SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
Zygmunt Bauman
Biografia
⚫Poznan (Polônia) – (1925-
2017)
⚫Professor titular da
Universidade de Leeds desde
1971.
⚫Professor emérito da
Universidade de Varsóvia.
⚫Obras: mais de 60 títulos
publicados.
⚫“Modernidade Líquida”; “Vida
Líquida”; “Amor Líquido”;
“Tempos Líquidos”; “Vida para
consumo”; “Capitalismo
Parasitário e Outros Temas
Modernidade Líquida (2000)
CONTEXTO:
⚫Virada do século XX para o
XXI, sendo efetivamente
lançado em 2001.
⚫Previsões de panes
tecnológicos em programas e
computadores espalhados
pelo mundo, o famoso “bug do
milênio”.
Modernidade Líquida: Conceito
⚫É o conjunto de relações e instituições, além de
sua lógica de operações, que se impõe e que dão
base para a contemporaneidade.
⚫É uma época de liquidez, de fluidez, de
volatilidade, de incerteza e insegurança.
⚫A fixidez e todos os referenciais morais da época
anterior, denominada pelo autor como
modernidade sólida, são retirada de palco para
dar espaço à lógica do agora, do consumo, do
gozo e da artificialidade.
Trabalho e liquidez
⚫Relações de trabalho cada vez mais se
desgastam e a própria esfera do trabalho vira
um campo fluido desregulamentado.
⚫Empregos temporários, meia jornada,
empregos em que as relações de empregado-
empregador são constituídas somente pelos
dois, se tornam situações fáceis e
consideradas legítimas de se observar.
⚫Nisto, emerge a figura do desempregado
crônico.
Relações Humanas
⚫As conexões predominam.
⚫Conexão é o termo usado para
descrever as relações frágeis.
⚫A grande sacada desta palavra envolve
a noção de que, em uma conexão, o
vantagem não está só em ter várias
conexões, mas, principalmente em
conseguir desconectar sem custo.
Relações Humanas
⚫Os humanos são transformados em
mercadorias que podem ser consumidas e a
qualquer momento podem ser excluídos.
⚫O sujeito líquido lida com um mundo de
consumo e opções, mas nunca objetivo e
frio, não tem mais referenciais de ação:
⚫Toda a autoridade de referência é colocada em si e é sua
responsabilidade construir ou escolher normas a serem
seguidas.
⚫Tudo se passa como se tudo fosse uma questão de
escolher a melhor opção, com melhores vantagens e, de
preferência, nenhuma desvantagem.
Relações Humanas
ENTREVISTA:
https://www.youtube.com/watch?v
=aI_te8T7sRU
Consumo e Sujeito Líquido
⚫Isso tudo é coberto por uma
mentalidade que, não só valida as
instituições e as normas, mas também
dá base para a vida dos sujeitos:
⚫Os imperativos de consumo são
inscritos naquilo que há de mais
fundamental na constituição do sujeito
líquido.
Inexistência da Pós-Modernidade
⚫Para Bauman, não há uma pós-modernidade, há
uma continuação da modernidade com pontos
diferentes.
⚫O autor tem uma certa afinidade com Manuel
Castells ao falar da sociedade informacional.
⚫Ele afirma que a sociedade industrial (no sentido
de ter como base de produção as indústrias),
ainda existe, mas com lógica diferente.
⚫Não se trata de uma ruptura de época, mas de
uma transformação dentro de uma estrutura
contínua.
⚫O mesmo aconteceria na sociedade líquida.
Nas palavras de Bauman
“Uma das razões pelas quais passei a falar em
“modernidade líquida” em vez de “pós-modernidade”
(meus trabalhos mais recentes evitam esse termo) é
que fiquei cansado de tentar esclarecer uma
confusão semântica que não distingue sociologia
pós-moderna de sociologia da pós-modernidade,
entre “pós-modernismo” e “pós-modernidade”. No
meu vocabulário, “pós-modernidade” significa uma
sociedade (ou, se se prefere, um tipo de condição
humana), enquanto que “pós-modernismo” se refere
a uma visão de mundo que pode surgir, mas não
necessariamente, da condição pós-moderna.
Nas palavras de Bauman
Procurei sempre enfatizar que, do mesmo modo que
ser um ornitólogo não significa ser um pássaro, ser um
sociólogo da pós-modernidade não significa ser um
pós-modernista, o que definitivamente não sou. Ser
um pós-modernista significa ter uma ideologia, uma
percepção do mundo, uma determinada hierarquia de
valores que, entre outras coisas, descarta a ideia de
um tipo de regulamentação normativa da comunidade
humana e assume que todos os tipos de vida humana
se equivalem, que todas as sociedades são
igualmente boas ou más; enfim, uma ideologia que se
recusa a fazer julgamentos e a debater seriamente
questões relativas a modos de vida viciosos e
virtuosos, pois, no limite, acredita que não há nada a
ser debatido. Isso é pós-modernismo.”
Vida Líquida (2005)
⚫A vida líquida é uma forma
de vida que tende a ser
levada à frente numa
sociedade líquido-moderna.
⚫É aquela em que, as
condições sob as quais
agem seus membros mudam
num tempo mais curto do
que aquele necessário para
a consolidação dos hábitos e
rotinas, das formas de agir.
Vida Líquida
⚫A vida líquida, assim como a sociedade, não
podem manter a forma ou permanecer em seu
curso por muito tempo.
⚫É uma vida precária, vivida em condições de
incerteza constante, é uma sucessão de reinícios.
⚫Nessa vida, livrar-se das coisas tem prioridade
sobre adquiri-las.
⚫É uma vida de consumo, projeta o mundo e seus
fragmentos como objetos de consumo, ou seja,
que perdem a sua utilidade enquanto são usados.
Relações Individuais
⚫Essas realizações individuais não podem
solidificar-se em posses permanentes;
⚫Em instantes, os ativos transformam-se em
passivos, e as capacidades em
incapacidades.
⚫As condições de ação e reação se tornam
obsoletas.
Velocidade e Individualidade
⚫A velocidade e não a duração é o que importa.
⚫Com a velocidade, pode-se consumir toda a
eternidade do presente contínuo da vida terrena.
⚫O truque é comprimir a eternidade de modo a poder
ajustá-la, inteira, à duração de uma existência
individual.
⚫A individualidade hoje, significa em primeiro lugar a
autonomia da pessoa, a qual, por sua vez, é
percebida simultaneamente como direito e dever.
⚫A afirmação “eu sou um indivíduo” significa que sou
responsável por meus méritos e fracassos, e que
minha tarefa é cultivar os méritos e reparar os
fracassos.
Consumismo
⚫É uma resposta do tipo “como fazer”.
⚫A lógica do consumismo serve às necessidades
dos homens e das mulheres em luta para
construir, preservar e renovar a individualidade e,
particularmente, para lidar com a sua aporia
(impasses e paradoxos).
⚫Os movimentos do mercado de consumo
desafiam a lógica, mas não a da luta já
inerentemente aporética pela individualidade.
⚫A luta pela singularidade agora se tornou o
principal motor da produção e do consumo
em massa.
Sociedade de Consumidores
“Uma "sociedade de consumidores"
não é apenas a soma total dos
consumidores, mas uma totalidade,
como diria Durkheim, "maior do que a
soma das partes". É uma sociedade
que (para usar uma antiga noção que
já foi popular sob a influência de
Althusser) "interpela" seus membros
basicamente, ou talvez até
exclusivamente, como consumidores;
e uma sociedade que julga e avalia
seus membros principalmente por
suas capacidades e sua conduta
relacionadas ao consumo”.
Consumidor x Cidadão
⚫Bauman expressa sua visão de que o afastamento da
política e ainda ausência de interesse pelo processo
político, também está se afastando do conceito de
democracia e cidadania.
⚫ Ao citar Giroux & Giroux diz que a cidadania foi
reduzida ao ato de comprar e vender mercadorias, em
vez de evoluir para uma democracia substancial.
⚫A liberdade dos cidadãos foi plantada e enraizada no
solo sociopolítico, devendo ser fertilizado diariamente
pelas ações bem informadas de um público instruído
e comprometido afastando-se, portanto, não bastando
apenas a visão consumerista de participação da
população.
Amor Líquido (2003)
⚫Os estudos sociológicos
lhe permitem refletir
sobre a angústia que
reina nos sentimentos
humanos, emoção
despertada pela pressa
de encontrar o parceiro
perfeito, sempre mantido
como meta ideal, nunca
como realidade concreta.
Amor Líquido
⚫Os casais procuram manter relacionamentos
abertos, que lhes possibilitem uma porta de
saída para novos encontros.
⚫A insatisfação está, portanto, constantemente
presente na esfera da afetividade humana.
⚫As pessoas desejam interagir, buscam a
vivência do afeto, mas não querem se
comprometer.
Amor Líquido
⚫Vivenciado em um universo marcado pelos
laços fluidos, que não permanecem, não se
estreitam, desobedecem à lei da gravidade,
ou seja, à ausência de peso.
⚫Bauman crê que os relacionamentos a dois
não podem se desenrolar à parte da cena
social, das regras do jogo estabelecidas pela
sociedade global.
⚫Nada pode fugir deste complexo panorama,
do moderno fenômeno conhecido como
globalização.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Bauman e a Modernidade Líquida

Design e sustentabilidade [Entrega final].pdf
Design e sustentabilidade [Entrega final].pdfDesign e sustentabilidade [Entrega final].pdf
Design e sustentabilidade [Entrega final].pdfRuanLima41
 
Activisionismo um ensaio em volta da reconstrucao social - 2020
Activisionismo   um ensaio em volta da reconstrucao social - 2020Activisionismo   um ensaio em volta da reconstrucao social - 2020
Activisionismo um ensaio em volta da reconstrucao social - 2020Sérgio dos Céus Nelson
 
Inclusão em Hotéis: Aprendendo pelos Exemplos
Inclusão em Hotéis: Aprendendo pelos ExemplosInclusão em Hotéis: Aprendendo pelos Exemplos
Inclusão em Hotéis: Aprendendo pelos ExemplosScott Rains
 
Bauman e sua crítica às relações na modernidade
Bauman e sua crítica às relações na modernidadeBauman e sua crítica às relações na modernidade
Bauman e sua crítica às relações na modernidadeUniversity of Coimbra
 
NOVOS OLHARES SOBRE OS SISTEMAS SOCIAIS: UMA REVOLUÇÃO EPSITEMOLÓGICA
NOVOS OLHARES SOBRE OS SISTEMAS SOCIAIS: UMA REVOLUÇÃO EPSITEMOLÓGICANOVOS OLHARES SOBRE OS SISTEMAS SOCIAIS: UMA REVOLUÇÃO EPSITEMOLÓGICA
NOVOS OLHARES SOBRE OS SISTEMAS SOCIAIS: UMA REVOLUÇÃO EPSITEMOLÓGICANaira Michelle Alves Pereira
 
RELAÇÕES SOCIOPROFISSIONAIS, CIDADANIA E ÉTICA.pdf
RELAÇÕES SOCIOPROFISSIONAIS, CIDADANIA E ÉTICA.pdfRELAÇÕES SOCIOPROFISSIONAIS, CIDADANIA E ÉTICA.pdf
RELAÇÕES SOCIOPROFISSIONAIS, CIDADANIA E ÉTICA.pdfedlucenajp
 
Turismo Inclusivo em Hoteis: Casos Praticos Internacionais
Turismo Inclusivo em Hoteis: Casos Praticos InternacionaisTurismo Inclusivo em Hoteis: Casos Praticos Internacionais
Turismo Inclusivo em Hoteis: Casos Praticos InternacionaisScott Rains
 
Ética, Direitos humanos, Cidadania: Resumo 2º bimestre net resumo
Ética, Direitos humanos, Cidadania:  Resumo 2º bimestre net resumoÉtica, Direitos humanos, Cidadania:  Resumo 2º bimestre net resumo
Ética, Direitos humanos, Cidadania: Resumo 2º bimestre net resumoIsrael serique
 
Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalCarlos Alves
 

Semelhante a Bauman e a Modernidade Líquida (20)

Design e sustentabilidade [Entrega final].pdf
Design e sustentabilidade [Entrega final].pdfDesign e sustentabilidade [Entrega final].pdf
Design e sustentabilidade [Entrega final].pdf
 
Activisionismo um ensaio em volta da reconstrucao social - 2020
Activisionismo   um ensaio em volta da reconstrucao social - 2020Activisionismo   um ensaio em volta da reconstrucao social - 2020
Activisionismo um ensaio em volta da reconstrucao social - 2020
 
cultura, estratégia e poder
cultura, estratégia e podercultura, estratégia e poder
cultura, estratégia e poder
 
O capitalismo mata: 4 olhares
O capitalismo mata: 4 olharesO capitalismo mata: 4 olhares
O capitalismo mata: 4 olhares
 
A Importância da Nova Governança para Construir uma Outra Cultura Política no...
A Importância da Nova Governança para Construir uma Outra Cultura Política no...A Importância da Nova Governança para Construir uma Outra Cultura Política no...
A Importância da Nova Governança para Construir uma Outra Cultura Política no...
 
Inclusão em Hotéis: Aprendendo pelos Exemplos
Inclusão em Hotéis: Aprendendo pelos ExemplosInclusão em Hotéis: Aprendendo pelos Exemplos
Inclusão em Hotéis: Aprendendo pelos Exemplos
 
Sociologia e Indivíduo
Sociologia e IndivíduoSociologia e Indivíduo
Sociologia e Indivíduo
 
Bauman e sua crítica às relações na modernidade
Bauman e sua crítica às relações na modernidadeBauman e sua crítica às relações na modernidade
Bauman e sua crítica às relações na modernidade
 
NOVOS OLHARES SOBRE OS SISTEMAS SOCIAIS: UMA REVOLUÇÃO EPSITEMOLÓGICA
NOVOS OLHARES SOBRE OS SISTEMAS SOCIAIS: UMA REVOLUÇÃO EPSITEMOLÓGICANOVOS OLHARES SOBRE OS SISTEMAS SOCIAIS: UMA REVOLUÇÃO EPSITEMOLÓGICA
NOVOS OLHARES SOBRE OS SISTEMAS SOCIAIS: UMA REVOLUÇÃO EPSITEMOLÓGICA
 
RELAÇÕES SOCIOPROFISSIONAIS, CIDADANIA E ÉTICA.pdf
RELAÇÕES SOCIOPROFISSIONAIS, CIDADANIA E ÉTICA.pdfRELAÇÕES SOCIOPROFISSIONAIS, CIDADANIA E ÉTICA.pdf
RELAÇÕES SOCIOPROFISSIONAIS, CIDADANIA E ÉTICA.pdf
 
Turismo Inclusivo em Hoteis: Casos Praticos Internacionais
Turismo Inclusivo em Hoteis: Casos Praticos InternacionaisTurismo Inclusivo em Hoteis: Casos Praticos Internacionais
Turismo Inclusivo em Hoteis: Casos Praticos Internacionais
 
Pensamento complexo
Pensamento complexoPensamento complexo
Pensamento complexo
 
Desafios do mundo no século xxi 2
Desafios do mundo no século xxi   2Desafios do mundo no século xxi   2
Desafios do mundo no século xxi 2
 
O mundo dos bens Mary Douglas e Baron Isherwood
O mundo dos bens Mary Douglas e Baron IsherwoodO mundo dos bens Mary Douglas e Baron Isherwood
O mundo dos bens Mary Douglas e Baron Isherwood
 
O mundo dos bens Mary Douglas e Baron Isherwood
O mundo dos bens Mary Douglas e Baron IsherwoodO mundo dos bens Mary Douglas e Baron Isherwood
O mundo dos bens Mary Douglas e Baron Isherwood
 
Artigo final
Artigo finalArtigo final
Artigo final
 
Ética, Direitos humanos, Cidadania: Resumo 2º bimestre net resumo
Ética, Direitos humanos, Cidadania:  Resumo 2º bimestre net resumoÉtica, Direitos humanos, Cidadania:  Resumo 2º bimestre net resumo
Ética, Direitos humanos, Cidadania: Resumo 2º bimestre net resumo
 
Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacional
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 
Norbert elias e pierre bourdieu
Norbert elias e pierre bourdieuNorbert elias e pierre bourdieu
Norbert elias e pierre bourdieu
 

Mais de LucianoSoares624804

Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptxAula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptxLucianoSoares624804
 
AULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptx
AULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptxAULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptx
AULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptxLucianoSoares624804
 
Saude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
Saude_das_Populacoes_Indigenas.pptSaude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
Saude_das_Populacoes_Indigenas.pptLucianoSoares624804
 
aula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdf
aula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdfaula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdf
aula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdfLucianoSoares624804
 
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdfPOLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdfLucianoSoares624804
 

Mais de LucianoSoares624804 (8)

Aula Biossegurança.pptx
Aula Biossegurança.pptxAula Biossegurança.pptx
Aula Biossegurança.pptx
 
Saúde Ambiental.pptx
Saúde Ambiental.pptxSaúde Ambiental.pptx
Saúde Ambiental.pptx
 
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptxAula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
 
AULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptx
AULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptxAULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptx
AULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptx
 
Saude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
Saude_das_Populacoes_Indigenas.pptSaude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
Saude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
 
PPT-Violencia_Genero.pptx
PPT-Violencia_Genero.pptxPPT-Violencia_Genero.pptx
PPT-Violencia_Genero.pptx
 
aula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdf
aula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdfaula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdf
aula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdf
 
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdfPOLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
 

Último

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 

Último (20)

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 

Bauman e a Modernidade Líquida

  • 2. Biografia ⚫Poznan (Polônia) – (1925- 2017) ⚫Professor titular da Universidade de Leeds desde 1971. ⚫Professor emérito da Universidade de Varsóvia. ⚫Obras: mais de 60 títulos publicados. ⚫“Modernidade Líquida”; “Vida Líquida”; “Amor Líquido”; “Tempos Líquidos”; “Vida para consumo”; “Capitalismo Parasitário e Outros Temas
  • 3. Modernidade Líquida (2000) CONTEXTO: ⚫Virada do século XX para o XXI, sendo efetivamente lançado em 2001. ⚫Previsões de panes tecnológicos em programas e computadores espalhados pelo mundo, o famoso “bug do milênio”.
  • 4. Modernidade Líquida: Conceito ⚫É o conjunto de relações e instituições, além de sua lógica de operações, que se impõe e que dão base para a contemporaneidade. ⚫É uma época de liquidez, de fluidez, de volatilidade, de incerteza e insegurança. ⚫A fixidez e todos os referenciais morais da época anterior, denominada pelo autor como modernidade sólida, são retirada de palco para dar espaço à lógica do agora, do consumo, do gozo e da artificialidade.
  • 5. Trabalho e liquidez ⚫Relações de trabalho cada vez mais se desgastam e a própria esfera do trabalho vira um campo fluido desregulamentado. ⚫Empregos temporários, meia jornada, empregos em que as relações de empregado- empregador são constituídas somente pelos dois, se tornam situações fáceis e consideradas legítimas de se observar. ⚫Nisto, emerge a figura do desempregado crônico.
  • 6. Relações Humanas ⚫As conexões predominam. ⚫Conexão é o termo usado para descrever as relações frágeis. ⚫A grande sacada desta palavra envolve a noção de que, em uma conexão, o vantagem não está só em ter várias conexões, mas, principalmente em conseguir desconectar sem custo.
  • 7. Relações Humanas ⚫Os humanos são transformados em mercadorias que podem ser consumidas e a qualquer momento podem ser excluídos. ⚫O sujeito líquido lida com um mundo de consumo e opções, mas nunca objetivo e frio, não tem mais referenciais de ação: ⚫Toda a autoridade de referência é colocada em si e é sua responsabilidade construir ou escolher normas a serem seguidas. ⚫Tudo se passa como se tudo fosse uma questão de escolher a melhor opção, com melhores vantagens e, de preferência, nenhuma desvantagem.
  • 9. Consumo e Sujeito Líquido ⚫Isso tudo é coberto por uma mentalidade que, não só valida as instituições e as normas, mas também dá base para a vida dos sujeitos: ⚫Os imperativos de consumo são inscritos naquilo que há de mais fundamental na constituição do sujeito líquido.
  • 10. Inexistência da Pós-Modernidade ⚫Para Bauman, não há uma pós-modernidade, há uma continuação da modernidade com pontos diferentes. ⚫O autor tem uma certa afinidade com Manuel Castells ao falar da sociedade informacional. ⚫Ele afirma que a sociedade industrial (no sentido de ter como base de produção as indústrias), ainda existe, mas com lógica diferente. ⚫Não se trata de uma ruptura de época, mas de uma transformação dentro de uma estrutura contínua. ⚫O mesmo aconteceria na sociedade líquida.
  • 11. Nas palavras de Bauman “Uma das razões pelas quais passei a falar em “modernidade líquida” em vez de “pós-modernidade” (meus trabalhos mais recentes evitam esse termo) é que fiquei cansado de tentar esclarecer uma confusão semântica que não distingue sociologia pós-moderna de sociologia da pós-modernidade, entre “pós-modernismo” e “pós-modernidade”. No meu vocabulário, “pós-modernidade” significa uma sociedade (ou, se se prefere, um tipo de condição humana), enquanto que “pós-modernismo” se refere a uma visão de mundo que pode surgir, mas não necessariamente, da condição pós-moderna.
  • 12. Nas palavras de Bauman Procurei sempre enfatizar que, do mesmo modo que ser um ornitólogo não significa ser um pássaro, ser um sociólogo da pós-modernidade não significa ser um pós-modernista, o que definitivamente não sou. Ser um pós-modernista significa ter uma ideologia, uma percepção do mundo, uma determinada hierarquia de valores que, entre outras coisas, descarta a ideia de um tipo de regulamentação normativa da comunidade humana e assume que todos os tipos de vida humana se equivalem, que todas as sociedades são igualmente boas ou más; enfim, uma ideologia que se recusa a fazer julgamentos e a debater seriamente questões relativas a modos de vida viciosos e virtuosos, pois, no limite, acredita que não há nada a ser debatido. Isso é pós-modernismo.”
  • 13. Vida Líquida (2005) ⚫A vida líquida é uma forma de vida que tende a ser levada à frente numa sociedade líquido-moderna. ⚫É aquela em que, as condições sob as quais agem seus membros mudam num tempo mais curto do que aquele necessário para a consolidação dos hábitos e rotinas, das formas de agir.
  • 14. Vida Líquida ⚫A vida líquida, assim como a sociedade, não podem manter a forma ou permanecer em seu curso por muito tempo. ⚫É uma vida precária, vivida em condições de incerteza constante, é uma sucessão de reinícios. ⚫Nessa vida, livrar-se das coisas tem prioridade sobre adquiri-las. ⚫É uma vida de consumo, projeta o mundo e seus fragmentos como objetos de consumo, ou seja, que perdem a sua utilidade enquanto são usados.
  • 15. Relações Individuais ⚫Essas realizações individuais não podem solidificar-se em posses permanentes; ⚫Em instantes, os ativos transformam-se em passivos, e as capacidades em incapacidades. ⚫As condições de ação e reação se tornam obsoletas.
  • 16. Velocidade e Individualidade ⚫A velocidade e não a duração é o que importa. ⚫Com a velocidade, pode-se consumir toda a eternidade do presente contínuo da vida terrena. ⚫O truque é comprimir a eternidade de modo a poder ajustá-la, inteira, à duração de uma existência individual. ⚫A individualidade hoje, significa em primeiro lugar a autonomia da pessoa, a qual, por sua vez, é percebida simultaneamente como direito e dever. ⚫A afirmação “eu sou um indivíduo” significa que sou responsável por meus méritos e fracassos, e que minha tarefa é cultivar os méritos e reparar os fracassos.
  • 17. Consumismo ⚫É uma resposta do tipo “como fazer”. ⚫A lógica do consumismo serve às necessidades dos homens e das mulheres em luta para construir, preservar e renovar a individualidade e, particularmente, para lidar com a sua aporia (impasses e paradoxos). ⚫Os movimentos do mercado de consumo desafiam a lógica, mas não a da luta já inerentemente aporética pela individualidade. ⚫A luta pela singularidade agora se tornou o principal motor da produção e do consumo em massa.
  • 18. Sociedade de Consumidores “Uma "sociedade de consumidores" não é apenas a soma total dos consumidores, mas uma totalidade, como diria Durkheim, "maior do que a soma das partes". É uma sociedade que (para usar uma antiga noção que já foi popular sob a influência de Althusser) "interpela" seus membros basicamente, ou talvez até exclusivamente, como consumidores; e uma sociedade que julga e avalia seus membros principalmente por suas capacidades e sua conduta relacionadas ao consumo”.
  • 19. Consumidor x Cidadão ⚫Bauman expressa sua visão de que o afastamento da política e ainda ausência de interesse pelo processo político, também está se afastando do conceito de democracia e cidadania. ⚫ Ao citar Giroux & Giroux diz que a cidadania foi reduzida ao ato de comprar e vender mercadorias, em vez de evoluir para uma democracia substancial. ⚫A liberdade dos cidadãos foi plantada e enraizada no solo sociopolítico, devendo ser fertilizado diariamente pelas ações bem informadas de um público instruído e comprometido afastando-se, portanto, não bastando apenas a visão consumerista de participação da população.
  • 20. Amor Líquido (2003) ⚫Os estudos sociológicos lhe permitem refletir sobre a angústia que reina nos sentimentos humanos, emoção despertada pela pressa de encontrar o parceiro perfeito, sempre mantido como meta ideal, nunca como realidade concreta.
  • 21. Amor Líquido ⚫Os casais procuram manter relacionamentos abertos, que lhes possibilitem uma porta de saída para novos encontros. ⚫A insatisfação está, portanto, constantemente presente na esfera da afetividade humana. ⚫As pessoas desejam interagir, buscam a vivência do afeto, mas não querem se comprometer.
  • 22. Amor Líquido ⚫Vivenciado em um universo marcado pelos laços fluidos, que não permanecem, não se estreitam, desobedecem à lei da gravidade, ou seja, à ausência de peso. ⚫Bauman crê que os relacionamentos a dois não podem se desenrolar à parte da cena social, das regras do jogo estabelecidas pela sociedade global. ⚫Nada pode fugir deste complexo panorama, do moderno fenômeno conhecido como globalização.