partes de um sistema, Categorizar, Caso de uso, Descrever as Identificar conflitos, ... etapas da gestão de ... Compreender: ● Requisitos funcionais e não- funcionais ● Casos de usos ● Estórias de usuário ● Gestão de mudanças ● Modelagem de processos
  • 15. Problema #2 ”Compreender” como ”Objetivo” Muito difícil de avaliar! Compreender: ● ● Requisitos funcionais e não- funcionais Casos de usos ? ● Estórias de usuário ● Gestão de mudanças ● Modelagem de processos
  • 16. Mudança de Foco CONTEÚDO COMPETÊNCIA ● Foco na Competência ● competencia = conhecimento + capacidade_de_agir; ● Alunos fazem algo e então o produto ou processo é observado (avaliado) ● Exemplo: Objetivos: – Classificar requisitos de sistema em funcionais e não-funcionais – Avaliar atributos de qualidade de requisitos – Construir casos de usos Compreender é – Construir estórias de usuário pré-requisito! – Aplicar controle de mudanças – Comparar métodos de modelagem de processos
  • 17. Taxonomia SOLO ● SOLO - Structured Observed Learning Outcomes ● Ações de aluno indicadas através de verbos ● Resultados esperados = elaborados pelo professor ● ILO – Intended Learning Outcomes ● Objetivos de aprendizado formulados: Verbo + Substantivo ● Níveis e ações comuns ● SOLO 2 (mono-estrutural) – definir, citar, identificar, nomear, ... ● SOLO 3 (multi-estrutural) – combinar, descrever, classificar, aplicar método, ... ● SOLO 4 (relacional) – analisar, comparar, integrar, explicar causas, ... ● SOLO 5 (abstração extendida) – teorizar, generalizar, prever, julgar, refletir, ...
  • 18. Teaching Teaching & Understanding Understanding ● Mais informações sobre a Taxonomia SOLO Livro ”Teaching for Quality Learning at University ” http://amzn.to/HYWU60 Link: http://www.itu.dk/~brabrand/Teaching-Learning-UFPE-2010.ppt
  • 19. Processo de Implementação Formas de Avaliação Operacionalize Incentivo ao aprendizado Objetivos e Gerais Formule do Curso ILOs Suporte ao aprendizado O que os alunos O que os alunos aprendem a FAZER? aprendem a FAZER em relação a cada item Formas de da ementa? Ensino
  • 20. Relato: Disciplina ”Requisitos de Software” ● Competências chave Objetivos Gerais do Curso Elicitar e especificar requisitos de sistemas novos ou legados em vários domínios de aplicação Planejar e executar o ciclo de vida dos requisitos em um projeto de software
  • 21. Relato: Disciplina ”Requisitos de Software” ● ”Filosofia” Geral ● Conceitos e teorias são PILARES para o trabalho na área de Requisitos ● Para a construção de PRODUTOS e artefatos, é necessário compreensão dos PILARES ● Com a compreensão do trabalho necessário para a fabricação de PRODUTOS, é possível desenhar ou adotar PROCESSOS ● PROCESSOS guiam a construção de PRODUTOS que aderem a critérios de qualidade definidos nos PILARES
  • 22. Relato: Disciplina ”Requisitos de Software” Elicitar e especificar requisitos de sistemas novos ou legados em vários domínios de aplicação Planejar e executar o ciclo de vida dos requisitos em um projeto de software PILARES PRODUTOS PROCESSOS
  • 23. Relato: Disciplina ”Requisitos de Software” Operacionalize e Formule ILOs ● Ementa original! :(
  • 24. Relato: Disciplina ”Requisitos de Software” Operacionalize ● Organização da ementa e Formule ILOs ● Assunto de ”Especificação Formal de Software” ● Princípios de modelagem como decomposição e abstração. Pré e pós condições. Invariantes. Visão geral de modelos matemáticos e linguagens de especificação como Z, VDM, NFR e GORE. Interpretação de modelos (sintaxe e semântica). ● Assunto de ”Fundamentos de Banco de Dados” ● Modelagem de informações (modelo entidade-relacionamento e diagrama de classes). ● Assunto de ”Modelagem e Analise de Sistemas” ● Modelagem de comportamento (diagramas de estados, diagramas de casos de uso, diagramas de interação). Modelagem de estrutura (arquitetura). Modelagem de domínio. Modelagem funcional. ● Agora sim, ”Requisitos” ● Fundamentos como completitude, consistência, robustez, análise estática, simulação, verificação de modelos, segurança, safety, usabilidade, desempenho, análise de causa/efeito, priorização, análise de impacto, rastreabilidade. Definição de requisitos de produto, projeto, restrições, fronteiras de um sistema. Processo de requisitos. Níveis de requisitos (necessidades, objetivos, requisitos dos usuários, requisitos de sistema, requisitos de software. Características de requisitos (testáveis, verificáveis e outras). Interação entre requisitos e arquitetura. Fontes e técnicas de elicitação. Documentação de requisitos (normas, tipos, audiência, estrutura, qualidade). Especificação de requisitos. Revisões e inspeções. Construção de protótipos para validar requisitos. Relação com testes de aceitação. Gerência de requisitos. Modelagem de processos de negócios. Padrões de análise.
  • 25. Relato: Disciplina ”Requisitos de Software” Operacionalize ● Grupo ”Pilares” e Formule ILOs ● Definição de requisitos de produto, projeto, restrições, fronteiras de um sistema. Níveis de requisitos (necessidades, objetivos, requisitos dos usuários, requisitos de sistema). Fontes e técnicas de elicitação. Atributos de qualidade (Completitude, consistência, robustez, FURPS, SMART). Características de requisitos (testáveis, verificáveis e outras). Tipos ( segurança, safety, usabilidade, desempenho). ● Grupo ”Produtos” ● Especificação de requisitos. Documentação de requisitos (normas, tipos, audiência, estrutura, qualidade). ● Grupo ”Processo” ● Processo de requisitos. Gerência de requisitos. Modelagem de processos de negócios. Construção de protótipos para validar requisitos. Relação com testes de aceitação. ● Grupo ”???” ● Processos fundamentais (análise estática, simulação, verificação de modelos, análise de causa/efeito, priorização, análise de impacto, rastreabilidade). Padrões de análise. Interação entre requisitos e arquitetura. Revisões e inspeções.
  • 26. Relato: Disciplina ”Requisitos de Software” Operacionalize Intented Learning Outcomes e Formule ILOs Avaliar atributos de qualidade de requisitos; SOLO 4 (ou 5) Elaborar e Categorizar requisitos em diferentes SOLO 3 níveis de abstração; Aplicar técnicas de elicitação apropriadas ao SOLO 4 contexto; Especificar requisitos em forma de casos de SOLO 3 uso e estórias de usuário; Modelar processos de negócio; SOLO 3 Gerenciar mudanças em requisitos. SOLO 4 (ou 5)
  • 27. Processo de Implementação Formas de Avaliação Operacionalize Incentivo ao aprendizado Objetivos e Gerais Formule do Curso ILOs Suporte ao aprendizado O que os alunos O que os alunos aprendem a FAZER? aprendem a FAZER em relação a cada item Formas de da ementa? Ensino
  • 28. Ex: ILO ”Elaborar e Categorizar requisitos em diferentes níveis” ● Pilares ● Stakeholders e suas diferentes necessidades ● Requisitos e seus níveis de abstração (negócio, stakeholder, solução) ● Produtos ● Lista de requisitos funcionais e não-funcionais ● Categorizados por tipo de stakeholder ● Processos ● Identificação de stakeholders ● Levantamento de requisitos
  • 29. Ex: ILO ”Elaborar e Categorizar requisitos em diferentes níveis” ● Suporte ao Aprendizado ● Uso de domínio conhecido (Aplicações móveis, Sistemas acadêmicos) – Exemplos fabricados ● Práticas de levantamento de requisitos – Geração de material autêntico ● Prática de categorização dos requisitos – Em cima de exemplos didáticos e do material autêntico gerado – Leitura do material didático era indispensável para a prática ● Incentivo ao Aprendizado ● Mesma prática solicitado em exame ● Domínios diferentes, mas conhecidos (Venda de Passagens Aéres e Automação Bancária)
  • 30. Ex: ILO ”Elaborar e Categorizar requisitos em diferentes níveis” ● Observações após 1º exame ● Alunos reclamaram de ”falta de questões sobre conceitos” ● Dificuldades para redigir os requisitos de acordo com cada perspectiva (negócio, stakeholder, usuário) – Mais prática de redação ou falta de entendimento do domínio? ● Sem dificuldade para explicar os conceitos ● Sem dificuldade de classificar requisitos já escritos ● Oportunidades de aprendizado (não planejadas) ● Demonstrar a dificuldade de se trabalhar com novo domínio ● Demonstrar a dificuldade de redação técnica
  • 31. Inspiração para Ativação ● Sua experiência prática! ● Iniciativas de Educação a Distância ● saas-class.org, db-class.com, coursera.org ● Muitos exemplos de ativação (exercícios, testes) ● Relatos de aplicação de PBL (Problem-based Learning) ● http://bit.ly/HVctJL ● Design & Teach a Course (Carnegie Mellon) ● http://www.cmu.edu/teaching/designteach/design/index.html ● Casos curiosos ● Meu mentiroso favorito - http://www.zenmoments.org/my-favorite-liar/ ● Teste Primeiro - http://testfirst.org/
  • 32. Pontos em Aberto ● Difícil planejar atividades de nível intermediário ● SOLO 2 é natural, material didático em abundância ● SOLO 5 é o PBL, Projetos Finais ● Mas, e o meio do campo? ● Tempo necessário para avaliação de atividades e exames ● Qual é a Filosofia Geral de Engenharia de Software? ● Como aplicar uma mudança com alunos e docentes ”viciados”? ● Como estender essa mudança para o nível de graduação ou unidade acadêmica? ● Materiais ”didáticos” muito informativos, mas pouco interativos ● Avaliação de curso ● ILOs podem não ser facilmente relacionados com ementa ● ENADE focado em conteúdo e não em competências ● Você tem pontos em aberto a sugerir?
  • 33. Objetivos ● Ao final dessa apresentação, os participantes serão capazes de: SOLO 5 ● Avaliar seus objetivos de disciplinas segundo a taxonomia SOLO ● Descrever o processo básico de SOLO 2 implementação da taxonomia em uma disciplina Objetivos Atingidos? Resultados Observados?
  • 34. Obrigado! ● AT07 – Professor, Pesquisador, Animador e Mágico ● Coordenação: Prof. Arthur Callado (arthur@ufc.br) ● Contato ● http://groups.google.com/group/ppam-l ● http://www.casa.ufc.br ● Link para essa apresentação ● http://www.slideshare.net/ccalmendra Prof. Camilo Almendra (camilo.almendra@ufc.br)