SlideShare uma empresa Scribd logo
Ecofisiologia
do Coqueiro
sob Estresse
Hídrico.
Fábio P. Gomes1
Carlos H.B.A. Prado2
INTRODUÇÃO
 ECOFISIOLOGIA: estudo de como os organismo
funcionam e respondem a mudanças em seus
ambientes naturais.
 ESTRESSE HÍDRICO: está relacionado à baixa
disponibilidade da água no solo
atmosférico, resultados de alto déficit de pressão
de vapor, VPD, devido a baixa umidade relativa
do ar relacionado com a temperatura do ar
elevado.
INTRODUÇÃO
 O coqueiro possui importância econômica e
social.
 Raízes Homorrízicas permitem superar o déficit
hídrico.
 As palmeiras são componentes importantes e
estão presentes em todos os estratos da floresta
tropical. São consideradas distinta e possuem
desenvolvimento primário.
 Segundo Lorenzi et al (1996) as palmeiras
possuem uma grande exuberância e fascínio ao
senário tropical de regiões.
I. Possuem a mais ampla haste formada por
crescimento primário(1m)
II. Maiores folhas autoportantes( 25m)
III. Maior inflorescência (8m)
IV. Sementes (25kg)
V. Mais longo caule aéreo não enraizado.
INTRODUÇÃO
 Espécies produtoras de biomassa:
I. Açaí ( Euterpe edulis Mart.)
II. Jussara (Euterpe oleracea Mart.)
INTRODUÇÃO
III. Óleo de palma (Elaeis guinensis L.)
IV. Piaçava (Attalea funifera Mart.)
V. Coco (Cocos nucifera L.)
 Cocos nucifera: espécie tropical, da família
Aracaceae e um dos mais importantes da
Classe Monocotyledoneae.
 Incluem duas principais variedades Altos
Anões.
INTRODUÇÃO
 É no sudoeste da Ásia que se concentra o
maior centro de origem da árvore do coco.
 Os principais países produtores de coco são:
Filipinas, Indonésia, Índia, Sri
Lanka, Tailândia, Tanzânia, Brasil e Malásia.
 Considerada “Árvore da Vida” por possuir
inúmeras utilidades, são aproveitados desde à
fibra/casca do coco até a água de frutos
imaturos.
INTRODUÇÃO
 Como exemplo podemos mostrar:
INTRODUÇÃO
 Efeitos do déficit de água influenciam na:
FISIOLOGIA
CRESCIMENTO
PRODUTIVIDADE
INTRODUÇÃO
 A investigação sobre a relação da Água em
Coco, indicaram:
o Controle estomático em plantas estressadas e
não estressadas;
o Validação de indicadores:
o Morfológicos,
o Fisiológicos
o Bioquímicos da tolerância à seca.
CRITÉRIOS DE POTENCIAL PARA A CRIAÇÃO E SELEÇÃO DE
GENÓTIPOS TOLERANTES
CARACTERISTICAS FISIOLÓGICAS
ANATÔMICAS
SOB CONDIÇÕES
CONTROLADAS E
DE CAMPO.
BIOQUÍMICAS
MORFOLÓGICAS
TOLERÂNCIA À DESIDRATAÇÃO
OBJETIVOS
Características Anatômicas e
Morfológicas Relacionados com
a Tolerância a Seca
 O Açúcar é importante para o equilíbrio em
relação fonte-dreno.
 Onde o caule é o principal local de
armazenamento de açúcar.
 As palmeiras tornam-se facilmente
transplantadas porque armazena uma
quantidade consideráveis de alguns substancias.
 A distribuição das raízes e influenciada pela
propriedades físicas dos solos.
RELAÇÕES
HÍDRICAS E
ESTÔMATOS
 Genótipos de coco respondem de formas diferentes
tanto ao estresse hídrico como a taxa interna de
desidratação.
 Tais diferenças na taxa de desidratação podem ser
observadas quando E : Transpiração e gs :
Condutância estomática forem em torno de zero.
 Em genótipos anãs foi observado elevado consumo
de água quando comparados com variedades de
híbridos.
 No Oeste Africano foi observado que os híbridos
estão mais adaptados a condições de seca.
 Os estômatos desempenham um papel importante no
controle de água e equilíbrio.
 De acordo com Passos e Silva 1990: Os estômatos
no coco começam a se abrir nas primeiras horas do
dia, quando há disponibilidade de água no solo.
 Os movimentos diários dos estômatos foram
associados a alterações no ar, temperatura e
umidade relativa sendo que a irradiância foi o
principal fator de controle.
 Nos dias mais quentes os estômatos não exerceram
um controle da água.
 Apesar de causar redução na disponibilidade de CO2
os estômatos de coco exercem um eficiente controle
na perda de água.
 Dessa forma os melhores horários para a irrigação
dos mesmos são nas primeiras e nas últimas horas do
dia.
Consumo e
Eficiência do
Uso da Água
 De acordo cm Nogueira et al. (1998) a necessidade de
água de coco depende dos fatores como
idade, altura, área foliar, condições ambientais e tipo
de solo.
 Estudos recentes realizados por Sousa (2006)
demonstram que alguns genótipos anões podem
apresentar um melhor desempenho em relação ao
déficit hídrico.
 Jayasekara e Jayasekara (1993) estimaram uma
transpiração diária entre 30 e 120 L, por coqueiro adulto
com 35 folhas na coroa, em relação a Yusuf e Varadan
(1993), o consumo destes é de 115 L no verão e 55 L no
inverno.
 Esta informação indica que a superioridade de
altura, pelo menos em temos de consumo de água
deve ser considerada com cautela.
 Os autores atribuíram a seguinte classificação:
(1) maior sensibilidade estomática
(2) maior condutância estomática ao vapor de água
(3) sistema radicular mais desenvolvido
(4) maior taxa de emissão de folhas
 Com base em uma média de valores, os dois
genótipos anões, podem ser relativamente, mais
eficazes no uso de água quando comparado com
outros cultivos de cocos.
 Informações relativas á tolerância
protoplasmática do estresse hídrico levou a
conclusão de que o coqueiro tem sistemas
altamente eficientes que protegem membranas
celulares e seus componentes intracelulares.
 O nível de lipídios e as atividades de enzimas
relacionadas ao estresse hídricos são bons
indicadores de tolerância a desidratação.
 Uma grande redução de taxa de crescimento
foi observada em coqueiro-anão
grave estresse hídrico
 Cl deficiência reduz a capacidade
de osmorregulação de coco sob estresse
hídrico.
 Talvez prolina:
Atua como um osmoprotetor .
 Cl
Age como um osmólito (pelo menos nos
níveis de guarda e células subsidiárias ).
Perspectivas para novas investigações
 Três abordagens principais:
1. Fisiologia vegetal
2. Genética molecular
3. Biologia molecular
 Desafio para as futuras investigações
OBRIGADA!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relações hídricas parte 12
Relações hídricas parte 12Relações hídricas parte 12
Relações hídricas parte 12
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Evolução dos Vegetais
Evolução dos VegetaisEvolução dos Vegetais
Evolução dos Vegetais
BIOLOGIA Associação Pré-FEDERAL
 
Macronutrientes geta
Macronutrientes getaMacronutrientes geta
Macronutrientes geta
Iury Felix
 
Factor AbióTico - Solo
Factor AbióTico - SoloFactor AbióTico - Solo
Factor AbióTico - Solo
guest104e3a
 
Fatores abióticos: solo
Fatores abióticos: solo Fatores abióticos: solo
Fatores abióticos: solo
Ana Castro
 
Controle do mato em ervais
Controle do mato em ervaisControle do mato em ervais
Controle do mato em ervais
Moacir Medrado
 
Fisiologia dos Estômatos
Fisiologia dos EstômatosFisiologia dos Estômatos
Fisiologia dos Estômatos
Dailson Oliveira
 
Nutrição mineral
Nutrição mineralNutrição mineral
Nutrição mineral
Faculdade Guaraí
 
Revisão UERJ
Revisão UERJRevisão UERJ
Aula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineralAula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineral
Bruno Rodrigues
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Rural Pecuária
 
As plantas
As plantasAs plantas
As plantas
renataindaiatuba
 
Fitorremediadoras lorena
Fitorremediadoras   lorenaFitorremediadoras   lorena
Fitorremediadoras lorena
MESTRADOAMBIENTAL
 
Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...
Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...
Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...
Revista Cafeicultura
 
Algas site
Algas siteAlgas site
Algas site
savaro
 
A raiz
A raizA raiz
A raiz
marcommendes
 
Tema fotossíntese 4º ano Grupo 7
Tema fotossíntese   4º ano Grupo 7Tema fotossíntese   4º ano Grupo 7
Tema fotossíntese 4º ano Grupo 7
vivibanez
 
Apresentação Ingrid de Barros CBA-Agroecologia2013
Apresentação Ingrid de Barros   CBA-Agroecologia2013Apresentação Ingrid de Barros   CBA-Agroecologia2013
Apresentação Ingrid de Barros CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Resumo simpósio café esalq
Resumo simpósio café esalqResumo simpósio café esalq
Resumo simpósio café esalq
Carla Pádua Martins
 
Nutrição mineral
Nutrição mineralNutrição mineral
Nutrição mineral
UEG
 

Mais procurados (20)

Relações hídricas parte 12
Relações hídricas parte 12Relações hídricas parte 12
Relações hídricas parte 12
 
Evolução dos Vegetais
Evolução dos VegetaisEvolução dos Vegetais
Evolução dos Vegetais
 
Macronutrientes geta
Macronutrientes getaMacronutrientes geta
Macronutrientes geta
 
Factor AbióTico - Solo
Factor AbióTico - SoloFactor AbióTico - Solo
Factor AbióTico - Solo
 
Fatores abióticos: solo
Fatores abióticos: solo Fatores abióticos: solo
Fatores abióticos: solo
 
Controle do mato em ervais
Controle do mato em ervaisControle do mato em ervais
Controle do mato em ervais
 
Fisiologia dos Estômatos
Fisiologia dos EstômatosFisiologia dos Estômatos
Fisiologia dos Estômatos
 
Nutrição mineral
Nutrição mineralNutrição mineral
Nutrição mineral
 
Revisão UERJ
Revisão UERJRevisão UERJ
Revisão UERJ
 
Aula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineralAula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineral
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
 
As plantas
As plantasAs plantas
As plantas
 
Fitorremediadoras lorena
Fitorremediadoras   lorenaFitorremediadoras   lorena
Fitorremediadoras lorena
 
Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...
Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...
Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...
 
Algas site
Algas siteAlgas site
Algas site
 
A raiz
A raizA raiz
A raiz
 
Tema fotossíntese 4º ano Grupo 7
Tema fotossíntese   4º ano Grupo 7Tema fotossíntese   4º ano Grupo 7
Tema fotossíntese 4º ano Grupo 7
 
Apresentação Ingrid de Barros CBA-Agroecologia2013
Apresentação Ingrid de Barros   CBA-Agroecologia2013Apresentação Ingrid de Barros   CBA-Agroecologia2013
Apresentação Ingrid de Barros CBA-Agroecologia2013
 
Resumo simpósio café esalq
Resumo simpósio café esalqResumo simpósio café esalq
Resumo simpósio café esalq
 
Nutrição mineral
Nutrição mineralNutrição mineral
Nutrição mineral
 

Destaque

Uso eficiente da água
Uso eficiente da águaUso eficiente da água
Uso eficiente da água
Alexandre Marinho
 
#Fenicafé - Palestra Glauber de Castro - Sistema de Estresse Hidrico no Cafee...
#Fenicafé - Palestra Glauber de Castro - Sistema de Estresse Hidrico no Cafee...#Fenicafé - Palestra Glauber de Castro - Sistema de Estresse Hidrico no Cafee...
#Fenicafé - Palestra Glauber de Castro - Sistema de Estresse Hidrico no Cafee...
Revista Cafeicultura
 
Defesa do Mestrado - TOLERÂNCIA AO DÉFICE HÍDRICO E EFICIÊNCIA DO USO DE ÁGUA...
Defesa do Mestrado - TOLERÂNCIA AO DÉFICE HÍDRICO E EFICIÊNCIA DO USO DE ÁGUA...Defesa do Mestrado - TOLERÂNCIA AO DÉFICE HÍDRICO E EFICIÊNCIA DO USO DE ÁGUA...
Defesa do Mestrado - TOLERÂNCIA AO DÉFICE HÍDRICO E EFICIÊNCIA DO USO DE ÁGUA...
Alex Tosta
 
Reúso da água como alternativa sustentável
Reúso da água como alternativa sustentávelReúso da água como alternativa sustentável
Reúso da água como alternativa sustentável
Micheli Bianchini
 
A utilização da água na indústria - Gestão de Recursos Hídricos
A utilização da água na indústria - Gestão de Recursos HídricosA utilização da água na indústria - Gestão de Recursos Hídricos
A utilização da água na indústria - Gestão de Recursos Hídricos
UNICAMP/SP
 
Crise da água
Crise da águaCrise da água
Crise da água
Vanessa Nunes
 
3288418 fisiologia-do-estresse
3288418 fisiologia-do-estresse3288418 fisiologia-do-estresse
3288418 fisiologia-do-estresse
Erica Livea
 
Proteínas
ProteínasProteínas
Proteínas
Diego Mena
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Killer Max
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Avaliação da eficiência de irrigação por sulcos para produção da cultura de t...
Avaliação da eficiência de irrigação por sulcos para produção da cultura de t...Avaliação da eficiência de irrigação por sulcos para produção da cultura de t...
Avaliação da eficiência de irrigação por sulcos para produção da cultura de t...
ISPG-CHOKWE CRTT
 
Uso eficiente y racional del agua
Uso eficiente y racional del aguaUso eficiente y racional del agua
Uso eficiente y racional del agua
SUGUOSO
 
Clean and green hydrocarbons ignite publish
Clean and green hydrocarbons ignite publishClean and green hydrocarbons ignite publish
Clean and green hydrocarbons ignite publish
Krzysztof (Kris) Palka
 

Destaque (13)

Uso eficiente da água
Uso eficiente da águaUso eficiente da água
Uso eficiente da água
 
#Fenicafé - Palestra Glauber de Castro - Sistema de Estresse Hidrico no Cafee...
#Fenicafé - Palestra Glauber de Castro - Sistema de Estresse Hidrico no Cafee...#Fenicafé - Palestra Glauber de Castro - Sistema de Estresse Hidrico no Cafee...
#Fenicafé - Palestra Glauber de Castro - Sistema de Estresse Hidrico no Cafee...
 
Defesa do Mestrado - TOLERÂNCIA AO DÉFICE HÍDRICO E EFICIÊNCIA DO USO DE ÁGUA...
Defesa do Mestrado - TOLERÂNCIA AO DÉFICE HÍDRICO E EFICIÊNCIA DO USO DE ÁGUA...Defesa do Mestrado - TOLERÂNCIA AO DÉFICE HÍDRICO E EFICIÊNCIA DO USO DE ÁGUA...
Defesa do Mestrado - TOLERÂNCIA AO DÉFICE HÍDRICO E EFICIÊNCIA DO USO DE ÁGUA...
 
Reúso da água como alternativa sustentável
Reúso da água como alternativa sustentávelReúso da água como alternativa sustentável
Reúso da água como alternativa sustentável
 
A utilização da água na indústria - Gestão de Recursos Hídricos
A utilização da água na indústria - Gestão de Recursos HídricosA utilização da água na indústria - Gestão de Recursos Hídricos
A utilização da água na indústria - Gestão de Recursos Hídricos
 
Crise da água
Crise da águaCrise da água
Crise da água
 
3288418 fisiologia-do-estresse
3288418 fisiologia-do-estresse3288418 fisiologia-do-estresse
3288418 fisiologia-do-estresse
 
Proteínas
ProteínasProteínas
Proteínas
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Avaliação da eficiência de irrigação por sulcos para produção da cultura de t...
Avaliação da eficiência de irrigação por sulcos para produção da cultura de t...Avaliação da eficiência de irrigação por sulcos para produção da cultura de t...
Avaliação da eficiência de irrigação por sulcos para produção da cultura de t...
 
Uso eficiente y racional del agua
Uso eficiente y racional del aguaUso eficiente y racional del agua
Uso eficiente y racional del agua
 
Clean and green hydrocarbons ignite publish
Clean and green hydrocarbons ignite publishClean and green hydrocarbons ignite publish
Clean and green hydrocarbons ignite publish
 

Semelhante a Ecofisiologia do Estresse Hídrico em C. nucifera

37 cleber macrofitas
37 cleber macrofitas37 cleber macrofitas
37 cleber macrofitas
Franciele Marques
 
Trindade et al. 2010. macrófitas do campus carreiros
Trindade et al. 2010. macrófitas do campus carreirosTrindade et al. 2010. macrófitas do campus carreiros
Trindade et al. 2010. macrófitas do campus carreiros
FURG
 
O consumo de água pelas florestas plantadas
O consumo de água pelas florestas plantadasO consumo de água pelas florestas plantadas
O consumo de água pelas florestas plantadas
Paola Brutti
 
FLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAISFLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAIS
Conceição Fontolan
 
A relação da planta com a água livro
A relação da planta com a água livroA relação da planta com a água livro
A relação da planta com a água livro
Juliana Neves
 
Relações hídricas parte 13
Relações hídricas parte 13Relações hídricas parte 13
Relações hídricas parte 13
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
tipos de sucessao ecologica
tipos de sucessao ecologicatipos de sucessao ecologica
tipos de sucessao ecologica
Lourismar Martins
 
Seminário vegetação
Seminário vegetaçãoSeminário vegetação
Seminário vegetação
LUIS ABREU
 
915-Texto do artigo-5296-1-10-20200619.pdf
915-Texto do artigo-5296-1-10-20200619.pdf915-Texto do artigo-5296-1-10-20200619.pdf
915-Texto do artigo-5296-1-10-20200619.pdf
Matheus Sena
 
Biomas brasileiro e do mundo
Biomas brasileiro e do mundoBiomas brasileiro e do mundo
Biomas brasileiro e do mundo
Rosimeire Carlos Peixoto
 
Fito geografia
Fito geografiaFito geografia
Fito geografia
Delmacy Cruz Souza
 
Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes
Sara Catarina
 
Aula6 biomas
Aula6 biomasAula6 biomas
Aula6 biomas
Carolina Lisboa
 
Artigo bioterra v21_n1_04
Artigo bioterra v21_n1_04Artigo bioterra v21_n1_04
Artigo bioterra v21_n1_04
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Jogo biomas caderno pistas sul
Jogo biomas caderno pistas sulJogo biomas caderno pistas sul
Jogo biomas caderno pistas sul
Adriana Heloisa
 
Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]
Jade
 
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Jade
 
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
RAFAELA BARBOSA
 
Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]
Jade
 
FLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAISFLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAIS
Conceição Fontolan
 

Semelhante a Ecofisiologia do Estresse Hídrico em C. nucifera (20)

37 cleber macrofitas
37 cleber macrofitas37 cleber macrofitas
37 cleber macrofitas
 
Trindade et al. 2010. macrófitas do campus carreiros
Trindade et al. 2010. macrófitas do campus carreirosTrindade et al. 2010. macrófitas do campus carreiros
Trindade et al. 2010. macrófitas do campus carreiros
 
O consumo de água pelas florestas plantadas
O consumo de água pelas florestas plantadasO consumo de água pelas florestas plantadas
O consumo de água pelas florestas plantadas
 
FLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAISFLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAIS
 
A relação da planta com a água livro
A relação da planta com a água livroA relação da planta com a água livro
A relação da planta com a água livro
 
Relações hídricas parte 13
Relações hídricas parte 13Relações hídricas parte 13
Relações hídricas parte 13
 
tipos de sucessao ecologica
tipos de sucessao ecologicatipos de sucessao ecologica
tipos de sucessao ecologica
 
Seminário vegetação
Seminário vegetaçãoSeminário vegetação
Seminário vegetação
 
915-Texto do artigo-5296-1-10-20200619.pdf
915-Texto do artigo-5296-1-10-20200619.pdf915-Texto do artigo-5296-1-10-20200619.pdf
915-Texto do artigo-5296-1-10-20200619.pdf
 
Biomas brasileiro e do mundo
Biomas brasileiro e do mundoBiomas brasileiro e do mundo
Biomas brasileiro e do mundo
 
Fito geografia
Fito geografiaFito geografia
Fito geografia
 
Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes
 
Aula6 biomas
Aula6 biomasAula6 biomas
Aula6 biomas
 
Artigo bioterra v21_n1_04
Artigo bioterra v21_n1_04Artigo bioterra v21_n1_04
Artigo bioterra v21_n1_04
 
Jogo biomas caderno pistas sul
Jogo biomas caderno pistas sulJogo biomas caderno pistas sul
Jogo biomas caderno pistas sul
 
Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]
 
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
 
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
 
Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]
 
FLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAISFLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAIS
 

Último

Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 

Último (20)

Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 

Ecofisiologia do Estresse Hídrico em C. nucifera

  • 2. INTRODUÇÃO  ECOFISIOLOGIA: estudo de como os organismo funcionam e respondem a mudanças em seus ambientes naturais.  ESTRESSE HÍDRICO: está relacionado à baixa disponibilidade da água no solo atmosférico, resultados de alto déficit de pressão de vapor, VPD, devido a baixa umidade relativa do ar relacionado com a temperatura do ar elevado.
  • 3. INTRODUÇÃO  O coqueiro possui importância econômica e social.  Raízes Homorrízicas permitem superar o déficit hídrico.  As palmeiras são componentes importantes e estão presentes em todos os estratos da floresta tropical. São consideradas distinta e possuem desenvolvimento primário.
  • 4.  Segundo Lorenzi et al (1996) as palmeiras possuem uma grande exuberância e fascínio ao senário tropical de regiões. I. Possuem a mais ampla haste formada por crescimento primário(1m) II. Maiores folhas autoportantes( 25m) III. Maior inflorescência (8m) IV. Sementes (25kg) V. Mais longo caule aéreo não enraizado. INTRODUÇÃO
  • 5.  Espécies produtoras de biomassa: I. Açaí ( Euterpe edulis Mart.) II. Jussara (Euterpe oleracea Mart.) INTRODUÇÃO
  • 6. III. Óleo de palma (Elaeis guinensis L.) IV. Piaçava (Attalea funifera Mart.)
  • 7. V. Coco (Cocos nucifera L.)
  • 8.  Cocos nucifera: espécie tropical, da família Aracaceae e um dos mais importantes da Classe Monocotyledoneae.  Incluem duas principais variedades Altos Anões. INTRODUÇÃO
  • 9.  É no sudoeste da Ásia que se concentra o maior centro de origem da árvore do coco.  Os principais países produtores de coco são: Filipinas, Indonésia, Índia, Sri Lanka, Tailândia, Tanzânia, Brasil e Malásia.  Considerada “Árvore da Vida” por possuir inúmeras utilidades, são aproveitados desde à fibra/casca do coco até a água de frutos imaturos. INTRODUÇÃO
  • 10.  Como exemplo podemos mostrar: INTRODUÇÃO
  • 11.  Efeitos do déficit de água influenciam na: FISIOLOGIA CRESCIMENTO PRODUTIVIDADE INTRODUÇÃO
  • 12.  A investigação sobre a relação da Água em Coco, indicaram: o Controle estomático em plantas estressadas e não estressadas; o Validação de indicadores: o Morfológicos, o Fisiológicos o Bioquímicos da tolerância à seca. CRITÉRIOS DE POTENCIAL PARA A CRIAÇÃO E SELEÇÃO DE GENÓTIPOS TOLERANTES
  • 13. CARACTERISTICAS FISIOLÓGICAS ANATÔMICAS SOB CONDIÇÕES CONTROLADAS E DE CAMPO. BIOQUÍMICAS MORFOLÓGICAS TOLERÂNCIA À DESIDRATAÇÃO OBJETIVOS
  • 14. Características Anatômicas e Morfológicas Relacionados com a Tolerância a Seca
  • 15.
  • 16.  O Açúcar é importante para o equilíbrio em relação fonte-dreno.  Onde o caule é o principal local de armazenamento de açúcar.
  • 17.  As palmeiras tornam-se facilmente transplantadas porque armazena uma quantidade consideráveis de alguns substancias.  A distribuição das raízes e influenciada pela propriedades físicas dos solos.
  • 19.  Genótipos de coco respondem de formas diferentes tanto ao estresse hídrico como a taxa interna de desidratação.  Tais diferenças na taxa de desidratação podem ser observadas quando E : Transpiração e gs : Condutância estomática forem em torno de zero.
  • 20.  Em genótipos anãs foi observado elevado consumo de água quando comparados com variedades de híbridos.  No Oeste Africano foi observado que os híbridos estão mais adaptados a condições de seca.  Os estômatos desempenham um papel importante no controle de água e equilíbrio.
  • 21.  De acordo com Passos e Silva 1990: Os estômatos no coco começam a se abrir nas primeiras horas do dia, quando há disponibilidade de água no solo.  Os movimentos diários dos estômatos foram associados a alterações no ar, temperatura e umidade relativa sendo que a irradiância foi o principal fator de controle.  Nos dias mais quentes os estômatos não exerceram um controle da água.
  • 22.  Apesar de causar redução na disponibilidade de CO2 os estômatos de coco exercem um eficiente controle na perda de água.  Dessa forma os melhores horários para a irrigação dos mesmos são nas primeiras e nas últimas horas do dia.
  • 23.
  • 25.  De acordo cm Nogueira et al. (1998) a necessidade de água de coco depende dos fatores como idade, altura, área foliar, condições ambientais e tipo de solo.  Estudos recentes realizados por Sousa (2006) demonstram que alguns genótipos anões podem apresentar um melhor desempenho em relação ao déficit hídrico.  Jayasekara e Jayasekara (1993) estimaram uma transpiração diária entre 30 e 120 L, por coqueiro adulto com 35 folhas na coroa, em relação a Yusuf e Varadan (1993), o consumo destes é de 115 L no verão e 55 L no inverno.
  • 26.  Esta informação indica que a superioridade de altura, pelo menos em temos de consumo de água deve ser considerada com cautela.  Os autores atribuíram a seguinte classificação: (1) maior sensibilidade estomática (2) maior condutância estomática ao vapor de água (3) sistema radicular mais desenvolvido (4) maior taxa de emissão de folhas  Com base em uma média de valores, os dois genótipos anões, podem ser relativamente, mais eficazes no uso de água quando comparado com outros cultivos de cocos.
  • 27.  Informações relativas á tolerância protoplasmática do estresse hídrico levou a conclusão de que o coqueiro tem sistemas altamente eficientes que protegem membranas celulares e seus componentes intracelulares.  O nível de lipídios e as atividades de enzimas relacionadas ao estresse hídricos são bons indicadores de tolerância a desidratação.
  • 28.  Uma grande redução de taxa de crescimento foi observada em coqueiro-anão grave estresse hídrico
  • 29.  Cl deficiência reduz a capacidade de osmorregulação de coco sob estresse hídrico.  Talvez prolina: Atua como um osmoprotetor .  Cl Age como um osmólito (pelo menos nos níveis de guarda e células subsidiárias ).
  • 30. Perspectivas para novas investigações  Três abordagens principais: 1. Fisiologia vegetal 2. Genética molecular 3. Biologia molecular  Desafio para as futuras investigações