SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
SEGURANÇA DO PACIENTE
FALS
Histórico
A discussão sobre a segurança do paciente é ampla e sabe-se que ela é uma
das dimensões da qualidade dos serviços de saúde, sendo assim, a segurança
e qualidade são indissociáveis (GAMA & SATURNO, 2013). O Histórico do
Movimento para a Segurança do Paciente teve os seguintes marcos:
• 1998: Errar é Humano, Institute of Medicine, EUA
• 2000: An Organisation with a Memory, Reino Unido
• 2002: Resolução da 55ª Assembléia Mundial da Saúde - OMS
• 2004: Lançamento da Aliança Mundial para Segurança do Paciente/Doente
– OMS
• 2005: Lançamento do Primeiro Desafio Global de Segurança do Paciente/
Doente (Higienização/Lavagem das Mãos)
Segurança do paciente
• Organização Mundial de Saúde em parceria com a Joint Commission
International elaboraram as seis medidas que fazem parte das Metas
Internacionais de Segurança do Paciente.
• A Joint Commission International ( JCI) identifica, mede e compartilha
as melhores práticas em qualidade e segurança do paciente com o
mundo.
Meta 1 – Identificar os pacientes
corretamente
• As falhas no processo de identificação dos pacientes podem gerar
inúmeros erros que podem variar desde a realização de um procedimento,
cirurgias, administração de um medicamento ou hemocomponentes,
realização de exames laboratoriais e radiológicos errados, assim como a
entrega de recém-nascidos às famílias erradas na alta ou no momento do
aleitamento (World Health Organization).
• A OMS sugere que as instituições de saúde implementem protocolos para a
correta identificação do paciente. Essa identificação deve ser padronizada
pelo uso de pulseiras de identificação, que devem conter pelo menos duas
informações. Também sugere-se a execução de ações do setor de educação
continuada das instituições de saúde, com a finalidade de aprimorar o
conhecimento e as práticas dos profissionais de saúde na conferência no
processo de identificação dos pacientes (WHO, JCI, JC, 2007).
Meta 2 – Melhorar a efetividade da comunicação
entre profissionais da assistência
• Todo processo de cuidado deve envolver uma comunicação eficaz.
Essa comunicação envolve a forma verbal, como também os
comandos e informações escritas. Todo processo de comunicação
deve ser feito de forma clara e objetiva, evitando que a informação do
paciente seja perdida ou trocada.
• A OMS relatou que os erros relacionados a comunicação foi a
principal causa dos eventos de sentinela nos Estados Unidos entre
1995 e 2006. Na Austrália dos 25.000 a 30.000 eventos adversos
evitáveis que levou à incapacidade permanente do paciente, 11%
foram devidos a problemas de comunicação (WHO, JCI, JC, 2007).
Meta 3 – Melhorar a segurança de
medicações de alta vigilância
• Deve-se ter uma atenção maior nas medicações como
anticoagulantes, insulinas, eletrólitos de alta concentração e
morfinas.
Curiosidade: Conforme dados da Joint Commission on
Acreditation ( JCI, 2010), nos EUA acontecem: • 1,5 milhão de
eventos evitáveis adversos relacionados à administração de
medicamentos; • 400.000 eventos evitáveis ocorrem em
hospitais; • Os eventos evitáveis que ocorrem no hospital
resultam em 3,5 bilhões de dólares em custos adicionais
https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-
noticias/redacao/2017/11/22/a-cada-5-minutos-3-
brasileiros-morrem-em-hospitais-por-falhas
Larissa Leiros Baroni
Do UOL, em São Paulo
22/11/2017 02h00
Cerca de 829 brasileiros morrem diariamente em hospitais públicos e privados por falhas que poderiam ser
evitadas, segundo o Anuário da Segurança Assistencial Hospitalar no Brasil, realizado pelo IESS (Instituto de
Estudos de Saúde Suplementar) em parceria com a Faculdade de Medicina da UFMG (Universidade Federal de
Minas Gerais). O número equivale a três mortes a cada cinco minutos.
Esta é a segunda causa de morte mais comum no Brasil. Fica atrás apenas das doenças cardiovasculares,
responsável pela morte de 950 brasileiros por dia, como estima a Sociedade Brasileira de Cardiologia. Mas é
bem maior do que os óbitos causados por câncer (de 480 a 520 mortes/dia), violência (164 mortes/dia) e
acidentes de trânsito (129 mortes/dia).
Em 2016, 302.610 brasileiros morreram em hospitais como consequência de um "evento adverso", que inclui
erros de dosagem ou aplicação de medicamentos, uso incorreto de equipamentos, infecção hospitalar, entre
outros. "Não significa, necessariamente, que houve um erro, negligência ou baixa qualidade, mas trata-se de
incidente que poderia ter sido evitado", explicou Tania Grillo, professora da Faculdade de Ciências Médicas de
Minas Gerais e uma das coordenadoras da pesquisa.
Meta 4 – Assegurar cirurgias com local de
intervenção correto, procedimento correto e
paciente correto
• Sugere-se que as instituições de saúde que prestam serviços
cirúrgicos implementem a Lista de verificação de segurança do
paciente, que é separada em três fases: • Antes da indução
anestésica; • Antes da incisão na pele; • Antes da saída do paciente
sair da sala de operação;
Meta 5 – Reduzir o risco de infecções
associadas aos cuidados de saúde
• A estimativa da OMS em relação a infecções associadas aos cuidados
de saúde está entre 5% a 10% de infecções em pacientes admitidos
em hospitais. Conforme as diretrizes atuais da OMS ou do Center for
Disease Control, a forma mais efetiva de controle dessas infeções é a
correta higienização das mãos.
ATENÇÃO
Uma das principais causas de morbimortalidade dentro das
instituições de saúde são as infecções hospitalares, sendo que
o principal foco de transmissão é a falta de higienização das
mãos. Sugere-se a implementação de um programa efetivo
para higienização das mãos, com realização de campanhas
educativas que aborde o tema. É recomendada a divulgação da
técnica de higienização das mãos, por meio de treinamento,
adesivos para pias, entre outras estratégias. Cabe ressaltar que
também é preciso realizar a orientação sobre a importância da
lavagem das mãos aos familiares e visitantes do paciente.
Meta 6 – Reduzir o risco de lesões aos
pacientes decorrentes de quedas.
Essa meta tem como objetivo a prevenção de quedas dos pacientes
durante sua estadia nas instituições hospitalares, reduzindo o risco de
lesão.
1. Construir a conscientização sobre a importância da prevenção e do
tratamento das quedas.
2. Incrementar a avaliação dos fatores individuais, ambientais e sociais
que aumentem a probabilidade da ocorrência das quedas.
3. Incentivar o design e a implementação de intervenções apoiadas
por evidências e culturalmente apropriadas que possam reduzir, de
maneira significativa, o número de quedas entre idosos.
Obrigada

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem resenfe2013
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Aline Bandeira
 
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemAroldo Gavioli
 
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMSO que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMSProqualis
 
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)JONAS ARAUJO
 
Fundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptxFundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptxMirnaKathary1
 
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemA Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemCentro Universitário Ages
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemJardiel7
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...Proqualis
 
Aula de humanização plt
Aula de humanização pltAula de humanização plt
Aula de humanização pltenfanhanguera
 
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.pptImportância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.pptValdemilsonVieira
 
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalarPrecauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalarGrupo Ivan Ervilha
 
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Milena de Oliveira Matos Carvalho
 
Palestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no AtendimentoPalestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no AtendimentoFabiano Ladislau
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saudedavinci ras
 

Mais procurados (20)

Humanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagemHumanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagem
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
 
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMSO que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
 
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
 
Fundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptxFundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptx
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemA Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
 
Aula de humanização plt
Aula de humanização pltAula de humanização plt
Aula de humanização plt
 
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.pptImportância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
 
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalarPrecauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
 
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 
Palestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no AtendimentoPalestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no Atendimento
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
 

Semelhante a SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx

Segurança do pasciente
Segurança do pascienteSegurança do pasciente
Segurança do pascienteIrYarasdp
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteProqualis
 
Práticas de enfermagem baseadas em evidências
Práticas de enfermagem baseadas em evidênciasPráticas de enfermagem baseadas em evidências
Práticas de enfermagem baseadas em evidênciasgisorte
 
Gestão do Risco: Segurança do Doente em Ambiente Hospitalar
Gestão do Risco: Segurança do Doente em Ambiente HospitalarGestão do Risco: Segurança do Doente em Ambiente Hospitalar
Gestão do Risco: Segurança do Doente em Ambiente HospitalarFernando Barroso
 
Aula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdf
Aula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdfAula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdf
Aula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdfEvertonMonteiro19
 
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzAula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzProqualis
 
Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...
Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...
Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...João Antônio Granzotti
 
Segurança do Paciente na administração de medicamentos: Notificação de Risco
Segurança do Paciente na administração de medicamentos: Notificação de RiscoSegurança do Paciente na administração de medicamentos: Notificação de Risco
Segurança do Paciente na administração de medicamentos: Notificação de RiscoDayane Krüger
 
seguranadopaciente-171007135224.pdf
seguranadopaciente-171007135224.pdfseguranadopaciente-171007135224.pdf
seguranadopaciente-171007135224.pdfMarcioCruz62
 
Seguranca do Paciente - Medicamentos
Seguranca do Paciente - MedicamentosSeguranca do Paciente - Medicamentos
Seguranca do Paciente - MedicamentosEmmanuel Souza
 

Semelhante a SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx (20)

Segurança do pasciente
Segurança do pascienteSegurança do pasciente
Segurança do pasciente
 
segurança do paciente
segurança do pacientesegurança do paciente
segurança do paciente
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
Presentacinlibroseguridad pt
Presentacinlibroseguridad ptPresentacinlibroseguridad pt
Presentacinlibroseguridad pt
 
Práticas de enfermagem baseadas em evidências
Práticas de enfermagem baseadas em evidênciasPráticas de enfermagem baseadas em evidências
Práticas de enfermagem baseadas em evidências
 
Gestão do Risco: Segurança do Doente em Ambiente Hospitalar
Gestão do Risco: Segurança do Doente em Ambiente HospitalarGestão do Risco: Segurança do Doente em Ambiente Hospitalar
Gestão do Risco: Segurança do Doente em Ambiente Hospitalar
 
Aula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdf
Aula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdfAula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdf
Aula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdf
 
Segurança do Paciente em Unidades Neonatais
Segurança do Paciente em Unidades NeonataisSegurança do Paciente em Unidades Neonatais
Segurança do Paciente em Unidades Neonatais
 
Gestao luvas
Gestao luvasGestao luvas
Gestao luvas
 
segurança do paciente
segurança do pacientesegurança do paciente
segurança do paciente
 
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzAula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
 
Ressumo do ary professora karol
Ressumo do ary  professora karolRessumo do ary  professora karol
Ressumo do ary professora karol
 
Higienização das mãos
Higienização das mãos Higienização das mãos
Higienização das mãos
 
Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...
Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...
Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...
 
Duarte et al 2015
Duarte et al 2015Duarte et al 2015
Duarte et al 2015
 
Segurança do Paciente na administração de medicamentos: Notificação de Risco
Segurança do Paciente na administração de medicamentos: Notificação de RiscoSegurança do Paciente na administração de medicamentos: Notificação de Risco
Segurança do Paciente na administração de medicamentos: Notificação de Risco
 
segurança do paciente
segurança do paciente segurança do paciente
segurança do paciente
 
seguranadopaciente-171007135224.pdf
seguranadopaciente-171007135224.pdfseguranadopaciente-171007135224.pdf
seguranadopaciente-171007135224.pdf
 
2. anvs hig das maos
2. anvs   hig das maos2. anvs   hig das maos
2. anvs hig das maos
 
Seguranca do Paciente - Medicamentos
Seguranca do Paciente - MedicamentosSeguranca do Paciente - Medicamentos
Seguranca do Paciente - Medicamentos
 

Último

Saúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptx
Saúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptxSaúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptx
Saúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptxrebecasuhivc
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesVanessaXLncolis
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.FabioCorreia46
 
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?carloslins20
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaJoyceDamasio2
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfboxac76813
 

Último (6)

Saúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptx
Saúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptxSaúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptx
Saúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptx
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
 
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 

SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx

  • 2. Histórico A discussão sobre a segurança do paciente é ampla e sabe-se que ela é uma das dimensões da qualidade dos serviços de saúde, sendo assim, a segurança e qualidade são indissociáveis (GAMA & SATURNO, 2013). O Histórico do Movimento para a Segurança do Paciente teve os seguintes marcos: • 1998: Errar é Humano, Institute of Medicine, EUA • 2000: An Organisation with a Memory, Reino Unido • 2002: Resolução da 55ª Assembléia Mundial da Saúde - OMS • 2004: Lançamento da Aliança Mundial para Segurança do Paciente/Doente – OMS • 2005: Lançamento do Primeiro Desafio Global de Segurança do Paciente/ Doente (Higienização/Lavagem das Mãos)
  • 3. Segurança do paciente • Organização Mundial de Saúde em parceria com a Joint Commission International elaboraram as seis medidas que fazem parte das Metas Internacionais de Segurança do Paciente. • A Joint Commission International ( JCI) identifica, mede e compartilha as melhores práticas em qualidade e segurança do paciente com o mundo.
  • 4. Meta 1 – Identificar os pacientes corretamente • As falhas no processo de identificação dos pacientes podem gerar inúmeros erros que podem variar desde a realização de um procedimento, cirurgias, administração de um medicamento ou hemocomponentes, realização de exames laboratoriais e radiológicos errados, assim como a entrega de recém-nascidos às famílias erradas na alta ou no momento do aleitamento (World Health Organization). • A OMS sugere que as instituições de saúde implementem protocolos para a correta identificação do paciente. Essa identificação deve ser padronizada pelo uso de pulseiras de identificação, que devem conter pelo menos duas informações. Também sugere-se a execução de ações do setor de educação continuada das instituições de saúde, com a finalidade de aprimorar o conhecimento e as práticas dos profissionais de saúde na conferência no processo de identificação dos pacientes (WHO, JCI, JC, 2007).
  • 5. Meta 2 – Melhorar a efetividade da comunicação entre profissionais da assistência • Todo processo de cuidado deve envolver uma comunicação eficaz. Essa comunicação envolve a forma verbal, como também os comandos e informações escritas. Todo processo de comunicação deve ser feito de forma clara e objetiva, evitando que a informação do paciente seja perdida ou trocada. • A OMS relatou que os erros relacionados a comunicação foi a principal causa dos eventos de sentinela nos Estados Unidos entre 1995 e 2006. Na Austrália dos 25.000 a 30.000 eventos adversos evitáveis que levou à incapacidade permanente do paciente, 11% foram devidos a problemas de comunicação (WHO, JCI, JC, 2007).
  • 6. Meta 3 – Melhorar a segurança de medicações de alta vigilância • Deve-se ter uma atenção maior nas medicações como anticoagulantes, insulinas, eletrólitos de alta concentração e morfinas. Curiosidade: Conforme dados da Joint Commission on Acreditation ( JCI, 2010), nos EUA acontecem: • 1,5 milhão de eventos evitáveis adversos relacionados à administração de medicamentos; • 400.000 eventos evitáveis ocorrem em hospitais; • Os eventos evitáveis que ocorrem no hospital resultam em 3,5 bilhões de dólares em custos adicionais
  • 7. https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas- noticias/redacao/2017/11/22/a-cada-5-minutos-3- brasileiros-morrem-em-hospitais-por-falhas Larissa Leiros Baroni Do UOL, em São Paulo 22/11/2017 02h00 Cerca de 829 brasileiros morrem diariamente em hospitais públicos e privados por falhas que poderiam ser evitadas, segundo o Anuário da Segurança Assistencial Hospitalar no Brasil, realizado pelo IESS (Instituto de Estudos de Saúde Suplementar) em parceria com a Faculdade de Medicina da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). O número equivale a três mortes a cada cinco minutos. Esta é a segunda causa de morte mais comum no Brasil. Fica atrás apenas das doenças cardiovasculares, responsável pela morte de 950 brasileiros por dia, como estima a Sociedade Brasileira de Cardiologia. Mas é bem maior do que os óbitos causados por câncer (de 480 a 520 mortes/dia), violência (164 mortes/dia) e acidentes de trânsito (129 mortes/dia). Em 2016, 302.610 brasileiros morreram em hospitais como consequência de um "evento adverso", que inclui erros de dosagem ou aplicação de medicamentos, uso incorreto de equipamentos, infecção hospitalar, entre outros. "Não significa, necessariamente, que houve um erro, negligência ou baixa qualidade, mas trata-se de incidente que poderia ter sido evitado", explicou Tania Grillo, professora da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais e uma das coordenadoras da pesquisa.
  • 8.
  • 9. Meta 4 – Assegurar cirurgias com local de intervenção correto, procedimento correto e paciente correto • Sugere-se que as instituições de saúde que prestam serviços cirúrgicos implementem a Lista de verificação de segurança do paciente, que é separada em três fases: • Antes da indução anestésica; • Antes da incisão na pele; • Antes da saída do paciente sair da sala de operação;
  • 10.
  • 11. Meta 5 – Reduzir o risco de infecções associadas aos cuidados de saúde • A estimativa da OMS em relação a infecções associadas aos cuidados de saúde está entre 5% a 10% de infecções em pacientes admitidos em hospitais. Conforme as diretrizes atuais da OMS ou do Center for Disease Control, a forma mais efetiva de controle dessas infeções é a correta higienização das mãos.
  • 12. ATENÇÃO Uma das principais causas de morbimortalidade dentro das instituições de saúde são as infecções hospitalares, sendo que o principal foco de transmissão é a falta de higienização das mãos. Sugere-se a implementação de um programa efetivo para higienização das mãos, com realização de campanhas educativas que aborde o tema. É recomendada a divulgação da técnica de higienização das mãos, por meio de treinamento, adesivos para pias, entre outras estratégias. Cabe ressaltar que também é preciso realizar a orientação sobre a importância da lavagem das mãos aos familiares e visitantes do paciente.
  • 13. Meta 6 – Reduzir o risco de lesões aos pacientes decorrentes de quedas. Essa meta tem como objetivo a prevenção de quedas dos pacientes durante sua estadia nas instituições hospitalares, reduzindo o risco de lesão. 1. Construir a conscientização sobre a importância da prevenção e do tratamento das quedas. 2. Incrementar a avaliação dos fatores individuais, ambientais e sociais que aumentem a probabilidade da ocorrência das quedas. 3. Incentivar o design e a implementação de intervenções apoiadas por evidências e culturalmente apropriadas que possam reduzir, de maneira significativa, o número de quedas entre idosos.