SlideShare uma empresa Scribd logo
Seminário BibliotecAtiva | Filipe Leal

reinventar as bibliotecas
públicas portuguesas
«O que vai matar esta profissão não são os eBooks, a Amazon ou o Google.
Será a falta de imaginação. Uma incapacidade de ver o que não é, mas que
poderia ser. Ela só sobrevive se nós, bibliotecários e as comunidades que

servimos, pegarmos nela para renová-la, atualizá-la, e constantemente a
mantermos envolvida com o que ai vem.»

David Lankes
Seminário BibliotecAtiva

reinventar as bibliotecas
públicas portuguesas
Objetivo – Este seminário procura incentivar os participantes a desenvolver um
processo de reflexão e de debate sobre o momento presente e os cenários de futuro
que conduza à reinvenção das bibliotecas públicas portuguesas.

Programa – Serão abordados três grandes temas: as mudanças sociais (ao nível

estrutural e conjuntural) e o seu impacto nas bibliotecas públicas portuguesas; os
cenários de futuro e as opções estratégicas para as bibliotecas públicas portuguesas;
as linhas de ação que irão consubstanciar a reinvenção das bibliotecas públicas
portuguesas.

Metodologia – Partindo da apresentação (com recurso privilegiado a vídeos) de
estudos de caso e de situações exemplares, será efetuada uma reflexão conjunta e
um debate alargado sobre os temas do seminário.
O presente é dos pragmáticos
O futuro é dos utópicos

Filipe Leal
Tema 1

um mundo em mudança
O mundo está a mudar de forma rápida, profunda e irreversível. As bibliotecas

públicas portuguesas encontram-se numa encruzilhada: por um lado (numa dimensão
estrutural, i.e., mudança do paradigma civilizacional), nunca como hoje, lhes foram
colocados tão grandes desafios e ameaças que, em última instância, podem pôr em
causa a sua função social e a sua sobrevivência institucional; por outro lado (numa
dimensão conjuntural, i.e., crise financeira, económica e social), nunca como hoje,
houve tantas restrições ao seu pleno funcionamento (dificuldades ao nível do
financiamento público, ao nível dos recursos humanos, ao nível da contratação
pública, ao nível dos horários de abertura, ao nível da atualização das coleções e dos

recursos tecnológicos disponibilizados). É o próprio serviço público prestado à
comunidade local que pode estar em causa, numa altura em que mais sentido faz que
as bibliotecas públicas sejam um garante do acesso democrático à cultura e ao
conhecimento. Estamos perante uma situação paradoxal: As bibliotecas públicas têm
que se reinventar para sobreviver mas não têm os recursos estratégicos para o fazer.
Paradigma

estamos perante o fim
de um antigo paradigma?

Mudanças

bibliotecas públicas
vivem crise institucional?

Desafio

as bibliotecas públicas
serão capazes de se
reinventar a si mesmas?
Tema 2

uma nova visão estratégica
No paradigma tradicional de biblioteca pública tudo é pensado em função dos livros:

os espaços e as coleções, os serviços e as atividades, as competências dos
profissionais. Esta visão estratégica parte do pressuposto que os livros são o veículo
privilegiado de acesso ao conhecimento e à cultura escrita. O surgimento,
desenvolvimento e o impacto da Internet e dos novos média, vieram contribuir para a
perda do estatuto de centralidade por parte do livro. Atualmente, as bibliotecas
públicas estão

perante

um desafio: conseguirem

reinventar-se

enquanto

organizações com elevada relevância e valor social. Todavia, para vencer um tal
desafio, as bibliotecas públicas devem resolver a sua dúvida existencial: Qual deve ser

o novo elemento estruturante deste novo paradigma de biblioteca pública? Muitos
profissionais vêm na tecnologia o elemento estruturante de um novo paradigma de
biblioteca pública. Ao longo deste seminário iremos defender a visão estratégica que
numa biblioteca pública tudo deve ser pensado em função das necessidades e dos
interesses das pessoas. Em última instância, iremos defender que não pode haver
uma solução única e universal mas sim soluções específicas que materializem a
máxima pensar globalmente, agir localmente.
Visão

organizações
centradas
nas pessoas

Missão

espaços cultura,
conhecimento e
plena cidadania

Prioridade

desenvolvimento
das literacias e
da aprendizagem
ao longo da vida
Tema 3

da visão à ação
No caso português como poderá ser consubstanciada a visão estratégica que coloca

as pessoas como elemento estruturante das bibliotecas públicas? Será esta a questão
central que iremos abordar num processo de reflexão e debate conjunto. De modo a
tornar mais profícuo este processo iremos centrar-nos em cinco linhas de ação que
consideramos essenciais: reorganizar os espaços e as coleções; reequacionar os
serviços prestados; repensar a promoção da leitura; desenvolver a literacia digital;
reformular o modelo de gestão. Todavia, o elencar destas linhas de ação parte do
pressuposto que a aplicação da máxima pensar globalmente, agir localmente tem por
consequência que cada biblioteca pública deve ser entendida como um caso único.

Assim sendo, mais do que fórmulas de sucesso durante o seminário tentaremos
identificar metodologias de trabalho que permitam consubstanciar a reinvenção das
bibliotecas públicas portuguesas.
Linha de ação 1

reorganizar os espaços
e as coleções adotando
soluções funcionais que
respondam de forma
mais adequada os perfil
dos utilizadores

Linha de ação 2

reequacionar o portfolio de serviços prestados
em função das necessidades e do perfil dos utilizadores
Linha de ação 3

repensar promoção leitura
apostando numa
abordagem centrada no
desenvolvimento do leitor

Linha de ação 4

desenvolver a literacia digital
e assegurar o acesso livre,
gratuito e generalizado
a conteúdos digitais
disponíveis na internet e
veiculados pelos novos média
Linha de ação 5

reformular o modelo de gestão em função
das características da comunidade, da visão
estratégica e dos recursos disponíveis
Seminário BibliotecAtiva

reinventar as bibliotecas
públicas portuguesas
Duração: 6 horas (sábado)
Horário:

10:00–13:00 | 14:30–17:30

Inscrição: 25 € / 1 participante

75 € / 4 participantes (mesma biblioteca)
Formador: Filipe Leal
Telemóvel: 914.391.824
Email:

bibliotecativa@gmail.com

Facebook: www.facebook.com/bibliotecativa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O futuro da rnbp filipe leal
O futuro da rnbp filipe lealO futuro da rnbp filipe leal
O futuro da rnbp filipe leal
BibliotecAtiva
 
Roma Uwbd Maio 2008
Roma Uwbd Maio 2008Roma Uwbd Maio 2008
Roma Uwbd Maio 2008
Maria Jose Vitorino
 
Re leitura
Re leituraRe leitura
Ler + jovem aeob
Ler + jovem   aeobLer + jovem   aeob
Ler + jovem aeob
Biblioteca Escolar Aeob
 
Escolas, bibliotecas públicas : integração com 3 C. S. Paulo (Brasil) 22.11.2012
Escolas, bibliotecas públicas : integração com 3 C. S. Paulo (Brasil) 22.11.2012Escolas, bibliotecas públicas : integração com 3 C. S. Paulo (Brasil) 22.11.2012
Escolas, bibliotecas públicas : integração com 3 C. S. Paulo (Brasil) 22.11.2012
Maria Jose Vitorino
 
RBE 10 anos Impacto Social De Politcas Nas Bibliotecas Escolares
RBE 10 anos Impacto Social De Politcas Nas Bibliotecas EscolaresRBE 10 anos Impacto Social De Politcas Nas Bibliotecas Escolares
RBE 10 anos Impacto Social De Politcas Nas Bibliotecas Escolares
Maria Jose Vitorino
 
Burgos. apresentação.docx
Burgos. apresentação.docxBurgos. apresentação.docx
Burgos. apresentação.docx
Nuno Marçal
 
Biblioteca largo lugar de encontros pombal 20170710
Biblioteca largo lugar de encontros pombal 20170710Biblioteca largo lugar de encontros pombal 20170710
Biblioteca largo lugar de encontros pombal 20170710
Maria Jose Vitorino
 
Bibliotecas escolares em Portugal: uma perspetiva histórica
Bibliotecas escolares em Portugal: uma perspetiva históricaBibliotecas escolares em Portugal: uma perspetiva histórica
Bibliotecas escolares em Portugal: uma perspetiva histórica
António Pires
 
Max Butlen
Max ButlenMax Butlen
Max Butlen
rbmocmo
 
Debate sobre Bibliotecas Universitárias na Conferência "Advocacy for Libraries"
Debate sobre Bibliotecas Universitárias na Conferência "Advocacy for Libraries"Debate sobre Bibliotecas Universitárias na Conferência "Advocacy for Libraries"
Debate sobre Bibliotecas Universitárias na Conferência "Advocacy for Libraries"
Pedro Príncipe
 
Programa Oeiras a Ler - Programa Municipal de Promoção da Leitura
Programa Oeiras a Ler - Programa Municipal de Promoção da LeituraPrograma Oeiras a Ler - Programa Municipal de Promoção da Leitura
Programa Oeiras a Ler - Programa Municipal de Promoção da Leitura
bmoeiras
 
Programas Promocao Leitura
Programas Promocao LeituraProgramas Promocao Leitura
Programas Promocao Leitura
salamagica
 
Desafios e mudanças nas Bibliotecas - Conferência na Biblioteca Municipal de ...
Desafios e mudanças nas Bibliotecas - Conferência na Biblioteca Municipal de ...Desafios e mudanças nas Bibliotecas - Conferência na Biblioteca Municipal de ...
Desafios e mudanças nas Bibliotecas - Conferência na Biblioteca Municipal de ...
Pedro Príncipe
 
Roma uwbd maio 2008
Roma uwbd maio 2008Roma uwbd maio 2008
Roma uwbd maio 2008
Maria Jose Vitorino
 
Aula Biblioteca Escolar
Aula Biblioteca EscolarAula Biblioteca Escolar
Aula Biblioteca Escolar
Alexsandro Menezes da Silva
 
Projeto 2
Projeto 2Projeto 2
Projeto 2
DanielaTormin
 
Roma uwbd maio 2008
Roma uwbd maio 2008Roma uwbd maio 2008
Roma uwbd maio 2008
Maria Jose Vitorino
 
Biblioteca escolar
Biblioteca escolarBiblioteca escolar
Biblioteca escolar
Gabrielle Francinne Tanus
 
O que queremos para o futuro das Bibliotecas Escolares
O que queremos para o futuro das Bibliotecas EscolaresO que queremos para o futuro das Bibliotecas Escolares
O que queremos para o futuro das Bibliotecas Escolares
Graça Rosa
 

Mais procurados (20)

O futuro da rnbp filipe leal
O futuro da rnbp filipe lealO futuro da rnbp filipe leal
O futuro da rnbp filipe leal
 
Roma Uwbd Maio 2008
Roma Uwbd Maio 2008Roma Uwbd Maio 2008
Roma Uwbd Maio 2008
 
Re leitura
Re leituraRe leitura
Re leitura
 
Ler + jovem aeob
Ler + jovem   aeobLer + jovem   aeob
Ler + jovem aeob
 
Escolas, bibliotecas públicas : integração com 3 C. S. Paulo (Brasil) 22.11.2012
Escolas, bibliotecas públicas : integração com 3 C. S. Paulo (Brasil) 22.11.2012Escolas, bibliotecas públicas : integração com 3 C. S. Paulo (Brasil) 22.11.2012
Escolas, bibliotecas públicas : integração com 3 C. S. Paulo (Brasil) 22.11.2012
 
RBE 10 anos Impacto Social De Politcas Nas Bibliotecas Escolares
RBE 10 anos Impacto Social De Politcas Nas Bibliotecas EscolaresRBE 10 anos Impacto Social De Politcas Nas Bibliotecas Escolares
RBE 10 anos Impacto Social De Politcas Nas Bibliotecas Escolares
 
Burgos. apresentação.docx
Burgos. apresentação.docxBurgos. apresentação.docx
Burgos. apresentação.docx
 
Biblioteca largo lugar de encontros pombal 20170710
Biblioteca largo lugar de encontros pombal 20170710Biblioteca largo lugar de encontros pombal 20170710
Biblioteca largo lugar de encontros pombal 20170710
 
Bibliotecas escolares em Portugal: uma perspetiva histórica
Bibliotecas escolares em Portugal: uma perspetiva históricaBibliotecas escolares em Portugal: uma perspetiva histórica
Bibliotecas escolares em Portugal: uma perspetiva histórica
 
Max Butlen
Max ButlenMax Butlen
Max Butlen
 
Debate sobre Bibliotecas Universitárias na Conferência "Advocacy for Libraries"
Debate sobre Bibliotecas Universitárias na Conferência "Advocacy for Libraries"Debate sobre Bibliotecas Universitárias na Conferência "Advocacy for Libraries"
Debate sobre Bibliotecas Universitárias na Conferência "Advocacy for Libraries"
 
Programa Oeiras a Ler - Programa Municipal de Promoção da Leitura
Programa Oeiras a Ler - Programa Municipal de Promoção da LeituraPrograma Oeiras a Ler - Programa Municipal de Promoção da Leitura
Programa Oeiras a Ler - Programa Municipal de Promoção da Leitura
 
Programas Promocao Leitura
Programas Promocao LeituraProgramas Promocao Leitura
Programas Promocao Leitura
 
Desafios e mudanças nas Bibliotecas - Conferência na Biblioteca Municipal de ...
Desafios e mudanças nas Bibliotecas - Conferência na Biblioteca Municipal de ...Desafios e mudanças nas Bibliotecas - Conferência na Biblioteca Municipal de ...
Desafios e mudanças nas Bibliotecas - Conferência na Biblioteca Municipal de ...
 
Roma uwbd maio 2008
Roma uwbd maio 2008Roma uwbd maio 2008
Roma uwbd maio 2008
 
Aula Biblioteca Escolar
Aula Biblioteca EscolarAula Biblioteca Escolar
Aula Biblioteca Escolar
 
Projeto 2
Projeto 2Projeto 2
Projeto 2
 
Roma uwbd maio 2008
Roma uwbd maio 2008Roma uwbd maio 2008
Roma uwbd maio 2008
 
Biblioteca escolar
Biblioteca escolarBiblioteca escolar
Biblioteca escolar
 
O que queremos para o futuro das Bibliotecas Escolares
O que queremos para o futuro das Bibliotecas EscolaresO que queremos para o futuro das Bibliotecas Escolares
O que queremos para o futuro das Bibliotecas Escolares
 

Destaque

Inspirações BibliotecAtiva 01 - Almere
Inspirações BibliotecAtiva 01 - AlmereInspirações BibliotecAtiva 01 - Almere
Inspirações BibliotecAtiva 01 - Almere
BibliotecAtiva
 
Bibliotecas Inovadoras 01 - Almere
Bibliotecas Inovadoras 01 - AlmereBibliotecas Inovadoras 01 - Almere
Bibliotecas Inovadoras 01 - Almere
BibliotecAtiva
 
Novos produtos e serviços em bibliotecas
Novos produtos e serviços em bibliotecasNovos produtos e serviços em bibliotecas
Novos produtos e serviços em bibliotecas
UFSC
 
Fórum BibliotecAtiva - Programa
Fórum BibliotecAtiva - ProgramaFórum BibliotecAtiva - Programa
Fórum BibliotecAtiva - Programa
BibliotecAtiva
 
Equinócio da Primavera
Equinócio da PrimaveraEquinócio da Primavera
Equinócio da Primavera
BibliotecAtiva
 
Bibliotecas Públicas Portuguesas - 10 Condições de Sucesso
Bibliotecas Públicas Portuguesas - 10 Condições de SucessoBibliotecas Públicas Portuguesas - 10 Condições de Sucesso
Bibliotecas Públicas Portuguesas - 10 Condições de Sucesso
BibliotecAtiva
 
Leveling Up - Five Real World Examples of Incremental Maturity v0.1b
Leveling Up - Five Real World Examples of Incremental Maturity v0.1bLeveling Up - Five Real World Examples of Incremental Maturity v0.1b
Leveling Up - Five Real World Examples of Incremental Maturity v0.1b
The Project Strategy Consulting Group
 
RNBP - A insustentável leveza do ser
RNBP - A insustentável leveza do serRNBP - A insustentável leveza do ser
RNBP - A insustentável leveza do ser
BibliotecAtiva
 
A biblioteca do futuro
A biblioteca do futuroA biblioteca do futuro
A biblioteca do futuro
Moreno Barros
 
Por que as bibliotecas importam?
Por que as bibliotecas importam?Por que as bibliotecas importam?
Por que as bibliotecas importam?
Moreno Barros
 
A literacia digital como um serviço da função social da biblioteca pública
A literacia digital como um serviço da função social da biblioteca públicaA literacia digital como um serviço da função social da biblioteca pública
A literacia digital como um serviço da função social da biblioteca pública
Luísa Alvim
 
TEDex Power Distance
TEDex Power DistanceTEDex Power Distance
TEDex Power Distance
Fábio Santos
 
Marketing, bibliotecas e utilizadores na era do 2.0
Marketing, bibliotecas e utilizadores na era do 2.0Marketing, bibliotecas e utilizadores na era do 2.0
Marketing, bibliotecas e utilizadores na era do 2.0
Luísa Alvim
 
Plano melhoria da biblioteca escolar 2015/2016
Plano melhoria da biblioteca escolar 2015/2016Plano melhoria da biblioteca escolar 2015/2016
Power-point sobre fóruns
Power-point sobre fórunsPower-point sobre fóruns
Power-point sobre fóruns
Renata Duarte
 
Projeto Leitura é Fonte Saber
Projeto Leitura é Fonte SaberProjeto Leitura é Fonte Saber
Projeto Leitura é Fonte Saber
School
 
Promover para crescer
Promover para crescerPromover para crescer
Promover para crescer
António Pires
 
Marketing na(s) biblioteca(s)
Marketing na(s) biblioteca(s)Marketing na(s) biblioteca(s)
Marketing na(s) biblioteca(s)
António Pires
 
Massas (Biblioteca Activa)
Massas (Biblioteca Activa)Massas (Biblioteca Activa)
Massas (Biblioteca Activa)
Vanda Maio
 
Estereótipo dos Bibliotecários
Estereótipo dos BibliotecáriosEstereótipo dos Bibliotecários
Estereótipo dos Bibliotecários
Moreno Barros
 

Destaque (20)

Inspirações BibliotecAtiva 01 - Almere
Inspirações BibliotecAtiva 01 - AlmereInspirações BibliotecAtiva 01 - Almere
Inspirações BibliotecAtiva 01 - Almere
 
Bibliotecas Inovadoras 01 - Almere
Bibliotecas Inovadoras 01 - AlmereBibliotecas Inovadoras 01 - Almere
Bibliotecas Inovadoras 01 - Almere
 
Novos produtos e serviços em bibliotecas
Novos produtos e serviços em bibliotecasNovos produtos e serviços em bibliotecas
Novos produtos e serviços em bibliotecas
 
Fórum BibliotecAtiva - Programa
Fórum BibliotecAtiva - ProgramaFórum BibliotecAtiva - Programa
Fórum BibliotecAtiva - Programa
 
Equinócio da Primavera
Equinócio da PrimaveraEquinócio da Primavera
Equinócio da Primavera
 
Bibliotecas Públicas Portuguesas - 10 Condições de Sucesso
Bibliotecas Públicas Portuguesas - 10 Condições de SucessoBibliotecas Públicas Portuguesas - 10 Condições de Sucesso
Bibliotecas Públicas Portuguesas - 10 Condições de Sucesso
 
Leveling Up - Five Real World Examples of Incremental Maturity v0.1b
Leveling Up - Five Real World Examples of Incremental Maturity v0.1bLeveling Up - Five Real World Examples of Incremental Maturity v0.1b
Leveling Up - Five Real World Examples of Incremental Maturity v0.1b
 
RNBP - A insustentável leveza do ser
RNBP - A insustentável leveza do serRNBP - A insustentável leveza do ser
RNBP - A insustentável leveza do ser
 
A biblioteca do futuro
A biblioteca do futuroA biblioteca do futuro
A biblioteca do futuro
 
Por que as bibliotecas importam?
Por que as bibliotecas importam?Por que as bibliotecas importam?
Por que as bibliotecas importam?
 
A literacia digital como um serviço da função social da biblioteca pública
A literacia digital como um serviço da função social da biblioteca públicaA literacia digital como um serviço da função social da biblioteca pública
A literacia digital como um serviço da função social da biblioteca pública
 
TEDex Power Distance
TEDex Power DistanceTEDex Power Distance
TEDex Power Distance
 
Marketing, bibliotecas e utilizadores na era do 2.0
Marketing, bibliotecas e utilizadores na era do 2.0Marketing, bibliotecas e utilizadores na era do 2.0
Marketing, bibliotecas e utilizadores na era do 2.0
 
Plano melhoria da biblioteca escolar 2015/2016
Plano melhoria da biblioteca escolar 2015/2016Plano melhoria da biblioteca escolar 2015/2016
Plano melhoria da biblioteca escolar 2015/2016
 
Power-point sobre fóruns
Power-point sobre fórunsPower-point sobre fóruns
Power-point sobre fóruns
 
Projeto Leitura é Fonte Saber
Projeto Leitura é Fonte SaberProjeto Leitura é Fonte Saber
Projeto Leitura é Fonte Saber
 
Promover para crescer
Promover para crescerPromover para crescer
Promover para crescer
 
Marketing na(s) biblioteca(s)
Marketing na(s) biblioteca(s)Marketing na(s) biblioteca(s)
Marketing na(s) biblioteca(s)
 
Massas (Biblioteca Activa)
Massas (Biblioteca Activa)Massas (Biblioteca Activa)
Massas (Biblioteca Activa)
 
Estereótipo dos Bibliotecários
Estereótipo dos BibliotecáriosEstereótipo dos Bibliotecários
Estereótipo dos Bibliotecários
 

Semelhante a Seminário BibliotecAtiva 2014 - Reinventar as bibliotecas públicas portuguesas

127
127127
Manifesto em defesa_da_biblioteca_escolar
Manifesto em defesa_da_biblioteca_escolarManifesto em defesa_da_biblioteca_escolar
Manifesto em defesa_da_biblioteca_escolar
bcaceciliameireles
 
Bibliotecas escolares oei chile 2015
Bibliotecas escolares oei chile 2015Bibliotecas escolares oei chile 2015
Bibliotecas escolares oei chile 2015
Angelina Costa
 
Bibliotecarbe8
Bibliotecarbe8Bibliotecarbe8
Bibliotecarbe8
António Pires
 
Bibliotecnologia e Sociedade: da infraestrutura ao engajamento
Bibliotecnologia e Sociedade: da infraestrutura ao engajamentoBibliotecnologia e Sociedade: da infraestrutura ao engajamento
Bibliotecnologia e Sociedade: da infraestrutura ao engajamento
Ronaldo Araújo
 
Projecto final
Projecto finalProjecto final
Projecto final
IsabelPereira2010
 
Biblioteca pública
Biblioteca públicaBiblioteca pública
Biblioteca pública
LUIS REBELO
 
Colecção públicos Serviços Educativos
Colecção públicos  Serviços EducativosColecção públicos  Serviços Educativos
Colecção públicos Serviços Educativos
João Lima
 
Construir comunidades inteligentes
Construir comunidades inteligentesConstruir comunidades inteligentes
Construir comunidades inteligentes
Maria Jose Vitorino
 
Formação beja-cr
Formação  beja-crFormação  beja-cr
Formação beja-cr
ramos17mariac
 
Man biblioteconomia
Man biblioteconomiaMan biblioteconomia
Man biblioteconomia
Regina Grein
 
1º Aula
1º Aula1º Aula
1º Aula
LucindaOliveira
 
Serviços de Descoberta e Redes Sociais: os novos "Bibliotecários de Referênci...
Serviços de Descoberta e Redes Sociais: os novos "Bibliotecários de Referênci...Serviços de Descoberta e Redes Sociais: os novos "Bibliotecários de Referênci...
Serviços de Descoberta e Redes Sociais: os novos "Bibliotecários de Referênci...
Filipe MS Bento
 
Museu e comunidade
Museu e comunidadeMuseu e comunidade
Museu e comunidade
Andréia De Bernardi
 
O Futuro da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas
O Futuro da Rede Nacional de Bibliotecas PúblicasO Futuro da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas
O Futuro da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas
BibliotecAtiva
 
Reflexão referente à declaração política da iasl sobre bibliotecas escolares
Reflexão referente à declaração política da iasl sobre bibliotecas escolaresReflexão referente à declaração política da iasl sobre bibliotecas escolares
Reflexão referente à declaração política da iasl sobre bibliotecas escolares
mariacosta
 
Clase 1.ppt
Clase 1.pptClase 1.ppt
Clase 1.ppt
WakoFernando
 
Tarefa3
Tarefa3Tarefa3
Carta Aberta Bibliotecários
Carta Aberta BibliotecáriosCarta Aberta Bibliotecários
Carta Aberta Bibliotecários
BibliotecAtiva
 
Carta Aberta aos Bibliotecários
Carta Aberta aos BibliotecáriosCarta Aberta aos Bibliotecários
Carta Aberta aos Bibliotecários
BibliotecAtiva
 

Semelhante a Seminário BibliotecAtiva 2014 - Reinventar as bibliotecas públicas portuguesas (20)

127
127127
127
 
Manifesto em defesa_da_biblioteca_escolar
Manifesto em defesa_da_biblioteca_escolarManifesto em defesa_da_biblioteca_escolar
Manifesto em defesa_da_biblioteca_escolar
 
Bibliotecas escolares oei chile 2015
Bibliotecas escolares oei chile 2015Bibliotecas escolares oei chile 2015
Bibliotecas escolares oei chile 2015
 
Bibliotecarbe8
Bibliotecarbe8Bibliotecarbe8
Bibliotecarbe8
 
Bibliotecnologia e Sociedade: da infraestrutura ao engajamento
Bibliotecnologia e Sociedade: da infraestrutura ao engajamentoBibliotecnologia e Sociedade: da infraestrutura ao engajamento
Bibliotecnologia e Sociedade: da infraestrutura ao engajamento
 
Projecto final
Projecto finalProjecto final
Projecto final
 
Biblioteca pública
Biblioteca públicaBiblioteca pública
Biblioteca pública
 
Colecção públicos Serviços Educativos
Colecção públicos  Serviços EducativosColecção públicos  Serviços Educativos
Colecção públicos Serviços Educativos
 
Construir comunidades inteligentes
Construir comunidades inteligentesConstruir comunidades inteligentes
Construir comunidades inteligentes
 
Formação beja-cr
Formação  beja-crFormação  beja-cr
Formação beja-cr
 
Man biblioteconomia
Man biblioteconomiaMan biblioteconomia
Man biblioteconomia
 
1º Aula
1º Aula1º Aula
1º Aula
 
Serviços de Descoberta e Redes Sociais: os novos "Bibliotecários de Referênci...
Serviços de Descoberta e Redes Sociais: os novos "Bibliotecários de Referênci...Serviços de Descoberta e Redes Sociais: os novos "Bibliotecários de Referênci...
Serviços de Descoberta e Redes Sociais: os novos "Bibliotecários de Referênci...
 
Museu e comunidade
Museu e comunidadeMuseu e comunidade
Museu e comunidade
 
O Futuro da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas
O Futuro da Rede Nacional de Bibliotecas PúblicasO Futuro da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas
O Futuro da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas
 
Reflexão referente à declaração política da iasl sobre bibliotecas escolares
Reflexão referente à declaração política da iasl sobre bibliotecas escolaresReflexão referente à declaração política da iasl sobre bibliotecas escolares
Reflexão referente à declaração política da iasl sobre bibliotecas escolares
 
Clase 1.ppt
Clase 1.pptClase 1.ppt
Clase 1.ppt
 
Tarefa3
Tarefa3Tarefa3
Tarefa3
 
Carta Aberta Bibliotecários
Carta Aberta BibliotecáriosCarta Aberta Bibliotecários
Carta Aberta Bibliotecários
 
Carta Aberta aos Bibliotecários
Carta Aberta aos BibliotecáriosCarta Aberta aos Bibliotecários
Carta Aberta aos Bibliotecários
 

Mais de BibliotecAtiva

Pelo sonho é que vamos
Pelo sonho é que vamosPelo sonho é que vamos
Pelo sonho é que vamos
BibliotecAtiva
 
Transformar as bibliotecas municipais portuguesas
Transformar as bibliotecas municipais portuguesasTransformar as bibliotecas municipais portuguesas
Transformar as bibliotecas municipais portuguesas
BibliotecAtiva
 
Repensar a RNBP
Repensar a RNBPRepensar a RNBP
Repensar a RNBP
BibliotecAtiva
 
Transformar as Bibliotecas Municipais
Transformar as Bibliotecas MunicipaisTransformar as Bibliotecas Municipais
Transformar as Bibliotecas Municipais
BibliotecAtiva
 
Saramago tinha razão?
Saramago tinha razão?Saramago tinha razão?
Saramago tinha razão?
BibliotecAtiva
 
Programa Fórum BibliotecAtiva
Programa Fórum BibliotecAtivaPrograma Fórum BibliotecAtiva
Programa Fórum BibliotecAtiva
BibliotecAtiva
 
Transformar as Bibliotecas Públicas Portuguesas
Transformar as Bibliotecas Públicas PortuguesasTransformar as Bibliotecas Públicas Portuguesas
Transformar as Bibliotecas Públicas Portuguesas
BibliotecAtiva
 
Plano Nacional de Leitura: discursos & práticas
Plano Nacional de Leitura: discursos & práticasPlano Nacional de Leitura: discursos & práticas
Plano Nacional de Leitura: discursos & práticas
BibliotecAtiva
 
BibViva 2011 - Filipe Leal
BibViva 2011 - Filipe LealBibViva 2011 - Filipe Leal
BibViva 2011 - Filipe Leal
BibliotecAtiva
 

Mais de BibliotecAtiva (9)

Pelo sonho é que vamos
Pelo sonho é que vamosPelo sonho é que vamos
Pelo sonho é que vamos
 
Transformar as bibliotecas municipais portuguesas
Transformar as bibliotecas municipais portuguesasTransformar as bibliotecas municipais portuguesas
Transformar as bibliotecas municipais portuguesas
 
Repensar a RNBP
Repensar a RNBPRepensar a RNBP
Repensar a RNBP
 
Transformar as Bibliotecas Municipais
Transformar as Bibliotecas MunicipaisTransformar as Bibliotecas Municipais
Transformar as Bibliotecas Municipais
 
Saramago tinha razão?
Saramago tinha razão?Saramago tinha razão?
Saramago tinha razão?
 
Programa Fórum BibliotecAtiva
Programa Fórum BibliotecAtivaPrograma Fórum BibliotecAtiva
Programa Fórum BibliotecAtiva
 
Transformar as Bibliotecas Públicas Portuguesas
Transformar as Bibliotecas Públicas PortuguesasTransformar as Bibliotecas Públicas Portuguesas
Transformar as Bibliotecas Públicas Portuguesas
 
Plano Nacional de Leitura: discursos & práticas
Plano Nacional de Leitura: discursos & práticasPlano Nacional de Leitura: discursos & práticas
Plano Nacional de Leitura: discursos & práticas
 
BibViva 2011 - Filipe Leal
BibViva 2011 - Filipe LealBibViva 2011 - Filipe Leal
BibViva 2011 - Filipe Leal
 

Último

Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 

Seminário BibliotecAtiva 2014 - Reinventar as bibliotecas públicas portuguesas

  • 1. Seminário BibliotecAtiva | Filipe Leal reinventar as bibliotecas públicas portuguesas
  • 2. «O que vai matar esta profissão não são os eBooks, a Amazon ou o Google. Será a falta de imaginação. Uma incapacidade de ver o que não é, mas que poderia ser. Ela só sobrevive se nós, bibliotecários e as comunidades que servimos, pegarmos nela para renová-la, atualizá-la, e constantemente a mantermos envolvida com o que ai vem.» David Lankes
  • 3. Seminário BibliotecAtiva reinventar as bibliotecas públicas portuguesas Objetivo – Este seminário procura incentivar os participantes a desenvolver um processo de reflexão e de debate sobre o momento presente e os cenários de futuro que conduza à reinvenção das bibliotecas públicas portuguesas. Programa – Serão abordados três grandes temas: as mudanças sociais (ao nível estrutural e conjuntural) e o seu impacto nas bibliotecas públicas portuguesas; os cenários de futuro e as opções estratégicas para as bibliotecas públicas portuguesas; as linhas de ação que irão consubstanciar a reinvenção das bibliotecas públicas portuguesas. Metodologia – Partindo da apresentação (com recurso privilegiado a vídeos) de estudos de caso e de situações exemplares, será efetuada uma reflexão conjunta e um debate alargado sobre os temas do seminário.
  • 4. O presente é dos pragmáticos O futuro é dos utópicos Filipe Leal
  • 5. Tema 1 um mundo em mudança O mundo está a mudar de forma rápida, profunda e irreversível. As bibliotecas públicas portuguesas encontram-se numa encruzilhada: por um lado (numa dimensão estrutural, i.e., mudança do paradigma civilizacional), nunca como hoje, lhes foram colocados tão grandes desafios e ameaças que, em última instância, podem pôr em causa a sua função social e a sua sobrevivência institucional; por outro lado (numa dimensão conjuntural, i.e., crise financeira, económica e social), nunca como hoje, houve tantas restrições ao seu pleno funcionamento (dificuldades ao nível do financiamento público, ao nível dos recursos humanos, ao nível da contratação pública, ao nível dos horários de abertura, ao nível da atualização das coleções e dos recursos tecnológicos disponibilizados). É o próprio serviço público prestado à comunidade local que pode estar em causa, numa altura em que mais sentido faz que as bibliotecas públicas sejam um garante do acesso democrático à cultura e ao conhecimento. Estamos perante uma situação paradoxal: As bibliotecas públicas têm que se reinventar para sobreviver mas não têm os recursos estratégicos para o fazer.
  • 6. Paradigma estamos perante o fim de um antigo paradigma? Mudanças bibliotecas públicas vivem crise institucional? Desafio as bibliotecas públicas serão capazes de se reinventar a si mesmas?
  • 7. Tema 2 uma nova visão estratégica No paradigma tradicional de biblioteca pública tudo é pensado em função dos livros: os espaços e as coleções, os serviços e as atividades, as competências dos profissionais. Esta visão estratégica parte do pressuposto que os livros são o veículo privilegiado de acesso ao conhecimento e à cultura escrita. O surgimento, desenvolvimento e o impacto da Internet e dos novos média, vieram contribuir para a perda do estatuto de centralidade por parte do livro. Atualmente, as bibliotecas públicas estão perante um desafio: conseguirem reinventar-se enquanto organizações com elevada relevância e valor social. Todavia, para vencer um tal desafio, as bibliotecas públicas devem resolver a sua dúvida existencial: Qual deve ser o novo elemento estruturante deste novo paradigma de biblioteca pública? Muitos profissionais vêm na tecnologia o elemento estruturante de um novo paradigma de biblioteca pública. Ao longo deste seminário iremos defender a visão estratégica que numa biblioteca pública tudo deve ser pensado em função das necessidades e dos interesses das pessoas. Em última instância, iremos defender que não pode haver uma solução única e universal mas sim soluções específicas que materializem a máxima pensar globalmente, agir localmente.
  • 8. Visão organizações centradas nas pessoas Missão espaços cultura, conhecimento e plena cidadania Prioridade desenvolvimento das literacias e da aprendizagem ao longo da vida
  • 9. Tema 3 da visão à ação No caso português como poderá ser consubstanciada a visão estratégica que coloca as pessoas como elemento estruturante das bibliotecas públicas? Será esta a questão central que iremos abordar num processo de reflexão e debate conjunto. De modo a tornar mais profícuo este processo iremos centrar-nos em cinco linhas de ação que consideramos essenciais: reorganizar os espaços e as coleções; reequacionar os serviços prestados; repensar a promoção da leitura; desenvolver a literacia digital; reformular o modelo de gestão. Todavia, o elencar destas linhas de ação parte do pressuposto que a aplicação da máxima pensar globalmente, agir localmente tem por consequência que cada biblioteca pública deve ser entendida como um caso único. Assim sendo, mais do que fórmulas de sucesso durante o seminário tentaremos identificar metodologias de trabalho que permitam consubstanciar a reinvenção das bibliotecas públicas portuguesas.
  • 10. Linha de ação 1 reorganizar os espaços e as coleções adotando soluções funcionais que respondam de forma mais adequada os perfil dos utilizadores Linha de ação 2 reequacionar o portfolio de serviços prestados em função das necessidades e do perfil dos utilizadores
  • 11. Linha de ação 3 repensar promoção leitura apostando numa abordagem centrada no desenvolvimento do leitor Linha de ação 4 desenvolver a literacia digital e assegurar o acesso livre, gratuito e generalizado a conteúdos digitais disponíveis na internet e veiculados pelos novos média
  • 12. Linha de ação 5 reformular o modelo de gestão em função das características da comunidade, da visão estratégica e dos recursos disponíveis
  • 13. Seminário BibliotecAtiva reinventar as bibliotecas públicas portuguesas Duração: 6 horas (sábado) Horário: 10:00–13:00 | 14:30–17:30 Inscrição: 25 € / 1 participante 75 € / 4 participantes (mesma biblioteca) Formador: Filipe Leal Telemóvel: 914.391.824 Email: bibliotecativa@gmail.com Facebook: www.facebook.com/bibliotecativa