SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Os Conselhos Municipais de Assistência Social estão previstos na Lei
n °8.742, de 7 de dezembro de 1993 ( LOAS) , e são definidos como
instâncias deliberativas do sistema descentralizado e participativo de
assistência social, de caráter permanente e composição paritária entre
governo e sociedade civil ( art.16).
A Secretária Municipal da Assistência Social é responsável por executar
a política municipal e os planos e programas de saúde e ação social,
desenvolver e coordenar as atividades relativas á melhoria das condições
de vida da população sendo isoladamente ou através de programas,
conjuntos de órgãos estaduais, federais, assim como a realização de
campanhas educativas e informativas na área da saúde pública e social
r
Quem pode ser conselheiro? quantos são? por quanto tempo representam a
categoria?
Dois grupos de conselheiros compõem o CMAS: os representantes do poder
público, indicados pelo Governo Municipal, e os representantes da sociedade
civil, eleitos pelas entidades inscritas no CMAS.
São representantes da sociedade civil as entidades sociais prestadoras de serviços,
as entidades de defesa dos usuários, e as entidades que representam os
trabalhadores da área social. São representantes governamentais os servidores
que representam a prefeitura, e que atuam nas Secretárias e Fundações.
Cada grupo tem o mesmo número de representantes: nove conselheiros
governamentais e nove conselheiros não-governamentais, e o período de gestão
no CMAS é de dois anos.
Para os conselheiros desempenhar uma boa função, é necessário que os
participem de treinamento voltado para o desempenho do controle social e outras
medidas, mantendo – se sempre atualizado em seguintes assuntos: área da
assistência social, indicadores socioeconômicos do país , educação, trabalho,
emprego e habitação, etc.
b
Os Conselhos de Assistência Social têm como principais atribuições no seu
respectivo âmbito de atuação:
 deliberar e fiscalizar a execução da Política de Assistência Social e seu
funcionamento;
 convocar e encaminhar as deliberações das conferências de assistência social;
 apreciar e aprovar o Plano da Assistência Social;
 apreciar e aprovar a proposta orçamentária dos recursos da assistência social a ser
encaminhada ao Poder Legislativo;
 apreciar e aprovar a execução orçamentária e financeira do Fundo de Assistência
a ser apresentada regularmente pelo gestor do Fundo;
Acompanhar os processos de pactuação da Comissão Intergestores Tripartite –
CIT e Comissão Intergestores Bipartite – CIB;
a
 divulgar e promover a defesa dos direitos socioassistenciais;
 inscrever entidades de Assistência Social, bem como serviços, programas,
projetos socioassistenciais;
 fiscalizar a rede socioassistencial (executada pelo poder público e pela rede
privada) zelando pela qualidade da prestação de serviços;
eleger entre seus membros a sua mesa diretora (presidente e vice- presidente
paritariamente);
 aprovar o seu regimento interno;
 fiscalizar e acompanhar o Benefício de Prestação Continuada – BPC e o
Programa Bolsa Família – PBF;
acompanhar a gestão integrada de serviços e benefícios socioassistenciais;
e, exercer o controle social da gestão do trabalho no âmbito do SUAS, conforme
prescrito na NOB/SUA
CONTROLE SOCIAL DO PROGRAMA BOLSA
FAMÍLIA?
Os conselheiros das Instâncias de Controle Social (ICS) devem acompanhar avaliar
e fiscalizar a execução do Bolsa Família em todos seus componentes de gestão .
Na fiscalização do Bolsa Família:
 Acompanhar os processos de fiscalização orientados pelo MDS e pela Rede
Pública de Fiscalização;
• Solicitar ao gestor municipal, em caso de denúncias comprovadas, que tome as
devidas providências para solucionar a irregularidade;
• Comunicar ao gestor municipal, ao MDS e à Rede Pública de Fiscalização do
Bolsa Família a existência de problemas na gestão do Programa.
m
MEDIDAS A SER ADOTADAS PARA FISCALIZAÇÃO
• No acompanhamento da gestão do Cadastro Único:
• Avaliar as estratégias adotadas pelo município para a identificação,
mapeamento e cadastramento das famílias mais pobres, especialmente a
realização de visitas domiciliares;
• Avaliar as estratégias de divulgação de ações de cadastramento;
•Identificar as situações de impedimento do cadastramento e procurar
identificar junto ao poder público local o que pode ser feito para superar a
dificuldade;
•Avaliar se os formulários do cadastro são mantidos em boas condições de
manuseio e arquivo, pelo prazo mínimo de cinco anos;
•Verificar periodicamente a quantidade de famílias cadastradas, considerando
que o município pode, a qualquer tempo, incluir novas famílias no Cadastro
Único, desde que se enquadrem no critério de renda;
•Avaliar e acompanhar as estratégias de atualização cadastral realizada pelo
município.
•No acompanhamento da gestão de benefícios:
•Acompanhar os atos de gestão de benefícios do Bolsa Família, via consulta
ao Sistema de Benefícios ao Cidadão (Sibec);
•Avaliar se os atos de gestão de benefício estão sendo realizados
corretamente, avaliando os motivos.
•No acompanhamento das condicionalidades:
•Trabalhar em parceria com os conselhos de saúde, educação e assistência
social do município para garantir que os serviços acompanhados por eles
sejam ofertados pelo poder público às famílias beneficiárias do Bolsa Família;
•Monitorar os registros das Condicionalidades;
•Avaliar as dificuldades encontradas pelas famílias para o cumprimento
desses compromissos e demandar soluções ao poder público local.
•No acompanhamento das oportunidades de desenvolvimento das capacidades
das famílias ofertadas no município:
Estimular a integração e a oferta de outras políticas públicas que favoreçam a
autonomia e emancipação das famílias beneficiárias do Bolsa Família;
Sensibilizar os beneficiários sobre a importância da participação nas
oportunidades de inserção econômica e social oferecidas pelo município;
Avaliar os resultados da participação das famílias nas ações de desenvolvimento
das famílias;
Identificar as potencialidades para a criação de programas próprios ou de
integração com programas federais e estaduais, observando as características do
município e as necessidades da população em situação de maior vulnerabilidade.
Estimular a integração e a oferta de outras políticas públicas que favoreçam a
autonomia e emancipação das famílias beneficiárias do Bolsa Família;
Sensibilizar os beneficiários sobre a importância da participação nas
oportunidades de inserção econômica e social oferecidas pelo município;
Avaliar os resultados da participação das famílias nas ações de desenvolvimento
das famílias;
Identificar as potencialidades para a criação de programas próprios ou de
integração com programas federais e estaduais, observando as características do
município e as necessidades da população em situação de maior vulnerabilidade.
Entidades ou Organizações de Assistência Social
Consideram- se entidades e organizações de assistência social aquelas
sem fins lucrativos que, isolada ou cumulativamente, prestam
atendimento e assessoramento aos beneficiários abrangidos pela
LOAS, bem como as atuam na defesa e garantia de direitos. (Artigo 3º
da LOAS - Lei 8.742/1993, alterada pela Lei 12.435/2011)
 As entidades e organizações de Assistência Social podem ser
isolada ou cumulativamente (Art. 2º, Resolução 14/2014):
I- de atendimento;
II- de assessoramento;
III- de defesa e garantia de direitos.
v
Níveis de Reconhecimento das Entidades de Assistência Social
no SUAS
De acordo com a legislação federal em vigor, pode-se afirmar que as entidades de
assistência social podem ser vinculadas ao sistema por:
1. Inscrição nos CMAS ou CAS/DF;
2. Cadastro das ofertas no Cadastro Nacional de Entidades de Assistência Social;
3. Certificação (CEBAS) como entidade beneficente;
4. Vínculo SUAS, quando integrarem a rede socioassistencial
Inscrição das Entidades de Assistência Social
Artigo 9º, Lei nº 8.742/1993 – LOAS
“O funcionamento das entidades e organizações de assistência social depende de prévia
inscrição no respectivo Conselho Municipal de Assistência Social, ou no Conselho de
Assistência Social do Distrito Federal, conforme o caso”.
A Resolução CNAS nº 14, de 15 de maio de 2014 revoga a Resolução nº 16, de 05 de
maio de 2010 e estabelece os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e
organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e
benefícios socioassistenciais nos Conselhos de Assistência Social (Art. 1º).
→ A inscrição nos conselhos é a condição primeira para o funcionamento da entidade e
organização de assistência social (Art. 5º).
i
Art. 4º Compete aos Conselhos de Assistência Social a fiscalização das entidades ou
organizações de Assistência Social.
§1º Entende-se por fiscalização aquela aplicada às entidades ou organizações de
Assistência Social e ao conjunto das ofertas dos serviços, programas, projetos e
benefícios socioassistenciais inscritos.
§ 2º Se a entidade ou organização de Assistência Social que atua no atendimento e/ou
assessoramento e/ou defesa e garantia de direitos, e que não ofertar serviços,
programas, projetos e benefícios socioassistenciais no Município de sua sede, a
inscrição da entidade ou organização deverá ser feita no Conselho de Assistência
Social do Município onde desenvolva o maior número de atividades
FISCALIZAÇÃO DO CRAS E DO CREAS
O Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) é uma unidade pública estatal
responsável pela oferta de serviços continuados de proteção social básica de
assistência social às famílias, grupos e indivíduos em situação de vulnerabilidade
social.
São estruturados de acordo com o porte do município, em áreas de maior
vulnerabilidade social, para gerenciar e executar ações de proteção básica no território
referenciado.
O Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), por
sua vez, caracteriza-se pela prestação de serviços especializados e
continuados a indivíduos e famílias com seus direitos violados, promovendo
a integração de esforços, recursos e meios para enfrentar a dispersão dos
serviços e potencializar a ação para os seus usuários, envolvendo um
conjunto de profissionais e processos de trabalhos que devem ofertar apoio e
acompanhamento individualizado especializado. São implantados com
abrangência local ou regional, de acordo com o porte, nível de gestão e
demanda dos municípios, além do grau de incidência e complexidade das
s i t u a ç õ e s d e r i s c o e v i o l a ç ã o d e d i r e i t o
Medidas a serem adotadas pelo CMAS
No exercício de suas atribuições de fiscalizar os Centros de Referência da Assistência Social
(CRAS), os Centros de Referência Especializados de Assistência Social (CREAS) o
Conselho Municipal de Assistência Social observará os itens a seguir:
Itens de verificação
1) Observar se as edificações onde estejam
funcionando os CRAS e os CREAS, estão
adaptadas de forma a se tornarem acessíveis às
pessoas portadoras de deficiência ou com
mobilidade reduzida, em observância às
disposições do Decreto 5.296, de 2 de
dezembro de 2004; (Decreto 5.296, de 2004,
que regulamenta as Leis 10.048, e 10.098, de
2000.
2)Verificar se os locais onde estão
instalados os CRAS e os CREAS
estão identificados com placa de
identificação;
(Guias CRAS e CREAS,
editados pelo MDS)
3) Verificar se os CRAS estão instalados
próximos ao local de maior concentração de
famílias em situação de vulnerabilidade, de
acordo com os indicadores definidos na NOB-
SUAS, ou em áreas que garantam maior acesso
das famílias referenciadas, de forma a
aproximar os serviços dos usuários; (Publicação
MDS Orientações Técnicas para o CRAS)
4) Certificar se o CRAS mantém
estrutura para recepção,
identificação, encaminhamento,
orientação e acompanhamento
dos beneficiários do Benefício
de Prestação Continuada (BPC)
e dos benefícios eventuais, com
equipe profissional composta
por, no mínimo, um profissional
de serviço social; (NOB/SUAS,
item 2.1)
5) Certificar se a equipe profissional do CRAS,
responsável pela organização e oferta de serviços,
programas, projetos e benefícios de proteção
social básica e especial, é composta, de acordo
com o porte do município, dos seguintes
profissionais: (NOB-RH/SUAS, item IV)
FISCALIZAÇÃO DE ENTIDADES QUE PRESTAM SERVIÇOS DE
ALTA COMPLEXIDADE
Equipe de referência Quanto à equipe profissional das entidades e das
organizações de assistência social que prestam serviços de alta complexidade,
destinados a pessoas idosas, pessoas portadoras de deficiência ou para crianças
e adolescentes, verificar se é composta, de acordo com o porte do município,
dos seguinte iprofissionais, conforme a equipe de referência proposta na
NOB-RH/SUAS, item IV:
Equipe de referência para atendimento direto:
Coordenador
Cuidador
Auxiliar de Cuidador
s
Equipe de Referência para atendimento psicossocial, vinculada ao
órgão gestor
Assistente social, Psicólogo
F ISCALIZAÇÃO DAS EN T IDAD ES D E APO IO À P ESSOA IDOSA
A assistência social aos idosos deve ser prestada, de forma articulada,
conforme os princípios e diretrizes previstos na Lei Orgânica da
Assistência Social, na Política Nacional do Idoso, no Sistema Único de
Saúde e demais normas pertinentes
Consoante a Política Nacional de Assistência Social, a ênfase da proteção social
especial deve priorizar a reestru - turação dos serviços de abrigamento de indivíduos
(que por uma série de fatores, não contam mais com a proteção e o cuidado de suas
famílias) para as novas modalidades de atendimento, em detri - mento dos chamados,
popularmente, orfanatos, internatos, educandários, asilos, entre outros.
ENCAMINHAMENTOS DECORRENTES DAS FISCALIZAÇÕES
I) quando constatar irregularidade que caracterize descumprimento à Lei Orgâ- nica
da Assistência Social (Lei 8.742, de 1993), comunicar ao Ministério Público, órgão
que tem a missão de zelar pelo efetivo respeito aos direitos estabelecidos na LOAS;
(Lei 8.742, de 1993 - LOAS, arts. 3º e 31)
III) nas fiscalizações em entidades e organizações de assistência social, se constatadas
irregularidades nas edificações ou nas instalações e equipamentos utilizados na prestação
dos serviços, ou seja, que se apresentam fora dos padrões estabelecidos para cada
modalidade de serviço e que possam comprometer a qualidade do atendimento e a
segurança dos usuários, o Conselho poderá adotar as seguintes medidas:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Alinebrauna Brauna
 
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptxAGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptxDamsioCear
 
Cartilha saude mental
Cartilha saude mentalCartilha saude mental
Cartilha saude mentalkarol_ribeiro
 
Metodologia de trabalho do creas
Metodologia de trabalho do creasMetodologia de trabalho do creas
Metodologia de trabalho do creasRosane Domingues
 
A atuação do Assistente Social no CAPS
A atuação do Assistente Social no CAPSA atuação do Assistente Social no CAPS
A atuação do Assistente Social no CAPSIsabela Ferreira
 
Orientações para o preenchimento do Relatório Social do projeto Selo Social
Orientações para o preenchimento do Relatório Social do projeto Selo SocialOrientações para o preenchimento do Relatório Social do projeto Selo Social
Orientações para o preenchimento do Relatório Social do projeto Selo SocialRosane Domingues
 
Centro de referência da assistência social - CRAS
Centro de referência da assistência social - CRASCentro de referência da assistência social - CRAS
Centro de referência da assistência social - CRASRosane Domingues
 
RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL -FEVEREIRO DE 2019
RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL -FEVEREIRO DE 2019RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL -FEVEREIRO DE 2019
RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL -FEVEREIRO DE 2019Geraldina Braga
 
Falando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidioFalando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidioRobson Peixoto
 
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e DireitosGuia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitosivone guedes borges
 
Serviço Social e Saúde Mental
Serviço Social e Saúde MentalServiço Social e Saúde Mental
Serviço Social e Saúde MentalCarol Alves
 
11 cras orientações técnicas (1)
11  cras orientações técnicas (1)11  cras orientações técnicas (1)
11 cras orientações técnicas (1)Alinebrauna Brauna
 

Mais procurados (20)

Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2
 
Relatorio social adoção
Relatorio social adoçãoRelatorio social adoção
Relatorio social adoção
 
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APSSaúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
 
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptxAGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
AGOSTO LILÁS 2022 (1).pptx
 
Apresentação Curso de Enfermagem
Apresentação Curso de EnfermagemApresentação Curso de Enfermagem
Apresentação Curso de Enfermagem
 
Modelo parecer social
Modelo  parecer socialModelo  parecer social
Modelo parecer social
 
Cartilha saude mental
Cartilha saude mentalCartilha saude mental
Cartilha saude mental
 
Metodologia de trabalho do creas
Metodologia de trabalho do creasMetodologia de trabalho do creas
Metodologia de trabalho do creas
 
A atuação do Assistente Social no CAPS
A atuação do Assistente Social no CAPSA atuação do Assistente Social no CAPS
A atuação do Assistente Social no CAPS
 
VISITA DOMICILIAR
VISITA DOMICILIARVISITA DOMICILIAR
VISITA DOMICILIAR
 
Orientações para o preenchimento do Relatório Social do projeto Selo Social
Orientações para o preenchimento do Relatório Social do projeto Selo SocialOrientações para o preenchimento do Relatório Social do projeto Selo Social
Orientações para o preenchimento do Relatório Social do projeto Selo Social
 
PROJETO BORBOLETA
PROJETO BORBOLETAPROJETO BORBOLETA
PROJETO BORBOLETA
 
Cras paif
Cras paifCras paif
Cras paif
 
Centro de referência da assistência social - CRAS
Centro de referência da assistência social - CRASCentro de referência da assistência social - CRAS
Centro de referência da assistência social - CRAS
 
RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL -FEVEREIRO DE 2019
RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL -FEVEREIRO DE 2019RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL -FEVEREIRO DE 2019
RELATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL -FEVEREIRO DE 2019
 
Falando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidioFalando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidio
 
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e DireitosGuia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
Guia da Pessoa Idosa - Dicas e Direitos
 
Serviço Social e Saúde Mental
Serviço Social e Saúde MentalServiço Social e Saúde Mental
Serviço Social e Saúde Mental
 
Suicídio e saúde mental
Suicídio e saúde mentalSuicídio e saúde mental
Suicídio e saúde mental
 
11 cras orientações técnicas (1)
11  cras orientações técnicas (1)11  cras orientações técnicas (1)
11 cras orientações técnicas (1)
 

Destaque

Fórum de Boas Práticas de Gestão Internacional da Fundação Nacional da Qualid...
Fórum de Boas Práticas de Gestão Internacional da Fundação Nacional da Qualid...Fórum de Boas Práticas de Gestão Internacional da Fundação Nacional da Qualid...
Fórum de Boas Práticas de Gestão Internacional da Fundação Nacional da Qualid...Luiz Fernando Dutra de Freitas
 
ใบงานทที่ 2
ใบงานทที่ 2ใบงานทที่ 2
ใบงานทที่ 2Mashmallow Korn
 
Flexible Robotic Catheters Industry meets EU Markets
Flexible Robotic Catheters Industry meets EU MarketsFlexible Robotic Catheters Industry meets EU Markets
Flexible Robotic Catheters Industry meets EU MarketsAlessandro Mazzarisi
 
Проект IFC «Розвиток фінансування аграрного сектору в Європі та Центральній А...
Проект IFC «Розвиток фінансування аграрного сектору в Європі та Центральній А...Проект IFC «Розвиток фінансування аграрного сектору в Європі та Центральній А...
Проект IFC «Розвиток фінансування аграрного сектору в Європі та Центральній А...Strategia e Sviluppo Consultants
 
7 สามัญ อังกฤษ
7 สามัญ อังกฤษ7 สามัญ อังกฤษ
7 สามัญ อังกฤษMashmallow Korn
 
Revista20%
Revista20%Revista20%
Revista20%almarza1
 
ใบงานทที่ 4
ใบงานทที่ 4ใบงานทที่ 4
ใบงานทที่ 4Mashmallow Korn
 
Электронная безопасность и либертарная этика
Электронная безопасность и либертарная этикаЭлектронная безопасность и либертарная этика
Электронная безопасность и либертарная этикаAutonomousAction
 
ใบงานสำรวจตนเอง
ใบงานสำรวจตนเองใบงานสำรวจตนเอง
ใบงานสำรวจตนเองMashmallow Korn
 
7 สามัญ เคมี
7 สามัญ เคมี7 สามัญ เคมี
7 สามัญ เคมีMashmallow Korn
 
Total station nikon dtm 322
Total station nikon dtm 322Total station nikon dtm 322
Total station nikon dtm 322Agus Setiawan
 
青創沙龍 #9 金管會金融挺創意:電梯簡報 - 金管會童政彰科長
青創沙龍 #9 金管會金融挺創意:電梯簡報 - 金管會童政彰科長青創沙龍 #9 金管會金融挺創意:電梯簡報 - 金管會童政彰科長
青創沙龍 #9 金管會金融挺創意:電梯簡報 - 金管會童政彰科長青年圓夢計劃
 

Destaque (20)

Fórum de Boas Práticas de Gestão Internacional da Fundação Nacional da Qualid...
Fórum de Boas Práticas de Gestão Internacional da Fundação Nacional da Qualid...Fórum de Boas Práticas de Gestão Internacional da Fundação Nacional da Qualid...
Fórum de Boas Práticas de Gestão Internacional da Fundação Nacional da Qualid...
 
Comercio electronico c2 c
Comercio electronico c2 cComercio electronico c2 c
Comercio electronico c2 c
 
ใบงานทที่ 2
ใบงานทที่ 2ใบงานทที่ 2
ใบงานทที่ 2
 
Flexible Robotic Catheters Industry meets EU Markets
Flexible Robotic Catheters Industry meets EU MarketsFlexible Robotic Catheters Industry meets EU Markets
Flexible Robotic Catheters Industry meets EU Markets
 
A space for the kids
A space for the kidsA space for the kids
A space for the kids
 
Проект IFC «Розвиток фінансування аграрного сектору в Європі та Центральній А...
Проект IFC «Розвиток фінансування аграрного сектору в Європі та Центральній А...Проект IFC «Розвиток фінансування аграрного сектору в Європі та Центральній А...
Проект IFC «Розвиток фінансування аграрного сектору в Європі та Центральній А...
 
Ukraine: Open for Business.
Ukraine: Open for Business.Ukraine: Open for Business.
Ukraine: Open for Business.
 
7 สามัญ อังกฤษ
7 สามัญ อังกฤษ7 สามัญ อังกฤษ
7 สามัญ อังกฤษ
 
Risk assessments
Risk assessmentsRisk assessments
Risk assessments
 
Revista20%
Revista20%Revista20%
Revista20%
 
ใบงานทที่ 4
ใบงานทที่ 4ใบงานทที่ 4
ใบงานทที่ 4
 
Focus sul mercato serbo, verona 12 dicembre, 2014
Focus sul mercato serbo, verona 12 dicembre, 2014Focus sul mercato serbo, verona 12 dicembre, 2014
Focus sul mercato serbo, verona 12 dicembre, 2014
 
Электронная безопасность и либертарная этика
Электронная безопасность и либертарная этикаЭлектронная безопасность и либертарная этика
Электронная безопасность и либертарная этика
 
Ssc health care china
Ssc health care chinaSsc health care china
Ssc health care china
 
Andrea
AndreaAndrea
Andrea
 
Created by
Created byCreated by
Created by
 
ใบงานสำรวจตนเอง
ใบงานสำรวจตนเองใบงานสำรวจตนเอง
ใบงานสำรวจตนเอง
 
7 สามัญ เคมี
7 สามัญ เคมี7 สามัญ เคมี
7 สามัญ เคมี
 
Total station nikon dtm 322
Total station nikon dtm 322Total station nikon dtm 322
Total station nikon dtm 322
 
青創沙龍 #9 金管會金融挺創意:電梯簡報 - 金管會童政彰科長
青創沙龍 #9 金管會金融挺創意:電梯簡報 - 金管會童政彰科長青創沙龍 #9 金管會金融挺創意:電梯簡報 - 金管會童政彰科長
青創沙龍 #9 金管會金融挺創意:電梯簡報 - 金管會童政彰科長
 

Semelhante a CMAS

Prot. 3274 13 pl 043 - cria o conselho municipal de assistência social de v...
Prot. 3274 13   pl 043 - cria o conselho municipal de assistência social de v...Prot. 3274 13   pl 043 - cria o conselho municipal de assistência social de v...
Prot. 3274 13 pl 043 - cria o conselho municipal de assistência social de v...ramonpeyroton
 
Seminário sobre “Efetivação dos Direitos das Pessoas em Situação de Rua”
Seminário sobre “Efetivação dos Direitos das Pessoas em Situação de Rua”Seminário sobre “Efetivação dos Direitos das Pessoas em Situação de Rua”
Seminário sobre “Efetivação dos Direitos das Pessoas em Situação de Rua”Cimos MPMG
 
CAPACITACAO CONSELHOS DA ASSISTENCIA SOCIAL ago 2022.pptx
CAPACITACAO CONSELHOS DA ASSISTENCIA SOCIAL  ago 2022.pptxCAPACITACAO CONSELHOS DA ASSISTENCIA SOCIAL  ago 2022.pptx
CAPACITACAO CONSELHOS DA ASSISTENCIA SOCIAL ago 2022.pptxillonnadomme
 
Apostila loas exercicios_fabio_lucio
Apostila loas exercicios_fabio_lucioApostila loas exercicios_fabio_lucio
Apostila loas exercicios_fabio_lucioGisleine Praia
 
Lei orgânica da assistência social
Lei orgânica da assistência socialLei orgânica da assistência social
Lei orgânica da assistência socialrazonetecontabil
 
Resolução editada 03 2012
 Resolução editada 03 2012 Resolução editada 03 2012
Resolução editada 03 2012Vitória Cmas
 
A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2
A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2
A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2Heloísa Ximenes
 
Regulamentac%CC%A7a%CC%83o%20Lei%20municipal%20SUAS%20CONSELHO_%283%29.pptx
Regulamentac%CC%A7a%CC%83o%20Lei%20municipal%20SUAS%20CONSELHO_%283%29.pptxRegulamentac%CC%A7a%CC%83o%20Lei%20municipal%20SUAS%20CONSELHO_%283%29.pptx
Regulamentac%CC%A7a%CC%83o%20Lei%20municipal%20SUAS%20CONSELHO_%283%29.pptxscfvibi
 
Assistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência Social
Assistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência SocialAssistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência Social
Assistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência SocialJosé Boff
 
A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2 -apresentação final
A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2 -apresentação finalA importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2 -apresentação final
A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2 -apresentação finalHeloísa Ximenes
 
Palestra oficial padrão x CONFEAS
Palestra oficial padrão x CONFEASPalestra oficial padrão x CONFEAS
Palestra oficial padrão x CONFEASMassimo Araujo
 
Como obter o registro no CMAS?
Como obter o registro no CMAS?Como obter o registro no CMAS?
Como obter o registro no CMAS?Allan Vieira
 
Como obter o registro no cmas
Como obter o registro no cmasComo obter o registro no cmas
Como obter o registro no cmasAllan Vieira
 
Resolu ca o no 16- de 5 de maio de 2010 (1)
Resolu ca o no 16- de 5 de maio de 2010 (1)Resolu ca o no 16- de 5 de maio de 2010 (1)
Resolu ca o no 16- de 5 de maio de 2010 (1)Silvia Moral
 
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...Rosane Domingues
 
Fts faculdade anhanguera
Fts   faculdade  anhangueraFts   faculdade  anhanguera
Fts faculdade anhangueraHermeto
 
Apresentação suas limites e possibilidades
Apresentação   suas limites e possibilidadesApresentação   suas limites e possibilidades
Apresentação suas limites e possibilidadesJoel Rodrigues
 

Semelhante a CMAS (20)

Prot. 3274 13 pl 043 - cria o conselho municipal de assistência social de v...
Prot. 3274 13   pl 043 - cria o conselho municipal de assistência social de v...Prot. 3274 13   pl 043 - cria o conselho municipal de assistência social de v...
Prot. 3274 13 pl 043 - cria o conselho municipal de assistência social de v...
 
Cartilha cmas
Cartilha cmasCartilha cmas
Cartilha cmas
 
Seminário sobre “Efetivação dos Direitos das Pessoas em Situação de Rua”
Seminário sobre “Efetivação dos Direitos das Pessoas em Situação de Rua”Seminário sobre “Efetivação dos Direitos das Pessoas em Situação de Rua”
Seminário sobre “Efetivação dos Direitos das Pessoas em Situação de Rua”
 
CAPACITACAO CONSELHOS DA ASSISTENCIA SOCIAL ago 2022.pptx
CAPACITACAO CONSELHOS DA ASSISTENCIA SOCIAL  ago 2022.pptxCAPACITACAO CONSELHOS DA ASSISTENCIA SOCIAL  ago 2022.pptx
CAPACITACAO CONSELHOS DA ASSISTENCIA SOCIAL ago 2022.pptx
 
Apostila loas exercicios_fabio_lucio
Apostila loas exercicios_fabio_lucioApostila loas exercicios_fabio_lucio
Apostila loas exercicios_fabio_lucio
 
Lei orgânica da assistência social
Lei orgânica da assistência socialLei orgânica da assistência social
Lei orgânica da assistência social
 
Resolução editada 03 2012
 Resolução editada 03 2012 Resolução editada 03 2012
Resolução editada 03 2012
 
A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2
A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2
A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2
 
Regulamentac%CC%A7a%CC%83o%20Lei%20municipal%20SUAS%20CONSELHO_%283%29.pptx
Regulamentac%CC%A7a%CC%83o%20Lei%20municipal%20SUAS%20CONSELHO_%283%29.pptxRegulamentac%CC%A7a%CC%83o%20Lei%20municipal%20SUAS%20CONSELHO_%283%29.pptx
Regulamentac%CC%A7a%CC%83o%20Lei%20municipal%20SUAS%20CONSELHO_%283%29.pptx
 
Assistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência Social
Assistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência SocialAssistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência Social
Assistência Social - Fortalecimento dos Conselhos de Assistência Social
 
A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2 -apresentação final
A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2 -apresentação finalA importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2 -apresentação final
A importancia do_conselho_enquanto_instancia_de_controle2 -apresentação final
 
controle_social1.ppt
controle_social1.pptcontrole_social1.ppt
controle_social1.ppt
 
Palestra oficial padrão x CONFEAS
Palestra oficial padrão x CONFEASPalestra oficial padrão x CONFEAS
Palestra oficial padrão x CONFEAS
 
Como obter o registro no CMAS?
Como obter o registro no CMAS?Como obter o registro no CMAS?
Como obter o registro no CMAS?
 
Como obter o registro no cmas
Como obter o registro no cmasComo obter o registro no cmas
Como obter o registro no cmas
 
Carta aberta suas pr
Carta aberta suas prCarta aberta suas pr
Carta aberta suas pr
 
Resolu ca o no 16- de 5 de maio de 2010 (1)
Resolu ca o no 16- de 5 de maio de 2010 (1)Resolu ca o no 16- de 5 de maio de 2010 (1)
Resolu ca o no 16- de 5 de maio de 2010 (1)
 
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL PLURIANUAL DE ASSISTÊNCIA SO...
 
Fts faculdade anhanguera
Fts   faculdade  anhangueraFts   faculdade  anhanguera
Fts faculdade anhanguera
 
Apresentação suas limites e possibilidades
Apresentação   suas limites e possibilidadesApresentação   suas limites e possibilidades
Apresentação suas limites e possibilidades
 

CMAS

  • 1.
  • 2. Os Conselhos Municipais de Assistência Social estão previstos na Lei n °8.742, de 7 de dezembro de 1993 ( LOAS) , e são definidos como instâncias deliberativas do sistema descentralizado e participativo de assistência social, de caráter permanente e composição paritária entre governo e sociedade civil ( art.16). A Secretária Municipal da Assistência Social é responsável por executar a política municipal e os planos e programas de saúde e ação social, desenvolver e coordenar as atividades relativas á melhoria das condições de vida da população sendo isoladamente ou através de programas, conjuntos de órgãos estaduais, federais, assim como a realização de campanhas educativas e informativas na área da saúde pública e social r
  • 3. Quem pode ser conselheiro? quantos são? por quanto tempo representam a categoria? Dois grupos de conselheiros compõem o CMAS: os representantes do poder público, indicados pelo Governo Municipal, e os representantes da sociedade civil, eleitos pelas entidades inscritas no CMAS. São representantes da sociedade civil as entidades sociais prestadoras de serviços, as entidades de defesa dos usuários, e as entidades que representam os trabalhadores da área social. São representantes governamentais os servidores que representam a prefeitura, e que atuam nas Secretárias e Fundações. Cada grupo tem o mesmo número de representantes: nove conselheiros governamentais e nove conselheiros não-governamentais, e o período de gestão no CMAS é de dois anos.
  • 4. Para os conselheiros desempenhar uma boa função, é necessário que os participem de treinamento voltado para o desempenho do controle social e outras medidas, mantendo – se sempre atualizado em seguintes assuntos: área da assistência social, indicadores socioeconômicos do país , educação, trabalho, emprego e habitação, etc.
  • 5. b
  • 6.
  • 7. Os Conselhos de Assistência Social têm como principais atribuições no seu respectivo âmbito de atuação:  deliberar e fiscalizar a execução da Política de Assistência Social e seu funcionamento;  convocar e encaminhar as deliberações das conferências de assistência social;  apreciar e aprovar o Plano da Assistência Social;  apreciar e aprovar a proposta orçamentária dos recursos da assistência social a ser encaminhada ao Poder Legislativo;  apreciar e aprovar a execução orçamentária e financeira do Fundo de Assistência a ser apresentada regularmente pelo gestor do Fundo; Acompanhar os processos de pactuação da Comissão Intergestores Tripartite – CIT e Comissão Intergestores Bipartite – CIB; a
  • 8.  divulgar e promover a defesa dos direitos socioassistenciais;  inscrever entidades de Assistência Social, bem como serviços, programas, projetos socioassistenciais;  fiscalizar a rede socioassistencial (executada pelo poder público e pela rede privada) zelando pela qualidade da prestação de serviços; eleger entre seus membros a sua mesa diretora (presidente e vice- presidente paritariamente);  aprovar o seu regimento interno;  fiscalizar e acompanhar o Benefício de Prestação Continuada – BPC e o Programa Bolsa Família – PBF; acompanhar a gestão integrada de serviços e benefícios socioassistenciais; e, exercer o controle social da gestão do trabalho no âmbito do SUAS, conforme prescrito na NOB/SUA
  • 9. CONTROLE SOCIAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA? Os conselheiros das Instâncias de Controle Social (ICS) devem acompanhar avaliar e fiscalizar a execução do Bolsa Família em todos seus componentes de gestão . Na fiscalização do Bolsa Família:  Acompanhar os processos de fiscalização orientados pelo MDS e pela Rede Pública de Fiscalização; • Solicitar ao gestor municipal, em caso de denúncias comprovadas, que tome as devidas providências para solucionar a irregularidade; • Comunicar ao gestor municipal, ao MDS e à Rede Pública de Fiscalização do Bolsa Família a existência de problemas na gestão do Programa. m
  • 10. MEDIDAS A SER ADOTADAS PARA FISCALIZAÇÃO • No acompanhamento da gestão do Cadastro Único: • Avaliar as estratégias adotadas pelo município para a identificação, mapeamento e cadastramento das famílias mais pobres, especialmente a realização de visitas domiciliares; • Avaliar as estratégias de divulgação de ações de cadastramento; •Identificar as situações de impedimento do cadastramento e procurar identificar junto ao poder público local o que pode ser feito para superar a dificuldade; •Avaliar se os formulários do cadastro são mantidos em boas condições de manuseio e arquivo, pelo prazo mínimo de cinco anos; •Verificar periodicamente a quantidade de famílias cadastradas, considerando que o município pode, a qualquer tempo, incluir novas famílias no Cadastro Único, desde que se enquadrem no critério de renda;
  • 11. •Avaliar e acompanhar as estratégias de atualização cadastral realizada pelo município. •No acompanhamento da gestão de benefícios: •Acompanhar os atos de gestão de benefícios do Bolsa Família, via consulta ao Sistema de Benefícios ao Cidadão (Sibec); •Avaliar se os atos de gestão de benefício estão sendo realizados corretamente, avaliando os motivos. •No acompanhamento das condicionalidades: •Trabalhar em parceria com os conselhos de saúde, educação e assistência social do município para garantir que os serviços acompanhados por eles sejam ofertados pelo poder público às famílias beneficiárias do Bolsa Família; •Monitorar os registros das Condicionalidades; •Avaliar as dificuldades encontradas pelas famílias para o cumprimento desses compromissos e demandar soluções ao poder público local. •No acompanhamento das oportunidades de desenvolvimento das capacidades das famílias ofertadas no município:
  • 12. Estimular a integração e a oferta de outras políticas públicas que favoreçam a autonomia e emancipação das famílias beneficiárias do Bolsa Família; Sensibilizar os beneficiários sobre a importância da participação nas oportunidades de inserção econômica e social oferecidas pelo município; Avaliar os resultados da participação das famílias nas ações de desenvolvimento das famílias; Identificar as potencialidades para a criação de programas próprios ou de integração com programas federais e estaduais, observando as características do município e as necessidades da população em situação de maior vulnerabilidade.
  • 13. Estimular a integração e a oferta de outras políticas públicas que favoreçam a autonomia e emancipação das famílias beneficiárias do Bolsa Família; Sensibilizar os beneficiários sobre a importância da participação nas oportunidades de inserção econômica e social oferecidas pelo município; Avaliar os resultados da participação das famílias nas ações de desenvolvimento das famílias; Identificar as potencialidades para a criação de programas próprios ou de integração com programas federais e estaduais, observando as características do município e as necessidades da população em situação de maior vulnerabilidade.
  • 14. Entidades ou Organizações de Assistência Social Consideram- se entidades e organizações de assistência social aquelas sem fins lucrativos que, isolada ou cumulativamente, prestam atendimento e assessoramento aos beneficiários abrangidos pela LOAS, bem como as atuam na defesa e garantia de direitos. (Artigo 3º da LOAS - Lei 8.742/1993, alterada pela Lei 12.435/2011)  As entidades e organizações de Assistência Social podem ser isolada ou cumulativamente (Art. 2º, Resolução 14/2014): I- de atendimento; II- de assessoramento; III- de defesa e garantia de direitos. v
  • 15. Níveis de Reconhecimento das Entidades de Assistência Social no SUAS De acordo com a legislação federal em vigor, pode-se afirmar que as entidades de assistência social podem ser vinculadas ao sistema por: 1. Inscrição nos CMAS ou CAS/DF; 2. Cadastro das ofertas no Cadastro Nacional de Entidades de Assistência Social; 3. Certificação (CEBAS) como entidade beneficente; 4. Vínculo SUAS, quando integrarem a rede socioassistencial
  • 16. Inscrição das Entidades de Assistência Social Artigo 9º, Lei nº 8.742/1993 – LOAS “O funcionamento das entidades e organizações de assistência social depende de prévia inscrição no respectivo Conselho Municipal de Assistência Social, ou no Conselho de Assistência Social do Distrito Federal, conforme o caso”. A Resolução CNAS nº 14, de 15 de maio de 2014 revoga a Resolução nº 16, de 05 de maio de 2010 e estabelece os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais nos Conselhos de Assistência Social (Art. 1º). → A inscrição nos conselhos é a condição primeira para o funcionamento da entidade e organização de assistência social (Art. 5º). i
  • 17. Art. 4º Compete aos Conselhos de Assistência Social a fiscalização das entidades ou organizações de Assistência Social. §1º Entende-se por fiscalização aquela aplicada às entidades ou organizações de Assistência Social e ao conjunto das ofertas dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais inscritos. § 2º Se a entidade ou organização de Assistência Social que atua no atendimento e/ou assessoramento e/ou defesa e garantia de direitos, e que não ofertar serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais no Município de sua sede, a inscrição da entidade ou organização deverá ser feita no Conselho de Assistência Social do Município onde desenvolva o maior número de atividades
  • 18. FISCALIZAÇÃO DO CRAS E DO CREAS O Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) é uma unidade pública estatal responsável pela oferta de serviços continuados de proteção social básica de assistência social às famílias, grupos e indivíduos em situação de vulnerabilidade social. São estruturados de acordo com o porte do município, em áreas de maior vulnerabilidade social, para gerenciar e executar ações de proteção básica no território referenciado.
  • 19. O Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), por sua vez, caracteriza-se pela prestação de serviços especializados e continuados a indivíduos e famílias com seus direitos violados, promovendo a integração de esforços, recursos e meios para enfrentar a dispersão dos serviços e potencializar a ação para os seus usuários, envolvendo um conjunto de profissionais e processos de trabalhos que devem ofertar apoio e acompanhamento individualizado especializado. São implantados com abrangência local ou regional, de acordo com o porte, nível de gestão e demanda dos municípios, além do grau de incidência e complexidade das s i t u a ç õ e s d e r i s c o e v i o l a ç ã o d e d i r e i t o
  • 20. Medidas a serem adotadas pelo CMAS No exercício de suas atribuições de fiscalizar os Centros de Referência da Assistência Social (CRAS), os Centros de Referência Especializados de Assistência Social (CREAS) o Conselho Municipal de Assistência Social observará os itens a seguir: Itens de verificação 1) Observar se as edificações onde estejam funcionando os CRAS e os CREAS, estão adaptadas de forma a se tornarem acessíveis às pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, em observância às disposições do Decreto 5.296, de 2 de dezembro de 2004; (Decreto 5.296, de 2004, que regulamenta as Leis 10.048, e 10.098, de 2000. 2)Verificar se os locais onde estão instalados os CRAS e os CREAS estão identificados com placa de identificação; (Guias CRAS e CREAS, editados pelo MDS)
  • 21. 3) Verificar se os CRAS estão instalados próximos ao local de maior concentração de famílias em situação de vulnerabilidade, de acordo com os indicadores definidos na NOB- SUAS, ou em áreas que garantam maior acesso das famílias referenciadas, de forma a aproximar os serviços dos usuários; (Publicação MDS Orientações Técnicas para o CRAS) 4) Certificar se o CRAS mantém estrutura para recepção, identificação, encaminhamento, orientação e acompanhamento dos beneficiários do Benefício de Prestação Continuada (BPC) e dos benefícios eventuais, com equipe profissional composta por, no mínimo, um profissional de serviço social; (NOB/SUAS, item 2.1) 5) Certificar se a equipe profissional do CRAS, responsável pela organização e oferta de serviços, programas, projetos e benefícios de proteção social básica e especial, é composta, de acordo com o porte do município, dos seguintes profissionais: (NOB-RH/SUAS, item IV)
  • 22. FISCALIZAÇÃO DE ENTIDADES QUE PRESTAM SERVIÇOS DE ALTA COMPLEXIDADE Equipe de referência Quanto à equipe profissional das entidades e das organizações de assistência social que prestam serviços de alta complexidade, destinados a pessoas idosas, pessoas portadoras de deficiência ou para crianças e adolescentes, verificar se é composta, de acordo com o porte do município, dos seguinte iprofissionais, conforme a equipe de referência proposta na NOB-RH/SUAS, item IV: Equipe de referência para atendimento direto: Coordenador Cuidador Auxiliar de Cuidador s
  • 23. Equipe de Referência para atendimento psicossocial, vinculada ao órgão gestor Assistente social, Psicólogo F ISCALIZAÇÃO DAS EN T IDAD ES D E APO IO À P ESSOA IDOSA A assistência social aos idosos deve ser prestada, de forma articulada, conforme os princípios e diretrizes previstos na Lei Orgânica da Assistência Social, na Política Nacional do Idoso, no Sistema Único de Saúde e demais normas pertinentes Consoante a Política Nacional de Assistência Social, a ênfase da proteção social especial deve priorizar a reestru - turação dos serviços de abrigamento de indivíduos (que por uma série de fatores, não contam mais com a proteção e o cuidado de suas famílias) para as novas modalidades de atendimento, em detri - mento dos chamados, popularmente, orfanatos, internatos, educandários, asilos, entre outros.
  • 24. ENCAMINHAMENTOS DECORRENTES DAS FISCALIZAÇÕES I) quando constatar irregularidade que caracterize descumprimento à Lei Orgâ- nica da Assistência Social (Lei 8.742, de 1993), comunicar ao Ministério Público, órgão que tem a missão de zelar pelo efetivo respeito aos direitos estabelecidos na LOAS; (Lei 8.742, de 1993 - LOAS, arts. 3º e 31) III) nas fiscalizações em entidades e organizações de assistência social, se constatadas irregularidades nas edificações ou nas instalações e equipamentos utilizados na prestação dos serviços, ou seja, que se apresentam fora dos padrões estabelecidos para cada modalidade de serviço e que possam comprometer a qualidade do atendimento e a segurança dos usuários, o Conselho poderá adotar as seguintes medidas: