SlideShare uma empresa Scribd logo
Curso: Serviço Social
Disciplina: Seguridade Social
5° Período
Orientadora:Heloísa Helena
Acadêmicas:
Elizangela Nascimento Santos
Thayse da Silva Rocha
Thamires Castro
Maria Raimunda Viana Pinto
Lidinalva Lima dos Santos
Ano: 2014
 De acordo com a Tipificação Nacional de Serviços
Socioassistenciais (Resolução CNAS nº. 109/2009) é “o
serviço realizado em grupos, organizado a partir de
percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos
seus usuários, de acordo com o seu ciclo de vida, a fim de
complementar o trabalho social com famílias e prevenir a
ocorrência de situações de risco social.
 O SCFV organiza-se de modo a ampliar trocas culturais e de
vivências, desenvolver o sentimento de pertença e de
identidade, fortalecer vínculos familiares e incentivar a
socialização e a convivência comunitária.
 São considerados Serviços de Convivência e Fortalecimento
de Vínculos, o serviço para crianças até 6 anos, o serviço
para crianças e adolescentes de 6 a 15 anos, o serviço para
adolescentes e jovens de 15 a 17 anos e o serviço para
idosos.
 Segundo a Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais
(Resolução CNAS n.° 109/2009), o Serviço de Convivência e
Fortalecimento de Vínculos para Idosos é um Serviço da Proteção
Social Básica que tem por foco o desenvolvimento de atividades
que contribuam no processo de envelhecimento saudável, no
desenvolvimento da autonomia e de sociabilidades, no
fortalecimento dos vínculos familiares e do convívio comunitário e
na prevenção de situações de risco social.
 A intervenção social deve estar pautada nas características,
interesses e demandas dessa faixa etária e considerar que a
vivência em grupo, as experimentações artísticas, culturais,
esportivas e de lazer e a valorização das experiências vividas
constituem formas privilegiadas de expressão, interação e proteção
social. Devem incluir vivências que valorizam suas experiências e
que estimulem e potencializem a condição de escolher e decidir.
 Além de objetivos gerais referentes ao Serviço de Convivência e
Fortalecimento de Vínculos, a Tipificação Nacional de Serviços
Socioassistenciais (Resolução CNAS n.° 109/2009), define objetivos
específicos para o serviço para idosos:
 - Contribuir para um processo de envelhecimento ativo, saudável e
autônomo;
- Assegurar espaço de encontro para os idosos e encontros
intergeracionais de modo a promover a sua convivência familiar e
comunitária;
- Detectar necessidades e motivações e desenvolver
potencialidades e capacidades para novos projetos de vida;
- Propiciar vivências que valorizam as experiências e que
estimulem e potencializem a condição de escolher e decidir. Isso
contribuirá para o desenvolvimento da autonomia social dos
usuários.
 A Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais
(Resolução CNAS n.° 109/2009) define os seguintes
usuários para este Serviço:
- Idosos (as) com idade igual ou superior a 60 anos, em
situação de vulnerabilidade social, em especial:
- Idosos beneficiários do Benefício de Prestação Continuada;
- Idosos de famílias beneficiárias de programas de
transferência de renda;
- Idosos com vivências de isolamento por ausência de
acesso a serviços e oportunidades de convívio familiar e
comunitário e cujas necessidades, interesses e
disponibilidade indiquem a inclusão no serviço.
 Sim. Além de idosos que recebem transferência de renda
como o Programa Bolsa Família e benefícios
socioassistenciais como o BPC, a Tipificação Nacional de
Serviços Socioassistenciais (Resolução CNAS n.° 109/2009)
define idosos “com vivências de isolamento por ausência de
acesso a serviços e oportunidades de convívio familiar e
comunitário” como usuários do Serviço de Convivência e
Fortalecimento de Vínculos.
 Assim a Proteção Social Especial do município/DF poderá
identificar no serviço de acolhimento para idosos, potenciais
usuários para o Serviço de Convivência e Fortalecimento de
Vínculos e os encaminhar para o Centro de Referência de
Assistência Social – CRAS para sua inclusão.
O Serviço poderá ser ofertado no Centro de
Referência de Assistência Social – CRAS,
desde não prejudique a oferta do Serviço de
Proteção e Atendimento Integral à Família –
PAIF, poderá ser ofertado também no Centro
de Convivência de Idosos ou ainda em outra
unidade pública ou entidade assistencial
inscrita no Conselho de Assistência Social do
município ou DF e que estejam na área de
abrangência do CRAS e a ele referenciados.
 Para participar do Serviço de Convivência e
Fortalecimento de Vínculos para Idosos, o usuário
deverá procurar o Centro de Referência de
Assistência Social – CRAS para obter informações
sobre a oferta do Serviço em seu município/DF.
Além disso, o usuário pode ser encaminhado ao
CRAS pela rede socioassistencial e pelas demais
políticas públicas e,ou identificado por meio de
busca ativa. A inserção em serviços de convivência
e fortalecimento de vínculos sempre se dá por meio
do CRAS.
 O Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para Idosos
é cofinanciado pelo governo federal por meio do Piso Básico
Variável II da Proteção Social Básica.
 Todos os municípios/DF que em 2009 aceitaram recursos, por meio
do Termo de Aceite e Opção (TAO), para oferta de “Serviços de
Proteção Social Básica para idosos e, ou crianças” e que
preencheram em 2010 o “Módulo de Demonstração da Execução
dos Serviços”, ofertam efetivamente o Serviço, recebem recursos
do PBV II regularmente.
 Para a inclusão de novos municípios ou ampliação da oferta,é
necessário aguardar a abertura de um novo processo de expansão
do Serviço.
MDS
http://www.mds.gov.br/falemds/perguntas-
frequentes/assistencia-social/psb-protecao-especial-
basica/scfv-servicos-de-convivencia-e-fortalecimento-
de-vinculos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

COMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOSCOMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOS
Daiane Daine
 
Eixos norteadores do scfv
Eixos norteadores do scfvEixos norteadores do scfv
Eixos norteadores do scfv
Joelson Honoratto
 
Serviços do CRAS
Serviços do CRASServiços do CRAS
Serviços do CRAS
Daniele Aguiar Oliveira
 
Cras
CrasCras
Relatório final de estágio
Relatório final de estágio Relatório final de estágio
Relatório final de estágio
Monique Elen Rodrigues de Araújo Oliveira
 
Mds diretrizes pbf acompanhamento familiar no paif
Mds diretrizes pbf acompanhamento familiar no paif Mds diretrizes pbf acompanhamento familiar no paif
Mds diretrizes pbf acompanhamento familiar no paif
NandaTome
 
Scfv para idosos
Scfv para idososScfv para idosos
Scfv para idosos
Joelson Honoratto
 
CRAS - Centro de Referencia de Assistência Social
CRAS - Centro de Referencia de Assistência SocialCRAS - Centro de Referencia de Assistência Social
CRAS - Centro de Referencia de Assistência Social
Allan Shinkoda
 
Microsoft word diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
Microsoft word   diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…Microsoft word   diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
Microsoft word diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
NandaTome
 
RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DE JUNHO DE 2018
RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DE JUNHO DE 2018RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DE JUNHO DE 2018
RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DE JUNHO DE 2018
Geraldina Braga
 
Oficina de serviço social elaboração de relatórios e laudos.
Oficina de serviço social   elaboração de relatórios e laudos.Oficina de serviço social   elaboração de relatórios e laudos.
Oficina de serviço social elaboração de relatórios e laudos.
Rosane Domingues
 
Cras paif
Cras paifCras paif
Cras paif
leilymoura
 
RELATÓRIO DAS AÇÕES DA SECRETARIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MÊS DE NOVEMBRO
RELATÓRIO DAS AÇÕES DA SECRETARIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MÊS DE NOVEMBRORELATÓRIO DAS AÇÕES DA SECRETARIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MÊS DE NOVEMBRO
RELATÓRIO DAS AÇÕES DA SECRETARIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MÊS DE NOVEMBRO
Geraldina Braga
 
Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018
Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018
Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018
Geraldina Braga
 
Trabalho cras
Trabalho crasTrabalho cras
Trabalho cras
Aline Souza
 
Plano de Acolhimento
Plano de AcolhimentoPlano de Acolhimento
Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básicaCartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básica
Rosane Domingues
 
10. apresentação cras gloria
10. apresentação cras gloria10. apresentação cras gloria
10. apresentação cras gloria
NandaTome
 
Centro de referência da assistência social cras
Centro de referência da assistência social   crasCentro de referência da assistência social   cras
Centro de referência da assistência social cras
Luiza Cristina Ribas
 
Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2
Alinebrauna Brauna
 

Mais procurados (20)

COMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOSCOMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOS
 
Eixos norteadores do scfv
Eixos norteadores do scfvEixos norteadores do scfv
Eixos norteadores do scfv
 
Serviços do CRAS
Serviços do CRASServiços do CRAS
Serviços do CRAS
 
Cras
CrasCras
Cras
 
Relatório final de estágio
Relatório final de estágio Relatório final de estágio
Relatório final de estágio
 
Mds diretrizes pbf acompanhamento familiar no paif
Mds diretrizes pbf acompanhamento familiar no paif Mds diretrizes pbf acompanhamento familiar no paif
Mds diretrizes pbf acompanhamento familiar no paif
 
Scfv para idosos
Scfv para idososScfv para idosos
Scfv para idosos
 
CRAS - Centro de Referencia de Assistência Social
CRAS - Centro de Referencia de Assistência SocialCRAS - Centro de Referencia de Assistência Social
CRAS - Centro de Referencia de Assistência Social
 
Microsoft word diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
Microsoft word   diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…Microsoft word   diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
Microsoft word diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
 
RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DE JUNHO DE 2018
RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DE JUNHO DE 2018RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DE JUNHO DE 2018
RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DE JUNHO DE 2018
 
Oficina de serviço social elaboração de relatórios e laudos.
Oficina de serviço social   elaboração de relatórios e laudos.Oficina de serviço social   elaboração de relatórios e laudos.
Oficina de serviço social elaboração de relatórios e laudos.
 
Cras paif
Cras paifCras paif
Cras paif
 
RELATÓRIO DAS AÇÕES DA SECRETARIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MÊS DE NOVEMBRO
RELATÓRIO DAS AÇÕES DA SECRETARIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MÊS DE NOVEMBRORELATÓRIO DAS AÇÕES DA SECRETARIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MÊS DE NOVEMBRO
RELATÓRIO DAS AÇÕES DA SECRETARIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MÊS DE NOVEMBRO
 
Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018
Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018
Relatorio das Ações realizadas na Assistência Social no mês de Abril de 2018
 
Trabalho cras
Trabalho crasTrabalho cras
Trabalho cras
 
Plano de Acolhimento
Plano de AcolhimentoPlano de Acolhimento
Plano de Acolhimento
 
Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básicaCartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básica
 
10. apresentação cras gloria
10. apresentação cras gloria10. apresentação cras gloria
10. apresentação cras gloria
 
Centro de referência da assistência social cras
Centro de referência da assistência social   crasCentro de referência da assistência social   cras
Centro de referência da assistência social cras
 
Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2
 

Destaque

Orientações técnicas sobre o serviço de convivência e fortalecimento de víncu...
Orientações técnicas sobre o serviço de convivência e fortalecimento de víncu...Orientações técnicas sobre o serviço de convivência e fortalecimento de víncu...
Orientações técnicas sobre o serviço de convivência e fortalecimento de víncu...
Rosane Domingues
 
Jornalzinho
JornalzinhoJornalzinho
Jornalzinho
funsag
 
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Educação
 
7. apresentação cras hipica e sul scfv idoso artesanato
7. apresentação cras hipica e sul scfv idoso artesanato7. apresentação cras hipica e sul scfv idoso artesanato
7. apresentação cras hipica e sul scfv idoso artesanato
NandaTome
 
A atuação do pedagogo nos programas sociais cras em jequié
A atuação do pedagogo nos programas sociais   cras em jequiéA atuação do pedagogo nos programas sociais   cras em jequié
A atuação do pedagogo nos programas sociais cras em jequié
UBIRAJARA COUTO LIMA
 
Educadores Sociais - Quem são e o que fazem
Educadores Sociais - Quem são e o que fazemEducadores Sociais - Quem são e o que fazem
Educadores Sociais - Quem são e o que fazem
sandrinavalente
 
9. apresentação cras leste i
9. apresentação cras leste i9. apresentação cras leste i
9. apresentação cras leste i
NandaTome
 
Informação, acolhimento e fortalecimento dos vínculos familiares - Maria do S...
Informação, acolhimento e fortalecimento dos vínculos familiares - Maria do S...Informação, acolhimento e fortalecimento dos vínculos familiares - Maria do S...
Informação, acolhimento e fortalecimento dos vínculos familiares - Maria do S...
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
Manual sisc
Manual siscManual sisc
Manual sisc
Alan Pimenta
 
Cras
CrasCras
14 rede suas gestão e sistemas de informação
14  rede suas gestão e sistemas de  informação14  rede suas gestão e sistemas de  informação
14 rede suas gestão e sistemas de informação
Alinebrauna Brauna
 
Capacitação para educadores sociais - PME
Capacitação para educadores sociais - PMECapacitação para educadores sociais - PME
Capacitação para educadores sociais - PME
FERNANDO CAPUZZI
 
Slide Educadores Sociais
Slide Educadores SociaisSlide Educadores Sociais
Slide Educadores Sociais
Adriano Monteiro
 
Projeto de artes
Projeto de artesProjeto de artes
Projeto de artes
saladerecursos
 
Formulario ingresso scfv
Formulario ingresso scfvFormulario ingresso scfv
Formulario ingresso scfv
NandaTome
 
Modelo relatório individual
Modelo relatório individualModelo relatório individual
Modelo relatório individual
straraposa
 

Destaque (16)

Orientações técnicas sobre o serviço de convivência e fortalecimento de víncu...
Orientações técnicas sobre o serviço de convivência e fortalecimento de víncu...Orientações técnicas sobre o serviço de convivência e fortalecimento de víncu...
Orientações técnicas sobre o serviço de convivência e fortalecimento de víncu...
 
Jornalzinho
JornalzinhoJornalzinho
Jornalzinho
 
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
 
7. apresentação cras hipica e sul scfv idoso artesanato
7. apresentação cras hipica e sul scfv idoso artesanato7. apresentação cras hipica e sul scfv idoso artesanato
7. apresentação cras hipica e sul scfv idoso artesanato
 
A atuação do pedagogo nos programas sociais cras em jequié
A atuação do pedagogo nos programas sociais   cras em jequiéA atuação do pedagogo nos programas sociais   cras em jequié
A atuação do pedagogo nos programas sociais cras em jequié
 
Educadores Sociais - Quem são e o que fazem
Educadores Sociais - Quem são e o que fazemEducadores Sociais - Quem são e o que fazem
Educadores Sociais - Quem são e o que fazem
 
9. apresentação cras leste i
9. apresentação cras leste i9. apresentação cras leste i
9. apresentação cras leste i
 
Informação, acolhimento e fortalecimento dos vínculos familiares - Maria do S...
Informação, acolhimento e fortalecimento dos vínculos familiares - Maria do S...Informação, acolhimento e fortalecimento dos vínculos familiares - Maria do S...
Informação, acolhimento e fortalecimento dos vínculos familiares - Maria do S...
 
Manual sisc
Manual siscManual sisc
Manual sisc
 
Cras
CrasCras
Cras
 
14 rede suas gestão e sistemas de informação
14  rede suas gestão e sistemas de  informação14  rede suas gestão e sistemas de  informação
14 rede suas gestão e sistemas de informação
 
Capacitação para educadores sociais - PME
Capacitação para educadores sociais - PMECapacitação para educadores sociais - PME
Capacitação para educadores sociais - PME
 
Slide Educadores Sociais
Slide Educadores SociaisSlide Educadores Sociais
Slide Educadores Sociais
 
Projeto de artes
Projeto de artesProjeto de artes
Projeto de artes
 
Formulario ingresso scfv
Formulario ingresso scfvFormulario ingresso scfv
Formulario ingresso scfv
 
Modelo relatório individual
Modelo relatório individualModelo relatório individual
Modelo relatório individual
 

Semelhante a Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / slide I

Creas serviços
Creas  serviçosCreas  serviços
Creas serviços
Rosane Domingues
 
Slide Saúde Coletiva - Cras
Slide Saúde Coletiva  - CrasSlide Saúde Coletiva  - Cras
Slide Saúde Coletiva - Cras
Helena Damasceno
 
slide_assistencia_social.pptx
slide_assistencia_social.pptxslide_assistencia_social.pptx
slide_assistencia_social.pptx
Angelicalualua
 
WEBNARIO-SUPAS-2021-CPSB-ATUAL.pptx
WEBNARIO-SUPAS-2021-CPSB-ATUAL.pptxWEBNARIO-SUPAS-2021-CPSB-ATUAL.pptx
WEBNARIO-SUPAS-2021-CPSB-ATUAL.pptx
AdrianoGPaulo
 
A politica de_assistencia_social_e_o_suas
A politica de_assistencia_social_e_o_suasA politica de_assistencia_social_e_o_suas
A politica de_assistencia_social_e_o_suas
patriciakvg
 
A politica de_assistencia_social_e_o_suas
A politica de_assistencia_social_e_o_suasA politica de_assistencia_social_e_o_suas
A politica de_assistencia_social_e_o_suas
patriciakvg
 
O que é o SCFV .pdf
O que é o SCFV .pdfO que é o SCFV .pdf
O que é o SCFV .pdf
CrasMariaJlia
 
2 cartilha os direitos das crianças autistas no amazonas
2 cartilha os direitos das crianças autistas no amazonas2 cartilha os direitos das crianças autistas no amazonas
2 cartilha os direitos das crianças autistas no amazonas
SimoneHelenDrumond
 
Apresentação cras sul centro espirita
Apresentação cras sul centro espiritaApresentação cras sul centro espirita
Apresentação cras sul centro espirita
Orlei Almeida
 
Apresentação cras sul centro espirita
Apresentação cras sul centro espiritaApresentação cras sul centro espirita
Apresentação cras sul centro espirita
Orlei Almeida
 
SOBRE A ASSISTÊNCIA SOCIAL
SOBRE A ASSISTÊNCIA SOCIALSOBRE A ASSISTÊNCIA SOCIAL
SOBRE A ASSISTÊNCIA SOCIAL
Maíra B. Melo
 
Apoio técnico a estados e municípios scfv
Apoio técnico a estados e municípios scfv Apoio técnico a estados e municípios scfv
Apoio técnico a estados e municípios scfv
ChcaraMonteiro
 
Capacitação para Orientadoras SCFV.pdf
Capacitação para Orientadoras SCFV.pdfCapacitação para Orientadoras SCFV.pdf
Capacitação para Orientadoras SCFV.pdf
IvaldoNeto6
 
A politica nacional da assistencia social
A politica nacional da assistencia socialA politica nacional da assistencia social
A politica nacional da assistencia social
Raymunda Sousa
 
CMAS
CMASCMAS
Apres. creas
Apres. creasApres. creas
Apres. creas
Débora Lima
 
Apresentação Viver Mais Programa Referência do idoso.pptx
Apresentação Viver Mais Programa Referência do idoso.pptxApresentação Viver Mais Programa Referência do idoso.pptx
Apresentação Viver Mais Programa Referência do idoso.pptx
NewtonJuneo
 
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
ImaculadaConceiao
 
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
ImaculadaConceiao
 
Cca0319 Briefing
Cca0319 BriefingCca0319 Briefing
Cca0319 Briefing
Diego Moreau
 

Semelhante a Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / slide I (20)

Creas serviços
Creas  serviçosCreas  serviços
Creas serviços
 
Slide Saúde Coletiva - Cras
Slide Saúde Coletiva  - CrasSlide Saúde Coletiva  - Cras
Slide Saúde Coletiva - Cras
 
slide_assistencia_social.pptx
slide_assistencia_social.pptxslide_assistencia_social.pptx
slide_assistencia_social.pptx
 
WEBNARIO-SUPAS-2021-CPSB-ATUAL.pptx
WEBNARIO-SUPAS-2021-CPSB-ATUAL.pptxWEBNARIO-SUPAS-2021-CPSB-ATUAL.pptx
WEBNARIO-SUPAS-2021-CPSB-ATUAL.pptx
 
A politica de_assistencia_social_e_o_suas
A politica de_assistencia_social_e_o_suasA politica de_assistencia_social_e_o_suas
A politica de_assistencia_social_e_o_suas
 
A politica de_assistencia_social_e_o_suas
A politica de_assistencia_social_e_o_suasA politica de_assistencia_social_e_o_suas
A politica de_assistencia_social_e_o_suas
 
O que é o SCFV .pdf
O que é o SCFV .pdfO que é o SCFV .pdf
O que é o SCFV .pdf
 
2 cartilha os direitos das crianças autistas no amazonas
2 cartilha os direitos das crianças autistas no amazonas2 cartilha os direitos das crianças autistas no amazonas
2 cartilha os direitos das crianças autistas no amazonas
 
Apresentação cras sul centro espirita
Apresentação cras sul centro espiritaApresentação cras sul centro espirita
Apresentação cras sul centro espirita
 
Apresentação cras sul centro espirita
Apresentação cras sul centro espiritaApresentação cras sul centro espirita
Apresentação cras sul centro espirita
 
SOBRE A ASSISTÊNCIA SOCIAL
SOBRE A ASSISTÊNCIA SOCIALSOBRE A ASSISTÊNCIA SOCIAL
SOBRE A ASSISTÊNCIA SOCIAL
 
Apoio técnico a estados e municípios scfv
Apoio técnico a estados e municípios scfv Apoio técnico a estados e municípios scfv
Apoio técnico a estados e municípios scfv
 
Capacitação para Orientadoras SCFV.pdf
Capacitação para Orientadoras SCFV.pdfCapacitação para Orientadoras SCFV.pdf
Capacitação para Orientadoras SCFV.pdf
 
A politica nacional da assistencia social
A politica nacional da assistencia socialA politica nacional da assistencia social
A politica nacional da assistencia social
 
CMAS
CMASCMAS
CMAS
 
Apres. creas
Apres. creasApres. creas
Apres. creas
 
Apresentação Viver Mais Programa Referência do idoso.pptx
Apresentação Viver Mais Programa Referência do idoso.pptxApresentação Viver Mais Programa Referência do idoso.pptx
Apresentação Viver Mais Programa Referência do idoso.pptx
 
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
 
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
02012017121907-c5.carpina.16.a.20.01.2017.t7.m3.1.pdf
 
Cca0319 Briefing
Cca0319 BriefingCca0319 Briefing
Cca0319 Briefing
 

Último

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 

Último (20)

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 

Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / slide I

  • 1. Curso: Serviço Social Disciplina: Seguridade Social 5° Período Orientadora:Heloísa Helena Acadêmicas: Elizangela Nascimento Santos Thayse da Silva Rocha Thamires Castro Maria Raimunda Viana Pinto Lidinalva Lima dos Santos Ano: 2014
  • 2.  De acordo com a Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais (Resolução CNAS nº. 109/2009) é “o serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus usuários, de acordo com o seu ciclo de vida, a fim de complementar o trabalho social com famílias e prevenir a ocorrência de situações de risco social.  O SCFV organiza-se de modo a ampliar trocas culturais e de vivências, desenvolver o sentimento de pertença e de identidade, fortalecer vínculos familiares e incentivar a socialização e a convivência comunitária.  São considerados Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, o serviço para crianças até 6 anos, o serviço para crianças e adolescentes de 6 a 15 anos, o serviço para adolescentes e jovens de 15 a 17 anos e o serviço para idosos.
  • 3.  Segundo a Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais (Resolução CNAS n.° 109/2009), o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para Idosos é um Serviço da Proteção Social Básica que tem por foco o desenvolvimento de atividades que contribuam no processo de envelhecimento saudável, no desenvolvimento da autonomia e de sociabilidades, no fortalecimento dos vínculos familiares e do convívio comunitário e na prevenção de situações de risco social.  A intervenção social deve estar pautada nas características, interesses e demandas dessa faixa etária e considerar que a vivência em grupo, as experimentações artísticas, culturais, esportivas e de lazer e a valorização das experiências vividas constituem formas privilegiadas de expressão, interação e proteção social. Devem incluir vivências que valorizam suas experiências e que estimulem e potencializem a condição de escolher e decidir.
  • 4.  Além de objetivos gerais referentes ao Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, a Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais (Resolução CNAS n.° 109/2009), define objetivos específicos para o serviço para idosos:  - Contribuir para um processo de envelhecimento ativo, saudável e autônomo; - Assegurar espaço de encontro para os idosos e encontros intergeracionais de modo a promover a sua convivência familiar e comunitária; - Detectar necessidades e motivações e desenvolver potencialidades e capacidades para novos projetos de vida; - Propiciar vivências que valorizam as experiências e que estimulem e potencializem a condição de escolher e decidir. Isso contribuirá para o desenvolvimento da autonomia social dos usuários.
  • 5.  A Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais (Resolução CNAS n.° 109/2009) define os seguintes usuários para este Serviço: - Idosos (as) com idade igual ou superior a 60 anos, em situação de vulnerabilidade social, em especial: - Idosos beneficiários do Benefício de Prestação Continuada; - Idosos de famílias beneficiárias de programas de transferência de renda; - Idosos com vivências de isolamento por ausência de acesso a serviços e oportunidades de convívio familiar e comunitário e cujas necessidades, interesses e disponibilidade indiquem a inclusão no serviço.
  • 6.  Sim. Além de idosos que recebem transferência de renda como o Programa Bolsa Família e benefícios socioassistenciais como o BPC, a Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais (Resolução CNAS n.° 109/2009) define idosos “com vivências de isolamento por ausência de acesso a serviços e oportunidades de convívio familiar e comunitário” como usuários do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos.  Assim a Proteção Social Especial do município/DF poderá identificar no serviço de acolhimento para idosos, potenciais usuários para o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos e os encaminhar para o Centro de Referência de Assistência Social – CRAS para sua inclusão.
  • 7. O Serviço poderá ser ofertado no Centro de Referência de Assistência Social – CRAS, desde não prejudique a oferta do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família – PAIF, poderá ser ofertado também no Centro de Convivência de Idosos ou ainda em outra unidade pública ou entidade assistencial inscrita no Conselho de Assistência Social do município ou DF e que estejam na área de abrangência do CRAS e a ele referenciados.
  • 8.  Para participar do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para Idosos, o usuário deverá procurar o Centro de Referência de Assistência Social – CRAS para obter informações sobre a oferta do Serviço em seu município/DF. Além disso, o usuário pode ser encaminhado ao CRAS pela rede socioassistencial e pelas demais políticas públicas e,ou identificado por meio de busca ativa. A inserção em serviços de convivência e fortalecimento de vínculos sempre se dá por meio do CRAS.
  • 9.  O Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para Idosos é cofinanciado pelo governo federal por meio do Piso Básico Variável II da Proteção Social Básica.  Todos os municípios/DF que em 2009 aceitaram recursos, por meio do Termo de Aceite e Opção (TAO), para oferta de “Serviços de Proteção Social Básica para idosos e, ou crianças” e que preencheram em 2010 o “Módulo de Demonstração da Execução dos Serviços”, ofertam efetivamente o Serviço, recebem recursos do PBV II regularmente.  Para a inclusão de novos municípios ou ampliação da oferta,é necessário aguardar a abertura de um novo processo de expansão do Serviço.