SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Paula Dorti
Os indivíduos que apresentarem características
vantajosas para a sua sobrevivência, como por
exemplo, maior capacidade de conseguir alimento,
maior eficiência reprodutiva, maior agilidade na fuga
de predadores, têm maior chance de sobreviver até
a idade reprodutiva, na qual irá passar estas
características individuais vantajosas à prole. Isto
ocorre porque todas as características estão
imprensas nos genes do indivíduo. Este é o
princípio da seleção natural de Darwin.
As mariposas de Manchester
• Seleção natural ocorrida nas mariposas da espécie Biston
betularia, em Manchester – Inglaterra;
• Pressão ambiental: Industrialização
• Fator responsável pela seleção natural;
• Antes da industrialização 1850 : predominava as mariposas
brancas com algumas manchas pretas;
• Industrialização – matou líquens das árvores – escurecimento
dos troncos.
• Posteriormente à industrialização predomínio das mariposas
melânicas.
A resistência de bactérias aos antibióticos
• A velocidade de reprodução das bactérias permite o
aparecimento de mutações em seus genes;
• Um mutante pode favricar uma enzima que pode destruir
um antibiótico – Surge, assim, um mutante resistente a
determinado antibiótico;
• A mutação pode ocorrer mesmo que o antibiótico não
esteja presente. A mutação não foi provocada pelo
medicamento;
• Se não tiver em um meio que o antibiótico não esteja
presente, sua característica não lhe traz nehuma
vantagem.
Na espécie humana – anemia falciforme
• Causada por um gene defeituoso;
• Produção da hemoglobina anormal;
• Individuos homozigotos apresentam suas hemácias na
forma de foice – causa problemas respiratórios;
• Os heterozigotos ou têm a doenças ou é manifestada de
forma branda;
• Os heterozigotos são resistentes à malária;
• Seleção para o gene da anemia falciforme.
Coloração de aviso, camuflagem e mimetismo
• A adaptação é uma consequência direta da seleção
natural;
• Seleção Natural – atua na variabilidade genética –
favorece os indivíduos com características genéticas
mais vantajosas – sobrevivem – reproduzem-se –
deixam descendentes mais adaptados ao meio.
• Existem três tipos de adaptação: Coloração de aviso,
camuflagem e mimetismo.
• A coloração funciona como uma advertência ao
preddador;
• Indicando que o animal pode ser VENENOSO ou TER
SABOR DESAGRADÁVEL;
• Várias espécies apresentam essa adaptação,
principalmente, insetos e anfíbios e répteis.
• A propriedade dos membros de uma espécie
apresentarem uma ou mais características que os
assemelhem ao ambiente, dificultando sua localização
por espécies com as quais interage, sejam elas
predaores ou presas.

• A camuflagem é explicada pela seleção natural:
- A coloração, entre os indivíduos, que permite uma maior
camuflagem será menos predada, e consequentemente,
transmitirá sua coloração aos descendentes.
• Então, os inidivíduos mais bem camuflados são mais
selecionados.
•
• “É uma adaptação na qual uma espécie se asemelha a
outra”
• “Duas espécies diferentes assemelham-se em certas
características, o que constitui vantagem para uma ou
para ambas em relação a outras espécies.”
• Semelhança na cor e desenho nas asas entre borboletas
de espécies distintas:
- Família Heliconidae = sabor extremamente desagradável
aos pássaros e tóxica ( Borboleta Monarca);
- Família Pieridae = Possuem sabor agradável (Borboleta
Vice-Rei).
• A cobra coral falsa (não-peçonheta) assemelha-se a
cobra coral verdadeira (peçonheta).
• Cobra Coral falsa: Eritholampus aesculapi
• Cobra Coral Verdadeira: Micrurus coralinus
•

É considerado fóssil qualquer indício da presença de organismos que viveram
em tempos remotos da Terra.

• Um fóssil animal forma-se quando as partes moles do corpo se decompõe, mas
seu esqueleto é substituído por minerais do solo (mineralização).
• Processo semelhante pode ocorrer com troncos de árvores são recobertos de lava,
e a sílica substitui a madeira.
• Representa a possibilidade de conhecermos organismos que viveram na Terra em
tempos remotos, sob condições ambientais distintas das encontradas atualmente,
e que podem fornecer indícios de parentesco com as espécies atuais. Por isso, os
fósseis são testemunhos da evolução.
• À medida que o embrião se desenvolve, surgem
características individualizantes e as semelhanças
diminuem.
• Essa
semelhança
também
foi
verificada
no
desenvolvimento embrionário de todos animais.
Entretanto, quando mais diferentes são os organismos,
menor é o período embrionário comum entre eles.
Seleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

I. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vidaI. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vidaRebeca Vale
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evoluçãoKamila Joyce
 
IV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espéciesIV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espéciesRebeca Vale
 
Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introduçãoDalu Barreto
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosFatima Comiotto
 
Genetica de populações
Genetica de populaçõesGenetica de populações
Genetica de populaçõesUERGS
 
Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCésar Milani
 
Teoria sintética da evolução
Teoria sintética da evoluçãoTeoria sintética da evolução
Teoria sintética da evoluçãoFelipe Haeberlin
 
Noções de evolução
Noções de evoluçãoNoções de evolução
Noções de evoluçãoemanuel
 
A primeira lei de mendel
A primeira lei de mendelA primeira lei de mendel
A primeira lei de mendelmainamgar
 
Aula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosAula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosPlínio Gonçalves
 
III. 1 Histórico Biotecnologia
III. 1 Histórico BiotecnologiaIII. 1 Histórico Biotecnologia
III. 1 Histórico BiotecnologiaRebeca Vale
 
2 - Teorias evolucionistas
2 - Teorias evolucionistas2 - Teorias evolucionistas
2 - Teorias evolucionistasAna Castro
 

Mais procurados (20)

Teorias evolutivas
Teorias evolutivasTeorias evolutivas
Teorias evolutivas
 
2ª lei de mendel
2ª lei de mendel2ª lei de mendel
2ª lei de mendel
 
I. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vidaI. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vida
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evolução
 
Especiação
EspeciaçãoEspeciação
Especiação
 
IV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espéciesIV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espécies
 
Genetica hereditariedade
Genetica hereditariedadeGenetica hereditariedade
Genetica hereditariedade
 
Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introdução
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
 
Genetica de populações
Genetica de populaçõesGenetica de populações
Genetica de populações
 
Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivos
 
Teoria sintética da evolução
Teoria sintética da evoluçãoTeoria sintética da evolução
Teoria sintética da evolução
 
Noções de evolução
Noções de evoluçãoNoções de evolução
Noções de evolução
 
A primeira lei de mendel
A primeira lei de mendelA primeira lei de mendel
A primeira lei de mendel
 
Reprodução assexuada e sexuada
Reprodução assexuada  e sexuadaReprodução assexuada  e sexuada
Reprodução assexuada e sexuada
 
Aula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosAula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres Vivos
 
III. 1 Histórico Biotecnologia
III. 1 Histórico BiotecnologiaIII. 1 Histórico Biotecnologia
III. 1 Histórico Biotecnologia
 
Aula ecologia.
Aula ecologia.Aula ecologia.
Aula ecologia.
 
Segunda Lei de Mendel
Segunda Lei de MendelSegunda Lei de Mendel
Segunda Lei de Mendel
 
2 - Teorias evolucionistas
2 - Teorias evolucionistas2 - Teorias evolucionistas
2 - Teorias evolucionistas
 

Destaque

Cap 13 seleção natural
Cap 13 seleção naturalCap 13 seleção natural
Cap 13 seleção naturalJoao Balbi
 
Adaptação, seleção natural e teoria da evolução 7°
Adaptação, seleção natural e teoria da evolução 7°Adaptação, seleção natural e teoria da evolução 7°
Adaptação, seleção natural e teoria da evolução 7°Gabriel Salles
 
Aula 7º ano - Evolução
Aula 7º ano - EvoluçãoAula 7º ano - Evolução
Aula 7º ano - EvoluçãoLeonardo Kaplan
 
EducSpam Evolucao e Selecao Natural
EducSpam Evolucao e Selecao NaturalEducSpam Evolucao e Selecao Natural
EducSpam Evolucao e Selecao NaturalEduc Spam
 
Evolução das espécies.
Evolução das espécies.Evolução das espécies.
Evolução das espécies.Brenno Miranda
 
Origem dos seres vivos e evolução biologica - Profª shirley - 7º ano
Origem dos seres vivos e evolução biologica - Profª shirley - 7º anoOrigem dos seres vivos e evolução biologica - Profª shirley - 7º ano
Origem dos seres vivos e evolução biologica - Profª shirley - 7º anoAlpha Colégio e Vestibulares
 
Seleção
SeleçãoSeleção
Seleçãounesp
 
Teorias da Evolução - Prof. Arlei
Teorias da Evolução - Prof. ArleiTeorias da Evolução - Prof. Arlei
Teorias da Evolução - Prof. ArleiCarmina Monteiro
 
Origem da vida na terra (1ª aula)
Origem da vida na terra   (1ª aula)Origem da vida na terra   (1ª aula)
Origem da vida na terra (1ª aula)Blogzarife
 
Origem da vida 7º 2013
Origem da vida 7º 2013Origem da vida 7º 2013
Origem da vida 7º 2013Simoneprof
 
Teoria da Evolução de Charles Darwin
Teoria da Evolução de Charles DarwinTeoria da Evolução de Charles Darwin
Teoria da Evolução de Charles Darwinhewencho
 
03 seleção natural
03   seleção natural03   seleção natural
03 seleção naturalRonald Moura
 
I.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambienteI.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambienteRebeca Vale
 
Adaptação
AdaptaçãoAdaptação
Adaptaçãounesp
 

Destaque (20)

Cap 13 seleção natural
Cap 13 seleção naturalCap 13 seleção natural
Cap 13 seleção natural
 
Adaptação, seleção natural e teoria da evolução 7°
Adaptação, seleção natural e teoria da evolução 7°Adaptação, seleção natural e teoria da evolução 7°
Adaptação, seleção natural e teoria da evolução 7°
 
Aula 7º ano - Evolução
Aula 7º ano - EvoluçãoAula 7º ano - Evolução
Aula 7º ano - Evolução
 
EducSpam Evolucao e Selecao Natural
EducSpam Evolucao e Selecao NaturalEducSpam Evolucao e Selecao Natural
EducSpam Evolucao e Selecao Natural
 
Evolução das espécies.
Evolução das espécies.Evolução das espécies.
Evolução das espécies.
 
Origem dos seres vivos e evolução biologica - Profª shirley - 7º ano
Origem dos seres vivos e evolução biologica - Profª shirley - 7º anoOrigem dos seres vivos e evolução biologica - Profª shirley - 7º ano
Origem dos seres vivos e evolução biologica - Profª shirley - 7º ano
 
Seleção
SeleçãoSeleção
Seleção
 
Adaptação dos seres vivos
Adaptação dos seres vivosAdaptação dos seres vivos
Adaptação dos seres vivos
 
Evolução - 7º ANO
Evolução - 7º ANOEvolução - 7º ANO
Evolução - 7º ANO
 
Teorias da Evolução - Prof. Arlei
Teorias da Evolução - Prof. ArleiTeorias da Evolução - Prof. Arlei
Teorias da Evolução - Prof. Arlei
 
Origem da vida na terra (1ª aula)
Origem da vida na terra   (1ª aula)Origem da vida na terra   (1ª aula)
Origem da vida na terra (1ª aula)
 
Origem da vida 7º 2013
Origem da vida 7º 2013Origem da vida 7º 2013
Origem da vida 7º 2013
 
Teoria da Evolução de Charles Darwin
Teoria da Evolução de Charles DarwinTeoria da Evolução de Charles Darwin
Teoria da Evolução de Charles Darwin
 
EvoluçAo
EvoluçAoEvoluçAo
EvoluçAo
 
EVOLUCIONISMO
EVOLUCIONISMOEVOLUCIONISMO
EVOLUCIONISMO
 
Evolução - 7o ano
Evolução - 7o anoEvolução - 7o ano
Evolução - 7o ano
 
03 seleção natural
03   seleção natural03   seleção natural
03 seleção natural
 
I.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambienteI.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambiente
 
Adaptação
AdaptaçãoAdaptação
Adaptação
 
A Origem da Vida
A Origem da VidaA Origem da Vida
A Origem da Vida
 

Semelhante a Seleção natural e adaptação

Seleonaturaleadaptao 131019100421-phpapp01
Seleonaturaleadaptao 131019100421-phpapp01Seleonaturaleadaptao 131019100421-phpapp01
Seleonaturaleadaptao 131019100421-phpapp01Renato Físico
 
Biologia Evolutiva - a origem dos seres vivos
Biologia Evolutiva - a origem dos seres vivosBiologia Evolutiva - a origem dos seres vivos
Biologia Evolutiva - a origem dos seres vivosJézili Dias
 
Evolução e mecanismos de especiação
Evolução e mecanismos de especiaçãoEvolução e mecanismos de especiação
Evolução e mecanismos de especiaçãoKim Matheus
 
evoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptx
evoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptxevoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptx
evoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptxRonaldoAlves313237
 
REPRODUÇÃO DOS SERES VIVOS .pptx
REPRODUÇÃO DOS SERES VIVOS .pptxREPRODUÇÃO DOS SERES VIVOS .pptx
REPRODUÇÃO DOS SERES VIVOS .pptxRonaldoAlves313237
 
Revisão ENEM EVOLUÇÃO
Revisão ENEM EVOLUÇÃORevisão ENEM EVOLUÇÃO
Revisão ENEM EVOLUÇÃOemanuel
 
Conceito de espécie e especiação
Conceito de espécie e especiaçãoConceito de espécie e especiação
Conceito de espécie e especiaçãoKamila Joyce
 
Reino Protoctista e Fungi.pdf
Reino Protoctista e Fungi.pdfReino Protoctista e Fungi.pdf
Reino Protoctista e Fungi.pdfjobervargas
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologiaCairo Martins
 
aula inicial sobre oque é Microbiologia
aula inicial sobre oque é  Microbiologiaaula inicial sobre oque é  Microbiologia
aula inicial sobre oque é Microbiologiapaulovitormacedo1
 
Ecossistema: Fatores bióticos e abióticos
Ecossistema: Fatores bióticos e abióticosEcossistema: Fatores bióticos e abióticos
Ecossistema: Fatores bióticos e abióticosCarlos Priante
 
Evide evolucao[1]
Evide evolucao[1]Evide evolucao[1]
Evide evolucao[1]Gaspar Neto
 

Semelhante a Seleção natural e adaptação (20)

Seleonaturaleadaptao 131019100421-phpapp01
Seleonaturaleadaptao 131019100421-phpapp01Seleonaturaleadaptao 131019100421-phpapp01
Seleonaturaleadaptao 131019100421-phpapp01
 
Biologia Evolutiva - a origem dos seres vivos
Biologia Evolutiva - a origem dos seres vivosBiologia Evolutiva - a origem dos seres vivos
Biologia Evolutiva - a origem dos seres vivos
 
Evolução e mecanismos de especiação
Evolução e mecanismos de especiaçãoEvolução e mecanismos de especiação
Evolução e mecanismos de especiação
 
evoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptx
evoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptxevoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptx
evoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptx
 
Teorias evolutiva serem
Teorias evolutiva seremTeorias evolutiva serem
Teorias evolutiva serem
 
Teorias evolutiva serem
Teorias evolutiva seremTeorias evolutiva serem
Teorias evolutiva serem
 
REPRODUÇÃO DOS SERES VIVOS .pptx
REPRODUÇÃO DOS SERES VIVOS .pptxREPRODUÇÃO DOS SERES VIVOS .pptx
REPRODUÇÃO DOS SERES VIVOS .pptx
 
Revisão ENEM EVOLUÇÃO
Revisão ENEM EVOLUÇÃORevisão ENEM EVOLUÇÃO
Revisão ENEM EVOLUÇÃO
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Conceito de espécie e especiação
Conceito de espécie e especiaçãoConceito de espécie e especiação
Conceito de espécie e especiação
 
19- evolucao.ppt
19- evolucao.ppt19- evolucao.ppt
19- evolucao.ppt
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
 
Reino Protoctista e Fungi.pdf
Reino Protoctista e Fungi.pdfReino Protoctista e Fungi.pdf
Reino Protoctista e Fungi.pdf
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
 
aula inicial sobre oque é Microbiologia
aula inicial sobre oque é  Microbiologiaaula inicial sobre oque é  Microbiologia
aula inicial sobre oque é Microbiologia
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Ecossistema: Fatores bióticos e abióticos
Ecossistema: Fatores bióticos e abióticosEcossistema: Fatores bióticos e abióticos
Ecossistema: Fatores bióticos e abióticos
 
Evide evolucao[1]
Evide evolucao[1]Evide evolucao[1]
Evide evolucao[1]
 
Evoluçao especiaçáo nov 2014
Evoluçao especiaçáo nov 2014Evoluçao especiaçáo nov 2014
Evoluçao especiaçáo nov 2014
 
Evoluçao especiaçáo nov 2014
Evoluçao especiaçáo nov 2014Evoluçao especiaçáo nov 2014
Evoluçao especiaçáo nov 2014
 

Mais de Kamila Joyce

Sistema digestório Peixes, repteis, anfíbios e aves
Sistema digestório Peixes, repteis, anfíbios e avesSistema digestório Peixes, repteis, anfíbios e aves
Sistema digestório Peixes, repteis, anfíbios e avesKamila Joyce
 
Mini-curso sobre sistema circulatório
Mini-curso sobre sistema circulatório Mini-curso sobre sistema circulatório
Mini-curso sobre sistema circulatório Kamila Joyce
 
Código de ética da radiologia
Código de ética da radiologiaCódigo de ética da radiologia
Código de ética da radiologiaKamila Joyce
 
O PROBLEMA DO SEDENTARISMO DA OBESIDADE E DOS TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS OCASIO...
O PROBLEMA DO SEDENTARISMO DA OBESIDADE E DOS TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS OCASIO...O PROBLEMA DO SEDENTARISMO DA OBESIDADE E DOS TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS OCASIO...
O PROBLEMA DO SEDENTARISMO DA OBESIDADE E DOS TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS OCASIO...Kamila Joyce
 
Peça sobre o Câncer do colo do útero e HPV
Peça sobre o Câncer do colo do útero e HPVPeça sobre o Câncer do colo do útero e HPV
Peça sobre o Câncer do colo do útero e HPVKamila Joyce
 
Tecnologia radiológica e diagnóstico de imagem cap. 9
Tecnologia radiológica e diagnóstico de imagem cap. 9Tecnologia radiológica e diagnóstico de imagem cap. 9
Tecnologia radiológica e diagnóstico de imagem cap. 9Kamila Joyce
 
O trabalho ao longo da história
O trabalho ao longo da históriaO trabalho ao longo da história
O trabalho ao longo da históriaKamila Joyce
 
Revolução industrial e fazes do capitalismo
Revolução industrial e fazes do capitalismoRevolução industrial e fazes do capitalismo
Revolução industrial e fazes do capitalismoKamila Joyce
 
Fernando Henrique Cardoso
Fernando Henrique CardosoFernando Henrique Cardoso
Fernando Henrique CardosoKamila Joyce
 
Matrizes e Vetores para programação
Matrizes e Vetores para programaçãoMatrizes e Vetores para programação
Matrizes e Vetores para programaçãoKamila Joyce
 
Política e o Poder
Política e o PoderPolítica e o Poder
Política e o PoderKamila Joyce
 
Mini curso redes sociais - IMD instituto Metrópole Digital
Mini curso redes sociais -  IMD instituto Metrópole DigitalMini curso redes sociais -  IMD instituto Metrópole Digital
Mini curso redes sociais - IMD instituto Metrópole DigitalKamila Joyce
 
Teoria moderna da evolução
Teoria moderna da evoluçãoTeoria moderna da evolução
Teoria moderna da evoluçãoKamila Joyce
 
Divisão do tempo geológico
Divisão do tempo geológicoDivisão do tempo geológico
Divisão do tempo geológicoKamila Joyce
 
Bases genéticas da evolução
Bases genéticas da evoluçãoBases genéticas da evolução
Bases genéticas da evoluçãoKamila Joyce
 
Evolução automotiva
Evolução automotivaEvolução automotiva
Evolução automotivaKamila Joyce
 

Mais de Kamila Joyce (20)

Sistema digestório Peixes, repteis, anfíbios e aves
Sistema digestório Peixes, repteis, anfíbios e avesSistema digestório Peixes, repteis, anfíbios e aves
Sistema digestório Peixes, repteis, anfíbios e aves
 
Mini-curso sobre sistema circulatório
Mini-curso sobre sistema circulatório Mini-curso sobre sistema circulatório
Mini-curso sobre sistema circulatório
 
Código de ética da radiologia
Código de ética da radiologiaCódigo de ética da radiologia
Código de ética da radiologia
 
O PROBLEMA DO SEDENTARISMO DA OBESIDADE E DOS TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS OCASIO...
O PROBLEMA DO SEDENTARISMO DA OBESIDADE E DOS TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS OCASIO...O PROBLEMA DO SEDENTARISMO DA OBESIDADE E DOS TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS OCASIO...
O PROBLEMA DO SEDENTARISMO DA OBESIDADE E DOS TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS OCASIO...
 
Peça sobre o Câncer do colo do útero e HPV
Peça sobre o Câncer do colo do útero e HPVPeça sobre o Câncer do colo do útero e HPV
Peça sobre o Câncer do colo do útero e HPV
 
Tecnologia radiológica e diagnóstico de imagem cap. 9
Tecnologia radiológica e diagnóstico de imagem cap. 9Tecnologia radiológica e diagnóstico de imagem cap. 9
Tecnologia radiológica e diagnóstico de imagem cap. 9
 
O trabalho ao longo da história
O trabalho ao longo da históriaO trabalho ao longo da história
O trabalho ao longo da história
 
Energia mecânica
Energia mecânicaEnergia mecânica
Energia mecânica
 
Reino Metaphyta
Reino MetaphytaReino Metaphyta
Reino Metaphyta
 
Revolução industrial e fazes do capitalismo
Revolução industrial e fazes do capitalismoRevolução industrial e fazes do capitalismo
Revolução industrial e fazes do capitalismo
 
Doenças vírais
Doenças víraisDoenças vírais
Doenças vírais
 
Fernando Henrique Cardoso
Fernando Henrique CardosoFernando Henrique Cardoso
Fernando Henrique Cardoso
 
Matrizes e Vetores para programação
Matrizes e Vetores para programaçãoMatrizes e Vetores para programação
Matrizes e Vetores para programação
 
Política e o Poder
Política e o PoderPolítica e o Poder
Política e o Poder
 
Mini curso redes sociais - IMD instituto Metrópole Digital
Mini curso redes sociais -  IMD instituto Metrópole DigitalMini curso redes sociais -  IMD instituto Metrópole Digital
Mini curso redes sociais - IMD instituto Metrópole Digital
 
Nicolau Maquiavel
Nicolau MaquiavelNicolau Maquiavel
Nicolau Maquiavel
 
Teoria moderna da evolução
Teoria moderna da evoluçãoTeoria moderna da evolução
Teoria moderna da evolução
 
Divisão do tempo geológico
Divisão do tempo geológicoDivisão do tempo geológico
Divisão do tempo geológico
 
Bases genéticas da evolução
Bases genéticas da evoluçãoBases genéticas da evolução
Bases genéticas da evolução
 
Evolução automotiva
Evolução automotivaEvolução automotiva
Evolução automotiva
 

Seleção natural e adaptação

  • 2.
  • 3. Os indivíduos que apresentarem características vantajosas para a sua sobrevivência, como por exemplo, maior capacidade de conseguir alimento, maior eficiência reprodutiva, maior agilidade na fuga de predadores, têm maior chance de sobreviver até a idade reprodutiva, na qual irá passar estas características individuais vantajosas à prole. Isto ocorre porque todas as características estão imprensas nos genes do indivíduo. Este é o princípio da seleção natural de Darwin.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7. As mariposas de Manchester
  • 8. • Seleção natural ocorrida nas mariposas da espécie Biston betularia, em Manchester – Inglaterra; • Pressão ambiental: Industrialização • Fator responsável pela seleção natural; • Antes da industrialização 1850 : predominava as mariposas brancas com algumas manchas pretas; • Industrialização – matou líquens das árvores – escurecimento dos troncos. • Posteriormente à industrialização predomínio das mariposas melânicas.
  • 9. A resistência de bactérias aos antibióticos
  • 10. • A velocidade de reprodução das bactérias permite o aparecimento de mutações em seus genes; • Um mutante pode favricar uma enzima que pode destruir um antibiótico – Surge, assim, um mutante resistente a determinado antibiótico; • A mutação pode ocorrer mesmo que o antibiótico não esteja presente. A mutação não foi provocada pelo medicamento; • Se não tiver em um meio que o antibiótico não esteja presente, sua característica não lhe traz nehuma vantagem.
  • 11. Na espécie humana – anemia falciforme
  • 12. • Causada por um gene defeituoso; • Produção da hemoglobina anormal; • Individuos homozigotos apresentam suas hemácias na forma de foice – causa problemas respiratórios; • Os heterozigotos ou têm a doenças ou é manifestada de forma branda; • Os heterozigotos são resistentes à malária; • Seleção para o gene da anemia falciforme.
  • 13.
  • 14. Coloração de aviso, camuflagem e mimetismo
  • 15. • A adaptação é uma consequência direta da seleção natural; • Seleção Natural – atua na variabilidade genética – favorece os indivíduos com características genéticas mais vantajosas – sobrevivem – reproduzem-se – deixam descendentes mais adaptados ao meio. • Existem três tipos de adaptação: Coloração de aviso, camuflagem e mimetismo.
  • 16.
  • 17. • A coloração funciona como uma advertência ao preddador; • Indicando que o animal pode ser VENENOSO ou TER SABOR DESAGRADÁVEL; • Várias espécies apresentam essa adaptação, principalmente, insetos e anfíbios e répteis.
  • 18.
  • 19. • A propriedade dos membros de uma espécie apresentarem uma ou mais características que os assemelhem ao ambiente, dificultando sua localização por espécies com as quais interage, sejam elas predaores ou presas. • A camuflagem é explicada pela seleção natural: - A coloração, entre os indivíduos, que permite uma maior camuflagem será menos predada, e consequentemente, transmitirá sua coloração aos descendentes. • Então, os inidivíduos mais bem camuflados são mais selecionados.
  • 20.
  • 21.
  • 22. • “É uma adaptação na qual uma espécie se asemelha a outra” • “Duas espécies diferentes assemelham-se em certas características, o que constitui vantagem para uma ou para ambas em relação a outras espécies.”
  • 23. • Semelhança na cor e desenho nas asas entre borboletas de espécies distintas: - Família Heliconidae = sabor extremamente desagradável aos pássaros e tóxica ( Borboleta Monarca); - Família Pieridae = Possuem sabor agradável (Borboleta Vice-Rei).
  • 24. • A cobra coral falsa (não-peçonheta) assemelha-se a cobra coral verdadeira (peçonheta). • Cobra Coral falsa: Eritholampus aesculapi • Cobra Coral Verdadeira: Micrurus coralinus
  • 25.
  • 26. • É considerado fóssil qualquer indício da presença de organismos que viveram em tempos remotos da Terra. • Um fóssil animal forma-se quando as partes moles do corpo se decompõe, mas seu esqueleto é substituído por minerais do solo (mineralização). • Processo semelhante pode ocorrer com troncos de árvores são recobertos de lava, e a sílica substitui a madeira. • Representa a possibilidade de conhecermos organismos que viveram na Terra em tempos remotos, sob condições ambientais distintas das encontradas atualmente, e que podem fornecer indícios de parentesco com as espécies atuais. Por isso, os fósseis são testemunhos da evolução.
  • 27. • À medida que o embrião se desenvolve, surgem características individualizantes e as semelhanças diminuem. • Essa semelhança também foi verificada no desenvolvimento embrionário de todos animais. Entretanto, quando mais diferentes são os organismos, menor é o período embrionário comum entre eles.