SlideShare uma empresa Scribd logo
Revolta
no
Contestado:
No ano de 1853, já havia uma disputa entre os
estados de Santa Catarina e do Paraná: não havia
acordo sobre o local onde deveria se situar a
fronteira entre ambos.
Assim, com o objetivo de resolver o assunto, o
estado de Santa Catarina recorreu ao Supremo
Tribunal Federal que deu ganho de causa aos
catarinenses.
Essa disputa durou mais de 60 anos.
Território contestado:
A cidade de Mafra tem esse
nome como uma homenagem
ao advogado Manuel da Silva
Mafra que defendeu
brilhantemente os interesses de
Santa Catarina junto aos
tribunais, na disputa de limites
com o Paraná.
A questão envolvia uma área de
terras de aproximadamente 48.000
km2
e tinha muita importância
social e econômica para o Paraná
e Santa Catarina.
Essa disputa envolvendo uma
questão de limites ficou conhecida
como
a Questão do Contestado.
Revolta no contestado
Todos os caminhos levam você ao Vale do Contestado!!!
Revolta no contestado
A disputa entre os estados do Paraná e de
Santa Catarina envolvia uma questão de
terras.
Já se sabia que as terras que estavam sendo
disputadas eram ricas em erva-mate e em
mata nativa, formada principalmente por
árvores de madeira nobre e imensos
pinheirais.
Ambos os estados desejavam essas terras que
significavam mais riqueza vinda da natureza, a
possibilidade de recolher mais impostos etc.
A área era então como uma “terra sem dono”.
Em breve, as fazendas de criação de gado que
estavam instaladas nas regiões de Lages,
Curitibanos e Campos Novos foram aumentando
a sua ação e iniciando a ocupação da região
contestada; fazendas e pequenas serrarias foram
surgindo.
Já o homem simples, com pouco ou nenhum
recurso, entrava mato a dentro em busca de um
lugar onde pudesse viver com sua família e
trabalhar. Escolhido o lugar, fazia a sua casa,
começava as suas plantações e ali vivia. Estes
eram os posseiros, que não tinham nenhum
documento que lhes garantisse a propriedade da
terra.
Esses posseiros geralmente eram caboclos.
Homens religiosos, dotados de boa fé, acreditavam
em monges que passavam pela região, pregando,
rezando e dando remédios para a população.
Esses monges não eram padres, mas a população
os considerava como homens santos e neles
acreditava. Um desses monges, muito famoso, era
italiano e havia chegado ao Brasil em 1.844. Era
conhecido como monge João Maria e descrito
como um homem simples, magro e de barbas
brancas.
Revolta no contestado
Revolta no contestado
Nesse clima de fé em monges, bem mais
tarde, a população vai acreditar em Miguel
Lucena, que embora procurado pela polícia
do estado do Paraná, se intitulava também
monge José Maria.
Este vai ter um papel decisivo nas lutas
armadas que vão acontecer na região do
Contestado.
Companhias estrangeiras
Há muito tempo o governo brasileiro desejava
construir uma estrada de ferro que fizesse a
ligação entre São Paulo e Rio Grande do Sul.
Essa construção foi efetuada por uma empresa
norte-americana, a Brazil Railway Company.
A estrada começou a ser construída no ano de
1906. A empresa construtora recebeu, como
pagamento, o direito de explorar uma faixa de terra
de 15 km de cada lado da ferrovia. Logo a
empresa Brazíl Railway, que era uma empresa
muito poderosa, criou a Brazil Lumber Company.
O objetivo da Lumber era explorar a madeira que
ali havia. Assim, como empresa madeireira, a
Lumber construiu no Brasil, duas serrarias que
estavam entre as maiores do mundo. Isso
significa uma enorme derrubada de árvores e
devastação ambiental.
A serraria da Lumber que foi instalada em Três
Barras (SC) era o maior empreendimento
madeireiro da América do Sul.
A empresa precisava de operários para a
construção da estrada de ferro, para explorar a
área, derrubar árvores e transformá-las em
madeiras para a exportação. Muitos aí tiveram
emprego.
Mas a ação da companhia gerou problemas. Ao
explorar a larga faixa de terra ao lado da ferrovia,
provocou a expulsão dos que ali trabalhavam e
viviam — eram os posseiros.
Além disso, ao encerrar as atividades de
construção da estrada, afirma-se que perto de 8.000
trabalhadores perderam o emprego, muitos da
região e muitos vindos de longe.
Essas populações ficaram sem trabalho e sem ter
para onde ir. Era uma situação geral de muita
insegurança e mesmo de preocupação com a
sobrevivência.
Como se tratava de populações muito religiosas,
acreditaram no monge José Maria que andava
pela região pregando um mundo melhor onde,
sob a lei de Deus, não haveria desigualdade entre
os homens.
O monge José Maria logo passou a ser seguido
por uma grande multidão de revoltados e
descontentes. Breve começou a preparação para
confrontos militares. A população de posseiros
armou-se como podia: facões, foices, armas
de caça. Passam a atacar as povoações
próximas, dando início a uma verdadeira guerra
na região.
O governo do Paraná toma providências, no ano
de 1912, e enfrenta uma luta contra os revoltosos.
O combate deu-se na região de Irani. Na ocasião,
morre o monge José Maria e também o
comandante das tropas paranaenses João
Gualberto.
Mas as lutas apenas haviam iniciado. Vão se
estender até o ano de 1915 e delas vai participar o
exército brasileiro.
Grande número de militares e de armamentos se
deslocaram para essa região do país. A luta durou
quatro anos. Houve milhares de mortes, de ambos
os lados; em ambos os lados da luta houve heróis.
A guerra do Contestado é considerada como o
maior conflito armado ocorrido na região sul
do Brasil.
Na guerra do Contestado, pela primeira vez o
avião foi usado, no Brasil, como arma de
guerra.
Chegou a paz, no ano de 1916. Com o apoio do
presidente da República, Wenceslau Brás, foi
estabelecido que a região do Contestado deveria
ser dividida em duas partes: o Paraná ficaria
com, aproximadamente, 20.000 Km2
e Santa
Catarina com 28.000 Km2
.
Nessa extensão territorial moravam
populações que assim passaram a ser
“catarinenses”.
Desse modo, o acordo de 1916 trouxe
para Santa Catarina um aumento de
população e de território, dando-se
assim a definitiva configuração do
território catarinense.
Revolta no contestado

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Para que estudar História
Para que estudar HistóriaPara que estudar História
Para que estudar História
Liz Prates
 
A revolta de beckman(1685)
A revolta de beckman(1685)A revolta de beckman(1685)
A revolta de beckman(1685)
Educação
 
3° ano Brasil República Velha
3° ano   Brasil República Velha3° ano   Brasil República Velha
3° ano Brasil República Velha
Daniel Alves Bronstrup
 
3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial
Daniel Alves Bronstrup
 
Expansão territorial
Expansão territorialExpansão territorial
Expansão territorial
Edenilson Morais
 
Era vargas (1930-1945)
Era vargas (1930-1945)Era vargas (1930-1945)
Era vargas (1930-1945)
Dinei2814
 
Invasão Holandesa
Invasão HolandesaInvasão Holandesa
Invasão Holandesa
Aulas de História
 
Revolta da Vacina
Revolta da VacinaRevolta da Vacina
Revolta da Vacina
nayslides Sobrenome
 
Republica oligarquica
Republica oligarquicaRepublica oligarquica
Republica oligarquica
Ygor Henrique
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
Simone P Baldissera
 
Guerra do Contestado - Prof. Altair Aguilar
Guerra do Contestado - Prof. Altair AguilarGuerra do Contestado - Prof. Altair Aguilar
Guerra do Contestado - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
Aulas de História
 
Unificação alemã
Unificação alemãUnificação alemã
Unificação alemã
Isaquel Silva
 
A GUERRA DO CONTESTADO
A GUERRA DO CONTESTADOA GUERRA DO CONTESTADO
A GUERRA DO CONTESTADO
Tamires Rodrigues
 
Civilização Asteca
Civilização AstecaCivilização Asteca
Civilização Asteca
eiprofessor
 
Fotos do contestado
Fotos do contestadoFotos do contestado
Fotos do contestado
Vânia Salvo Orso
 
Os bandeirantes
Os bandeirantesOs bandeirantes
Os bandeirantes
Cristianerocharibas
 
Revoltas populares na primeira república
Revoltas populares na primeira repúblicaRevoltas populares na primeira república
Revoltas populares na primeira república
araujombarbara
 
A GUERRA DO PARAGUAI E CONFLITOS NO PRATA
A GUERRA DO PARAGUAI E CONFLITOS NO PRATA A GUERRA DO PARAGUAI E CONFLITOS NO PRATA
A GUERRA DO PARAGUAI E CONFLITOS NO PRATA
Marcelo Celloto
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
Elaine Bogo Pavani
 

Mais procurados (20)

Para que estudar História
Para que estudar HistóriaPara que estudar História
Para que estudar História
 
A revolta de beckman(1685)
A revolta de beckman(1685)A revolta de beckman(1685)
A revolta de beckman(1685)
 
3° ano Brasil República Velha
3° ano   Brasil República Velha3° ano   Brasil República Velha
3° ano Brasil República Velha
 
3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial
 
Expansão territorial
Expansão territorialExpansão territorial
Expansão territorial
 
Era vargas (1930-1945)
Era vargas (1930-1945)Era vargas (1930-1945)
Era vargas (1930-1945)
 
Invasão Holandesa
Invasão HolandesaInvasão Holandesa
Invasão Holandesa
 
Revolta da Vacina
Revolta da VacinaRevolta da Vacina
Revolta da Vacina
 
Republica oligarquica
Republica oligarquicaRepublica oligarquica
Republica oligarquica
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
Guerra do Contestado - Prof. Altair Aguilar
Guerra do Contestado - Prof. Altair AguilarGuerra do Contestado - Prof. Altair Aguilar
Guerra do Contestado - Prof. Altair Aguilar
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 
Unificação alemã
Unificação alemãUnificação alemã
Unificação alemã
 
A GUERRA DO CONTESTADO
A GUERRA DO CONTESTADOA GUERRA DO CONTESTADO
A GUERRA DO CONTESTADO
 
Civilização Asteca
Civilização AstecaCivilização Asteca
Civilização Asteca
 
Fotos do contestado
Fotos do contestadoFotos do contestado
Fotos do contestado
 
Os bandeirantes
Os bandeirantesOs bandeirantes
Os bandeirantes
 
Revoltas populares na primeira república
Revoltas populares na primeira repúblicaRevoltas populares na primeira república
Revoltas populares na primeira república
 
A GUERRA DO PARAGUAI E CONFLITOS NO PRATA
A GUERRA DO PARAGUAI E CONFLITOS NO PRATA A GUERRA DO PARAGUAI E CONFLITOS NO PRATA
A GUERRA DO PARAGUAI E CONFLITOS NO PRATA
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 

Destaque

Guerra do contestado
Guerra do contestadoGuerra do contestado
Guerra do contestado
Sandrakonkel
 
GUERRA DO CONTESTADO 1 aula
GUERRA DO CONTESTADO 1 aulaGUERRA DO CONTESTADO 1 aula
GUERRA DO CONTESTADO 1 aula
Marcus Matozo
 
Revolta do contestado
Revolta do contestadoRevolta do contestado
Revolta do contestado
Dudeka2
 
Contestado
ContestadoContestado
Contestado
Vania Acosta
 
Guerra dos canudos
Guerra dos canudosGuerra dos canudos
Guerra dos canudos
Belucci Bernardino
 
Revolta Contestado T.82
Revolta Contestado T.82Revolta Contestado T.82
Revolta Contestado T.82
Dianesi
 
Guerra do Contestado T.81
Guerra do Contestado T.81Guerra do Contestado T.81
Guerra do Contestado T.81
Dianesi
 
Cangaço
CangaçoCangaço
Cangaço
John Fjv
 
Guerra de Canudos
Guerra de CanudosGuerra de Canudos
Guerra de Canudos
mariaaferreirar
 
Guerra do Contestado e de Canudos
Guerra do Contestado e de CanudosGuerra do Contestado e de Canudos
Guerra do Contestado e de Canudos
Dinho
 
O cangaço
O cangaçoO cangaço
O cangaço
Gabriela Matias
 
Cangaço - Trabalho De História
Cangaço - Trabalho De HistóriaCangaço - Trabalho De História
Cangaço - Trabalho De História
Rafaella Uvini
 
O cangaço
O cangaçoO cangaço
O cangaço
Carla Brígida
 
Guerra de Canudos e Contestado
Guerra de Canudos e ContestadoGuerra de Canudos e Contestado
Guerra de Canudos e Contestado
Dinho
 
O Cangaço
O CangaçoO Cangaço
O Cangaço
Rubens Verona
 
Apresentação revolta de canudos
Apresentação  revolta de canudosApresentação  revolta de canudos
Apresentação revolta de canudos
adriana
 
N donline mídia kit out_2012_atualizada
N donline mídia kit out_2012_atualizadaN donline mídia kit out_2012_atualizada
N donline mídia kit out_2012_atualizada
FAIR PLAY AD / @VeronicaRRSouza
 
Santa catarina população das cidades - 2010
Santa catarina   população das cidades - 2010Santa catarina   população das cidades - 2010
Santa catarina população das cidades - 2010
Alvaro Crisanto
 
100 anos da guerra do contestado história do paraná e santa catarina profcici...
100 anos da guerra do contestado história do paraná e santa catarina profcici...100 anos da guerra do contestado história do paraná e santa catarina profcici...
100 anos da guerra do contestado história do paraná e santa catarina profcici...
RONALDO N CICILIATO Ciciliato
 
Cabanagem - Prof.Altair Aguilar.
Cabanagem - Prof.Altair Aguilar.Cabanagem - Prof.Altair Aguilar.
Cabanagem - Prof.Altair Aguilar.
Altair Moisés Aguilar
 

Destaque (20)

Guerra do contestado
Guerra do contestadoGuerra do contestado
Guerra do contestado
 
GUERRA DO CONTESTADO 1 aula
GUERRA DO CONTESTADO 1 aulaGUERRA DO CONTESTADO 1 aula
GUERRA DO CONTESTADO 1 aula
 
Revolta do contestado
Revolta do contestadoRevolta do contestado
Revolta do contestado
 
Contestado
ContestadoContestado
Contestado
 
Guerra dos canudos
Guerra dos canudosGuerra dos canudos
Guerra dos canudos
 
Revolta Contestado T.82
Revolta Contestado T.82Revolta Contestado T.82
Revolta Contestado T.82
 
Guerra do Contestado T.81
Guerra do Contestado T.81Guerra do Contestado T.81
Guerra do Contestado T.81
 
Cangaço
CangaçoCangaço
Cangaço
 
Guerra de Canudos
Guerra de CanudosGuerra de Canudos
Guerra de Canudos
 
Guerra do Contestado e de Canudos
Guerra do Contestado e de CanudosGuerra do Contestado e de Canudos
Guerra do Contestado e de Canudos
 
O cangaço
O cangaçoO cangaço
O cangaço
 
Cangaço - Trabalho De História
Cangaço - Trabalho De HistóriaCangaço - Trabalho De História
Cangaço - Trabalho De História
 
O cangaço
O cangaçoO cangaço
O cangaço
 
Guerra de Canudos e Contestado
Guerra de Canudos e ContestadoGuerra de Canudos e Contestado
Guerra de Canudos e Contestado
 
O Cangaço
O CangaçoO Cangaço
O Cangaço
 
Apresentação revolta de canudos
Apresentação  revolta de canudosApresentação  revolta de canudos
Apresentação revolta de canudos
 
N donline mídia kit out_2012_atualizada
N donline mídia kit out_2012_atualizadaN donline mídia kit out_2012_atualizada
N donline mídia kit out_2012_atualizada
 
Santa catarina população das cidades - 2010
Santa catarina   população das cidades - 2010Santa catarina   população das cidades - 2010
Santa catarina população das cidades - 2010
 
100 anos da guerra do contestado história do paraná e santa catarina profcici...
100 anos da guerra do contestado história do paraná e santa catarina profcici...100 anos da guerra do contestado história do paraná e santa catarina profcici...
100 anos da guerra do contestado história do paraná e santa catarina profcici...
 
Cabanagem - Prof.Altair Aguilar.
Cabanagem - Prof.Altair Aguilar.Cabanagem - Prof.Altair Aguilar.
Cabanagem - Prof.Altair Aguilar.
 

Semelhante a Revolta no contestado

OcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato GrossoOcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato Grosso
Paticx
 
AULA 02 CONHECIMENTO HISTÓRICOS DE BARRA DO CORDA.ppt
AULA 02 CONHECIMENTO HISTÓRICOS DE BARRA DO CORDA.pptAULA 02 CONHECIMENTO HISTÓRICOS DE BARRA DO CORDA.ppt
AULA 02 CONHECIMENTO HISTÓRICOS DE BARRA DO CORDA.ppt
LeonardoDelgado74
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
Professora Natália de Oliveira
 
Mato grosso
Mato grossoMato grosso
Conflitos sociais na rep. velha rurais
Conflitos sociais na rep. velha   ruraisConflitos sociais na rep. velha   rurais
Conflitos sociais na rep. velha rurais
historiando
 
Conflitos sociais na rep. velha rurais
Conflitos sociais na rep. velha   ruraisConflitos sociais na rep. velha   rurais
Conflitos sociais na rep. velha rurais
Nelia Salles Nantes
 
História de curitibanos
História de curitibanosHistória de curitibanos
História de curitibanos
Sebastião Luiz Alves
 
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
Carlos Benjoino Bidu
 
A guerra de canudos
A guerra de canudosA guerra de canudos
A guerra de canudos
historiando
 
Contestado
ContestadoContestado
Contestado
Francisco Neto
 
Conflitos sociais na rep. velha rurais
Conflitos sociais na rep. velha   ruraisConflitos sociais na rep. velha   rurais
Conflitos sociais na rep. velha rurais
historiando
 
Conflitos sociais na rep. velha rurais
Conflitos sociais na rep. velha   ruraisConflitos sociais na rep. velha   rurais
Conflitos sociais na rep. velha rurais
historiando
 
04 historia de_mato_grosso-1
04 historia de_mato_grosso-104 historia de_mato_grosso-1
04 historia de_mato_grosso-1
solange caldeira
 
ES Imperial
ES ImperialES Imperial
ES Imperial
Jalbert Jr
 
República oligárquica
República oligárquicaRepública oligárquica
República oligárquica
Valeria Kosicki
 
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALHISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
carlosbidu
 
Governos marechal hermes até w. braz
Governos marechal hermes até w. brazGovernos marechal hermes até w. braz
Governos marechal hermes até w. braz
Nelia Salles Nantes
 
federal reserve
federal reservefederal reserve
federal reserve
Sandro Suzart
 
Governos marechal hermes até w. braz
Governos marechal hermes até w. brazGovernos marechal hermes até w. braz
Governos marechal hermes até w. braz
Nelia Salles Nantes
 
Mato Grosso do Sul
Mato Grosso do SulMato Grosso do Sul
Mato Grosso do Sul
Henrique Manoel Ramos Alberto
 

Semelhante a Revolta no contestado (20)

OcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato GrossoOcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato Grosso
 
AULA 02 CONHECIMENTO HISTÓRICOS DE BARRA DO CORDA.ppt
AULA 02 CONHECIMENTO HISTÓRICOS DE BARRA DO CORDA.pptAULA 02 CONHECIMENTO HISTÓRICOS DE BARRA DO CORDA.ppt
AULA 02 CONHECIMENTO HISTÓRICOS DE BARRA DO CORDA.ppt
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
 
Mato grosso
Mato grossoMato grosso
Mato grosso
 
Conflitos sociais na rep. velha rurais
Conflitos sociais na rep. velha   ruraisConflitos sociais na rep. velha   rurais
Conflitos sociais na rep. velha rurais
 
Conflitos sociais na rep. velha rurais
Conflitos sociais na rep. velha   ruraisConflitos sociais na rep. velha   rurais
Conflitos sociais na rep. velha rurais
 
História de curitibanos
História de curitibanosHistória de curitibanos
História de curitibanos
 
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
 
A guerra de canudos
A guerra de canudosA guerra de canudos
A guerra de canudos
 
Contestado
ContestadoContestado
Contestado
 
Conflitos sociais na rep. velha rurais
Conflitos sociais na rep. velha   ruraisConflitos sociais na rep. velha   rurais
Conflitos sociais na rep. velha rurais
 
Conflitos sociais na rep. velha rurais
Conflitos sociais na rep. velha   ruraisConflitos sociais na rep. velha   rurais
Conflitos sociais na rep. velha rurais
 
04 historia de_mato_grosso-1
04 historia de_mato_grosso-104 historia de_mato_grosso-1
04 historia de_mato_grosso-1
 
ES Imperial
ES ImperialES Imperial
ES Imperial
 
República oligárquica
República oligárquicaRepública oligárquica
República oligárquica
 
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALHISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
 
Governos marechal hermes até w. braz
Governos marechal hermes até w. brazGovernos marechal hermes até w. braz
Governos marechal hermes até w. braz
 
federal reserve
federal reservefederal reserve
federal reserve
 
Governos marechal hermes até w. braz
Governos marechal hermes até w. brazGovernos marechal hermes até w. braz
Governos marechal hermes até w. braz
 
Mato Grosso do Sul
Mato Grosso do SulMato Grosso do Sul
Mato Grosso do Sul
 

Último

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 

Revolta no contestado

  • 2. No ano de 1853, já havia uma disputa entre os estados de Santa Catarina e do Paraná: não havia acordo sobre o local onde deveria se situar a fronteira entre ambos. Assim, com o objetivo de resolver o assunto, o estado de Santa Catarina recorreu ao Supremo Tribunal Federal que deu ganho de causa aos catarinenses. Essa disputa durou mais de 60 anos. Território contestado:
  • 3. A cidade de Mafra tem esse nome como uma homenagem ao advogado Manuel da Silva Mafra que defendeu brilhantemente os interesses de Santa Catarina junto aos tribunais, na disputa de limites com o Paraná.
  • 4. A questão envolvia uma área de terras de aproximadamente 48.000 km2 e tinha muita importância social e econômica para o Paraná e Santa Catarina. Essa disputa envolvendo uma questão de limites ficou conhecida como a Questão do Contestado.
  • 6. Todos os caminhos levam você ao Vale do Contestado!!!
  • 8. A disputa entre os estados do Paraná e de Santa Catarina envolvia uma questão de terras. Já se sabia que as terras que estavam sendo disputadas eram ricas em erva-mate e em mata nativa, formada principalmente por árvores de madeira nobre e imensos pinheirais. Ambos os estados desejavam essas terras que significavam mais riqueza vinda da natureza, a possibilidade de recolher mais impostos etc. A área era então como uma “terra sem dono”.
  • 9. Em breve, as fazendas de criação de gado que estavam instaladas nas regiões de Lages, Curitibanos e Campos Novos foram aumentando a sua ação e iniciando a ocupação da região contestada; fazendas e pequenas serrarias foram surgindo. Já o homem simples, com pouco ou nenhum recurso, entrava mato a dentro em busca de um lugar onde pudesse viver com sua família e trabalhar. Escolhido o lugar, fazia a sua casa, começava as suas plantações e ali vivia. Estes eram os posseiros, que não tinham nenhum documento que lhes garantisse a propriedade da terra.
  • 10. Esses posseiros geralmente eram caboclos. Homens religiosos, dotados de boa fé, acreditavam em monges que passavam pela região, pregando, rezando e dando remédios para a população. Esses monges não eram padres, mas a população os considerava como homens santos e neles acreditava. Um desses monges, muito famoso, era italiano e havia chegado ao Brasil em 1.844. Era conhecido como monge João Maria e descrito como um homem simples, magro e de barbas brancas.
  • 13. Nesse clima de fé em monges, bem mais tarde, a população vai acreditar em Miguel Lucena, que embora procurado pela polícia do estado do Paraná, se intitulava também monge José Maria. Este vai ter um papel decisivo nas lutas armadas que vão acontecer na região do Contestado.
  • 14. Companhias estrangeiras Há muito tempo o governo brasileiro desejava construir uma estrada de ferro que fizesse a ligação entre São Paulo e Rio Grande do Sul. Essa construção foi efetuada por uma empresa norte-americana, a Brazil Railway Company. A estrada começou a ser construída no ano de 1906. A empresa construtora recebeu, como pagamento, o direito de explorar uma faixa de terra de 15 km de cada lado da ferrovia. Logo a empresa Brazíl Railway, que era uma empresa muito poderosa, criou a Brazil Lumber Company.
  • 15. O objetivo da Lumber era explorar a madeira que ali havia. Assim, como empresa madeireira, a Lumber construiu no Brasil, duas serrarias que estavam entre as maiores do mundo. Isso significa uma enorme derrubada de árvores e devastação ambiental. A serraria da Lumber que foi instalada em Três Barras (SC) era o maior empreendimento madeireiro da América do Sul. A empresa precisava de operários para a construção da estrada de ferro, para explorar a área, derrubar árvores e transformá-las em madeiras para a exportação. Muitos aí tiveram emprego.
  • 16. Mas a ação da companhia gerou problemas. Ao explorar a larga faixa de terra ao lado da ferrovia, provocou a expulsão dos que ali trabalhavam e viviam — eram os posseiros. Além disso, ao encerrar as atividades de construção da estrada, afirma-se que perto de 8.000 trabalhadores perderam o emprego, muitos da região e muitos vindos de longe. Essas populações ficaram sem trabalho e sem ter para onde ir. Era uma situação geral de muita insegurança e mesmo de preocupação com a sobrevivência.
  • 17. Como se tratava de populações muito religiosas, acreditaram no monge José Maria que andava pela região pregando um mundo melhor onde, sob a lei de Deus, não haveria desigualdade entre os homens. O monge José Maria logo passou a ser seguido por uma grande multidão de revoltados e descontentes. Breve começou a preparação para confrontos militares. A população de posseiros armou-se como podia: facões, foices, armas de caça. Passam a atacar as povoações próximas, dando início a uma verdadeira guerra na região.
  • 18. O governo do Paraná toma providências, no ano de 1912, e enfrenta uma luta contra os revoltosos. O combate deu-se na região de Irani. Na ocasião, morre o monge José Maria e também o comandante das tropas paranaenses João Gualberto. Mas as lutas apenas haviam iniciado. Vão se estender até o ano de 1915 e delas vai participar o exército brasileiro. Grande número de militares e de armamentos se deslocaram para essa região do país. A luta durou quatro anos. Houve milhares de mortes, de ambos os lados; em ambos os lados da luta houve heróis.
  • 19. A guerra do Contestado é considerada como o maior conflito armado ocorrido na região sul do Brasil. Na guerra do Contestado, pela primeira vez o avião foi usado, no Brasil, como arma de guerra. Chegou a paz, no ano de 1916. Com o apoio do presidente da República, Wenceslau Brás, foi estabelecido que a região do Contestado deveria ser dividida em duas partes: o Paraná ficaria com, aproximadamente, 20.000 Km2 e Santa Catarina com 28.000 Km2 .
  • 20. Nessa extensão territorial moravam populações que assim passaram a ser “catarinenses”. Desse modo, o acordo de 1916 trouxe para Santa Catarina um aumento de população e de território, dando-se assim a definitiva configuração do território catarinense.