SlideShare uma empresa Scribd logo
SUCESSÃO ECOLÓGICA
• INTRODUÇÃO
– Sucessão ecológica é o conjunto de mudanças
que ocorrem na estrutura da comunidade e no
seu ambiente com o tempo;
– A sucessão ocorre quando um grupo de espécies
tolerantes substitui um grupo de espécies
intolerantes;
– Os estudos sobre sucessão em floresta tropicais
estão diretamente ligados à dinâmica de
clareiras.
SUCESSÃO ECOLÓGICA
• TIPOS DE SUCESSÃO VEGETAL
– SUCESSÃO PRIMÁRIA
• Corresponde ao estabelecimento de seres vivos em
um meio que nunca havia sido povoado
• Tem início em área estéril e sob condições
desfavoráveis
– Ex: dunas, depósitos aluviais e derrame de lavas
SUCESSÃO ECOLÓGICA
– SUCESSÃO SECUNDÁRIA
• Surge em um meio que já foi povoado, mas no qual
foram eliminados os seres vivos por vários motivos ;
• É um processo que envolve várias combinações de
estágios florísticos pioneiros, secundários iniciais e
tardios, antes que um estágio maduro da floresta seja
restituído (TRACEY,1985).
SUCESSÃO ECOLÓGICA
• Inicia-se em áreas previamente ocupadas por outras
comunidades já estabelecidas, sob condições
relativamente favoráveis ;
• Ex: terras de culturas abandonadas, cortes seletivos
de árvores, queda natural.
SUCESSÃO ECOLÓGICA
• VELOCIDADE DO PROCESSO SUCESSIONAL
– Tipo de sucessão:
• Lenta na sucessão primária
• Rápida na sucessão secundária
SUCESSÃO ECOLÓGICA
– Características ambientais:
• Capacidade suporte
• Estoque de propágulos
• Distúrbios naturais ou antrópicos
SUCESSÃO ECOLÓGICA
• FASES SUCESSIONAIS
– PRIMEIRA FASE
• Ocorre o reinício da formação do horizonte orgânico
do solo;
• Colonização de espécies pioneiras (gramíneas e
pteridófitas);
• Ambiente desprovido de sombra e microfauna do
solo;
• Pode demorar vários anos de existência caso não
modificada
SUCESSÃO ECOLÓGICA
• SEGUNDA FASE
– Conhecida popularmente como capoeirinha;
– Não necessariamente precisa passar pela 1ª fase;
– A área pode se encontrar apenas em um estado
de abandono;
– Domínio de gramíneas e outras espécies
herbáceas, sub-arbustos e arbustos;
– Diminuição da intensidade de radiação sobre o
solo, favorecendo o aumento da umidade do solo
e a dinâmica da M.O.
SUCESSÃO ECOLÓGICA
• TERCEIRA FASE
– Conhecida popularmente como capoeira;
– Domínio de espécies herbáceas e muitas
lenhosas;
– Cobertura do terreno c/ plantas de médio porte
que atinge até 3,0 m de altura.
SUCESSÃO ECOLÓGICA
• QUARTA FASE
– Conhecida popularmente como capoeirão;
– Trata-se de uma vegetação bastante complexa;
– Domínio de espécies arbustivas c/ até 5,0 m de
altura
SUCESSÃO ECOLÓGICA
• QUINTA FASE
– Domínio de indivíduos com porte arbóreo c/
mais de 15,0 m de altura;
– Muitos indivíduos de espécies pertencentes a
grupos ecológicos mais avançados da sucessão
secundária.
SUCESSÃO ECOLÓGICA
• GRUPOS ECOLÓGICOS DE ESPÉCIES VEGETAIS
– Os grupos ecológicos são formados por espécies
que apresentam características biológicas e
ecológicas comuns, além da regeneração natural
e padrão de crescimento da espécie;
– O principal fator na determinação do grupo
ecológico da espécie é o seu COMPORTAMENTO
A RADIAÇÃO SOLAR;
SUCESSÃO ECOLÓGICA
– Estes diversos aspectos mencionados dificultam
o agrupamento das espécies e contribuem p/ o
surgimento de novas classificações;
– Muitos indivíduos de espécies pertencentes a
grupos ecológicos mais avançados da sucessão
secundária.
SUCESSÃO ECOLÓGICA
• ESPÉCIES PIONEIRAS
– Ciclo de vida curto;
– São capazes de germinar e se desenvolver em
clareiras grandes;
– Sementes c/ dormência prolongada;
– Desenvolvimento ocorre em plenos sol;
SUCESSÃO ECOLÓGICA
– Germinação aumenta c/ a incidência de luz e
flutuação de temperatura;
– Apresentam alto potencial de aclimatação;
– Tem altas taxas de fotossíntese, respiração e
transpiração;
– Possuem crescimento rápido.
SUCESSÃO ECOLÓGICA
– Madeira c/ baixa densidade;
– Copa c/ bastante ramificações;
– Sistema radicial é intenso e profundo.
SUCESSÃO ECOLÓGICA
• ESPÉCIES SECUNDÁRIAS
– Ciclo de vida é maior do que as espécies
pioneiras;
– Apresentam exigência intermediária à luz;
– Grande parte da dispersão das sementes é feita
pelo vento (anemocoria);
SUCESSÃO ECOLÓGICA
– As sementes não precisam de clareiras para
germinar;
– As plântulas sobrevivem apenas em ambiente
sombreado;
– Sementes c/ dormência prolongada;
– Madeira c/ densidade média.
SUCESSÃO ECOLÓGICA
• ESPÉCIES CLÍMAX OU CLIMÁCICAS
– Ciclo de vida é longo;
– Ocorre a reprodução na sombra;
– As sementes são grandes e não apresentam
dormência;
SUCESSÃO ECOLÓGICA
– São capazes de germinar e se estabelecer na
sombra;
– Geralmente a dispersão das sementes é feita por
animais (zoocoria).
TÉCNICAS DE RECUPERAÇÃO DE
ÁREAS DEGRADADAS
• AVALIAÇÃO DAS ÁREAS DEGRADADAS
– Alocação e dimensionamento em mapas de cada
situação
– Avaliação e caracterização de cada porção
degradada
– Não realização da reposição florestal
– Queimada de pastagens descontrolada
TÉCNICAS DE RECUPERAÇÃO DE
ÁREAS DEGRADADAS
• LEVANTAMENTO DA VEGETAÇÃO REGIONAL
– Feito através de levantamentos fitossociológicos;
– Informa sobre os tipos de vegetação
característica da região;
– Fornece a lista de espécies que ocorre na região;
TÉCNICAS DE RECUPERAÇÃO DE
ÁREAS DEGRADADAS
– Permite a definição do grupo ecológico das
espécies;
– Estrutura fitossociológica da vegetação
remanescente;
Tab. 1: Espécies arbustivas e arbóreas
regenerando no garimpo de ouro “Pista do
Cabeça”, Alta Floresta - MT.
Família/Espécie

Nome vulgar

Grupo ecológico

Hábito

Annonaceae
Xylopia sp.

Pimenta-de-macaco

Secundária inicial

Árvore

Visgueiro

Secundária inicial

Árvore

Verrugueiro

Secundária inicial

Árvore

Assa-peixe

Pioneira

Arbusto

Apocynaceae
Himatanthus sucuuba
Aquifoliaceae
Ilex affinis
Asteraceae
Vernonia scabra
E outras ...
Fonte: WIELEVSKI (2005).
Tab. 2: Espécies arbustivas e arbóreas regenerando no garimpo
de ouro “Pista do Cabeça”, Alta Floresta – MT, com seus
respectivos parâmetros estruturais. Fonte: WIELEVSKI (2005)
Espécie

n

FA

FR

DA

DR

DoA

DoR

VI

Cecropia sciadophylla

4

17,39

5,33

579,70

3,08

0,101

5,31

13,72

Alibertia edulis

4

8,70

2,67

579,70

3,08

0,095

4,96

10,71

Bredemeyera floribunda

5

4,35

2,67

724,60

3,85

0,031

1,65

8,17

Cecropia sp.

2

8,70

2,67

289,90

1,54

0,042

2,23

6,44

Calyptranthes sp.

2

8,70

2,67

289,90

1,54

0,041

2,15

6,36

Alchornea sp.

1

8,70

1,33

144,90

0,77

0,050

2,63

4,73

Casearia decandra

1

4,35

1,33

144,90

0,77

0,016

0,86

2,96

Connarus perrottetti

1

4,35

1,33

144,90

0,77

0,005

0,29

2,39

Andira sp

1

4,35

1,33

144,90

0,77

0,004

0,21

2,31

Chrysophyllum marginatus

1

4,35

1,33

144,90

0,77

0,002

0,10

2,20

Onde: n = nº de indivíduos amostrados, FA = freqüência absoluta (%), FR = freqüência relativa (%), DA
= densidade absoluta (indivíduos/ha), DR = densidade relativa (%), DoA = dominância absoluta
(m/ha), DoR = dominância relativa (%) e VI = valor de importância (%).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
Nelson Costa
 
Espécies
EspéciesEspécies
Espécies
unesp
 
Modelagem do nicho ecologico
Modelagem do nicho ecologicoModelagem do nicho ecologico
Modelagem do nicho ecologico
unesp
 
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
Marcelo Gomes
 
Dendrologia
DendrologiaDendrologia
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
Bio Sem Limites
 
Sucessão Ecológica
Sucessão EcológicaSucessão Ecológica
Sucessão Ecológica
Carlos Priante
 
1 introdução à botânica
1 introdução à botânica1 introdução à botânica
1 introdução à botânica
Cristóvão Lopes
 
ECOLOGIA-Piramide ecologica e produtividade do ecossistema.pdf
ECOLOGIA-Piramide ecologica e produtividade do ecossistema.pdfECOLOGIA-Piramide ecologica e produtividade do ecossistema.pdf
ECOLOGIA-Piramide ecologica e produtividade do ecossistema.pdf
lucianagraciano
 
Florestas de coníferas.pptx
Florestas de coníferas.pptxFlorestas de coníferas.pptx
Florestas de coníferas.pptx
DayaneValencio1
 
Biomas e sistemas aquáticos
Biomas e sistemas aquáticosBiomas e sistemas aquáticos
Biomas e sistemas aquáticos
Gabriel Lopes (Guma)
 
Aula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetaisAula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetais
Ronaldo Professorr
 
Dinâmica de Populações
Dinâmica de PopulaçõesDinâmica de Populações
Dinâmica de Populações
Turma Olímpica
 
Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
Andrea Barreto
 
Anatomia vegetal
Anatomia vegetalAnatomia vegetal
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
Altair Hoepers
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
Marcionedes De Souza
 
Gimnospermas
GimnospermasGimnospermas
Gimnospermas
guest78da28
 
Básico de populações
Básico de populaçõesBásico de populações
Básico de populações
unesp
 
Ecossistemas - Nível superior
Ecossistemas - Nível superior Ecossistemas - Nível superior
Ecossistemas - Nível superior
Marcelo Gomes
 

Mais procurados (20)

Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
 
Espécies
EspéciesEspécies
Espécies
 
Modelagem do nicho ecologico
Modelagem do nicho ecologicoModelagem do nicho ecologico
Modelagem do nicho ecologico
 
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
 
Dendrologia
DendrologiaDendrologia
Dendrologia
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Sucessão Ecológica
Sucessão EcológicaSucessão Ecológica
Sucessão Ecológica
 
1 introdução à botânica
1 introdução à botânica1 introdução à botânica
1 introdução à botânica
 
ECOLOGIA-Piramide ecologica e produtividade do ecossistema.pdf
ECOLOGIA-Piramide ecologica e produtividade do ecossistema.pdfECOLOGIA-Piramide ecologica e produtividade do ecossistema.pdf
ECOLOGIA-Piramide ecologica e produtividade do ecossistema.pdf
 
Florestas de coníferas.pptx
Florestas de coníferas.pptxFlorestas de coníferas.pptx
Florestas de coníferas.pptx
 
Biomas e sistemas aquáticos
Biomas e sistemas aquáticosBiomas e sistemas aquáticos
Biomas e sistemas aquáticos
 
Aula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetaisAula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetais
 
Dinâmica de Populações
Dinâmica de PopulaçõesDinâmica de Populações
Dinâmica de Populações
 
Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
 
Anatomia vegetal
Anatomia vegetalAnatomia vegetal
Anatomia vegetal
 
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
 
Gimnospermas
GimnospermasGimnospermas
Gimnospermas
 
Básico de populações
Básico de populaçõesBásico de populações
Básico de populações
 
Ecossistemas - Nível superior
Ecossistemas - Nível superior Ecossistemas - Nível superior
Ecossistemas - Nível superior
 

Destaque

Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
José Luís Alves
 
Sucessão Ecológica
Sucessão Ecológica Sucessão Ecológica
Sucessão Ecológica
Teresa Monteiro
 
Sucessão Ecológica
Sucessão EcológicaSucessão Ecológica
Sucessão Ecológica
Sérgio Luiz
 
Sucessões ecológicas
Sucessões ecológicasSucessões ecológicas
Sucessões ecológicas
Larj
 
3 4 sucessão ecológica
3 4 sucessão ecológica3 4 sucessão ecológica
3 4 sucessão ecológica
professorfabiovalente
 
Sucessão ecológica(1)
Sucessão ecológica(1)Sucessão ecológica(1)
Sucessão ecológica(1)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Sucessão Ecológica
Sucessão EcológicaSucessão Ecológica
Sucessão Ecológica
Nuno Correia
 
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terraI2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
Luís Filipe Marinho
 
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
Margarida Cardoso
 
Factores Abióticos - Água
Factores Abióticos - ÁguaFactores Abióticos - Água
Factores Abióticos - Água
Catir
 
Ecossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticosEcossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticos
mariacarmoteixeira
 
Factores Bióticos
Factores BióticosFactores Bióticos
Factores Bióticos
Catir
 
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
marco :)
 
Factores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - TemperaturaFactores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - Temperatura
Catir
 
4 ecossistemas
4 ecossistemas4 ecossistemas
4 ecossistemas
Catir
 
Factores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - LuzFactores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - Luz
Catir
 
Sucessão ecológica lara - biologia 1 ano
Sucessão ecológica   lara - biologia 1 anoSucessão ecológica   lara - biologia 1 ano
Sucessão ecológica lara - biologia 1 ano
Alpha Colégio e Vestibulares
 
8.fluxo.energia.apres.sucessao
8.fluxo.energia.apres.sucessao8.fluxo.energia.apres.sucessao
8.fluxo.energia.apres.sucessao
dani sousa
 
Conceitos em ecologia e ecossistemas silviaaa
Conceitos em ecologia e ecossistemas silviaaaConceitos em ecologia e ecossistemas silviaaa
Conceitos em ecologia e ecossistemas silviaaa
Med. Veterinária 2011
 
J2 serviço dos ecossistemas
J2   serviço dos ecossistemasJ2   serviço dos ecossistemas
J2 serviço dos ecossistemas
Luís Filipe Marinho
 

Destaque (20)

Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
 
Sucessão Ecológica
Sucessão Ecológica Sucessão Ecológica
Sucessão Ecológica
 
Sucessão Ecológica
Sucessão EcológicaSucessão Ecológica
Sucessão Ecológica
 
Sucessões ecológicas
Sucessões ecológicasSucessões ecológicas
Sucessões ecológicas
 
3 4 sucessão ecológica
3 4 sucessão ecológica3 4 sucessão ecológica
3 4 sucessão ecológica
 
Sucessão ecológica(1)
Sucessão ecológica(1)Sucessão ecológica(1)
Sucessão ecológica(1)
 
Sucessão Ecológica
Sucessão EcológicaSucessão Ecológica
Sucessão Ecológica
 
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terraI2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
 
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
 
Factores Abióticos - Água
Factores Abióticos - ÁguaFactores Abióticos - Água
Factores Abióticos - Água
 
Ecossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticosEcossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticos
 
Factores Bióticos
Factores BióticosFactores Bióticos
Factores Bióticos
 
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
 
Factores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - TemperaturaFactores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - Temperatura
 
4 ecossistemas
4 ecossistemas4 ecossistemas
4 ecossistemas
 
Factores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - LuzFactores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - Luz
 
Sucessão ecológica lara - biologia 1 ano
Sucessão ecológica   lara - biologia 1 anoSucessão ecológica   lara - biologia 1 ano
Sucessão ecológica lara - biologia 1 ano
 
8.fluxo.energia.apres.sucessao
8.fluxo.energia.apres.sucessao8.fluxo.energia.apres.sucessao
8.fluxo.energia.apres.sucessao
 
Conceitos em ecologia e ecossistemas silviaaa
Conceitos em ecologia e ecossistemas silviaaaConceitos em ecologia e ecossistemas silviaaa
Conceitos em ecologia e ecossistemas silviaaa
 
J2 serviço dos ecossistemas
J2   serviço dos ecossistemasJ2   serviço dos ecossistemas
J2 serviço dos ecossistemas
 

Semelhante a tipos de sucessao ecologica

1224596735 habitats terrestres
1224596735 habitats terrestres1224596735 habitats terrestres
1224596735 habitats terrestres
Pelo Siro
 
3 s sucessão ecológica__21_11_2012
3 s sucessão ecológica__21_11_20123 s sucessão ecológica__21_11_2012
3 s sucessão ecológica__21_11_2012
Ionara Urrutia Moura
 
3 s sucessão ecológica__21_11_2012
3 s sucessão ecológica__21_11_20123 s sucessão ecológica__21_11_2012
3 s sucessão ecológica__21_11_2012
Ionara Urrutia Moura
 
Planejamento do viveiro de mudas florestais
Planejamento do viveiro de mudas florestaisPlanejamento do viveiro de mudas florestais
Planejamento do viveiro de mudas florestais
andersonwebler1
 
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptxResumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
CarlaSilva639671
 
Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes
Sara Catarina
 
Ecofisiologia do Estresse Hídrico em C. nucifera
Ecofisiologia do Estresse Hídrico em C. nuciferaEcofisiologia do Estresse Hídrico em C. nucifera
Ecofisiologia do Estresse Hídrico em C. nucifera
Dandara Cunha
 
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDOSOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
ProfMario De Mori
 
Fichas do Sucessso-Biomas do Mundo.pdf
Fichas do Sucessso-Biomas do Mundo.pdfFichas do Sucessso-Biomas do Mundo.pdf
Fichas do Sucessso-Biomas do Mundo.pdf
HypsaSuassuna
 
Aula6 biomas
Aula6 biomasAula6 biomas
Aula6 biomas
Carolina Lisboa
 
Araucária angustifolia
Araucária angustifoliaAraucária angustifolia
Araucária angustifolia
Alyne Regina Ruggiero
 
Campos, desertos e savanas
Campos, desertos e savanasCampos, desertos e savanas
Campos, desertos e savanas
Camila Raccioni
 
Geografia Física Do Brasil E Mundial Parte 2
Geografia Física Do Brasil E Mundial   Parte 2Geografia Física Do Brasil E Mundial   Parte 2
Geografia Física Do Brasil E Mundial Parte 2
ProfMario De Mori
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
Conceição Fontolan
 
Sucessão Ecológica
Sucessão EcológicaSucessão Ecológica
Sucessão Ecológica
José Emílio
 
1224596735 habitats terrestres
1224596735 habitats terrestres1224596735 habitats terrestres
1224596735 habitats terrestres
Pelo Siro
 
Aula 4 - Fitogeografia - Parte 1.pdf
Aula 4 - Fitogeografia - Parte 1.pdfAula 4 - Fitogeografia - Parte 1.pdf
Aula 4 - Fitogeografia - Parte 1.pdf
SimoneBragaTerra
 
Jogo biomas caderno pistas sul
Jogo biomas caderno pistas sulJogo biomas caderno pistas sul
Jogo biomas caderno pistas sul
Adriana Heloisa
 
Distribuicao dos organismos na biosfera
Distribuicao dos organismos na biosferaDistribuicao dos organismos na biosfera
Distribuicao dos organismos na biosfera
ANA LUCIA FARIAS
 

Semelhante a tipos de sucessao ecologica (20)

1224596735 habitats terrestres
1224596735 habitats terrestres1224596735 habitats terrestres
1224596735 habitats terrestres
 
3 s sucessão ecológica__21_11_2012
3 s sucessão ecológica__21_11_20123 s sucessão ecológica__21_11_2012
3 s sucessão ecológica__21_11_2012
 
3 s sucessão ecológica__21_11_2012
3 s sucessão ecológica__21_11_20123 s sucessão ecológica__21_11_2012
3 s sucessão ecológica__21_11_2012
 
Planejamento do viveiro de mudas florestais
Planejamento do viveiro de mudas florestaisPlanejamento do viveiro de mudas florestais
Planejamento do viveiro de mudas florestais
 
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptxResumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
 
Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes
 
Ecofisiologia do Estresse Hídrico em C. nucifera
Ecofisiologia do Estresse Hídrico em C. nuciferaEcofisiologia do Estresse Hídrico em C. nucifera
Ecofisiologia do Estresse Hídrico em C. nucifera
 
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDOSOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
 
Fichas do Sucessso-Biomas do Mundo.pdf
Fichas do Sucessso-Biomas do Mundo.pdfFichas do Sucessso-Biomas do Mundo.pdf
Fichas do Sucessso-Biomas do Mundo.pdf
 
Aula6 biomas
Aula6 biomasAula6 biomas
Aula6 biomas
 
Araucária angustifolia
Araucária angustifoliaAraucária angustifolia
Araucária angustifolia
 
Campos, desertos e savanas
Campos, desertos e savanasCampos, desertos e savanas
Campos, desertos e savanas
 
Geografia Física Do Brasil E Mundial Parte 2
Geografia Física Do Brasil E Mundial   Parte 2Geografia Física Do Brasil E Mundial   Parte 2
Geografia Física Do Brasil E Mundial Parte 2
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
 
Sucessão Ecológica
Sucessão EcológicaSucessão Ecológica
Sucessão Ecológica
 
1224596735 habitats terrestres
1224596735 habitats terrestres1224596735 habitats terrestres
1224596735 habitats terrestres
 
Aula 4 - Fitogeografia - Parte 1.pdf
Aula 4 - Fitogeografia - Parte 1.pdfAula 4 - Fitogeografia - Parte 1.pdf
Aula 4 - Fitogeografia - Parte 1.pdf
 
Jogo biomas caderno pistas sul
Jogo biomas caderno pistas sulJogo biomas caderno pistas sul
Jogo biomas caderno pistas sul
 
Distribuicao dos organismos na biosfera
Distribuicao dos organismos na biosferaDistribuicao dos organismos na biosfera
Distribuicao dos organismos na biosfera
 

Último

PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 

Último (20)

PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 

tipos de sucessao ecologica

  • 1. SUCESSÃO ECOLÓGICA • INTRODUÇÃO – Sucessão ecológica é o conjunto de mudanças que ocorrem na estrutura da comunidade e no seu ambiente com o tempo; – A sucessão ocorre quando um grupo de espécies tolerantes substitui um grupo de espécies intolerantes; – Os estudos sobre sucessão em floresta tropicais estão diretamente ligados à dinâmica de clareiras.
  • 2. SUCESSÃO ECOLÓGICA • TIPOS DE SUCESSÃO VEGETAL – SUCESSÃO PRIMÁRIA • Corresponde ao estabelecimento de seres vivos em um meio que nunca havia sido povoado • Tem início em área estéril e sob condições desfavoráveis – Ex: dunas, depósitos aluviais e derrame de lavas
  • 3. SUCESSÃO ECOLÓGICA – SUCESSÃO SECUNDÁRIA • Surge em um meio que já foi povoado, mas no qual foram eliminados os seres vivos por vários motivos ; • É um processo que envolve várias combinações de estágios florísticos pioneiros, secundários iniciais e tardios, antes que um estágio maduro da floresta seja restituído (TRACEY,1985).
  • 4. SUCESSÃO ECOLÓGICA • Inicia-se em áreas previamente ocupadas por outras comunidades já estabelecidas, sob condições relativamente favoráveis ; • Ex: terras de culturas abandonadas, cortes seletivos de árvores, queda natural.
  • 5. SUCESSÃO ECOLÓGICA • VELOCIDADE DO PROCESSO SUCESSIONAL – Tipo de sucessão: • Lenta na sucessão primária • Rápida na sucessão secundária
  • 6. SUCESSÃO ECOLÓGICA – Características ambientais: • Capacidade suporte • Estoque de propágulos • Distúrbios naturais ou antrópicos
  • 7. SUCESSÃO ECOLÓGICA • FASES SUCESSIONAIS – PRIMEIRA FASE • Ocorre o reinício da formação do horizonte orgânico do solo; • Colonização de espécies pioneiras (gramíneas e pteridófitas); • Ambiente desprovido de sombra e microfauna do solo; • Pode demorar vários anos de existência caso não modificada
  • 8. SUCESSÃO ECOLÓGICA • SEGUNDA FASE – Conhecida popularmente como capoeirinha; – Não necessariamente precisa passar pela 1ª fase; – A área pode se encontrar apenas em um estado de abandono; – Domínio de gramíneas e outras espécies herbáceas, sub-arbustos e arbustos; – Diminuição da intensidade de radiação sobre o solo, favorecendo o aumento da umidade do solo e a dinâmica da M.O.
  • 9. SUCESSÃO ECOLÓGICA • TERCEIRA FASE – Conhecida popularmente como capoeira; – Domínio de espécies herbáceas e muitas lenhosas; – Cobertura do terreno c/ plantas de médio porte que atinge até 3,0 m de altura.
  • 10. SUCESSÃO ECOLÓGICA • QUARTA FASE – Conhecida popularmente como capoeirão; – Trata-se de uma vegetação bastante complexa; – Domínio de espécies arbustivas c/ até 5,0 m de altura
  • 11. SUCESSÃO ECOLÓGICA • QUINTA FASE – Domínio de indivíduos com porte arbóreo c/ mais de 15,0 m de altura; – Muitos indivíduos de espécies pertencentes a grupos ecológicos mais avançados da sucessão secundária.
  • 12. SUCESSÃO ECOLÓGICA • GRUPOS ECOLÓGICOS DE ESPÉCIES VEGETAIS – Os grupos ecológicos são formados por espécies que apresentam características biológicas e ecológicas comuns, além da regeneração natural e padrão de crescimento da espécie; – O principal fator na determinação do grupo ecológico da espécie é o seu COMPORTAMENTO A RADIAÇÃO SOLAR;
  • 13. SUCESSÃO ECOLÓGICA – Estes diversos aspectos mencionados dificultam o agrupamento das espécies e contribuem p/ o surgimento de novas classificações; – Muitos indivíduos de espécies pertencentes a grupos ecológicos mais avançados da sucessão secundária.
  • 14. SUCESSÃO ECOLÓGICA • ESPÉCIES PIONEIRAS – Ciclo de vida curto; – São capazes de germinar e se desenvolver em clareiras grandes; – Sementes c/ dormência prolongada; – Desenvolvimento ocorre em plenos sol;
  • 15. SUCESSÃO ECOLÓGICA – Germinação aumenta c/ a incidência de luz e flutuação de temperatura; – Apresentam alto potencial de aclimatação; – Tem altas taxas de fotossíntese, respiração e transpiração; – Possuem crescimento rápido.
  • 16. SUCESSÃO ECOLÓGICA – Madeira c/ baixa densidade; – Copa c/ bastante ramificações; – Sistema radicial é intenso e profundo.
  • 17. SUCESSÃO ECOLÓGICA • ESPÉCIES SECUNDÁRIAS – Ciclo de vida é maior do que as espécies pioneiras; – Apresentam exigência intermediária à luz; – Grande parte da dispersão das sementes é feita pelo vento (anemocoria);
  • 18. SUCESSÃO ECOLÓGICA – As sementes não precisam de clareiras para germinar; – As plântulas sobrevivem apenas em ambiente sombreado; – Sementes c/ dormência prolongada; – Madeira c/ densidade média.
  • 19. SUCESSÃO ECOLÓGICA • ESPÉCIES CLÍMAX OU CLIMÁCICAS – Ciclo de vida é longo; – Ocorre a reprodução na sombra; – As sementes são grandes e não apresentam dormência;
  • 20. SUCESSÃO ECOLÓGICA – São capazes de germinar e se estabelecer na sombra; – Geralmente a dispersão das sementes é feita por animais (zoocoria).
  • 21. TÉCNICAS DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS • AVALIAÇÃO DAS ÁREAS DEGRADADAS – Alocação e dimensionamento em mapas de cada situação – Avaliação e caracterização de cada porção degradada – Não realização da reposição florestal – Queimada de pastagens descontrolada
  • 22. TÉCNICAS DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS • LEVANTAMENTO DA VEGETAÇÃO REGIONAL – Feito através de levantamentos fitossociológicos; – Informa sobre os tipos de vegetação característica da região; – Fornece a lista de espécies que ocorre na região;
  • 23. TÉCNICAS DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS – Permite a definição do grupo ecológico das espécies; – Estrutura fitossociológica da vegetação remanescente;
  • 24. Tab. 1: Espécies arbustivas e arbóreas regenerando no garimpo de ouro “Pista do Cabeça”, Alta Floresta - MT. Família/Espécie Nome vulgar Grupo ecológico Hábito Annonaceae Xylopia sp. Pimenta-de-macaco Secundária inicial Árvore Visgueiro Secundária inicial Árvore Verrugueiro Secundária inicial Árvore Assa-peixe Pioneira Arbusto Apocynaceae Himatanthus sucuuba Aquifoliaceae Ilex affinis Asteraceae Vernonia scabra E outras ... Fonte: WIELEVSKI (2005).
  • 25. Tab. 2: Espécies arbustivas e arbóreas regenerando no garimpo de ouro “Pista do Cabeça”, Alta Floresta – MT, com seus respectivos parâmetros estruturais. Fonte: WIELEVSKI (2005) Espécie n FA FR DA DR DoA DoR VI Cecropia sciadophylla 4 17,39 5,33 579,70 3,08 0,101 5,31 13,72 Alibertia edulis 4 8,70 2,67 579,70 3,08 0,095 4,96 10,71 Bredemeyera floribunda 5 4,35 2,67 724,60 3,85 0,031 1,65 8,17 Cecropia sp. 2 8,70 2,67 289,90 1,54 0,042 2,23 6,44 Calyptranthes sp. 2 8,70 2,67 289,90 1,54 0,041 2,15 6,36 Alchornea sp. 1 8,70 1,33 144,90 0,77 0,050 2,63 4,73 Casearia decandra 1 4,35 1,33 144,90 0,77 0,016 0,86 2,96 Connarus perrottetti 1 4,35 1,33 144,90 0,77 0,005 0,29 2,39 Andira sp 1 4,35 1,33 144,90 0,77 0,004 0,21 2,31 Chrysophyllum marginatus 1 4,35 1,33 144,90 0,77 0,002 0,10 2,20 Onde: n = nº de indivíduos amostrados, FA = freqüência absoluta (%), FR = freqüência relativa (%), DA = densidade absoluta (indivíduos/ha), DR = densidade relativa (%), DoA = dominância absoluta (m/ha), DoR = dominância relativa (%) e VI = valor de importância (%).