SlideShare uma empresa Scribd logo
TESTE DE SOFTWARE
Verificação e Validação
Aula 02
Joeldson Costa Damasceno
joeldsoncosta@gmail.com
VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO
Conceitos
Livro referência:
Verificação e Validação
V&V é um processo aplicado para melhorar a qualidade dos produtos e a
produtividade dos processos de software.
Permite os desenvolvedores identificar problemas de software o mais
rápido possível e corrigi-los antes de entregarem aos usuários.
Permite identificar e corrigir problemas nas atividades de
desenvolvimento para aumentar a produtividade de novos projetos de
software.
Permite que se determine sistematicamente se os requisitos de um
sistema estão sendo corretamente tratados e implementados.
Diminui as chances de retrabalho desde as primeiras fases do
desenvolvimento de software.
Contribui diretamente para o atendimento dos prazos e custos do
projeto.
Verificação e Validação
Verificação e Validação
Em cada fase do desenvolvimento os requisitos ou componentes
são verificados para ver se estão completos ou corretos.
Cada fase de desenvolvimento atende aos requisitos e às
condições impostas pela fase anterior e o sistema ou componente
final está aderente com os requisitos especificados.
PROBLEMAS
Erros? Falhas? Defeitos? Existe diferença?
Requisitos incompletos e incorretos indicam problemas no produto
que podem se manifestar por meio de falhas, caso não sejam
corrigidos, durante a operação e uso do software. A IEEE descreve
várias definições de problemas que podem ocorrer:
– Erro (error, mistake);
– Defeito (bug, fault, defect);
– Falha (failure).
Problemas
(IEEE) Uma ação humana que produz um resultado incorreto.
Exemplos:
• Os desenvolvedores cometem erros (enganos) quando
interpretam mal as necessidades dos clientes.
• Os usuários cometem erros (enganos) quando operam um
sistema em desacordo com as intenções dos desenvolvedores.
Erros causam defeitos >>
Erro - error, mistake
(IEEE) Implementado dentro de um artefato.
Exemplos:
• Requisitos inconsistentes com as necessidades do cliente.
• Requisitos funcionais do sistema em desacordo com os
requisitos do negócio.
Os defeitos podem ou não se manifestar em falhas >>
Defeito - bug, fault, defect
(IEEE) A incapacidade de um sistema ou componente em executar
as funções requeridas dentro de um nível de desempenho
requerido.
Exemplos:
• Manifestação de um defeito no sistema ou software.
• Apresentação de data incorretas.
• Tela azul no monitor do computador.
Falha – failure
TÉCNICAS DE V&V
Podem ser divididas em estáticas e dinâmicas.
Técnicas de V&V
TÉCNICAS ESTÁTICAS
Nas técnicas estáticas, a avaliação de um produto de software é realizada por
um grupo de revisores, com intuito de identificar defeitos. Elas podem ser:
a) Revisões Técnicas e Walkthroughs: Indicadas para todas as fases do ciclo de
desenvolvimento de software.
• Revisões Técnicas permitem avaliar um produto de software para terminar a
sua adequação ao uso pretendido. Identificar discrepância entre especificações
e padrões aprovados.
• Walkthroughs permitem também avaliar um produto de software. O objetivo é
identificar anomalias, melhorar o produto, considerar alternativas de
implementação e avaliar conformidade a padrões e especificações.
Técnicas Estáticas
b) Inspeções: Indicadas para a fase de codificação.
• Inspeções têm por objetivo detectar identificar anomalias no produto de
software.
As técnicas de inspeções de software são/devem ser aplicadas em todas
as fazes do ciclo de desenvolvimento de software. Isso justifica-se porque
os defeitos podem ocorrer em códigos, arquitetura, requisitos,
especificações e documentação em geral.
Técnicas Estáticas
Durante o processo de inspeção alguns defeitos podem ser
identificados. Os tipos de defeitos podem ser caracterizados como:
• Incorreção: Implementação incorreta da especificação do
cliente/usuário.
• Ausência: Checagem de requisito especificado que não foi
incorporado no produto.
• Extra: Checagem de requisito não especificado e incorporado no
produto.
Tipos de Defeitos
Outra forma de ver os defeitos é pelo tipo de danos que eles podem causar no
software: Os feitos podem ser:
• Pequenos: Podem ser corrigidos rapidamente e não causam mau
funcionamento do software. Exemplos: defeitos de digitação, omissões em
textos eu precisam ser esclarecidos para seu entendimento e etc.
• Grandes: São defeitos relativos às especificações que podem causar mau
funcionamento do software. Exemplos: ausência de funções, problemas de
interfaces etc.
• Muito sério: São defeitos que podem comprometer o projeto ocasionando o
reprojeto total (ou quase) e a recodificação do software.
Classificação de Defeitos
TÉCNICAS DINÂMICAS
• A avaliação é feitas através de testes.
• Os testes podem ser estruturais (Teste Caixa Branca) ou
funcionais (Teste Caixa Preta).
• Para realizar os primeiros testes, a boa prática diz que se deve
verificar inicialmente se a menor unidade de software está
funcionando de acordo com as suas especificações. Nestes são
realizados os testes estruturais.
• Após a verificação das unidades, parte-se para os testes
funcionais para verificar o software como um todo.
Técnicas Dinâmicas
Atendem às seguintes características:
• O projeto de casos de teste usa a estrutura de controle procedimental do
software (fluxo de controle) para derivar casos de teste.
• Deve garantir que todos os caminhos independentes dentro de um módulo
tenham sido exercitados pelo menos uma vez.
• Devem exercitar todas as decisões lógicas para valores falsos ou verdadeiros.
• Devem executar todos os laços em suas fronteiras e dentro de limites
operacionais.
• Devem exercitar as estruturas de dados internas para garantir a sua validade.
Testes Caixa Branca
Os tipos mais comuns são (funcionais):
• Teste de integração:
– Testar um conjunto de módulos;
– Verificação do funcionamento com foco nas interfaces;
– A referencia utilizada é a especificação do projeto;
– Teste realizado pela equipe de desenvolvimento.
• Teste de validação:
– Verificar o software como um todo;
– Verificar se todas as exigências funcionais, comportamentais e de desempenho foram atendidas.
– A referencia utilizada é a especificação de requisitos funcionais e não funcionais;
– Teste realizado pela equipe de desenvolvimento.
Tipos de Testes Caixa Branca
• Teste de sistema:
– Medir o sistema em diferentes cenários verificado se todos os elementos do
sistema (hardware, software, banco de dados e pessoas) foram adequadamente
integrados e realizam as funções requeridas.
– A referencia utilizada é a especificação de requisitos;
– Realizado por uma equipe independente ou um usuário do sistema.
Tipos de Testes Caixa Branca
• Outros testes de sistema:
– Teste de recuperação: Força o sistema a apresentar falhas de diversas
maneiras e verifica se a recuperação (reiniciação do sistema e recuperação
de dados) é adequadamente executada.
– Teste de proteção: verifica se todos os mecanismos de proteção embutidos
em um sistema funcionam contra acessos indevidos.
– Teste de estresse: confrontar com situações anormais (altas exigências de
recursos de dados, alto número de interrupções, alta taxa de entrada de
dados, alta busca de dados em disco etc.)
– Teste de desempenho: teste do software no contexto de um sistema
integrado (tempos envolvidos, ciclos de processador, interrupções etc).
Tipos de Testes Caixa Branca
Atendem às seguintes características:
• Concentram-se nos requisitos funcionais do software.
• São uma abordagem complementar aos testes estruturais.
Testes Caixa Preta
Os tipos mais comuns são (estrutural):
• Teste de unidade:
– O objetivo é testar os módulos isoladamente verificando o
funcionamento conjunto dos algoritmos e as estruturas de dados.
– A referencia utilizada é a especificação de módulos, um documento
detalhado de cada módulo do software.
– Teste realizado por um programador.
Tipos de Testes Caixa Preta
OUTROS TESTES DE SOFTWARE
• Teste Alfa: realizado pelo cliente no ambiente de
desenvolvimento do software.
• Teste Beta: realizado em um ou mais ambientes do cliente pelos
usuários.
Outros testes de software
PRINCÍPIOS IMPORTANTES
Segundo Hirama (livro referência) apesar da importância dos testes
de software, sua realização apresenta algumas dificuldades:
1. Falta de conhecimento necessário sobre testes por parte dos
desenvolvedores.
2. Simplificação quando o cronograma do projeto está comprometido.
Para isso, ele destaca alguns princípios importantes que deve ser seguidos >>
A atividade de testes
❶
Teste completo não é possível, ou seja, testar todas as situações
não é possível. Não significa que se pode deixar algum requisito do
cliente sem teste.
TESTES - Princípios importantes
❷
A atividade de teste é criativa e difícil, ou seja, ela exige boa
experiência dos testadores. É necessário conhecimento para ter
maior cobertura possível dos testes.
TESTES - Princípios importantes
❸
Uma importante razão do teste é a prevenção de defeitos, ou seja,
o teste permite melhorar a qualidade do software detectando os
defeitos no software.
TESTES - Princípios importantes
❹
O teste é baseado em risco, ou seja, o esforço de teste é
proporcional ao risco de negócio envolvido (resultados incorretos,
transação não autorizada, perda de desempenho,
comprometimento de segurança etc.) quanto maior o risco de
negócio mais teste devem ser realizados.
TESTES - Princípios importantes
❺
Ele deve ser planejado por se tratar de uma atividade importante
que exige estratégias e recursos.
TESTES - Princípios importantes
❻
O teste requer independência, ou seja, não basta planeja-lo, é
necessário ter visão crítica para analisar os resultados; uma boa
prática é “quem implementa não testa”
TESTES - Princípios importantes
QUALIDADE DO SOFTWARE
O teste:
– Ajuda a tornar a qualidade visível.
– É a maneira de medir a qualidade de software.
A qualidade do software está intimamente relacionada a
quantidade de erros descobertos.
+ erros descobertos + maior qualidade
Qualidade do software
Segundo Perry, a proporção de defeitos detectados em projeto de
software é:
Qualidade do software
36%
64%
Codificação
Análise e Projeto
EXTENSÃO DE TESTE
Extensão de teste
Custo de teste
Extensão do teste
Qualidade
Número de defeitos
Teste
Excessivo
Teste
Insuficiente
EXERCÍCIOS
1. Em uma verificação de produtos ou documentos buscam-se erros, defeitos ou falhas?
Justifique.
2. A maior parte de defeitos é embutida nas fase iniciais do desenvolvimento de software. Sugira
formas de minimizar este problema.
3. Explica com suas palavras o que significam as questões “Estamos construindo certou o
produto?” para verificação e “Estamos construindo o produto certo?” para validação.
4. Escolha três produtos de desenvolvimento de software que devem passar por uma técnica
estática de V&V, Qual foi o critério usando para as escolhas?
5. A aplicação da técnica dinâmica de V&V, conhecido como teste de software, depende dos
programas estarem prontos. Como se poderia organizar os testes de maneira que sejam os
mais efetivos possíveis?
6. Qual a diferença entre técnicas estáticas e dinâmicas de V&V? O que podem ser verificados?
7. O teste é baseado em risco ao negócio. Cite uma área de negócio onde os testes devem ser
mais rigorosos. Justifique.
8. O que são teste caixa branca e caixa preta? Dê exemplos.
9. A finalidade dos teste de validação é verificar o atendimento de requisitos do cliente. Está
correto? Justifique.
PERGUNTAS ?
Referência
HIRAMA, Kechi. Engenharia de Software: qualidade e produtividade com tecnologia /
Kechi Hirama. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011. ISBN 978-85-352-4882-1

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Testes de Software
Testes de SoftwareTestes de Software
Testes de Software
Capgemini
 
IA Problemas & Heuristicas
IA Problemas & HeuristicasIA Problemas & Heuristicas
IA Problemas & Heuristicas
rafael.joi
 
Testes Unitários
Testes UnitáriosTestes Unitários
Testes Unitários
Jadson Santos
 
Validação e Testes de software
Validação e Testes de softwareValidação e Testes de software
Validação e Testes de software
Rondinelli Mesquita
 
Aula 1 - Introdução a POO
Aula 1 -  Introdução a POOAula 1 -  Introdução a POO
Aula 1 - Introdução a POO
Daniel Brandão
 
Exemplo de Plano de testes
Exemplo de Plano de testes Exemplo de Plano de testes
Exemplo de Plano de testes
Leandro Rodrigues
 
Introdução ao Teste de Software - Uma abordagem prática
Introdução ao Teste de Software - Uma abordagem práticaIntrodução ao Teste de Software - Uma abordagem prática
Introdução ao Teste de Software - Uma abordagem prática
Fabrício Campos
 
Conceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidade
Conceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidadeConceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidade
Conceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidade
rzauza
 
TDD - Test Driven Development
TDD - Test Driven DevelopmentTDD - Test Driven Development
TDD - Test Driven Development
Elias Nogueira
 
Qualidade de Software: Teste de software
Qualidade de Software: Teste de softwareQualidade de Software: Teste de software
Qualidade de Software: Teste de software
Alex Camargo
 
Qualidade de software
Qualidade de softwareQualidade de software
Qualidade de software
Alvaro Oliveira
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
Daniel Paulo de Assis
 
Papéis em Teste e Qualidade de Software
Papéis em Teste e Qualidade de SoftwarePapéis em Teste e Qualidade de Software
Papéis em Teste e Qualidade de Software
Camilo Ribeiro
 
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Sérgio Souza Costa
 
JAVA - Orientação a Objetos
JAVA - Orientação a ObjetosJAVA - Orientação a Objetos
JAVA - Orientação a Objetos
Elaine Cecília Gatto
 
Programação Orientada a Objetos
Programação Orientada a ObjetosProgramação Orientada a Objetos
Programação Orientada a Objetos
Igor Takenami
 
Conceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareConceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de software
Ronney Moreira de Castro
 
ICC - Aula 04 - Expressões literais, comando de atribuição e de entrada/saída
ICC - Aula 04 - Expressões literais, comando de atribuição e de entrada/saídaICC - Aula 04 - Expressões literais, comando de atribuição e de entrada/saída
ICC - Aula 04 - Expressões literais, comando de atribuição e de entrada/saída
Felipe J. R. Vieira
 
Noções em teste de software e introdução a automação
Noções em teste de software e introdução a automaçãoNoções em teste de software e introdução a automação
Noções em teste de software e introdução a automação
Sandy Maciel
 
Aula - Teste de Software
Aula - Teste de SoftwareAula - Teste de Software
Aula - Teste de Software
Mauricio Cesar Santos da Purificação
 

Mais procurados (20)

Testes de Software
Testes de SoftwareTestes de Software
Testes de Software
 
IA Problemas & Heuristicas
IA Problemas & HeuristicasIA Problemas & Heuristicas
IA Problemas & Heuristicas
 
Testes Unitários
Testes UnitáriosTestes Unitários
Testes Unitários
 
Validação e Testes de software
Validação e Testes de softwareValidação e Testes de software
Validação e Testes de software
 
Aula 1 - Introdução a POO
Aula 1 -  Introdução a POOAula 1 -  Introdução a POO
Aula 1 - Introdução a POO
 
Exemplo de Plano de testes
Exemplo de Plano de testes Exemplo de Plano de testes
Exemplo de Plano de testes
 
Introdução ao Teste de Software - Uma abordagem prática
Introdução ao Teste de Software - Uma abordagem práticaIntrodução ao Teste de Software - Uma abordagem prática
Introdução ao Teste de Software - Uma abordagem prática
 
Conceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidade
Conceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidadeConceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidade
Conceitos e fundamentos sobre testes de software e garantia da qualidade
 
TDD - Test Driven Development
TDD - Test Driven DevelopmentTDD - Test Driven Development
TDD - Test Driven Development
 
Qualidade de Software: Teste de software
Qualidade de Software: Teste de softwareQualidade de Software: Teste de software
Qualidade de Software: Teste de software
 
Qualidade de software
Qualidade de softwareQualidade de software
Qualidade de software
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
 
Papéis em Teste e Qualidade de Software
Papéis em Teste e Qualidade de SoftwarePapéis em Teste e Qualidade de Software
Papéis em Teste e Qualidade de Software
 
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
 
JAVA - Orientação a Objetos
JAVA - Orientação a ObjetosJAVA - Orientação a Objetos
JAVA - Orientação a Objetos
 
Programação Orientada a Objetos
Programação Orientada a ObjetosProgramação Orientada a Objetos
Programação Orientada a Objetos
 
Conceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareConceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de software
 
ICC - Aula 04 - Expressões literais, comando de atribuição e de entrada/saída
ICC - Aula 04 - Expressões literais, comando de atribuição e de entrada/saídaICC - Aula 04 - Expressões literais, comando de atribuição e de entrada/saída
ICC - Aula 04 - Expressões literais, comando de atribuição e de entrada/saída
 
Noções em teste de software e introdução a automação
Noções em teste de software e introdução a automaçãoNoções em teste de software e introdução a automação
Noções em teste de software e introdução a automação
 
Aula - Teste de Software
Aula - Teste de SoftwareAula - Teste de Software
Aula - Teste de Software
 

Destaque

Estatuto da Criança e do Adolescente + Questões de Concurso Público.
Estatuto da Criança e do Adolescente + Questões de Concurso Público.Estatuto da Criança e do Adolescente + Questões de Concurso Público.
Estatuto da Criança e do Adolescente + Questões de Concurso Público.
Joeldson Costa Damasceno
 
Pitch de apresentação - Aula prática
Pitch de apresentação - Aula práticaPitch de apresentação - Aula prática
Pitch de apresentação - Aula prática
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Aula 03 - Hardware
Informática Básica - Aula 03 - HardwareInformática Básica - Aula 03 - Hardware
Informática Básica - Aula 03 - Hardware
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Aula 05 - Sistema Operacional Windows
Informática Básica - Aula 05 - Sistema Operacional WindowsInformática Básica - Aula 05 - Sistema Operacional Windows
Informática Básica - Aula 05 - Sistema Operacional Windows
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Aula 01 - Introdução
Informática Básica - Aula 01 - IntroduçãoInformática Básica - Aula 01 - Introdução
Informática Básica - Aula 01 - Introdução
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Aula 04 - Software
Informática Básica - Aula 04 - SoftwareInformática Básica - Aula 04 - Software
Informática Básica - Aula 04 - Software
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Aula 09 - Uso de E-mail
Informática Básica - Aula 09 - Uso de E-mailInformática Básica - Aula 09 - Uso de E-mail
Informática Básica - Aula 09 - Uso de E-mail
Joeldson Costa Damasceno
 
Curso de Informatica Básica - Noções básicas de um computador
Curso de Informatica Básica - Noções básicas de um computadorCurso de Informatica Básica - Noções básicas de um computador
Curso de Informatica Básica - Noções básicas de um computador
Perondi15
 
Informática Básica - Aula 06 - Utilitários e Ferramentas do Sistema
Informática Básica - Aula 06 - Utilitários e Ferramentas do SistemaInformática Básica - Aula 06 - Utilitários e Ferramentas do Sistema
Informática Básica - Aula 06 - Utilitários e Ferramentas do Sistema
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadores
Informática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadoresInformática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadores
Informática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadores
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Introdução ao Microsoft Word 2010
Informática Básica - Introdução ao Microsoft Word 2010Informática Básica - Introdução ao Microsoft Word 2010
Informática Básica - Introdução ao Microsoft Word 2010
Joeldson Costa Damasceno
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Informática Basica
Informática BasicaInformática Basica
Informática Basica
Cleitonalencar
 
Sintese em powerpoit
Sintese em powerpoitSintese em powerpoit
Sintese em powerpoit
diasferraciolli
 
Criando um e-mail no Gmail
Criando um e-mail no GmailCriando um e-mail no Gmail
Criando um e-mail no Gmail
marconesilfer
 
Internet
InternetInternet
Internet
Adir Kuhn
 
Computação Básica - Aula 1
Computação Básica - Aula 1Computação Básica - Aula 1
Computação Básica - Aula 1
Carlos Wagner Costa
 
Sistemas Operacionais
Sistemas OperacionaisSistemas Operacionais
Sistemas Operacionais
Adir Kuhn
 
Introdução a Informática - Arquitetura
Introdução a Informática - ArquiteturaIntrodução a Informática - Arquitetura
Introdução a Informática - Arquitetura
Raphael Marques
 
Introducao informatica
Introducao informaticaIntroducao informatica
Introducao informatica
Kassiana Marques
 

Destaque (20)

Estatuto da Criança e do Adolescente + Questões de Concurso Público.
Estatuto da Criança e do Adolescente + Questões de Concurso Público.Estatuto da Criança e do Adolescente + Questões de Concurso Público.
Estatuto da Criança e do Adolescente + Questões de Concurso Público.
 
Pitch de apresentação - Aula prática
Pitch de apresentação - Aula práticaPitch de apresentação - Aula prática
Pitch de apresentação - Aula prática
 
Informática Básica - Aula 03 - Hardware
Informática Básica - Aula 03 - HardwareInformática Básica - Aula 03 - Hardware
Informática Básica - Aula 03 - Hardware
 
Informática Básica - Aula 05 - Sistema Operacional Windows
Informática Básica - Aula 05 - Sistema Operacional WindowsInformática Básica - Aula 05 - Sistema Operacional Windows
Informática Básica - Aula 05 - Sistema Operacional Windows
 
Informática Básica - Aula 01 - Introdução
Informática Básica - Aula 01 - IntroduçãoInformática Básica - Aula 01 - Introdução
Informática Básica - Aula 01 - Introdução
 
Informática Básica - Aula 04 - Software
Informática Básica - Aula 04 - SoftwareInformática Básica - Aula 04 - Software
Informática Básica - Aula 04 - Software
 
Informática Básica - Aula 09 - Uso de E-mail
Informática Básica - Aula 09 - Uso de E-mailInformática Básica - Aula 09 - Uso de E-mail
Informática Básica - Aula 09 - Uso de E-mail
 
Curso de Informatica Básica - Noções básicas de um computador
Curso de Informatica Básica - Noções básicas de um computadorCurso de Informatica Básica - Noções básicas de um computador
Curso de Informatica Básica - Noções básicas de um computador
 
Informática Básica - Aula 06 - Utilitários e Ferramentas do Sistema
Informática Básica - Aula 06 - Utilitários e Ferramentas do SistemaInformática Básica - Aula 06 - Utilitários e Ferramentas do Sistema
Informática Básica - Aula 06 - Utilitários e Ferramentas do Sistema
 
Informática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadores
Informática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadoresInformática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadores
Informática Básica - Aula 02 - A evolução e caracterização dos computadores
 
Informática Básica - Introdução ao Microsoft Word 2010
Informática Básica - Introdução ao Microsoft Word 2010Informática Básica - Introdução ao Microsoft Word 2010
Informática Básica - Introdução ao Microsoft Word 2010
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
 
Informática Basica
Informática BasicaInformática Basica
Informática Basica
 
Sintese em powerpoit
Sintese em powerpoitSintese em powerpoit
Sintese em powerpoit
 
Criando um e-mail no Gmail
Criando um e-mail no GmailCriando um e-mail no Gmail
Criando um e-mail no Gmail
 
Internet
InternetInternet
Internet
 
Computação Básica - Aula 1
Computação Básica - Aula 1Computação Básica - Aula 1
Computação Básica - Aula 1
 
Sistemas Operacionais
Sistemas OperacionaisSistemas Operacionais
Sistemas Operacionais
 
Introdução a Informática - Arquitetura
Introdução a Informática - ArquiteturaIntrodução a Informática - Arquitetura
Introdução a Informática - Arquitetura
 
Introducao informatica
Introducao informaticaIntroducao informatica
Introducao informatica
 

Semelhante a Teste de software - Processo de Verificação e Validação

Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Roberto Nunes
 
Engenharia de Testes
Engenharia de TestesEngenharia de Testes
Engenharia de Testes
UFPA
 
3 engenharia de software
3   engenharia de software3   engenharia de software
3 engenharia de software
Felipe Bugov
 
Visão de Testes de Software segundo o SWEBOK
Visão de Testes de Software segundo o SWEBOKVisão de Testes de Software segundo o SWEBOK
Visão de Testes de Software segundo o SWEBOK
Mário Pravato Junior
 
O que é Teste de Software?
O que é Teste de Software?O que é Teste de Software?
O que é Teste de Software?
testedesoftwarepe
 
Palestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreira
Palestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreiraPalestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreira
Palestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreira
Taís Dall'Oca
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Roberto Nunes
 
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane FidelixIntrodução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
Cris Fidelix
 
Eng de testes
Eng de testesEng de testes
Eng de testes
GrupoAlves - professor
 
4 engenharia de software
4   engenharia de software4   engenharia de software
4 engenharia de software
Felipe Bugov
 
Introdução a Testes de Software - Unidade I
Introdução a Testes de Software - Unidade IIntrodução a Testes de Software - Unidade I
Introdução a Testes de Software - Unidade I
João Lourenço
 
Qualidade e Teste de Software
Qualidade e Teste de SoftwareQualidade e Teste de Software
Qualidade e Teste de Software
Kamilla Queiroz Xavier
 
Teste de software
Teste de software Teste de software
Teste de software
Allan Almeida de Araújo
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
Rodrigo Cardoso Alves Fonte
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
Claudio Eckert
 
Testes De Software - Uma Visão Geral
Testes De Software - Uma Visão GeralTestes De Software - Uma Visão Geral
Testes De Software - Uma Visão Geral
paulo peres
 
Aula18_V&VTesteSoftware.pdf
Aula18_V&VTesteSoftware.pdfAula18_V&VTesteSoftware.pdf
Aula18_V&VTesteSoftware.pdf
MichaelArrais1
 
SLIDEPRELIMINAR.pptx
SLIDEPRELIMINAR.pptxSLIDEPRELIMINAR.pptx
SLIDEPRELIMINAR.pptx
GustavoRondini
 
Palestra Fundamentos de Testes - Tche linux POA
Palestra Fundamentos de Testes  - Tche linux POAPalestra Fundamentos de Testes  - Tche linux POA
Palestra Fundamentos de Testes - Tche linux POA
Aline Zanin
 
Aula 8 - Plano de Teste.pptx
Aula 8 - Plano de Teste.pptxAula 8 - Plano de Teste.pptx
Aula 8 - Plano de Teste.pptx
AlexandreLisboadaSil
 

Semelhante a Teste de software - Processo de Verificação e Validação (20)

Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
 
Engenharia de Testes
Engenharia de TestesEngenharia de Testes
Engenharia de Testes
 
3 engenharia de software
3   engenharia de software3   engenharia de software
3 engenharia de software
 
Visão de Testes de Software segundo o SWEBOK
Visão de Testes de Software segundo o SWEBOKVisão de Testes de Software segundo o SWEBOK
Visão de Testes de Software segundo o SWEBOK
 
O que é Teste de Software?
O que é Teste de Software?O que é Teste de Software?
O que é Teste de Software?
 
Palestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreira
Palestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreiraPalestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreira
Palestra Teste de Software: princípios, ferramentas e carreira
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
 
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane FidelixIntrodução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
 
Eng de testes
Eng de testesEng de testes
Eng de testes
 
4 engenharia de software
4   engenharia de software4   engenharia de software
4 engenharia de software
 
Introdução a Testes de Software - Unidade I
Introdução a Testes de Software - Unidade IIntrodução a Testes de Software - Unidade I
Introdução a Testes de Software - Unidade I
 
Qualidade e Teste de Software
Qualidade e Teste de SoftwareQualidade e Teste de Software
Qualidade e Teste de Software
 
Teste de software
Teste de software Teste de software
Teste de software
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
 
Testes De Software - Uma Visão Geral
Testes De Software - Uma Visão GeralTestes De Software - Uma Visão Geral
Testes De Software - Uma Visão Geral
 
Aula18_V&VTesteSoftware.pdf
Aula18_V&VTesteSoftware.pdfAula18_V&VTesteSoftware.pdf
Aula18_V&VTesteSoftware.pdf
 
SLIDEPRELIMINAR.pptx
SLIDEPRELIMINAR.pptxSLIDEPRELIMINAR.pptx
SLIDEPRELIMINAR.pptx
 
Palestra Fundamentos de Testes - Tche linux POA
Palestra Fundamentos de Testes  - Tche linux POAPalestra Fundamentos de Testes  - Tche linux POA
Palestra Fundamentos de Testes - Tche linux POA
 
Aula 8 - Plano de Teste.pptx
Aula 8 - Plano de Teste.pptxAula 8 - Plano de Teste.pptx
Aula 8 - Plano de Teste.pptx
 

Mais de Joeldson Costa Damasceno

Scrum - conceitos iniciais
Scrum - conceitos iniciaisScrum - conceitos iniciais
Scrum - conceitos iniciais
Joeldson Costa Damasceno
 
Aula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos Públicos
Aula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos PúblicosAula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos Públicos
Aula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos Públicos
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Software de Apresentações - Microsoft Power Point
Informática Básica - Software de Apresentações - Microsoft Power PointInformática Básica - Software de Apresentações - Microsoft Power Point
Informática Básica - Software de Apresentações - Microsoft Power Point
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Planilha Eletronica - Microsoft Excel 2010
Informática Básica - Planilha Eletronica - Microsoft Excel 2010Informática Básica - Planilha Eletronica - Microsoft Excel 2010
Informática Básica - Planilha Eletronica - Microsoft Excel 2010
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Criação de Tabelas e Gráficos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Criação de Tabelas e Gráficos no Microsoft Word 2010Informática Básica - Criação de Tabelas e Gráficos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Criação de Tabelas e Gráficos no Microsoft Word 2010
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Formatação de Documentos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Formatação de Documentos no Microsoft Word 2010Informática Básica - Formatação de Documentos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Formatação de Documentos no Microsoft Word 2010
Joeldson Costa Damasceno
 
Informática Básica - Criação e Edição de Documentos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Criação e Edição de Documentos no Microsoft Word 2010Informática Básica - Criação e Edição de Documentos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Criação e Edição de Documentos no Microsoft Word 2010
Joeldson Costa Damasceno
 
Modelo E-R
Modelo E-RModelo E-R
O que é um Banco de Dados Relacional?
O que é um Banco de Dados Relacional?O que é um Banco de Dados Relacional?
O que é um Banco de Dados Relacional?
Joeldson Costa Damasceno
 
O que é um Banco de Dados?
O que é um Banco de Dados?O que é um Banco de Dados?
O que é um Banco de Dados?
Joeldson Costa Damasceno
 
Instalação e configuração - Servidor DHCP
Instalação e configuração - Servidor DHCPInstalação e configuração - Servidor DHCP
Instalação e configuração - Servidor DHCP
Joeldson Costa Damasceno
 
Instalação do Exchange
Instalação do ExchangeInstalação do Exchange
Instalação do Exchange
Joeldson Costa Damasceno
 
Auditoria em Arquivos - Microsoft Windows server 2008
Auditoria em Arquivos - Microsoft Windows server 2008Auditoria em Arquivos - Microsoft Windows server 2008
Auditoria em Arquivos - Microsoft Windows server 2008
Joeldson Costa Damasceno
 
Backup do Windows Server 2008
Backup do Windows Server 2008Backup do Windows Server 2008
Backup do Windows Server 2008
Joeldson Costa Damasceno
 
Instalação de Servidor de Arquivo
Instalação de Servidor de ArquivoInstalação de Servidor de Arquivo
Instalação de Servidor de Arquivo
Joeldson Costa Damasceno
 
Redundância de Servidor de Arquivos
Redundância de Servidor de ArquivosRedundância de Servidor de Arquivos
Redundância de Servidor de Arquivos
Joeldson Costa Damasceno
 
Instalação de Servidor FTP - Microsoft Windows Server 2008
Instalação de Servidor FTP - Microsoft Windows Server 2008Instalação de Servidor FTP - Microsoft Windows Server 2008
Instalação de Servidor FTP - Microsoft Windows Server 2008
Joeldson Costa Damasceno
 
Política de Grupo - Active Directory
Política de Grupo - Active DirectoryPolítica de Grupo - Active Directory
Política de Grupo - Active Directory
Joeldson Costa Damasceno
 

Mais de Joeldson Costa Damasceno (18)

Scrum - conceitos iniciais
Scrum - conceitos iniciaisScrum - conceitos iniciais
Scrum - conceitos iniciais
 
Aula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos Públicos
Aula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos PúblicosAula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos Públicos
Aula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos Públicos
 
Informática Básica - Software de Apresentações - Microsoft Power Point
Informática Básica - Software de Apresentações - Microsoft Power PointInformática Básica - Software de Apresentações - Microsoft Power Point
Informática Básica - Software de Apresentações - Microsoft Power Point
 
Informática Básica - Planilha Eletronica - Microsoft Excel 2010
Informática Básica - Planilha Eletronica - Microsoft Excel 2010Informática Básica - Planilha Eletronica - Microsoft Excel 2010
Informática Básica - Planilha Eletronica - Microsoft Excel 2010
 
Informática Básica - Criação de Tabelas e Gráficos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Criação de Tabelas e Gráficos no Microsoft Word 2010Informática Básica - Criação de Tabelas e Gráficos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Criação de Tabelas e Gráficos no Microsoft Word 2010
 
Informática Básica - Formatação de Documentos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Formatação de Documentos no Microsoft Word 2010Informática Básica - Formatação de Documentos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Formatação de Documentos no Microsoft Word 2010
 
Informática Básica - Criação e Edição de Documentos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Criação e Edição de Documentos no Microsoft Word 2010Informática Básica - Criação e Edição de Documentos no Microsoft Word 2010
Informática Básica - Criação e Edição de Documentos no Microsoft Word 2010
 
Modelo E-R
Modelo E-RModelo E-R
Modelo E-R
 
O que é um Banco de Dados Relacional?
O que é um Banco de Dados Relacional?O que é um Banco de Dados Relacional?
O que é um Banco de Dados Relacional?
 
O que é um Banco de Dados?
O que é um Banco de Dados?O que é um Banco de Dados?
O que é um Banco de Dados?
 
Instalação e configuração - Servidor DHCP
Instalação e configuração - Servidor DHCPInstalação e configuração - Servidor DHCP
Instalação e configuração - Servidor DHCP
 
Instalação do Exchange
Instalação do ExchangeInstalação do Exchange
Instalação do Exchange
 
Auditoria em Arquivos - Microsoft Windows server 2008
Auditoria em Arquivos - Microsoft Windows server 2008Auditoria em Arquivos - Microsoft Windows server 2008
Auditoria em Arquivos - Microsoft Windows server 2008
 
Backup do Windows Server 2008
Backup do Windows Server 2008Backup do Windows Server 2008
Backup do Windows Server 2008
 
Instalação de Servidor de Arquivo
Instalação de Servidor de ArquivoInstalação de Servidor de Arquivo
Instalação de Servidor de Arquivo
 
Redundância de Servidor de Arquivos
Redundância de Servidor de ArquivosRedundância de Servidor de Arquivos
Redundância de Servidor de Arquivos
 
Instalação de Servidor FTP - Microsoft Windows Server 2008
Instalação de Servidor FTP - Microsoft Windows Server 2008Instalação de Servidor FTP - Microsoft Windows Server 2008
Instalação de Servidor FTP - Microsoft Windows Server 2008
 
Política de Grupo - Active Directory
Política de Grupo - Active DirectoryPolítica de Grupo - Active Directory
Política de Grupo - Active Directory
 

Último

Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 

Teste de software - Processo de Verificação e Validação

  • 1. TESTE DE SOFTWARE Verificação e Validação Aula 02 Joeldson Costa Damasceno joeldsoncosta@gmail.com
  • 3. Verificação e Validação V&V é um processo aplicado para melhorar a qualidade dos produtos e a produtividade dos processos de software. Permite os desenvolvedores identificar problemas de software o mais rápido possível e corrigi-los antes de entregarem aos usuários. Permite identificar e corrigir problemas nas atividades de desenvolvimento para aumentar a produtividade de novos projetos de software.
  • 4. Permite que se determine sistematicamente se os requisitos de um sistema estão sendo corretamente tratados e implementados. Diminui as chances de retrabalho desde as primeiras fases do desenvolvimento de software. Contribui diretamente para o atendimento dos prazos e custos do projeto. Verificação e Validação
  • 5. Verificação e Validação Em cada fase do desenvolvimento os requisitos ou componentes são verificados para ver se estão completos ou corretos. Cada fase de desenvolvimento atende aos requisitos e às condições impostas pela fase anterior e o sistema ou componente final está aderente com os requisitos especificados.
  • 7. Requisitos incompletos e incorretos indicam problemas no produto que podem se manifestar por meio de falhas, caso não sejam corrigidos, durante a operação e uso do software. A IEEE descreve várias definições de problemas que podem ocorrer: – Erro (error, mistake); – Defeito (bug, fault, defect); – Falha (failure). Problemas
  • 8. (IEEE) Uma ação humana que produz um resultado incorreto. Exemplos: • Os desenvolvedores cometem erros (enganos) quando interpretam mal as necessidades dos clientes. • Os usuários cometem erros (enganos) quando operam um sistema em desacordo com as intenções dos desenvolvedores. Erros causam defeitos >> Erro - error, mistake
  • 9. (IEEE) Implementado dentro de um artefato. Exemplos: • Requisitos inconsistentes com as necessidades do cliente. • Requisitos funcionais do sistema em desacordo com os requisitos do negócio. Os defeitos podem ou não se manifestar em falhas >> Defeito - bug, fault, defect
  • 10. (IEEE) A incapacidade de um sistema ou componente em executar as funções requeridas dentro de um nível de desempenho requerido. Exemplos: • Manifestação de um defeito no sistema ou software. • Apresentação de data incorretas. • Tela azul no monitor do computador. Falha – failure
  • 12. Podem ser divididas em estáticas e dinâmicas. Técnicas de V&V
  • 14. Nas técnicas estáticas, a avaliação de um produto de software é realizada por um grupo de revisores, com intuito de identificar defeitos. Elas podem ser: a) Revisões Técnicas e Walkthroughs: Indicadas para todas as fases do ciclo de desenvolvimento de software. • Revisões Técnicas permitem avaliar um produto de software para terminar a sua adequação ao uso pretendido. Identificar discrepância entre especificações e padrões aprovados. • Walkthroughs permitem também avaliar um produto de software. O objetivo é identificar anomalias, melhorar o produto, considerar alternativas de implementação e avaliar conformidade a padrões e especificações. Técnicas Estáticas
  • 15. b) Inspeções: Indicadas para a fase de codificação. • Inspeções têm por objetivo detectar identificar anomalias no produto de software. As técnicas de inspeções de software são/devem ser aplicadas em todas as fazes do ciclo de desenvolvimento de software. Isso justifica-se porque os defeitos podem ocorrer em códigos, arquitetura, requisitos, especificações e documentação em geral. Técnicas Estáticas
  • 16. Durante o processo de inspeção alguns defeitos podem ser identificados. Os tipos de defeitos podem ser caracterizados como: • Incorreção: Implementação incorreta da especificação do cliente/usuário. • Ausência: Checagem de requisito especificado que não foi incorporado no produto. • Extra: Checagem de requisito não especificado e incorporado no produto. Tipos de Defeitos
  • 17. Outra forma de ver os defeitos é pelo tipo de danos que eles podem causar no software: Os feitos podem ser: • Pequenos: Podem ser corrigidos rapidamente e não causam mau funcionamento do software. Exemplos: defeitos de digitação, omissões em textos eu precisam ser esclarecidos para seu entendimento e etc. • Grandes: São defeitos relativos às especificações que podem causar mau funcionamento do software. Exemplos: ausência de funções, problemas de interfaces etc. • Muito sério: São defeitos que podem comprometer o projeto ocasionando o reprojeto total (ou quase) e a recodificação do software. Classificação de Defeitos
  • 19. • A avaliação é feitas através de testes. • Os testes podem ser estruturais (Teste Caixa Branca) ou funcionais (Teste Caixa Preta). • Para realizar os primeiros testes, a boa prática diz que se deve verificar inicialmente se a menor unidade de software está funcionando de acordo com as suas especificações. Nestes são realizados os testes estruturais. • Após a verificação das unidades, parte-se para os testes funcionais para verificar o software como um todo. Técnicas Dinâmicas
  • 20. Atendem às seguintes características: • O projeto de casos de teste usa a estrutura de controle procedimental do software (fluxo de controle) para derivar casos de teste. • Deve garantir que todos os caminhos independentes dentro de um módulo tenham sido exercitados pelo menos uma vez. • Devem exercitar todas as decisões lógicas para valores falsos ou verdadeiros. • Devem executar todos os laços em suas fronteiras e dentro de limites operacionais. • Devem exercitar as estruturas de dados internas para garantir a sua validade. Testes Caixa Branca
  • 21. Os tipos mais comuns são (funcionais): • Teste de integração: – Testar um conjunto de módulos; – Verificação do funcionamento com foco nas interfaces; – A referencia utilizada é a especificação do projeto; – Teste realizado pela equipe de desenvolvimento. • Teste de validação: – Verificar o software como um todo; – Verificar se todas as exigências funcionais, comportamentais e de desempenho foram atendidas. – A referencia utilizada é a especificação de requisitos funcionais e não funcionais; – Teste realizado pela equipe de desenvolvimento. Tipos de Testes Caixa Branca
  • 22. • Teste de sistema: – Medir o sistema em diferentes cenários verificado se todos os elementos do sistema (hardware, software, banco de dados e pessoas) foram adequadamente integrados e realizam as funções requeridas. – A referencia utilizada é a especificação de requisitos; – Realizado por uma equipe independente ou um usuário do sistema. Tipos de Testes Caixa Branca
  • 23. • Outros testes de sistema: – Teste de recuperação: Força o sistema a apresentar falhas de diversas maneiras e verifica se a recuperação (reiniciação do sistema e recuperação de dados) é adequadamente executada. – Teste de proteção: verifica se todos os mecanismos de proteção embutidos em um sistema funcionam contra acessos indevidos. – Teste de estresse: confrontar com situações anormais (altas exigências de recursos de dados, alto número de interrupções, alta taxa de entrada de dados, alta busca de dados em disco etc.) – Teste de desempenho: teste do software no contexto de um sistema integrado (tempos envolvidos, ciclos de processador, interrupções etc). Tipos de Testes Caixa Branca
  • 24. Atendem às seguintes características: • Concentram-se nos requisitos funcionais do software. • São uma abordagem complementar aos testes estruturais. Testes Caixa Preta
  • 25. Os tipos mais comuns são (estrutural): • Teste de unidade: – O objetivo é testar os módulos isoladamente verificando o funcionamento conjunto dos algoritmos e as estruturas de dados. – A referencia utilizada é a especificação de módulos, um documento detalhado de cada módulo do software. – Teste realizado por um programador. Tipos de Testes Caixa Preta
  • 26. OUTROS TESTES DE SOFTWARE
  • 27. • Teste Alfa: realizado pelo cliente no ambiente de desenvolvimento do software. • Teste Beta: realizado em um ou mais ambientes do cliente pelos usuários. Outros testes de software
  • 29. Segundo Hirama (livro referência) apesar da importância dos testes de software, sua realização apresenta algumas dificuldades: 1. Falta de conhecimento necessário sobre testes por parte dos desenvolvedores. 2. Simplificação quando o cronograma do projeto está comprometido. Para isso, ele destaca alguns princípios importantes que deve ser seguidos >> A atividade de testes
  • 30. ❶ Teste completo não é possível, ou seja, testar todas as situações não é possível. Não significa que se pode deixar algum requisito do cliente sem teste. TESTES - Princípios importantes
  • 31. ❷ A atividade de teste é criativa e difícil, ou seja, ela exige boa experiência dos testadores. É necessário conhecimento para ter maior cobertura possível dos testes. TESTES - Princípios importantes
  • 32. ❸ Uma importante razão do teste é a prevenção de defeitos, ou seja, o teste permite melhorar a qualidade do software detectando os defeitos no software. TESTES - Princípios importantes
  • 33. ❹ O teste é baseado em risco, ou seja, o esforço de teste é proporcional ao risco de negócio envolvido (resultados incorretos, transação não autorizada, perda de desempenho, comprometimento de segurança etc.) quanto maior o risco de negócio mais teste devem ser realizados. TESTES - Princípios importantes
  • 34. ❺ Ele deve ser planejado por se tratar de uma atividade importante que exige estratégias e recursos. TESTES - Princípios importantes
  • 35. ❻ O teste requer independência, ou seja, não basta planeja-lo, é necessário ter visão crítica para analisar os resultados; uma boa prática é “quem implementa não testa” TESTES - Princípios importantes
  • 37. O teste: – Ajuda a tornar a qualidade visível. – É a maneira de medir a qualidade de software. A qualidade do software está intimamente relacionada a quantidade de erros descobertos. + erros descobertos + maior qualidade Qualidade do software
  • 38. Segundo Perry, a proporção de defeitos detectados em projeto de software é: Qualidade do software 36% 64% Codificação Análise e Projeto
  • 40. Extensão de teste Custo de teste Extensão do teste Qualidade Número de defeitos Teste Excessivo Teste Insuficiente
  • 42. 1. Em uma verificação de produtos ou documentos buscam-se erros, defeitos ou falhas? Justifique. 2. A maior parte de defeitos é embutida nas fase iniciais do desenvolvimento de software. Sugira formas de minimizar este problema. 3. Explica com suas palavras o que significam as questões “Estamos construindo certou o produto?” para verificação e “Estamos construindo o produto certo?” para validação. 4. Escolha três produtos de desenvolvimento de software que devem passar por uma técnica estática de V&V, Qual foi o critério usando para as escolhas? 5. A aplicação da técnica dinâmica de V&V, conhecido como teste de software, depende dos programas estarem prontos. Como se poderia organizar os testes de maneira que sejam os mais efetivos possíveis? 6. Qual a diferença entre técnicas estáticas e dinâmicas de V&V? O que podem ser verificados? 7. O teste é baseado em risco ao negócio. Cite uma área de negócio onde os testes devem ser mais rigorosos. Justifique. 8. O que são teste caixa branca e caixa preta? Dê exemplos. 9. A finalidade dos teste de validação é verificar o atendimento de requisitos do cliente. Está correto? Justifique.
  • 44. Referência HIRAMA, Kechi. Engenharia de Software: qualidade e produtividade com tecnologia / Kechi Hirama. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011. ISBN 978-85-352-4882-1