SlideShare uma empresa Scribd logo
A GESTAÇÃO DO MUNDO BURGUÊS
HISTÓRIA M.7
PALAVRA
DO AUTOR
X SAIR
Abertura:
“Tem coragem para fazer uso da tua própria razão!
– esse é o lema do Iluminismo.”
Abertura:
“Tem coragem para fazer uso da tua própria razão!
– esse é o lema do Iluminismo.”
Capítulo 1:
As revoluções inglesas
Capítulo 1:
As revoluções inglesas
Capítulo 2:
A Revolução Industrial
Capítulo 2:
A Revolução Industrial
Resolução dos exercíciosResolução dos exercícios
Slides
Capítulo 3:
O Iluminismo
Capítulo 3:
O Iluminismo
Capítulo 4:
A independência da América inglesa
Capítulo 4:
A independência da América inglesa
Filme:
Daens: um grito de justiça
Filme:
Daens: um grito de justiça
Multimídia
ROGER-VIOLLET/TOPFOT/KEYSTONE
X SAIRX SAIR
“Tem coragem para fazer uso da tua própria razão!
– esse é o lema do Iluminismo.”
REPRODUÇÃO
Capítulo 1
As revoluções inglesas
SCIENCEPHOTOLIBRARY
X SAIRX SAIR
X SAIRX SAIR
A Inglaterra no século XVII
1588: derrota da
“Invencível Armada”
Desequilíbrio
financeiro
1603: trono inglês a
Jaime I (direito divino e
concepções anglicanas)
1625: Carlos Stuart
Petição de Direitos
Insatisfação popular e crise política
Guerra civil de 1642 a 1651
1 As revoluções inglesas
Aumento de frotas e
políticas para a
burguesia mercantil
Parlamento: reformas e oposição às iniciativas reais
X SAIRX SAIR
Os reis ingleses
Rei Jaime IRainha Elizabeth
1 As revoluções inglesas
THEBRIDGEMANARTLIBRARY/KEYSTONE
ABADIADEWOBURN,BEDFORDSHIRE/AKG-IMAGES
X SAIRX SAIR
A Revolução Puritana
Parlamento
Câmara dos
Lordes
Câmara dos
Comuns
Anglicanos
Presbiterianos e
puritanos
Exército de Novo Tipo
Liberdade de
organização e discussão
Câmara dos Comuns
1 As revoluções inglesas
REPRODUÇÃO
X SAIRX SAIR
Cromwell e a República Puritana
Hegemonia dos
presbiterianos
no Parlamento
Em batalhas, Oliver
Cromwell favorecia
os Comuns.
1646: derrota
de Carlos I
Radicalização do
processo político
1648: nova fase da
guerra civil,
hegemonia na
Câmara dos Comuns
1649: decapitação
de Carlos I e
proclamação da
República
Cromwell:
presidente
do Conselho
de Estado
Ato de
Navegação
1 As revoluções inglesas
X SAIRX SAIR
Cromwell e a República Puritana
 Inglaterra: situação política e econômica instável
 Manifestações de oposição: aniquiladas pelo
governo de Cromwell
 1653: oposição dos conservadores e dos grupos radicais;
Cromwell dissolve o Parlamento.
1658: Cromwell morreu, seu
filho Richard Cromwell o
sucedeu, mas foi deposto no
ano seguinte.
Restauração
Monárquica
1 As revoluções inglesas
X SAIRX SAIR
Inglaterra durante a Revolução Puritana
1 As revoluções inglesas
X SAIRX SAIR
A Revolução Gloriosa
Carlos II: coroado
pela aristocracia e
pela alta burguesia
Atritos entre o rei
e o Parlamento
continuaram a existir.
1685: Jaime II, partidário
do catolicismo, logo se
tornou impopular.
Revolução Gloriosa
(1688)
Ato de Tolerância
Declaração de Direitos
Medalhão comemorativo do casamento
de Maria Stuart com Guilherme de Orange
1 As revoluções inglesas
mas
COLEÇÃODETIMOTHYMILLET/
THEBRIDGEMANARTLIBRARY/
KEYSTONE
Acordo com
Guilherme de Orange
X SAIRX SAIR
SCIENCEPHOTOLIBRARY
Capítulo 2
A Revolução Industrial
X SAIRX SAIR
O pioneirismo inglês na industrialização
A partir de 1760
Condições favoráveis existentes
antes do século XVIII
Revolução
Gloriosa de
1688
As Leis de
Cercamentos
Mão de obra
numerosa
Produção de lã
e algodão
Indústria de
base
Transportes
ferroviários
Revolução Industrial
2 A Revolução Industrial
X SAIRX SAIR
2 A Revolução Industrial
O pioneirismo inglês na industrialização
Gravura de Londres, 1783. Note o tamanho da cidade, com crescimento motivado pela
industrialização e expansão comercial.
BRITISHLIBRARY,LONDRES
X SAIRX SAIR
As ferrovias e a redução das distâncias
As ferrovias contribuíram para a diminuição das distâncias, o que favoreceu
o desenvolvimento do comércio e facilitou a comunicação.
2 A Revolução Industrial
X SAIRX SAIR
O trabalho e a cidade na era industrial
Nova concepção
da palavra
trabalho:
condição básica
para a salvação
divina
Controle técnico
do processo
de produção
Alienado
Autômato
O trabalho feminino e infantil
era uma opção de barateamento
do custo da produção.
Nessa gravura, de 1871,
vemos crianças carregando
barro em olaria inglesa.
2 A Revolução Industrial
BIBLIOTECADASARTESDECORATIVAS,PARIS/BRIDGEMAN
ARTLIBRARY/KEYSTONE
X SAIRX SAIR
2 A Revolução Industrial
Daens: um grito de justiça
Clique na imagem abaixo para ver o trecho do filme.
Duração: 1min24s
X SAIRX SAIR
Total de cidades com mais de 100 mil
habitantes
2 A Revolução Industrial
X SAIRX SAIR
A reação dos trabalhadores
A expropriação dos trabalhadores gera uma sucessão
de lutas, diretas ou indiretas, contra a burguesia industrial.
2 A Revolução Industrial
X SAIRX SAIR
Os operários contra as máquinas - Ludismo
Movimento de protesto
operário de fins do
século XVIII e início
do século XIX
Quebra das
máquinas
Crianças e adultos trabalhando no interior de
uma mina de carvão.
Iniciativa contra a alienação
do trabalho ao capital
Nottinghamshire: reivindicação
salarial
Yorkshire: politizado,
antigovernamental e contrário à
centralização londrina
Lancashire: militarizado
BETTMANN/CORBIS/LATINSTOCK
2 A Revolução Industrial
X SAIRX SAIR
Cartismo: a Carta do Povo
Ideias
coletivas,
democráticas
e igualitárias
Origem no
Reform Act, de
1832
Resistência do
Parlamento
1838: petição
chamada Carta
do Povo
(cartismo)
Distribuição de bastões a
policiais especiais, na
véspera da demonstração
cartista
MUSEU BRITÂNICO, LONDRES
Participação efetiva
nas eleições
2 A Revolução Industrial
X SAIRX SAIR
SCIENCEPHOTOLIBRARY
Capítulo 3
O Iluminismo
X SAIRX SAIR
Os pensadores
iluministas não
propunham uma
revolução.
As luzes da razão
Origem no século XVII e desenvolvimento no século XVIII
A “luz” contra
as “trevas”
Universalidade
Individualidade
Autonomia
Difusão pela Europa
A árvore da liberdade sendo plantada
3 O Iluminismo
BRIDGEMANARTLIBRARY/KEYSTONE
X SAIRX SAIR
O pensamento ilustrado
 John Locke
 Denis Diderot
 Jean-Baptiste d’Alembert
Enciclopedistas
 Voltaire
 Montesquieu
 Jean-Jacques Rousseau
 Immanuel Kant
 David Hume
3 O Iluminismo
REPRODUÇÃO
Tratado de
anatomia humana
X SAIRX SAIR
Os economistas liberais
Autorregulação do mercado:
lei da oferta e da procura
3 O Iluminismo
 Escola Fisiocrata
 Adam Smith
 David Ricardo
 John Stuart Mill
 Thomas Malthus
Adam Smith, em gravura
de autor anônimo, 1790
LATINSTOCK
X SAIRX SAIR
 Inspirados pelo Iluminismo e
sem abrir mão do
absolutismo: reformas de
adequação das estruturas
econômicas estatais à burguesia
em ascensão
 Áustria, Prússia, Rússia,
Espanha e Portugal
3 O Iluminismo
Catarina II, a Grande, rainha da Rússia
e adepta do despotismo esclarecido.
Pintura de Dimitri Grigorievitch
Levitzki, 1783
MUSEUHERMITAGE,SÃOPETERSBURGO
O despotismo
esclarecido
X SAIRX SAIR
SCIENCEPHOTOLIBRARY
Capítulo 4
A independência da
América inglesa
X SAIRX SAIR
A crise do sistema colonial na América inglesa
A Batalha de Hastenbeck, episódio da Guerra dos Sete Anos
4 A independência da América inglesa
ARCHIVOICONOGRÁFICO/CORBIS/LATINSTOCK
 Crise nas
Treze Colônias
 Medidas
coercitivas
intensificam
o controle sobre
o comércio
norte-americano.
 Revolução
Industrial
 1756-1763
Guerra dos
Sete Anos
X SAIRX SAIR
O processo
de independência
Interesses das colônias x
interesses da metrópole
1733: Lei
do Melaço
1765: Lei
do Selo
“Nenhuma taxação
sem representação”
Revolucionários americanos aplicando
castigo a um cobrador de impostos inglês.
REPRODUÇÃO
4 A independência da América inglesa
X SAIRX SAIR
Festa do Chá
de Boston
1774: Leis
Intoleráveis
1776: Declaração de Independência
O processo de independência
1774: Primeiro Congresso
Continental de Filadélfia
União dos colonos contra a metrópole
1767: Tesouro inglês intensificou a administração alfandegária.
4 A independência da América inglesa
X SAIRX SAIR
Principais batalhas
da Guerra de
Independência
4 A independência da América inglesa
X SAIRX SAIR
Descolonização ou
revolução burguesa?
Os norte-americanos sempre gostaram
de enaltecer seu espírito libertário.
Inauguração da Estátua da Liberdade
(1886), pintura de Edward Moran
MUSEUDACIDADEDENOVAYORK
4 A independência da América inglesa
X SAIRX SAIR
SCIENCEPHOTOLIBRARY
Navegando no módulo
X SAIRX SAIR
CRISE NO ABSOLUTISMO
INGLATERRA FRANÇA
REVOLUÇÃO
PURITANA
REVOLUÇÃO
GLORIOSA
LIBERALISMO
ECONÔMICO/
PARLAMENTARISMO
REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL
GUERRA DOS
SETE ANOS
INDEPENDÊNCIA
DOS EUA
REVOLUÇÃO
FRANCESA
ILUMINISMO
LIBERALISMO
POLÍTICO E
ECONÔMICO
ASCENSÃO DA BURGUESIA
E CONSOLIDAÇÃO DO
CAPITALISMO
DESPOTISMO
ESCLARECIDO
Navegando no módulo
SCIENCEPHOTOLIBRARY
FIM
X SAIRX SAIR
FIM
SEQUÊNCIA DIDÁTICA
Adaptação e consultoria: Professor Diogo Martins de Santana
Revisão: Lara Milani (coord.), Adriana B. dos Santos, Alexandre Sansone, Amanda Ramos, Anderson Félix,
André Annes Araujo, Aparecida Maffei, David Medeiros, Greice Furini, Maria Fernanda Neves, Renata Tavares
Diagramação: Adailton Brito de Souza, Gustavo Sanches, Keila Grandis, Marlene Moreno, Valdei Prazeres,
Vicente Valenti
Cartografia: Alessandro Passos da Costa, Anderson de Andrade Pimentel
Imagens: © Daens:um grito de justiça/ Favourite Films/ Films Dérives/ Stijn Coninx
VÍDEOS
Palavra do autor
Produção: Estúdio Moderna Produções
Edição: 3D LOGIC
© 2009, Grupo Santillana/Sistema UNO
Uso permitido apenas em escolas filiadas ao Sistema UNO
Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação
pode ser reproduzida, arquivada ou transmitida, de qualquer forma,
em qualquer mídia, seja eletrônica, química, mecânica, óptica,
de gravação ou de fotocópia, fora do âmbito das escolas do Sistema UNO.
A violação dos direitos mencionados constitui delito contra a propriedade
intelectual e os direitos de edição.
GRUPO SANTILLANA
Rua Padre Adelino, 758 – Belenzinho
São Paulo − SP – Brasil – CEP 03303-904
Vendas e Atendimento: Tel.: (11) 2790-1500
Fax: (11) 2790-1501
www.sistemauno.com.br
X SAIRX SAIR X SAIR
HISTÓRIA M.7
A GESTAÇÃO DO MUNDO BURGUÊS
X SAIRX SAIR
1 O estado de São Paulo, maior produtor de cana-de-açúcar do país, já tem
40% do corte de cana mecanizado. A tendência de substituição de mão de obra
traz à tona a questão polêmica do desemprego e capacitação dos trabalhadores
do corte manual. Cada colheitadeira substitui 100 cortadores
de cana e levanta a questão do que vai acontecer com o excedente de
mão de obra.
Disponível em: <www.camponews.com.br/noticia.asp?codigo=2276>.
Acesso em: 13 jun. 2009.
Na Inglaterra, onde o emprego da máquina era mais generalizado, surgiu o
ludismo, movimento que recebeu o nome de seu líder, Ned Ludd. O sentimento
de insegurança e os terrores da miséria convenceram Ludd e seus seguidores
da malevolência da máquina, considerada a inimiga principal. Podemos ter uma
ideia do que foi esse movimento, por uma carta ameaçadora que Ludd
endereçou a um certo empresário de Hudersfield, em 1812: “Recebemos a
informação de que és dono dessas detestáveis tosquiadoras mecânicas. Fica
avisado de que se elas não forem retiradas até o fim da próxima semana eu
mandarei imediatamente um de meus representantes destruí-las... E se o
Senhor tiver a imprudência de disparar contra qualquer dos meus homens, eles
têm ordem de matá-lo e queimar toda a sua casa.”
Disponível em: <http://br.geocities.com/fcpedro/cartism.html>.
Acesso em: 13 jun. 2009.
ENEM – HISTÓRIA M.7
X SAIRX SAIR
Sobre os excertos, é correto afirmar que:
a) Apenas no primeiro encontramos a polêmica gerada pela mecanização do
trabalho.
b) O primeiro trata do desemprego atual e o segundo dos precursores da
Revolução Industrial, não havendo conexão lógica entre eles.
c) Ambos referem-se a revoltas armadas dos trabalhadores contra o patrão.
d) Ambos tratam das dificuldades relativas ao emprego da mão de obra
acarretadas por novas implantações tecnológicas no sistema produtivo.
e) Ambos são contrários à mecanização do sistema produtivo.
RESPOSTA: D
Tanto no primeiro texto, que trata da agricultura brasileira atual, quanto
no segundo, que fala sobre a indústria inglesa no século XIX, o problema
é o mesmo: como lidar com a perda ou mudança de postos de trabalho
devido ao uso de maquinaria.
ENEM – HISTÓRIA M.7
X SAIRX SAIR
2 Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São
dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras com
espírito de fraternidade.
Art. 1o
da Declaração Universal dos Direitos do Homem.
Art. 5o
– Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza,
garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a
inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à
propriedade.
Constituição Federal – 1988; Título II – Dos Direitos e Garantias Fundamentais;
Capítulo I – Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos.
Os conteúdos dos trechos acima refletem as bases de qual pensamento
filosófico desenvolvido no século XVIII?
a) O Iluminismo: movimento de ideias que propunha a defesa da paz entre os
povos pela ação do domínio religioso.
b) O mercantilismo: conjunto de concepções econômicas favoráveis à
interferência estatal nos assuntos individuais e públicos.
c) O pensamento iluminista, cujos princípios básicos (universalidade,
individualidade e autonomia) expressavam o apoio às liberdades individuais,
independente de barreiras nacionais ou étnicas.
ENEM – HISTÓRIA M.7
X SAIRX SAIR
d) O marxismo, que apregoava a igualdade social como princípio mais relevante
do que a liberdade.
e) O nacionalismo, pelo qual o Estado deveria proteger, exclusivamente, os
direitos dos cidadãos natos.
RESPOSTA: C
O Iluminismo é um movimento intelectual que surgiu na França do
século XVIII. Defendia que o uso da razão e a garantia aos homens de
seus direitos “naturais” levariam a humanidade a deixar as trevas da
ignorância. Teve decisiva influência em declarações internacionais de
direitos humanos, nas independências das colônias americanas e nas
constituições de vários países.
ENEM – HISTÓRIA M.7
X SAIRX SAIRX SAIRX SAIR
QUESTÕES ENEM
Elaboração: Tadeu Arantes
Revisão técnica: Julio Pimentel e Mirtes Timpanaro
Revisão: Lara Milani (coord.), Alexandre Sansone, André Annes Araujo, Débora Baroudi, Fabio Pagotto, Flávia
Yacubian, Greice Furini, Luiza Delamare, Maria Fernanda Neves, Renata Tavares, Valéria C. Borsanelli
Diagramação: Adailton Brito de Souza, Gustavo Sanches, Keila Grandis, Marlene Moreno, Valdei Prazeres,
Vicente Valenti
© 2009, Grupo Santillana/Sistema UNO
Uso permitido apenas em escolas filiadas ao Sistema UNO
Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação
pode ser reproduzida, arquivada ou transmitida, de qualquer forma,
em qualquer mídia, seja eletrônica, química, mecânica, óptica,
de gravação ou de fotocópia, fora do âmbito das escolas do Sistema UNO.
A violação dos direitos mencionados constitui delito contra a propriedade
intelectual e os direitos de edição.
GRUPO SANTILLANA
Rua Padre Adelino, 758 – Belenzinho
São Paulo − SP – Brasil – CEP 03303-904
Vendas e Atendimento: Tel.: (11) 2790-1500
Fax: (11) 2790-1501
www.sistemauno.com.br FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Marcelo Lillyan Montes
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Ivan Martins
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
Paulo Alexandre
 
Segunda revolução industrial e Imperialismo
Segunda revolução industrial e ImperialismoSegunda revolução industrial e Imperialismo
Segunda revolução industrial e Imperialismo
louisalvessouza100
 
Segunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialSegunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrial
monica10
 
America espanhola
America espanholaAmerica espanhola
America espanhola
joana71
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
joana71
 
O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)
JPedroSR
 
Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Catedral Curso
 
Renascimento e humanismo
Renascimento e humanismoRenascimento e humanismo
Renascimento e humanismo
AEntrudeiranaEscola
 
A segunda revolução industrial
A segunda revolução industrialA segunda revolução industrial
A segunda revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
Fatima Freitas
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
Tamires Santos
 
O empirismo de John Locke
O empirismo de John LockeO empirismo de John Locke
O empirismo de John Locke
João Marcelo
 
Independência da américa
Independência da américaIndependência da américa
Independência da américa
harlissoncarvalho
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
Daniel Alves Bronstrup
 
Colonialismo, neocolonialismo, imperialismo
Colonialismo, neocolonialismo, imperialismoColonialismo, neocolonialismo, imperialismo
Colonialismo, neocolonialismo, imperialismo
alinemaiahistoria
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
Professor de História
 

Mais procurados (20)

Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
 
Segunda revolução industrial e Imperialismo
Segunda revolução industrial e ImperialismoSegunda revolução industrial e Imperialismo
Segunda revolução industrial e Imperialismo
 
Segunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialSegunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrial
 
America espanhola
America espanholaAmerica espanhola
America espanhola
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)
 
Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Etnocentrismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Renascimento e humanismo
Renascimento e humanismoRenascimento e humanismo
Renascimento e humanismo
 
A segunda revolução industrial
A segunda revolução industrialA segunda revolução industrial
A segunda revolução industrial
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
 
O empirismo de John Locke
O empirismo de John LockeO empirismo de John Locke
O empirismo de John Locke
 
Independência da américa
Independência da américaIndependência da américa
Independência da américa
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
 
Colonialismo, neocolonialismo, imperialismo
Colonialismo, neocolonialismo, imperialismoColonialismo, neocolonialismo, imperialismo
Colonialismo, neocolonialismo, imperialismo
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 

Destaque

As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. MedeirosAs Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
João Medeiros
 
2 reinado historia do brasil
2 reinado historia do brasil2 reinado historia do brasil
2 reinado historia do brasil
Edvaldo Lopes
 
Processo emancipatório da américa portuguesa das revoltas ao 1 reinado
Processo emancipatório da américa portuguesa das revoltas ao 1 reinadoProcesso emancipatório da américa portuguesa das revoltas ao 1 reinado
Processo emancipatório da américa portuguesa das revoltas ao 1 reinado
Edvaldo Lopes
 
Independencia america inglesa eua
Independencia america inglesa euaIndependencia america inglesa eua
Independencia america inglesa eua
Edvaldo Lopes
 
Formacao monarquias absolutismo mercantilismo.moderna
Formacao monarquias absolutismo mercantilismo.modernaFormacao monarquias absolutismo mercantilismo.moderna
Formacao monarquias absolutismo mercantilismo.moderna
Edvaldo Lopes
 
Segunda guerra mundial
Segunda guerra mundial Segunda guerra mundial
Segunda guerra mundial
Edvaldo Lopes
 
Periodo entre ditaduras populismo brasil
Periodo entre ditaduras populismo brasilPeriodo entre ditaduras populismo brasil
Periodo entre ditaduras populismo brasil
Edvaldo Lopes
 
Renascimento cultural.moderna
Renascimento cultural.modernaRenascimento cultural.moderna
Renascimento cultural.moderna
Edvaldo Lopes
 
Expansao maritima e comercial.moderna
Expansao maritima e comercial.modernaExpansao maritima e comercial.moderna
Expansao maritima e comercial.moderna
Edvaldo Lopes
 
America século xx eua mexico cuba chile
America século xx eua mexico cuba chileAmerica século xx eua mexico cuba chile
America século xx eua mexico cuba chile
Edvaldo Lopes
 
Reforma religiosa.moderna
Reforma religiosa.modernaReforma religiosa.moderna
Reforma religiosa.moderna
Edvaldo Lopes
 
Revolucao Inglesa e Iluminismo
Revolucao Inglesa e IluminismoRevolucao Inglesa e Iluminismo
Revolucao Inglesa e Iluminismo
eiprofessor
 
Independência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesa
Independência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesaIndependência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesa
Independência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesa
Edvaldo Lopes
 
Revolucoes inglesas e revolucao industrial
Revolucoes inglesas e revolucao industrialRevolucoes inglesas e revolucao industrial
Revolucoes inglesas e revolucao industrial
Edvaldo Lopes
 
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e PersasCivilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Edvaldo Lopes
 
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e PersasCivilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Edvaldo Lopes
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
Rui Neto
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
Isabel Aguiar
 
Revolução gloriosa
Revolução gloriosaRevolução gloriosa
Revolução gloriosa
thiagohelmer
 
Iluminismo2
Iluminismo2Iluminismo2
Iluminismo2
maida marciano
 

Destaque (20)

As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. MedeirosAs Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
 
2 reinado historia do brasil
2 reinado historia do brasil2 reinado historia do brasil
2 reinado historia do brasil
 
Processo emancipatório da américa portuguesa das revoltas ao 1 reinado
Processo emancipatório da américa portuguesa das revoltas ao 1 reinadoProcesso emancipatório da américa portuguesa das revoltas ao 1 reinado
Processo emancipatório da américa portuguesa das revoltas ao 1 reinado
 
Independencia america inglesa eua
Independencia america inglesa euaIndependencia america inglesa eua
Independencia america inglesa eua
 
Formacao monarquias absolutismo mercantilismo.moderna
Formacao monarquias absolutismo mercantilismo.modernaFormacao monarquias absolutismo mercantilismo.moderna
Formacao monarquias absolutismo mercantilismo.moderna
 
Segunda guerra mundial
Segunda guerra mundial Segunda guerra mundial
Segunda guerra mundial
 
Periodo entre ditaduras populismo brasil
Periodo entre ditaduras populismo brasilPeriodo entre ditaduras populismo brasil
Periodo entre ditaduras populismo brasil
 
Renascimento cultural.moderna
Renascimento cultural.modernaRenascimento cultural.moderna
Renascimento cultural.moderna
 
Expansao maritima e comercial.moderna
Expansao maritima e comercial.modernaExpansao maritima e comercial.moderna
Expansao maritima e comercial.moderna
 
America século xx eua mexico cuba chile
America século xx eua mexico cuba chileAmerica século xx eua mexico cuba chile
America século xx eua mexico cuba chile
 
Reforma religiosa.moderna
Reforma religiosa.modernaReforma religiosa.moderna
Reforma religiosa.moderna
 
Revolucao Inglesa e Iluminismo
Revolucao Inglesa e IluminismoRevolucao Inglesa e Iluminismo
Revolucao Inglesa e Iluminismo
 
Independência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesa
Independência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesaIndependência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesa
Independência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesa
 
Revolucoes inglesas e revolucao industrial
Revolucoes inglesas e revolucao industrialRevolucoes inglesas e revolucao industrial
Revolucoes inglesas e revolucao industrial
 
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e PersasCivilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
 
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e PersasCivilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
 
Revolução gloriosa
Revolução gloriosaRevolução gloriosa
Revolução gloriosa
 
Iluminismo2
Iluminismo2Iluminismo2
Iluminismo2
 

Semelhante a Revoluções Inglesas; Iluminismo; Revolução Industrial; Independência América Inglesa.

Feed back =8ºanos (ilumismo, indp. eua, revolução francesa)
Feed back =8ºanos (ilumismo, indp. eua, revolução francesa)Feed back =8ºanos (ilumismo, indp. eua, revolução francesa)
Feed back =8ºanos (ilumismo, indp. eua, revolução francesa)
Íris Ferreira
 
Das revoluções inglesas à revolução industrial
Das revoluções inglesas à revolução industrialDas revoluções inglesas à revolução industrial
Das revoluções inglesas à revolução industrial
Maiquel Laux
 
Apostila 2ª fase - Sagrado
Apostila 2ª fase - SagradoApostila 2ª fase - Sagrado
Apostila 2ª fase - Sagrado
jorgeccpeixoto
 
08-REVOLUÇÕES-INGLESAS-LISTA.pdf
08-REVOLUÇÕES-INGLESAS-LISTA.pdf08-REVOLUÇÕES-INGLESAS-LISTA.pdf
08-REVOLUÇÕES-INGLESAS-LISTA.pdf
DaianaAreas
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Lídia Barreto
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Lídia Barreto
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Lídia Barreto
 
Revoluções Inglesas
Revoluções InglesasRevoluções Inglesas
Revoluções Inglesas
partediversificada
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Giuliana Rodrigues
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Lídia Barreto
 
A Era das Revoluções
A Era das RevoluçõesA Era das Revoluções
A Era das Revoluções
Paulo Alexandre
 
Hca aculturadosaloenquadramento historico
Hca aculturadosaloenquadramento historicoHca aculturadosaloenquadramento historico
Hca aculturadosaloenquadramento historico
paulocapelo
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
Francisco José Almeida Sobral
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
Péricles Penuel
 
Revolução inglesa e suas diversas perspectivas na historiografia inglesa
Revolução inglesa e suas diversas perspectivas na historiografia inglesaRevolução inglesa e suas diversas perspectivas na historiografia inglesa
Revolução inglesa e suas diversas perspectivas na historiografia inglesa
ximeneshistoriador
 
3ão - Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão - Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa3ão - Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão - Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
Daniel Alves Bronstrup
 
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e LiberaisRevoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
inessalgado
 
História Geral - Idade Moderna - Iluminismo, Despotismo Esclarecido, Revoluçã...
História Geral - Idade Moderna - Iluminismo, Despotismo Esclarecido, Revoluçã...História Geral - Idade Moderna - Iluminismo, Despotismo Esclarecido, Revoluçã...
História Geral - Idade Moderna - Iluminismo, Despotismo Esclarecido, Revoluçã...
Marco Aurélio Gondim
 
A revolução americana de 1776
A revolução americana de 1776A revolução americana de 1776
A revolução americana de 1776
segundocol
 
Revolução inglesa e industrial
Revolução inglesa e industrialRevolução inglesa e industrial
Revolução inglesa e industrial
Jefferson Barroso
 

Semelhante a Revoluções Inglesas; Iluminismo; Revolução Industrial; Independência América Inglesa. (20)

Feed back =8ºanos (ilumismo, indp. eua, revolução francesa)
Feed back =8ºanos (ilumismo, indp. eua, revolução francesa)Feed back =8ºanos (ilumismo, indp. eua, revolução francesa)
Feed back =8ºanos (ilumismo, indp. eua, revolução francesa)
 
Das revoluções inglesas à revolução industrial
Das revoluções inglesas à revolução industrialDas revoluções inglesas à revolução industrial
Das revoluções inglesas à revolução industrial
 
Apostila 2ª fase - Sagrado
Apostila 2ª fase - SagradoApostila 2ª fase - Sagrado
Apostila 2ª fase - Sagrado
 
08-REVOLUÇÕES-INGLESAS-LISTA.pdf
08-REVOLUÇÕES-INGLESAS-LISTA.pdf08-REVOLUÇÕES-INGLESAS-LISTA.pdf
08-REVOLUÇÕES-INGLESAS-LISTA.pdf
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Revoluções Inglesas
Revoluções InglesasRevoluções Inglesas
Revoluções Inglesas
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
A Era das Revoluções
A Era das RevoluçõesA Era das Revoluções
A Era das Revoluções
 
Hca aculturadosaloenquadramento historico
Hca aculturadosaloenquadramento historicoHca aculturadosaloenquadramento historico
Hca aculturadosaloenquadramento historico
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
 
Revolução inglesa e suas diversas perspectivas na historiografia inglesa
Revolução inglesa e suas diversas perspectivas na historiografia inglesaRevolução inglesa e suas diversas perspectivas na historiografia inglesa
Revolução inglesa e suas diversas perspectivas na historiografia inglesa
 
3ão - Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão - Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa3ão - Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão - Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
 
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e LiberaisRevoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
 
História Geral - Idade Moderna - Iluminismo, Despotismo Esclarecido, Revoluçã...
História Geral - Idade Moderna - Iluminismo, Despotismo Esclarecido, Revoluçã...História Geral - Idade Moderna - Iluminismo, Despotismo Esclarecido, Revoluçã...
História Geral - Idade Moderna - Iluminismo, Despotismo Esclarecido, Revoluçã...
 
A revolução americana de 1776
A revolução americana de 1776A revolução americana de 1776
A revolução americana de 1776
 
Revolução inglesa e industrial
Revolução inglesa e industrialRevolução inglesa e industrial
Revolução inglesa e industrial
 

Mais de Edvaldo Lopes

Ditadura militar brasil crise do populismo a itamar franco nova republica
Ditadura militar brasil crise do populismo a itamar franco nova republicaDitadura militar brasil crise do populismo a itamar franco nova republica
Ditadura militar brasil crise do populismo a itamar franco nova republica
Edvaldo Lopes
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Edvaldo Lopes
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
Edvaldo Lopes
 
Revolucao russa 1917
Revolucao russa 1917Revolucao russa 1917
Revolucao russa 1917
Edvaldo Lopes
 
1 guerra mundial 2014
1 guerra mundial 20141 guerra mundial 2014
1 guerra mundial 2014
Edvaldo Lopes
 
Regencia historia do brasil
Regencia historia do brasilRegencia historia do brasil
Regencia historia do brasil
Edvaldo Lopes
 
2 reinado historia do brasil
2 reinado historia do brasil2 reinado historia do brasil
2 reinado historia do brasil
Edvaldo Lopes
 
Republica da espada e oligarquica historia do brasil
Republica da espada e oligarquica historia do brasilRepublica da espada e oligarquica historia do brasil
Republica da espada e oligarquica historia do brasil
Edvaldo Lopes
 
Mineracao america portuguesa
Mineracao america portuguesaMineracao america portuguesa
Mineracao america portuguesa
Edvaldo Lopes
 
Colonizacao america portuguesa acucar escravidao
Colonizacao america portuguesa acucar escravidaoColonizacao america portuguesa acucar escravidao
Colonizacao america portuguesa acucar escravidao
Edvaldo Lopes
 
H.Brasil: Revolução 1930 e Era Vargas
H.Brasil: Revolução 1930 e Era VargasH.Brasil: Revolução 1930 e Era Vargas
H.Brasil: Revolução 1930 e Era Vargas
Edvaldo Lopes
 
Oriente Médio e Revolução Cubana
Oriente Médio e  Revolução CubanaOriente Médio e  Revolução Cubana
Oriente Médio e Revolução Cubana
Edvaldo Lopes
 

Mais de Edvaldo Lopes (12)

Ditadura militar brasil crise do populismo a itamar franco nova republica
Ditadura militar brasil crise do populismo a itamar franco nova republicaDitadura militar brasil crise do populismo a itamar franco nova republica
Ditadura militar brasil crise do populismo a itamar franco nova republica
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
 
Revolucao russa 1917
Revolucao russa 1917Revolucao russa 1917
Revolucao russa 1917
 
1 guerra mundial 2014
1 guerra mundial 20141 guerra mundial 2014
1 guerra mundial 2014
 
Regencia historia do brasil
Regencia historia do brasilRegencia historia do brasil
Regencia historia do brasil
 
2 reinado historia do brasil
2 reinado historia do brasil2 reinado historia do brasil
2 reinado historia do brasil
 
Republica da espada e oligarquica historia do brasil
Republica da espada e oligarquica historia do brasilRepublica da espada e oligarquica historia do brasil
Republica da espada e oligarquica historia do brasil
 
Mineracao america portuguesa
Mineracao america portuguesaMineracao america portuguesa
Mineracao america portuguesa
 
Colonizacao america portuguesa acucar escravidao
Colonizacao america portuguesa acucar escravidaoColonizacao america portuguesa acucar escravidao
Colonizacao america portuguesa acucar escravidao
 
H.Brasil: Revolução 1930 e Era Vargas
H.Brasil: Revolução 1930 e Era VargasH.Brasil: Revolução 1930 e Era Vargas
H.Brasil: Revolução 1930 e Era Vargas
 
Oriente Médio e Revolução Cubana
Oriente Médio e  Revolução CubanaOriente Médio e  Revolução Cubana
Oriente Médio e Revolução Cubana
 

Último

Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 

Último (20)

Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 

Revoluções Inglesas; Iluminismo; Revolução Industrial; Independência América Inglesa.

  • 1. A GESTAÇÃO DO MUNDO BURGUÊS HISTÓRIA M.7 PALAVRA DO AUTOR X SAIR Abertura: “Tem coragem para fazer uso da tua própria razão! – esse é o lema do Iluminismo.” Abertura: “Tem coragem para fazer uso da tua própria razão! – esse é o lema do Iluminismo.” Capítulo 1: As revoluções inglesas Capítulo 1: As revoluções inglesas Capítulo 2: A Revolução Industrial Capítulo 2: A Revolução Industrial Resolução dos exercíciosResolução dos exercícios Slides Capítulo 3: O Iluminismo Capítulo 3: O Iluminismo Capítulo 4: A independência da América inglesa Capítulo 4: A independência da América inglesa Filme: Daens: um grito de justiça Filme: Daens: um grito de justiça Multimídia
  • 2. ROGER-VIOLLET/TOPFOT/KEYSTONE X SAIRX SAIR “Tem coragem para fazer uso da tua própria razão! – esse é o lema do Iluminismo.” REPRODUÇÃO
  • 3. Capítulo 1 As revoluções inglesas SCIENCEPHOTOLIBRARY X SAIRX SAIR
  • 4. X SAIRX SAIR A Inglaterra no século XVII 1588: derrota da “Invencível Armada” Desequilíbrio financeiro 1603: trono inglês a Jaime I (direito divino e concepções anglicanas) 1625: Carlos Stuart Petição de Direitos Insatisfação popular e crise política Guerra civil de 1642 a 1651 1 As revoluções inglesas Aumento de frotas e políticas para a burguesia mercantil Parlamento: reformas e oposição às iniciativas reais
  • 5. X SAIRX SAIR Os reis ingleses Rei Jaime IRainha Elizabeth 1 As revoluções inglesas THEBRIDGEMANARTLIBRARY/KEYSTONE ABADIADEWOBURN,BEDFORDSHIRE/AKG-IMAGES
  • 6. X SAIRX SAIR A Revolução Puritana Parlamento Câmara dos Lordes Câmara dos Comuns Anglicanos Presbiterianos e puritanos Exército de Novo Tipo Liberdade de organização e discussão Câmara dos Comuns 1 As revoluções inglesas REPRODUÇÃO
  • 7. X SAIRX SAIR Cromwell e a República Puritana Hegemonia dos presbiterianos no Parlamento Em batalhas, Oliver Cromwell favorecia os Comuns. 1646: derrota de Carlos I Radicalização do processo político 1648: nova fase da guerra civil, hegemonia na Câmara dos Comuns 1649: decapitação de Carlos I e proclamação da República Cromwell: presidente do Conselho de Estado Ato de Navegação 1 As revoluções inglesas
  • 8. X SAIRX SAIR Cromwell e a República Puritana  Inglaterra: situação política e econômica instável  Manifestações de oposição: aniquiladas pelo governo de Cromwell  1653: oposição dos conservadores e dos grupos radicais; Cromwell dissolve o Parlamento. 1658: Cromwell morreu, seu filho Richard Cromwell o sucedeu, mas foi deposto no ano seguinte. Restauração Monárquica 1 As revoluções inglesas
  • 9. X SAIRX SAIR Inglaterra durante a Revolução Puritana 1 As revoluções inglesas
  • 10. X SAIRX SAIR A Revolução Gloriosa Carlos II: coroado pela aristocracia e pela alta burguesia Atritos entre o rei e o Parlamento continuaram a existir. 1685: Jaime II, partidário do catolicismo, logo se tornou impopular. Revolução Gloriosa (1688) Ato de Tolerância Declaração de Direitos Medalhão comemorativo do casamento de Maria Stuart com Guilherme de Orange 1 As revoluções inglesas mas COLEÇÃODETIMOTHYMILLET/ THEBRIDGEMANARTLIBRARY/ KEYSTONE Acordo com Guilherme de Orange
  • 11. X SAIRX SAIR SCIENCEPHOTOLIBRARY Capítulo 2 A Revolução Industrial
  • 12. X SAIRX SAIR O pioneirismo inglês na industrialização A partir de 1760 Condições favoráveis existentes antes do século XVIII Revolução Gloriosa de 1688 As Leis de Cercamentos Mão de obra numerosa Produção de lã e algodão Indústria de base Transportes ferroviários Revolução Industrial 2 A Revolução Industrial
  • 13. X SAIRX SAIR 2 A Revolução Industrial O pioneirismo inglês na industrialização Gravura de Londres, 1783. Note o tamanho da cidade, com crescimento motivado pela industrialização e expansão comercial. BRITISHLIBRARY,LONDRES
  • 14. X SAIRX SAIR As ferrovias e a redução das distâncias As ferrovias contribuíram para a diminuição das distâncias, o que favoreceu o desenvolvimento do comércio e facilitou a comunicação. 2 A Revolução Industrial
  • 15. X SAIRX SAIR O trabalho e a cidade na era industrial Nova concepção da palavra trabalho: condição básica para a salvação divina Controle técnico do processo de produção Alienado Autômato O trabalho feminino e infantil era uma opção de barateamento do custo da produção. Nessa gravura, de 1871, vemos crianças carregando barro em olaria inglesa. 2 A Revolução Industrial BIBLIOTECADASARTESDECORATIVAS,PARIS/BRIDGEMAN ARTLIBRARY/KEYSTONE
  • 16. X SAIRX SAIR 2 A Revolução Industrial Daens: um grito de justiça Clique na imagem abaixo para ver o trecho do filme. Duração: 1min24s
  • 17. X SAIRX SAIR Total de cidades com mais de 100 mil habitantes 2 A Revolução Industrial
  • 18. X SAIRX SAIR A reação dos trabalhadores A expropriação dos trabalhadores gera uma sucessão de lutas, diretas ou indiretas, contra a burguesia industrial. 2 A Revolução Industrial
  • 19. X SAIRX SAIR Os operários contra as máquinas - Ludismo Movimento de protesto operário de fins do século XVIII e início do século XIX Quebra das máquinas Crianças e adultos trabalhando no interior de uma mina de carvão. Iniciativa contra a alienação do trabalho ao capital Nottinghamshire: reivindicação salarial Yorkshire: politizado, antigovernamental e contrário à centralização londrina Lancashire: militarizado BETTMANN/CORBIS/LATINSTOCK 2 A Revolução Industrial
  • 20. X SAIRX SAIR Cartismo: a Carta do Povo Ideias coletivas, democráticas e igualitárias Origem no Reform Act, de 1832 Resistência do Parlamento 1838: petição chamada Carta do Povo (cartismo) Distribuição de bastões a policiais especiais, na véspera da demonstração cartista MUSEU BRITÂNICO, LONDRES Participação efetiva nas eleições 2 A Revolução Industrial
  • 22. X SAIRX SAIR Os pensadores iluministas não propunham uma revolução. As luzes da razão Origem no século XVII e desenvolvimento no século XVIII A “luz” contra as “trevas” Universalidade Individualidade Autonomia Difusão pela Europa A árvore da liberdade sendo plantada 3 O Iluminismo BRIDGEMANARTLIBRARY/KEYSTONE
  • 23. X SAIRX SAIR O pensamento ilustrado  John Locke  Denis Diderot  Jean-Baptiste d’Alembert Enciclopedistas  Voltaire  Montesquieu  Jean-Jacques Rousseau  Immanuel Kant  David Hume 3 O Iluminismo REPRODUÇÃO Tratado de anatomia humana
  • 24. X SAIRX SAIR Os economistas liberais Autorregulação do mercado: lei da oferta e da procura 3 O Iluminismo  Escola Fisiocrata  Adam Smith  David Ricardo  John Stuart Mill  Thomas Malthus Adam Smith, em gravura de autor anônimo, 1790 LATINSTOCK
  • 25. X SAIRX SAIR  Inspirados pelo Iluminismo e sem abrir mão do absolutismo: reformas de adequação das estruturas econômicas estatais à burguesia em ascensão  Áustria, Prússia, Rússia, Espanha e Portugal 3 O Iluminismo Catarina II, a Grande, rainha da Rússia e adepta do despotismo esclarecido. Pintura de Dimitri Grigorievitch Levitzki, 1783 MUSEUHERMITAGE,SÃOPETERSBURGO O despotismo esclarecido
  • 26. X SAIRX SAIR SCIENCEPHOTOLIBRARY Capítulo 4 A independência da América inglesa
  • 27. X SAIRX SAIR A crise do sistema colonial na América inglesa A Batalha de Hastenbeck, episódio da Guerra dos Sete Anos 4 A independência da América inglesa ARCHIVOICONOGRÁFICO/CORBIS/LATINSTOCK  Crise nas Treze Colônias  Medidas coercitivas intensificam o controle sobre o comércio norte-americano.  Revolução Industrial  1756-1763 Guerra dos Sete Anos
  • 28. X SAIRX SAIR O processo de independência Interesses das colônias x interesses da metrópole 1733: Lei do Melaço 1765: Lei do Selo “Nenhuma taxação sem representação” Revolucionários americanos aplicando castigo a um cobrador de impostos inglês. REPRODUÇÃO 4 A independência da América inglesa
  • 29. X SAIRX SAIR Festa do Chá de Boston 1774: Leis Intoleráveis 1776: Declaração de Independência O processo de independência 1774: Primeiro Congresso Continental de Filadélfia União dos colonos contra a metrópole 1767: Tesouro inglês intensificou a administração alfandegária. 4 A independência da América inglesa
  • 30. X SAIRX SAIR Principais batalhas da Guerra de Independência 4 A independência da América inglesa
  • 31. X SAIRX SAIR Descolonização ou revolução burguesa? Os norte-americanos sempre gostaram de enaltecer seu espírito libertário. Inauguração da Estátua da Liberdade (1886), pintura de Edward Moran MUSEUDACIDADEDENOVAYORK 4 A independência da América inglesa
  • 33. X SAIRX SAIR CRISE NO ABSOLUTISMO INGLATERRA FRANÇA REVOLUÇÃO PURITANA REVOLUÇÃO GLORIOSA LIBERALISMO ECONÔMICO/ PARLAMENTARISMO REVOLUÇÃO INDUSTRIAL GUERRA DOS SETE ANOS INDEPENDÊNCIA DOS EUA REVOLUÇÃO FRANCESA ILUMINISMO LIBERALISMO POLÍTICO E ECONÔMICO ASCENSÃO DA BURGUESIA E CONSOLIDAÇÃO DO CAPITALISMO DESPOTISMO ESCLARECIDO Navegando no módulo
  • 34. SCIENCEPHOTOLIBRARY FIM X SAIRX SAIR FIM SEQUÊNCIA DIDÁTICA Adaptação e consultoria: Professor Diogo Martins de Santana Revisão: Lara Milani (coord.), Adriana B. dos Santos, Alexandre Sansone, Amanda Ramos, Anderson Félix, André Annes Araujo, Aparecida Maffei, David Medeiros, Greice Furini, Maria Fernanda Neves, Renata Tavares Diagramação: Adailton Brito de Souza, Gustavo Sanches, Keila Grandis, Marlene Moreno, Valdei Prazeres, Vicente Valenti Cartografia: Alessandro Passos da Costa, Anderson de Andrade Pimentel Imagens: © Daens:um grito de justiça/ Favourite Films/ Films Dérives/ Stijn Coninx VÍDEOS Palavra do autor Produção: Estúdio Moderna Produções Edição: 3D LOGIC © 2009, Grupo Santillana/Sistema UNO Uso permitido apenas em escolas filiadas ao Sistema UNO Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, arquivada ou transmitida, de qualquer forma, em qualquer mídia, seja eletrônica, química, mecânica, óptica, de gravação ou de fotocópia, fora do âmbito das escolas do Sistema UNO. A violação dos direitos mencionados constitui delito contra a propriedade intelectual e os direitos de edição. GRUPO SANTILLANA Rua Padre Adelino, 758 – Belenzinho São Paulo − SP – Brasil – CEP 03303-904 Vendas e Atendimento: Tel.: (11) 2790-1500 Fax: (11) 2790-1501 www.sistemauno.com.br
  • 35. X SAIRX SAIR X SAIR HISTÓRIA M.7 A GESTAÇÃO DO MUNDO BURGUÊS
  • 36. X SAIRX SAIR 1 O estado de São Paulo, maior produtor de cana-de-açúcar do país, já tem 40% do corte de cana mecanizado. A tendência de substituição de mão de obra traz à tona a questão polêmica do desemprego e capacitação dos trabalhadores do corte manual. Cada colheitadeira substitui 100 cortadores de cana e levanta a questão do que vai acontecer com o excedente de mão de obra. Disponível em: <www.camponews.com.br/noticia.asp?codigo=2276>. Acesso em: 13 jun. 2009. Na Inglaterra, onde o emprego da máquina era mais generalizado, surgiu o ludismo, movimento que recebeu o nome de seu líder, Ned Ludd. O sentimento de insegurança e os terrores da miséria convenceram Ludd e seus seguidores da malevolência da máquina, considerada a inimiga principal. Podemos ter uma ideia do que foi esse movimento, por uma carta ameaçadora que Ludd endereçou a um certo empresário de Hudersfield, em 1812: “Recebemos a informação de que és dono dessas detestáveis tosquiadoras mecânicas. Fica avisado de que se elas não forem retiradas até o fim da próxima semana eu mandarei imediatamente um de meus representantes destruí-las... E se o Senhor tiver a imprudência de disparar contra qualquer dos meus homens, eles têm ordem de matá-lo e queimar toda a sua casa.” Disponível em: <http://br.geocities.com/fcpedro/cartism.html>. Acesso em: 13 jun. 2009. ENEM – HISTÓRIA M.7
  • 37. X SAIRX SAIR Sobre os excertos, é correto afirmar que: a) Apenas no primeiro encontramos a polêmica gerada pela mecanização do trabalho. b) O primeiro trata do desemprego atual e o segundo dos precursores da Revolução Industrial, não havendo conexão lógica entre eles. c) Ambos referem-se a revoltas armadas dos trabalhadores contra o patrão. d) Ambos tratam das dificuldades relativas ao emprego da mão de obra acarretadas por novas implantações tecnológicas no sistema produtivo. e) Ambos são contrários à mecanização do sistema produtivo. RESPOSTA: D Tanto no primeiro texto, que trata da agricultura brasileira atual, quanto no segundo, que fala sobre a indústria inglesa no século XIX, o problema é o mesmo: como lidar com a perda ou mudança de postos de trabalho devido ao uso de maquinaria. ENEM – HISTÓRIA M.7
  • 38. X SAIRX SAIR 2 Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade. Art. 1o da Declaração Universal dos Direitos do Homem. Art. 5o – Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade. Constituição Federal – 1988; Título II – Dos Direitos e Garantias Fundamentais; Capítulo I – Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos. Os conteúdos dos trechos acima refletem as bases de qual pensamento filosófico desenvolvido no século XVIII? a) O Iluminismo: movimento de ideias que propunha a defesa da paz entre os povos pela ação do domínio religioso. b) O mercantilismo: conjunto de concepções econômicas favoráveis à interferência estatal nos assuntos individuais e públicos. c) O pensamento iluminista, cujos princípios básicos (universalidade, individualidade e autonomia) expressavam o apoio às liberdades individuais, independente de barreiras nacionais ou étnicas. ENEM – HISTÓRIA M.7
  • 39. X SAIRX SAIR d) O marxismo, que apregoava a igualdade social como princípio mais relevante do que a liberdade. e) O nacionalismo, pelo qual o Estado deveria proteger, exclusivamente, os direitos dos cidadãos natos. RESPOSTA: C O Iluminismo é um movimento intelectual que surgiu na França do século XVIII. Defendia que o uso da razão e a garantia aos homens de seus direitos “naturais” levariam a humanidade a deixar as trevas da ignorância. Teve decisiva influência em declarações internacionais de direitos humanos, nas independências das colônias americanas e nas constituições de vários países. ENEM – HISTÓRIA M.7
  • 40. X SAIRX SAIRX SAIRX SAIR QUESTÕES ENEM Elaboração: Tadeu Arantes Revisão técnica: Julio Pimentel e Mirtes Timpanaro Revisão: Lara Milani (coord.), Alexandre Sansone, André Annes Araujo, Débora Baroudi, Fabio Pagotto, Flávia Yacubian, Greice Furini, Luiza Delamare, Maria Fernanda Neves, Renata Tavares, Valéria C. Borsanelli Diagramação: Adailton Brito de Souza, Gustavo Sanches, Keila Grandis, Marlene Moreno, Valdei Prazeres, Vicente Valenti © 2009, Grupo Santillana/Sistema UNO Uso permitido apenas em escolas filiadas ao Sistema UNO Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, arquivada ou transmitida, de qualquer forma, em qualquer mídia, seja eletrônica, química, mecânica, óptica, de gravação ou de fotocópia, fora do âmbito das escolas do Sistema UNO. A violação dos direitos mencionados constitui delito contra a propriedade intelectual e os direitos de edição. GRUPO SANTILLANA Rua Padre Adelino, 758 – Belenzinho São Paulo − SP – Brasil – CEP 03303-904 Vendas e Atendimento: Tel.: (11) 2790-1500 Fax: (11) 2790-1501 www.sistemauno.com.br FIM

Notas do Editor

  1. Professor: capa e frontispício da Encyclopédie, publicação que desempenhou um papel importante na atividade intelectual anterior à Revolução Francesa. Os escritores da Enciclopédia – como Montesquieu, Rosseau e Voltaire, dentre outros – tinham-na como um marco da destruição das superstições e do acesso ao conhecimento humano. Foi uma espécie de sumário do pensamento e das ideias do Iluminismo.
  2. Professor: um exercício bastante proveitoso é a análise dessas imagens em sala de aula. Trabalhe com seus alunos a compreensão de percepções daquele contexto histórico expressas pictoricamente.
  3. Professor: a escala indicada se refere ao mapa impresso no módulo.
  4. Professor: o filme Daens: um grito de justiça se passa no século XIX, na Bélgica. Podemos utilizá-lo como exemplo do trabalho industrial.Repare como as cenas passadas na tapeçaria retratam muito bem a situação das crianças nas fábricas.
  5. Professor: nesse gráfico podemos perceber o crescimento demográfico relacionado às áreas fabris.
  6. Professor: desde o início da Revolução Industrial, o esforço empreendido pelas grandes potências levou a um constante aperfeiçoamento técnico em busca de menor desperdício, maior produtividade e, consequentemente, maior lucro. Entretanto, pouco se discutiu sobre o impacto que a interferência humana, potencializada pelo avanço tecnológico, traria aos recursos naturais. Com a Revolução Industrial, impôs-se um modelo de industrialização que dissociou tecnologia, natureza e homem. Hoje, conciliar crescimento econômico e preservação ambiental – o que chamamos de desenvolvimento sustentável – é um debate fundamental na pauta da maioria dos países.
  7. Professor: ressalte aos alunos que os pensadores iluministas, em seus escritos, insistiam que os homens somente atingiriam o progresso, em todos os sentidos, se usassem a razão. Esta permitiria instaurar no mundo uma nova ordem, caracterizada pela felicidade ao alcance de todos.
  8. Professor: a imagem não se encontra no módulo. A publicação de uma imagem como essa representa uma significativa mudança na concepção de mundo. Faça uma sucinta apresentação dos autores acima mencionados, associando o pensamento do autor com o contexto da época. Enfatize a importância dada pelos iluministas à propriedade, um tema recorrente até nas artes.
  9. Professor: a escala indicada se refere ao mapa impresso no módulo.
  10. Professor: essa discussão ainda é muito polêmica no meio acadêmico. Não há uma definição precisa do que foi esse evento, nem correntes teóricas majoritárias. Problematize o que é uma revolução burguesa e verifique a interpretação e conclusão de seus alunos.
  11. Professor: essa questão está ligada à habilidade 19 da área de Ciências Humanas da matriz de referência.
  12. Professor: essa questão está ligada à habilidade 11 da área de Ciências Humanas da matriz de referência.