SlideShare uma empresa Scribd logo
MATRIZES DE
COMPETÊNCIAS E
 HABILIDADES




      Formação Continuada –
              FOCO
           Junho/2012
O QUE SE COMPREENDE POR
COMPETÊNCIA? E POR HABILIDADE?
COMO HABILIDADES E COMPETÊNCIAS SE
           ARTICULAM?
QUAIS SÃO OS PRESSUPOSTOS DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS
         COMPROMETIDAS COM O DESENVOLVIMENTO OU
           AMPLIAÇÃO DE COMPETÊNCIAS/HABILIDADES?



   Propor tarefas que desafiem e
    incentivem os alunos a mobilizarem
    conhecimentos já adquiridos, na busca
    por novos conhecimentos.
   É uma educação
    dinâmica, capaz
    de transformar a
    sala de aula em
         espaço
     privilegiado de
     aprendizagens
    enriquecedoras,
    permitindo que o
     aluno participe
     ativamente da
     construção de
            seu
     conhecimento.
NELA, O CONTEÚDO É UM MEIO E NÃO MAIS UM FIM
EM SI MESMO. PODE-SE DIZER QUE SE APRENDE O QUE
             NÃO SE SABE, FAZENDO.
   O trabalho pedagógico centrado no sucesso
    da aprendizagem do aluno consiste, então,
       em levar em conta os conhecimentos
     prévios, ou seja, aqueles conhecimentos
    que estão, direta ou indiretamente, ligados
          ao assunto em estudo e que são
     necessários à aquisição ou ampliação da
               habilidade requerida.
   Mas esses conhecimentos precisam ser ampliados, e
       para isso, ao menos dois movimentos básicos
     tornam-se imperiosos: a capacidade de aprender a
    partir das aprendizagens já concretizadas (colocar
    em ação o já aprendido) e a indissociabilidade entre
       o que se aprende a fazer e o que se aprende a
                       compreender.



Processos de aprendizagens   =   conhecimentos prévios + compreender e fazer
   Em outras palavras, essa responsabilidade da escola implica em ter como
      objetivo central a aprendizagem dos alunos, com prioridade para o
     desenvolvimento de competências e habilidades, e não a transmissão
      pura e simples de conhecimentos. Isso se traduz no modo como se
                          planeja, se ensina e se avalia.
COMO SE DÁ O PLANEJAMENTO DO
     TRABALHO ESCOLAR?
A opção pelo trabalho com matriz de competências e
    habilidades, tanto no processo coletivo do planejamento quanto no
    individual do professor, implica:

   Ensino voltado para o desenvolvimento de habilidades e não
    centrado na transmissão de conteúdos conceituais e
    procedimentais;
   Ênfase no processo cognitivo do aluno (como se aprende) e em
    diferentes estilos de aprendizagens;
   Seleção (em quantidade e qualidade) e integração dos
    conteúdos, com base nas habilidades a serem desenvolvidas;
    Conteúdos conceituais abordados a partir de situações-problema;
   Ensino focado nas situações do cotidiano, com o apoio em
    materiais e recursos diversificados;
   Atividades dirigidas à observação, ao questionamento da
    realidade e à integração de saberes;
   Atividades cooperativas de aprendizagem, orientadas para a
    integração dos alunos e para a troca de saberes;
   Exercícios voltados a processos metacognitivos;
   Reflexão da prática docente;
   Avaliação da aprendizagem adequada ao aprender a aprender e
    aprimoramento dos processos de aprendizagem.
AVALIA-SE PARA QUÊ, QUEM E COMO?
 Avalia-se para conhecer os alunos,
  suas necessidades e interesses;
 Para identificar o que aprenderam e
  o que ainda precisam aprender;
 Diagnosticar níveis de
  aprendizagem;
 Pontuar os avanços e os entraves
  encontrados não só pelos alunos,
  mas também pelos professores e a
  instituição.
   Nesse sentido, a avaliação passa a ser um instrumento
    que permite constantemente refletir sobre o cenário, o
    processo de ensinar e aprender, o projeto pedagógico,
    suas metas, suas possibilidades e a localização de cada
          aluno em relação às metas estabelecidas.
A REFLEXÃO DO PROFESSOR ACERCA DO PROCESSO DE
   ENSINO E APRENDIZAGEM REQUER O REGISTRO
SISTEMATIZADO DE OBSERVAÇÕES SOBRE O ALUNO E
     SOBRE A SUA PRÓPRIA PRÁTICA DOCENTE:


   Registro de observações dos alunos que devem contemplar não só os
      aspectos cognitivos, mas as atitudes, interesses, procedimentos,
    sentimentos e reações frente a desafios; Observações dos alunos em
    atividades em grupo ou individuais, em atividades escritas ou orais e
    corporais. Dentro e fora da sala de aula, em diversas interações com
                       outros alunos e profissionais.
   Registro das intervenções realizadas pelo professor,
    individualmente e com o grupo de alunos, que devem conter a
    situação real de aprendizagem, a intervenção realizada e o
    resultado conseguido.
A reflexão a partir desses registros
     resulta numa radiografia do
desenvolvimento de cada aluno e se
     transforma numa excelente
ferramenta para o replanejamento do
ensino com foco na aprendizagem de
                todos
FICA A DICA...




LIDIANA GALVÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Motivação em sala de aula
Motivação em sala de aulaMotivação em sala de aula
Motivação em sala de aula
Roselene Rocha
 
Organização do trabalho
Organização do trabalhoOrganização do trabalho
Organização do trabalho
Marcelo Vianello
 
Gestão democrática na escola: princípios norteadores da educação.
Gestão democrática na escola: princípios norteadores da educação.  Gestão democrática na escola: princípios norteadores da educação.
Gestão democrática na escola: princípios norteadores da educação.
SEDUC/RO
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
Prof. Leonardo Rocha
 
O papel do gestor como lider de sua equipe
O papel do gestor como lider de sua equipeO papel do gestor como lider de sua equipe
O papel do gestor como lider de sua equipe
Editora Moderna
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
University
 
Encontro pedagógico
Encontro pedagógicoEncontro pedagógico
Encontro pedagógico
Magda Marques
 
Teoria Geral da Administração Chiavenato.pdf
Teoria Geral da Administração Chiavenato.pdfTeoria Geral da Administração Chiavenato.pdf
Teoria Geral da Administração Chiavenato.pdf
LuizFelipe925640
 
Administração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evoluçãoAdministração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evolução
Lemos1960
 
Gestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanosGestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanos
Rafael Pozzobon
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
Rosario Cação
 
A formação do educador
A formação do educadorA formação do educador
A formação do educador
Márcia Catunda
 
Teoria da Burocracia
Teoria da BurocraciaTeoria da Burocracia
Teoria da Burocracia
Eliseu Fortolan
 
Palestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino MédioPalestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino Médio
angelavbecker
 
Formação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercícioFormação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercício
Shirley Lauria
 
06. Teoria da Burocracia
06. Teoria da Burocracia06. Teoria da Burocracia
06. Teoria da Burocracia
Debora Miceli
 
Introd aux adm 2411 (1)
Introd aux adm 2411 (1)Introd aux adm 2411 (1)
Introd aux adm 2411 (1)
Maximus Maylson
 
Avaliacao
AvaliacaoAvaliacao
Liderança
LiderançaLiderança
Postura profissional
Postura profissionalPostura profissional
Postura profissional
Milena Rebouças
 

Mais procurados (20)

Motivação em sala de aula
Motivação em sala de aulaMotivação em sala de aula
Motivação em sala de aula
 
Organização do trabalho
Organização do trabalhoOrganização do trabalho
Organização do trabalho
 
Gestão democrática na escola: princípios norteadores da educação.
Gestão democrática na escola: princípios norteadores da educação.  Gestão democrática na escola: princípios norteadores da educação.
Gestão democrática na escola: princípios norteadores da educação.
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
 
O papel do gestor como lider de sua equipe
O papel do gestor como lider de sua equipeO papel do gestor como lider de sua equipe
O papel do gestor como lider de sua equipe
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Encontro pedagógico
Encontro pedagógicoEncontro pedagógico
Encontro pedagógico
 
Teoria Geral da Administração Chiavenato.pdf
Teoria Geral da Administração Chiavenato.pdfTeoria Geral da Administração Chiavenato.pdf
Teoria Geral da Administração Chiavenato.pdf
 
Administração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evoluçãoAdministração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evolução
 
Gestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanosGestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanos
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
A formação do educador
A formação do educadorA formação do educador
A formação do educador
 
Teoria da Burocracia
Teoria da BurocraciaTeoria da Burocracia
Teoria da Burocracia
 
Palestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino MédioPalestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino Médio
 
Formação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercícioFormação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercício
 
06. Teoria da Burocracia
06. Teoria da Burocracia06. Teoria da Burocracia
06. Teoria da Burocracia
 
Introd aux adm 2411 (1)
Introd aux adm 2411 (1)Introd aux adm 2411 (1)
Introd aux adm 2411 (1)
 
Avaliacao
AvaliacaoAvaliacao
Avaliacao
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Postura profissional
Postura profissionalPostura profissional
Postura profissional
 

Destaque

Gestão do conhecimento pela matriz de competências
Gestão do conhecimento pela matriz de competências Gestão do conhecimento pela matriz de competências
Gestão do conhecimento pela matriz de competências
Emilio Mesa Junior
 
Brincando com as vogais / Pré I - Tarde
Brincando com as vogais / Pré I - TardeBrincando com as vogais / Pré I - Tarde
Brincando com as vogais / Pré I - Tarde
camoesPinochio
 
Vogal a forma
Vogal a formaVogal a forma
Vogal a forma
myespaco
 
Matriz habilidades infantil
Matriz habilidades infantilMatriz habilidades infantil
Matriz habilidades infantil
Dudds Borges
 
Letra v forma
Letra v   formaLetra v   forma
Letra v forma
myespaco
 
As vogais
As vogaisAs vogais
As vogais
Sérgio Lima
 
História Das Vogais
História Das VogaisHistória Das Vogais
História Das Vogais
TaniaRaquel
 
Proposta do infantil l educação infantil
Proposta do infantil l   educação infantilProposta do infantil l   educação infantil
Proposta do infantil l educação infantil
Rosemary Batista
 
Proposta do maternal l e ll educação infantil
Proposta do maternal l e ll   educação infantilProposta do maternal l e ll   educação infantil
Proposta do maternal l e ll educação infantil
Rosemary Batista
 
Sequência Didática- O Leão e o Ratinho
Sequência Didática- O Leão e o RatinhoSequência Didática- O Leão e o Ratinho
Sequência Didática- O Leão e o Ratinho
CristhianeGuimaraes
 
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Shirley Lauria
 

Destaque (11)

Gestão do conhecimento pela matriz de competências
Gestão do conhecimento pela matriz de competências Gestão do conhecimento pela matriz de competências
Gestão do conhecimento pela matriz de competências
 
Brincando com as vogais / Pré I - Tarde
Brincando com as vogais / Pré I - TardeBrincando com as vogais / Pré I - Tarde
Brincando com as vogais / Pré I - Tarde
 
Vogal a forma
Vogal a formaVogal a forma
Vogal a forma
 
Matriz habilidades infantil
Matriz habilidades infantilMatriz habilidades infantil
Matriz habilidades infantil
 
Letra v forma
Letra v   formaLetra v   forma
Letra v forma
 
As vogais
As vogaisAs vogais
As vogais
 
História Das Vogais
História Das VogaisHistória Das Vogais
História Das Vogais
 
Proposta do infantil l educação infantil
Proposta do infantil l   educação infantilProposta do infantil l   educação infantil
Proposta do infantil l educação infantil
 
Proposta do maternal l e ll educação infantil
Proposta do maternal l e ll   educação infantilProposta do maternal l e ll   educação infantil
Proposta do maternal l e ll educação infantil
 
Sequência Didática- O Leão e o Ratinho
Sequência Didática- O Leão e o RatinhoSequência Didática- O Leão e o Ratinho
Sequência Didática- O Leão e o Ratinho
 
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
 

Semelhante a Slides matrizes de competências e habilidades 1

A formação do professor refelxivo
A formação do professor refelxivoA formação do professor refelxivo
A formação do professor refelxivo
Marga Fadanelli Simionato
 
Trabalho da dona elena
Trabalho da dona elenaTrabalho da dona elena
Trabalho da dona elena
Handre Phernando
 
A avaliação da aprendizagem
A avaliação da aprendizagemA avaliação da aprendizagem
A avaliação da aprendizagem
André Pereira Rocha
 
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade daA avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
Eliana Zati
 
Atv3m5
Atv3m5Atv3m5
Ivanildo tcc especialização
Ivanildo tcc especializaçãoIvanildo tcc especialização
Ivanildo tcc especialização
ivanildopontinha
 
Modalidades avaliativas pareceres descritivos-2013 - cópia
Modalidades avaliativas pareceres descritivos-2013 - cópiaModalidades avaliativas pareceres descritivos-2013 - cópia
Modalidades avaliativas pareceres descritivos-2013 - cópia
ELOI DE OLIVEIRA BATISTA
 
Como avaliar os alunos
Como avaliar os alunosComo avaliar os alunos
Como avaliar os alunos
Rodrigo Machado Rodrigues
 
Como avaliar os alunos
Como avaliar os alunosComo avaliar os alunos
Como avaliar os alunos
Rodrigo Machado Rodrigues
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Profª Fabi Sobrenome
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
jairdeoliveirajunior
 
A avaliação da aprendizagem como principio da autoria
A avaliação da aprendizagem como principio da autoriaA avaliação da aprendizagem como principio da autoria
A avaliação da aprendizagem como principio da autoria
claudiakarinalara
 
Texto Avaliacao Diagnostica
Texto Avaliacao DiagnosticaTexto Avaliacao Diagnostica
Texto Avaliacao Diagnostica
Édlon Marcus
 
Planejamento do ensino e sequências didáticas
Planejamento do ensino e sequências didáticasPlanejamento do ensino e sequências didáticas
Planejamento do ensino e sequências didáticas
César Moura
 
Atividades extraclasses e extra
Atividades extraclasses e extraAtividades extraclasses e extra
Atividades extraclasses e extra
Renata Peruce
 
Progestão modulo 4
Progestão modulo 4Progestão modulo 4
Progestão modulo 4
mtolentino1507
 
A avaliação da aprendizagem como processo
A avaliação da aprendizagem como processoA avaliação da aprendizagem como processo
A avaliação da aprendizagem como processo
UESPI - PI
 
Apresentação slaide curso ava
Apresentação slaide curso avaApresentação slaide curso ava
Apresentação slaide curso ava
selmatdn
 
04 -PROCESSO DE ENSINO.pptx História da administração
04 -PROCESSO DE ENSINO.pptx História da administração04 -PROCESSO DE ENSINO.pptx História da administração
04 -PROCESSO DE ENSINO.pptx História da administração
JeanSousa55
 
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
aninhaw2
 

Semelhante a Slides matrizes de competências e habilidades 1 (20)

A formação do professor refelxivo
A formação do professor refelxivoA formação do professor refelxivo
A formação do professor refelxivo
 
Trabalho da dona elena
Trabalho da dona elenaTrabalho da dona elena
Trabalho da dona elena
 
A avaliação da aprendizagem
A avaliação da aprendizagemA avaliação da aprendizagem
A avaliação da aprendizagem
 
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade daA avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
 
Atv3m5
Atv3m5Atv3m5
Atv3m5
 
Ivanildo tcc especialização
Ivanildo tcc especializaçãoIvanildo tcc especialização
Ivanildo tcc especialização
 
Modalidades avaliativas pareceres descritivos-2013 - cópia
Modalidades avaliativas pareceres descritivos-2013 - cópiaModalidades avaliativas pareceres descritivos-2013 - cópia
Modalidades avaliativas pareceres descritivos-2013 - cópia
 
Como avaliar os alunos
Como avaliar os alunosComo avaliar os alunos
Como avaliar os alunos
 
Como avaliar os alunos
Como avaliar os alunosComo avaliar os alunos
Como avaliar os alunos
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
 
A avaliação da aprendizagem como principio da autoria
A avaliação da aprendizagem como principio da autoriaA avaliação da aprendizagem como principio da autoria
A avaliação da aprendizagem como principio da autoria
 
Texto Avaliacao Diagnostica
Texto Avaliacao DiagnosticaTexto Avaliacao Diagnostica
Texto Avaliacao Diagnostica
 
Planejamento do ensino e sequências didáticas
Planejamento do ensino e sequências didáticasPlanejamento do ensino e sequências didáticas
Planejamento do ensino e sequências didáticas
 
Atividades extraclasses e extra
Atividades extraclasses e extraAtividades extraclasses e extra
Atividades extraclasses e extra
 
Progestão modulo 4
Progestão modulo 4Progestão modulo 4
Progestão modulo 4
 
A avaliação da aprendizagem como processo
A avaliação da aprendizagem como processoA avaliação da aprendizagem como processo
A avaliação da aprendizagem como processo
 
Apresentação slaide curso ava
Apresentação slaide curso avaApresentação slaide curso ava
Apresentação slaide curso ava
 
04 -PROCESSO DE ENSINO.pptx História da administração
04 -PROCESSO DE ENSINO.pptx História da administração04 -PROCESSO DE ENSINO.pptx História da administração
04 -PROCESSO DE ENSINO.pptx História da administração
 
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
 

Slides matrizes de competências e habilidades 1

  • 1. MATRIZES DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES Formação Continuada – FOCO Junho/2012
  • 2. O QUE SE COMPREENDE POR COMPETÊNCIA? E POR HABILIDADE?
  • 3. COMO HABILIDADES E COMPETÊNCIAS SE ARTICULAM?
  • 4. QUAIS SÃO OS PRESSUPOSTOS DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COMPROMETIDAS COM O DESENVOLVIMENTO OU AMPLIAÇÃO DE COMPETÊNCIAS/HABILIDADES?  Propor tarefas que desafiem e incentivem os alunos a mobilizarem conhecimentos já adquiridos, na busca por novos conhecimentos.
  • 5. É uma educação dinâmica, capaz de transformar a sala de aula em espaço privilegiado de aprendizagens enriquecedoras, permitindo que o aluno participe ativamente da construção de seu conhecimento.
  • 6. NELA, O CONTEÚDO É UM MEIO E NÃO MAIS UM FIM EM SI MESMO. PODE-SE DIZER QUE SE APRENDE O QUE NÃO SE SABE, FAZENDO.
  • 7. O trabalho pedagógico centrado no sucesso da aprendizagem do aluno consiste, então, em levar em conta os conhecimentos prévios, ou seja, aqueles conhecimentos que estão, direta ou indiretamente, ligados ao assunto em estudo e que são necessários à aquisição ou ampliação da habilidade requerida.
  • 8. Mas esses conhecimentos precisam ser ampliados, e para isso, ao menos dois movimentos básicos tornam-se imperiosos: a capacidade de aprender a partir das aprendizagens já concretizadas (colocar em ação o já aprendido) e a indissociabilidade entre o que se aprende a fazer e o que se aprende a compreender. Processos de aprendizagens = conhecimentos prévios + compreender e fazer
  • 9. Em outras palavras, essa responsabilidade da escola implica em ter como objetivo central a aprendizagem dos alunos, com prioridade para o desenvolvimento de competências e habilidades, e não a transmissão pura e simples de conhecimentos. Isso se traduz no modo como se planeja, se ensina e se avalia.
  • 10. COMO SE DÁ O PLANEJAMENTO DO TRABALHO ESCOLAR?
  • 11. A opção pelo trabalho com matriz de competências e habilidades, tanto no processo coletivo do planejamento quanto no individual do professor, implica:  Ensino voltado para o desenvolvimento de habilidades e não centrado na transmissão de conteúdos conceituais e procedimentais;  Ênfase no processo cognitivo do aluno (como se aprende) e em diferentes estilos de aprendizagens;  Seleção (em quantidade e qualidade) e integração dos conteúdos, com base nas habilidades a serem desenvolvidas;  Conteúdos conceituais abordados a partir de situações-problema;  Ensino focado nas situações do cotidiano, com o apoio em materiais e recursos diversificados;  Atividades dirigidas à observação, ao questionamento da realidade e à integração de saberes;  Atividades cooperativas de aprendizagem, orientadas para a integração dos alunos e para a troca de saberes;  Exercícios voltados a processos metacognitivos;  Reflexão da prática docente;  Avaliação da aprendizagem adequada ao aprender a aprender e aprimoramento dos processos de aprendizagem.
  • 12. AVALIA-SE PARA QUÊ, QUEM E COMO?
  • 13.  Avalia-se para conhecer os alunos, suas necessidades e interesses;  Para identificar o que aprenderam e o que ainda precisam aprender;  Diagnosticar níveis de aprendizagem;  Pontuar os avanços e os entraves encontrados não só pelos alunos, mas também pelos professores e a instituição.
  • 14. Nesse sentido, a avaliação passa a ser um instrumento que permite constantemente refletir sobre o cenário, o processo de ensinar e aprender, o projeto pedagógico, suas metas, suas possibilidades e a localização de cada aluno em relação às metas estabelecidas.
  • 15. A REFLEXÃO DO PROFESSOR ACERCA DO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM REQUER O REGISTRO SISTEMATIZADO DE OBSERVAÇÕES SOBRE O ALUNO E SOBRE A SUA PRÓPRIA PRÁTICA DOCENTE:  Registro de observações dos alunos que devem contemplar não só os aspectos cognitivos, mas as atitudes, interesses, procedimentos, sentimentos e reações frente a desafios; Observações dos alunos em atividades em grupo ou individuais, em atividades escritas ou orais e corporais. Dentro e fora da sala de aula, em diversas interações com outros alunos e profissionais.
  • 16. Registro das intervenções realizadas pelo professor, individualmente e com o grupo de alunos, que devem conter a situação real de aprendizagem, a intervenção realizada e o resultado conseguido.
  • 17. A reflexão a partir desses registros resulta numa radiografia do desenvolvimento de cada aluno e se transforma numa excelente ferramenta para o replanejamento do ensino com foco na aprendizagem de todos