SlideShare uma empresa Scribd logo
XXIII Congresso de Iniciação Científica da UnespMarília, 21 de setembro de 2011Um estudo sobre os componentes do trabalho de autoridadeFabrício Silva AssumpçãoBolsista FAPESPPlácida L. V. A. da C. SantosOrientadora
IntroduçãoA catalogação descritiva tem como um de seus produtos o catálogo, o qual atua como um canal de comunicação entre o acervo e o usuário (MEY, 1995, p. 9).Um dos objetivos do catálogo é permitir que todos os recursos informacionais associados a uma determinada entidade do tipo pessoa, família ou entidade coletiva sejam encontrados (STATEMENT..., 2009, p. 3).
IntroduçãoUm nome, várias entidadesUma entidade, vários nomesDiante da diversidade de pontos de acesso para uma mesma entidade, um usuário do catálogo que possui conhecimento de apenas um dos nomes da entidade pode não conseguir encontrar todos os recursos informacionais que estão associados à entidade por ele desejada, por exemplo, todos os livros de um determinado autor.
IntroduçãoFaz-se necessário reunir e manter controle sobre todos os pontos de acesso que representam uma mesma entidade, assegurando que o usuário encontre todos os recursos associados à entidade desejada ao realizar uma busca utilizando um e somente um dos nomes pelos quais tal entidade é conhecida.Dessa necessidade surgem os conceitos de controle de autoridade (authoritycontrol) e trabalho de autoridade (authoritywork).“O controle de autoridade é alcançado quando os cabeçalhos [pontos de acesso] em um catálogo estão consistentes e quando um mecanismo (o arquivo de autoridade) e políticas de catalogação relacionadas têm sido estabelecidos para assegurar esta consistência” (BURGER, 1985, p. 1, tradução nossa).
IntroduçãoO trabalho de autoridade é definido como um conjunto de no mínimo cinco complexos processos:1. a criação de registros de autoridade (os quais serão utilizados para criar registros bibliográficos autorizados)2. a reunião dos registros em um arquivo de autoridade3. a vinculação do arquivo de autoridade ao arquivo bibliográfico; juntos eles formam um sistema de autoridade4. a manutenção do arquivo e do sistema de autoridade5. a avaliação do arquivo e do sistema (BURGER, 1985, p. 3, tradução nossa).Para a realização do trabalho de autoridade cinco componentes são necessários: pontos de acesso, dados de autoridade, registros de autoridade, arquivos de autoridade e sistemas de autoridade.
ObjetivosNeste trabalho temos como objetivo geral apresentar os componentes presentes nos processos do trabalho de autoridade, mais especificamente, buscamos resgatar na literatura as definições, características e funções dos pontos de acesso, dados, registros, arquivos e sistemas de autoridade.
MetodologiaQuanto ao seu objetivo, a presente pesquisa é descritiva e exploratória.Quanto aos seus procedimentos, a pesquisa é bibliográfica.Foram realizados levantamentos bibliográficos compreendendo livros, artigos de periódicos, teses, dissertações, trabalhos apresentados em eventos, manuais e relatórios técnicos.Os levantamentos bibliográficos foram realizados em acervos de bibliotecas, bases de dados nacionais e internacionais, portais de periódicos e internet, sendo considerados os documentos nos idiomas português, inglês e espanhol, sem limitação cronológica.
Pontos de acesso“Um nome, termo, código, etc. por meio do qual, dados bibliográficos ou de autoridade são procurados e identificados” (STATEMENT..., 2009, p. 9, tradução nossa).
Dados de autoridadeOs dados de autoridade podem ser definidos como a soma de informações sobre uma pessoa, família, entidade coletiva ou obra, cujo nome seja utilizado como base para um ponto de acesso controlado em citações bibliográficas ou em registros bibliográficos de um catálogo de biblioteca ou banco de dados bibliográficos (REQUISITOS..., 2009, p. 9).Shakespeare, William, 1564-1616Shakspeare, WilliamPoeta e dramaturgo inglêsData de nascimento: 1564Data de morte: 1616
Registros de autoridade“Um conjunto de elementos de dados que identifica uma entidade e pode ser utilizado para facilitar o acesso ao ponto de acesso autorizado para tal entidade ou a exibição de qualquer ponto de acesso para a entidade” (STATEMENT, 2009, p. 9, tradução nossa).000 01087cz a2200265n 450001 3746947005 20081025073400.0008 790123n| acannaabn |b aaa010 __ |a n 79005673 |z sh 88006725 |z no 98046177035 __ |a (OCoLC)oca00239830040 __ |a DLC |b eng |c DLC 053 _0 |a PR6039.O32100 1_ |a Tolkien, J. R. R. |q (John Ronald Reuel), |d 1892-1973400 1_ |w nna |a Tolkien, John Ronald Reuel, |d 1892-1973400 1_ |a Tolkin, DzhonRonalʹdRuėl, |d 1892-1973400 1_ |a 톨킨, J. R. R, |d 1892-1973670 __ |a Vlastelinkolet︠s︡, 1992: |b t.p. (DzhonRonalʹdRuėlTolkin) cover (Dzh.R.R. Tolkin)
Registros de autoridadeUm registro de autoridade contém essencialmente um ponto de acesso autorizado, as formas variantes do nome e as fontes utilizadas para o estabelecimento do ponto de acesso autorizado e das formas variantes(CHAN, 1994, p. 23).Um registro de autoridade pode conter também informações de uso para os bibliotecários e para os usuários da biblioteca, mensagens que provem informação adicional para o usuário (por exemplo, notas que auxiliam a busca no catálogo) e informações inapropriadas aos usuários, mas necessárias aos catalogadores (por exemplo, notas justificando a escolha e forma do ponto de acesso autorizado) (MAXWELL, 2002, p. 5).
Arquivos de autoridade“Uma coleção de registros de autoridade” (TAYLOR, 2004, 356, tradução nossa).Para Hagler(1997, p. 117), um arquivo de autoridade é o principal produto do trabalho de autoridade e a expressão tangível de um vocabulário controlado.Para Jiménez Pelayo e García Blanco (2002, p. 25, tradução nossa), o arquivo de autoridade “constitui a garantia de uma maior uniformidade e objetividade de critérios aplicados em uma biblioteca ou centro documental”.Na literatura é possível encontrar algumas variações terminológicas para denominar um arquivo de autoridade, tais como catálogo de autoridades, lista de cabeçalhos autorizados, lista de autoridades, catálogo de identidade, catálogo de formas autorizadas, entre outros.
Sistema de autoridadeA união de um arquivo de autoridade e um arquivo bibliográfico constitui um sistema de autoridade.Arquivo de autoridadeArquivo bibliográfico1Westmacott, MaryThe rose and the yew tree / by Mary Westmacott. - New York : Rinehart, 1948Westmacott, MaryVertambémChristie, Agatha, 1890-197631Christie, Agatha, 1890-1976UsadoparaMallowan, Agatha May Clarissa, 1890-1976VertambémWestmacott, MaryChristie, Agatha, 1890-1976The big four / Agatha Christie. -  London : Fontana, 197241Christie, Agatha, 1890-1976Cai o pano / Agatha Christie ; tradução de Clarice Lispector. - Rio de Janeiro : Nova Fronteira, 1975I. Lispector, Clarice, 1920-19772Mallowan, Agatha May Clarissa, 1890-1976VerChristie, Agatha, 1890-19761Lispector, Clarice, 1920-1977Lispector, Clarice, 1920-1977A hora da estrela / Clarice Lispector. - Rio de Janeiro : Francisco Alves, 19901
Considerações finaisOs resultados nos permitiram expor, de forma esquematizada e acessível, os componentes do trabalho de autoridade.No entanto, faz-se necessária uma visão mais abrangente do controle de autoridade, de seus objetivos, instrumentos e de sua realização na catalogação descritiva.Este trabalho, por ser um fragmento de um estudo maior, não teve como objetivo contemplar tais aspectos.
Considerações finaisPor fim, apontamos que a literatura encontrada sobre o controle de autoridade na catalogação descritiva é predominantemente estrangeira, o que nos permite destacar a falta de estudos nacionais sobre essa temática.
ReferênciasBURGER, R. H. Authority work: the creation, use, maintenance, and evaluation of authority records and files. Littleton: Libraries Unlimited, 1985.CHAN, L. M. Cataloguing and classification: an introduction. 2nd ed. New York: McGraw-Hill, 1994.HAGLER, R. The bibliographic record and information technology. 3rd ed. Chicago: ALA; Otawa: Canadian Library Association, 1997.JIMÉNEZ PELAYO, J.; GARCÍA BLANCO, R. El catálogo de autoridades: creación y gestión en unidades documentales. Gijón: Trea, 2002.MARAIS, H. Authority control in an academic library consortium using a union catalogue maintained by a central office for authority control. 2004. 310 f. Tese (Doctor of literature and philosophy in the subject Information Science) - University of South Africa, Pretoria, 2004. MAXWELL, R. L. Maxwell’s guide to authority work. Chicago: ALA, 2002.MEY, E. S. A. Introdução à catalogação. Brasília: Briquet de Lemos, 1995.REQUISITOS funcionales de los datos de autoridad (FRAD): un modelo conceptual. [S.l.]: IFLA; Biblioteca Nacional de España, 2009.STATEMENT of International Cataloguing Principles. [S.l.]: IFLA, 2009.TAYLOR, A. G. The organization of information. 2nd ed. Westport: Libraries Unlimited, 2004.
XXIII Congresso de Iniciação Científica da UnespMarília, 21 de setembro de 2011Um estudo sobre os componentes do trabalho de autoridadePlácida L. V. A. da C. SantosOrientadoraFabrício Silva AssumpçãoBolsista FAPESPassumpcao.f@gmail.comsites.google.com/site/infsassumpcao

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Introdução ao RDA - Módulo 2: Estrutura do RDA
Introdução ao RDA - Módulo 2: Estrutura do RDAIntrodução ao RDA - Módulo 2: Estrutura do RDA
Introdução ao RDA - Módulo 2: Estrutura do RDA
Fabrício Silva Assumpção
 
AACR2r Parte II: Pontos de acesso (2015)
AACR2r Parte II: Pontos de acesso (2015)AACR2r Parte II: Pontos de acesso (2015)
AACR2r Parte II: Pontos de acesso (2015)
Fabrício Silva Assumpção
 
Introdução ao RDA - Módulos 3, 4, 5 e 6
Introdução ao RDA - Módulos 3, 4, 5 e 6Introdução ao RDA - Módulos 3, 4, 5 e 6
Introdução ao RDA - Módulos 3, 4, 5 e 6
Fabrício Silva Assumpção
 
Repositórios institucionais como ambientes de acesso aberto nas universidades...
Repositórios institucionais como ambientes de acesso aberto nas universidades...Repositórios institucionais como ambientes de acesso aberto nas universidades...
Repositórios institucionais como ambientes de acesso aberto nas universidades...
Fabrício Silva Assumpção
 
RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)
RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)
RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)
Fabrício Silva Assumpção
 
Conversão de registros: um modelo baseado em folhas de estilo XSLT
Conversão de registros: um modelo baseado em folhas de estilo XSLTConversão de registros: um modelo baseado em folhas de estilo XSLT
Conversão de registros: um modelo baseado em folhas de estilo XSLT
Fabrício Silva Assumpção
 
Conversão de registros em XML para MARC 21: um modelo baseado em XSLT (ENANCI...
Conversão de registros em XML para MARC 21:um modelo baseado em XSLT (ENANCI...Conversão de registros em XML para MARC 21:um modelo baseado em XSLT (ENANCI...
Conversão de registros em XML para MARC 21: um modelo baseado em XSLT (ENANCI...
Fabrício Silva Assumpção
 
Reutilização de dados catalográficos: um olhar sobre o uso estratégico das te...
Reutilização de dados catalográficos: um olhar sobre o uso estratégico das te...Reutilização de dados catalográficos: um olhar sobre o uso estratégico das te...
Reutilização de dados catalográficos: um olhar sobre o uso estratégico das te...
Fabrício Silva Assumpção
 
Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...
Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...
Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...
Fabrício Silva Assumpção
 
Falando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação
Falando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogaçãoFalando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação
Falando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação
Fabrício Silva Assumpção
 
Resource Description and Access (RDA)
Resource Description and Access (RDA)Resource Description and Access (RDA)
Resource Description and Access (RDA)
Fabrício Silva Assumpção
 
Formatos MARC 21
Formatos MARC 21Formatos MARC 21
Formatos MARC 21
Fabrício Silva Assumpção
 
Introdução ao RDA - Módulo 1: Modelos conceituais e desenvolvimento do RDA
Introdução ao RDA - Módulo 1: Modelos conceituais e desenvolvimento do RDAIntrodução ao RDA - Módulo 1: Modelos conceituais e desenvolvimento do RDA
Introdução ao RDA - Módulo 1: Modelos conceituais e desenvolvimento do RDA
Fabrício Silva Assumpção
 
Minicurso Introdução ao FRBR e ao RDA (SNBU 2014, Belo Horizonte)
Minicurso Introdução ao FRBR e ao RDA (SNBU 2014, Belo Horizonte)Minicurso Introdução ao FRBR e ao RDA (SNBU 2014, Belo Horizonte)
Minicurso Introdução ao FRBR e ao RDA (SNBU 2014, Belo Horizonte)
Fabrício Silva Assumpção
 
Catalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendências
Catalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendênciasCatalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendências
Catalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendências
Fabrício Silva Assumpção
 
O papel das formas de representação para o controle de autoridade
O papel das formas de representação para o controle de autoridadeO papel das formas de representação para o controle de autoridade
O papel das formas de representação para o controle de autoridade
Fabrício Silva Assumpção
 
XSLT: Conceitos iniciais
XSLT: Conceitos iniciaisXSLT: Conceitos iniciais
XSLT: Conceitos iniciais
Fabrício Silva Assumpção
 
A conversão de registros na implantação de repositórios institucionais: o ca...
A conversão de registros na implantação de repositórios institucionais: o ca...A conversão de registros na implantação de repositórios institucionais: o ca...
A conversão de registros na implantação de repositórios institucionais: o ca...
Fabrício Silva Assumpção
 
RDA Element Sets e RDA Value Vocabularies
RDA Element Sets e RDA Value VocabulariesRDA Element Sets e RDA Value Vocabularies
RDA Element Sets e RDA Value Vocabularies
Fabrício Silva Assumpção
 
SKOS: Interoperabilidade de linguagens documentais
SKOS: Interoperabilidade de linguagens documentaisSKOS: Interoperabilidade de linguagens documentais
SKOS: Interoperabilidade de linguagens documentais
Fabrício Silva Assumpção
 

Destaque (20)

Introdução ao RDA - Módulo 2: Estrutura do RDA
Introdução ao RDA - Módulo 2: Estrutura do RDAIntrodução ao RDA - Módulo 2: Estrutura do RDA
Introdução ao RDA - Módulo 2: Estrutura do RDA
 
AACR2r Parte II: Pontos de acesso (2015)
AACR2r Parte II: Pontos de acesso (2015)AACR2r Parte II: Pontos de acesso (2015)
AACR2r Parte II: Pontos de acesso (2015)
 
Introdução ao RDA - Módulos 3, 4, 5 e 6
Introdução ao RDA - Módulos 3, 4, 5 e 6Introdução ao RDA - Módulos 3, 4, 5 e 6
Introdução ao RDA - Módulos 3, 4, 5 e 6
 
Repositórios institucionais como ambientes de acesso aberto nas universidades...
Repositórios institucionais como ambientes de acesso aberto nas universidades...Repositórios institucionais como ambientes de acesso aberto nas universidades...
Repositórios institucionais como ambientes de acesso aberto nas universidades...
 
RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)
RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)
RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)
 
Conversão de registros: um modelo baseado em folhas de estilo XSLT
Conversão de registros: um modelo baseado em folhas de estilo XSLTConversão de registros: um modelo baseado em folhas de estilo XSLT
Conversão de registros: um modelo baseado em folhas de estilo XSLT
 
Conversão de registros em XML para MARC 21: um modelo baseado em XSLT (ENANCI...
Conversão de registros em XML para MARC 21:um modelo baseado em XSLT (ENANCI...Conversão de registros em XML para MARC 21:um modelo baseado em XSLT (ENANCI...
Conversão de registros em XML para MARC 21: um modelo baseado em XSLT (ENANCI...
 
Reutilização de dados catalográficos: um olhar sobre o uso estratégico das te...
Reutilização de dados catalográficos: um olhar sobre o uso estratégico das te...Reutilização de dados catalográficos: um olhar sobre o uso estratégico das te...
Reutilização de dados catalográficos: um olhar sobre o uso estratégico das te...
 
Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...
Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...
Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...
 
Falando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação
Falando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogaçãoFalando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação
Falando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação
 
Resource Description and Access (RDA)
Resource Description and Access (RDA)Resource Description and Access (RDA)
Resource Description and Access (RDA)
 
Formatos MARC 21
Formatos MARC 21Formatos MARC 21
Formatos MARC 21
 
Introdução ao RDA - Módulo 1: Modelos conceituais e desenvolvimento do RDA
Introdução ao RDA - Módulo 1: Modelos conceituais e desenvolvimento do RDAIntrodução ao RDA - Módulo 1: Modelos conceituais e desenvolvimento do RDA
Introdução ao RDA - Módulo 1: Modelos conceituais e desenvolvimento do RDA
 
Minicurso Introdução ao FRBR e ao RDA (SNBU 2014, Belo Horizonte)
Minicurso Introdução ao FRBR e ao RDA (SNBU 2014, Belo Horizonte)Minicurso Introdução ao FRBR e ao RDA (SNBU 2014, Belo Horizonte)
Minicurso Introdução ao FRBR e ao RDA (SNBU 2014, Belo Horizonte)
 
Catalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendências
Catalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendênciasCatalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendências
Catalogação: conceitos, práticas, atualidades e tendências
 
O papel das formas de representação para o controle de autoridade
O papel das formas de representação para o controle de autoridadeO papel das formas de representação para o controle de autoridade
O papel das formas de representação para o controle de autoridade
 
XSLT: Conceitos iniciais
XSLT: Conceitos iniciaisXSLT: Conceitos iniciais
XSLT: Conceitos iniciais
 
A conversão de registros na implantação de repositórios institucionais: o ca...
A conversão de registros na implantação de repositórios institucionais: o ca...A conversão de registros na implantação de repositórios institucionais: o ca...
A conversão de registros na implantação de repositórios institucionais: o ca...
 
RDA Element Sets e RDA Value Vocabularies
RDA Element Sets e RDA Value VocabulariesRDA Element Sets e RDA Value Vocabularies
RDA Element Sets e RDA Value Vocabularies
 
SKOS: Interoperabilidade de linguagens documentais
SKOS: Interoperabilidade de linguagens documentaisSKOS: Interoperabilidade de linguagens documentais
SKOS: Interoperabilidade de linguagens documentais
 

Semelhante a Um estudo sobre os componentes do trabalho de autoridade

Glossário de Biblioteconomia
Glossário de BiblioteconomiaGlossário de Biblioteconomia
Glossário de Biblioteconomia
Rodrigo Rocha
 
Catalogacao aulas1
Catalogacao aulas1Catalogacao aulas1
Catalogacao aulas1
Fátima Costa
 
Rdi
RdiRdi
Rdi
lulinha
 
Aula fontes de informação
Aula  fontes de informaçãoAula  fontes de informação
Aula fontes de informação
Sistema de Bibliotecas da UEL
 
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dadosAula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Leticia Strehl
 
Aula 2 taxonomias gisele
Aula 2 taxonomias giseleAula 2 taxonomias gisele
Aula 2 taxonomias gisele
Gisele Dziekaniak
 
Catalogação
CatalogaçãoCatalogação
Catalogação
António Cachopas
 
Ontolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBR
Ontolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBROntolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBR
Ontolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBR
Marcos Teruo Ouchi
 
Fichamento
Fichamento Fichamento
Fichamento
PaulaJucdeSousa
 
FRBR_DESAFIANDO LIMITES
FRBR_DESAFIANDO LIMITESFRBR_DESAFIANDO LIMITES
FRBR_DESAFIANDO LIMITES
Rita Almeida
 
Fichamento
FichamentoFichamento
Fichamento
Lxa Alx
 
Acesso `a informação - estratégias
Acesso `a informação - estratégiasAcesso `a informação - estratégias
Acesso `a informação - estratégias
Kelley Cristine Gasque
 
Web of Science Thomson
Web of Science ThomsonWeb of Science Thomson
Web of Science Thomson
Leticia Strehl
 
Modelos conceituais para registros bibliográficos e para dados de autoridade:...
Modelos conceituais para registros bibliográficos e para dados de autoridade:...Modelos conceituais para registros bibliográficos e para dados de autoridade:...
Modelos conceituais para registros bibliográficos e para dados de autoridade:...
Fabrício Silva Assumpção
 
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2
Thalita Gama
 
1ª aula indexacao 2013
1ª aula indexacao 20131ª aula indexacao 2013
1ª aula indexacao 2013
Gisele Dziekaniak
 
A pesquisa na base de dados ERIC
A pesquisa na base de dados ERICA pesquisa na base de dados ERIC
A pesquisa na base de dados ERIC
Bibliotecas da Universidade de Aveiro
 
Resenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Juliana Gulka
 
Arquivologia objetivos e objetos
Arquivologia objetivos e objetosArquivologia objetivos e objetos
Arquivologia objetivos e objetos
Adilson P Motta Motta
 
17. int. ao cont. biblio. egan and shera
17. int. ao cont. biblio. egan and shera17. int. ao cont. biblio. egan and shera
17. int. ao cont. biblio. egan and shera
Vinícius Cordeiro
 

Semelhante a Um estudo sobre os componentes do trabalho de autoridade (20)

Glossário de Biblioteconomia
Glossário de BiblioteconomiaGlossário de Biblioteconomia
Glossário de Biblioteconomia
 
Catalogacao aulas1
Catalogacao aulas1Catalogacao aulas1
Catalogacao aulas1
 
Rdi
RdiRdi
Rdi
 
Aula fontes de informação
Aula  fontes de informaçãoAula  fontes de informação
Aula fontes de informação
 
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dadosAula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
 
Aula 2 taxonomias gisele
Aula 2 taxonomias giseleAula 2 taxonomias gisele
Aula 2 taxonomias gisele
 
Catalogação
CatalogaçãoCatalogação
Catalogação
 
Ontolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBR
Ontolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBROntolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBR
Ontolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBR
 
Fichamento
Fichamento Fichamento
Fichamento
 
FRBR_DESAFIANDO LIMITES
FRBR_DESAFIANDO LIMITESFRBR_DESAFIANDO LIMITES
FRBR_DESAFIANDO LIMITES
 
Fichamento
FichamentoFichamento
Fichamento
 
Acesso `a informação - estratégias
Acesso `a informação - estratégiasAcesso `a informação - estratégias
Acesso `a informação - estratégias
 
Web of Science Thomson
Web of Science ThomsonWeb of Science Thomson
Web of Science Thomson
 
Modelos conceituais para registros bibliográficos e para dados de autoridade:...
Modelos conceituais para registros bibliográficos e para dados de autoridade:...Modelos conceituais para registros bibliográficos e para dados de autoridade:...
Modelos conceituais para registros bibliográficos e para dados de autoridade:...
 
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2
 
1ª aula indexacao 2013
1ª aula indexacao 20131ª aula indexacao 2013
1ª aula indexacao 2013
 
A pesquisa na base de dados ERIC
A pesquisa na base de dados ERICA pesquisa na base de dados ERIC
A pesquisa na base de dados ERIC
 
Resenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
 
Arquivologia objetivos e objetos
Arquivologia objetivos e objetosArquivologia objetivos e objetos
Arquivologia objetivos e objetos
 
17. int. ao cont. biblio. egan and shera
17. int. ao cont. biblio. egan and shera17. int. ao cont. biblio. egan and shera
17. int. ao cont. biblio. egan and shera
 

Um estudo sobre os componentes do trabalho de autoridade

  • 1. XXIII Congresso de Iniciação Científica da UnespMarília, 21 de setembro de 2011Um estudo sobre os componentes do trabalho de autoridadeFabrício Silva AssumpçãoBolsista FAPESPPlácida L. V. A. da C. SantosOrientadora
  • 2. IntroduçãoA catalogação descritiva tem como um de seus produtos o catálogo, o qual atua como um canal de comunicação entre o acervo e o usuário (MEY, 1995, p. 9).Um dos objetivos do catálogo é permitir que todos os recursos informacionais associados a uma determinada entidade do tipo pessoa, família ou entidade coletiva sejam encontrados (STATEMENT..., 2009, p. 3).
  • 3. IntroduçãoUm nome, várias entidadesUma entidade, vários nomesDiante da diversidade de pontos de acesso para uma mesma entidade, um usuário do catálogo que possui conhecimento de apenas um dos nomes da entidade pode não conseguir encontrar todos os recursos informacionais que estão associados à entidade por ele desejada, por exemplo, todos os livros de um determinado autor.
  • 4. IntroduçãoFaz-se necessário reunir e manter controle sobre todos os pontos de acesso que representam uma mesma entidade, assegurando que o usuário encontre todos os recursos associados à entidade desejada ao realizar uma busca utilizando um e somente um dos nomes pelos quais tal entidade é conhecida.Dessa necessidade surgem os conceitos de controle de autoridade (authoritycontrol) e trabalho de autoridade (authoritywork).“O controle de autoridade é alcançado quando os cabeçalhos [pontos de acesso] em um catálogo estão consistentes e quando um mecanismo (o arquivo de autoridade) e políticas de catalogação relacionadas têm sido estabelecidos para assegurar esta consistência” (BURGER, 1985, p. 1, tradução nossa).
  • 5. IntroduçãoO trabalho de autoridade é definido como um conjunto de no mínimo cinco complexos processos:1. a criação de registros de autoridade (os quais serão utilizados para criar registros bibliográficos autorizados)2. a reunião dos registros em um arquivo de autoridade3. a vinculação do arquivo de autoridade ao arquivo bibliográfico; juntos eles formam um sistema de autoridade4. a manutenção do arquivo e do sistema de autoridade5. a avaliação do arquivo e do sistema (BURGER, 1985, p. 3, tradução nossa).Para a realização do trabalho de autoridade cinco componentes são necessários: pontos de acesso, dados de autoridade, registros de autoridade, arquivos de autoridade e sistemas de autoridade.
  • 6. ObjetivosNeste trabalho temos como objetivo geral apresentar os componentes presentes nos processos do trabalho de autoridade, mais especificamente, buscamos resgatar na literatura as definições, características e funções dos pontos de acesso, dados, registros, arquivos e sistemas de autoridade.
  • 7. MetodologiaQuanto ao seu objetivo, a presente pesquisa é descritiva e exploratória.Quanto aos seus procedimentos, a pesquisa é bibliográfica.Foram realizados levantamentos bibliográficos compreendendo livros, artigos de periódicos, teses, dissertações, trabalhos apresentados em eventos, manuais e relatórios técnicos.Os levantamentos bibliográficos foram realizados em acervos de bibliotecas, bases de dados nacionais e internacionais, portais de periódicos e internet, sendo considerados os documentos nos idiomas português, inglês e espanhol, sem limitação cronológica.
  • 8. Pontos de acesso“Um nome, termo, código, etc. por meio do qual, dados bibliográficos ou de autoridade são procurados e identificados” (STATEMENT..., 2009, p. 9, tradução nossa).
  • 9. Dados de autoridadeOs dados de autoridade podem ser definidos como a soma de informações sobre uma pessoa, família, entidade coletiva ou obra, cujo nome seja utilizado como base para um ponto de acesso controlado em citações bibliográficas ou em registros bibliográficos de um catálogo de biblioteca ou banco de dados bibliográficos (REQUISITOS..., 2009, p. 9).Shakespeare, William, 1564-1616Shakspeare, WilliamPoeta e dramaturgo inglêsData de nascimento: 1564Data de morte: 1616
  • 10. Registros de autoridade“Um conjunto de elementos de dados que identifica uma entidade e pode ser utilizado para facilitar o acesso ao ponto de acesso autorizado para tal entidade ou a exibição de qualquer ponto de acesso para a entidade” (STATEMENT, 2009, p. 9, tradução nossa).000 01087cz a2200265n 450001 3746947005 20081025073400.0008 790123n| acannaabn |b aaa010 __ |a n 79005673 |z sh 88006725 |z no 98046177035 __ |a (OCoLC)oca00239830040 __ |a DLC |b eng |c DLC 053 _0 |a PR6039.O32100 1_ |a Tolkien, J. R. R. |q (John Ronald Reuel), |d 1892-1973400 1_ |w nna |a Tolkien, John Ronald Reuel, |d 1892-1973400 1_ |a Tolkin, DzhonRonalʹdRuėl, |d 1892-1973400 1_ |a 톨킨, J. R. R, |d 1892-1973670 __ |a Vlastelinkolet︠s︡, 1992: |b t.p. (DzhonRonalʹdRuėlTolkin) cover (Dzh.R.R. Tolkin)
  • 11. Registros de autoridadeUm registro de autoridade contém essencialmente um ponto de acesso autorizado, as formas variantes do nome e as fontes utilizadas para o estabelecimento do ponto de acesso autorizado e das formas variantes(CHAN, 1994, p. 23).Um registro de autoridade pode conter também informações de uso para os bibliotecários e para os usuários da biblioteca, mensagens que provem informação adicional para o usuário (por exemplo, notas que auxiliam a busca no catálogo) e informações inapropriadas aos usuários, mas necessárias aos catalogadores (por exemplo, notas justificando a escolha e forma do ponto de acesso autorizado) (MAXWELL, 2002, p. 5).
  • 12. Arquivos de autoridade“Uma coleção de registros de autoridade” (TAYLOR, 2004, 356, tradução nossa).Para Hagler(1997, p. 117), um arquivo de autoridade é o principal produto do trabalho de autoridade e a expressão tangível de um vocabulário controlado.Para Jiménez Pelayo e García Blanco (2002, p. 25, tradução nossa), o arquivo de autoridade “constitui a garantia de uma maior uniformidade e objetividade de critérios aplicados em uma biblioteca ou centro documental”.Na literatura é possível encontrar algumas variações terminológicas para denominar um arquivo de autoridade, tais como catálogo de autoridades, lista de cabeçalhos autorizados, lista de autoridades, catálogo de identidade, catálogo de formas autorizadas, entre outros.
  • 13. Sistema de autoridadeA união de um arquivo de autoridade e um arquivo bibliográfico constitui um sistema de autoridade.Arquivo de autoridadeArquivo bibliográfico1Westmacott, MaryThe rose and the yew tree / by Mary Westmacott. - New York : Rinehart, 1948Westmacott, MaryVertambémChristie, Agatha, 1890-197631Christie, Agatha, 1890-1976UsadoparaMallowan, Agatha May Clarissa, 1890-1976VertambémWestmacott, MaryChristie, Agatha, 1890-1976The big four / Agatha Christie. - London : Fontana, 197241Christie, Agatha, 1890-1976Cai o pano / Agatha Christie ; tradução de Clarice Lispector. - Rio de Janeiro : Nova Fronteira, 1975I. Lispector, Clarice, 1920-19772Mallowan, Agatha May Clarissa, 1890-1976VerChristie, Agatha, 1890-19761Lispector, Clarice, 1920-1977Lispector, Clarice, 1920-1977A hora da estrela / Clarice Lispector. - Rio de Janeiro : Francisco Alves, 19901
  • 14. Considerações finaisOs resultados nos permitiram expor, de forma esquematizada e acessível, os componentes do trabalho de autoridade.No entanto, faz-se necessária uma visão mais abrangente do controle de autoridade, de seus objetivos, instrumentos e de sua realização na catalogação descritiva.Este trabalho, por ser um fragmento de um estudo maior, não teve como objetivo contemplar tais aspectos.
  • 15. Considerações finaisPor fim, apontamos que a literatura encontrada sobre o controle de autoridade na catalogação descritiva é predominantemente estrangeira, o que nos permite destacar a falta de estudos nacionais sobre essa temática.
  • 16. ReferênciasBURGER, R. H. Authority work: the creation, use, maintenance, and evaluation of authority records and files. Littleton: Libraries Unlimited, 1985.CHAN, L. M. Cataloguing and classification: an introduction. 2nd ed. New York: McGraw-Hill, 1994.HAGLER, R. The bibliographic record and information technology. 3rd ed. Chicago: ALA; Otawa: Canadian Library Association, 1997.JIMÉNEZ PELAYO, J.; GARCÍA BLANCO, R. El catálogo de autoridades: creación y gestión en unidades documentales. Gijón: Trea, 2002.MARAIS, H. Authority control in an academic library consortium using a union catalogue maintained by a central office for authority control. 2004. 310 f. Tese (Doctor of literature and philosophy in the subject Information Science) - University of South Africa, Pretoria, 2004. MAXWELL, R. L. Maxwell’s guide to authority work. Chicago: ALA, 2002.MEY, E. S. A. Introdução à catalogação. Brasília: Briquet de Lemos, 1995.REQUISITOS funcionales de los datos de autoridad (FRAD): un modelo conceptual. [S.l.]: IFLA; Biblioteca Nacional de España, 2009.STATEMENT of International Cataloguing Principles. [S.l.]: IFLA, 2009.TAYLOR, A. G. The organization of information. 2nd ed. Westport: Libraries Unlimited, 2004.
  • 17. XXIII Congresso de Iniciação Científica da UnespMarília, 21 de setembro de 2011Um estudo sobre os componentes do trabalho de autoridadePlácida L. V. A. da C. SantosOrientadoraFabrício Silva AssumpçãoBolsista FAPESPassumpcao.f@gmail.comsites.google.com/site/infsassumpcao