SlideShare uma empresa Scribd logo
IDENTIFICAÇÃO DA FAMÍLIA
Responsável familiar: Maria da Conceição Pereira Gomes
Possíveisações:Acolhimento▪Visitadomiciliar▪Atendimentoindividualizado▪Atendimentosociofamiliar▪Inclusãoematividade de grupo(palestras/oficinas) ▪Inclusãoem
serviçode convivência▪Comunicaçãocoma rede de proteção ▪ Articulaçãointersetorial ▪EncaminhamentospraBeneficioeventual▪EncaminhamentoparaBPC.
Elaborado por Janaina Anjos – Psicóloga. Belém-PA. Janainaanjos@yahoo.com.br
PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA
SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL – SEMAS
CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
PLANO DE ACOMPANHAMENTO FAMILIAR
AÇÕES
Data/
Técnicos
Ações Responsáveis Prazo
Data/
Técnicos
Avaliações
02/02/15
Janaina
Psicóloga
Lúcia
A. Social
1 – Participação de Maria em palestra para orientação
jurídica sobre violência contra a mulher.
2 – Atendimento individualizado com Maria para trabalhar:
- A condição devítima e o rompimento a atitude de proteção
ao agressor.
- A necessidadede registrar Boletimde Ocorrência.
3 – Atendimento individualizado com João para trabalhar:
- Expectativas sobrea relação conjugal.
- O diálogo como alternativa para resolver conflitos.
- Violência contra a mulher é crime.
4 – Procurar serviço de saúde para tratar o consumo abusivo
de álcool e reduzir o consumo de bebida.
5 – Atendimento sociofamiliar com Luiza, Maria e Raquel, as
filhas do casal, através de atividade lúdica para estabelecer
vínculo de confiança com a equipe técnica e conhecer os
impactos da violência doméstica.
6 – Atendimento individualizado com Maria para trabalhar:
- Auto estima e auto cuidado.Sentimentos de culpa.
7 – Visita domiciliar para avaliar os impactos do
acompanhamento familiar.
1 – Advogado.
2 – Assistente
social.
3 – Advogado e
Psicóloga.
4- João (Usuário)
5 – Assistente
social epsicóloga.
6 – Advogado e
assistente social.
7 – Psicóloga e
advogado.
07/02/15
10/02/15
11/02/15
20/02/15
28/02/15
03/03/15
07/02/15
Bruno
Advogado
10/02/15
11/02/15
15/02/15
28/02/15
18/02/15
28/02/15
Maria participou da palestra edemostrou refletir o
conteúdo exposto através de perguntas e
verbalizações.
Atendimento realizado.Maria secomprometeu em
registrar boletimde ocorrência.
João não compareceu ao atendimento. Enviar
novamente solicitação decomparecimento.
João compareceu ao atendimento. não agredir
Maria.
Apresenta resistência emprocurar tratamento.
Atendimento realizado.As crianças demonstraram
angustia pelo convívio familiar conflituoso.
Maria ainda está coma autoestima baixa.São
necessários maisatendimentos,inclusivepara
trabalhar seu projeto de vida.
IDENTIFICAÇÃO DA FAMÍLIA
Responsável familiar: Maria da Conceição Pereira Gomes
Possíveisações:Acolhimento▪Visitadomiciliar▪Atendimentoindividualizado▪Atendimentosociofamiliar▪Inclusãoematividade de grupo(palestras/oficinas) ▪Inclusãoem
serviçode convivência▪Comunicaçãocoma rede de proteção ▪ Articulaçãointersetorial ▪EncaminhamentospraBeneficioeventual▪EncaminhamentoparaBPC.
Elaborado por Janaina Anjos – Psicóloga. Belém-PA. Janainaanjos@yahoo.com.br
PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA
SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL – SEMAS
CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
PLANO DE ACOMPANHAMENTO FAMILIAR
AÇÕES
NOTAS:
Depoisque a equipe técnicajá realizouo diagnósticofamiliar, e escolheuosobjetivospertinentes,para alcançar os objetivosescolhemosasações/estratégias.Assim,
preenchemosesse instrumental listandoas açõesescolhidas.Enviei essa folhapreenchidapara dar um exemplo. Osdadossão fictícios.
Observemque não existematendimentos psicológicos. Existematendimentos individualizados esociofamiliares, e outros atendimentos que
serão assegurados pela equipe, de acordo com a disponibilidade dos técnicos.
Todos os técnicos do CREAS apesar das áreas de saber diferentes, possuemas mesmas atribuições, logo, todos devem estar aptos a realizar
atendimentos individualizados e sociofamiliares, para refletir os contextos conflituosos das famílias visando o fortalecimento de vínculos
familiares e a prevenção aos agravos resultantes da situação de violência, inclusiveos advogados.
O único atendimento que é especifico do advogado é a orientação jurídica, de resto, o advogado é um técnico como todos os outros que
deve realizar visitas e atendimentos para outras finalidades pertinentes ao plano de acompanhamento familiar.
As assistentes sociais, dentro das suas habilidades e de seus conhecimentos técnicos, não devemse furtar de atender crianças, e nem achar
que atendimento lúdico é função específica dos psicólogos. Orientar e apoiar as crianças também é atribuição das assistentes sociais e
advogados. Como tudo na vida requer estudo, os técnicos do CREAS devem ler, e buscar referência para qualificar seu trabalho, inclusive no
atendimento infantil.
Bjks. Jana.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Paif e scfv
Paif e scfvPaif e scfv
Paif e scfv
Joelson Honoratto
 
Cartilha Perguntas e Resposta do CREAS
Cartilha Perguntas e Resposta do CREASCartilha Perguntas e Resposta do CREAS
Cartilha Perguntas e Resposta do CREAS
Rosane Domingues
 
14. apresentação cras lomba acolhida
14. apresentação cras lomba acolhida14. apresentação cras lomba acolhida
14. apresentação cras lomba acolhida
NandaTome
 
18 de maio
18 de maio18 de maio
18 de maio
Ivanílson Santos
 
Cras paif
Cras paifCras paif
Cras paif
leilymoura
 
Serviços do CRAS
Serviços do CRASServiços do CRAS
Serviços do CRAS
Daniele Aguiar Oliveira
 
Cras
CrasCras
Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2
Alinebrauna Brauna
 
Relatório final de estágio
Relatório final de estágio Relatório final de estágio
Relatório final de estágio
Monique Elen Rodrigues de Araújo Oliveira
 
Estudo social e parecer social
Estudo social e parecer socialEstudo social e parecer social
Estudo social e parecer social
Guillermo Alberto López
 
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIALOS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
Conceição Amorim
 
CRAS - Centro de Referencia de Assistência Social
CRAS - Centro de Referencia de Assistência SocialCRAS - Centro de Referencia de Assistência Social
CRAS - Centro de Referencia de Assistência Social
Allan Shinkoda
 
Creas serviços
Creas  serviçosCreas  serviços
Creas serviços
Rosane Domingues
 
Oficio da escola
Oficio da escolaOficio da escola
Oficio da escola
fasifo
 
O estudo social
O estudo socialO estudo social
Apresentação reordenamento SCFV CRAS Nioaque-MS 11 11-2013
Apresentação reordenamento SCFV  CRAS Nioaque-MS 11 11-2013Apresentação reordenamento SCFV  CRAS Nioaque-MS 11 11-2013
Apresentação reordenamento SCFV CRAS Nioaque-MS 11 11-2013
Cristina de Souza
 
Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!
Silvio Medeiros
 
A relação família-escola
A relação família-escolaA relação família-escola
A relação família-escola
Thiago de Almeida
 
A Visita Domiciliar no Serviço Social
A Visita Domiciliar no Serviço SocialA Visita Domiciliar no Serviço Social
A Visita Domiciliar no Serviço Social
Monique Elen Rodrigues de Araújo Oliveira
 
Metodologia de trabalho do creas
Metodologia de trabalho do creasMetodologia de trabalho do creas
Metodologia de trabalho do creas
Rosane Domingues
 

Mais procurados (20)

Paif e scfv
Paif e scfvPaif e scfv
Paif e scfv
 
Cartilha Perguntas e Resposta do CREAS
Cartilha Perguntas e Resposta do CREASCartilha Perguntas e Resposta do CREAS
Cartilha Perguntas e Resposta do CREAS
 
14. apresentação cras lomba acolhida
14. apresentação cras lomba acolhida14. apresentação cras lomba acolhida
14. apresentação cras lomba acolhida
 
18 de maio
18 de maio18 de maio
18 de maio
 
Cras paif
Cras paifCras paif
Cras paif
 
Serviços do CRAS
Serviços do CRASServiços do CRAS
Serviços do CRAS
 
Cras
CrasCras
Cras
 
Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2
 
Relatório final de estágio
Relatório final de estágio Relatório final de estágio
Relatório final de estágio
 
Estudo social e parecer social
Estudo social e parecer socialEstudo social e parecer social
Estudo social e parecer social
 
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIALOS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
 
CRAS - Centro de Referencia de Assistência Social
CRAS - Centro de Referencia de Assistência SocialCRAS - Centro de Referencia de Assistência Social
CRAS - Centro de Referencia de Assistência Social
 
Creas serviços
Creas  serviçosCreas  serviços
Creas serviços
 
Oficio da escola
Oficio da escolaOficio da escola
Oficio da escola
 
O estudo social
O estudo socialO estudo social
O estudo social
 
Apresentação reordenamento SCFV CRAS Nioaque-MS 11 11-2013
Apresentação reordenamento SCFV  CRAS Nioaque-MS 11 11-2013Apresentação reordenamento SCFV  CRAS Nioaque-MS 11 11-2013
Apresentação reordenamento SCFV CRAS Nioaque-MS 11 11-2013
 
Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!
 
A relação família-escola
A relação família-escolaA relação família-escola
A relação família-escola
 
A Visita Domiciliar no Serviço Social
A Visita Domiciliar no Serviço SocialA Visita Domiciliar no Serviço Social
A Visita Domiciliar no Serviço Social
 
Metodologia de trabalho do creas
Metodologia de trabalho do creasMetodologia de trabalho do creas
Metodologia de trabalho do creas
 

Destaque

Acompanhamento de famílias do PBF
Acompanhamento de famílias do PBFAcompanhamento de famílias do PBF
Acompanhamento de famílias do PBF
Polyana Pinheiro
 
Io conjunta _no_19__senarc-snas_07de_fevereiro_de_2013[1]
Io conjunta _no_19__senarc-snas_07de_fevereiro_de_2013[1]Io conjunta _no_19__senarc-snas_07de_fevereiro_de_2013[1]
Io conjunta _no_19__senarc-snas_07de_fevereiro_de_2013[1]
NandaTome
 
Ficha de acompanhamento
Ficha de acompanhamentoFicha de acompanhamento
Ficha de acompanhamento
heliane
 
Mds diretrizes pbf acompanhamento familiar no paif
Mds diretrizes pbf acompanhamento familiar no paif Mds diretrizes pbf acompanhamento familiar no paif
Mds diretrizes pbf acompanhamento familiar no paif
NandaTome
 
Formação continuada paif saf terceiro encontro.ppt 2
Formação continuada paif saf  terceiro  encontro.ppt 2Formação continuada paif saf  terceiro  encontro.ppt 2
Formação continuada paif saf terceiro encontro.ppt 2
NandaTome
 
Condicionalidades do bolsa familia
Condicionalidades do bolsa familiaCondicionalidades do bolsa familia
Condicionalidades do bolsa familia
Maria Estela Livelli Becker
 
Mds acompanhamento familiar programa bolsa família
Mds acompanhamento familiar   programa bolsa famíliaMds acompanhamento familiar   programa bolsa família
Mds acompanhamento familiar programa bolsa família
NandaTome
 
01 cadastro das familias
01   cadastro das familias01   cadastro das familias
01 cadastro das familias
Janaina Anjos
 
Bolsa familia
Bolsa familiaBolsa familia
Bolsa familia
Alinebrauna Brauna
 
Cadastro unico aulas 1 a 7
Cadastro unico aulas 1 a 7Cadastro unico aulas 1 a 7
Cadastro unico aulas 1 a 7
Italo Mota
 
Formulário de Entrevista
Formulário de EntrevistaFormulário de Entrevista
Formulário de Entrevista
Alex Eller
 
Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básicaCartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básica
Rosane Domingues
 
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
Plano de ação pedagógica 2009   anandreiaPlano de ação pedagógica 2009   anandreia
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO VILHENA
 
Modelo de plano de ação
Modelo de plano de açãoModelo de plano de ação
Modelo de plano de ação
Alexandre Ribenboim
 
roteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-l
roteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-lroteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-l
roteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-l
Marcelo Borges
 

Destaque (15)

Acompanhamento de famílias do PBF
Acompanhamento de famílias do PBFAcompanhamento de famílias do PBF
Acompanhamento de famílias do PBF
 
Io conjunta _no_19__senarc-snas_07de_fevereiro_de_2013[1]
Io conjunta _no_19__senarc-snas_07de_fevereiro_de_2013[1]Io conjunta _no_19__senarc-snas_07de_fevereiro_de_2013[1]
Io conjunta _no_19__senarc-snas_07de_fevereiro_de_2013[1]
 
Ficha de acompanhamento
Ficha de acompanhamentoFicha de acompanhamento
Ficha de acompanhamento
 
Mds diretrizes pbf acompanhamento familiar no paif
Mds diretrizes pbf acompanhamento familiar no paif Mds diretrizes pbf acompanhamento familiar no paif
Mds diretrizes pbf acompanhamento familiar no paif
 
Formação continuada paif saf terceiro encontro.ppt 2
Formação continuada paif saf  terceiro  encontro.ppt 2Formação continuada paif saf  terceiro  encontro.ppt 2
Formação continuada paif saf terceiro encontro.ppt 2
 
Condicionalidades do bolsa familia
Condicionalidades do bolsa familiaCondicionalidades do bolsa familia
Condicionalidades do bolsa familia
 
Mds acompanhamento familiar programa bolsa família
Mds acompanhamento familiar   programa bolsa famíliaMds acompanhamento familiar   programa bolsa família
Mds acompanhamento familiar programa bolsa família
 
01 cadastro das familias
01   cadastro das familias01   cadastro das familias
01 cadastro das familias
 
Bolsa familia
Bolsa familiaBolsa familia
Bolsa familia
 
Cadastro unico aulas 1 a 7
Cadastro unico aulas 1 a 7Cadastro unico aulas 1 a 7
Cadastro unico aulas 1 a 7
 
Formulário de Entrevista
Formulário de EntrevistaFormulário de Entrevista
Formulário de Entrevista
 
Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básicaCartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básica
 
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
Plano de ação pedagógica 2009   anandreiaPlano de ação pedagógica 2009   anandreia
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
 
Modelo de plano de ação
Modelo de plano de açãoModelo de plano de ação
Modelo de plano de ação
 
roteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-l
roteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-lroteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-l
roteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-l
 

08 plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos

  • 1. IDENTIFICAÇÃO DA FAMÍLIA Responsável familiar: Maria da Conceição Pereira Gomes Possíveisações:Acolhimento▪Visitadomiciliar▪Atendimentoindividualizado▪Atendimentosociofamiliar▪Inclusãoematividade de grupo(palestras/oficinas) ▪Inclusãoem serviçode convivência▪Comunicaçãocoma rede de proteção ▪ Articulaçãointersetorial ▪EncaminhamentospraBeneficioeventual▪EncaminhamentoparaBPC. Elaborado por Janaina Anjos – Psicóloga. Belém-PA. Janainaanjos@yahoo.com.br PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL – SEMAS CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PLANO DE ACOMPANHAMENTO FAMILIAR AÇÕES Data/ Técnicos Ações Responsáveis Prazo Data/ Técnicos Avaliações 02/02/15 Janaina Psicóloga Lúcia A. Social 1 – Participação de Maria em palestra para orientação jurídica sobre violência contra a mulher. 2 – Atendimento individualizado com Maria para trabalhar: - A condição devítima e o rompimento a atitude de proteção ao agressor. - A necessidadede registrar Boletimde Ocorrência. 3 – Atendimento individualizado com João para trabalhar: - Expectativas sobrea relação conjugal. - O diálogo como alternativa para resolver conflitos. - Violência contra a mulher é crime. 4 – Procurar serviço de saúde para tratar o consumo abusivo de álcool e reduzir o consumo de bebida. 5 – Atendimento sociofamiliar com Luiza, Maria e Raquel, as filhas do casal, através de atividade lúdica para estabelecer vínculo de confiança com a equipe técnica e conhecer os impactos da violência doméstica. 6 – Atendimento individualizado com Maria para trabalhar: - Auto estima e auto cuidado.Sentimentos de culpa. 7 – Visita domiciliar para avaliar os impactos do acompanhamento familiar. 1 – Advogado. 2 – Assistente social. 3 – Advogado e Psicóloga. 4- João (Usuário) 5 – Assistente social epsicóloga. 6 – Advogado e assistente social. 7 – Psicóloga e advogado. 07/02/15 10/02/15 11/02/15 20/02/15 28/02/15 03/03/15 07/02/15 Bruno Advogado 10/02/15 11/02/15 15/02/15 28/02/15 18/02/15 28/02/15 Maria participou da palestra edemostrou refletir o conteúdo exposto através de perguntas e verbalizações. Atendimento realizado.Maria secomprometeu em registrar boletimde ocorrência. João não compareceu ao atendimento. Enviar novamente solicitação decomparecimento. João compareceu ao atendimento. não agredir Maria. Apresenta resistência emprocurar tratamento. Atendimento realizado.As crianças demonstraram angustia pelo convívio familiar conflituoso. Maria ainda está coma autoestima baixa.São necessários maisatendimentos,inclusivepara trabalhar seu projeto de vida.
  • 2. IDENTIFICAÇÃO DA FAMÍLIA Responsável familiar: Maria da Conceição Pereira Gomes Possíveisações:Acolhimento▪Visitadomiciliar▪Atendimentoindividualizado▪Atendimentosociofamiliar▪Inclusãoematividade de grupo(palestras/oficinas) ▪Inclusãoem serviçode convivência▪Comunicaçãocoma rede de proteção ▪ Articulaçãointersetorial ▪EncaminhamentospraBeneficioeventual▪EncaminhamentoparaBPC. Elaborado por Janaina Anjos – Psicóloga. Belém-PA. Janainaanjos@yahoo.com.br PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL – SEMAS CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PLANO DE ACOMPANHAMENTO FAMILIAR AÇÕES NOTAS: Depoisque a equipe técnicajá realizouo diagnósticofamiliar, e escolheuosobjetivospertinentes,para alcançar os objetivosescolhemosasações/estratégias.Assim, preenchemosesse instrumental listandoas açõesescolhidas.Enviei essa folhapreenchidapara dar um exemplo. Osdadossão fictícios. Observemque não existematendimentos psicológicos. Existematendimentos individualizados esociofamiliares, e outros atendimentos que serão assegurados pela equipe, de acordo com a disponibilidade dos técnicos. Todos os técnicos do CREAS apesar das áreas de saber diferentes, possuemas mesmas atribuições, logo, todos devem estar aptos a realizar atendimentos individualizados e sociofamiliares, para refletir os contextos conflituosos das famílias visando o fortalecimento de vínculos familiares e a prevenção aos agravos resultantes da situação de violência, inclusiveos advogados. O único atendimento que é especifico do advogado é a orientação jurídica, de resto, o advogado é um técnico como todos os outros que deve realizar visitas e atendimentos para outras finalidades pertinentes ao plano de acompanhamento familiar. As assistentes sociais, dentro das suas habilidades e de seus conhecimentos técnicos, não devemse furtar de atender crianças, e nem achar que atendimento lúdico é função específica dos psicólogos. Orientar e apoiar as crianças também é atribuição das assistentes sociais e advogados. Como tudo na vida requer estudo, os técnicos do CREAS devem ler, e buscar referência para qualificar seu trabalho, inclusive no atendimento infantil. Bjks. Jana.