SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Clique para editar o título
Mestre
CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira
TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública
pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP)
Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação
em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei –
Campus CCO (UFSJ-CCO)
Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura
CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira
Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública
pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP)
Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação
em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei –
Campus CCO (UFSJ-CCO)
Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura
Dispositivos Transversais
do Cuidado
Espiritualidade e
Processos do Luto
Clique para editar o título
Mestre
CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira
TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública
pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP)
Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação
em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei –
Campus CCO (UFSJ-CCO)
Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura
Espiritualidade
• Significa qualquer coisa que esteja no centro de todos os aspectos da
vida de uma pessoa;
• Frequentemente definida como uma conscientização de um eu
interno e um senso de ligação com um ser superior, a natureza ou
com algum propósito maior de si próprio;
Clique para editar o título
Mestre
CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira
TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública
pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP)
Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação
em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei –
Campus CCO (UFSJ-CCO)
Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura
Espiritualidade
• A saúde de uma pessoa depende de um equilíbrio de fatores físicos,
psicológicos, sociológicos, culturais, de desenvolvimento e espirituais.
• A espiritualidade é um fator importante que ajuda os indivíduos a
alcançar o equilíbrio necessário para manter a saúde e bem estar e
para enfrentar a doença.
Clique para editar o título
Mestre
CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira
TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública
pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP)
Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação
em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei –
Campus CCO (UFSJ-CCO)
Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura
Espiritualidade
• Pesquisas mostram que
aumenta a saúde, a qualidade de vida, comportamentos
a espiritualidade afeta positivamente e
de
promoção da saúde e as atividades de prevenção das doenças.
Clique para editar o título
Mestre
CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira
TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública
pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP)
Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação
em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei –
Campus CCO (UFSJ-CCO)
Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura
Espiritualidade
• A espiritualidade é um conceito complexo que é exclusivo para cada
indivíduo e é dependente da cultura, desenvolvimento, experiências
de vida, crenças e ideia sobre a vida de uma pessoa.
• Bem- estar espiritual: uma pessoa e Deus (ou ser superior) e
conexões positivas entre pessoas.
Clique para editar o título
Mestre
CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira
TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública
pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP)
Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação
em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei –
Campus CCO (UFSJ-CCO)
Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura
Espiritualidade
• Fé: relação com a divindade, um poder, uma autoridade ou espirito
superior que incorpora uma fé raciona (crença) e uma confiante
(ação).
• Religião: estado do fazer, sistema específico de práticas associadas a
uma determinada denominação, seita ou forma de adoração.
• Esperança: A espiritualidade e a fé trazem esperança. Proporciona
conforto enquanto as pessoas suportam situações ameaçadoras à
vida, dificuldades e outros desafios pessoais.
Clique para editar o título
Mestre
CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira
TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública
pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP)
Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação
em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei –
Campus CCO (UFSJ-CCO)
Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura
Espiritualidade
• Saúde espiritual: encontrar equilíbrio entre seus valores, objetivos,
crenças e suas relações dentro de si e com os outros – as crenças
espirituais mudam à medida que os clientes crescem e se
desenvolvem.
• Problemas Espirituais: quando ocorre uma doença, perda, dor ou
uma grande mudança , ou as pessoas usam recursos espirituais para
ajuda-las no enfrentamento, ou desenvolvem-se necessidades e
preocupações espirituais.
Clique para editar o título
Mestre
CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira
TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública
pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP)
Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação
em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei –
Campus CCO (UFSJ-CCO)
Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura
Espiritualidade
• Sofrimento espiritual: deficiência da capacidade de experimentar e
integrar significado e propósito à vida através da conexidade com si
mesmo, a os outros, a arte, a musica, a literatura, a natureza e/ou
uma poder superior a si mesmo – doença aguda, doença crônica,
doença terminal, experiência de quase-morte.
Clique para editar o título
Mestre
CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira
TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública
pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP)
Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação
em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei –
Campus CCO (UFSJ-CCO)
Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura
Perda, Morte e Luto
• Todas as pessoas que apresentam doença, ou lesão provavelmente
apresentarão perda ou luto;
• O paciente pode sofrer o luto de diversas formas: perda de parte ou
função do corpo, da autoestima, da confiança, ou da renda salarial – a
doença pode mudar ou ameaçar a identidade da pessoa.
Clique para editar o título
Mestre
CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira
TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública
pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP)
Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação
em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei –
Campus CCO (UFSJ-CCO)
Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura
Perda, Morte e Luto
• A doença terminal faz os amigos e familiares se lembrarem da sua
própria mortalidade, podendo ocasionar de forma inconsciente
afastamento da pessoa que está morrendo.
• O Enfermeiro entra em um processo de luto quando testemunham o
sofrimento de outro.
Clique para editar o título
Mestre
CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira
TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública
pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP)
Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação
em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei –
Campus CCO (UFSJ-CCO)
Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura
Perda, Morte e Luto
Perda
• Do nascimento a morte, nos afeiçoamos e sofremos perdas.
• Desenvolvemos independia dos adultos que nos criaram, começamos
e terminamos a vida escolar, mudamos de amigos, começamos
carreiras e formamos novos relacionamentos.
• Mudanças envolvem perdas necessárias que fazem parte da vida.
• Algumas perdas contudo nos fazem passar por mudanças
permanentes na vida.
Clique para editar o título
Mestre
CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira
TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública
pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP)
Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação
em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei –
Campus CCO (UFSJ-CCO)
Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura
Perda, Morte e Luto
Perda
• A morte de um ente querido, divórcio ou a perda de independência.
• As perdas relativas ao amadurecimento são uma forma de perda
necessária e incluem todas as mudanças de vida normalmente
esperada durante o tempo em que vivemos.
• Perda situacional - eventos externos súbitos e imprevisíveis
ocasionam.
Clique para editar o título
Mestre
CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira
TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública
pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP)
Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação
em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei –
Campus CCO (UFSJ-CCO)
Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura
Perda, Morte e Luto
Luto
• É a resposta emocional a uma perda, manifestada de modos peculiares
para um indivíduo, com base em experiências pessoais, expectativas
culturais e crenças espirituais.
• Luto normal: significa que estão no processo de enfrentar a morte de um
ente querido. O luto normal é uma resposta complexa com conceitos
emocionais, cognitivos, sociais, físicos, comportamentais e espirituais.
• Luto complicado: para minoria das pessoas, não ocorre o ajuste ao luto, a
pessoa tem um tempo prolongado ou significativamente difícil para seguir
adiante depois de uma perda – relacionamento conflituoso, perda
associada ao suicídio, homicídio, perda de filho, acidentes súbitos.
Clique para editar o título
Mestre
CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira
TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública
pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP)
Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação
em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei –
Campus CCO (UFSJ-CCO)
Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura
Perda, Morte e Luto
• Luto Antecipado: processo inconsciente de desvincular ou tirar da
cabeça antes de ocorrer a perda ou morte real, especialmente em
situações de perda prolongada ou prevista.
• Privação do direito de sentir o luto: luto mínimo ou sem apoio,
quando seu relacionamento com a pessoa falecida não é socialmente
sancionado, não pode ser reconhecido abertamente ou
compartilhado publicamente.
Clique para editar o título
Mestre
CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira
TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública
pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP)
Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação
em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei –
Campus CCO (UFSJ-CCO)
Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura
Perda, Morte e Luto
Estágios da Morte
• A teoria comportamental de Kubler-Ross, descreve cinco estágios do
morrer. Embora esteja em uma ordem, as pessoas que passam pelo
luto não as apresentam em uma ordem em particular.
Clique para editar o título
Mestre
CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira
TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública
pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP)
Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação
em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei –
Campus CCO (UFSJ-CCO)
Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura
Perda, Morte e Luto
• Negação: a pessoa reage como se nada tivesse acontecido, se recusa
a aceitar o fato ou a perda.
• Raiva: resistência e raiva de Deus, de outras pessoas e de situações.
• Barganha: amortece e adia a conscientização sobre a perda, tentando
impedi-la de acontecer.
• Depressão: quando uma pessoa percebe o impacto completo da
perda, ficam tristes, sem esperança e sozinhos.
• Aceitação: a pessoa incorpora a perda à vida e encontra modos de
seguir adiante.
Clique para editar o título
Mestre
CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira
TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública
pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP)
Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação
em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei –
Campus CCO (UFSJ-CCO)
Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura
Perda, Morte e Luto
• Estratégias de Enfrentamento: as experiências de vida moldam as
estratégias de enfrentamento que uma pessoa usa para lidar com
estresse da perda. Quando as estratégias não funcionam, ela precisa
de novas estratégias.
Ex: desabafos ou conversas sobre sentimentos, enfocar emoções
positivas e sentimentos otimista, escrever sobre os sentimentos.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a AULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptx

Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)LACES1
 
Curso apoio matricial na atenção básica - nasf
Curso apoio matricial na atenção básica - nasfCurso apoio matricial na atenção básica - nasf
Curso apoio matricial na atenção básica - nasfdaihhh
 
10360101112016 introducao a_saude_publica_aula_01
10360101112016 introducao a_saude_publica_aula_0110360101112016 introducao a_saude_publica_aula_01
10360101112016 introducao a_saude_publica_aula_01Deylane Melo
 
Apresentação2
 Apresentação2 Apresentação2
Apresentação2Raul Barros
 
O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais...
O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais...O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais...
O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais...VeraReal
 
O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais.pdf
O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais.pdfO Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais.pdf
O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais.pdfAndressaMolina3
 
O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais.pdf
O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais.pdfO Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais.pdf
O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais.pdfAndressaMolina3
 
Aula 1 - Saúde e Sociedade
Aula 1 - Saúde e SociedadeAula 1 - Saúde e Sociedade
Aula 1 - Saúde e SociedadeGhiordanno Bruno
 
Apresentação2
 Apresentação2 Apresentação2
Apresentação2Raul Barros
 
Revista terapia manual e posturologia 47
Revista terapia manual e posturologia 47Revista terapia manual e posturologia 47
Revista terapia manual e posturologia 47Rodrigo Medina
 
Manual de saúde pública
Manual de saúde públicaManual de saúde pública
Manual de saúde públicaAndré Fidelis
 
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúdeComo trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúdeAssociação Viva e Deixe Viver
 
tratado de enfermagem médico-cirúrgica lewis
tratado de enfermagem médico-cirúrgica lewistratado de enfermagem médico-cirúrgica lewis
tratado de enfermagem médico-cirúrgica lewisJuninho Spina
 
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo FundoApresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundojorge luiz dos santos de souza
 
Apostila_Estimulaçao_Precoce_Telessaúde SC UFSC 2.pdf
Apostila_Estimulaçao_Precoce_Telessaúde SC UFSC 2.pdfApostila_Estimulaçao_Precoce_Telessaúde SC UFSC 2.pdf
Apostila_Estimulaçao_Precoce_Telessaúde SC UFSC 2.pdfJulianaAssis43
 
123dok musicoterapia na_qualidade_de_vida_em_idosos_institucionalizados
123dok musicoterapia na_qualidade_de_vida_em_idosos_institucionalizados123dok musicoterapia na_qualidade_de_vida_em_idosos_institucionalizados
123dok musicoterapia na_qualidade_de_vida_em_idosos_institucionalizadosErica Bruna Aguiar da Silva
 

Semelhante a AULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptx (20)

Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
 
Livro Saúde do Idoso
Livro Saúde do IdosoLivro Saúde do Idoso
Livro Saúde do Idoso
 
Fis001
Fis001Fis001
Fis001
 
Curso apoio matricial na atenção básica - nasf
Curso apoio matricial na atenção básica - nasfCurso apoio matricial na atenção básica - nasf
Curso apoio matricial na atenção básica - nasf
 
10360101112016 introducao a_saude_publica_aula_01
10360101112016 introducao a_saude_publica_aula_0110360101112016 introducao a_saude_publica_aula_01
10360101112016 introducao a_saude_publica_aula_01
 
Apresentação2
 Apresentação2 Apresentação2
Apresentação2
 
O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais...
O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais...O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais...
O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais...
 
O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais.pdf
O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais.pdfO Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais.pdf
O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais.pdf
 
O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais.pdf
O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais.pdfO Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais.pdf
O Tratamento da Dependência Química e As Terapias Cognitivo-comportamentais.pdf
 
Conceito de Saúde 2
Conceito de Saúde 2Conceito de Saúde 2
Conceito de Saúde 2
 
Aula 1 - Saúde e Sociedade
Aula 1 - Saúde e SociedadeAula 1 - Saúde e Sociedade
Aula 1 - Saúde e Sociedade
 
Apresentação2
 Apresentação2 Apresentação2
Apresentação2
 
Revista terapia manual e posturologia 47
Revista terapia manual e posturologia 47Revista terapia manual e posturologia 47
Revista terapia manual e posturologia 47
 
11
1111
11
 
Manual de saúde pública
Manual de saúde públicaManual de saúde pública
Manual de saúde pública
 
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúdeComo trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
 
tratado de enfermagem médico-cirúrgica lewis
tratado de enfermagem médico-cirúrgica lewistratado de enfermagem médico-cirúrgica lewis
tratado de enfermagem médico-cirúrgica lewis
 
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo FundoApresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
 
Apostila_Estimulaçao_Precoce_Telessaúde SC UFSC 2.pdf
Apostila_Estimulaçao_Precoce_Telessaúde SC UFSC 2.pdfApostila_Estimulaçao_Precoce_Telessaúde SC UFSC 2.pdf
Apostila_Estimulaçao_Precoce_Telessaúde SC UFSC 2.pdf
 
123dok musicoterapia na_qualidade_de_vida_em_idosos_institucionalizados
123dok musicoterapia na_qualidade_de_vida_em_idosos_institucionalizados123dok musicoterapia na_qualidade_de_vida_em_idosos_institucionalizados
123dok musicoterapia na_qualidade_de_vida_em_idosos_institucionalizados
 

Mais de LucianoSoares624804

Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptxAula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptxLucianoSoares624804
 
Saude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
Saude_das_Populacoes_Indigenas.pptSaude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
Saude_das_Populacoes_Indigenas.pptLucianoSoares624804
 
aula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdf
aula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdfaula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdf
aula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdfLucianoSoares624804
 
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdfPOLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdfLucianoSoares624804
 

Mais de LucianoSoares624804 (8)

Aula Biossegurança.pptx
Aula Biossegurança.pptxAula Biossegurança.pptx
Aula Biossegurança.pptx
 
Saúde Ambiental.pptx
Saúde Ambiental.pptxSaúde Ambiental.pptx
Saúde Ambiental.pptx
 
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptxAula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
 
zygmunt-bauman.pptx
zygmunt-bauman.pptxzygmunt-bauman.pptx
zygmunt-bauman.pptx
 
Saude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
Saude_das_Populacoes_Indigenas.pptSaude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
Saude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
 
PPT-Violencia_Genero.pptx
PPT-Violencia_Genero.pptxPPT-Violencia_Genero.pptx
PPT-Violencia_Genero.pptx
 
aula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdf
aula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdfaula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdf
aula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdf
 
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdfPOLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
 

Último

Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfDanieldaSade
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfDanieldaSade
 

Último (10)

Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 

AULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptx

  • 1. Clique para editar o título Mestre CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP) Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei – Campus CCO (UFSJ-CCO) Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP) Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei – Campus CCO (UFSJ-CCO) Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura Dispositivos Transversais do Cuidado Espiritualidade e Processos do Luto
  • 2. Clique para editar o título Mestre CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP) Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei – Campus CCO (UFSJ-CCO) Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura Espiritualidade • Significa qualquer coisa que esteja no centro de todos os aspectos da vida de uma pessoa; • Frequentemente definida como uma conscientização de um eu interno e um senso de ligação com um ser superior, a natureza ou com algum propósito maior de si próprio;
  • 3. Clique para editar o título Mestre CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP) Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei – Campus CCO (UFSJ-CCO) Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura Espiritualidade • A saúde de uma pessoa depende de um equilíbrio de fatores físicos, psicológicos, sociológicos, culturais, de desenvolvimento e espirituais. • A espiritualidade é um fator importante que ajuda os indivíduos a alcançar o equilíbrio necessário para manter a saúde e bem estar e para enfrentar a doença.
  • 4. Clique para editar o título Mestre CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP) Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei – Campus CCO (UFSJ-CCO) Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura Espiritualidade • Pesquisas mostram que aumenta a saúde, a qualidade de vida, comportamentos a espiritualidade afeta positivamente e de promoção da saúde e as atividades de prevenção das doenças.
  • 5. Clique para editar o título Mestre CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP) Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei – Campus CCO (UFSJ-CCO) Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura Espiritualidade • A espiritualidade é um conceito complexo que é exclusivo para cada indivíduo e é dependente da cultura, desenvolvimento, experiências de vida, crenças e ideia sobre a vida de uma pessoa. • Bem- estar espiritual: uma pessoa e Deus (ou ser superior) e conexões positivas entre pessoas.
  • 6. Clique para editar o título Mestre CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP) Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei – Campus CCO (UFSJ-CCO) Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura Espiritualidade • Fé: relação com a divindade, um poder, uma autoridade ou espirito superior que incorpora uma fé raciona (crença) e uma confiante (ação). • Religião: estado do fazer, sistema específico de práticas associadas a uma determinada denominação, seita ou forma de adoração. • Esperança: A espiritualidade e a fé trazem esperança. Proporciona conforto enquanto as pessoas suportam situações ameaçadoras à vida, dificuldades e outros desafios pessoais.
  • 7. Clique para editar o título Mestre CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP) Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei – Campus CCO (UFSJ-CCO) Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura Espiritualidade • Saúde espiritual: encontrar equilíbrio entre seus valores, objetivos, crenças e suas relações dentro de si e com os outros – as crenças espirituais mudam à medida que os clientes crescem e se desenvolvem. • Problemas Espirituais: quando ocorre uma doença, perda, dor ou uma grande mudança , ou as pessoas usam recursos espirituais para ajuda-las no enfrentamento, ou desenvolvem-se necessidades e preocupações espirituais.
  • 8. Clique para editar o título Mestre CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP) Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei – Campus CCO (UFSJ-CCO) Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura Espiritualidade • Sofrimento espiritual: deficiência da capacidade de experimentar e integrar significado e propósito à vida através da conexidade com si mesmo, a os outros, a arte, a musica, a literatura, a natureza e/ou uma poder superior a si mesmo – doença aguda, doença crônica, doença terminal, experiência de quase-morte.
  • 9. Clique para editar o título Mestre CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP) Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei – Campus CCO (UFSJ-CCO) Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura Perda, Morte e Luto • Todas as pessoas que apresentam doença, ou lesão provavelmente apresentarão perda ou luto; • O paciente pode sofrer o luto de diversas formas: perda de parte ou função do corpo, da autoestima, da confiança, ou da renda salarial – a doença pode mudar ou ameaçar a identidade da pessoa.
  • 10. Clique para editar o título Mestre CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP) Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei – Campus CCO (UFSJ-CCO) Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura Perda, Morte e Luto • A doença terminal faz os amigos e familiares se lembrarem da sua própria mortalidade, podendo ocasionar de forma inconsciente afastamento da pessoa que está morrendo. • O Enfermeiro entra em um processo de luto quando testemunham o sofrimento de outro.
  • 11. Clique para editar o título Mestre CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP) Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei – Campus CCO (UFSJ-CCO) Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura Perda, Morte e Luto Perda • Do nascimento a morte, nos afeiçoamos e sofremos perdas. • Desenvolvemos independia dos adultos que nos criaram, começamos e terminamos a vida escolar, mudamos de amigos, começamos carreiras e formamos novos relacionamentos. • Mudanças envolvem perdas necessárias que fazem parte da vida. • Algumas perdas contudo nos fazem passar por mudanças permanentes na vida.
  • 12. Clique para editar o título Mestre CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP) Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei – Campus CCO (UFSJ-CCO) Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura Perda, Morte e Luto Perda • A morte de um ente querido, divórcio ou a perda de independência. • As perdas relativas ao amadurecimento são uma forma de perda necessária e incluem todas as mudanças de vida normalmente esperada durante o tempo em que vivemos. • Perda situacional - eventos externos súbitos e imprevisíveis ocasionam.
  • 13. Clique para editar o título Mestre CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP) Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei – Campus CCO (UFSJ-CCO) Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura Perda, Morte e Luto Luto • É a resposta emocional a uma perda, manifestada de modos peculiares para um indivíduo, com base em experiências pessoais, expectativas culturais e crenças espirituais. • Luto normal: significa que estão no processo de enfrentar a morte de um ente querido. O luto normal é uma resposta complexa com conceitos emocionais, cognitivos, sociais, físicos, comportamentais e espirituais. • Luto complicado: para minoria das pessoas, não ocorre o ajuste ao luto, a pessoa tem um tempo prolongado ou significativamente difícil para seguir adiante depois de uma perda – relacionamento conflituoso, perda associada ao suicídio, homicídio, perda de filho, acidentes súbitos.
  • 14. Clique para editar o título Mestre CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP) Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei – Campus CCO (UFSJ-CCO) Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura Perda, Morte e Luto • Luto Antecipado: processo inconsciente de desvincular ou tirar da cabeça antes de ocorrer a perda ou morte real, especialmente em situações de perda prolongada ou prevista. • Privação do direito de sentir o luto: luto mínimo ou sem apoio, quando seu relacionamento com a pessoa falecida não é socialmente sancionado, não pode ser reconhecido abertamente ou compartilhado publicamente.
  • 15. Clique para editar o título Mestre CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP) Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei – Campus CCO (UFSJ-CCO) Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura Perda, Morte e Luto Estágios da Morte • A teoria comportamental de Kubler-Ross, descreve cinco estágios do morrer. Embora esteja em uma ordem, as pessoas que passam pelo luto não as apresentam em uma ordem em particular.
  • 16. Clique para editar o título Mestre CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP) Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei – Campus CCO (UFSJ-CCO) Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura Perda, Morte e Luto • Negação: a pessoa reage como se nada tivesse acontecido, se recusa a aceitar o fato ou a perda. • Raiva: resistência e raiva de Deus, de outras pessoas e de situações. • Barganha: amortece e adia a conscientização sobre a perda, tentando impedi-la de acontecer. • Depressão: quando uma pessoa percebe o impacto completo da perda, ficam tristes, sem esperança e sozinhos. • Aceitação: a pessoa incorpora a perda à vida e encontra modos de seguir adiante.
  • 17. Clique para editar o título Mestre CLIQUE PARA EDITAR O CUMBA: Prof. MSc. Stênio Henrique Oliveira TÍTULO MESTRE Doutorando pelo Programa de Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP (EERP-USP) Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São João del-Rei – Campus CCO (UFSJ-CCO) Coordenador dos Cursos Técnicos Colégio Tipura Perda, Morte e Luto • Estratégias de Enfrentamento: as experiências de vida moldam as estratégias de enfrentamento que uma pessoa usa para lidar com estresse da perda. Quando as estratégias não funcionam, ela precisa de novas estratégias. Ex: desabafos ou conversas sobre sentimentos, enfocar emoções positivas e sentimentos otimista, escrever sobre os sentimentos.