SlideShare uma empresa Scribd logo
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO
INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM
População
Feminina
97,3 milhões
População Total do Brasil
190,7 milhões
de pessoas
Fonte: IBGE, 2010 - Censo Demográfico
População
Masculina
93,4 milhões
População alvo:
20 a 59 anos
52 milhões = 27 % do total e
55% da população masculina
De que tipo de HOMEM
estamos falando?
MODERNO OU
NEM TANTO
FORTE OU
NEM TANTO
ESPORTISTA
OU NEM TANTO
TRABALHADOR
OU NEM TANTO
GORDO OU
NEM TANTO
GAY OU
NEM TANTO
TRAVESTI OU
NEM TANTO
Homem acessa o sistema de saúde por meio da atenção
especializada, já com o problema de saúde instalado e evoluindo
de maneira insatisfatória.
Consequência:
♂Agravo da morbidade;
♂Maior sofrimento;
♂Menor possibilidade de resolução;
♂Maior ônus para o Sistema Único de Saúde.
Conclusão: Muitas doenças poderiam ser evitadas se os homens
procurassem os serviços de saúde com mais regularidade pela
porta de entrada do SUS, que é a APS/Estratégia Saúde da Família.
EM QUE MOMENTO OS HOMENS PROCURAM OS
SERVIÇOS DE SAÚDE
♂Têm medo de descobrir doenças;
♂Acham que nunca vão adoecer e por isso não se cuidam;
♂ Não procuram os serviços de saúde e não seguem os tratamentos
recomendados;
♂ Estão mais expostos aos acidentes de trânsito e de trabalho;
♂Apresentam vulnerabilidades específicas que contribuem para uma maior
suscetibilidade à infecção de DST/Aids;
♂ Utilizam álcool e outras drogas em maior quantidade;
♂ Estão envolvidos na maioria das situações de violência;
♂ Não praticam atividade física com regularidade.
ASPECTOS SÓCIO-CULTURAIS
Distribuição (%) dos óbitos segundo sexo e idade. Brasil, 2010
Óbitos (%)
Idade (anos)
Masc % Fem %
Fonte: Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) - MS.
Óbitos
(unidade
por
faixa
etária)
Fonte: Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) - MS.
Grupo I = enfermidades infecciosas e parasitárias, causas maternas e perinatais, desnutrição.
Grupo II = enfermedades não transmissíveis e enfermidades mentais.
Grupo III = causas externas (exemplo: acidentes, homicídio, suicídio).
Distribuição dos óbitos do sexo masculino, por grupo de causas e idade. Brasil, 2010
Fonte: Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) - MS.
Principais causas de mortalidade na população masculina de 20 a 59 anos.
Brasil, 2010
Fonte: Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) - MS.
Óbitos por causas externas na população de 20 a 59 anos.
Brasil, 2010.
Principais causas de morbidade hospitalar da população de 20 a 59 anos.
Brasil, 2011.
Fonte: Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS)
Masc Fem
Morbidade hospitalar por causas externas da população de 20 a 59 anos.
Brasil, 2011.
Fonte: Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS)
Masc Fem
Caracterização do
provável autor da
agressão a vítimas de
violência doméstica,
sexual e outras
violências, por sexo.
Municípios
selecionados - Brasil,
2008.
PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009.
DIRETRIZ
Promover ações de saúde que contribuam significativamente
para a compreensão da realidade singular masculina nos seus
diversos contextos sócio-culturais e político-econômicos,
respeitando os diferentes níveis de desenvolvimento e
organização dos sistemas locais de saúde e tipos de gestão de
Estados e Municípios.
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL
À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH
1. Criar estratégias para sensibilizar e atrair por meio de ações
ampliadas (em diferentes espaços da comunidade, onde os homens
estão) e da reconfiguração de estruturas e práticas da ESF/APS, com
especial foco na sensibilização e capacitação da equipe de saúde;
2. Definir estratégias contextualizadas com base no reconhecimento da
diversidade (idade, condição sócio-econômica, local de moradia,
diferenças regionais e de raça/etnia, deficiência física e/ou mental,
orientação sexual e identidades de gênero, entre outras;
3. Desenvolver campanhas sobre a importância dos homens cuidarem da
saúde, tendo como público alvo, homens, mulheres e profissionais de
saúde.
LINHAS DE AÇÃO
4. Incluir os homens como sujeitos nos programas de saúde /direitos
sexuais e reprodutivos, especialmente no que se refere às ações de
contracepção, pré-natal e puericultura e cuidados familiares;
5. Promover articulação entre os diferentes níveis de atenção,
especialmente entre a emergência e a atenção primária, para que
possam receber, além de atendimento humanizado em pronto-
socorros, a garantia de continuidade da assistência (a partir da
concepção de linhas de cuidado);
6. Apoiar ações e atividades de promoção de saúde para facilitar o acesso
da população masculina aos serviços de saúde;
LINHAS DE AÇÃO
DOC-20230314-WA0051..pptx
DOC-20230314-WA0051..pptx
DOC-20230314-WA0051..pptx
PATERNIDADE E CUIDADO
O envolvimento dos homens em tarefas de cuidado e na
paternidade :
• reduz a ocorrência de violências contra pessoas próximas,
• contribui para a saúde das mulheres e para uma gestação
saudável,
• reduz a transmissão de doenças sexualmente
transmissíveis,
• contribui para a formação de crianças com atitudes
equitativas, através da relação entre pais e filhos baseada
no afeto
PATERNIDADE E CUIDADO
DESAFIOS
• Envolver e engajar os homens nas tarefas de cuidado (referentes
ao cuidado com as crianças e cuidado de outros nas configurações
familiares) - empoderamento dos homens e das mulheres, maior
equidade de gênero e distribuição dos papéis
• Inserir o homem na lógica dos serviços e na ESF/AB, no pré-natal,
parto e puerpério – conexão, afeto e vínculo
• Compreender o “cuidar” não apenas como uma qualidade
feminina – todos ganham
LEGISLAÇÃO
• Lei nº 9.263/96 - Dá direito a todo cidadão brasileiro a
todos os métodos cientificamente aceitos de concepção e
contracepção.
• Lei Federal nº 8.069/90 - Direito ao acompanhamento de
crianças e adolescentes internados.
• Lei Federal nº 11.108/05 - Direito de um acompanhante
durante todo o período de trabalho de parto, parto e pós-parto
imediato.
• Portaria nº 2.418/05 - Define como pós-parto imediato o
período de 10 dias após o parto e dá cobertura para que o/a
acompanhante possa ter acomodação adequada e receber as
principais refeições.
PATERNIDADE E CUIDADO
LEGISLAÇÃO
• Portaria nº 48/99 Ministério da Saúde - Dispõe sobre o
planejamento familiar e dá outras providências.
• Licença paternidade de 05 (cinco) dias foi concedida pela
Constituição Federal/88 em seu artigo 7º, XIX e art.10, §1º, do
Ato das Disposições Constitucionais Transitórias – ADCT.
• Portaria nº 1.944/09 - Institui no âmbito do SUS, a Política
Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem - PNAISH.
PATERNIDADE E CUIDADO
DOC-20230314-WA0051..pptx
DOC-20230314-WA0051..pptx
Área Técnica de Saúde do Homem
ATSH/DAPES/SAS/MS
saudedohomem@saude.gov.br
(61) 3315-9100

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a DOC-20230314-WA0051..pptx

Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos
Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodosDireitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos
Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos
Tharas On Line
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
APRESENTAÇÃO_DIREITO_SEXUAL_E_PATERNIDADE_E_CUIDADO__Reparado_.pptx
APRESENTAÇÃO_DIREITO_SEXUAL_E_PATERNIDADE_E_CUIDADO__Reparado_.pptxAPRESENTAÇÃO_DIREITO_SEXUAL_E_PATERNIDADE_E_CUIDADO__Reparado_.pptx
APRESENTAÇÃO_DIREITO_SEXUAL_E_PATERNIDADE_E_CUIDADO__Reparado_.pptx
IsaacNewton76
 
Política nacional de atenção à saúde do homem
Política nacional de atenção à saúde do homemPolítica nacional de atenção à saúde do homem
Política nacional de atenção à saúde do homem
eriiclima
 
Politica nacional atencao_homem
Politica nacional atencao_homemPolitica nacional atencao_homem
Politica nacional atencao_homem
Ketinlly
 
Investindo no Planejamento Familiar
Investindo no Planejamento FamiliarInvestindo no Planejamento Familiar
Investindo no Planejamento Familiar
Caroline Reis Gonçalves
 
Aula 2 - GO - Politicas publicas.pptx
Aula 2 - GO - Politicas publicas.pptxAula 2 - GO - Politicas publicas.pptx
Aula 2 - GO - Politicas publicas.pptx
LdiaItaboraRodrigues
 
SAÚDE DAS MULHERES LÉBICAS: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
SAÚDE DAS MULHERES LÉBICAS: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOSSAÚDE DAS MULHERES LÉBICAS: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
SAÚDE DAS MULHERES LÉBICAS: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
Valdirene1977
 
53152572 apostila
53152572 apostila53152572 apostila
Guia para saúde sexual e reprodutiva e atenção obstétrica
Guia para saúde sexual e reprodutiva e atenção obstétricaGuia para saúde sexual e reprodutiva e atenção obstétrica
Guia para saúde sexual e reprodutiva e atenção obstétrica
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Qual é a sua cor ou raça etnia ?
Qual é a sua cor ou raça etnia  ?Qual é a sua cor ou raça etnia  ?
Qual é a sua cor ou raça etnia ?
Cms José Paranhos Fontenelle
 
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptxSaúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Juliana Cavalcante
 
SAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
SAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOSSAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
SAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
Valdirene1977
 
promoosadeinfantil-170116010200.pdf
promoosadeinfantil-170116010200.pdfpromoosadeinfantil-170116010200.pdf
promoosadeinfantil-170116010200.pdf
KethelyMotta
 
Eduardo Chakora: Paternidades, Singularidades e Políticas Públicas
Eduardo Chakora:  Paternidades, Singularidades e Políticas PúblicasEduardo Chakora:  Paternidades, Singularidades e Políticas Públicas
Eduardo Chakora: Paternidades, Singularidades e Políticas Públicas
Elos da Saúde
 
Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
Faculdade União das Américas
 
Cartilha Luta Pela Saude CNTE
Cartilha Luta Pela Saude CNTECartilha Luta Pela Saude CNTE
Cartilha Luta Pela Saude CNTE
SINTE Regional
 
SAUDE DA MULHER_220503_213747.pdf
SAUDE DA MULHER_220503_213747.pdfSAUDE DA MULHER_220503_213747.pdf
SAUDE DA MULHER_220503_213747.pdf
HemilyLima6
 
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptxRELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
JessiellyGuimares
 
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, avPOLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
JessiellyGuimares
 

Semelhante a DOC-20230314-WA0051..pptx (20)

Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos
Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodosDireitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos
Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
 
APRESENTAÇÃO_DIREITO_SEXUAL_E_PATERNIDADE_E_CUIDADO__Reparado_.pptx
APRESENTAÇÃO_DIREITO_SEXUAL_E_PATERNIDADE_E_CUIDADO__Reparado_.pptxAPRESENTAÇÃO_DIREITO_SEXUAL_E_PATERNIDADE_E_CUIDADO__Reparado_.pptx
APRESENTAÇÃO_DIREITO_SEXUAL_E_PATERNIDADE_E_CUIDADO__Reparado_.pptx
 
Política nacional de atenção à saúde do homem
Política nacional de atenção à saúde do homemPolítica nacional de atenção à saúde do homem
Política nacional de atenção à saúde do homem
 
Politica nacional atencao_homem
Politica nacional atencao_homemPolitica nacional atencao_homem
Politica nacional atencao_homem
 
Investindo no Planejamento Familiar
Investindo no Planejamento FamiliarInvestindo no Planejamento Familiar
Investindo no Planejamento Familiar
 
Aula 2 - GO - Politicas publicas.pptx
Aula 2 - GO - Politicas publicas.pptxAula 2 - GO - Politicas publicas.pptx
Aula 2 - GO - Politicas publicas.pptx
 
SAÚDE DAS MULHERES LÉBICAS: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
SAÚDE DAS MULHERES LÉBICAS: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOSSAÚDE DAS MULHERES LÉBICAS: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
SAÚDE DAS MULHERES LÉBICAS: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
 
53152572 apostila
53152572 apostila53152572 apostila
53152572 apostila
 
Guia para saúde sexual e reprodutiva e atenção obstétrica
Guia para saúde sexual e reprodutiva e atenção obstétricaGuia para saúde sexual e reprodutiva e atenção obstétrica
Guia para saúde sexual e reprodutiva e atenção obstétrica
 
Qual é a sua cor ou raça etnia ?
Qual é a sua cor ou raça etnia  ?Qual é a sua cor ou raça etnia  ?
Qual é a sua cor ou raça etnia ?
 
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptxSaúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
 
SAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
SAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOSSAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
SAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
 
promoosadeinfantil-170116010200.pdf
promoosadeinfantil-170116010200.pdfpromoosadeinfantil-170116010200.pdf
promoosadeinfantil-170116010200.pdf
 
Eduardo Chakora: Paternidades, Singularidades e Políticas Públicas
Eduardo Chakora:  Paternidades, Singularidades e Políticas PúblicasEduardo Chakora:  Paternidades, Singularidades e Políticas Públicas
Eduardo Chakora: Paternidades, Singularidades e Políticas Públicas
 
Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
 
Cartilha Luta Pela Saude CNTE
Cartilha Luta Pela Saude CNTECartilha Luta Pela Saude CNTE
Cartilha Luta Pela Saude CNTE
 
SAUDE DA MULHER_220503_213747.pdf
SAUDE DA MULHER_220503_213747.pdfSAUDE DA MULHER_220503_213747.pdf
SAUDE DA MULHER_220503_213747.pdf
 
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptxRELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
 
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, avPOLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
 

Mais de AndreiaCosta151227

sistema circulatorio.pptx
sistema circulatorio.pptxsistema circulatorio.pptx
sistema circulatorio.pptx
AndreiaCosta151227
 
Apresentação sem título (1).pptx
Apresentação sem título (1).pptxApresentação sem título (1).pptx
Apresentação sem título (1).pptx
AndreiaCosta151227
 
sistema circulatório (1).pptx
sistema circulatório (1).pptxsistema circulatório (1).pptx
sistema circulatório (1).pptx
AndreiaCosta151227
 
Saúde Mental no seu Contexto Geral tesouro o1.pptx
Saúde Mental no seu Contexto Geral tesouro o1.pptxSaúde Mental no seu Contexto Geral tesouro o1.pptx
Saúde Mental no seu Contexto Geral tesouro o1.pptx
AndreiaCosta151227
 
ENF.pdf
ENF.pdfENF.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdfaula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
AndreiaCosta151227
 
saude_mulher2.pdf
saude_mulher2.pdfsaude_mulher2.pdf
saude_mulher2.pdf
AndreiaCosta151227
 

Mais de AndreiaCosta151227 (7)

sistema circulatorio.pptx
sistema circulatorio.pptxsistema circulatorio.pptx
sistema circulatorio.pptx
 
Apresentação sem título (1).pptx
Apresentação sem título (1).pptxApresentação sem título (1).pptx
Apresentação sem título (1).pptx
 
sistema circulatório (1).pptx
sistema circulatório (1).pptxsistema circulatório (1).pptx
sistema circulatório (1).pptx
 
Saúde Mental no seu Contexto Geral tesouro o1.pptx
Saúde Mental no seu Contexto Geral tesouro o1.pptxSaúde Mental no seu Contexto Geral tesouro o1.pptx
Saúde Mental no seu Contexto Geral tesouro o1.pptx
 
ENF.pdf
ENF.pdfENF.pdf
ENF.pdf
 
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdfaula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
 
saude_mulher2.pdf
saude_mulher2.pdfsaude_mulher2.pdf
saude_mulher2.pdf
 

DOC-20230314-WA0051..pptx

  • 1. POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM
  • 2. População Feminina 97,3 milhões População Total do Brasil 190,7 milhões de pessoas Fonte: IBGE, 2010 - Censo Demográfico População Masculina 93,4 milhões População alvo: 20 a 59 anos 52 milhões = 27 % do total e 55% da população masculina
  • 3. De que tipo de HOMEM estamos falando?
  • 4. MODERNO OU NEM TANTO FORTE OU NEM TANTO ESPORTISTA OU NEM TANTO TRABALHADOR OU NEM TANTO GORDO OU NEM TANTO GAY OU NEM TANTO TRAVESTI OU NEM TANTO
  • 5. Homem acessa o sistema de saúde por meio da atenção especializada, já com o problema de saúde instalado e evoluindo de maneira insatisfatória. Consequência: ♂Agravo da morbidade; ♂Maior sofrimento; ♂Menor possibilidade de resolução; ♂Maior ônus para o Sistema Único de Saúde. Conclusão: Muitas doenças poderiam ser evitadas se os homens procurassem os serviços de saúde com mais regularidade pela porta de entrada do SUS, que é a APS/Estratégia Saúde da Família. EM QUE MOMENTO OS HOMENS PROCURAM OS SERVIÇOS DE SAÚDE
  • 6. ♂Têm medo de descobrir doenças; ♂Acham que nunca vão adoecer e por isso não se cuidam; ♂ Não procuram os serviços de saúde e não seguem os tratamentos recomendados; ♂ Estão mais expostos aos acidentes de trânsito e de trabalho; ♂Apresentam vulnerabilidades específicas que contribuem para uma maior suscetibilidade à infecção de DST/Aids; ♂ Utilizam álcool e outras drogas em maior quantidade; ♂ Estão envolvidos na maioria das situações de violência; ♂ Não praticam atividade física com regularidade. ASPECTOS SÓCIO-CULTURAIS
  • 7. Distribuição (%) dos óbitos segundo sexo e idade. Brasil, 2010 Óbitos (%) Idade (anos) Masc % Fem % Fonte: Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) - MS.
  • 8. Óbitos (unidade por faixa etária) Fonte: Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) - MS. Grupo I = enfermidades infecciosas e parasitárias, causas maternas e perinatais, desnutrição. Grupo II = enfermedades não transmissíveis e enfermidades mentais. Grupo III = causas externas (exemplo: acidentes, homicídio, suicídio). Distribuição dos óbitos do sexo masculino, por grupo de causas e idade. Brasil, 2010
  • 9. Fonte: Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) - MS. Principais causas de mortalidade na população masculina de 20 a 59 anos. Brasil, 2010
  • 10. Fonte: Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) - MS. Óbitos por causas externas na população de 20 a 59 anos. Brasil, 2010.
  • 11. Principais causas de morbidade hospitalar da população de 20 a 59 anos. Brasil, 2011. Fonte: Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS) Masc Fem
  • 12. Morbidade hospitalar por causas externas da população de 20 a 59 anos. Brasil, 2011. Fonte: Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS) Masc Fem
  • 13. Caracterização do provável autor da agressão a vítimas de violência doméstica, sexual e outras violências, por sexo. Municípios selecionados - Brasil, 2008.
  • 14. PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009. DIRETRIZ Promover ações de saúde que contribuam significativamente para a compreensão da realidade singular masculina nos seus diversos contextos sócio-culturais e político-econômicos, respeitando os diferentes níveis de desenvolvimento e organização dos sistemas locais de saúde e tipos de gestão de Estados e Municípios. POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH
  • 15. 1. Criar estratégias para sensibilizar e atrair por meio de ações ampliadas (em diferentes espaços da comunidade, onde os homens estão) e da reconfiguração de estruturas e práticas da ESF/APS, com especial foco na sensibilização e capacitação da equipe de saúde; 2. Definir estratégias contextualizadas com base no reconhecimento da diversidade (idade, condição sócio-econômica, local de moradia, diferenças regionais e de raça/etnia, deficiência física e/ou mental, orientação sexual e identidades de gênero, entre outras; 3. Desenvolver campanhas sobre a importância dos homens cuidarem da saúde, tendo como público alvo, homens, mulheres e profissionais de saúde. LINHAS DE AÇÃO
  • 16. 4. Incluir os homens como sujeitos nos programas de saúde /direitos sexuais e reprodutivos, especialmente no que se refere às ações de contracepção, pré-natal e puericultura e cuidados familiares; 5. Promover articulação entre os diferentes níveis de atenção, especialmente entre a emergência e a atenção primária, para que possam receber, além de atendimento humanizado em pronto- socorros, a garantia de continuidade da assistência (a partir da concepção de linhas de cuidado); 6. Apoiar ações e atividades de promoção de saúde para facilitar o acesso da população masculina aos serviços de saúde; LINHAS DE AÇÃO
  • 21. O envolvimento dos homens em tarefas de cuidado e na paternidade : • reduz a ocorrência de violências contra pessoas próximas, • contribui para a saúde das mulheres e para uma gestação saudável, • reduz a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis, • contribui para a formação de crianças com atitudes equitativas, através da relação entre pais e filhos baseada no afeto
  • 22. PATERNIDADE E CUIDADO DESAFIOS • Envolver e engajar os homens nas tarefas de cuidado (referentes ao cuidado com as crianças e cuidado de outros nas configurações familiares) - empoderamento dos homens e das mulheres, maior equidade de gênero e distribuição dos papéis • Inserir o homem na lógica dos serviços e na ESF/AB, no pré-natal, parto e puerpério – conexão, afeto e vínculo • Compreender o “cuidar” não apenas como uma qualidade feminina – todos ganham
  • 23. LEGISLAÇÃO • Lei nº 9.263/96 - Dá direito a todo cidadão brasileiro a todos os métodos cientificamente aceitos de concepção e contracepção. • Lei Federal nº 8.069/90 - Direito ao acompanhamento de crianças e adolescentes internados. • Lei Federal nº 11.108/05 - Direito de um acompanhante durante todo o período de trabalho de parto, parto e pós-parto imediato. • Portaria nº 2.418/05 - Define como pós-parto imediato o período de 10 dias após o parto e dá cobertura para que o/a acompanhante possa ter acomodação adequada e receber as principais refeições. PATERNIDADE E CUIDADO
  • 24. LEGISLAÇÃO • Portaria nº 48/99 Ministério da Saúde - Dispõe sobre o planejamento familiar e dá outras providências. • Licença paternidade de 05 (cinco) dias foi concedida pela Constituição Federal/88 em seu artigo 7º, XIX e art.10, §1º, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias – ADCT. • Portaria nº 1.944/09 - Institui no âmbito do SUS, a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem - PNAISH. PATERNIDADE E CUIDADO
  • 27. Área Técnica de Saúde do Homem ATSH/DAPES/SAS/MS saudedohomem@saude.gov.br (61) 3315-9100