SlideShare uma empresa Scribd logo
Relembrando fundamentos
da representação temática
Universidade Federal do Rio Grande (FURG) Disciplina
Indexação: T & P (2013)
Profa. Gisele Dziekaniak
giseledziekaniak@yahoo.com.br
http://indexacaoteoriaepraticafurg.blogspot.com.br/
Classificação
 Para James Duff Brown a classificação é umPara James Duff Brown a classificação é um
“processo mental” constantemente executado de“processo mental” constantemente executado de
forma consciente e inconsciente por qualquer serforma consciente e inconsciente por qualquer ser
humano, ainda que não reconhecido como tal.humano, ainda que não reconhecido como tal.
 Para Piedade (1983, p. 16) “Classificar é dividir em
grupos ou classes, segundo as semelhanças e
diferenças.”
 Para Ranganathan classificar era traduzir o nome
dos assuntos dos documentos da linguagem natural
para a linguagem artificial adotada pelos sistemas de
classificação bibliográfica. (PIEDADE, 1983)
Característica, classe e categoria
 Característica
 Qualidade ou atributo escolhido para servir de base à
classificação ou à divisão.
 Pode-se classificar adotando características distintas
para o mesmo objeto. Exemplos:
 Livros
- Tamanho
- Cor
- Língua
- Assunto
“Há tantas possibilidades de classificar quantas forem as
semelhanças e diferenças existentes entre os objetos
ou ideias a classificar.” (PIEDADE, 1983, p. 17)
■ Literatura
- Lugar
- Língua
- Período
Classificação cruzada
 Pode-se classificar adotando várias
características, mas empregando uma de
cada vez e aplicando-a a todos os membros
da classe. Ex.: característica Sexo para
dividir animais racionais, não poderemos
empregar, ao mesmo tempo, a característica
faixa etária.
 O emprego simultâneo de mais de uma
característica se chama Classificação
cruzada, quando as classes não são
mutuamente excludentes, gerando confusão.
Classificação cruzada
Exemplo correto:
Animais Racionais
_________________________
Homens Mulheres
____________ _____________
Crianças Adolescentes Adultos Crianças Adolescentes Adultos
Classificação cruzada
Exemplo incorreto: Se empregássemos, ao
mesmo tempo duas características (Língua e
lugar)
Literatura
____________________________________
Em língua Do Brasil De Portugal Em língua Do Chile Do Peru etc.
portuguesa espanhola
Característica, classe, categoria
 Classe
É o conjunto de coisas ou ideias que possuem
um ou vários atributos, predicados ou
qualidades em comum. Ex.: Mamíferos,
Vertebrados, Canários, Animais.
 Categoria
São as maiores classes de fenômenos, as
classes mais gerais que podem ser formadas.
São as grandes classes. Ex: na categoria Lugar,
pode-se distinguir as facetas: Lugar físico,
Lugar político, Orientação (norte, sul etc.).
Aristóteles e a classificação
 Aristóteles dividiu o conhecimento com base
em três critérios (NUNES, 2007):
 Critério de ausência ou presença do homem
nos seres investigados;
 critério de imutabilidade e
 critério de modalidade prática.
 Trata-se de uma hierarquização conceitual
que divide um tema geral em espécies a
partir de uma característica classificatória.
Aristóteles e a classificação
 Aristóteles desenvolveu um sistema filosófico
baseado em uma concepção rigorosa do Universo.
Em seus tratados biológicos, apresentou o sistema
de classificação dos animais que não se encontrava
completo e que, originariamente em número de
quatro, foram os seguintes:
 Gênero
 Espécie
 Diferença
 Propriedade, e
 Acidente.
Aristóteles e a classificação
 Metafísica
Porfírio e a classificação
 A partir de Aristóteles, Porfírio descreve como as
qualidades atribuídas às coisas
podem ser classificadas,
quebrando o conceito filosófico
da substância como um
genus/espécie do
relacionamento:
Bacon e a classificação
 Na classificação baconiana, apesar de
algumas de suas classes e divisões se
tornarem imbricadas, este sistema foi
considerado um dos mais influentes nas
diversas tentativas feitas para classificar o
conhecimento. A classificação de Bacon está
baseada na figura abaixo:
Bacon e sua classificação
 MIR (Memória, Imaginação e Razão)
Foi a base
para a criação
da CDD
Indexação - conceito
Etapas do tratamento temático
 Análise de assunto
 Processo de ler um documento para extrair
conceitos que traduzam a essência do seu
conteúdo. (DIAS, NAVES, 2007, p. 9)
 Envolve cultura do indexador, experiência,
conhecimento linguístico, cognitivo e lógico.
 Também chamada de análise conceitual,
análise documentária, análise da informação e
subject analysis.
Etapas do tratamento temático
1) Fases da Análise de assunto
 Leitura técnica do documento (leitura
documental)
 Extração de conceitos que representam a obra
 Atinência - termos em LN (do que trata a obra?)
Sugestão de leitura: Dias e Naves (2007)
Etapas do tratamento temático
2) Tradução
 Passagem dos termos de linguagem natural
(LN) para linguagem artificial/documentária
(LA/LD).
 Eleição descritores autorizados pela LD
(cabeçalhos de assunto, palavras-chave,
termos de indexação).
Sugestão de leitura: Lancaster (2004)
Análise documentária
 “A análise documentária é definida como um
conjunto de procedimentos efetuados com o
fim de expressar o conteúdo dos
documentos, sob formas destinadas a
facilitar a recuperação da informação.” (DIAS,
NAVES, 2007, p. 11)
 Metainformação (informação da informação)
Leitura do bibliotecário (LUCAS, 2000)
 Questões ideológicas
 Equívoco da neutralidade
 Ilusão da completude
 Sujeitos leitores
 Organizam arquivos
 Autorizados a ler, escrever e interpretar
 Tipos de leitura
 Como apreensão do documento (literal)
 Como leitura interpretativa
Dica de leitura:
Lucas (2000)
1ª aula indexacao 2013
Subordinação, superordenação e
coordenação
Meio de transporte
Aéreo AquáticoTerrestre
Carro Moto
Superordenação Subordinação
Coordenação
Recuperação da Informação - RI
 Information Retrieval: Termo cunhado por Calvin
Mooers (década de 1950) que engloba aspectos
intelectuais da descrição de informações e suas
especificidades para a busca, além de quaisquer
sistemas, técnicas ou máquinas empregados para o
desempenho da operação.
 É a responsável pela criação e desenvolvimento da
Ciência da Informação. (SARACEVIC, 1996)
 O objetivo é recuperar informações através da busca
por alguma entrada catalogada a priori.
Sistema de Recuperação da
Informação - SRI
 Um sistema de informação coleta, processa,
armazena, analisa e dissemina informações e é
constituído por um conjunto de componentes
relacionados entre si. (GROSSI, 2008).
 São sistemas de operações interligadas para
identificar dentre um grande conjunto de
informações, aquelas que sejam úteis, de acordo
com a demanda expressa pelo usuário. (LOPES,
2002)
 Objetivo de um SRI é permitir que um usuário
recupere documentos através de características
como: autor, título, assunto ou qualquer combinação
desses elementos.
Atividades em um SRI
 Representação das informações contidas nos
documentos;
 Armazenamento;
 Gestão física e/ou lógica desses documentos
e de suas representações;
 Recuperação da informação representada e
dos próprios documentos armazenados
(links).
 Disseminação da informação.
Sistema de Recuperação da
Informação - SRI
 “Localização de documentos e itens de
informação que tenham sido objeto de
armazenamento.” (ROWLEY, 2002, p. 114)
 Para Cendón (2006) catálogos de bibliotecas,
bases de dados bibliográficas, e motores de
busca na internet são exemplos de SRI.
(GROSSI, 2008)
Subsistemas dos SRIs
 Subsistemas de entrada:
Seleção/aquisição, descrição, representação,
organização de arquivos, armazenamento.
 Subsistemas de saída:
Análise e negociação de questões, estratégia de
busca/recuperação, disseminação/acesso ao
documento.
 Subsistema de avaliação:
Não se refere especificamente nem à entrada, nem à
saída, mas a ambos, ao sistema como um todo.
Avaliação dos SRI
 Cobertura:
Representa quanto o sistema contém informações
relevantes.
 Exaustividade:
Este conceito relaciona-se ao grau de profundidade
com que os assuntos dos documentos são
representados.
 Precisão:
Relaciona-se com a proporção de itens recuperados
que são relevantes.
Avaliação dos SRI
 Tempo de resposta:
É o intervalo médio entre o momento da consulta e a
apresentação do resultado.
 Esforço do usuário:
É o esforço despendido para obter resultados na
busca.
 Formato: como os resultados são apresentados. São
várias as características e tipologias comuns aos
diversos sistemas de recuperação da informação,
porém um módulo que todos devem possuir, por ser
fundamental, é o módulo de interface com o usuário.
(ARAUJO, 1994).
1ª aula indexacao 2013
Estratégias de busca em um SRI
 Estratégia de busca é o conjunto de decisões
tomadas e de procedimentos adotados durante uma
busca.
 É a técnica ou conjunto de regras para tornar
possível o encontro entre uma pergunta formulada e
a informação armazenada em uma base de dados.
(LOPES, 2002).
 É a técnica ou conjunto de regras para tornar
possível o encontro entre uma pergunta formulada e
a informação armazenada em uma base de dados.
 Uma boa estratégia de busca implica em conhecer a
base de dados, as fórmulas de busca, o assunto que
se busca e/ou a bibliografia que é objeto de busca.
 Identificar a Necessidade de Informação (NI).
NI fórmula de busca = resultado SRI
Estratégia de busca
Resposta insatisfatória = RUÍDO
= Usuário insatisfeito
= Nova estratégia de busca
Resposta satisfatória = NI satisfeita
= Item recuperado
= usuário satisfeito
Objetivos da estratégia de busca
 Recuperar um número suficiente de registros
relevantes e evitar que:
 Sejam recuperados itens irrelevantes;
 Sejam recuperados um número excessivo de
itens;
 Sejam recuperados um número insignificante
de registros.
Problemas em recuperação da
informação
 Os autores nem sempre usam as mesmas
palavras que os usuários para descrever o
mesmo conceito.
 Má formulação da consulta.
Lógica de busca: Operadores
booleanos
AND E
OR OU
NOT NÃO
Os operadores booleanos tem por objetivo definir como será a combinação
feita entre os termos ou expressões de uma pesquisa.
Lógica de busca: Operadores
booleanos
 OR/OU Amplia a pesquisa e tem a
intenção de buscar ou esse ou aquele
termo. Ou seja, qualquer uma das
palavras.
 Exemplo:
A or B
A B
Lógica de busca: Operadores
booleanos
 AND/E Restringe a pesquisa e
significa a expressão que tenha todas as
palavras. O resultado da busca deve
recuperar ambos os termos.
 Exemplo:
A and B
Lógica de busca: Operadores
booleanos
 NOT/NÃO Exclui um dos termos da
pesquisa. Equivale dizer: sem a seguinte
palavra.
 Exemplo:
A not B
Lógica de busca: Operadores
booleanos
 Podem ser usados em expressões mais
complexas, onde se adotam os parênteses.
 Ex: (A or B) and C
A pesquisa será feita 1º combinando a OR b e o
resultado se combina com AND
Exercícios Operadores booleanos
Crie buscas usando assuntos que representem
os seguintes conjuntos:
1. 3.
2. 4.
Linguagem de indexação e de busca
 Linguagem de indexação:
 Termos ou códigos usados como pontos de acesso em
um índice.
 Geralmente adota linguagem controlada (LC)
 Linguagem de busca:
 Termos que são usados por um consulente ao
especificar uma necessidade de busca.
 Podem ser Linguagem natural (LN) ou LC, desde que o
usuário tenha acesso à linguagem documentária
adotada pelo sistema de recuperação da informação.
Linguagem natural e linguagem
artificial ou controlada (LOPES, 2002)
 CONCEITUE LINGUAGEM NATURAL
É a linguagem usada habitualmente na fala e na escrita
representadas na base de dados pelos termos do título e
resumo.
 CONCEITUE A LINGUAGEM CONTROLADA
É o conjunto de termos organizados de forma
hierarquizadas e/ou alfabética, com o objetivo de
possibilitar a recuperação de informação temáticas,
reduzindo substancialmente a diversidade de
terminologia.
Tarefa: Pesquisar conceitos de LN e LA/LC/LD em outras fontes de informação
da área. Entrega: Próxima aula. (não esquecer de referenciar as fontes
adotadas).
Diferenças entre Linguagem natural
(LN) e linguagem controlada (LC, LC)
Linguagem natural ou livre
(LN)
Linguagem controlada (LC, LA,
LD)
Busca direta no texto Depende de uma LD
Usa linguagem comum do
usuário
Distancia-se da linguagem do
usuário
Oferece mais pontos de
acesso
Os pontos de acesso são
limitados pelo indexador
Oferece maior revocação Oferece menor revocação
Oferece menos precisão Oferece maior precisão
Tarefa: Ler o texto LOPES, I. L. Uso das linguagens controlada e natural em bases
de dados: revisão de literatura. Ci. Inf., v. 31, n.1, Brasília, p.41-52, jan./abr. 2002 e
CRIAR QUADRO COMPARATIVO ENTRE LN E LC Entrega: próxima aula.
Revocação e Relevância (Lancaster, 2004)
 Revocação (recall)
 Capacidade de um SRI em recuperar itens
existentes na base de dados.
 Precisão mede quantos documentos
relevantes foram recuperados
 Relevância (Precisão)
 Capacidade de um SRI em recuperar itens
úteis ao usuário e minimizar a recuperação de
documentos inúteis.
Fórmulas para avaliar um SRI
(Revocação e Relevância)
Itens não
recuperados
Relevantes (D)
Itens não
recuperados
Relevantes (D)
Itens não
recuperados não
Relevantes (C)
Itens
recuperados
Relevantes (A)
Itens
recuperados não
Relevantes (B)
Revocação = relevantes recuperados/ total de itens relevantes
que existem no sistema
Precisão = relevantes recuperados/ total de itens recuperados
Revocação R= A / (A+D)
Relevância P = A / (A+B)
Revocação e Relevância
 Esses dois parâmetros são inversamente
relacionados, significando que a melhoria de um
implica na piora do outro.
 Tradicionalmente, existem dois fatores muito
importantes que governam a eficiência da indexação
de um documento e consequentemente, influenciam
na revocação e na precisão:
 Exaustividade: Define o número de diferentes
conceitos (tópicos) que estão indexados.
 Especificidade: Define o grau de precisão da
linguagem de indexação em descrever um dado
documento.
Referências
 ARAUJO JUNIOR, R. H. Precisão no processo de busca e
recuperação da informação. Brasília: Thesaurus, 2004.
 DIAS, M. M. L.; DIAS, E. W. Análise de assunto: teoria e
prática. Brasília: Briquet de Lemos, 2007.
 GROSSI, M.G. R. Estudo das características de software e
implantação de um software livre para gerenciamento de
bibliotecas universitárias federais brasileiras. 2008. Tese
(Doutorado em Ciência da Informação) – UFMG, Belo
Horizonte, 2008.
 LANCASTER, F. W. Indexação e resumos: teoria e prática.
2.ed. Brasília: Briquet de Lemos, 2004.
 LOPES, I. L. Uso das linguagens controlada e natural em bases
de dados: revisão de literatura. Ci. Inf., v. 31, n.1, Brasília, p.41-
52, jan./abr. 2002.
Referências
 NUNES, L. Da Classificação das Ciências à
classificação da Informação: uma análise do acesso
ao conhecimento. 2007. Dissertação (Mestrado em
Ciência da Informação) - PUC de Campinas, 2007.
Disponível em <
http://www.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br/tde_busc
php?codArquivo=340 > Acesso em 22 nov. 2009
 PIEDADE, M. A. R. Introdução à teoria da
classificação. Rio de Janeiro: Interciência, 1977.
 ROWLEY, J. A biblioteca eletrônica. 2.ed. Brasília:
Briquet de Lemos, 2002.
 SARACEVIC, T. Ciência da informação: origem,
evolução e relações. Perspec. Ci. Inf., Belo
Horizonte, v. 1, n.1, p.41-62, jan./jun. 1996.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classificações bibliográficas
Classificações bibliográficasClassificações bibliográficas
Classificações bibliográficas
Igor Falce
 
Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...
Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...
Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...
Daniel Ribeiro dos Santos
 
A Classificação Decimal de Dewey - CDD
A Classificação Decimal de Dewey - CDDA Classificação Decimal de Dewey - CDD
A Classificação Decimal de Dewey - CDD
Carla Façanha de Brito
 
Histórico da catalogação e da elaboração de bibliografias
Histórico da catalogação e da elaboração de bibliografiasHistórico da catalogação e da elaboração de bibliografias
Histórico da catalogação e da elaboração de bibliografias
Natallie Alcantara
 
CDU
CDUCDU
Softwares para bibliotecas: opções gratuitas/livres e critérios para seleção
Softwares para bibliotecas: opções gratuitas/livres e critérios para seleçãoSoftwares para bibliotecas: opções gratuitas/livres e critérios para seleção
Softwares para bibliotecas: opções gratuitas/livres e critérios para seleção
Lígia 'lilly' Freitas
 
Catalogação
CatalogaçãoCatalogação
Catalogação
António Cachopas
 
Sistemas e redes de informação
Sistemas e redes de informaçãoSistemas e redes de informação
Sistemas e redes de informação
Charles Fernandes de Souza
 
Slides de cdu
Slides de cduSlides de cdu
Aula De Cdd
Aula De CddAula De Cdd
Aula De Cdd
Jonathas Carvalho
 
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 1
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 1Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 1
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 1
Thalita Gama
 
A catalogação em +/- 60 minutos
A catalogação em +/- 60 minutosA catalogação em +/- 60 minutos
A catalogação em +/- 60 minutos
Ana Carolina Simionato
 
A questão de Referência - Denis Grogan
A questão de Referência - Denis GroganA questão de Referência - Denis Grogan
A questão de Referência - Denis Grogan
Patricia Neubert
 
Classificacoes Bibliográficas: uma introdução
Classificacoes Bibliográficas: uma introduçãoClassificacoes Bibliográficas: uma introdução
Classificacoes Bibliográficas: uma introdução
Benildes Maculan
 
Estudo de Usuários - Conceitos e Aplicações
Estudo de Usuários - Conceitos e AplicaçõesEstudo de Usuários - Conceitos e Aplicações
Estudo de Usuários - Conceitos e Aplicações
Claudio Diniz - Designer Gráfico
 
Catalogacao aulas1
Catalogacao aulas1Catalogacao aulas1
Catalogacao aulas1
Fátima Costa
 
2 Desenvolvimento de coleções: política
2 Desenvolvimento de coleções: política2 Desenvolvimento de coleções: política
2 Desenvolvimento de coleções: política
Leticia Strehl
 
Serviço de Referência
Serviço de ReferênciaServiço de Referência
Serviço de Referência
ROSANGELAGOMES44
 
AnáLise Da InformaçãO
AnáLise Da InformaçãOAnáLise Da InformaçãO
AnáLise Da InformaçãO
lulinha
 
Indexação por assunto
Indexação por assuntoIndexação por assunto
Indexação por assunto
Biblioteca UBI
 

Mais procurados (20)

Classificações bibliográficas
Classificações bibliográficasClassificações bibliográficas
Classificações bibliográficas
 
Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...
Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...
Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...
 
A Classificação Decimal de Dewey - CDD
A Classificação Decimal de Dewey - CDDA Classificação Decimal de Dewey - CDD
A Classificação Decimal de Dewey - CDD
 
Histórico da catalogação e da elaboração de bibliografias
Histórico da catalogação e da elaboração de bibliografiasHistórico da catalogação e da elaboração de bibliografias
Histórico da catalogação e da elaboração de bibliografias
 
CDU
CDUCDU
CDU
 
Softwares para bibliotecas: opções gratuitas/livres e critérios para seleção
Softwares para bibliotecas: opções gratuitas/livres e critérios para seleçãoSoftwares para bibliotecas: opções gratuitas/livres e critérios para seleção
Softwares para bibliotecas: opções gratuitas/livres e critérios para seleção
 
Catalogação
CatalogaçãoCatalogação
Catalogação
 
Sistemas e redes de informação
Sistemas e redes de informaçãoSistemas e redes de informação
Sistemas e redes de informação
 
Slides de cdu
Slides de cduSlides de cdu
Slides de cdu
 
Aula De Cdd
Aula De CddAula De Cdd
Aula De Cdd
 
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 1
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 1Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 1
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 1
 
A catalogação em +/- 60 minutos
A catalogação em +/- 60 minutosA catalogação em +/- 60 minutos
A catalogação em +/- 60 minutos
 
A questão de Referência - Denis Grogan
A questão de Referência - Denis GroganA questão de Referência - Denis Grogan
A questão de Referência - Denis Grogan
 
Classificacoes Bibliográficas: uma introdução
Classificacoes Bibliográficas: uma introduçãoClassificacoes Bibliográficas: uma introdução
Classificacoes Bibliográficas: uma introdução
 
Estudo de Usuários - Conceitos e Aplicações
Estudo de Usuários - Conceitos e AplicaçõesEstudo de Usuários - Conceitos e Aplicações
Estudo de Usuários - Conceitos e Aplicações
 
Catalogacao aulas1
Catalogacao aulas1Catalogacao aulas1
Catalogacao aulas1
 
2 Desenvolvimento de coleções: política
2 Desenvolvimento de coleções: política2 Desenvolvimento de coleções: política
2 Desenvolvimento de coleções: política
 
Serviço de Referência
Serviço de ReferênciaServiço de Referência
Serviço de Referência
 
AnáLise Da InformaçãO
AnáLise Da InformaçãOAnáLise Da InformaçãO
AnáLise Da InformaçãO
 
Indexação por assunto
Indexação por assuntoIndexação por assunto
Indexação por assunto
 

Destaque

Política de indexação
Política de indexaçãoPolítica de indexação
Política de indexação
Suzene Furtado
 
A organização do conhecimento e suas implicações para os usuários da informação
A organização do conhecimento e suas implicações para os usuários da informaçãoA organização do conhecimento e suas implicações para os usuários da informação
A organização do conhecimento e suas implicações para os usuários da informação
Gisele Dziekaniak
 
Política de indexação em Bibliotecas Univesitárias
Política de indexação em Bibliotecas UnivesitáriasPolítica de indexação em Bibliotecas Univesitárias
Política de indexação em Bibliotecas Univesitárias
Luciana Piovezan
 
Indexação De Livros
Indexação De LivrosIndexação De Livros
Indexação De Livros
Camila Ribeiro
 
Principios tecnicas de_indexacao[1]
Principios tecnicas de_indexacao[1]Principios tecnicas de_indexacao[1]
Principios tecnicas de_indexacao[1]
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
 
Angélica Miranda - Universidade Federal do Rio Grande - FURG
Angélica Miranda - Universidade Federal do Rio Grande - FURGAngélica Miranda - Universidade Federal do Rio Grande - FURG
Angélica Miranda - Universidade Federal do Rio Grande - FURG
Conferência Luso-Brasileira de Ciência Aberta
 
Métodos para inclusão de conhecimento presente nas mídias sociais no aprimora...
Métodos para inclusão de conhecimento presente nas mídias sociais no aprimora...Métodos para inclusão de conhecimento presente nas mídias sociais no aprimora...
Métodos para inclusão de conhecimento presente nas mídias sociais no aprimora...
Gisele Dziekaniak
 
Arquivologia aula 01
Arquivologia   aula 01Arquivologia   aula 01
Arquivologia aula 01
iuripedroo
 
Política de indexação em bibliotecas universitárias: estudo diagnóstico na re...
Política de indexação em bibliotecas universitárias: estudo diagnóstico na re...Política de indexação em bibliotecas universitárias: estudo diagnóstico na re...
Política de indexação em bibliotecas universitárias: estudo diagnóstico na re...
Luciana Piovezan
 
Indexação e resumo de filmes
Indexação e resumo de filmesIndexação e resumo de filmes
Indexação e resumo de filmes
Marina Macambyra
 
ESTUDO COMPARATIVO DA NORMA BRASILEIRA DE DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA (NOBRADE) E ...
ESTUDO COMPARATIVO DA NORMA BRASILEIRA DE DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA (NOBRADE) E ...ESTUDO COMPARATIVO DA NORMA BRASILEIRA DE DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA (NOBRADE) E ...
ESTUDO COMPARATIVO DA NORMA BRASILEIRA DE DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA (NOBRADE) E ...
Daniel Ribeiro dos Santos
 
Arquitetura da Informação sem Wireframe
Arquitetura da Informação sem WireframeArquitetura da Informação sem Wireframe
Arquitetura da Informação sem Wireframe
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Analise Documental-AI1-1ºano
Analise Documental-AI1-1ºanoAnalise Documental-AI1-1ºano
Analise Documental-AI1-1ºano
CTDI Grupo5
 
Dissertação - Avaliação da indexação
Dissertação  - Avaliação da indexaçãoDissertação  - Avaliação da indexação
Dissertação - Avaliação da indexação
Luciana Piovezan
 
O processo de análise de assunto
O processo de análise de assuntoO processo de análise de assunto
O processo de análise de assunto
jani_jpa2012
 
Analise de Assunto
Analise de AssuntoAnalise de Assunto
Analise de Assunto
Ariovaldo Alves
 
Mudanças e desafios na utilização do RDA
Mudanças e desafios na utilização do RDAMudanças e desafios na utilização do RDA
Mudanças e desafios na utilização do RDA
Fabrício Silva Assumpção
 
Minicurso Introdução ao FRBR e ao RDA (SNBU 2014, Belo Horizonte)
Minicurso Introdução ao FRBR e ao RDA (SNBU 2014, Belo Horizonte)Minicurso Introdução ao FRBR e ao RDA (SNBU 2014, Belo Horizonte)
Minicurso Introdução ao FRBR e ao RDA (SNBU 2014, Belo Horizonte)
Fabrício Silva Assumpção
 
Sistemas de recuperação de informação
Sistemas de recuperação de informação Sistemas de recuperação de informação
Sistemas de recuperação de informação
Célia Dias
 
Elab2010
Elab2010Elab2010
Elab2010
cibeleac
 

Destaque (20)

Política de indexação
Política de indexaçãoPolítica de indexação
Política de indexação
 
A organização do conhecimento e suas implicações para os usuários da informação
A organização do conhecimento e suas implicações para os usuários da informaçãoA organização do conhecimento e suas implicações para os usuários da informação
A organização do conhecimento e suas implicações para os usuários da informação
 
Política de indexação em Bibliotecas Univesitárias
Política de indexação em Bibliotecas UnivesitáriasPolítica de indexação em Bibliotecas Univesitárias
Política de indexação em Bibliotecas Univesitárias
 
Indexação De Livros
Indexação De LivrosIndexação De Livros
Indexação De Livros
 
Principios tecnicas de_indexacao[1]
Principios tecnicas de_indexacao[1]Principios tecnicas de_indexacao[1]
Principios tecnicas de_indexacao[1]
 
Angélica Miranda - Universidade Federal do Rio Grande - FURG
Angélica Miranda - Universidade Federal do Rio Grande - FURGAngélica Miranda - Universidade Federal do Rio Grande - FURG
Angélica Miranda - Universidade Federal do Rio Grande - FURG
 
Métodos para inclusão de conhecimento presente nas mídias sociais no aprimora...
Métodos para inclusão de conhecimento presente nas mídias sociais no aprimora...Métodos para inclusão de conhecimento presente nas mídias sociais no aprimora...
Métodos para inclusão de conhecimento presente nas mídias sociais no aprimora...
 
Arquivologia aula 01
Arquivologia   aula 01Arquivologia   aula 01
Arquivologia aula 01
 
Política de indexação em bibliotecas universitárias: estudo diagnóstico na re...
Política de indexação em bibliotecas universitárias: estudo diagnóstico na re...Política de indexação em bibliotecas universitárias: estudo diagnóstico na re...
Política de indexação em bibliotecas universitárias: estudo diagnóstico na re...
 
Indexação e resumo de filmes
Indexação e resumo de filmesIndexação e resumo de filmes
Indexação e resumo de filmes
 
ESTUDO COMPARATIVO DA NORMA BRASILEIRA DE DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA (NOBRADE) E ...
ESTUDO COMPARATIVO DA NORMA BRASILEIRA DE DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA (NOBRADE) E ...ESTUDO COMPARATIVO DA NORMA BRASILEIRA DE DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA (NOBRADE) E ...
ESTUDO COMPARATIVO DA NORMA BRASILEIRA DE DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA (NOBRADE) E ...
 
Arquitetura da Informação sem Wireframe
Arquitetura da Informação sem WireframeArquitetura da Informação sem Wireframe
Arquitetura da Informação sem Wireframe
 
Analise Documental-AI1-1ºano
Analise Documental-AI1-1ºanoAnalise Documental-AI1-1ºano
Analise Documental-AI1-1ºano
 
Dissertação - Avaliação da indexação
Dissertação  - Avaliação da indexaçãoDissertação  - Avaliação da indexação
Dissertação - Avaliação da indexação
 
O processo de análise de assunto
O processo de análise de assuntoO processo de análise de assunto
O processo de análise de assunto
 
Analise de Assunto
Analise de AssuntoAnalise de Assunto
Analise de Assunto
 
Mudanças e desafios na utilização do RDA
Mudanças e desafios na utilização do RDAMudanças e desafios na utilização do RDA
Mudanças e desafios na utilização do RDA
 
Minicurso Introdução ao FRBR e ao RDA (SNBU 2014, Belo Horizonte)
Minicurso Introdução ao FRBR e ao RDA (SNBU 2014, Belo Horizonte)Minicurso Introdução ao FRBR e ao RDA (SNBU 2014, Belo Horizonte)
Minicurso Introdução ao FRBR e ao RDA (SNBU 2014, Belo Horizonte)
 
Sistemas de recuperação de informação
Sistemas de recuperação de informação Sistemas de recuperação de informação
Sistemas de recuperação de informação
 
Elab2010
Elab2010Elab2010
Elab2010
 

Semelhante a 1ª aula indexacao 2013

Análise de domínio
Análise de domínioAnálise de domínio
Análise de domínio
Paula Carina De Araújo
 
Aula 2 taxonomias gisele
Aula 2 taxonomias giseleAula 2 taxonomias gisele
Aula 2 taxonomias gisele
Gisele Dziekaniak
 
Ontolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBR
Ontolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBROntolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBR
Ontolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBR
Marcos Teruo Ouchi
 
Folksonomias: a Informação e a Metainformação
Folksonomias: a Informação e a MetainformaçãoFolksonomias: a Informação e a Metainformação
Folksonomias: a Informação e a Metainformação
Luísa Alvim
 
Acesso `a informação - estratégias
Acesso `a informação - estratégiasAcesso `a informação - estratégias
Acesso `a informação - estratégias
Kelley Cristine Gasque
 
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dadosAula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Leticia Strehl
 
Análise de conteúdo ppc
Análise de conteúdo ppcAnálise de conteúdo ppc
Análise de conteúdo ppc
vania morales sierra
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aspectos teoricos de análise documentaria
Aspectos teoricos de análise documentariaAspectos teoricos de análise documentaria
Aspectos teoricos de análise documentaria
Amanda Oliveira
 
[Minicurso - Módulo 3] Representação de imagens fotográficas e digitais: teor...
[Minicurso - Módulo 3] Representação de imagens fotográficas e digitais: teor...[Minicurso - Módulo 3] Representação de imagens fotográficas e digitais: teor...
[Minicurso - Módulo 3] Representação de imagens fotográficas e digitais: teor...
Ana Carolina Simionato
 
Contribuicao Birger Hjorland para a Organização do Conhecimento
Contribuicao Birger Hjorland para a Organização do ConhecimentoContribuicao Birger Hjorland para a Organização do Conhecimento
Contribuicao Birger Hjorland para a Organização do Conhecimento
Paula Carina De Araújo
 
AnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo SlidesAnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo Slides
guestc028f7
 
Camadas de transposição didática no ensino de língua materna
Camadas de transposição didática no ensino de língua maternaCamadas de transposição didática no ensino de língua materna
Camadas de transposição didática no ensino de língua materna
Fabio Delano
 
Aspectos Teoricos de Analise Documentaria
Aspectos Teoricos de Analise DocumentariaAspectos Teoricos de Analise Documentaria
Aspectos Teoricos de Analise Documentaria
Klicia Mendonca
 
Análises Discurso e Conteúdo (Zezé)
Análises Discurso e Conteúdo (Zezé)Análises Discurso e Conteúdo (Zezé)
analisesdiscursoconteudozeze-140326084806-phpapp02.pdf
analisesdiscursoconteudozeze-140326084806-phpapp02.pdfanalisesdiscursoconteudozeze-140326084806-phpapp02.pdf
analisesdiscursoconteudozeze-140326084806-phpapp02.pdf
DanNamise
 
Pesquisa Qualitativa
Pesquisa QualitativaPesquisa Qualitativa
Pesquisa Qualitativa
Érica Rigo
 
Especializacao aula 1 04092013
Especializacao aula 1 04092013Especializacao aula 1 04092013
Especializacao aula 1 04092013
lugracioso
 
O pensamento reflexivo na busca e no uso da informação na comunicação cienti...
O pensamento reflexivo  na busca e no uso da informação na comunicação cienti...O pensamento reflexivo  na busca e no uso da informação na comunicação cienti...
O pensamento reflexivo na busca e no uso da informação na comunicação cienti...
Kelley Cristine Gasque
 
Adriana santos anlise de conteudo-bardin,2004
Adriana santos   anlise de conteudo-bardin,2004Adriana santos   anlise de conteudo-bardin,2004
Adriana santos anlise de conteudo-bardin,2004
Hidematuda
 

Semelhante a 1ª aula indexacao 2013 (20)

Análise de domínio
Análise de domínioAnálise de domínio
Análise de domínio
 
Aula 2 taxonomias gisele
Aula 2 taxonomias giseleAula 2 taxonomias gisele
Aula 2 taxonomias gisele
 
Ontolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBR
Ontolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBROntolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBR
Ontolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBR
 
Folksonomias: a Informação e a Metainformação
Folksonomias: a Informação e a MetainformaçãoFolksonomias: a Informação e a Metainformação
Folksonomias: a Informação e a Metainformação
 
Acesso `a informação - estratégias
Acesso `a informação - estratégiasAcesso `a informação - estratégias
Acesso `a informação - estratégias
 
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dadosAula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
 
Análise de conteúdo ppc
Análise de conteúdo ppcAnálise de conteúdo ppc
Análise de conteúdo ppc
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Aspectos teoricos de análise documentaria
Aspectos teoricos de análise documentariaAspectos teoricos de análise documentaria
Aspectos teoricos de análise documentaria
 
[Minicurso - Módulo 3] Representação de imagens fotográficas e digitais: teor...
[Minicurso - Módulo 3] Representação de imagens fotográficas e digitais: teor...[Minicurso - Módulo 3] Representação de imagens fotográficas e digitais: teor...
[Minicurso - Módulo 3] Representação de imagens fotográficas e digitais: teor...
 
Contribuicao Birger Hjorland para a Organização do Conhecimento
Contribuicao Birger Hjorland para a Organização do ConhecimentoContribuicao Birger Hjorland para a Organização do Conhecimento
Contribuicao Birger Hjorland para a Organização do Conhecimento
 
AnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo SlidesAnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo Slides
 
Camadas de transposição didática no ensino de língua materna
Camadas de transposição didática no ensino de língua maternaCamadas de transposição didática no ensino de língua materna
Camadas de transposição didática no ensino de língua materna
 
Aspectos Teoricos de Analise Documentaria
Aspectos Teoricos de Analise DocumentariaAspectos Teoricos de Analise Documentaria
Aspectos Teoricos de Analise Documentaria
 
Análises Discurso e Conteúdo (Zezé)
Análises Discurso e Conteúdo (Zezé)Análises Discurso e Conteúdo (Zezé)
Análises Discurso e Conteúdo (Zezé)
 
analisesdiscursoconteudozeze-140326084806-phpapp02.pdf
analisesdiscursoconteudozeze-140326084806-phpapp02.pdfanalisesdiscursoconteudozeze-140326084806-phpapp02.pdf
analisesdiscursoconteudozeze-140326084806-phpapp02.pdf
 
Pesquisa Qualitativa
Pesquisa QualitativaPesquisa Qualitativa
Pesquisa Qualitativa
 
Especializacao aula 1 04092013
Especializacao aula 1 04092013Especializacao aula 1 04092013
Especializacao aula 1 04092013
 
O pensamento reflexivo na busca e no uso da informação na comunicação cienti...
O pensamento reflexivo  na busca e no uso da informação na comunicação cienti...O pensamento reflexivo  na busca e no uso da informação na comunicação cienti...
O pensamento reflexivo na busca e no uso da informação na comunicação cienti...
 
Adriana santos anlise de conteudo-bardin,2004
Adriana santos   anlise de conteudo-bardin,2004Adriana santos   anlise de conteudo-bardin,2004
Adriana santos anlise de conteudo-bardin,2004
 

Último

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 

Último (20)

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 

1ª aula indexacao 2013

  • 1. Relembrando fundamentos da representação temática Universidade Federal do Rio Grande (FURG) Disciplina Indexação: T & P (2013) Profa. Gisele Dziekaniak giseledziekaniak@yahoo.com.br http://indexacaoteoriaepraticafurg.blogspot.com.br/
  • 2. Classificação  Para James Duff Brown a classificação é umPara James Duff Brown a classificação é um “processo mental” constantemente executado de“processo mental” constantemente executado de forma consciente e inconsciente por qualquer serforma consciente e inconsciente por qualquer ser humano, ainda que não reconhecido como tal.humano, ainda que não reconhecido como tal.  Para Piedade (1983, p. 16) “Classificar é dividir em grupos ou classes, segundo as semelhanças e diferenças.”  Para Ranganathan classificar era traduzir o nome dos assuntos dos documentos da linguagem natural para a linguagem artificial adotada pelos sistemas de classificação bibliográfica. (PIEDADE, 1983)
  • 3. Característica, classe e categoria  Característica  Qualidade ou atributo escolhido para servir de base à classificação ou à divisão.  Pode-se classificar adotando características distintas para o mesmo objeto. Exemplos:  Livros - Tamanho - Cor - Língua - Assunto “Há tantas possibilidades de classificar quantas forem as semelhanças e diferenças existentes entre os objetos ou ideias a classificar.” (PIEDADE, 1983, p. 17) ■ Literatura - Lugar - Língua - Período
  • 4. Classificação cruzada  Pode-se classificar adotando várias características, mas empregando uma de cada vez e aplicando-a a todos os membros da classe. Ex.: característica Sexo para dividir animais racionais, não poderemos empregar, ao mesmo tempo, a característica faixa etária.  O emprego simultâneo de mais de uma característica se chama Classificação cruzada, quando as classes não são mutuamente excludentes, gerando confusão.
  • 5. Classificação cruzada Exemplo correto: Animais Racionais _________________________ Homens Mulheres ____________ _____________ Crianças Adolescentes Adultos Crianças Adolescentes Adultos
  • 6. Classificação cruzada Exemplo incorreto: Se empregássemos, ao mesmo tempo duas características (Língua e lugar) Literatura ____________________________________ Em língua Do Brasil De Portugal Em língua Do Chile Do Peru etc. portuguesa espanhola
  • 7. Característica, classe, categoria  Classe É o conjunto de coisas ou ideias que possuem um ou vários atributos, predicados ou qualidades em comum. Ex.: Mamíferos, Vertebrados, Canários, Animais.  Categoria São as maiores classes de fenômenos, as classes mais gerais que podem ser formadas. São as grandes classes. Ex: na categoria Lugar, pode-se distinguir as facetas: Lugar físico, Lugar político, Orientação (norte, sul etc.).
  • 8. Aristóteles e a classificação  Aristóteles dividiu o conhecimento com base em três critérios (NUNES, 2007):  Critério de ausência ou presença do homem nos seres investigados;  critério de imutabilidade e  critério de modalidade prática.  Trata-se de uma hierarquização conceitual que divide um tema geral em espécies a partir de uma característica classificatória.
  • 9. Aristóteles e a classificação  Aristóteles desenvolveu um sistema filosófico baseado em uma concepção rigorosa do Universo. Em seus tratados biológicos, apresentou o sistema de classificação dos animais que não se encontrava completo e que, originariamente em número de quatro, foram os seguintes:  Gênero  Espécie  Diferença  Propriedade, e  Acidente.
  • 10. Aristóteles e a classificação  Metafísica
  • 11. Porfírio e a classificação  A partir de Aristóteles, Porfírio descreve como as qualidades atribuídas às coisas podem ser classificadas, quebrando o conceito filosófico da substância como um genus/espécie do relacionamento:
  • 12. Bacon e a classificação  Na classificação baconiana, apesar de algumas de suas classes e divisões se tornarem imbricadas, este sistema foi considerado um dos mais influentes nas diversas tentativas feitas para classificar o conhecimento. A classificação de Bacon está baseada na figura abaixo:
  • 13. Bacon e sua classificação  MIR (Memória, Imaginação e Razão) Foi a base para a criação da CDD
  • 15. Etapas do tratamento temático  Análise de assunto  Processo de ler um documento para extrair conceitos que traduzam a essência do seu conteúdo. (DIAS, NAVES, 2007, p. 9)  Envolve cultura do indexador, experiência, conhecimento linguístico, cognitivo e lógico.  Também chamada de análise conceitual, análise documentária, análise da informação e subject analysis.
  • 16. Etapas do tratamento temático 1) Fases da Análise de assunto  Leitura técnica do documento (leitura documental)  Extração de conceitos que representam a obra  Atinência - termos em LN (do que trata a obra?) Sugestão de leitura: Dias e Naves (2007)
  • 17. Etapas do tratamento temático 2) Tradução  Passagem dos termos de linguagem natural (LN) para linguagem artificial/documentária (LA/LD).  Eleição descritores autorizados pela LD (cabeçalhos de assunto, palavras-chave, termos de indexação). Sugestão de leitura: Lancaster (2004)
  • 18. Análise documentária  “A análise documentária é definida como um conjunto de procedimentos efetuados com o fim de expressar o conteúdo dos documentos, sob formas destinadas a facilitar a recuperação da informação.” (DIAS, NAVES, 2007, p. 11)  Metainformação (informação da informação)
  • 19. Leitura do bibliotecário (LUCAS, 2000)  Questões ideológicas  Equívoco da neutralidade  Ilusão da completude  Sujeitos leitores  Organizam arquivos  Autorizados a ler, escrever e interpretar  Tipos de leitura  Como apreensão do documento (literal)  Como leitura interpretativa Dica de leitura: Lucas (2000)
  • 21. Subordinação, superordenação e coordenação Meio de transporte Aéreo AquáticoTerrestre Carro Moto Superordenação Subordinação Coordenação
  • 22. Recuperação da Informação - RI  Information Retrieval: Termo cunhado por Calvin Mooers (década de 1950) que engloba aspectos intelectuais da descrição de informações e suas especificidades para a busca, além de quaisquer sistemas, técnicas ou máquinas empregados para o desempenho da operação.  É a responsável pela criação e desenvolvimento da Ciência da Informação. (SARACEVIC, 1996)  O objetivo é recuperar informações através da busca por alguma entrada catalogada a priori.
  • 23. Sistema de Recuperação da Informação - SRI  Um sistema de informação coleta, processa, armazena, analisa e dissemina informações e é constituído por um conjunto de componentes relacionados entre si. (GROSSI, 2008).  São sistemas de operações interligadas para identificar dentre um grande conjunto de informações, aquelas que sejam úteis, de acordo com a demanda expressa pelo usuário. (LOPES, 2002)  Objetivo de um SRI é permitir que um usuário recupere documentos através de características como: autor, título, assunto ou qualquer combinação desses elementos.
  • 24. Atividades em um SRI  Representação das informações contidas nos documentos;  Armazenamento;  Gestão física e/ou lógica desses documentos e de suas representações;  Recuperação da informação representada e dos próprios documentos armazenados (links).  Disseminação da informação.
  • 25. Sistema de Recuperação da Informação - SRI  “Localização de documentos e itens de informação que tenham sido objeto de armazenamento.” (ROWLEY, 2002, p. 114)  Para Cendón (2006) catálogos de bibliotecas, bases de dados bibliográficas, e motores de busca na internet são exemplos de SRI. (GROSSI, 2008)
  • 26. Subsistemas dos SRIs  Subsistemas de entrada: Seleção/aquisição, descrição, representação, organização de arquivos, armazenamento.  Subsistemas de saída: Análise e negociação de questões, estratégia de busca/recuperação, disseminação/acesso ao documento.  Subsistema de avaliação: Não se refere especificamente nem à entrada, nem à saída, mas a ambos, ao sistema como um todo.
  • 27. Avaliação dos SRI  Cobertura: Representa quanto o sistema contém informações relevantes.  Exaustividade: Este conceito relaciona-se ao grau de profundidade com que os assuntos dos documentos são representados.  Precisão: Relaciona-se com a proporção de itens recuperados que são relevantes.
  • 28. Avaliação dos SRI  Tempo de resposta: É o intervalo médio entre o momento da consulta e a apresentação do resultado.  Esforço do usuário: É o esforço despendido para obter resultados na busca.  Formato: como os resultados são apresentados. São várias as características e tipologias comuns aos diversos sistemas de recuperação da informação, porém um módulo que todos devem possuir, por ser fundamental, é o módulo de interface com o usuário. (ARAUJO, 1994).
  • 30. Estratégias de busca em um SRI  Estratégia de busca é o conjunto de decisões tomadas e de procedimentos adotados durante uma busca.  É a técnica ou conjunto de regras para tornar possível o encontro entre uma pergunta formulada e a informação armazenada em uma base de dados. (LOPES, 2002).  É a técnica ou conjunto de regras para tornar possível o encontro entre uma pergunta formulada e a informação armazenada em uma base de dados.  Uma boa estratégia de busca implica em conhecer a base de dados, as fórmulas de busca, o assunto que se busca e/ou a bibliografia que é objeto de busca.  Identificar a Necessidade de Informação (NI).
  • 31. NI fórmula de busca = resultado SRI Estratégia de busca Resposta insatisfatória = RUÍDO = Usuário insatisfeito = Nova estratégia de busca Resposta satisfatória = NI satisfeita = Item recuperado = usuário satisfeito
  • 32. Objetivos da estratégia de busca  Recuperar um número suficiente de registros relevantes e evitar que:  Sejam recuperados itens irrelevantes;  Sejam recuperados um número excessivo de itens;  Sejam recuperados um número insignificante de registros.
  • 33. Problemas em recuperação da informação  Os autores nem sempre usam as mesmas palavras que os usuários para descrever o mesmo conceito.  Má formulação da consulta.
  • 34. Lógica de busca: Operadores booleanos AND E OR OU NOT NÃO Os operadores booleanos tem por objetivo definir como será a combinação feita entre os termos ou expressões de uma pesquisa.
  • 35. Lógica de busca: Operadores booleanos  OR/OU Amplia a pesquisa e tem a intenção de buscar ou esse ou aquele termo. Ou seja, qualquer uma das palavras.  Exemplo: A or B A B
  • 36. Lógica de busca: Operadores booleanos  AND/E Restringe a pesquisa e significa a expressão que tenha todas as palavras. O resultado da busca deve recuperar ambos os termos.  Exemplo: A and B
  • 37. Lógica de busca: Operadores booleanos  NOT/NÃO Exclui um dos termos da pesquisa. Equivale dizer: sem a seguinte palavra.  Exemplo: A not B
  • 38. Lógica de busca: Operadores booleanos  Podem ser usados em expressões mais complexas, onde se adotam os parênteses.  Ex: (A or B) and C A pesquisa será feita 1º combinando a OR b e o resultado se combina com AND
  • 39. Exercícios Operadores booleanos Crie buscas usando assuntos que representem os seguintes conjuntos: 1. 3. 2. 4.
  • 40. Linguagem de indexação e de busca  Linguagem de indexação:  Termos ou códigos usados como pontos de acesso em um índice.  Geralmente adota linguagem controlada (LC)  Linguagem de busca:  Termos que são usados por um consulente ao especificar uma necessidade de busca.  Podem ser Linguagem natural (LN) ou LC, desde que o usuário tenha acesso à linguagem documentária adotada pelo sistema de recuperação da informação.
  • 41. Linguagem natural e linguagem artificial ou controlada (LOPES, 2002)  CONCEITUE LINGUAGEM NATURAL É a linguagem usada habitualmente na fala e na escrita representadas na base de dados pelos termos do título e resumo.  CONCEITUE A LINGUAGEM CONTROLADA É o conjunto de termos organizados de forma hierarquizadas e/ou alfabética, com o objetivo de possibilitar a recuperação de informação temáticas, reduzindo substancialmente a diversidade de terminologia. Tarefa: Pesquisar conceitos de LN e LA/LC/LD em outras fontes de informação da área. Entrega: Próxima aula. (não esquecer de referenciar as fontes adotadas).
  • 42. Diferenças entre Linguagem natural (LN) e linguagem controlada (LC, LC) Linguagem natural ou livre (LN) Linguagem controlada (LC, LA, LD) Busca direta no texto Depende de uma LD Usa linguagem comum do usuário Distancia-se da linguagem do usuário Oferece mais pontos de acesso Os pontos de acesso são limitados pelo indexador Oferece maior revocação Oferece menor revocação Oferece menos precisão Oferece maior precisão Tarefa: Ler o texto LOPES, I. L. Uso das linguagens controlada e natural em bases de dados: revisão de literatura. Ci. Inf., v. 31, n.1, Brasília, p.41-52, jan./abr. 2002 e CRIAR QUADRO COMPARATIVO ENTRE LN E LC Entrega: próxima aula.
  • 43. Revocação e Relevância (Lancaster, 2004)  Revocação (recall)  Capacidade de um SRI em recuperar itens existentes na base de dados.  Precisão mede quantos documentos relevantes foram recuperados  Relevância (Precisão)  Capacidade de um SRI em recuperar itens úteis ao usuário e minimizar a recuperação de documentos inúteis.
  • 44. Fórmulas para avaliar um SRI (Revocação e Relevância) Itens não recuperados Relevantes (D) Itens não recuperados Relevantes (D) Itens não recuperados não Relevantes (C) Itens recuperados Relevantes (A) Itens recuperados não Relevantes (B) Revocação = relevantes recuperados/ total de itens relevantes que existem no sistema Precisão = relevantes recuperados/ total de itens recuperados Revocação R= A / (A+D) Relevância P = A / (A+B)
  • 45. Revocação e Relevância  Esses dois parâmetros são inversamente relacionados, significando que a melhoria de um implica na piora do outro.  Tradicionalmente, existem dois fatores muito importantes que governam a eficiência da indexação de um documento e consequentemente, influenciam na revocação e na precisão:  Exaustividade: Define o número de diferentes conceitos (tópicos) que estão indexados.  Especificidade: Define o grau de precisão da linguagem de indexação em descrever um dado documento.
  • 46. Referências  ARAUJO JUNIOR, R. H. Precisão no processo de busca e recuperação da informação. Brasília: Thesaurus, 2004.  DIAS, M. M. L.; DIAS, E. W. Análise de assunto: teoria e prática. Brasília: Briquet de Lemos, 2007.  GROSSI, M.G. R. Estudo das características de software e implantação de um software livre para gerenciamento de bibliotecas universitárias federais brasileiras. 2008. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – UFMG, Belo Horizonte, 2008.  LANCASTER, F. W. Indexação e resumos: teoria e prática. 2.ed. Brasília: Briquet de Lemos, 2004.  LOPES, I. L. Uso das linguagens controlada e natural em bases de dados: revisão de literatura. Ci. Inf., v. 31, n.1, Brasília, p.41- 52, jan./abr. 2002.
  • 47. Referências  NUNES, L. Da Classificação das Ciências à classificação da Informação: uma análise do acesso ao conhecimento. 2007. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - PUC de Campinas, 2007. Disponível em < http://www.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br/tde_busc php?codArquivo=340 > Acesso em 22 nov. 2009  PIEDADE, M. A. R. Introdução à teoria da classificação. Rio de Janeiro: Interciência, 1977.  ROWLEY, J. A biblioteca eletrônica. 2.ed. Brasília: Briquet de Lemos, 2002.  SARACEVIC, T. Ciência da informação: origem, evolução e relações. Perspec. Ci. Inf., Belo Horizonte, v. 1, n.1, p.41-62, jan./jun. 1996.