SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Resumos- HGP 6ºano
OESPAÇO PORTUGUÊS
Regeneração
No início da segunda metade do séc. XIX, o Reino de Portugal encontrava-se pobre e
desorganizado, principalmente devido a três acontecimentos:
 Invasões napoleónicas
 Guerra civil entre liberais e absolutistas
 Independência do Brasil
As principais atividades económicas (agricultura, criação de gado, extração mineira)
encontravam-se bastante atrasadas, por isso Portugal tinha que importar vários
produtos de outros países europeus com maior desenvolvimento. Era importante
nesta altura desenvolver estas atividades económicas para tirar o Reino desta crise.
A 1851 iniciou-se o movimento de Regeneração. Este movimento procurava o
“renascer” da vida nacional, pois queria um novo rumo para Portugal, que se
encontrava muito atrasado e pouco desenvolvido. Durante o período da Regeneração,
várias medidas foram tomadas para desenvolver as atividades económicas, o que
permitiram a modernização e o progresso do país.
Este período de desenvolvimento apenas foi possível devido à: existência de paz no
Reino e a estabilidade política após o triunfo do liberalismo.
Desenvolvimento da agricultura
Para aumentar a produção de alimentos, os governos liberais tomaram várias medidas
para o desenvolvimento da agricultura e para o aumento da área cultivada.
Medidas para aumento da área cultivada:
 extinção do direito do morgadio, ou seja, do direito do filho herdar todas as
terras da família. As terras passaram a ser divididas por todos os filhos para
assegurar uma melhor exploração das terras
 entrega de terras pertencentes a nobres e clérigos a burgueses
 entrega de baldios (terras incultas) aos camponeses
Resumos- HGP 6ºano
Novas técnicas:
 utilização de adubos químicos
 utilização de semementes selecionadas
 alternância de culturas, que pôs fim ao pousio. Desta forma as terras não
precisavam de estar um período de tempo sem estarem cultivadas
 introdução das máquinas agrícolas, inclusive a debulhadora mecânica a vapor
Novas culturas:
 batata
 arroz
Desenvolvimento da indústria
A introdução da máquina a vapor na indústria contribuiu de forma significativa para o
seu desenvolvimento. Esta inovação permitiu aumentar a produção em menos tempo,
o que possibilitou o aumento de lucros.
A produção artesanal foi assim começando a dar lugar à produção industrial por ser
mais lucrativa.
A maior parte das fábricas instauraram-se nas zonas do litoral, principalmente na zona
de Porto/Guimarães(indústria têxtil e calçado) e na zona de Lisboa/Setúbal (indústria
química e metalúrgica)
Exploração mineira
Com o desenvolvimento da indústria tornou-se necessário desenvolver a exploração
mineira por se precisar de matérias-primas e combustíveis. Os metais mais procurados
eram o cobre e o ferro. O carvão também foi muito procurado porque nessa época era
a principal fonte de energia.
Alteração da paisagem
O aumento dos campos de cultivo e o aumento do número de fábricas e de minas
provocaram uma profunda alteração das paisagens. Nas cidades predominavam as
chaminés muito altas que enchiam o céu de fumos e maus cheiros.
Resumos- HGP 6ºano
Ofontismo
Para promover o desenvolvimento da agricultura, do comércio e da indústria, era
necessário a construção de uma boa rede de transportes e de comunicações. Foi
criado o Ministério das Obras Públicas, dirigido por Fontes Pereira de Melo. Esta
política de construção de obras públicas (estradas, pontes, portos, caminhos-de-ferro,
ligações teleféricas, etc…) ficou conhecida por fontismo, devido ao nome do seu
principal impulsionador.
Surgiram novos meios de transporte e de comunicação, o que permitiu uma maior
mobilidade de pessoas, maior circulação de ideias e informações e a deslocação de
mais mercadorias em menos tempo.
Desenvolvimento dos meios detransporte e vias de comunicação
Caminhos-de-ferro: A rede de caminhos-de-ferro cresceu de forma muito rápida e ao
longo da sua extensão construíram-se várias pontes, túneis e estações.
Em 1856 realizou-se a primeira viagem de comboio, entre Lisboa e Carregado. Em
1887 inaugurou-se a ligação direta Lisboa-Madrid-Paris. Portugal ficou assim mais
próximo do centro da Europa.
Rede de estradas
Iniciou-se também a renovação e construção de novas estradas em todo o país,
também se construíram várias pontes. A partir de 1855 começou a circular na estrada
Lisboa-Porto a mala-posta, uma carruagem que transportava o correio e algumas
pessoas. No final do século XIX surgiram os primeiros automóveis.
Portos marítimos e faróis
Para tornar mais segura a navegação costeira construíram-se vários faróis e
melhoraram-se os portos marítimos. Surgiram nesta época os barcos movidos a
vapor, primeiro no Rio Tejo, depois na ligação entre Lisboa e Porto e, mais tarde ainda,
na ligação aos Açores e Madeira.
Resumos- HGP 6ºano
Desenvolvimento das comunicações
Os correios foram remodelados, surgindo o primeiro selo-adesivo, o bilhete-postal e
os primeiros marcos de correio. Surgiu também o telégrafo e mais tarde o telefone.
Modernização doensino
O país encontrava-se em modernização, por isso também era necessário que a
população se tornasse mais instruída e competente para realizar as mudanças
pretendidas. Tomaram-se então várias medidas no ensino:
Ensino primário: Criaram-se novas escolas primárias, Tornou-se obrigatória a
frequência nos primeiros 3 anos, com mais um de voluntariado
Ensino liceal: Criaram-se novos liceus em todas as capitais de distrito e dois em Lisboa
Fundaram-se escolas industriais, comerciais e agrícolas
Ensino universitário: Criaram-se novas escolas ligadas à Marinha, às Artes, às Técnicas
e ao Teatro.
Direitos Humanos
Também foram tomadas importantes medidas relacionadas com os Direitos Humanos:
 Abolição da pena de morte para crimes políticos (1852)
 Abolição da pena de morte para crimes civis (1867)
 Extinção da escravatura em todos os territórios portugueses (1869)
Os movimentos da população
Contagem da população: Para dar melhor resposta às necessidades da população,
tornou-se necessário saber o número de habitantes do país, e onde se concentravam
com maior quantidade.
Já se tinham realizadas contagens da população, mas pouco exatas, os numeramentos.
A primeira contagem rigorosa do número de habitantes do país realizou-se em 1864,
ou seja, foi quando se realizou o primeiro recenseamento. Em boletins próprios os
habitantes tinham que colocar o nome, o sexo, a idade, o estado civil e a profissão. A
partir dessa data realizam-se recenceamentos, ou censos, de 10 em 10 anos.
Resumos- HGP 6ºano
Crescimentodemográfico
Através dos recenseamentos verificou-se o aumento de população desde que se fez o
primeiro censo. De 1864 até 1900 a população passou de cerca de 4 milhões de
habitantes para 5 milhões.
Este facto justifica-se pela mehoria de condições de vida da população:
 Período de paz e estabilidade política e social
 Melhoria da alimentação, como aumento do consumo da batata e do milho
 Melhoria das condições de higiene, coma construção de esgotos, distribuição de
água através da canalização e calcetamento das ruas
 Melhoria da assistência médica e hospitalar, com o aparecimento de novos
medicamentos, divulgação de algumas vacinas e construção de hospitais
Distribuiçãoda população
Verificou-se também que o crescimento populacional não ocorreu de igual forma por
todo o território. O aumento de população foi maior no norte litoral, onde se
encontravam os solos mais férteis, maior quantidade de portos de pesca e unidades
industriais.
Entretanto, em todas cidades verificou-se aumento de população, principalmente as
do litoral.
Êxodo Rural
Apesar do desenvolvimento da agricultura, a produção continuava a ser pouca. A
mecanização originou despedimentos e as dificuldades no meio rural intensificaram-
se. Sendo assim, muitas pessoas decidiram abandonar os campos para ir para as
cidades à procura de melhores condições de vida. A este fenómeno dá-se o nome
de Êxodo Rural.
Resumos- HGP 6ºano
Emigração
Entretanto, devido ao aumento da população, não havia postos de emprego para
todos nas cidades. Muitos dos trabalhos eram mal pagos apesar de se trabalhar
duramente muitas horas diárias.
Muitas pessoas decidiram procurar melhores condições de vida no estrangeiro,
sobretudo para o Brasil, pois falava-se a mesma língua e porque havia necessidade de
mão-de-obra devido à extinção da escravatura. Muitos emigrantes enriqueceram e ao
regressar a Portugal compraram terras, palacetes e vestiam-se luxuosamente. Eram
chamados os «brasileiros».
Além do Brasil, foram destinos dos portugueses países da América Central e os Estados
Unidos da América.
Resumos- HGP 6ºano
Portugal na segunda metade do século XIX
O PAÍS TRANSFORMA-SE NA 2ª METADE DO SÉCULO XIX
Portugal na 1ª metade do século XIX estava:
 Destruído – devido às invasões francesas e guerra civil; Empobrecido – devido
aos gastos com a guerra civil e perda dos lucros do Brasil;
 Atrasado – não tinham sido introduzidos os inventos técnicos registados
noutros países.
Em 1851, um governo chamado Regeneraçãotentou desenvolver o país.
Agricultura:
Novos proprietários:
 Vendeu-se, principalmente a burgueses, parte das propriedades da Coroa e das
ordens religiosas que tinham sido, entretanto, extintas
 Acabou-se com o direito de morgadio (o direito que o filho mais velho tinha de
herdar a totalidade dos bens paternos), passando as propriedades a ser
divididas por todos os filhos;
 Dividiram-se muitos baldios (terrenos incultos que podiam ser utilizados por
toda a comunidade para pasto do gado) em parcelas entregues aos
camponeses, que os desbravaram e cultivaram.
Novas técnicas:
 Alternância de culturas, para evitar que as terras tivessem de ficar em pousio
(período em que não se semeava a terra para que ela ficasse a descansar);
 Introduziram-se os adubos químicos e a selecção de sementes;
 Iniciou-se a mecanização da agricultura com a introdução das primeiras
máquinas agrícolas ( ex: ceifeira e debulhadora).
Culturas:
 introdução de novas culturas, como: o arroz e a batata;
 expansão da cultura da cortiça;
 aumento da produção de vinho e azeite.
Resumos- HGP 6ºano
Indústria:
No século XIX a indústria passou a utilizar máquinas.
 Mas a grande "revolução" na indústria deu-se com a máquina a vapor.
 Em Portugal a primeira foi usada em 1835.
- A introdução das máquinas na indústria permitiu:
• produzir em maior quantidade
• produzir mais rapidamente
• produzir em série
• utilizar a divisão de tarefas
- Zonas mais industrializadas: Porto/Braga/Guimarães (têxteis e
confecções) e Lisboa/Barreiro/Setúbal (química e metalurgia).
- Nasce o operariado ( homens, mulheres e crianças que trabalhavam nas
fábricas em muito más condições).
Extracção mineira:
 Desenvolveu-se a exploração mineira, sobretudo minas de cobre, ferro e
carvão;
 Junto a minas surgiram novas povoações;
 O carvão passou a ser a principal fonte de energia para uso doméstico e para a
indústria.
Transportes:
Um dos principais responsáveis por esta política de modernização foi Fontes Pereira de
Melo, ministro de D. Maria II, D. Pedro V e D. Luís I.
Nesta época verificou-se:
 Construção de uma rede de estradas macadamizadas, por onde circulava a
mala-posta;
 O Comboio – 1856 – Inauguração do 1º tropo de caminho de ferro, que levou à
construção de pontes, túneis, estações…
 Barcos a vapor, sobretudo ingleses. Tornou-se necessário
construir portos e faróis.
 A introdução da máquina a vapor nos transportes foi uma das principais
inovações introduzidas.
Comunicações:
Reorganização dos Correios (aparecem os selos adesivos, o bilhete postal e os marcos
postais);
Surge o telégrafo e o telefone.
Resumos- HGP 6ºano
A modernização das vias de comunicação e dos meios de transporte permitiu:
Maior mobilidade da população;
Desenvolvimento das actividades económicas (agricultura, indústria e comércio);
Facilitou a troca de ideias e informação.
Cultura:
Aumentou o número de publicações e o gosto pela leitura dos jornais;
Desenvolveu-se o gosto pelo teatro e pelo romance;
Figuras importantes na literatura: Júlio Dinis, Almeida Garret, Ramalho Ortigão,
Camilo Castelo Branco, Eça de Queirós e Alexandre Herculano.
Arte:
A arquitectura:
- O crescimento das grandes cidades obriga à construção de grandes espaços, como
por exemplo: pavilhões de exposições, estações de caminhos-de-ferro, fábricas,
teatros…
- Novos materiais utilizados: ferro e vidro.
A pintura e a escultura:
- Os artistas deste período pintaram sobretudo: paisagens rurais e marítimas, cenas da
vida quotidiana e retratos;
- Destacaram-se na pintura: Silva Porto, José Malhoa, Columbano, Bordalo Pinheiro.
Nesta altura, Domingos Rebelo pintava o quotidiano dos açorianos.
Quadro de Domingos Rebelo – Os Emigrantes
- Como caricaturista e ceramista salientou-se Rafael Bordalo Pinheiro, criador da figura
do Zé Povinho
Ensino:
Abriram-se escolas primárias (1º livro: Cartilha Maternal); o ensino primário tornou-se
obrigatório e gratuito
Nas principais cidades foram criados liceus;
Foram criadas escolas técnicas;
Criaram-se novos cursos universitários.
Contudo, nem todos frequentavam a escola, principalmente no campo.
Defesa dos direitos humanos:
Abolição da pena de morte para os crimes civis - 1867;
o Extinção da escravatura em todos os domínios portugueses – 1869.
Demografia:
- Para o governo planificar e orientar a sua actuação realizou:
o O Recenseamento, para saber quantas pessoas tinha o nosso país e as suas
condições de vida (as antigas contagens, numeramentos, apenas permitiam conhecer
um número aproximado de habitantes).
Resumos- HGP 6ºano
- Verificou-se um aumento da população devido:
- Melhoria na alimentação;
- Desenvolvimento da Medicina;
- Não ocorrência de guerras;
- Melhores condições de higiene nas cidades.
- O Litoral norte era a zona mais povoada, por ter:
- Solos mais férteis;
- Mais portos marítimos;
- Maior número de indústrias;
- Maior facilidade de comunicações.
- Muitas pessoas saíramdos campos e foram viver para as cidades (êxodo-rural).
- Outros preferiram ir viver para outros países (emigração), principalmente para o
Brasil, por dois motivos:
- Fim da escravatura no Brasil;
- Utilização da mesma língua.
RESUMINDO:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Livro de Fichas História 6º ano
Livro de Fichas História 6º anoLivro de Fichas História 6º ano
Livro de Fichas História 6º anoFilipaSilva10208
 
Ficha avaliação retas e angulos porto editora com resolução
Ficha avaliação retas e angulos porto editora com resoluçãoFicha avaliação retas e angulos porto editora com resolução
Ficha avaliação retas e angulos porto editora com resoluçãoArminda Oliveira
 
Ficha trabalho coordenação
Ficha trabalho coordenaçãoFicha trabalho coordenação
Ficha trabalho coordenaçãoMargarida Gomes
 
Primeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugalPrimeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugalHugo Ferreira
 
Resumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiroResumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiropatriciacanico
 
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...maria.antonia
 
Teste de História 8º ano- Porto Editora
Teste de História 8º ano- Porto EditoraTeste de História 8º ano- Porto Editora
Teste de História 8º ano- Porto EditoraZé Mário
 
Paratextos 8º ano teste 3 com soluções
Paratextos 8º ano teste 3 com soluçõesParatextos 8º ano teste 3 com soluções
Paratextos 8º ano teste 3 com soluçõesZélia fernandes
 
A.4 teste diagnóstico – portugal na 2ª metade do século xix (1)
A.4 teste diagnóstico – portugal na 2ª metade do século xix (1)A.4 teste diagnóstico – portugal na 2ª metade do século xix (1)
A.4 teste diagnóstico – portugal na 2ª metade do século xix (1)CarlosCarvalho728961
 
98427120 ficha-de-avaliacao-portugal-no-sec-xiii-2-hgp-5º-ano
98427120 ficha-de-avaliacao-portugal-no-sec-xiii-2-hgp-5º-ano98427120 ficha-de-avaliacao-portugal-no-sec-xiii-2-hgp-5º-ano
98427120 ficha-de-avaliacao-portugal-no-sec-xiii-2-hgp-5º-anoBruno Santos
 
50475923 hgp-portugal-no-seculo-xiii-5º-ano
50475923 hgp-portugal-no-seculo-xiii-5º-ano50475923 hgp-portugal-no-seculo-xiii-5º-ano
50475923 hgp-portugal-no-seculo-xiii-5º-anoBruno Santos
 
Ficha porto editora sobre triângulos e paralelogramas e resolução
Ficha porto editora sobre triângulos e paralelogramas e resoluçãoFicha porto editora sobre triângulos e paralelogramas e resolução
Ficha porto editora sobre triângulos e paralelogramas e resoluçãoArminda Oliveira
 
Clima factores ficha_trabalho
Clima factores ficha_trabalhoClima factores ficha_trabalho
Clima factores ficha_trabalhoGeografias Geo
 
Mat5º teste exemplo frações
Mat5º teste exemplo fraçõesMat5º teste exemplo frações
Mat5º teste exemplo fraçõesmarcommendes
 
Teste cavaleiro da dinamarca
Teste cavaleiro da dinamarca Teste cavaleiro da dinamarca
Teste cavaleiro da dinamarca Escola
 
Resumos de história 5º ano peninsula iberica
Resumos de história 5º ano peninsula ibericaResumos de história 5º ano peninsula iberica
Resumos de história 5º ano peninsula ibericapereiraepereira1
 

Mais procurados (20)

Guia do professor CN_ ASA
Guia do professor CN_ ASAGuia do professor CN_ ASA
Guia do professor CN_ ASA
 
Livro de Fichas História 6º ano
Livro de Fichas História 6º anoLivro de Fichas História 6º ano
Livro de Fichas História 6º ano
 
Ficha avaliação retas e angulos porto editora com resolução
Ficha avaliação retas e angulos porto editora com resoluçãoFicha avaliação retas e angulos porto editora com resolução
Ficha avaliação retas e angulos porto editora com resolução
 
Ficha ar 5º CN
Ficha ar 5º CNFicha ar 5º CN
Ficha ar 5º CN
 
Ficha trabalho coordenação
Ficha trabalho coordenaçãoFicha trabalho coordenação
Ficha trabalho coordenação
 
Primeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugalPrimeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugal
 
Ficha UE
Ficha UEFicha UE
Ficha UE
 
Resumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiroResumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiro
 
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
 
Teste de História 8º ano- Porto Editora
Teste de História 8º ano- Porto EditoraTeste de História 8º ano- Porto Editora
Teste de História 8º ano- Porto Editora
 
Paratextos 8º ano teste 3 com soluções
Paratextos 8º ano teste 3 com soluçõesParatextos 8º ano teste 3 com soluções
Paratextos 8º ano teste 3 com soluções
 
A.4 teste diagnóstico – portugal na 2ª metade do século xix (1)
A.4 teste diagnóstico – portugal na 2ª metade do século xix (1)A.4 teste diagnóstico – portugal na 2ª metade do século xix (1)
A.4 teste diagnóstico – portugal na 2ª metade do século xix (1)
 
98427120 ficha-de-avaliacao-portugal-no-sec-xiii-2-hgp-5º-ano
98427120 ficha-de-avaliacao-portugal-no-sec-xiii-2-hgp-5º-ano98427120 ficha-de-avaliacao-portugal-no-sec-xiii-2-hgp-5º-ano
98427120 ficha-de-avaliacao-portugal-no-sec-xiii-2-hgp-5º-ano
 
Teste geografia
Teste geografiaTeste geografia
Teste geografia
 
50475923 hgp-portugal-no-seculo-xiii-5º-ano
50475923 hgp-portugal-no-seculo-xiii-5º-ano50475923 hgp-portugal-no-seculo-xiii-5º-ano
50475923 hgp-portugal-no-seculo-xiii-5º-ano
 
Ficha porto editora sobre triângulos e paralelogramas e resolução
Ficha porto editora sobre triângulos e paralelogramas e resoluçãoFicha porto editora sobre triângulos e paralelogramas e resolução
Ficha porto editora sobre triângulos e paralelogramas e resolução
 
Clima factores ficha_trabalho
Clima factores ficha_trabalhoClima factores ficha_trabalho
Clima factores ficha_trabalho
 
Mat5º teste exemplo frações
Mat5º teste exemplo fraçõesMat5º teste exemplo frações
Mat5º teste exemplo frações
 
Teste cavaleiro da dinamarca
Teste cavaleiro da dinamarca Teste cavaleiro da dinamarca
Teste cavaleiro da dinamarca
 
Resumos de história 5º ano peninsula iberica
Resumos de história 5º ano peninsula ibericaResumos de história 5º ano peninsula iberica
Resumos de história 5º ano peninsula iberica
 

Semelhante a Resumos historia

Hgp6 4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
Hgp6   4.4 - Portugal na segunda metade do século XIXHgp6   4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
Hgp6 4.4 - Portugal na segunda metade do século XIXCarlos Vaz
 
Portugal na 2ª metade do século XIX
Portugal na 2ª metade do século XIXPortugal na 2ª metade do século XIX
Portugal na 2ª metade do século XIXmartamariafonseca
 
A modernização do reino,... (história 6º ano)
A modernização do reino,... (história 6º ano)A modernização do reino,... (história 6º ano)
A modernização do reino,... (história 6º ano)inessalgado
 
A europa industrial no século xix e portugal na segunda metade do século xix
A europa industrial no século xix e portugal na segunda metade do século xixA europa industrial no século xix e portugal na segunda metade do século xix
A europa industrial no século xix e portugal na segunda metade do século xixMaria Nogueira
 
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIXHIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIXLuís Ferreira
 
revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícolaAna Batista
 
Portugal na segunda metade do século xix
Portugal na segunda metade do século xixPortugal na segunda metade do século xix
Portugal na segunda metade do século xixDavid Antunes
 
O mundo industrializado do séc. xix
O mundo industrializado do séc. xixO mundo industrializado do séc. xix
O mundo industrializado do séc. xixElisabete Pinto
 
38 portugal no século xix
38   portugal no século xix38   portugal no século xix
38 portugal no século xixCarla Freitas
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGAna Barreiros
 
C3 portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)
C3   portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)C3   portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)
C3 portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)Carlos Vaz
 
A modernização do reino na 2ª met. do séc. xix
A modernização do reino na 2ª met. do séc. xixA modernização do reino na 2ª met. do séc. xix
A modernização do reino na 2ª met. do séc. xixcruchinho
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrialAna Batista
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
IndustrializaçãoJojo Cruz
 
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xixPelo Siro
 

Semelhante a Resumos historia (20)

Hgp6 4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
Hgp6   4.4 - Portugal na segunda metade do século XIXHgp6   4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
Hgp6 4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
 
Portugal na 2ª metade do século XIX
Portugal na 2ª metade do século XIXPortugal na 2ª metade do século XIX
Portugal na 2ª metade do século XIX
 
A modernização do reino,... (história 6º ano)
A modernização do reino,... (história 6º ano)A modernização do reino,... (história 6º ano)
A modernização do reino,... (história 6º ano)
 
A europa industrial no século xix e portugal na segunda metade do século xix
A europa industrial no século xix e portugal na segunda metade do século xixA europa industrial no século xix e portugal na segunda metade do século xix
A europa industrial no século xix e portugal na segunda metade do século xix
 
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIXHIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
 
Trabalho ..
Trabalho ..Trabalho ..
Trabalho ..
 
revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícola
 
Portugal na segunda metade do século xix
Portugal na segunda metade do século xixPortugal na segunda metade do século xix
Portugal na segunda metade do século xix
 
O mundo industrializado do séc. xix
O mundo industrializado do séc. xixO mundo industrializado do séc. xix
O mundo industrializado do séc. xix
 
38 portugal no século xix
38   portugal no século xix38   portugal no século xix
38 portugal no século xix
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
C3 portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)
C3   portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)C3   portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)
C3 portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)
 
A modernização do reino na 2ª met. do séc. xix
A modernização do reino na 2ª met. do séc. xixA modernização do reino na 2ª met. do séc. xix
A modernização do reino na 2ª met. do séc. xix
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Hist 8 resp
Hist 8 respHist 8 resp
Hist 8 resp
 
Paises de dificil industrialização
Paises de dificil industrializaçãoPaises de dificil industrialização
Paises de dificil industrialização
 
Primeira revolução industrial
Primeira revolução industrialPrimeira revolução industrial
Primeira revolução industrial
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
 

Mais de Elisa Dias

2001-A actualidade do DC como estratégia de intervenção social-ISPA.pdf
2001-A actualidade do DC como estratégia de intervenção social-ISPA.pdf2001-A actualidade do DC como estratégia de intervenção social-ISPA.pdf
2001-A actualidade do DC como estratégia de intervenção social-ISPA.pdfElisa Dias
 
Apresentação_Oral_IntervençãoDireta.pdf
Apresentação_Oral_IntervençãoDireta.pdfApresentação_Oral_IntervençãoDireta.pdf
Apresentação_Oral_IntervençãoDireta.pdfElisa Dias
 
Expr. numericas
Expr. numericasExpr. numericas
Expr. numericasElisa Dias
 
Classedo adjetivo
Classedo adjetivoClassedo adjetivo
Classedo adjetivoElisa Dias
 
42545982 problemas-sociais-e-a-escola-autor-steven-casteleiro
42545982 problemas-sociais-e-a-escola-autor-steven-casteleiro42545982 problemas-sociais-e-a-escola-autor-steven-casteleiro
42545982 problemas-sociais-e-a-escola-autor-steven-casteleiroElisa Dias
 
67497660 projetos-pedagogicos-em-arte-e-tecnologia
67497660 projetos-pedagogicos-em-arte-e-tecnologia67497660 projetos-pedagogicos-em-arte-e-tecnologia
67497660 projetos-pedagogicos-em-arte-e-tecnologiaElisa Dias
 
113566051 elaboracao-de-um-projeto-de-pesquisa-ppt
113566051 elaboracao-de-um-projeto-de-pesquisa-ppt113566051 elaboracao-de-um-projeto-de-pesquisa-ppt
113566051 elaboracao-de-um-projeto-de-pesquisa-pptElisa Dias
 
Um mundo para_as_criancas
Um mundo para_as_criancasUm mundo para_as_criancas
Um mundo para_as_criancasElisa Dias
 
Biography of john f. kennedy
Biography of john f. kennedyBiography of john f. kennedy
Biography of john f. kennedyElisa Dias
 
332573594 analise-do-conto-a-aia
332573594 analise-do-conto-a-aia332573594 analise-do-conto-a-aia
332573594 analise-do-conto-a-aiaElisa Dias
 
A terra-como_planeta_especial
 A terra-como_planeta_especial A terra-como_planeta_especial
A terra-como_planeta_especialElisa Dias
 
Tempos e-modos-verbais
Tempos e-modos-verbaisTempos e-modos-verbais
Tempos e-modos-verbaisElisa Dias
 
Ingles v.to be
Ingles v.to beIngles v.to be
Ingles v.to beElisa Dias
 
Ciencias 5 ano
Ciencias 5 anoCiencias 5 ano
Ciencias 5 anoElisa Dias
 

Mais de Elisa Dias (20)

2001-A actualidade do DC como estratégia de intervenção social-ISPA.pdf
2001-A actualidade do DC como estratégia de intervenção social-ISPA.pdf2001-A actualidade do DC como estratégia de intervenção social-ISPA.pdf
2001-A actualidade do DC como estratégia de intervenção social-ISPA.pdf
 
Apresentação_Oral_IntervençãoDireta.pdf
Apresentação_Oral_IntervençãoDireta.pdfApresentação_Oral_IntervençãoDireta.pdf
Apresentação_Oral_IntervençãoDireta.pdf
 
Expr. numericas
Expr. numericasExpr. numericas
Expr. numericas
 
Ingles
InglesIngles
Ingles
 
Resumo
Resumo Resumo
Resumo
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
Estrategias
EstrategiasEstrategias
Estrategias
 
Classedo adjetivo
Classedo adjetivoClassedo adjetivo
Classedo adjetivo
 
42545982 problemas-sociais-e-a-escola-autor-steven-casteleiro
42545982 problemas-sociais-e-a-escola-autor-steven-casteleiro42545982 problemas-sociais-e-a-escola-autor-steven-casteleiro
42545982 problemas-sociais-e-a-escola-autor-steven-casteleiro
 
67497660 projetos-pedagogicos-em-arte-e-tecnologia
67497660 projetos-pedagogicos-em-arte-e-tecnologia67497660 projetos-pedagogicos-em-arte-e-tecnologia
67497660 projetos-pedagogicos-em-arte-e-tecnologia
 
113566051 elaboracao-de-um-projeto-de-pesquisa-ppt
113566051 elaboracao-de-um-projeto-de-pesquisa-ppt113566051 elaboracao-de-um-projeto-de-pesquisa-ppt
113566051 elaboracao-de-um-projeto-de-pesquisa-ppt
 
Um mundo para_as_criancas
Um mundo para_as_criancasUm mundo para_as_criancas
Um mundo para_as_criancas
 
Biography of john f. kennedy
Biography of john f. kennedyBiography of john f. kennedy
Biography of john f. kennedy
 
332573594 analise-do-conto-a-aia
332573594 analise-do-conto-a-aia332573594 analise-do-conto-a-aia
332573594 analise-do-conto-a-aia
 
A terra-como_planeta_especial
 A terra-como_planeta_especial A terra-como_planeta_especial
A terra-como_planeta_especial
 
Geometria
GeometriaGeometria
Geometria
 
M.m.c
M.m.cM.m.c
M.m.c
 
Tempos e-modos-verbais
Tempos e-modos-verbaisTempos e-modos-verbais
Tempos e-modos-verbais
 
Ingles v.to be
Ingles v.to beIngles v.to be
Ingles v.to be
 
Ciencias 5 ano
Ciencias 5 anoCiencias 5 ano
Ciencias 5 ano
 

Último

Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfEversonFerreira20
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasnarayaskara215
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 

Último (20)

Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 

Resumos historia

  • 1. Resumos- HGP 6ºano OESPAÇO PORTUGUÊS Regeneração No início da segunda metade do séc. XIX, o Reino de Portugal encontrava-se pobre e desorganizado, principalmente devido a três acontecimentos:  Invasões napoleónicas  Guerra civil entre liberais e absolutistas  Independência do Brasil As principais atividades económicas (agricultura, criação de gado, extração mineira) encontravam-se bastante atrasadas, por isso Portugal tinha que importar vários produtos de outros países europeus com maior desenvolvimento. Era importante nesta altura desenvolver estas atividades económicas para tirar o Reino desta crise. A 1851 iniciou-se o movimento de Regeneração. Este movimento procurava o “renascer” da vida nacional, pois queria um novo rumo para Portugal, que se encontrava muito atrasado e pouco desenvolvido. Durante o período da Regeneração, várias medidas foram tomadas para desenvolver as atividades económicas, o que permitiram a modernização e o progresso do país. Este período de desenvolvimento apenas foi possível devido à: existência de paz no Reino e a estabilidade política após o triunfo do liberalismo. Desenvolvimento da agricultura Para aumentar a produção de alimentos, os governos liberais tomaram várias medidas para o desenvolvimento da agricultura e para o aumento da área cultivada. Medidas para aumento da área cultivada:  extinção do direito do morgadio, ou seja, do direito do filho herdar todas as terras da família. As terras passaram a ser divididas por todos os filhos para assegurar uma melhor exploração das terras  entrega de terras pertencentes a nobres e clérigos a burgueses  entrega de baldios (terras incultas) aos camponeses
  • 2. Resumos- HGP 6ºano Novas técnicas:  utilização de adubos químicos  utilização de semementes selecionadas  alternância de culturas, que pôs fim ao pousio. Desta forma as terras não precisavam de estar um período de tempo sem estarem cultivadas  introdução das máquinas agrícolas, inclusive a debulhadora mecânica a vapor Novas culturas:  batata  arroz Desenvolvimento da indústria A introdução da máquina a vapor na indústria contribuiu de forma significativa para o seu desenvolvimento. Esta inovação permitiu aumentar a produção em menos tempo, o que possibilitou o aumento de lucros. A produção artesanal foi assim começando a dar lugar à produção industrial por ser mais lucrativa. A maior parte das fábricas instauraram-se nas zonas do litoral, principalmente na zona de Porto/Guimarães(indústria têxtil e calçado) e na zona de Lisboa/Setúbal (indústria química e metalúrgica) Exploração mineira Com o desenvolvimento da indústria tornou-se necessário desenvolver a exploração mineira por se precisar de matérias-primas e combustíveis. Os metais mais procurados eram o cobre e o ferro. O carvão também foi muito procurado porque nessa época era a principal fonte de energia. Alteração da paisagem O aumento dos campos de cultivo e o aumento do número de fábricas e de minas provocaram uma profunda alteração das paisagens. Nas cidades predominavam as chaminés muito altas que enchiam o céu de fumos e maus cheiros.
  • 3. Resumos- HGP 6ºano Ofontismo Para promover o desenvolvimento da agricultura, do comércio e da indústria, era necessário a construção de uma boa rede de transportes e de comunicações. Foi criado o Ministério das Obras Públicas, dirigido por Fontes Pereira de Melo. Esta política de construção de obras públicas (estradas, pontes, portos, caminhos-de-ferro, ligações teleféricas, etc…) ficou conhecida por fontismo, devido ao nome do seu principal impulsionador. Surgiram novos meios de transporte e de comunicação, o que permitiu uma maior mobilidade de pessoas, maior circulação de ideias e informações e a deslocação de mais mercadorias em menos tempo. Desenvolvimento dos meios detransporte e vias de comunicação Caminhos-de-ferro: A rede de caminhos-de-ferro cresceu de forma muito rápida e ao longo da sua extensão construíram-se várias pontes, túneis e estações. Em 1856 realizou-se a primeira viagem de comboio, entre Lisboa e Carregado. Em 1887 inaugurou-se a ligação direta Lisboa-Madrid-Paris. Portugal ficou assim mais próximo do centro da Europa. Rede de estradas Iniciou-se também a renovação e construção de novas estradas em todo o país, também se construíram várias pontes. A partir de 1855 começou a circular na estrada Lisboa-Porto a mala-posta, uma carruagem que transportava o correio e algumas pessoas. No final do século XIX surgiram os primeiros automóveis. Portos marítimos e faróis Para tornar mais segura a navegação costeira construíram-se vários faróis e melhoraram-se os portos marítimos. Surgiram nesta época os barcos movidos a vapor, primeiro no Rio Tejo, depois na ligação entre Lisboa e Porto e, mais tarde ainda, na ligação aos Açores e Madeira.
  • 4. Resumos- HGP 6ºano Desenvolvimento das comunicações Os correios foram remodelados, surgindo o primeiro selo-adesivo, o bilhete-postal e os primeiros marcos de correio. Surgiu também o telégrafo e mais tarde o telefone. Modernização doensino O país encontrava-se em modernização, por isso também era necessário que a população se tornasse mais instruída e competente para realizar as mudanças pretendidas. Tomaram-se então várias medidas no ensino: Ensino primário: Criaram-se novas escolas primárias, Tornou-se obrigatória a frequência nos primeiros 3 anos, com mais um de voluntariado Ensino liceal: Criaram-se novos liceus em todas as capitais de distrito e dois em Lisboa Fundaram-se escolas industriais, comerciais e agrícolas Ensino universitário: Criaram-se novas escolas ligadas à Marinha, às Artes, às Técnicas e ao Teatro. Direitos Humanos Também foram tomadas importantes medidas relacionadas com os Direitos Humanos:  Abolição da pena de morte para crimes políticos (1852)  Abolição da pena de morte para crimes civis (1867)  Extinção da escravatura em todos os territórios portugueses (1869) Os movimentos da população Contagem da população: Para dar melhor resposta às necessidades da população, tornou-se necessário saber o número de habitantes do país, e onde se concentravam com maior quantidade. Já se tinham realizadas contagens da população, mas pouco exatas, os numeramentos. A primeira contagem rigorosa do número de habitantes do país realizou-se em 1864, ou seja, foi quando se realizou o primeiro recenseamento. Em boletins próprios os habitantes tinham que colocar o nome, o sexo, a idade, o estado civil e a profissão. A partir dessa data realizam-se recenceamentos, ou censos, de 10 em 10 anos.
  • 5. Resumos- HGP 6ºano Crescimentodemográfico Através dos recenseamentos verificou-se o aumento de população desde que se fez o primeiro censo. De 1864 até 1900 a população passou de cerca de 4 milhões de habitantes para 5 milhões. Este facto justifica-se pela mehoria de condições de vida da população:  Período de paz e estabilidade política e social  Melhoria da alimentação, como aumento do consumo da batata e do milho  Melhoria das condições de higiene, coma construção de esgotos, distribuição de água através da canalização e calcetamento das ruas  Melhoria da assistência médica e hospitalar, com o aparecimento de novos medicamentos, divulgação de algumas vacinas e construção de hospitais Distribuiçãoda população Verificou-se também que o crescimento populacional não ocorreu de igual forma por todo o território. O aumento de população foi maior no norte litoral, onde se encontravam os solos mais férteis, maior quantidade de portos de pesca e unidades industriais. Entretanto, em todas cidades verificou-se aumento de população, principalmente as do litoral. Êxodo Rural Apesar do desenvolvimento da agricultura, a produção continuava a ser pouca. A mecanização originou despedimentos e as dificuldades no meio rural intensificaram- se. Sendo assim, muitas pessoas decidiram abandonar os campos para ir para as cidades à procura de melhores condições de vida. A este fenómeno dá-se o nome de Êxodo Rural.
  • 6. Resumos- HGP 6ºano Emigração Entretanto, devido ao aumento da população, não havia postos de emprego para todos nas cidades. Muitos dos trabalhos eram mal pagos apesar de se trabalhar duramente muitas horas diárias. Muitas pessoas decidiram procurar melhores condições de vida no estrangeiro, sobretudo para o Brasil, pois falava-se a mesma língua e porque havia necessidade de mão-de-obra devido à extinção da escravatura. Muitos emigrantes enriqueceram e ao regressar a Portugal compraram terras, palacetes e vestiam-se luxuosamente. Eram chamados os «brasileiros». Além do Brasil, foram destinos dos portugueses países da América Central e os Estados Unidos da América.
  • 7. Resumos- HGP 6ºano Portugal na segunda metade do século XIX O PAÍS TRANSFORMA-SE NA 2ª METADE DO SÉCULO XIX Portugal na 1ª metade do século XIX estava:  Destruído – devido às invasões francesas e guerra civil; Empobrecido – devido aos gastos com a guerra civil e perda dos lucros do Brasil;  Atrasado – não tinham sido introduzidos os inventos técnicos registados noutros países. Em 1851, um governo chamado Regeneraçãotentou desenvolver o país. Agricultura: Novos proprietários:  Vendeu-se, principalmente a burgueses, parte das propriedades da Coroa e das ordens religiosas que tinham sido, entretanto, extintas  Acabou-se com o direito de morgadio (o direito que o filho mais velho tinha de herdar a totalidade dos bens paternos), passando as propriedades a ser divididas por todos os filhos;  Dividiram-se muitos baldios (terrenos incultos que podiam ser utilizados por toda a comunidade para pasto do gado) em parcelas entregues aos camponeses, que os desbravaram e cultivaram. Novas técnicas:  Alternância de culturas, para evitar que as terras tivessem de ficar em pousio (período em que não se semeava a terra para que ela ficasse a descansar);  Introduziram-se os adubos químicos e a selecção de sementes;  Iniciou-se a mecanização da agricultura com a introdução das primeiras máquinas agrícolas ( ex: ceifeira e debulhadora). Culturas:  introdução de novas culturas, como: o arroz e a batata;  expansão da cultura da cortiça;  aumento da produção de vinho e azeite.
  • 8. Resumos- HGP 6ºano Indústria: No século XIX a indústria passou a utilizar máquinas.  Mas a grande "revolução" na indústria deu-se com a máquina a vapor.  Em Portugal a primeira foi usada em 1835. - A introdução das máquinas na indústria permitiu: • produzir em maior quantidade • produzir mais rapidamente • produzir em série • utilizar a divisão de tarefas - Zonas mais industrializadas: Porto/Braga/Guimarães (têxteis e confecções) e Lisboa/Barreiro/Setúbal (química e metalurgia). - Nasce o operariado ( homens, mulheres e crianças que trabalhavam nas fábricas em muito más condições). Extracção mineira:  Desenvolveu-se a exploração mineira, sobretudo minas de cobre, ferro e carvão;  Junto a minas surgiram novas povoações;  O carvão passou a ser a principal fonte de energia para uso doméstico e para a indústria. Transportes: Um dos principais responsáveis por esta política de modernização foi Fontes Pereira de Melo, ministro de D. Maria II, D. Pedro V e D. Luís I. Nesta época verificou-se:  Construção de uma rede de estradas macadamizadas, por onde circulava a mala-posta;  O Comboio – 1856 – Inauguração do 1º tropo de caminho de ferro, que levou à construção de pontes, túneis, estações…  Barcos a vapor, sobretudo ingleses. Tornou-se necessário construir portos e faróis.  A introdução da máquina a vapor nos transportes foi uma das principais inovações introduzidas. Comunicações: Reorganização dos Correios (aparecem os selos adesivos, o bilhete postal e os marcos postais); Surge o telégrafo e o telefone.
  • 9. Resumos- HGP 6ºano A modernização das vias de comunicação e dos meios de transporte permitiu: Maior mobilidade da população; Desenvolvimento das actividades económicas (agricultura, indústria e comércio); Facilitou a troca de ideias e informação. Cultura: Aumentou o número de publicações e o gosto pela leitura dos jornais; Desenvolveu-se o gosto pelo teatro e pelo romance; Figuras importantes na literatura: Júlio Dinis, Almeida Garret, Ramalho Ortigão, Camilo Castelo Branco, Eça de Queirós e Alexandre Herculano. Arte: A arquitectura: - O crescimento das grandes cidades obriga à construção de grandes espaços, como por exemplo: pavilhões de exposições, estações de caminhos-de-ferro, fábricas, teatros… - Novos materiais utilizados: ferro e vidro. A pintura e a escultura: - Os artistas deste período pintaram sobretudo: paisagens rurais e marítimas, cenas da vida quotidiana e retratos; - Destacaram-se na pintura: Silva Porto, José Malhoa, Columbano, Bordalo Pinheiro. Nesta altura, Domingos Rebelo pintava o quotidiano dos açorianos. Quadro de Domingos Rebelo – Os Emigrantes - Como caricaturista e ceramista salientou-se Rafael Bordalo Pinheiro, criador da figura do Zé Povinho Ensino: Abriram-se escolas primárias (1º livro: Cartilha Maternal); o ensino primário tornou-se obrigatório e gratuito Nas principais cidades foram criados liceus; Foram criadas escolas técnicas; Criaram-se novos cursos universitários. Contudo, nem todos frequentavam a escola, principalmente no campo. Defesa dos direitos humanos: Abolição da pena de morte para os crimes civis - 1867; o Extinção da escravatura em todos os domínios portugueses – 1869. Demografia: - Para o governo planificar e orientar a sua actuação realizou: o O Recenseamento, para saber quantas pessoas tinha o nosso país e as suas condições de vida (as antigas contagens, numeramentos, apenas permitiam conhecer um número aproximado de habitantes).
  • 10. Resumos- HGP 6ºano - Verificou-se um aumento da população devido: - Melhoria na alimentação; - Desenvolvimento da Medicina; - Não ocorrência de guerras; - Melhores condições de higiene nas cidades. - O Litoral norte era a zona mais povoada, por ter: - Solos mais férteis; - Mais portos marítimos; - Maior número de indústrias; - Maior facilidade de comunicações. - Muitas pessoas saíramdos campos e foram viver para as cidades (êxodo-rural). - Outros preferiram ir viver para outros países (emigração), principalmente para o Brasil, por dois motivos: - Fim da escravatura no Brasil; - Utilização da mesma língua. RESUMINDO: