SlideShare uma empresa Scribd logo
Alunos:
Joeldson Costa
Guilerme Melo
Marcelo Guedes
Instituto Federal do Rio Grande do Norte – IFRN
Graduação Tecnologia em Analise e Desenvolvimento de Sistema
Disciplina: Processo de Desenvolvimento de Software
Professor: Alexandre Gomes
Scrum
1
Natal/RN, 2012.
Para se entender o
Scrum precisamos
entender o que é
Metodologias ágeis
de desenvolvimento.
2/28
Aprimeiraideiademétodoságeis
3/28
PENSOU QUE
ERA ISSO?
ERRADO!
4/28
MetodologiasÁgeis
• Surgiram inicio dos anos 2000 procurando uma nova
abordagem de desenvolvimento.
• Reação as metodologias tradicionais com o intuito de criação
de novas alternativas.
• Em 2001, especialistas criaram a aliança Ágil e através do
Manifesto Ágil, popularizou-se o termo metodologia Ágil.
5/28
MetodologiasÁgeis
O Manifesto Ágil valoriza 4 princípios.
1º Indivíduos e interações acima de procedimentos e ferramentas
2º Software funcionando acima de documentação
3 º Colaboração dos clientes acima de negociação de contratos
4º responder à mudanças acima de um plano pré-estabelecido.
6/28
Agora com os princípios
básicos de metodologias
ágeis na cabeça vamos
entender o que é Scrum.
7/28
Scrum-Origens
• O termo Scrum é o nome de um tipo de jogada que acontece no jogo
de rugby.
• O termo foi utilizado pela primeira vez, no contexto de processo de
desenvolvimento ou manufatura, por Ikujiro Nonaka e Hirotaka
Takeuchi em um artigo chamado “The New New Product
Development Game” publicado na Harvard Business Review em
1986.
• Fundadores:
• Jeff Suttherland
• Ken Schwabe
• Mike Beedle
• Easel Corporation 1993
• Inspiração
• Desenvolvimento Iterativo e incremental em empresas (DuPont) nos
anos 80
8/28
FundamentosdeScrum
• Desenvolvimento de software depende muito de criatividade e de
trabalho (Dinâmico).
• O Modelo de controle com processo empírico.
• O desenvolvimento nem sempre será repetido e bem definido.
• Mas existem padrões que podem a serem usados.
9/28
Scrum-Ênfases
• Comunicação
• Trabalho em equipe
• Flexibilidade
• Fornecer software Incremental (funcionando)
• Obs.: As diferenças entre Scrum e xp quase não existem.
10/28
Scrum -Objetivos
• Garantir maior flexibilidade e habilidade para tratamento de
sistemas complexos e simples.
• Produzir um sistema sujeito a requisitos iniciais e adicionais
durante o projeto:
• Requisitos dos cliente;
• Necessidades do negócio;
• Pressão relativa ao tempo;
• Competitividade do mercado;
• Qualidade;
• recursos.
11/28
Entendendo um
pouco mais sobre os
papeis no Scrum
12/28
As pessoas no Scrum estão
organizadas em três papéis
comprometidas com suas
responsabilidades: Product
Owner, Scrum Master e
Time.
13/28
• É o guru do Scrum.
• conhecimento da dinâmica da framework Scrum
• evitar que problemas e práticas “não ágeis”
• É um líder-servidor
• Não é gerente de projetos
• Não define quem faz o quê
• Acompanha o dia a dia da equipe
• Cuida do planejamento das cerimônias
• Atenção à dinâmica
• garantir que as reuniões sejam realizadas
• Estar atento para que os objetivos sejam
atingidos
• Protege o Time
• evitar que o Time tenha interferências externas
• Também presta conta para equipe
ScrumMaster(SM)
14/28
Time(TM)
15/28
• Desenvolver o produto.
• Estimar o tamanho dos itens a serem desenvolvidos
• Apresentar o produto para o cliente
• Definir as tarefas
ProductOwner(PO)
16/28
Representante do dono do produto. “dono do produto”
Visão clara do produto
Deve ser disponível para a equipe.
Elaborar o manter a lista de requisitos do sistema (Product
Backlog).
Priorizar a lista de requisitos do sistema (Product Backlog).
Aceitar e Rejeitar as entregas.
Responsável pelo ROI.
Scrum-Caracteristicas
• Deliberadamente flexível;
• Cronograma flexível;
• Times de desenvolvimento pequenos (por volta de 6);
• Revisões frequentes;
• Colaboração;
• Orientação a Objeto.
17/28
Scrum-Fases
• Planejamento
• Sprint
• Ciclos
• Encerramento
18/28
OquadroKanban
19/28
Scrum–FasesdePlanejamento:Backlog
• Processo definido
• Relatividade curta
• Design da arquitetura do sistema
• Estimativas de datas e custos
• Criação do backlog
• Definição de equipes e seus líderes
• Participação de clientes e outros departamentos
• Levantamento dos requisitos e atribuição de prioridades.
• Definição de pacotes a serem desenvolvidos
20/28
Scrum–Fases:Sprint
• Processo Empírico
• Cada time recebe uma parte do backlog para desenvolvimento
• O backlog não sofrerá modificações durante o Sprint
• Duração de 1 a 4 semanas
• Sempre apresentam um executável ao final
21/28
Scrum–Fases–Sprint:ReuniõesDiárias
• Cerca de 15 minutos de duração
• Gerenciada pelo líder de cada equipe
• Todos respondem às 3 perguntas
• O que você realizou desde a ultima reunião?
• Quais problemas você enfrentou?
• Em que você trabalhará até a próxima reunião?
• Benefícios:
• Maior Interação entre os membros da equipe
• Rápida solução de problemas
• Promovendo o compartilhamento de conhecimento
• Processo medido continuamente
• Minimização de riscos
22/28
Scrum–Fases–Sprint:Revisão
• Deve obedecer à data de entrega
• Permitida a diminuição de funcionalidades
• Apresentação do produto à clientes e/ou diretos de marketing
• Sugestões de mudanças são incorporadas ao backlog
• Benefícios:
• Apresentar resultados concretos ao cliente
• Integrar e testar uma boa parte do software
• Motivação da equipe
23/28
Fases-Encerramento
Iniciada quando todos os aspectos são satisfatórios(tempo,
competitividade, requisitos, qualidade, custo)
Atividades:
1. Teste de integração
2. Testes de sistemas
3. Documentação do usuário
4. Preparação de material de treinamento
5. Preparação de material de marketing
24/28
Scrum:PapéisComprometidos!
O sucesso de qualquer equipe de desenvolvimento ágil não está
no processo… está nas PESSOAS! A recuperação desse valor talvez
tenha sido a maior contribuição do manifesto ágil. Entretanto,
para que essas pessoas façam à diferença é preciso que elas
estejam de fato comprometidas.
25/28
Scrum:PapéisComprometidos
Abaixo a diferença entre comprometimento e envolvimento.
26/28
UmaferramentaWebparaGestão
ÁgildeProjetos-Scrumhalf.
http://scrumhalf.com.br/login.jsf
27/28
Referências
Scrum Alliance.org - Organização de âmbito mundial que certifica e
fomenta o desenvolvimento do Scrum no mundo
Comunidade Scrum no Brasil
Comunidade Scrum em Portugal
Cursos de Scrum em Portugal
Scrum para Designers
Adaptive Project Management Using Scrum
The New New Product Development Game
Scrum Delivers or Scrum and the Toyota Way
http://www.youtube.com/watch?v=eygufrzrjn4&feature=bf_next&list=P
L780A2478CDC02F4B&index=8
http://quebrandoparadigmas.com/?tag=scrum
28/28

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
Daniel Paulo de Assis
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
Rafael Sanches
 
Planejamento de Testes
Planejamento de TestesPlanejamento de Testes
Planejamento de Testes
elliando dias
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 5.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 5.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 5.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 5.pptx
Roberto Nunes
 
Implantação de um Processo de Teste de Software - Randerson Melville
Implantação de um Processo de Teste de Software - Randerson Melville Implantação de um Processo de Teste de Software - Randerson Melville
Implantação de um Processo de Teste de Software - Randerson Melville
minastestingconference
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Roberto Nunes
 
Teste de Aceitação: problemas, desafios e abordagens
Teste de Aceitação: problemas, desafios e abordagensTeste de Aceitação: problemas, desafios e abordagens
Teste de Aceitação: problemas, desafios e abordagens
Synergia - Engenharia de Software e Sistemas
 
Testes de software
Testes de softwareTestes de software
Testes de software
Fernando Palma
 
Testes Funcionais
Testes FuncionaisTestes Funcionais
Testes Funcionais
Juliana Maria Lopes
 
Verificação, validação e teste de software ágil
Verificação, validação e teste de software ágilVerificação, validação e teste de software ágil
Verificação, validação e teste de software ágil
Gilberto Gampert
 
Teste de Software
Teste de SoftwareTeste de Software
Teste de Software
Wagner Zaparoli
 
Introdução a Testes de Software - Unidade I
Introdução a Testes de Software - Unidade IIntrodução a Testes de Software - Unidade I
Introdução a Testes de Software - Unidade I
João Lourenço
 
[CEFETMG][ESw] Aula 2 - Processos de software
[CEFETMG][ESw] Aula 2 - Processos de software[CEFETMG][ESw] Aula 2 - Processos de software
[CEFETMG][ESw] Aula 2 - Processos de software
Universidade Federal de Minas Gerais
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 1.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 1.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 1.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 1.pptx
Roberto Nunes
 
Teste de Software Introdução à Qualidade
Teste de Software Introdução à Qualidade Teste de Software Introdução à Qualidade
Teste de Software Introdução à Qualidade
Camilo Ribeiro
 
4 engenharia de software
4   engenharia de software4   engenharia de software
4 engenharia de software
Felipe Bugov
 
Workshop - Plano de Testes End to End com o Microsoft Test Manager
Workshop   - Plano de Testes End to End com o Microsoft Test ManagerWorkshop   - Plano de Testes End to End com o Microsoft Test Manager
Workshop - Plano de Testes End to End com o Microsoft Test Manager
Alan Carlos
 
Testes de Software - Fundamentos
Testes de Software - FundamentosTestes de Software - Fundamentos
Testes de Software - Fundamentos
Lucas Amaral
 
PSP - Personal Software Process
PSP - Personal Software ProcessPSP - Personal Software Process
PSP - Personal Software Process
Rafael Queiroz
 
Plano de testes
Plano de testesPlano de testes
Plano de testes
Marcello Lima
 

Mais procurados (20)

Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
 
Planejamento de Testes
Planejamento de TestesPlanejamento de Testes
Planejamento de Testes
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 5.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 5.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 5.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 5.pptx
 
Implantação de um Processo de Teste de Software - Randerson Melville
Implantação de um Processo de Teste de Software - Randerson Melville Implantação de um Processo de Teste de Software - Randerson Melville
Implantação de um Processo de Teste de Software - Randerson Melville
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
 
Teste de Aceitação: problemas, desafios e abordagens
Teste de Aceitação: problemas, desafios e abordagensTeste de Aceitação: problemas, desafios e abordagens
Teste de Aceitação: problemas, desafios e abordagens
 
Testes de software
Testes de softwareTestes de software
Testes de software
 
Testes Funcionais
Testes FuncionaisTestes Funcionais
Testes Funcionais
 
Verificação, validação e teste de software ágil
Verificação, validação e teste de software ágilVerificação, validação e teste de software ágil
Verificação, validação e teste de software ágil
 
Teste de Software
Teste de SoftwareTeste de Software
Teste de Software
 
Introdução a Testes de Software - Unidade I
Introdução a Testes de Software - Unidade IIntrodução a Testes de Software - Unidade I
Introdução a Testes de Software - Unidade I
 
[CEFETMG][ESw] Aula 2 - Processos de software
[CEFETMG][ESw] Aula 2 - Processos de software[CEFETMG][ESw] Aula 2 - Processos de software
[CEFETMG][ESw] Aula 2 - Processos de software
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 1.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 1.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 1.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 1.pptx
 
Teste de Software Introdução à Qualidade
Teste de Software Introdução à Qualidade Teste de Software Introdução à Qualidade
Teste de Software Introdução à Qualidade
 
4 engenharia de software
4   engenharia de software4   engenharia de software
4 engenharia de software
 
Workshop - Plano de Testes End to End com o Microsoft Test Manager
Workshop   - Plano de Testes End to End com o Microsoft Test ManagerWorkshop   - Plano de Testes End to End com o Microsoft Test Manager
Workshop - Plano de Testes End to End com o Microsoft Test Manager
 
Testes de Software - Fundamentos
Testes de Software - FundamentosTestes de Software - Fundamentos
Testes de Software - Fundamentos
 
PSP - Personal Software Process
PSP - Personal Software ProcessPSP - Personal Software Process
PSP - Personal Software Process
 
Plano de testes
Plano de testesPlano de testes
Plano de testes
 

Destaque

Trabalho scrum fases
Trabalho scrum fasesTrabalho scrum fases
Trabalho scrum fases
maximilam
 
Desmistificando o desenvolvimento de jogos no Brasil
Desmistificando o desenvolvimento de jogos no BrasilDesmistificando o desenvolvimento de jogos no Brasil
Desmistificando o desenvolvimento de jogos no Brasil
Jogos Digitais, PUC - SP
 
Iniciando com IphoneDev
Iniciando com IphoneDevIniciando com IphoneDev
Iniciando com IphoneDev
Leonardo "Hackin" Freire
 
"Do Joystick ao Peão – O que acontece nas mesas da luderia"
"Do Joystick ao Peão – O que acontece nas mesas da luderia""Do Joystick ao Peão – O que acontece nas mesas da luderia"
"Do Joystick ao Peão – O que acontece nas mesas da luderia"
Jogos Digitais, PUC - SP
 
iPhone manual do usuario
iPhone manual do usuarioiPhone manual do usuario
iPhone manual do usuario
Mihaela Mija
 
Games Open Source: experiências na comunidade KDE
Games Open Source: experiências na comunidade KDEGames Open Source: experiências na comunidade KDE
Games Open Source: experiências na comunidade KDE
Jogos Digitais, PUC - SP
 
Modelos de Iluminação e Reflexão
Modelos de Iluminação e ReflexãoModelos de Iluminação e Reflexão
Modelos de Iluminação e Reflexão
Jogos Digitais, PUC - SP
 
Workshops de Unity
Workshops de UnityWorkshops de Unity
Workshops de Unity
Jogos Digitais, PUC - SP
 
Problemas na produção de jogos - Projeto Vates (Conceitual)
Problemas na produção de jogos - Projeto Vates (Conceitual)Problemas na produção de jogos - Projeto Vates (Conceitual)
Problemas na produção de jogos - Projeto Vates (Conceitual)
Jogos Digitais, PUC - SP
 
Pesquisa em Games
Pesquisa em GamesPesquisa em Games
Pesquisa em Games
Jogos Digitais, PUC - SP
 
Desenvolvimento de jogos para smart phones
Desenvolvimento de jogos para smart phonesDesenvolvimento de jogos para smart phones
Desenvolvimento de jogos para smart phones
Jogos Digitais, PUC - SP
 
Aula 7 - Ataque de Força Bruta
Aula 7 - Ataque de Força BrutaAula 7 - Ataque de Força Bruta
Aula 7 - Ataque de Força Bruta
Carlos Henrique Martins da Silva
 
10 dicas de como fazer um game casual de sucesso para iPhone e Android.
10 dicas de como fazer um game casual de sucesso para iPhone e Android.10 dicas de como fazer um game casual de sucesso para iPhone e Android.
10 dicas de como fazer um game casual de sucesso para iPhone e Android.
Rafael Rodrigues
 
Como ganhar dinheiro com games
Como ganhar dinheiro com gamesComo ganhar dinheiro com games
Como ganhar dinheiro com games
Campus Party Brasil
 
Webinar # 16 – Ataques de Força Bruta – Método Dicionário, Híbridos e Rainbow...
Webinar # 16 – Ataques de Força Bruta – Método Dicionário, Híbridos e Rainbow...Webinar # 16 – Ataques de Força Bruta – Método Dicionário, Híbridos e Rainbow...
Webinar # 16 – Ataques de Força Bruta – Método Dicionário, Híbridos e Rainbow...
Clavis Segurança da Informação
 
Segurança de Redes - Keylogger e Screelongger
Segurança de Redes - Keylogger e ScreelonggerSegurança de Redes - Keylogger e Screelongger
Segurança de Redes - Keylogger e Screelongger
Cleber Ramos
 
Atividade word
Atividade wordAtividade word
Atividade word
Carlos Melo
 
Introdução ao desenvolvimento de jogos com unity3d
Introdução ao desenvolvimento de jogos com unity3dIntrodução ao desenvolvimento de jogos com unity3d
Introdução ao desenvolvimento de jogos com unity3d
Caio Vinicius Marques Teixeira
 
Entenda porque seu aplicativo de Android não deve ser igual ao de iPhone
Entenda porque seu aplicativo de Android não deve ser igual ao de iPhoneEntenda porque seu aplicativo de Android não deve ser igual ao de iPhone
Entenda porque seu aplicativo de Android não deve ser igual ao de iPhone
Henrique Perticarati
 
Informática Básica - Software de Apresentações - Microsoft Power Point
Informática Básica - Software de Apresentações - Microsoft Power PointInformática Básica - Software de Apresentações - Microsoft Power Point
Informática Básica - Software de Apresentações - Microsoft Power Point
Joeldson Costa Damasceno
 

Destaque (20)

Trabalho scrum fases
Trabalho scrum fasesTrabalho scrum fases
Trabalho scrum fases
 
Desmistificando o desenvolvimento de jogos no Brasil
Desmistificando o desenvolvimento de jogos no BrasilDesmistificando o desenvolvimento de jogos no Brasil
Desmistificando o desenvolvimento de jogos no Brasil
 
Iniciando com IphoneDev
Iniciando com IphoneDevIniciando com IphoneDev
Iniciando com IphoneDev
 
"Do Joystick ao Peão – O que acontece nas mesas da luderia"
"Do Joystick ao Peão – O que acontece nas mesas da luderia""Do Joystick ao Peão – O que acontece nas mesas da luderia"
"Do Joystick ao Peão – O que acontece nas mesas da luderia"
 
iPhone manual do usuario
iPhone manual do usuarioiPhone manual do usuario
iPhone manual do usuario
 
Games Open Source: experiências na comunidade KDE
Games Open Source: experiências na comunidade KDEGames Open Source: experiências na comunidade KDE
Games Open Source: experiências na comunidade KDE
 
Modelos de Iluminação e Reflexão
Modelos de Iluminação e ReflexãoModelos de Iluminação e Reflexão
Modelos de Iluminação e Reflexão
 
Workshops de Unity
Workshops de UnityWorkshops de Unity
Workshops de Unity
 
Problemas na produção de jogos - Projeto Vates (Conceitual)
Problemas na produção de jogos - Projeto Vates (Conceitual)Problemas na produção de jogos - Projeto Vates (Conceitual)
Problemas na produção de jogos - Projeto Vates (Conceitual)
 
Pesquisa em Games
Pesquisa em GamesPesquisa em Games
Pesquisa em Games
 
Desenvolvimento de jogos para smart phones
Desenvolvimento de jogos para smart phonesDesenvolvimento de jogos para smart phones
Desenvolvimento de jogos para smart phones
 
Aula 7 - Ataque de Força Bruta
Aula 7 - Ataque de Força BrutaAula 7 - Ataque de Força Bruta
Aula 7 - Ataque de Força Bruta
 
10 dicas de como fazer um game casual de sucesso para iPhone e Android.
10 dicas de como fazer um game casual de sucesso para iPhone e Android.10 dicas de como fazer um game casual de sucesso para iPhone e Android.
10 dicas de como fazer um game casual de sucesso para iPhone e Android.
 
Como ganhar dinheiro com games
Como ganhar dinheiro com gamesComo ganhar dinheiro com games
Como ganhar dinheiro com games
 
Webinar # 16 – Ataques de Força Bruta – Método Dicionário, Híbridos e Rainbow...
Webinar # 16 – Ataques de Força Bruta – Método Dicionário, Híbridos e Rainbow...Webinar # 16 – Ataques de Força Bruta – Método Dicionário, Híbridos e Rainbow...
Webinar # 16 – Ataques de Força Bruta – Método Dicionário, Híbridos e Rainbow...
 
Segurança de Redes - Keylogger e Screelongger
Segurança de Redes - Keylogger e ScreelonggerSegurança de Redes - Keylogger e Screelongger
Segurança de Redes - Keylogger e Screelongger
 
Atividade word
Atividade wordAtividade word
Atividade word
 
Introdução ao desenvolvimento de jogos com unity3d
Introdução ao desenvolvimento de jogos com unity3dIntrodução ao desenvolvimento de jogos com unity3d
Introdução ao desenvolvimento de jogos com unity3d
 
Entenda porque seu aplicativo de Android não deve ser igual ao de iPhone
Entenda porque seu aplicativo de Android não deve ser igual ao de iPhoneEntenda porque seu aplicativo de Android não deve ser igual ao de iPhone
Entenda porque seu aplicativo de Android não deve ser igual ao de iPhone
 
Informática Básica - Software de Apresentações - Microsoft Power Point
Informática Básica - Software de Apresentações - Microsoft Power PointInformática Básica - Software de Apresentações - Microsoft Power Point
Informática Básica - Software de Apresentações - Microsoft Power Point
 

Semelhante a Scrum - conceitos iniciais

Netshoes metodologia
Netshoes metodologiaNetshoes metodologia
Netshoes metodologia
Ale Uehara
 
Netshoes metodologia
Netshoes metodologiaNetshoes metodologia
Netshoes metodologia
Alexandre Uehara
 
Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.
Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.
Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.
Rafael de Oliveira
 
Workshop Scrum - 8 horas
Workshop Scrum - 8 horasWorkshop Scrum - 8 horas
Workshop Scrum - 8 horas
Wise Systems
 
Gerenciamento ágil de processos - SCRUM
Gerenciamento ágil de processos - SCRUMGerenciamento ágil de processos - SCRUM
Gerenciamento ágil de processos - SCRUM
Lucas Vinícius
 
Apostila Scrum: Fundamentos do Scrum
Apostila Scrum: Fundamentos do ScrumApostila Scrum: Fundamentos do Scrum
Apostila Scrum: Fundamentos do Scrum
MindMasterBrasil
 
Scrum
ScrumScrum
Scrum
Paula P.
 
Aula 3 - Engenharia de Software
Aula 3 - Engenharia de SoftwareAula 3 - Engenharia de Software
Aula 3 - Engenharia de Software
Rudson Kiyoshi Souza Carvalho
 
Apresentação Scrum 2012
Apresentação Scrum 2012Apresentação Scrum 2012
Apresentação Scrum 2012
Libia Boss
 
Gerenciamento ágil de projetos com scrum
Gerenciamento ágil de projetos com scrumGerenciamento ágil de projetos com scrum
Gerenciamento ágil de projetos com scrum
Audasi Tecnologia e Inovação
 
Scrum - Profº James Moreira Jr.
Scrum - Profº James Moreira Jr.Scrum - Profº James Moreira Jr.
Scrum - Profº James Moreira Jr.
James Moreira
 
Scrum - Faça o dobro do trabalho na metade do tempo
Scrum - Faça o dobro do trabalho na metade do tempoScrum - Faça o dobro do trabalho na metade do tempo
Scrum - Faça o dobro do trabalho na metade do tempo
Fernando Fagonde
 
Scrum agil
Scrum agilScrum agil
Material Workshop Scrum foundation - Fernando Cunha
Material Workshop Scrum foundation -  Fernando CunhaMaterial Workshop Scrum foundation -  Fernando Cunha
Material Workshop Scrum foundation - Fernando Cunha
Wise Systems
 
Gerenciamento e desenvolvimento ágil de software
Gerenciamento e desenvolvimento ágil de softwareGerenciamento e desenvolvimento ágil de software
Gerenciamento e desenvolvimento ágil de software
Impacta Eventos
 
Guia do scrum
Guia do scrumGuia do scrum
Guia do scrum
Elisa Morelli
 
Guia do scrum
Guia do scrumGuia do scrum
Guia do scrum
leopaiva217101
 
ageis2003.ppt
ageis2003.pptageis2003.ppt
ageis2003.ppt
JAIMEMARTINS18
 
ageis2003.ppt
ageis2003.pptageis2003.ppt
ageis2003.ppt
ssuser9a8135
 
Texto de Apoio2_Síntese de Metodologias Ageis.ppt
Texto de Apoio2_Síntese de Metodologias Ageis.pptTexto de Apoio2_Síntese de Metodologias Ageis.ppt
Texto de Apoio2_Síntese de Metodologias Ageis.ppt
HurgelNeto
 

Semelhante a Scrum - conceitos iniciais (20)

Netshoes metodologia
Netshoes metodologiaNetshoes metodologia
Netshoes metodologia
 
Netshoes metodologia
Netshoes metodologiaNetshoes metodologia
Netshoes metodologia
 
Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.
Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.
Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.
 
Workshop Scrum - 8 horas
Workshop Scrum - 8 horasWorkshop Scrum - 8 horas
Workshop Scrum - 8 horas
 
Gerenciamento ágil de processos - SCRUM
Gerenciamento ágil de processos - SCRUMGerenciamento ágil de processos - SCRUM
Gerenciamento ágil de processos - SCRUM
 
Apostila Scrum: Fundamentos do Scrum
Apostila Scrum: Fundamentos do ScrumApostila Scrum: Fundamentos do Scrum
Apostila Scrum: Fundamentos do Scrum
 
Scrum
ScrumScrum
Scrum
 
Aula 3 - Engenharia de Software
Aula 3 - Engenharia de SoftwareAula 3 - Engenharia de Software
Aula 3 - Engenharia de Software
 
Apresentação Scrum 2012
Apresentação Scrum 2012Apresentação Scrum 2012
Apresentação Scrum 2012
 
Gerenciamento ágil de projetos com scrum
Gerenciamento ágil de projetos com scrumGerenciamento ágil de projetos com scrum
Gerenciamento ágil de projetos com scrum
 
Scrum - Profº James Moreira Jr.
Scrum - Profº James Moreira Jr.Scrum - Profº James Moreira Jr.
Scrum - Profº James Moreira Jr.
 
Scrum - Faça o dobro do trabalho na metade do tempo
Scrum - Faça o dobro do trabalho na metade do tempoScrum - Faça o dobro do trabalho na metade do tempo
Scrum - Faça o dobro do trabalho na metade do tempo
 
Scrum agil
Scrum agilScrum agil
Scrum agil
 
Material Workshop Scrum foundation - Fernando Cunha
Material Workshop Scrum foundation -  Fernando CunhaMaterial Workshop Scrum foundation -  Fernando Cunha
Material Workshop Scrum foundation - Fernando Cunha
 
Gerenciamento e desenvolvimento ágil de software
Gerenciamento e desenvolvimento ágil de softwareGerenciamento e desenvolvimento ágil de software
Gerenciamento e desenvolvimento ágil de software
 
Guia do scrum
Guia do scrumGuia do scrum
Guia do scrum
 
Guia do scrum
Guia do scrumGuia do scrum
Guia do scrum
 
ageis2003.ppt
ageis2003.pptageis2003.ppt
ageis2003.ppt
 
ageis2003.ppt
ageis2003.pptageis2003.ppt
ageis2003.ppt
 
Texto de Apoio2_Síntese de Metodologias Ageis.ppt
Texto de Apoio2_Síntese de Metodologias Ageis.pptTexto de Apoio2_Síntese de Metodologias Ageis.ppt
Texto de Apoio2_Síntese de Metodologias Ageis.ppt
 

Mais de Joeldson Costa Damasceno

Pitch de apresentação - Aula prática
Pitch de apresentação - Aula práticaPitch de apresentação - Aula prática
Pitch de apresentação - Aula prática
Joeldson Costa Damasceno
 
Estatuto da Criança e do Adolescente + Questões de Concurso Público.
Estatuto da Criança e do Adolescente + Questões de Concurso Público.Estatuto da Criança e do Adolescente + Questões de Concurso Público.
Estatuto da Criança e do Adolescente + Questões de Concurso Público.
Joeldson Costa Damasceno
 
Aula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos Públicos
Aula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos PúblicosAula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos Públicos
Aula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos Públicos
Joeldson Costa Damasceno
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Informática Básica - Planilha Eletronica - Microsoft Excel 2010
Informática Básica - Planilha Eletronica - Microsoft Excel 2010Informática Básica - Planilha Eletronica - Microsoft Excel 2010
Informática Básica - Planilha Eletronica - Microsoft Excel 2010
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Criação de Tabelas e Gráficos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Criação de Tabelas e Gráficos no Microsoft Word 2010Informática Básica - Criação de Tabelas e Gráficos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Criação de Tabelas e Gráficos no Microsoft Word 2010
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Formatação de Documentos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Formatação de Documentos no Microsoft Word 2010Informática Básica - Formatação de Documentos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Formatação de Documentos no Microsoft Word 2010
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Criação e Edição de Documentos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Criação e Edição de Documentos no Microsoft Word 2010Informática Básica - Criação e Edição de Documentos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Criação e Edição de Documentos no Microsoft Word 2010
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Introdução ao Microsoft Word 2010
Informática Básica - Introdução ao Microsoft Word 2010Informática Básica - Introdução ao Microsoft Word 2010
Informática Básica - Introdução ao Microsoft Word 2010
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Aula 09 - Uso de E-mail
Informática Básica - Aula 09 - Uso de E-mailInformática Básica - Aula 09 - Uso de E-mail
Informática Básica - Aula 09 - Uso de E-mail
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Aula 06 - Utilitários e Ferramentas do Sistema
Informática Básica - Aula 06 - Utilitários e Ferramentas do SistemaInformática Básica - Aula 06 - Utilitários e Ferramentas do Sistema
Informática Básica - Aula 06 - Utilitários e Ferramentas do Sistema
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Aula 05 - Sistema Operacional Windows
Informática Básica - Aula 05 - Sistema Operacional WindowsInformática Básica - Aula 05 - Sistema Operacional Windows
Informática Básica - Aula 05 - Sistema Operacional Windows
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Aula 04 - Software
Informática Básica - Aula 04 - SoftwareInformática Básica - Aula 04 - Software
Informática Básica - Aula 04 - Software
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Aula 03 - Hardware
Informática Básica - Aula 03 - HardwareInformática Básica - Aula 03 - Hardware
Informática Básica - Aula 03 - Hardware
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadores
Informática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadoresInformática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadores
Informática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadores
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Aula 01 - Introdução
Informática Básica - Aula 01 - IntroduçãoInformática Básica - Aula 01 - Introdução
Informática Básica - Aula 01 - Introdução
Joeldson Costa Damasceno
 
Modelo E-R
Modelo E-RModelo E-R
O que é um Banco de Dados Relacional?
O que é um Banco de Dados Relacional?O que é um Banco de Dados Relacional?
O que é um Banco de Dados Relacional?
Joeldson Costa Damasceno
 
O que é um Banco de Dados?
O que é um Banco de Dados?O que é um Banco de Dados?
O que é um Banco de Dados?
Joeldson Costa Damasceno
 
Instalação e configuração - Servidor DHCP
Instalação e configuração - Servidor DHCPInstalação e configuração - Servidor DHCP
Instalação e configuração - Servidor DHCP
Joeldson Costa Damasceno
 

Mais de Joeldson Costa Damasceno (20)

Pitch de apresentação - Aula prática
Pitch de apresentação - Aula práticaPitch de apresentação - Aula prática
Pitch de apresentação - Aula prática
 
Estatuto da Criança e do Adolescente + Questões de Concurso Público.
Estatuto da Criança e do Adolescente + Questões de Concurso Público.Estatuto da Criança e do Adolescente + Questões de Concurso Público.
Estatuto da Criança e do Adolescente + Questões de Concurso Público.
 
Aula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos Públicos
Aula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos PúblicosAula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos Públicos
Aula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos Públicos
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
 
Informática Básica - Planilha Eletronica - Microsoft Excel 2010
Informática Básica - Planilha Eletronica - Microsoft Excel 2010Informática Básica - Planilha Eletronica - Microsoft Excel 2010
Informática Básica - Planilha Eletronica - Microsoft Excel 2010
 
Informática Básica - Criação de Tabelas e Gráficos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Criação de Tabelas e Gráficos no Microsoft Word 2010Informática Básica - Criação de Tabelas e Gráficos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Criação de Tabelas e Gráficos no Microsoft Word 2010
 
Informática Básica - Formatação de Documentos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Formatação de Documentos no Microsoft Word 2010Informática Básica - Formatação de Documentos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Formatação de Documentos no Microsoft Word 2010
 
Informática Básica - Criação e Edição de Documentos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Criação e Edição de Documentos no Microsoft Word 2010Informática Básica - Criação e Edição de Documentos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Criação e Edição de Documentos no Microsoft Word 2010
 
Informática Básica - Introdução ao Microsoft Word 2010
Informática Básica - Introdução ao Microsoft Word 2010Informática Básica - Introdução ao Microsoft Word 2010
Informática Básica - Introdução ao Microsoft Word 2010
 
Informática Básica - Aula 09 - Uso de E-mail
Informática Básica - Aula 09 - Uso de E-mailInformática Básica - Aula 09 - Uso de E-mail
Informática Básica - Aula 09 - Uso de E-mail
 
Informática Básica - Aula 06 - Utilitários e Ferramentas do Sistema
Informática Básica - Aula 06 - Utilitários e Ferramentas do SistemaInformática Básica - Aula 06 - Utilitários e Ferramentas do Sistema
Informática Básica - Aula 06 - Utilitários e Ferramentas do Sistema
 
Informática Básica - Aula 05 - Sistema Operacional Windows
Informática Básica - Aula 05 - Sistema Operacional WindowsInformática Básica - Aula 05 - Sistema Operacional Windows
Informática Básica - Aula 05 - Sistema Operacional Windows
 
Informática Básica - Aula 04 - Software
Informática Básica - Aula 04 - SoftwareInformática Básica - Aula 04 - Software
Informática Básica - Aula 04 - Software
 
Informática Básica - Aula 03 - Hardware
Informática Básica - Aula 03 - HardwareInformática Básica - Aula 03 - Hardware
Informática Básica - Aula 03 - Hardware
 
Informática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadores
Informática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadoresInformática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadores
Informática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadores
 
Informática Básica - Aula 01 - Introdução
Informática Básica - Aula 01 - IntroduçãoInformática Básica - Aula 01 - Introdução
Informática Básica - Aula 01 - Introdução
 
Modelo E-R
Modelo E-RModelo E-R
Modelo E-R
 
O que é um Banco de Dados Relacional?
O que é um Banco de Dados Relacional?O que é um Banco de Dados Relacional?
O que é um Banco de Dados Relacional?
 
O que é um Banco de Dados?
O que é um Banco de Dados?O que é um Banco de Dados?
O que é um Banco de Dados?
 
Instalação e configuração - Servidor DHCP
Instalação e configuração - Servidor DHCPInstalação e configuração - Servidor DHCP
Instalação e configuração - Servidor DHCP
 

Último

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 

Scrum - conceitos iniciais

  • 1. Alunos: Joeldson Costa Guilerme Melo Marcelo Guedes Instituto Federal do Rio Grande do Norte – IFRN Graduação Tecnologia em Analise e Desenvolvimento de Sistema Disciplina: Processo de Desenvolvimento de Software Professor: Alexandre Gomes Scrum 1 Natal/RN, 2012.
  • 2. Para se entender o Scrum precisamos entender o que é Metodologias ágeis de desenvolvimento. 2/28
  • 5. MetodologiasÁgeis • Surgiram inicio dos anos 2000 procurando uma nova abordagem de desenvolvimento. • Reação as metodologias tradicionais com o intuito de criação de novas alternativas. • Em 2001, especialistas criaram a aliança Ágil e através do Manifesto Ágil, popularizou-se o termo metodologia Ágil. 5/28
  • 6. MetodologiasÁgeis O Manifesto Ágil valoriza 4 princípios. 1º Indivíduos e interações acima de procedimentos e ferramentas 2º Software funcionando acima de documentação 3 º Colaboração dos clientes acima de negociação de contratos 4º responder à mudanças acima de um plano pré-estabelecido. 6/28
  • 7. Agora com os princípios básicos de metodologias ágeis na cabeça vamos entender o que é Scrum. 7/28
  • 8. Scrum-Origens • O termo Scrum é o nome de um tipo de jogada que acontece no jogo de rugby. • O termo foi utilizado pela primeira vez, no contexto de processo de desenvolvimento ou manufatura, por Ikujiro Nonaka e Hirotaka Takeuchi em um artigo chamado “The New New Product Development Game” publicado na Harvard Business Review em 1986. • Fundadores: • Jeff Suttherland • Ken Schwabe • Mike Beedle • Easel Corporation 1993 • Inspiração • Desenvolvimento Iterativo e incremental em empresas (DuPont) nos anos 80 8/28
  • 9. FundamentosdeScrum • Desenvolvimento de software depende muito de criatividade e de trabalho (Dinâmico). • O Modelo de controle com processo empírico. • O desenvolvimento nem sempre será repetido e bem definido. • Mas existem padrões que podem a serem usados. 9/28
  • 10. Scrum-Ênfases • Comunicação • Trabalho em equipe • Flexibilidade • Fornecer software Incremental (funcionando) • Obs.: As diferenças entre Scrum e xp quase não existem. 10/28
  • 11. Scrum -Objetivos • Garantir maior flexibilidade e habilidade para tratamento de sistemas complexos e simples. • Produzir um sistema sujeito a requisitos iniciais e adicionais durante o projeto: • Requisitos dos cliente; • Necessidades do negócio; • Pressão relativa ao tempo; • Competitividade do mercado; • Qualidade; • recursos. 11/28
  • 12. Entendendo um pouco mais sobre os papeis no Scrum 12/28
  • 13. As pessoas no Scrum estão organizadas em três papéis comprometidas com suas responsabilidades: Product Owner, Scrum Master e Time. 13/28
  • 14. • É o guru do Scrum. • conhecimento da dinâmica da framework Scrum • evitar que problemas e práticas “não ágeis” • É um líder-servidor • Não é gerente de projetos • Não define quem faz o quê • Acompanha o dia a dia da equipe • Cuida do planejamento das cerimônias • Atenção à dinâmica • garantir que as reuniões sejam realizadas • Estar atento para que os objetivos sejam atingidos • Protege o Time • evitar que o Time tenha interferências externas • Também presta conta para equipe ScrumMaster(SM) 14/28
  • 15. Time(TM) 15/28 • Desenvolver o produto. • Estimar o tamanho dos itens a serem desenvolvidos • Apresentar o produto para o cliente • Definir as tarefas
  • 16. ProductOwner(PO) 16/28 Representante do dono do produto. “dono do produto” Visão clara do produto Deve ser disponível para a equipe. Elaborar o manter a lista de requisitos do sistema (Product Backlog). Priorizar a lista de requisitos do sistema (Product Backlog). Aceitar e Rejeitar as entregas. Responsável pelo ROI.
  • 17. Scrum-Caracteristicas • Deliberadamente flexível; • Cronograma flexível; • Times de desenvolvimento pequenos (por volta de 6); • Revisões frequentes; • Colaboração; • Orientação a Objeto. 17/28
  • 18. Scrum-Fases • Planejamento • Sprint • Ciclos • Encerramento 18/28
  • 20. Scrum–FasesdePlanejamento:Backlog • Processo definido • Relatividade curta • Design da arquitetura do sistema • Estimativas de datas e custos • Criação do backlog • Definição de equipes e seus líderes • Participação de clientes e outros departamentos • Levantamento dos requisitos e atribuição de prioridades. • Definição de pacotes a serem desenvolvidos 20/28
  • 21. Scrum–Fases:Sprint • Processo Empírico • Cada time recebe uma parte do backlog para desenvolvimento • O backlog não sofrerá modificações durante o Sprint • Duração de 1 a 4 semanas • Sempre apresentam um executável ao final 21/28
  • 22. Scrum–Fases–Sprint:ReuniõesDiárias • Cerca de 15 minutos de duração • Gerenciada pelo líder de cada equipe • Todos respondem às 3 perguntas • O que você realizou desde a ultima reunião? • Quais problemas você enfrentou? • Em que você trabalhará até a próxima reunião? • Benefícios: • Maior Interação entre os membros da equipe • Rápida solução de problemas • Promovendo o compartilhamento de conhecimento • Processo medido continuamente • Minimização de riscos 22/28
  • 23. Scrum–Fases–Sprint:Revisão • Deve obedecer à data de entrega • Permitida a diminuição de funcionalidades • Apresentação do produto à clientes e/ou diretos de marketing • Sugestões de mudanças são incorporadas ao backlog • Benefícios: • Apresentar resultados concretos ao cliente • Integrar e testar uma boa parte do software • Motivação da equipe 23/28
  • 24. Fases-Encerramento Iniciada quando todos os aspectos são satisfatórios(tempo, competitividade, requisitos, qualidade, custo) Atividades: 1. Teste de integração 2. Testes de sistemas 3. Documentação do usuário 4. Preparação de material de treinamento 5. Preparação de material de marketing 24/28
  • 25. Scrum:PapéisComprometidos! O sucesso de qualquer equipe de desenvolvimento ágil não está no processo… está nas PESSOAS! A recuperação desse valor talvez tenha sido a maior contribuição do manifesto ágil. Entretanto, para que essas pessoas façam à diferença é preciso que elas estejam de fato comprometidas. 25/28
  • 26. Scrum:PapéisComprometidos Abaixo a diferença entre comprometimento e envolvimento. 26/28
  • 28. Referências Scrum Alliance.org - Organização de âmbito mundial que certifica e fomenta o desenvolvimento do Scrum no mundo Comunidade Scrum no Brasil Comunidade Scrum em Portugal Cursos de Scrum em Portugal Scrum para Designers Adaptive Project Management Using Scrum The New New Product Development Game Scrum Delivers or Scrum and the Toyota Way http://www.youtube.com/watch?v=eygufrzrjn4&feature=bf_next&list=P L780A2478CDC02F4B&index=8 http://quebrandoparadigmas.com/?tag=scrum 28/28