PROJETO: REVITALIZAÇÃO DA SALA DE LEITURA                                     Tania Bispo Vila Nova                       ...
As salas de leitura desde sua implantação na rede pública de ensino nãoatingiram plenamente os objetivos propostos, ou sej...
desde que entendida como um laboratório de aprendizagem integrado aosistema educacional”.      A biblioteca escolar deverá...
Os alunos, em grupos de salas de aulas, são convidados a participarem,na Biblioteca, de uma análise do estado de conservaç...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Projeto 2

1.415 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.415
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto 2

  1. 1. PROJETO: REVITALIZAÇÃO DA SALA DE LEITURA Tania Bispo Vila Nova Resumo A proposta é apresentar o projeto de revitalização da sala de leitura daE.E. “Benedito Tolosa” com o objetivo de desenvolver a vontade de ler e fazerdessa leitura um hábito de lazer e conhecimento.INTRODUÇÃOO projeto de revitalização da sala de leitura da E.E. ’Prof. Benedito Tolosa”,tem o propósito de ativar esse espaço, cativando sua clientela, de formanatural, através da dinamização de seu ambiente, com propósito pedagógicode desenvolvimento de ações específicas, direcionadas a um público alvo, quecativado, atraído para este ambiente dinâmico, passa a ver e a interagir comum mundo de informação de forma crítica e ativa. A partir de ações aparentemente isoladas, com características próprias,mas sinérgicas para o desempenho da função de nosso espaço de leitura nocontexto escolar; buscamos atingir este propósito. Segundo a UNESCO, a biblioteca escolar é o espaço que "[...] promoveserviços de apoio à aprendizagem... e livros aos membros da comunidadeescolar, oferecendo-lhes a possibilidade de se tornarem pensadores críticos eefetivos usuários da informação, em todos os formatos e meios".HISTÓRICO A principal preocupação é tornar a biblioteca da escola um local de democratização daleitura e do conhecimento, visando despertar o amor à leitura. Por isso, consideramos primordial aorganização do espaço que ficou fechado por vários anos. Até o momento sua realização não estáconcluída, conseguimos organizar todo acervo por ordem de assunto e informatizar os dadoscadastrais de três mil títulos utilizando o sistema internacional de bibliotecas (CDU e Cutter) , assimcomo a recuperação física de muitos livros. O atendimento à clientela ficou disponibilizado a partir do mês de agostode 2007, no período das 14:30h às 21:30h. Ainda conseguimos desenvolver um primeiro projeto que contou com acolaboração das professoras do FUND I do período da tarde intitulado “O seutalento é um show”. Este projeto teve como principal conseqüência projetar oaluno, através interpretações literárias e teatrais. O que ficou marcante paranós foi despertar nos alunos a importância da biblioteca na escola e tambémpara a vida deles. Alguns alunos passaram a perceber o valor que professores,e principalmente os alunos colaboradores, dão aos livros e à leitura, issoparece ser uma primeira semente para se alcançar objetivos maiores. Outroaspecto importante é o interesse e a mudança despertado nos alunosvoluntários, aprenderam participando da organização da biblioteca e, maisainda, criamos um vínculo de amizade e companheirismo. JUSTIFICATIVA
  2. 2. As salas de leitura desde sua implantação na rede pública de ensino nãoatingiram plenamente os objetivos propostos, ou seja, continua esquecida emum quanto qualquer, sem causar o feito esperado, sem despertar o interesseda comunidade docente e discente.Causas para essa realidade são várias, destaca-se:*Ausência de infra-estrutura - recursos materiais e humanos.Haja vista, tal constatação é emergente a transformação das salas de leituraem uma efetiva instituição de apoio a educação formal e informal,para ummelhor funcionamento e conseqüentemente aumentar a sua freqüência eutilização.OBJETIVOSSer apoio para a função educativa.  Fomentar e inculcar nos alunos o hábito e o prazer à leitura.  Possibilitar a ação transformadora da realidade sócio-cultural de seus usuários.  Organizar atividades que estimulem o senso crítico e criativo dos alunos. REFERENCIAL TEÓRICO Atualmente, a biblioteca escolar brasileira nos mostra que é preciso fazermuitoesforço para superar conceitos antigos que fizeram da biblioteca um “lugar”,com um repositório de material impresso; esta situação se reflete na literaturaespecializada nacional, que recomeça a enfocar essa temática. O Decreto Estadual n.11.625, de 23-05-1978, na Seção ll, art 13, item 3,alínea “a”, enfatiza a biblioteca escolar como sendo considerada pelaConstituição Brasileira um instrumento de apoio técnico-pedagógico àsatividades docentes e discentes. A opinião de que o ensino e a biblioteca se completam não é nova,percebe-se isto desde a década de 70. Ferreira (1978) esclarece: “É a de ser oórgão de apoio a todos e quaisquer programas educativos, a biblioteca escolardeverá fornecer toda a espécie e tipo de materiais essenciais à obtenção dosobjetivos dos currículos, satisfazendo ao mesmo tempo aos interesses,necessidades, aptidões e objetivos dos próprios alunos”. A biblioteca escolar, neste contexto, deverá servir de suporte aosprogramas educacionais como um centro dinâmico, atuando em consonânciacom a sala de aula, participando em todos os níveis e momentos do processode desenvolvimento curricular. Já nos anos 80, Barroso (1984) comenta:“Exatamente o que predominou no seminário sobre bibliotecas escolares,realizado em Lima, no ano passado, foi o consenso a que os representantesdos dezessete países chegaram sobre a importância da biblioteca escolar,
  3. 3. desde que entendida como um laboratório de aprendizagem integrado aosistema educacional”. A biblioteca escolar deverá estar comprometida com o processo deensino/aprendizagem e funcionar como complemento de atividades tanto parao aluno quanto para o professor, sendo um recurso de importante valor para aformação pedagógica. Segundo Stumpf (1987), “... a biblioteca escolar não é um setor isoladodentro dos estabelecimentos de ensino. É uma instituição dinâmica queinterage com a escola e o meio social, possuindo diferentes papéis a cumprir”. Para essa autora, a biblioteca escolar como instituição democráticasempre deve ampliar as oportunidades de educação e conhecimento; com seupapel educativo, em relação à formação integral dos alunos; como funçãocultural, na transmissão da arte, da ciência, podendo planejar atividades,exposições, concursos, palestras, debates, etc.; com a função social,relacionada ao aspecto interpessoal entre o aluno, o professor, transformando-se em um verdadeiro centro de informação e de lazer.AÇÕES PRETENDIDAS EM 2008 E SUAS METODOLOGIAS* “Você Já Leu?” O objetivo será divulgar as diversas obras literárias e técnico científicas,proporcionar melhor assessoria informacional a toda a comunidade estudantil eincentivar o hábito de leitura.Voltado para toda a comunidade estudantil, constitui-se em uma disseminaçãode informação sobre obras existentes na Biblioteca. Divide-se em dois estilosbásicos: leitura de artigos técnicos, leitura de obras literárias. O aluno, aobuscar uma obra na Biblioteca, é convidado a sugerir uma sinopse do livro.* “Seu Talento é um Show” Este projeto tem como principal conseqüência projetar o aluno, atravésde interpretações literárias, teatrais, saraus e trabalhos acadêmicos. Faz doespaço da Biblioteca, um espaço onde se produzem atividades culturais einformação acadêmica.* “Biblioteca Viva”Composto basicamente de leitura, tem com objetivo ocupar e divulgar espaçosculturais na Biblioteca e ainda contextualizar obras regionais e grandesclássicos da literatura.* “Conservação do Acervo”
  4. 4. Os alunos, em grupos de salas de aulas, são convidados a participarem,na Biblioteca, de uma análise do estado de conservação de livros . Através dediálogo entre o professor coordenador da biblioteca e alunos, são procuradassaídas para evitar a depredação do acervo e buscar a conscientização para umbom manuseio do acervo bibliográfico.CONSIDERAÇÕES FINAISAtivar o espaço da Biblioteca, passa por ações de fundo cultural (mais livres) epedagógicas (direcionadas). Cria assim, uma relação entre espaço cultural e a função pedagógica, para atender às expectativas dos alunos. O estímulo sinérgico de ações desencadeia uma reação retroalimentadora da construção integral de uma biblioteca ativa, que motiva,cativa e cresce junto de sua clientela. A Biblioteca pretende ser inquieta, que propõe, que testa, que aprendee reaprende. Ela é considerada como um grande vale fértil. Pronta a sercultivada. Com um trabalho deequipe, conscientização do usuário, empenho da Direção e, principalmente,arrojo de sua administração, ela se torna um espaço de participação coletiva,onde está presente a evolução cultural, educacional e social da comunidadeestudantil. Mudar por mudar não é preciso em nosso cotidiano. Preciso é, mesmoque se quebrem paradigmas. Mais do que isso, delimitar um caminhonorteador e dar passos em direção a atingir objetivos. Passos conscientes darealidade que se quer construir.BIBLIOGRAFIACOSTA, Tarcilla Martins da. Biblioteca Escolar do Centro Pedagógico da UFMG.Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v. 4, n. 2, p.278-282 , set. 1975.DIAZ PLAJA, Aurora. Como atraer al lector. Madrid, Servicio Nacional deLectura, 1964. 66 p.DUMONT, Márcia Milton Vianna. Bibliotecas Escolares Comunitárias: umarevisão bibliográfica. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, BeloHorizonte, v. 13, n. 2, p. 147-178, set. 1984.OLIVEIRA, Silas Marques de. Marketing e sua aplicação em bibliotecas: umaabordagem preliminar. Ciência da Informação, Brasília, v. 14, n. 2, p. 137-147,jul./dez. 1985.POLKE, Ana Maria Athayde. A Biblioteca Escolar e o seu papel na formação dehábitos de leitura. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, BeloHorizonte, v. 2, n. 1, p. 60-72, mar. 1973.SILVA, Corita Aguiar da. Administração de bibliotecas: uma visão do futuro.Cadernos de Biblioteconomia , Recife, , n. 11, p. 39-48, dez. 1989.

×