SlideShare uma empresa Scribd logo
FÉFÉ
Tudo posso naquele que me fortalece!
Apóstolo Paulo
Como está o seu “Como está o seu “EsperançometroEsperançometro”?”?
2
A fé é a confiança da criatura em seus
destinos, é o sentimento que a eleva à
infinita Potestade, é a certeza de estar no
caminho que vai ter à verdade.
A fé cega é como farol cujo vermelho clarão
não pode traspassar o nevoeiro; a fé
esclarecida é foco elétrico que
ilumina com brilhante luz a
estrada a percorrer.
Como podemos definirComo podemos definir FéFé?? 1/41/4
Fé, Esperança, Consolações
Leon Denis, Livro Depois da Morte, Quinta Parte, cap. 44.
3
Ninguém adquire essa fé sem ter passado pelas
tribulações da dúvida, sem ter padecido as
angústias que embaraçam o caminho dos
investigadores. Muitos param em esmorecida
indecisão e flutuam longo tempo entre opostas
correntezas.
Como podemos definirComo podemos definir FéFé?? 2/42/4
4
Feliz quem crê, sabe, vê e caminha firme. A fé
então é profunda, inabalável, e habilita-o a
superar os maiores obstáculos.
Foi neste sentido que se disse que a fé
transporta montanhas, pois, como tais, podem
ser consideradas as dificuldades que os
inovadores
encontram no
seu caminho,
ou seja, as paixões,
a ignorância,
os preconceitos e o
interesse material.
Como podemos definirComo podemos definir FéFé?? 3/43/4
5
Geralmente se considera a fé como mera crença
em certos dogmas religiosos, aceitos sem exame.
Mas a verdadeira fé está na convicção que
nos anima e nos arrebata para os ideais
elevados.
Há a fé em si próprio, em uma obra material
qualquer, a fé política, a fé na pátria. Para o
artista, para o pensador, a fé é o sentimento do
ideal, é a visão do sublime fanal aceso pela mão
divina nos alcantis eternos, a fim de guiar a
Humanidade ao Bem e à Verdade.
Como podemos definirComo podemos definir FéFé?? 4/44/4
Fé, Esperança, Consolações
Leon Denis, Livro Depois da Morte, Quinta Parte, cap. 44.6
Farol aceso a fim de guiar aFarol aceso a fim de guiar a
Humanidade ao Bem e à VerdadeHumanidade ao Bem e à Verdade
FÉFÉ
7
É tempo de crise!?!?É tempo de crise!?!?
8
Não! É tempo de mudança…Não! É tempo de mudança…
e somos chamados àe somos chamados à despertardespertar
de diversas formas.de diversas formas. 9
10
Vivemos uma Crise de ValoresVivemos uma Crise de Valores
““Não se podeNão se pode mudar de uma situação históricamudar de uma situação histórica
para outrapara outra, sem se atravessar qualquer tipo de, sem se atravessar qualquer tipo de
crisecrise.” ....” ...
“Crise de“Crise de valores antigosvalores antigos e dee de
construçõesconstruções menos dignasmenos dignas e dae da
necessidade denecessidade de renovaçãorenovação.” ....” ...
““Esta é umaEsta é uma crise externa decrise externa de
valores ético-moraisvalores ético-morais, mas a sua, mas a sua
raiz, o cerne, é oraiz, o cerne, é o indivíduoindivíduo emem
uma crise ética.” ...uma crise ética.” ...
Diário de Santa Maria, 06/04/2016
“Filhos amados. A palavra crise vem sendo pronunciada
constantemente por meus irmãos na Terra. De fato, o
momento é de crise inegável nos mais variados
campos da atividade humana. Mas nada se encontra
fora do controle do Pai que nos ama, e se Ele permite
a existência de turbulências é para que possamos extrair
as lições para o nosso amadurecimento.
Na crise econômica, aprendamos a viver com mais
simplicidade.
Na crise da solidão, aprendamos a ser mais solidários.
Na crise ética, tenhamos posturas mais justas.
Mensagem sobre CriseMensagem sobre Crise
Bezerra de Menezes, Psicografia: José Carlos De Lucca
Recebida em 15/08/2015 11
Na crise do preconceito, aprendamos a respeitar
mais os irmãos que pensam diferente de nós.
Na crise do ressentimento, perdoemos um pouco
mais.
Na crise da saúde, guardemos mais equilíbrio em
nossa atitudes
Na crise do amor, deixemos o nosso coração falar
mais alto do que o egoísmo.
Mensagem sobre CriseMensagem sobre Crise
Bezerra de Menezes, Psicografia: José Carlos De Lucca
Recebida em 15/08/201512
13
14
Fé InabalávelFé Inabalável
Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec, Cap. XIX, A Fé que Transporta Montanhas
15
Acreditar em Deus, na imortalidade do Espírito, na
excelência dos postulados da reencarnação e permitir-
se abater quando convidado á demonstração da
capacidade de resistência, é lamentável queda na
leviandade ou clara demonstração de que a fé não é
real...
Permitir-se depressão porque aconteceram fenômenos
desagradáveis e até mesmo desestruturadores do
comportamento, significa não somente
debilidade emocional que apenas tem
fortaleza quando não há luta, mas
também total falta de confiança
em Deus.
Fé InabalávelFé Inabalável
Livro Atitudes Renovadas, Joanna de Angelis,
Psicografia Divaldo P. Franco
16
Quando a fé é raciocinada, estribada nas reflexões
profundas em torno dos significados existenciais, tem
capacidade para enfrentar os problemas e solucioná-
los sem amargura nem conflito, para atender as situações
penosas com tranquilidade, porque identifica em todas
essas situações as oportunidades de crescimento
interior para o encontro com a VERDADE.
O conhecimento do Espiritismo liberta a consciência
da culpa, o indivíduo de qualquer temor, facultando-lhe
uma existência risonha com esperança e realizações
edificantes pelos atos. Não apenas enseja as
perspectivas ditosas do porvir, mas sobretudo ajuda a
trabalhar o momento em que se vive, preparando aquele
que virá".
Fé InabalávelFé Inabalável
Livro Atitudes Renovadas, Joanna de Angelis, Psicografia Divaldo P. Franco17
Ter fé é guardar no coração a luminosa certeza
em Deus, certeza que ultrapassou o âmbito da
crença religiosa, fazendo o coração repousar numa
energia constante de realização divina da
personalidade.
Conseguir a fé é alcançar a possibilidade de não
mais dizer “eu creio”, mas afirmar “eu sei”, com
todos os valores da razão tocados pela
luz do sentimento.
O que é ter Fé?O que é ter Fé?
Livro O Consolador, Emmanuel, item 354,
Francisco Candido Xavier 18
Essa fé não pode estagnar em nenhuma
circunstância da vida e sabe trabalhar sempre,
intensificando a amplitude de sua iluminação, pela
dor ou pela responsabilidade, pelo esforço e pelo
dever cumprido.
Traduzindo a certeza na assistência de Deus, ela
exprime a confiança que sabe enfrentar todas as
lutas e problemas, com a luz divina no coração, e
significa a humildade redentora que edifica no
íntimo do espírito a disposição sincera do discípulo,
relativamente ao “faça-se no escravo a vontade do
Senhor”.
O que é ter Fé?O que é ter Fé?
Livro O Consolador, Emmanuel, Francisco Candido Xavier19
20
Três rapazes suspiravam por encontrar o Senhor, a fim de
fazer-lhe rogativas.
Depois de muitas orações, eis que, certa vez, no campo
em que trabalhavam, apareceu-lhes o carro do Senhor,
guiado pelos anjos.
Radiante de luz, o Divino Amigo desceu da carruagem e
pôs-se a ouvi-los.
Os três ajoelharam-se em lágrimas de júbilo e o primeiro
implorou a Jesus o favor da riqueza. O Mestre, bondoso,
determinou que um dos anjos lhe entregasse enorme
tesouro em moedas, O segundo suplicou a beleza perfeita
e o Celeste Benfeitor mandou que um dos servidores lhe
desse um milagroso unguento a fim de que a formosura lhe
brilhasse no rosto.
Estória sobre Fé e EsperançaEstória sobre Fé e Esperança
Livro "Pai Nosso", espírito Meimei, Francisco Candido Xavier21
O terceiro exclamou com fé:
— Senhor, eu não sei escolher... Dá-me o que for justo,
segundo a tua vontade.
O Mestre sorriu e recomendou a um dos seus anjos lhe
entregasse uma grande bolsa.
Em seguida, abençoou-os e partiu...
O moço que recebera a bolsa abriu-a, ansioso, mas, oh!
desencanto!... Ela continha simplesmente uma enorme
pedra.
Os companheiros riram-se dele, supondo-o ludibriado, mas
o jovem afirmou a sua fé no Senhor, levou consigo a pedra e
começou a desbastá-la, procurando, procurando...
Estória sobre Fé e EsperançaEstória sobre Fé e Esperança
Livro "Pai Nosso", espírito Meimei, Francisco Candido Xavier22
Depois de algum tempo, chegou ao coração do bloco endurecido
e encontrou aí um soberbo diamante. Com ele adquiriu grande
fortuna e com a fortuna construiu uma casa onde os doentes
pudessem encontrar refúgio e alivio, em nome do Senhor.
Vivia feliz, cuidando de seu trabalho, quando, um dia, dois
enfermos bateram à porta. Não teve dificuldade em reconhecê-
los. Eram os dois antigos colegas de oração, que se haviam
enganado com o ouro e com a beleza, adquirindo apenas
doença e cansaço, miséria e desilusão.
Abraçaram-se, chorando de alegria e, nesse instante, o Divino
Mestre apareceu entre eles e falou:
— Bem-aventurados todos aqueles que sabem aproveitar as
pedras da vida, porque a fé e a perseverança no bem são os
dois grandes alicerces do Reino de Deus.
Estória sobre Fé e EsperançaEstória sobre Fé e Esperança
Livro "Pai Nosso", espírito Meimei, Francisco Candido Xavier23
““Pois que alcançais o fim da vossa fé, a saber, aPois que alcançais o fim da vossa fé, a saber, a
salvação das vossas almas.” (1 Pedro 1:9)salvação das vossas almas.” (1 Pedro 1:9)
Qual a finalidade do esforço religioso em minha vida? Esta é
a interrogação que todos os crentes deveriam formular a si
mesmos, frequentemente.
O trabalho de auto-esclarecimento abriria novos
caminhos à visão espiritual.
Raramente se entrega o homem aos exercícios da fé, sem
espírito de comercialismo inferior. Comumente, busca-se o
templo religioso com a preocupação de ganhar alguma
coisa para o dia que passa.
Objetivo da FéObjetivo da Fé
Livro Vinha de Luz. espírito Emmanuel. Francisco C. Xavier24
Raciocínios elementares, contudo, conduziriam o
pensamento a mais vastas ilações.
Seria a crença tão somente recurso para facilitar certas
operações mecânicas ou rudimentares da vida humana?
Os irracionais, porventura, não as realizam sem maior
esforço? Nutrir-se, repousar, dilatar a espécie, são
característicos dos próprios seres embrionários.
O objetivo da fé constitui realização mais profunda. É a
“salvação” a que se reporta a Boa Nova, por excelência. E
como Deus não nos criou para a perdição, salvar, segundo o
Evangelho, significa elevar, purificar e sublimar,
intensificando-se a iluminação do espírito para a Vida
eterna.
Objetivo da FéObjetivo da Fé
Livro Vinha de Luz. espírito Emmanuel. Francisco C. Xavier25
Não há vitória da claridade sem expulsão das sombras,
nem elevação sem suor da subida.
A fé representa a bússola, a lâmpada acesa a orientar-
nos os passos através dos obstáculos; localizá-la em
ângulos inferiores do caminho é um engano de
consequências desastrosas, porque, muito longe de ser uma
alavanca de impulsão
para baixo, é asa
libertadora a
conduzir para cima.
Objetivo da FéObjetivo da Fé
Livro Vinha
de Luz.
espírito
Emmanuel.
Francisco
C. Xavier
26
O discípulo aplicado assevera:
— De mim mesmo, nada possuo de bom, mas Jesus
me suprirá de recursos, segundo as minhas
necessidades.
— Não disponho de perfeito conhecimento do caminho,
mas Jesus me conduzirá.
O aprendiz preguiçoso declara:
— Não descreio da bondade de Jesus, mas
não tenho forças para o trabalho cristão.
— Sei que o caminho permanece em Jesus,
mas o mundo não me permite segui-lo.
““Tudo posso naquele que me fortalece”Tudo posso naquele que me fortalece”
— Paulo. (FILIPENSES, 4:13.)— Paulo. (FILIPENSES, 4:13.)
2727
O primeiro galga a montanha da decisão. Identifica
as próprias fraquezas, entretanto, confia no
Divino Amigo e delibera viver-lhe as lições.
O segundo estima o descanso no vale fundo da
experiência inferior. Reconhece as graças que o
Mestre lhe conferiu, todavia, prefere furtar-se a
elas.
O primeiro fixou a mente na luz divina e segue
adiante. O segundo parou o pensamento nas
próprias limitações.
““Tudo posso naquele que me fortalece”Tudo posso naquele que me fortalece”
— Paulo. (FILIPENSES, 4:13.)— Paulo. (FILIPENSES, 4:13.)
28
Livro Pão Nosso. Psicografia de Francisco
Cândido Xavier, ditado pelo Espírito Emmanuel.
O “mas” é a conjunção que, nos processos
verbalistas, habitualmente nos define a posição
íntima perante o Evangelho.
Colocada à frente do Santo Nome, exprime-nos a
firmeza e a confiança, a fé e o valor, contudo,
localizada depois dele, situa-nos a indecisão e a
ociosidade, a impermeabilidade e a indiferença.
““Tudo posso naquele que me fortalece,Tudo posso naquele que me fortalece,
mas...”mas...”
29
Três letras apenas denunciam-nos o rumo.
— Assim recomendam meus princípios, mas Jesus
pede outra coisa.
— Assim aconselha Jesus, mas não posso fazê-lo.
Através de uma palavra pequena e simples,
fazemos a profissão de fé ou a confissão de
ineficiência.
Lembremo-nos de que Paulo de Tarso, não obstante
apedrejado e perseguido, conseguiu afirmar,
vitorioso, aos filipenses: — “Tudo posso naquele
que me fortalece.”
““Tudo posso naquele que me fortalece”Tudo posso naquele que me fortalece”
— Paulo. (FILIPENSES, 4:13.)— Paulo. (FILIPENSES, 4:13.)
30
Jesus sempre na frente de
qualquer “mas”!
31
32
A Fé que Transporta MontanhasA Fé que Transporta Montanhas
A fé, para ser proveitosa, deve ser ativa; não
pode adormecer. Mãe de todas as virtudes que
conduzem a Deus, deve velar atentamente pelo
desenvolvimento das suas próprias filhas.
A esperança e a caridade são uma consequência
da fé. Essas três virtudes formam uma trindade
inseparável. Não é a fé que sustenta a esperança
de se verem cumpridas as promessas do Senhor;
porque, se não tiverdes fé, que esperareis? Não é a
fé que vos dá o amor? Pois,se não tiverdes fé,
que reconhecimento tereis, e por conseguinte,
que amor?
Fé, Mãe da Esperança e da CaridadeFé, Mãe da Esperança e da Caridade 1/41/4
Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec, Cap. XIX, A Fé que
Transporta Montanhas, José, um espírito protetor 33
A fé, divina inspiração de Deus, desperta todos os
sentimentos que conduzem o homem ao bem: é à
base da regeneração.
É, pois, necessário que essa base seja forte e
durável, pois se a menor dúvida puder abafá-la, que
será do edifício que construístes sobre ela?
Erguei, portanto, esse edifício, sobre alicerces
inabaláveis. Que a vossa fé seja mais forte que os
sofismas e as zombarias dos incrédulos, pois a fé
que não desafia o ridículo dos homens, não é
a verdadeira fé.
Fé, Mãe da Esperança e da CaridadeFé, Mãe da Esperança e da Caridade 2/42/4
Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec, Cap. XIX, A Fé que
Transporta Montanhas, José, um espírito protetor 34
A fé sincera é dominadora e contagiosa.
Comunica-se aos que não a possuíam, e nem
mesmo desejariam possuí-la; encontra palavras
persuasivas, que penetram na alma, enquanto a fé
aparente só tem palavras sonoras, que produzem
o frio e a indiferença.
Pregai pelo exemplo da vossa fé, para transmiti-la
aos homens; pregai pelo exemplo das vossas obras,
para que vejam o mérito da fé; pregai pela vossa
inabalável esperança, para que vejam a
confiança que fortifica e estimula a
enfrentar todas as vicissitudes da vida.
Fé, Mãe da Esperança e da CaridadeFé, Mãe da Esperança e da Caridade 3/43/4
Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec, Cap. XIX, A Fé que
Transporta Montanhas, José, um espírito protetor 35
Tende, portanto, a verdadeira fé, na plenitude da
sua beleza e da sua bondade, na sua pureza e na
sua racionalidade. Não aceiteis a fé sem
comprovação, essa filha cega da cegueira. Amai a
Deus, mas sabei porque o amais.
Crede nas suas promessas, mas sabei por que o
fazeis. Segui os nossos conselhos, mas conscientes
dos fins que vos propomos e dos meios que vos
indicamos para atingi-los.
Crede e esperai, sem fraquejar; os milagres
são produzidos pela fé.
Fé, Mãe da Esperança e da CaridadeFé, Mãe da Esperança e da Caridade 3/43/4
Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec, Cap. XIX, A Fé que
Transporta Montanhas, José, um espírito protetor 36
Como aumentar a
minha FÉ para sempre
entregar, confiar, aceitar
e agradecer a Deus?
A pergunta que fica...A pergunta que fica...
http://www.slideshare.net/ricardoazevedo9216/f-e-crise
 Livro Depois da Morte, Leon Denis, Quinta Parte, cap. 44.
 Livro Pão Nosso. Coleção Fonte Viva. FEB Editora.
Psicografia de Francisco Cândido Xavier, ditado pelo
Espírito Emmanuel.
 Livro Pai Nosso, ditado pelo espírito Meimei, Francisco
Candido Xavier
 O Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec
 Livro Rumos Libertadores, Joanna de Angelis, Psicografia
Divaldo P. Franco
 Livro O Consolador, Emmanuel, Francisco Candido Xavier
 O Livro dos Espíritos, Allan Kardec
Referências BibliográficasReferências Bibliográficas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a DeusO sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a Deus
Izabel Cristina Fonseca
 
Palestra Espírita - Bem e mal sofrer
Palestra Espírita - Bem e mal sofrerPalestra Espírita - Bem e mal sofrer
Palestra Espírita - Bem e mal sofrer
Divulgador do Espiritismo
 
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VIIBem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
NatyMadeira
 
Palestra o poder da fé
Palestra   o poder da féPalestra   o poder da fé
Palestra o poder da fé
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Aula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – liliAula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – lili
Roseli Lemes
 
A fé transporta montanhas cap 19 ese
A fé transporta montanhas cap 19 eseA fé transporta montanhas cap 19 ese
A fé transporta montanhas cap 19 ese
ctollin
 
Fé humana e fé divina!
Fé humana e fé divina!Fé humana e fé divina!
Fé humana e fé divina!
Leonardo Pereira
 
Felicidade E Infelicidade Relativa
Felicidade E  Infelicidade  RelativaFelicidade E  Infelicidade  Relativa
Felicidade E Infelicidade Relativa
Sergio Menezes
 
Ser Espirita
Ser EspiritaSer Espirita
Ser Espirita
Ricardo Azevedo
 
O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6
Graça Maciel
 
FéFé
Meu Reino não é deste mundo (Palestra Espírita)
Meu Reino não é deste mundo (Palestra Espírita)Meu Reino não é deste mundo (Palestra Espírita)
Meu Reino não é deste mundo (Palestra Espírita)
Marcos Antônio Alves
 
Palestra Espírita - Sede perfeitos
Palestra Espírita - Sede perfeitosPalestra Espírita - Sede perfeitos
Palestra Espírita - Sede perfeitos
Divulgador do Espiritismo
 
Pecado por pensamento
Pecado por pensamentoPecado por pensamento
Pecado por pensamento
Graça Maciel
 
O Poder da Fé
O Poder da FéO Poder da Fé
O Poder da Fé
igmateus
 
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
JulianoCarvalho29
 
Pensamento e vontade
Pensamento e vontadePensamento e vontade
Pensamento e vontade
Dalila Melo
 
Ingratidão por benefícios prestados
Ingratidão por benefícios prestadosIngratidão por benefícios prestados
Ingratidão por benefícios prestados
Graça Maciel
 
Pai Nosso
Pai NossoPai Nosso
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deusEsde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Elysio Laroide Lugarinho
 

Mais procurados (20)

O sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a DeusO sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a Deus
 
Palestra Espírita - Bem e mal sofrer
Palestra Espírita - Bem e mal sofrerPalestra Espírita - Bem e mal sofrer
Palestra Espírita - Bem e mal sofrer
 
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VIIBem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
 
Palestra o poder da fé
Palestra   o poder da féPalestra   o poder da fé
Palestra o poder da fé
 
Aula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – liliAula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – lili
 
A fé transporta montanhas cap 19 ese
A fé transporta montanhas cap 19 eseA fé transporta montanhas cap 19 ese
A fé transporta montanhas cap 19 ese
 
Fé humana e fé divina!
Fé humana e fé divina!Fé humana e fé divina!
Fé humana e fé divina!
 
Felicidade E Infelicidade Relativa
Felicidade E  Infelicidade  RelativaFelicidade E  Infelicidade  Relativa
Felicidade E Infelicidade Relativa
 
Ser Espirita
Ser EspiritaSer Espirita
Ser Espirita
 
O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6
 
FéFé
 
Meu Reino não é deste mundo (Palestra Espírita)
Meu Reino não é deste mundo (Palestra Espírita)Meu Reino não é deste mundo (Palestra Espírita)
Meu Reino não é deste mundo (Palestra Espírita)
 
Palestra Espírita - Sede perfeitos
Palestra Espírita - Sede perfeitosPalestra Espírita - Sede perfeitos
Palestra Espírita - Sede perfeitos
 
Pecado por pensamento
Pecado por pensamentoPecado por pensamento
Pecado por pensamento
 
O Poder da Fé
O Poder da FéO Poder da Fé
O Poder da Fé
 
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
 
Pensamento e vontade
Pensamento e vontadePensamento e vontade
Pensamento e vontade
 
Ingratidão por benefícios prestados
Ingratidão por benefícios prestadosIngratidão por benefícios prestados
Ingratidão por benefícios prestados
 
Pai Nosso
Pai NossoPai Nosso
Pai Nosso
 
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deusEsde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
 

Destaque

Fé e Ciência
Fé e CiênciaFé e Ciência
Fé e Ciência
Ivair Augusto Costa
 
Entre a fé e a razão
Entre a fé e a razãoEntre a fé e a razão
Entre a fé e a razão
Acr Fradelos
 
Igreja
IgrejaIgreja
Eu vejo a gloria do senhor
Eu vejo a gloria do senhorEu vejo a gloria do senhor
Eu vejo a gloria do senhor
SUSSURRO DE AMOR
 
Evangelho no Lar - Educação, Compreensão, Proteção e Paz
Evangelho no Lar - Educação, Compreensão, Proteção e PazEvangelho no Lar - Educação, Compreensão, Proteção e Paz
Evangelho no Lar - Educação, Compreensão, Proteção e Paz
Ricardo Azevedo
 
UNID 2 - ENTRE A RAZÃO E A FÉ - INTRODUÇÃO (TODOS OS CAMINHOS PARTEM DE ROMA)
UNID 2 - ENTRE A RAZÃO E A FÉ - INTRODUÇÃO (TODOS OS CAMINHOS PARTEM DE ROMA)UNID 2 - ENTRE A RAZÃO E A FÉ - INTRODUÇÃO (TODOS OS CAMINHOS PARTEM DE ROMA)
UNID 2 - ENTRE A RAZÃO E A FÉ - INTRODUÇÃO (TODOS OS CAMINHOS PARTEM DE ROMA)
José Ferreira Júnior
 
Amigo De Deus
Amigo De DeusAmigo De Deus
Pela fé andré valadao
Pela fé   andré valadaoPela fé   andré valadao
Pela fé andré valadao
SUSSURRO DE AMOR
 
Parábola dos Talentos - Propósito
Parábola dos Talentos - PropósitoParábola dos Talentos - Propósito
Parábola dos Talentos - Propósito
Ricardo Azevedo
 
Tiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obrasTiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obras
Moisés Sampaio
 
Palestra Espírita - A fé humana e a fé divina
Palestra Espírita - A fé humana e a fé divinaPalestra Espírita - A fé humana e a fé divina
Palestra Espírita - A fé humana e a fé divina
Divulgador do Espiritismo
 
O equilibrista e_a_fé
O equilibrista e_a_féO equilibrista e_a_fé
O equilibrista e_a_fé
Presentepravoce SOS
 
Lbj lição 11 A forma do culto
Lbj lição 11   A forma do cultoLbj lição 11   A forma do culto
Lbj lição 11 A forma do culto
boasnovassena
 
Ter fé
Ter féTer fé
Ter fé
clauzely
 
Palestra a fé e sua vivência
Palestra  a fé e sua vivênciaPalestra  a fé e sua vivência
Palestra a fé e sua vivência
Cursilho Ged Taguatinga Df
 
Humildade - A primeira virtude
Humildade - A primeira virtudeHumildade - A primeira virtude
Humildade - A primeira virtude
Ricardo Azevedo
 
O culto cristão a forma
O culto cristão   a formaO culto cristão   a forma
O culto cristão a forma
Rovanildo Vieira Soares
 
Eu vejo a glória do senhor
Eu vejo a glória do senhorEu vejo a glória do senhor
Eu vejo a glória do senhor
Ivan Monteiro
 
Aula EBD - Adoração que agrada a Deus
Aula EBD - Adoração que agrada a DeusAula EBD - Adoração que agrada a Deus
Aula EBD - Adoração que agrada a Deus
Dilsilei Monteiro
 
Louvor e adoração
Louvor e adoraçãoLouvor e adoração
Louvor e adoração
igmrecabitas
 

Destaque (20)

Fé e Ciência
Fé e CiênciaFé e Ciência
Fé e Ciência
 
Entre a fé e a razão
Entre a fé e a razãoEntre a fé e a razão
Entre a fé e a razão
 
Igreja
IgrejaIgreja
Igreja
 
Eu vejo a gloria do senhor
Eu vejo a gloria do senhorEu vejo a gloria do senhor
Eu vejo a gloria do senhor
 
Evangelho no Lar - Educação, Compreensão, Proteção e Paz
Evangelho no Lar - Educação, Compreensão, Proteção e PazEvangelho no Lar - Educação, Compreensão, Proteção e Paz
Evangelho no Lar - Educação, Compreensão, Proteção e Paz
 
UNID 2 - ENTRE A RAZÃO E A FÉ - INTRODUÇÃO (TODOS OS CAMINHOS PARTEM DE ROMA)
UNID 2 - ENTRE A RAZÃO E A FÉ - INTRODUÇÃO (TODOS OS CAMINHOS PARTEM DE ROMA)UNID 2 - ENTRE A RAZÃO E A FÉ - INTRODUÇÃO (TODOS OS CAMINHOS PARTEM DE ROMA)
UNID 2 - ENTRE A RAZÃO E A FÉ - INTRODUÇÃO (TODOS OS CAMINHOS PARTEM DE ROMA)
 
Amigo De Deus
Amigo De DeusAmigo De Deus
Amigo De Deus
 
Pela fé andré valadao
Pela fé   andré valadaoPela fé   andré valadao
Pela fé andré valadao
 
Parábola dos Talentos - Propósito
Parábola dos Talentos - PropósitoParábola dos Talentos - Propósito
Parábola dos Talentos - Propósito
 
Tiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obrasTiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obras
 
Palestra Espírita - A fé humana e a fé divina
Palestra Espírita - A fé humana e a fé divinaPalestra Espírita - A fé humana e a fé divina
Palestra Espírita - A fé humana e a fé divina
 
O equilibrista e_a_fé
O equilibrista e_a_féO equilibrista e_a_fé
O equilibrista e_a_fé
 
Lbj lição 11 A forma do culto
Lbj lição 11   A forma do cultoLbj lição 11   A forma do culto
Lbj lição 11 A forma do culto
 
Ter fé
Ter féTer fé
Ter fé
 
Palestra a fé e sua vivência
Palestra  a fé e sua vivênciaPalestra  a fé e sua vivência
Palestra a fé e sua vivência
 
Humildade - A primeira virtude
Humildade - A primeira virtudeHumildade - A primeira virtude
Humildade - A primeira virtude
 
O culto cristão a forma
O culto cristão   a formaO culto cristão   a forma
O culto cristão a forma
 
Eu vejo a glória do senhor
Eu vejo a glória do senhorEu vejo a glória do senhor
Eu vejo a glória do senhor
 
Aula EBD - Adoração que agrada a Deus
Aula EBD - Adoração que agrada a DeusAula EBD - Adoração que agrada a Deus
Aula EBD - Adoração que agrada a Deus
 
Louvor e adoração
Louvor e adoraçãoLouvor e adoração
Louvor e adoração
 

Semelhante a Fé e crise

Fé em tempos de crise - 2a. edição
Fé em tempos de crise - 2a. ediçãoFé em tempos de crise - 2a. edição
Fé em tempos de crise - 2a. edição
Ricardo Azevedo
 
A fé transporta montanhas
A fé transporta montanhasA fé transporta montanhas
A fé transporta montanhas
elanojose
 
A fé transporta montanhas
A fé transporta montanhasA fé transporta montanhas
A fé transporta montanhas
elanojose
 
Série Evangelho no Lar - Cap. 24 - Vantagens Ocultas
Série Evangelho no Lar - Cap. 24 - Vantagens OcultasSérie Evangelho no Lar - Cap. 24 - Vantagens Ocultas
Série Evangelho no Lar - Cap. 24 - Vantagens Ocultas
Ricardo Azevedo
 
Edição n. 57 do CH Noticias - Março/2020
Edição n. 57 do CH Noticias - Março/2020Edição n. 57 do CH Noticias - Março/2020
Edição n. 57 do CH Noticias - Março/2020
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
A fe transporta montanhas exposic
A fe transporta montanhas exposicA fe transporta montanhas exposic
A fe transporta montanhas exposic
sergiolanza
 
Adversidades da vida
Adversidades da vidaAdversidades da vida
Adversidades da vida
Helio Cruz
 
ESPERANÇA SEGUNDO O ESPIRITISMO.docx
ESPERANÇA SEGUNDO O ESPIRITISMO.docxESPERANÇA SEGUNDO O ESPIRITISMO.docx
ESPERANÇA SEGUNDO O ESPIRITISMO.docx
Mecha Vega
 
A comunhão com deus (sef)
A comunhão com deus (sef)A comunhão com deus (sef)
A comunhão com deus (sef)
Ricardo Akerman
 
A fé religiosa
A fé religiosaA fé religiosa
A fé religiosa
Dalila Melo
 
Série Evangelho no Lar - Cap. 35 - Irmãos Necessitados
Série Evangelho no Lar - Cap. 35 - Irmãos NecessitadosSérie Evangelho no Lar - Cap. 35 - Irmãos Necessitados
Série Evangelho no Lar - Cap. 35 - Irmãos Necessitados
Ricardo Azevedo
 
A alegria de servir
A alegria de servirA alegria de servir
A alegria de servir
Eduardo Manoel Araujo
 
Série Evangelho no Lar - Cap. 18 - Petição e Resposta
Série Evangelho no Lar - Cap. 18 - Petição e RespostaSérie Evangelho no Lar - Cap. 18 - Petição e Resposta
Série Evangelho no Lar - Cap. 18 - Petição e Resposta
Ricardo Azevedo
 
Conquista da Paz de Espirito
Conquista da Paz de EspiritoConquista da Paz de Espirito
Conquista da Paz de Espirito
Renato Arabe Saraiva
 
Aftransportamontanhascap19ese 110501172205-phpapp01
Aftransportamontanhascap19ese 110501172205-phpapp01Aftransportamontanhascap19ese 110501172205-phpapp01
Aftransportamontanhascap19ese 110501172205-phpapp01
Convisa Construtora e Incorporadora Ltda.
 
Fonte de paz (psicografia chico xavier espíritos diversos)
Fonte de paz (psicografia chico xavier   espíritos diversos)Fonte de paz (psicografia chico xavier   espíritos diversos)
Fonte de paz (psicografia chico xavier espíritos diversos)
Ricardo Akerman
 
Boletim o pae agosto 2017 final
Boletim o pae   agosto 2017 finalBoletim o pae   agosto 2017 final
Boletim o pae agosto 2017 final
O PAE PAE
 
Série Evangelho no Lar - Cap. 36 - As Outras Pessoas
Série Evangelho no Lar - Cap. 36 - As Outras PessoasSérie Evangelho no Lar - Cap. 36 - As Outras Pessoas
Série Evangelho no Lar - Cap. 36 - As Outras Pessoas
Ricardo Azevedo
 
Ante a tempestade
Ante a tempestadeAnte a tempestade
Ante a tempestade
Helio Cruz
 
De nada vale a fé sem obras
De nada vale a fé sem obrasDe nada vale a fé sem obras
De nada vale a fé sem obras
Helio Cruz
 

Semelhante a Fé e crise (20)

Fé em tempos de crise - 2a. edição
Fé em tempos de crise - 2a. ediçãoFé em tempos de crise - 2a. edição
Fé em tempos de crise - 2a. edição
 
A fé transporta montanhas
A fé transporta montanhasA fé transporta montanhas
A fé transporta montanhas
 
A fé transporta montanhas
A fé transporta montanhasA fé transporta montanhas
A fé transporta montanhas
 
Série Evangelho no Lar - Cap. 24 - Vantagens Ocultas
Série Evangelho no Lar - Cap. 24 - Vantagens OcultasSérie Evangelho no Lar - Cap. 24 - Vantagens Ocultas
Série Evangelho no Lar - Cap. 24 - Vantagens Ocultas
 
Edição n. 57 do CH Noticias - Março/2020
Edição n. 57 do CH Noticias - Março/2020Edição n. 57 do CH Noticias - Março/2020
Edição n. 57 do CH Noticias - Março/2020
 
A fe transporta montanhas exposic
A fe transporta montanhas exposicA fe transporta montanhas exposic
A fe transporta montanhas exposic
 
Adversidades da vida
Adversidades da vidaAdversidades da vida
Adversidades da vida
 
ESPERANÇA SEGUNDO O ESPIRITISMO.docx
ESPERANÇA SEGUNDO O ESPIRITISMO.docxESPERANÇA SEGUNDO O ESPIRITISMO.docx
ESPERANÇA SEGUNDO O ESPIRITISMO.docx
 
A comunhão com deus (sef)
A comunhão com deus (sef)A comunhão com deus (sef)
A comunhão com deus (sef)
 
A fé religiosa
A fé religiosaA fé religiosa
A fé religiosa
 
Série Evangelho no Lar - Cap. 35 - Irmãos Necessitados
Série Evangelho no Lar - Cap. 35 - Irmãos NecessitadosSérie Evangelho no Lar - Cap. 35 - Irmãos Necessitados
Série Evangelho no Lar - Cap. 35 - Irmãos Necessitados
 
A alegria de servir
A alegria de servirA alegria de servir
A alegria de servir
 
Série Evangelho no Lar - Cap. 18 - Petição e Resposta
Série Evangelho no Lar - Cap. 18 - Petição e RespostaSérie Evangelho no Lar - Cap. 18 - Petição e Resposta
Série Evangelho no Lar - Cap. 18 - Petição e Resposta
 
Conquista da Paz de Espirito
Conquista da Paz de EspiritoConquista da Paz de Espirito
Conquista da Paz de Espirito
 
Aftransportamontanhascap19ese 110501172205-phpapp01
Aftransportamontanhascap19ese 110501172205-phpapp01Aftransportamontanhascap19ese 110501172205-phpapp01
Aftransportamontanhascap19ese 110501172205-phpapp01
 
Fonte de paz (psicografia chico xavier espíritos diversos)
Fonte de paz (psicografia chico xavier   espíritos diversos)Fonte de paz (psicografia chico xavier   espíritos diversos)
Fonte de paz (psicografia chico xavier espíritos diversos)
 
Boletim o pae agosto 2017 final
Boletim o pae   agosto 2017 finalBoletim o pae   agosto 2017 final
Boletim o pae agosto 2017 final
 
Série Evangelho no Lar - Cap. 36 - As Outras Pessoas
Série Evangelho no Lar - Cap. 36 - As Outras PessoasSérie Evangelho no Lar - Cap. 36 - As Outras Pessoas
Série Evangelho no Lar - Cap. 36 - As Outras Pessoas
 
Ante a tempestade
Ante a tempestadeAnte a tempestade
Ante a tempestade
 
De nada vale a fé sem obras
De nada vale a fé sem obrasDe nada vale a fé sem obras
De nada vale a fé sem obras
 

Mais de Ricardo Azevedo

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Saibamos Relembrar
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Saibamos RelembrarSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Saibamos Relembrar
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Saibamos Relembrar
Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 139 - Oferendas
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 139 - OferendasSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 139 - Oferendas
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 139 - Oferendas
Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos Isso
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos IssoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos Isso
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos Isso
Ricardo Azevedo
 
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 137 - Inimigos
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 137 - InimigosEvangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 137 - Inimigos
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 137 - Inimigos
Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 136 - Conflito
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 136 - ConflitoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 136 - Conflito
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 136 - Conflito
Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 134 - Nutrição Espiritual
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 134 - Nutrição EspiritualSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 134 - Nutrição Espiritual
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 134 - Nutrição Espiritual
Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 132 - Em tudo
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 132 - Em tudoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 132 - Em tudo
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 132 - Em tudo
Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 131 - O Mundo e a Crença
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 131 - O Mundo e a CrençaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 131 - O Mundo e a Crença
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 131 - O Mundo e a Crença
Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?
Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 128 - É porque ignoram
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 128 - É porque ignoramSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 128 - É porque ignoram
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 128 - É porque ignoram
Ricardo Azevedo
 
Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)
Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)
Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)
Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de Retorno
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de RetornoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de Retorno
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de Retorno
Ricardo Azevedo
 
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 126 - Espinhos
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 126 - EspinhosEvangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 126 - Espinhos
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 126 - Espinhos
Ricardo Azevedo
 
Sintonia - Escolha, Pensamento e Elevação
Sintonia - Escolha, Pensamento e ElevaçãoSintonia - Escolha, Pensamento e Elevação
Sintonia - Escolha, Pensamento e Elevação
Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 125 - Separação
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 125 - SeparaçãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 125 - Separação
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 125 - Separação
Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 124 - Não Falta
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 124 - Não FaltaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 124 - Não Falta
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 124 - Não Falta
Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição Comum
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição ComumSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição Comum
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição Comum
Ricardo Azevedo
 

Mais de Ricardo Azevedo (20)

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Saibamos Relembrar
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Saibamos RelembrarSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Saibamos Relembrar
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Saibamos Relembrar
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 139 - Oferendas
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 139 - OferendasSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 139 - Oferendas
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 139 - Oferendas
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos Isso
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos IssoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos Isso
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 140 - Vejamos Isso
 
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 137 - Inimigos
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 137 - InimigosEvangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 137 - Inimigos
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 137 - Inimigos
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 136 - Conflito
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 136 - ConflitoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 136 - Conflito
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 136 - Conflito
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 134 - Nutrição Espiritual
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 134 - Nutrição EspiritualSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 134 - Nutrição Espiritual
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 134 - Nutrição Espiritual
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 132 - Em tudo
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 132 - Em tudoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 132 - Em tudo
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 132 - Em tudo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 131 - O Mundo e a Crença
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 131 - O Mundo e a CrençaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 131 - O Mundo e a Crença
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 131 - O Mundo e a Crença
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 128 - É porque ignoram
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 128 - É porque ignoramSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 128 - É porque ignoram
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 128 - É porque ignoram
 
Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)
Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)
Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de Retorno
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de RetornoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de Retorno
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de Retorno
 
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 126 - Espinhos
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 126 - EspinhosEvangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 126 - Espinhos
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 126 - Espinhos
 
Sintonia - Escolha, Pensamento e Elevação
Sintonia - Escolha, Pensamento e ElevaçãoSintonia - Escolha, Pensamento e Elevação
Sintonia - Escolha, Pensamento e Elevação
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 125 - Separação
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 125 - SeparaçãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 125 - Separação
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 125 - Separação
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 124 - Não Falta
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 124 - Não FaltaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 124 - Não Falta
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 124 - Não Falta
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição Comum
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição ComumSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição Comum
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição Comum
 

Último

Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo DiaFesta das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
André Luiz Marques
 
Salmo 91
Salmo 91Salmo 91
Salmo 91
Nilson Almeida
 
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdfEstudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
JaquelineSantosBasto
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
a futura religião da nova ordem mundial.
a  futura religião da nova ordem mundial.a  futura religião da nova ordem mundial.
a futura religião da nova ordem mundial.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
claudiovieira83
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicosSEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
REFORMADOR PROTESTANTE
 

Último (15)

Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo DiaFesta das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Salmo 91
Salmo 91Salmo 91
Salmo 91
 
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdfEstudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
a futura religião da nova ordem mundial.
a  futura religião da nova ordem mundial.a  futura religião da nova ordem mundial.
a futura religião da nova ordem mundial.
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicosSEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
 

Fé e crise

  • 1. FÉFÉ Tudo posso naquele que me fortalece! Apóstolo Paulo
  • 2. Como está o seu “Como está o seu “EsperançometroEsperançometro”?”? 2
  • 3. A fé é a confiança da criatura em seus destinos, é o sentimento que a eleva à infinita Potestade, é a certeza de estar no caminho que vai ter à verdade. A fé cega é como farol cujo vermelho clarão não pode traspassar o nevoeiro; a fé esclarecida é foco elétrico que ilumina com brilhante luz a estrada a percorrer. Como podemos definirComo podemos definir FéFé?? 1/41/4 Fé, Esperança, Consolações Leon Denis, Livro Depois da Morte, Quinta Parte, cap. 44. 3
  • 4. Ninguém adquire essa fé sem ter passado pelas tribulações da dúvida, sem ter padecido as angústias que embaraçam o caminho dos investigadores. Muitos param em esmorecida indecisão e flutuam longo tempo entre opostas correntezas. Como podemos definirComo podemos definir FéFé?? 2/42/4 4
  • 5. Feliz quem crê, sabe, vê e caminha firme. A fé então é profunda, inabalável, e habilita-o a superar os maiores obstáculos. Foi neste sentido que se disse que a fé transporta montanhas, pois, como tais, podem ser consideradas as dificuldades que os inovadores encontram no seu caminho, ou seja, as paixões, a ignorância, os preconceitos e o interesse material. Como podemos definirComo podemos definir FéFé?? 3/43/4 5
  • 6. Geralmente se considera a fé como mera crença em certos dogmas religiosos, aceitos sem exame. Mas a verdadeira fé está na convicção que nos anima e nos arrebata para os ideais elevados. Há a fé em si próprio, em uma obra material qualquer, a fé política, a fé na pátria. Para o artista, para o pensador, a fé é o sentimento do ideal, é a visão do sublime fanal aceso pela mão divina nos alcantis eternos, a fim de guiar a Humanidade ao Bem e à Verdade. Como podemos definirComo podemos definir FéFé?? 4/44/4 Fé, Esperança, Consolações Leon Denis, Livro Depois da Morte, Quinta Parte, cap. 44.6
  • 7. Farol aceso a fim de guiar aFarol aceso a fim de guiar a Humanidade ao Bem e à VerdadeHumanidade ao Bem e à Verdade FÉFÉ 7
  • 8. É tempo de crise!?!?É tempo de crise!?!? 8
  • 9. Não! É tempo de mudança…Não! É tempo de mudança… e somos chamados àe somos chamados à despertardespertar de diversas formas.de diversas formas. 9
  • 10. 10 Vivemos uma Crise de ValoresVivemos uma Crise de Valores ““Não se podeNão se pode mudar de uma situação históricamudar de uma situação histórica para outrapara outra, sem se atravessar qualquer tipo de, sem se atravessar qualquer tipo de crisecrise.” ....” ... “Crise de“Crise de valores antigosvalores antigos e dee de construçõesconstruções menos dignasmenos dignas e dae da necessidade denecessidade de renovaçãorenovação.” ....” ... ““Esta é umaEsta é uma crise externa decrise externa de valores ético-moraisvalores ético-morais, mas a sua, mas a sua raiz, o cerne, é oraiz, o cerne, é o indivíduoindivíduo emem uma crise ética.” ...uma crise ética.” ... Diário de Santa Maria, 06/04/2016
  • 11. “Filhos amados. A palavra crise vem sendo pronunciada constantemente por meus irmãos na Terra. De fato, o momento é de crise inegável nos mais variados campos da atividade humana. Mas nada se encontra fora do controle do Pai que nos ama, e se Ele permite a existência de turbulências é para que possamos extrair as lições para o nosso amadurecimento. Na crise econômica, aprendamos a viver com mais simplicidade. Na crise da solidão, aprendamos a ser mais solidários. Na crise ética, tenhamos posturas mais justas. Mensagem sobre CriseMensagem sobre Crise Bezerra de Menezes, Psicografia: José Carlos De Lucca Recebida em 15/08/2015 11
  • 12. Na crise do preconceito, aprendamos a respeitar mais os irmãos que pensam diferente de nós. Na crise do ressentimento, perdoemos um pouco mais. Na crise da saúde, guardemos mais equilíbrio em nossa atitudes Na crise do amor, deixemos o nosso coração falar mais alto do que o egoísmo. Mensagem sobre CriseMensagem sobre Crise Bezerra de Menezes, Psicografia: José Carlos De Lucca Recebida em 15/08/201512
  • 13. 13
  • 14. 14
  • 15. Fé InabalávelFé Inabalável Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec, Cap. XIX, A Fé que Transporta Montanhas 15
  • 16. Acreditar em Deus, na imortalidade do Espírito, na excelência dos postulados da reencarnação e permitir- se abater quando convidado á demonstração da capacidade de resistência, é lamentável queda na leviandade ou clara demonstração de que a fé não é real... Permitir-se depressão porque aconteceram fenômenos desagradáveis e até mesmo desestruturadores do comportamento, significa não somente debilidade emocional que apenas tem fortaleza quando não há luta, mas também total falta de confiança em Deus. Fé InabalávelFé Inabalável Livro Atitudes Renovadas, Joanna de Angelis, Psicografia Divaldo P. Franco 16
  • 17. Quando a fé é raciocinada, estribada nas reflexões profundas em torno dos significados existenciais, tem capacidade para enfrentar os problemas e solucioná- los sem amargura nem conflito, para atender as situações penosas com tranquilidade, porque identifica em todas essas situações as oportunidades de crescimento interior para o encontro com a VERDADE. O conhecimento do Espiritismo liberta a consciência da culpa, o indivíduo de qualquer temor, facultando-lhe uma existência risonha com esperança e realizações edificantes pelos atos. Não apenas enseja as perspectivas ditosas do porvir, mas sobretudo ajuda a trabalhar o momento em que se vive, preparando aquele que virá". Fé InabalávelFé Inabalável Livro Atitudes Renovadas, Joanna de Angelis, Psicografia Divaldo P. Franco17
  • 18. Ter fé é guardar no coração a luminosa certeza em Deus, certeza que ultrapassou o âmbito da crença religiosa, fazendo o coração repousar numa energia constante de realização divina da personalidade. Conseguir a fé é alcançar a possibilidade de não mais dizer “eu creio”, mas afirmar “eu sei”, com todos os valores da razão tocados pela luz do sentimento. O que é ter Fé?O que é ter Fé? Livro O Consolador, Emmanuel, item 354, Francisco Candido Xavier 18
  • 19. Essa fé não pode estagnar em nenhuma circunstância da vida e sabe trabalhar sempre, intensificando a amplitude de sua iluminação, pela dor ou pela responsabilidade, pelo esforço e pelo dever cumprido. Traduzindo a certeza na assistência de Deus, ela exprime a confiança que sabe enfrentar todas as lutas e problemas, com a luz divina no coração, e significa a humildade redentora que edifica no íntimo do espírito a disposição sincera do discípulo, relativamente ao “faça-se no escravo a vontade do Senhor”. O que é ter Fé?O que é ter Fé? Livro O Consolador, Emmanuel, Francisco Candido Xavier19
  • 20. 20
  • 21. Três rapazes suspiravam por encontrar o Senhor, a fim de fazer-lhe rogativas. Depois de muitas orações, eis que, certa vez, no campo em que trabalhavam, apareceu-lhes o carro do Senhor, guiado pelos anjos. Radiante de luz, o Divino Amigo desceu da carruagem e pôs-se a ouvi-los. Os três ajoelharam-se em lágrimas de júbilo e o primeiro implorou a Jesus o favor da riqueza. O Mestre, bondoso, determinou que um dos anjos lhe entregasse enorme tesouro em moedas, O segundo suplicou a beleza perfeita e o Celeste Benfeitor mandou que um dos servidores lhe desse um milagroso unguento a fim de que a formosura lhe brilhasse no rosto. Estória sobre Fé e EsperançaEstória sobre Fé e Esperança Livro "Pai Nosso", espírito Meimei, Francisco Candido Xavier21
  • 22. O terceiro exclamou com fé: — Senhor, eu não sei escolher... Dá-me o que for justo, segundo a tua vontade. O Mestre sorriu e recomendou a um dos seus anjos lhe entregasse uma grande bolsa. Em seguida, abençoou-os e partiu... O moço que recebera a bolsa abriu-a, ansioso, mas, oh! desencanto!... Ela continha simplesmente uma enorme pedra. Os companheiros riram-se dele, supondo-o ludibriado, mas o jovem afirmou a sua fé no Senhor, levou consigo a pedra e começou a desbastá-la, procurando, procurando... Estória sobre Fé e EsperançaEstória sobre Fé e Esperança Livro "Pai Nosso", espírito Meimei, Francisco Candido Xavier22
  • 23. Depois de algum tempo, chegou ao coração do bloco endurecido e encontrou aí um soberbo diamante. Com ele adquiriu grande fortuna e com a fortuna construiu uma casa onde os doentes pudessem encontrar refúgio e alivio, em nome do Senhor. Vivia feliz, cuidando de seu trabalho, quando, um dia, dois enfermos bateram à porta. Não teve dificuldade em reconhecê- los. Eram os dois antigos colegas de oração, que se haviam enganado com o ouro e com a beleza, adquirindo apenas doença e cansaço, miséria e desilusão. Abraçaram-se, chorando de alegria e, nesse instante, o Divino Mestre apareceu entre eles e falou: — Bem-aventurados todos aqueles que sabem aproveitar as pedras da vida, porque a fé e a perseverança no bem são os dois grandes alicerces do Reino de Deus. Estória sobre Fé e EsperançaEstória sobre Fé e Esperança Livro "Pai Nosso", espírito Meimei, Francisco Candido Xavier23
  • 24. ““Pois que alcançais o fim da vossa fé, a saber, aPois que alcançais o fim da vossa fé, a saber, a salvação das vossas almas.” (1 Pedro 1:9)salvação das vossas almas.” (1 Pedro 1:9) Qual a finalidade do esforço religioso em minha vida? Esta é a interrogação que todos os crentes deveriam formular a si mesmos, frequentemente. O trabalho de auto-esclarecimento abriria novos caminhos à visão espiritual. Raramente se entrega o homem aos exercícios da fé, sem espírito de comercialismo inferior. Comumente, busca-se o templo religioso com a preocupação de ganhar alguma coisa para o dia que passa. Objetivo da FéObjetivo da Fé Livro Vinha de Luz. espírito Emmanuel. Francisco C. Xavier24
  • 25. Raciocínios elementares, contudo, conduziriam o pensamento a mais vastas ilações. Seria a crença tão somente recurso para facilitar certas operações mecânicas ou rudimentares da vida humana? Os irracionais, porventura, não as realizam sem maior esforço? Nutrir-se, repousar, dilatar a espécie, são característicos dos próprios seres embrionários. O objetivo da fé constitui realização mais profunda. É a “salvação” a que se reporta a Boa Nova, por excelência. E como Deus não nos criou para a perdição, salvar, segundo o Evangelho, significa elevar, purificar e sublimar, intensificando-se a iluminação do espírito para a Vida eterna. Objetivo da FéObjetivo da Fé Livro Vinha de Luz. espírito Emmanuel. Francisco C. Xavier25
  • 26. Não há vitória da claridade sem expulsão das sombras, nem elevação sem suor da subida. A fé representa a bússola, a lâmpada acesa a orientar- nos os passos através dos obstáculos; localizá-la em ângulos inferiores do caminho é um engano de consequências desastrosas, porque, muito longe de ser uma alavanca de impulsão para baixo, é asa libertadora a conduzir para cima. Objetivo da FéObjetivo da Fé Livro Vinha de Luz. espírito Emmanuel. Francisco C. Xavier 26
  • 27. O discípulo aplicado assevera: — De mim mesmo, nada possuo de bom, mas Jesus me suprirá de recursos, segundo as minhas necessidades. — Não disponho de perfeito conhecimento do caminho, mas Jesus me conduzirá. O aprendiz preguiçoso declara: — Não descreio da bondade de Jesus, mas não tenho forças para o trabalho cristão. — Sei que o caminho permanece em Jesus, mas o mundo não me permite segui-lo. ““Tudo posso naquele que me fortalece”Tudo posso naquele que me fortalece” — Paulo. (FILIPENSES, 4:13.)— Paulo. (FILIPENSES, 4:13.) 2727
  • 28. O primeiro galga a montanha da decisão. Identifica as próprias fraquezas, entretanto, confia no Divino Amigo e delibera viver-lhe as lições. O segundo estima o descanso no vale fundo da experiência inferior. Reconhece as graças que o Mestre lhe conferiu, todavia, prefere furtar-se a elas. O primeiro fixou a mente na luz divina e segue adiante. O segundo parou o pensamento nas próprias limitações. ““Tudo posso naquele que me fortalece”Tudo posso naquele que me fortalece” — Paulo. (FILIPENSES, 4:13.)— Paulo. (FILIPENSES, 4:13.) 28 Livro Pão Nosso. Psicografia de Francisco Cândido Xavier, ditado pelo Espírito Emmanuel.
  • 29. O “mas” é a conjunção que, nos processos verbalistas, habitualmente nos define a posição íntima perante o Evangelho. Colocada à frente do Santo Nome, exprime-nos a firmeza e a confiança, a fé e o valor, contudo, localizada depois dele, situa-nos a indecisão e a ociosidade, a impermeabilidade e a indiferença. ““Tudo posso naquele que me fortalece,Tudo posso naquele que me fortalece, mas...”mas...” 29
  • 30. Três letras apenas denunciam-nos o rumo. — Assim recomendam meus princípios, mas Jesus pede outra coisa. — Assim aconselha Jesus, mas não posso fazê-lo. Através de uma palavra pequena e simples, fazemos a profissão de fé ou a confissão de ineficiência. Lembremo-nos de que Paulo de Tarso, não obstante apedrejado e perseguido, conseguiu afirmar, vitorioso, aos filipenses: — “Tudo posso naquele que me fortalece.” ““Tudo posso naquele que me fortalece”Tudo posso naquele que me fortalece” — Paulo. (FILIPENSES, 4:13.)— Paulo. (FILIPENSES, 4:13.) 30
  • 31. Jesus sempre na frente de qualquer “mas”! 31
  • 32. 32 A Fé que Transporta MontanhasA Fé que Transporta Montanhas
  • 33. A fé, para ser proveitosa, deve ser ativa; não pode adormecer. Mãe de todas as virtudes que conduzem a Deus, deve velar atentamente pelo desenvolvimento das suas próprias filhas. A esperança e a caridade são uma consequência da fé. Essas três virtudes formam uma trindade inseparável. Não é a fé que sustenta a esperança de se verem cumpridas as promessas do Senhor; porque, se não tiverdes fé, que esperareis? Não é a fé que vos dá o amor? Pois,se não tiverdes fé, que reconhecimento tereis, e por conseguinte, que amor? Fé, Mãe da Esperança e da CaridadeFé, Mãe da Esperança e da Caridade 1/41/4 Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec, Cap. XIX, A Fé que Transporta Montanhas, José, um espírito protetor 33
  • 34. A fé, divina inspiração de Deus, desperta todos os sentimentos que conduzem o homem ao bem: é à base da regeneração. É, pois, necessário que essa base seja forte e durável, pois se a menor dúvida puder abafá-la, que será do edifício que construístes sobre ela? Erguei, portanto, esse edifício, sobre alicerces inabaláveis. Que a vossa fé seja mais forte que os sofismas e as zombarias dos incrédulos, pois a fé que não desafia o ridículo dos homens, não é a verdadeira fé. Fé, Mãe da Esperança e da CaridadeFé, Mãe da Esperança e da Caridade 2/42/4 Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec, Cap. XIX, A Fé que Transporta Montanhas, José, um espírito protetor 34
  • 35. A fé sincera é dominadora e contagiosa. Comunica-se aos que não a possuíam, e nem mesmo desejariam possuí-la; encontra palavras persuasivas, que penetram na alma, enquanto a fé aparente só tem palavras sonoras, que produzem o frio e a indiferença. Pregai pelo exemplo da vossa fé, para transmiti-la aos homens; pregai pelo exemplo das vossas obras, para que vejam o mérito da fé; pregai pela vossa inabalável esperança, para que vejam a confiança que fortifica e estimula a enfrentar todas as vicissitudes da vida. Fé, Mãe da Esperança e da CaridadeFé, Mãe da Esperança e da Caridade 3/43/4 Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec, Cap. XIX, A Fé que Transporta Montanhas, José, um espírito protetor 35
  • 36. Tende, portanto, a verdadeira fé, na plenitude da sua beleza e da sua bondade, na sua pureza e na sua racionalidade. Não aceiteis a fé sem comprovação, essa filha cega da cegueira. Amai a Deus, mas sabei porque o amais. Crede nas suas promessas, mas sabei por que o fazeis. Segui os nossos conselhos, mas conscientes dos fins que vos propomos e dos meios que vos indicamos para atingi-los. Crede e esperai, sem fraquejar; os milagres são produzidos pela fé. Fé, Mãe da Esperança e da CaridadeFé, Mãe da Esperança e da Caridade 3/43/4 Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec, Cap. XIX, A Fé que Transporta Montanhas, José, um espírito protetor 36
  • 37. Como aumentar a minha FÉ para sempre entregar, confiar, aceitar e agradecer a Deus? A pergunta que fica...A pergunta que fica... http://www.slideshare.net/ricardoazevedo9216/f-e-crise
  • 38.  Livro Depois da Morte, Leon Denis, Quinta Parte, cap. 44.  Livro Pão Nosso. Coleção Fonte Viva. FEB Editora. Psicografia de Francisco Cândido Xavier, ditado pelo Espírito Emmanuel.  Livro Pai Nosso, ditado pelo espírito Meimei, Francisco Candido Xavier  O Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec  Livro Rumos Libertadores, Joanna de Angelis, Psicografia Divaldo P. Franco  Livro O Consolador, Emmanuel, Francisco Candido Xavier  O Livro dos Espíritos, Allan Kardec Referências BibliográficasReferências Bibliográficas

Notas do Editor

  1. Carta de Paulo aos Filipenses
  2. Como está o seu nível de esperança e confiança na providência divina?
  3. É conhecido como sendo o "consolidador do Espiritismo" em toda a Europa, bem como "apóstolo do Espiritismo", dadas as suas qualidades intrínsecas de estudioso do Espiritismo.
  4. Fanal é sinônimo de farol.
  5. É tempo de crise. O modelo atual não serve mais e o novo modelo de fraternidade ainda não está implantado.
  6. O Despertar é no sentido de levantar e andar na direção da verdade. É o momento da poda de uma grande árvore. Estamos em uma crise de valores éticos e morais, que começa no indivíduo.
  7. O Despertar é no sentido de levantar e andar na direção da verdade. É o momento da poda de uma grande árvore. Estamos em uma crise de valores éticos e morais, que começa no indivíduo.
  8. e Bezerra de Menezes termina a mensagem com um chamado à ação.
  9. Música Los Hermanos, Além do que se vê.
  10. DEUS É SOBERANAMENTE JUSTO E BOM. A sabedoria providencial das leis divinas se revela nas menores como nas maiores coisas, e esta sabedoria não nos permite duvidar da sua justiça, nem da sua bondade.
  11. Fanal é sinônimo de farol.
  12. Fanal é sinônimo de farol.
  13. Deus está no controle sempre!
  14. Mesmo sem receber algo que não parecia ter valor, ele continuo trabalhando e procurando.