SlideShare uma empresa Scribd logo
1 
Parece fácil ser professor, ouvimos recentemente que para ser professor bastaria 
estudar e repassar o conteúdo da matéria estudada, como se transmitir um acto simples e 
banal. 
O conhecimento transmitido pelos docentes aproxima-se do saber social. 
A Docência não é ofício fácil de ser exercitado, exige a observação atenta e cuidado 
com outro ser. Tem acompanhamento perseverante na distinção dos valores mais 
profundos que dignifica o ser humano e o fazer respeitar a própria vida e a dos outros seres 
humanos para o convívio fraterno em sociedade. 
A adolescência exige do professor a sua postura de sujeito nas observações sensível 
do educando e se relaciona com os factos e acontecimentos da vida da pessoa em formação 
da sua personalidade e do seu ser. Para que se faça a aula ao professor, cabe a 
responsabilidade do planejamento pedagógico ou da aula, por que o professor estabelece a 
organização do seu trabalho e a sua acção prática de gestação do conteúdo.
2 
O professor na sala de aula 
O professor simultaneamente se expõe ao grupo de alunos na sala de aula, sobre 
tudo na condição pessoal, utilizando a fala, vós e seu potencial cognitivo, a sua inteligência 
a sua criatividade e fundamentalmente, quando se envolve com a sua alma, colocando ali 
com todo seu esforço a grandeza do seu espírito entre as relações que se estabelece entre o 
professor e os aluno e com os alunos entre si. 
O professor em sala de aula preocupa-se com a exposição do conteúdo, se a sua 
comunicação é clara que se atente aos apelos dos alunos, e ainda tem que manter um nível 
mínimo de atenção e silêncio, se os alunos estão aprendendo e se envolve a todos com a 
metodologia e a sua didáctica. 
Tornando a aula agradável. Aqui sobressai a dimensão mental emocional do 
trabalho docente. 
Para demonização do trabalho docente, o professor utiliza meios para facilitar 
aprendizagem dos alunos. 
As novas tecnologias tem cumprido papel relevante na elaboração e definição de 
metodologias que muito contribuem para formulação didática da disciplina do ensino. 
O suporte do ensino se realiza por uma são didáctica em que a facilitação dos 
conteúdos do ensino deve ser compreendida aprendidos, retidos, e fixados. 
Logo, a caracterização da prática docente se faz uma acção comunicativa. No 
conteúdo da fala em que se estabelece o dialogo, existe a troca de subjectividades: o sujeito 
docente diálogo com sujeitos discentes. Trata-se, sobre tudo de uma relação de sujeitos 
(docentes) entre sujeitos (discentes) que prosseguem a troca do entendimento entre si. 
O conteúdo da educação escolar no sistema de classe 
A estrutura de classe social se reproduz na escola. É visível a relação der 
desigualdade que se estabelece nos sistemas educacionais e como estas diferenças se 
reflectem na sala de aula e nos resultados das avaliações da educação básica. 
Isso é um problema que expõe a tarefa de educar: Se educar é uma atitude ética, 
como sustentar esta situação que gera condições desagradáveis, impossibilitando medidas 
que contribuam uma convivência mas humana fraterna e solidária. é uma exigência
3 
inevitável. Vemos que os ganhos da humanidade com a educação são imensos, ou seja são 
frutos das tradições herdadas da modernidade iluminista. 
Por uma escola de excelente qualidade 
Educar é humanizar. E não se constitui um ser humano pleno de uma hora para 
outra. 
De uma forma geral, os prazos em educação exigem a paciência cujo tempo se 
consubstancias no amadurecimento na sensibilidade, na perspectividade. O trabalho em 
educação significa tratar permanentemente do inacabado. O projecto de melhoria do ser 
humano exige humildade e ousadia de reconstrução. Assim, a escola deve ser transformada 
por hábitos pedagógicos. Educação é processo. 
O desafio de fazer educação de excelente qualidade é desenvolver uma proposta 
pedagógica centrada na aprendizagem. Desse modo, é importante que o professor tenha o 
domínio da referida metodologia para o trabalho que será desenvolvido, tendo como foco 
aprendizagem. 
A responsabilidade do professor não deve se limitar a transmitir conteúdo 
(conhecimento). 
O panejamento pedagógico numa visão estratégica, articulação interdisciplinar dos 
conteúdo e a leitura aprofundada das temáticas transversais são formas de organização de 
trabalho escolar que, por meio da pedagogia de projectos têm se constituído em um 
poderoso instrumento para acompanhar aprendizagem. 
Existem técnicas fundamentadas cientificamente que possibilitam o 
acompanhamento e a evolução dos níveis de aprendizagem da aquele que aprende. 
Portando, qualificar a escola para garantir resultados positivos exige que a 
formação dos professores seja garantida. O professor tem que ser motivado, ter segurança e 
suporte pedagógico para fortalecer o seu trabalho. Educar exige a definição de objectivos e 
a clareza em atingi- los.
4 
A avaliação do professor 
Outras definições ainda não geram a repercussão necessária para o sistema 
educacional. A formação inicial de professores ainda ensaia pessoas na caminhada de 
implementação das directrizes curriculares e a formação contínua é ainda muito tímida, 
faltando a definição de programas atentos as carências dos professores na escola real. A 
motivação para o trabalho é um problema de difícil solução. Os baixos salários para 
jornada de três turma de trabalho, a falta de condições adequadas para o exercício da 
actividade docente levam os professores ao desestimulo. Sem desmerecer as outras, mas 
observando as profissões técnicas – administrativa listadas nas varias editais, observamos 
que a diferença de salário entre estes profissionais e os professores é no mínimo 
humilhante. 
Tal discrepância é um desrespeito a docência; salários tão baixos para uma 
actividade tão nobre. 
A difícil tarefa da docência se faz por uma relação com outros sujeitos, 
caracterizada por uma acção comunicativa fundada no dialogo. Essa pratica quotidiana 
reflexiva é constituída por saberes, principalmente, pela experiência. 
Desse modo, a docência é um trabalho complexo exigente e, por isso requer o 
professor como um todo. O professor na sala de aula é desafiado no seu fazer, ou seja, pelo 
agir no trabalho docente, na gestão da sala de aula, na gestão de grupo, na relação com os 
outros docentes e com os alunos, emergindo um conteúdo que lhe é próprio, o docente 
toma decisões continuamente na busca de tomar os outros seres humanos pessoas 
melhores. 
O saber “profissional” dos professores é um saber planar e heterogéneo. É um 
conhecimento construindo a partir do trabalho. Assim, o acto docente pode ser 
compreendido como uma acção carregada de sentido no contexto que lhe é especifico 
marcado pela tomada de decisões diante do incerto. O saber docente é contribuído no 
limite da pratica.
5 
O planeamento do ensino 
O planeamento do ensino requer do professor a articulação do projeto pedagógico 
da escola e o plano da disciplina, considerando a transformação da realidade. 
O professor deve definir quais são os objeitos concretos de aprendizagem, as 
finalidades, os objectivos de ensino / Educação, mesmo que seja na prática. O professor 
deve focar o expecto didáticos – metodológico, tendo a clareza de que deve: 
- Perceber que os alunos são diferentes; 
- Verificam os conteúdos prévios que os alunos trazem; 
- Propor exigência diferenciado para cada aluno; 
- Ajudar cada aluno de forma individual, diante das suas necessidades: 
- Desafinar a curiosidade dos alunos com objectos novos de aprendizagem 
O trabalho do planeamento pedagógico é processual e estratégico para a 
organização do ensino e da aprendizagem daquilo que se pretende determinar como 
conteúdo conceitual sabendo-se que aprender e mudar, que a aprendizagem se faz de 
forma singular, pessoal e dinâmica. Cada aluno, na sua individualidade, desenvolve em 
ritmo próprio de aprendizagem que é enriquecido pelas experiencias pessoais e a forma 
como se é apropriados dos conteúdos segundo os seus interesses e motivações de acordo 
com as suas capacidades. 
Portanto, o professor deve regular a sua actividade docente levando em conta o 
desenvolvimento do aluno e a sua aprendizagem. O que se quer ensinar no ano Lectivo em 
determinada disciplina e o que se deseja que os alunos aprendam? Assim, é necessário que 
o professor considera a rede de esquemas de conhecimentos e relacione- os as situações de 
aprendizagem diante dos objeitos de ensino. 
Para o êxito metodológico do ensino, é importante que o professor considere 
três pontos: 
- Comparar o que os alunos sabem com o conhecimento “novo” a ser ensinado; 
- Verificar semelhanças e diferenças entre os conhecimentos prévios dos alunos, o 
que se prenda. 
-Estreitar a relação entre o que se sabe com o que se pretende ensinar. 
Essas medidas sobre o planeamento da aula buscam tornar a aprendizagem viva e, 
assim negar a aprendizagem mecânica, e que se limita o acto de ensinar ao improviso e, 
sobretudo, a aprendizagem a decorar conteúdos. Mas os justificativos para as reais
6 
intenções dos professores com o ensino e a aprendizagem devem se pautar pela definição 
dos elementos axiais do planeamento do seu trabalho em sala de aula e a incorporação de 
uma prática reflexiva permanentemente renovada do seu compromisso com a qualidade do 
ensino, vinculada a sua prática docente. 
Finalizando, a docência é por demais exigente, pois a postura ética pede respeito á 
condição sublime do ser humano. 
Portanto, o trabalho docente exige ética e respeito, a partir dos argumentos exposto 
o que parece ser uma actividade simples constitui-se na verdade numa das possibilidades 
mais dignificantes, a de promover o ser humano, fazendo com que ele vá alem de si 
mesmo, superando-se. 
A docência se reveste de arte e ofício, traduzindo a aventura de viver. 
Aprática da docência não se limita a ações prescritivas. A docência não se limita a 
transmissão de conteúdo e avaliação. Implica em estudar, conhecer, refletir, analisar, 
investigar e avaliar. Na docência se formula a realização da pessoa, no aquilo que lhe é 
mais profundo a humanidade.
7 
Referencia Bibliográfica 
CAMPO, Casimiro de Madeiros – Gestão Escolar e Docência, São Paul: Paulinas, 
2010, 3ª edição
8 
INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO METROPOLITANO DE 
ANGOLA 
CURSO DE PEDAGOGIA 
ORGANIZAÇÃO ESCOLAR 
GESTÃO ESCOLAR E DOCÊNCIA 
Docente: Samuel Tumbula 
Luanda 
2014
9 
INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO METROPOLITANO DE 
ANGOLA 
CURSO DE PEDAGOGIA 
ORGANIZAÇÃO ESCOLAR 
GESTÃO ESCOLAR E DOCÊNCIA 
Nome: Maria Madalena José Carlos Amaral 
Turma: LEPT3 
Sala: 313 
Luanda 
2014

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Prática Pedagógica do Professor
A Prática Pedagógica do ProfessorA Prática Pedagógica do Professor
A Prática Pedagógica do Professor
cefaprodematupa
 
Métodos de ensino
Métodos de ensinoMétodos de ensino
Métodos de ensino
Mara Salvucci
 
Métodos e técnicas de ensino
Métodos e técnicas de ensinoMétodos e técnicas de ensino
Métodos e técnicas de ensino
Mekinho20
 
Professor como protagonista
Professor como protagonistaProfessor como protagonista
Professor como protagonista
Jovina Aguiar
 
Sala de aula
Sala de aulaSala de aula
Sala de aula
JOAO NELO DE OLIVEIRA
 
Prática pedagógica:a relação professor-aluno no ensino superior
Prática pedagógica:a relação professor-aluno no ensino superiorPrática pedagógica:a relação professor-aluno no ensino superior
Prática pedagógica:a relação professor-aluno no ensino superior
Professor do Futuro Assessoria S/A Cursos online
 
Portifólio helen rosa
Portifólio helen rosaPortifólio helen rosa
Portifólio helen rosa
Helenrsr
 
Gestão da Aprendizagem
Gestão da AprendizagemGestão da Aprendizagem
Reflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática Pedagógica
Reflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática PedagógicaReflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática Pedagógica
Reflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática Pedagógica
Luluroque
 
As relações interativas em sala de aula
As relações interativas em sala de aulaAs relações interativas em sala de aula
As relações interativas em sala de aula
pedagogia para licenciados
 
Aula 1 tutoria
Aula 1 tutoriaAula 1 tutoria
Aula 1 tutoria
Marluce Filipe
 
Estagio diferentes concepções
Estagio diferentes concepçõesEstagio diferentes concepções
Estagio diferentes concepções
Kênia Bomtempo
 
Processo de Ensino na Escola
Processo de Ensino na EscolaProcesso de Ensino na Escola
Processo de Ensino na Escola
Marcia Caroline
 
Pratica docente es
Pratica docente esPratica docente es
Pratica docente es
Liliane Barros
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
jairdeoliveirajunior
 
O Professor, seus Saberes e sua Identidade
O Professor, seus Saberes e sua IdentidadeO Professor, seus Saberes e sua Identidade
O Professor, seus Saberes e sua Identidade
Claudia Melo
 
Aula 2 didatica do ensino supeior copia
Aula 2 didatica do ensino supeior   copiaAula 2 didatica do ensino supeior   copia
Aula 2 didatica do ensino supeior copia
Marluce Filipe
 
O PAPEL DA INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NO DESENVOLVIMENTO DA AUTONOMIA DO APREN...
O PAPEL DA INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NO DESENVOLVIMENTO DA AUTONOMIA DO APREN...O PAPEL DA INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NO DESENVOLVIMENTO DA AUTONOMIA DO APREN...
O PAPEL DA INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NO DESENVOLVIMENTO DA AUTONOMIA DO APREN...
giselle_trajano
 
A prática educativa zabala
A prática educativa zabalaA prática educativa zabala
A prática educativa zabala
Somos Cristo.
 
Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?
Elicio Lima
 

Mais procurados (20)

A Prática Pedagógica do Professor
A Prática Pedagógica do ProfessorA Prática Pedagógica do Professor
A Prática Pedagógica do Professor
 
Métodos de ensino
Métodos de ensinoMétodos de ensino
Métodos de ensino
 
Métodos e técnicas de ensino
Métodos e técnicas de ensinoMétodos e técnicas de ensino
Métodos e técnicas de ensino
 
Professor como protagonista
Professor como protagonistaProfessor como protagonista
Professor como protagonista
 
Sala de aula
Sala de aulaSala de aula
Sala de aula
 
Prática pedagógica:a relação professor-aluno no ensino superior
Prática pedagógica:a relação professor-aluno no ensino superiorPrática pedagógica:a relação professor-aluno no ensino superior
Prática pedagógica:a relação professor-aluno no ensino superior
 
Portifólio helen rosa
Portifólio helen rosaPortifólio helen rosa
Portifólio helen rosa
 
Gestão da Aprendizagem
Gestão da AprendizagemGestão da Aprendizagem
Gestão da Aprendizagem
 
Reflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática Pedagógica
Reflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática PedagógicaReflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática Pedagógica
Reflexões : O ato de registrar e Aprender com a prática Pedagógica
 
As relações interativas em sala de aula
As relações interativas em sala de aulaAs relações interativas em sala de aula
As relações interativas em sala de aula
 
Aula 1 tutoria
Aula 1 tutoriaAula 1 tutoria
Aula 1 tutoria
 
Estagio diferentes concepções
Estagio diferentes concepçõesEstagio diferentes concepções
Estagio diferentes concepções
 
Processo de Ensino na Escola
Processo de Ensino na EscolaProcesso de Ensino na Escola
Processo de Ensino na Escola
 
Pratica docente es
Pratica docente esPratica docente es
Pratica docente es
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
 
O Professor, seus Saberes e sua Identidade
O Professor, seus Saberes e sua IdentidadeO Professor, seus Saberes e sua Identidade
O Professor, seus Saberes e sua Identidade
 
Aula 2 didatica do ensino supeior copia
Aula 2 didatica do ensino supeior   copiaAula 2 didatica do ensino supeior   copia
Aula 2 didatica do ensino supeior copia
 
O PAPEL DA INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NO DESENVOLVIMENTO DA AUTONOMIA DO APREN...
O PAPEL DA INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NO DESENVOLVIMENTO DA AUTONOMIA DO APREN...O PAPEL DA INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NO DESENVOLVIMENTO DA AUTONOMIA DO APREN...
O PAPEL DA INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NO DESENVOLVIMENTO DA AUTONOMIA DO APREN...
 
A prática educativa zabala
A prática educativa zabalaA prática educativa zabala
A prática educativa zabala
 
Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?
 

Semelhante a Trabalho da dona elena

Formação de professor
Formação de professorFormação de professor
Formação de professor
carmemlima
 
Carmen2[1]
Carmen2[1]Carmen2[1]
Carmen2[1]
carmemlima
 
Tcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão finalTcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão final
Edneusa Souza
 
Supervisão pedagógica slide com habilitação
Supervisão pedagógica slide com habilitaçãoSupervisão pedagógica slide com habilitação
Supervisão pedagógica slide com habilitação
AgnciaWill
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
maria152302
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
renatalguterres
 
Estudo dirigido didatica
Estudo dirigido didaticaEstudo dirigido didatica
Estudo dirigido didatica
Josenilza Paiva
 
Slides matrizes de competências e habilidades 1
Slides matrizes de competências e habilidades 1Slides matrizes de competências e habilidades 1
Slides matrizes de competências e habilidades 1
Dianaricardo28
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Profª Fabi Sobrenome
 
EDUCAÇÃO CONTINUADA PARA FORMAÇÃO DOCENTE
EDUCAÇÃO CONTINUADA PARA FORMAÇÃO DOCENTEEDUCAÇÃO CONTINUADA PARA FORMAÇÃO DOCENTE
EDUCAÇÃO CONTINUADA PARA FORMAÇÃO DOCENTE
ALEXSANDRE FERNANDES RIBEIRO
 
A
AA
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Giba Canto
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
Rosinara Azeredo
 
Capacitação de Ciências - 2ª parte
Capacitação de Ciências - 2ª parteCapacitação de Ciências - 2ª parte
Capacitação de Ciências - 2ª parte
anjalylopes
 
O Desafio de ser um professor reflexivo
O Desafio de ser um professor reflexivoO Desafio de ser um professor reflexivo
O Desafio de ser um professor reflexivo
Claudio Roberto Ribeiro Junior
 
Desafios para um professor reflexivo
Desafios para um professor reflexivoDesafios para um professor reflexivo
Desafios para um professor reflexivo
Claudio Ribeiro
 
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1ArtigoCONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
cefaprodematupa
 
As práticas dos professores
As práticas dos professoresAs práticas dos professores
As práticas dos professores
dulcemarr
 
aaaa 2003
aaaa 2003aaaa 2003
DIDATICA Didática i aula
DIDATICA Didática i   aulaDIDATICA Didática i   aula
DIDATICA Didática i aula
Leandro Pereira
 

Semelhante a Trabalho da dona elena (20)

Formação de professor
Formação de professorFormação de professor
Formação de professor
 
Carmen2[1]
Carmen2[1]Carmen2[1]
Carmen2[1]
 
Tcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão finalTcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão final
 
Supervisão pedagógica slide com habilitação
Supervisão pedagógica slide com habilitaçãoSupervisão pedagógica slide com habilitação
Supervisão pedagógica slide com habilitação
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
 
Estudo dirigido didatica
Estudo dirigido didaticaEstudo dirigido didatica
Estudo dirigido didatica
 
Slides matrizes de competências e habilidades 1
Slides matrizes de competências e habilidades 1Slides matrizes de competências e habilidades 1
Slides matrizes de competências e habilidades 1
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
 
EDUCAÇÃO CONTINUADA PARA FORMAÇÃO DOCENTE
EDUCAÇÃO CONTINUADA PARA FORMAÇÃO DOCENTEEDUCAÇÃO CONTINUADA PARA FORMAÇÃO DOCENTE
EDUCAÇÃO CONTINUADA PARA FORMAÇÃO DOCENTE
 
A
AA
A
 
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
 
Capacitação de Ciências - 2ª parte
Capacitação de Ciências - 2ª parteCapacitação de Ciências - 2ª parte
Capacitação de Ciências - 2ª parte
 
O Desafio de ser um professor reflexivo
O Desafio de ser um professor reflexivoO Desafio de ser um professor reflexivo
O Desafio de ser um professor reflexivo
 
Desafios para um professor reflexivo
Desafios para um professor reflexivoDesafios para um professor reflexivo
Desafios para um professor reflexivo
 
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1ArtigoCONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
 
As práticas dos professores
As práticas dos professoresAs práticas dos professores
As práticas dos professores
 
aaaa 2003
aaaa 2003aaaa 2003
aaaa 2003
 
DIDATICA Didática i aula
DIDATICA Didática i   aulaDIDATICA Didática i   aula
DIDATICA Didática i aula
 

Último

10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
FlorAzaleia1
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
jenneferbarbosa21
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
jenneferbarbosa21
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
FlorAzaleia1
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MnicaPereira739219
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
jenneferbarbosa21
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
FERNANDACAROLINEPONT
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
cleidianevieira7
 

Último (8)

10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
 

Trabalho da dona elena

  • 1. 1 Parece fácil ser professor, ouvimos recentemente que para ser professor bastaria estudar e repassar o conteúdo da matéria estudada, como se transmitir um acto simples e banal. O conhecimento transmitido pelos docentes aproxima-se do saber social. A Docência não é ofício fácil de ser exercitado, exige a observação atenta e cuidado com outro ser. Tem acompanhamento perseverante na distinção dos valores mais profundos que dignifica o ser humano e o fazer respeitar a própria vida e a dos outros seres humanos para o convívio fraterno em sociedade. A adolescência exige do professor a sua postura de sujeito nas observações sensível do educando e se relaciona com os factos e acontecimentos da vida da pessoa em formação da sua personalidade e do seu ser. Para que se faça a aula ao professor, cabe a responsabilidade do planejamento pedagógico ou da aula, por que o professor estabelece a organização do seu trabalho e a sua acção prática de gestação do conteúdo.
  • 2. 2 O professor na sala de aula O professor simultaneamente se expõe ao grupo de alunos na sala de aula, sobre tudo na condição pessoal, utilizando a fala, vós e seu potencial cognitivo, a sua inteligência a sua criatividade e fundamentalmente, quando se envolve com a sua alma, colocando ali com todo seu esforço a grandeza do seu espírito entre as relações que se estabelece entre o professor e os aluno e com os alunos entre si. O professor em sala de aula preocupa-se com a exposição do conteúdo, se a sua comunicação é clara que se atente aos apelos dos alunos, e ainda tem que manter um nível mínimo de atenção e silêncio, se os alunos estão aprendendo e se envolve a todos com a metodologia e a sua didáctica. Tornando a aula agradável. Aqui sobressai a dimensão mental emocional do trabalho docente. Para demonização do trabalho docente, o professor utiliza meios para facilitar aprendizagem dos alunos. As novas tecnologias tem cumprido papel relevante na elaboração e definição de metodologias que muito contribuem para formulação didática da disciplina do ensino. O suporte do ensino se realiza por uma são didáctica em que a facilitação dos conteúdos do ensino deve ser compreendida aprendidos, retidos, e fixados. Logo, a caracterização da prática docente se faz uma acção comunicativa. No conteúdo da fala em que se estabelece o dialogo, existe a troca de subjectividades: o sujeito docente diálogo com sujeitos discentes. Trata-se, sobre tudo de uma relação de sujeitos (docentes) entre sujeitos (discentes) que prosseguem a troca do entendimento entre si. O conteúdo da educação escolar no sistema de classe A estrutura de classe social se reproduz na escola. É visível a relação der desigualdade que se estabelece nos sistemas educacionais e como estas diferenças se reflectem na sala de aula e nos resultados das avaliações da educação básica. Isso é um problema que expõe a tarefa de educar: Se educar é uma atitude ética, como sustentar esta situação que gera condições desagradáveis, impossibilitando medidas que contribuam uma convivência mas humana fraterna e solidária. é uma exigência
  • 3. 3 inevitável. Vemos que os ganhos da humanidade com a educação são imensos, ou seja são frutos das tradições herdadas da modernidade iluminista. Por uma escola de excelente qualidade Educar é humanizar. E não se constitui um ser humano pleno de uma hora para outra. De uma forma geral, os prazos em educação exigem a paciência cujo tempo se consubstancias no amadurecimento na sensibilidade, na perspectividade. O trabalho em educação significa tratar permanentemente do inacabado. O projecto de melhoria do ser humano exige humildade e ousadia de reconstrução. Assim, a escola deve ser transformada por hábitos pedagógicos. Educação é processo. O desafio de fazer educação de excelente qualidade é desenvolver uma proposta pedagógica centrada na aprendizagem. Desse modo, é importante que o professor tenha o domínio da referida metodologia para o trabalho que será desenvolvido, tendo como foco aprendizagem. A responsabilidade do professor não deve se limitar a transmitir conteúdo (conhecimento). O panejamento pedagógico numa visão estratégica, articulação interdisciplinar dos conteúdo e a leitura aprofundada das temáticas transversais são formas de organização de trabalho escolar que, por meio da pedagogia de projectos têm se constituído em um poderoso instrumento para acompanhar aprendizagem. Existem técnicas fundamentadas cientificamente que possibilitam o acompanhamento e a evolução dos níveis de aprendizagem da aquele que aprende. Portando, qualificar a escola para garantir resultados positivos exige que a formação dos professores seja garantida. O professor tem que ser motivado, ter segurança e suporte pedagógico para fortalecer o seu trabalho. Educar exige a definição de objectivos e a clareza em atingi- los.
  • 4. 4 A avaliação do professor Outras definições ainda não geram a repercussão necessária para o sistema educacional. A formação inicial de professores ainda ensaia pessoas na caminhada de implementação das directrizes curriculares e a formação contínua é ainda muito tímida, faltando a definição de programas atentos as carências dos professores na escola real. A motivação para o trabalho é um problema de difícil solução. Os baixos salários para jornada de três turma de trabalho, a falta de condições adequadas para o exercício da actividade docente levam os professores ao desestimulo. Sem desmerecer as outras, mas observando as profissões técnicas – administrativa listadas nas varias editais, observamos que a diferença de salário entre estes profissionais e os professores é no mínimo humilhante. Tal discrepância é um desrespeito a docência; salários tão baixos para uma actividade tão nobre. A difícil tarefa da docência se faz por uma relação com outros sujeitos, caracterizada por uma acção comunicativa fundada no dialogo. Essa pratica quotidiana reflexiva é constituída por saberes, principalmente, pela experiência. Desse modo, a docência é um trabalho complexo exigente e, por isso requer o professor como um todo. O professor na sala de aula é desafiado no seu fazer, ou seja, pelo agir no trabalho docente, na gestão da sala de aula, na gestão de grupo, na relação com os outros docentes e com os alunos, emergindo um conteúdo que lhe é próprio, o docente toma decisões continuamente na busca de tomar os outros seres humanos pessoas melhores. O saber “profissional” dos professores é um saber planar e heterogéneo. É um conhecimento construindo a partir do trabalho. Assim, o acto docente pode ser compreendido como uma acção carregada de sentido no contexto que lhe é especifico marcado pela tomada de decisões diante do incerto. O saber docente é contribuído no limite da pratica.
  • 5. 5 O planeamento do ensino O planeamento do ensino requer do professor a articulação do projeto pedagógico da escola e o plano da disciplina, considerando a transformação da realidade. O professor deve definir quais são os objeitos concretos de aprendizagem, as finalidades, os objectivos de ensino / Educação, mesmo que seja na prática. O professor deve focar o expecto didáticos – metodológico, tendo a clareza de que deve: - Perceber que os alunos são diferentes; - Verificam os conteúdos prévios que os alunos trazem; - Propor exigência diferenciado para cada aluno; - Ajudar cada aluno de forma individual, diante das suas necessidades: - Desafinar a curiosidade dos alunos com objectos novos de aprendizagem O trabalho do planeamento pedagógico é processual e estratégico para a organização do ensino e da aprendizagem daquilo que se pretende determinar como conteúdo conceitual sabendo-se que aprender e mudar, que a aprendizagem se faz de forma singular, pessoal e dinâmica. Cada aluno, na sua individualidade, desenvolve em ritmo próprio de aprendizagem que é enriquecido pelas experiencias pessoais e a forma como se é apropriados dos conteúdos segundo os seus interesses e motivações de acordo com as suas capacidades. Portanto, o professor deve regular a sua actividade docente levando em conta o desenvolvimento do aluno e a sua aprendizagem. O que se quer ensinar no ano Lectivo em determinada disciplina e o que se deseja que os alunos aprendam? Assim, é necessário que o professor considera a rede de esquemas de conhecimentos e relacione- os as situações de aprendizagem diante dos objeitos de ensino. Para o êxito metodológico do ensino, é importante que o professor considere três pontos: - Comparar o que os alunos sabem com o conhecimento “novo” a ser ensinado; - Verificar semelhanças e diferenças entre os conhecimentos prévios dos alunos, o que se prenda. -Estreitar a relação entre o que se sabe com o que se pretende ensinar. Essas medidas sobre o planeamento da aula buscam tornar a aprendizagem viva e, assim negar a aprendizagem mecânica, e que se limita o acto de ensinar ao improviso e, sobretudo, a aprendizagem a decorar conteúdos. Mas os justificativos para as reais
  • 6. 6 intenções dos professores com o ensino e a aprendizagem devem se pautar pela definição dos elementos axiais do planeamento do seu trabalho em sala de aula e a incorporação de uma prática reflexiva permanentemente renovada do seu compromisso com a qualidade do ensino, vinculada a sua prática docente. Finalizando, a docência é por demais exigente, pois a postura ética pede respeito á condição sublime do ser humano. Portanto, o trabalho docente exige ética e respeito, a partir dos argumentos exposto o que parece ser uma actividade simples constitui-se na verdade numa das possibilidades mais dignificantes, a de promover o ser humano, fazendo com que ele vá alem de si mesmo, superando-se. A docência se reveste de arte e ofício, traduzindo a aventura de viver. Aprática da docência não se limita a ações prescritivas. A docência não se limita a transmissão de conteúdo e avaliação. Implica em estudar, conhecer, refletir, analisar, investigar e avaliar. Na docência se formula a realização da pessoa, no aquilo que lhe é mais profundo a humanidade.
  • 7. 7 Referencia Bibliográfica CAMPO, Casimiro de Madeiros – Gestão Escolar e Docência, São Paul: Paulinas, 2010, 3ª edição
  • 8. 8 INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO METROPOLITANO DE ANGOLA CURSO DE PEDAGOGIA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR GESTÃO ESCOLAR E DOCÊNCIA Docente: Samuel Tumbula Luanda 2014
  • 9. 9 INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO METROPOLITANO DE ANGOLA CURSO DE PEDAGOGIA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR GESTÃO ESCOLAR E DOCÊNCIA Nome: Maria Madalena José Carlos Amaral Turma: LEPT3 Sala: 313 Luanda 2014