SlideShare uma empresa Scribd logo
Professora Sílvia Cláudia Marques Lima
• DEFINIÇÃO: A resenha – também conhecida como crítica – é um texto
geralmente jornalístico, de opinião, que procura fazer uma avaliação
elogiosa, construtiva ou negativa de um objeto sociocultural, como um
show, um DVD, um filme, um espetáculo, um livro, etc.
• Sua estrutura divide-se em duas partes, sendo a primeira um pequeno
resumo ou visão geral do autor do objeto avaliado. Na segunda
parte, o resenhista desfila sua crítica, com critério e impessoalidade.
CONCEITO DE RESENHA
RESENHA - TIPOLOGIA
• Informativa ou descritiva: apenas expõe o conteúdo do texto. O
enfoque está na obra. O resenhista não aprofunda a análise do texto,
limitando-se a narrar a estrutura do mesmo.
Crítica: expõe o conteúdo e tece uma
análise profunda do pensamento
teórico do autor.
Faz relação do conteúdo do texto
com a produção teórica da área.
Explicita juízo de valor sobre a
qualidade do texto.
Crítico-informativa: Apresenta a obra ao mesmo tempo tecendo
comentários críticos sobre esta.
Requisitos Básicos
Salvador (1979, p. 139) aponta alguns requisitos para a
elaboração de uma resenha:
a) Conhecimento completo da obra;
b) Competência na matéria;
c) Capacidade de juízo de valor;
d) Fidelidade ao pensamento do autor.
RESENHA DE TEXTO
Objetivo: elaborar comentários sobre um texto para publicação ou
divulgação.
Formatação: A resenha inicia-se com a abertura de um cabeçalho onde
transcreve-se os dados bibliográficos completos da obra resenhada.
Estrutura da resenha:
 Introdução – Exposição sintética do conteúdo do texto.
Apresentação de sua estrutura.
 Desenvolvimento – Análise temática. Apresenta ideias principais,
argumentos, etc.
 Conclusão – Comentário sobre o texto. Faz-se uma avaliação da
obra que se resenhou.
Modelo de Resenha
AUTOR (SOBRENOME);
Nome. Título da Obra; n da edição; local de edição; editora e ano de
publicação.
Credenciais do autor:
Quem é? Títulos. De onde é? Onde faz pesquisa? Onde leciona? O que
publicou? Qual sua área/linha de pesquisa?
Resumo da obra: De que trata a obra? Qual sua característica principal?
Qual a perspectiva de tratamento do tema? Qual o problema focalizado?
Qual o objetivo do autor? Descrição do conteúdo.
ASPECTOS QUE
PODEM SER
ANALISADOS
Resenha Crítica
Apreciação do resenhista:
 Qual a contribuição da obra para a área?
 Qual sua coerência interna?
 Qual a originalidade do texto?
 Qual o alcance do texto?
 Qual a relevância do texto?
 A conclusão está apoiada em argumentos/fatos?
Indicações do Resenhista
 A quem é dirigida a obra? Exige conhecimento mais aprofundado do
assunto? Linguagem é acessível?
1° parágrafo: cabeçalho (Informações técnicas da obra: Título, autor ou diretor,
editora, cidade, duração p/ filme );
2° parágrafo- resumo da obra:
3°, 4°, 5°... parágrafos- analisando: (Cada item em um parágrafo diferente)
• Identificar os pontos positivos e negativos da obra;
• Como é a linguagem empregada e que tipo de público deseja atingir?
• Quais os pontos que mais chamaram sua atenção; quê?
• Qual o contexto histórico e social abordado; mesmo autor);
• Quais as mensagens subliminares;
Exercitando...
 O Diário de uma garota (Record, Maria Julieta Drummond de
Andrade) consiste em um texto que comove de tão bonito. Nele o leitor encontra o
registro amoroso e miúdo dos pequenos nadas que preencheram os dias de uma
adolescente em férias, no verão antigo de 41 para 42.

Acabados os exames, Maria Julieta começa seu diário, anotado em um
caderno de capa dura que ela ganha já usado até a página 49. É a partir daí que o
espaço é todo da menina, que se propõe a registrar nele os principais
acontecimentos destas férias para mais tarde recordar coisas já esquecidas.
 O resultado final dá conta plena do recado e ultrapassa em muito a
proclamada modéstia do texto que, ao ser concebido, tinha como destinatária
única a mãe da autora, a quem o caderno deveria ser entregue quando acabado.
 E quais foram os afazeres de Maria Julieta naquele longínquo verão?
Foram muitos, pontilhados de muita comilança e de muita leitura:
cinema, doce-de-leite, novena, o Tico-Tico, doce-de-banana, teatrinho,
visita, picolés, missa, rosca, cinema de novo, sapatos novos de camurça
branca, o Cruzeiro, bem-casados, romances franceses, comunhão,
recorte de gravuras, espiar casamentos, bolinho de legumes, festas de
aniversário, Missa do galo, carta para a família, dor-de-barriga, desenho
de aquarela, mingau, indigestão ... Tudo parecia pouco para encher os
dias de uma garota carioca em férias mineiras, das quais regressa
sozinha, de avião.
Tantas e tão preciosas evocações resgatam do esquecimento um modo de
vida que é hoje apenas um dolorido retrato na parede. Retrato, entretanto, que,
graças à arte de Julieta, escapa da moldura, ganha movimentos, cheiros, risos e
vida.
O livro, no entanto, guarda ainda outras riquezas: por exemplo, o tom
autêntico de sua linguagem, que, se comprometeu sua autora, evita as pompas,
guarda, no entanto, o sotaque antigo do tempo em que os adolescentes que
faziam diários dominavam os pronomes cujo / a / os / as, conheciam a
impessoalidade do verbo haver no sentido de existir e empregavam, sem
pestanejar, o mais-que-perfeito do indicativo quando de direito ...
Outra e não menor riqueza do livro é o acerto de seu projeto
gráfico, aos cuidados de Raquel Braga. Aproveitando para
ilustração recortes que Maria Julieta pregava em seu diário e
reproduzindo na capa do livro a capa marmorizada do caderno,
com sua lombada e cantoneiras imitando couro, o resultado é um
trabalho em que forma e conteúdo se casam tão bem casados
que este Diário de uma garota acaba constituindo uma grande
festa para seus leitores.
 Marisa Lajolo - Jornal da Tarde, 18 jan. 1986.
 O texto é uma resenha crítica, pois nele a resenhadora apresenta
um breve resumo da obra, mas também faz uma apreciação do
seu valor (exemplo, 1º período do 1º parágrafo, 3º parágrafo).
Ao comentar a linguagem do livro (6º parágrafo), emite um juízo de
valor sobre ela, estabelecendo um paralelo entre os adolescentes
da década de 40 e os de hoje do ponto de vista da capacidade de
se expressar por escrito. No último parágrafo comenta o projeto
gráfico da obra e faz uma apreciação a respeito dele.
Resumo X Resenha
São Iguais?
RESUMO
• É uma apresentação sintética e seletiva das ideias de um
texto, ressaltando a progressão e articulação delas. Nele deve
aparecer as principais ideias do autor no texto (Medeiros, 2005).
• O resumo tem por objetivo dar uma visão rápida ao leitor, para
que ele possa decidir sobre a conveniência da leitura do texto
inteiro.
Características do Resumo
• Redigido em linguagem objetiva;
• Não há repetição de frases inteiras do original;
• Respeita a ordem em que as ideias ou fatos são apresentados.
Atenção: Não apresenta juízo de valor
RESENHA
 Também chamada de recensão ou análise bibliográfica.
 É um tipo de resumo crítico, contudo mais abrangente: permite
comentários e opiniões, incluindo julgamento de valor, comparações
com outras obras da mesma área e avaliação da obra (Andrade apud
Medeiros, 2005);
 É uma síntese (não é resumo) ou comentário de obras
publicadas.
 Compreender as partes essenciais do texto
1º. Leia o texto inteiro ininterruptamente e responda: do que o
texto trata?
2º. Releia o texto e compreenda melhor o significado das
palavras difíceis. Recorra ao dicionário se necessário.
 Identifique o sentido de frases mais complexas;
 Faça um glossário do texto para agilizar sua leitura;
 Estabeleça a progressão em que as partes do texto se
sucedem
 A correlação entre cada uma dessas partes
PASSOS PARA ELABORAR UM RESUMO:
Exercitando a Resenha...
1001 discos para ouvir antes de morrer
Livro compensa pela ampla seleção, que vai do glam ao synth-pop
O nome do livro não é dos mais surpreendentes. 1001 Discos
Para Ouvir Antes de Morrer, catatau de 960 páginas, entra na esteira de
publicações que elegem os melhores filmes para assistir e lugares para
conhecer antes de bater as botas. Apesar do nome inspirar certa
desconfiança, a proposta é honesta: reunir 90 críticos e jornalistas
musicais para peneirar os lançamentos essenciais da música nos últimos
50 anos. O livro foi lançado no Brasil pela Sextante, em tradução para o
português de Portugal, e tem edição geral de Robert Dimery.
• O tratamento gráfico é vistoso, bem caprichado. A capa é
ilustrada com uma foto de Sid Vicious - ex-baixista dos Sex Pistols
- em um de seus arroubos de estrelismo, e as páginas internas
são recheadas por imagens de discos e de artistas fazendo poses.
• A divisão do livro é feita por décadas, e cada início de capítulo traz
pequenas pílulas de contextualização história, informando alguns dos principais
acontecimentos daqueles anos. Assim como toda lista de melhores filmes
sempre trará Cidadão Kane no topo, espere muitas obviedades, como uma
overdose de Beatles, Radiohead e a presença de brasileiros como Caetano
Veloso e Mutantes. Mas num geral, a coletânea é coerente e equilibrada,
lembrando o trabalho de gente como o Einsturzende Neubaten e Missy Elliot, por
exemplo.
O PIANISTA
Baseado em fatos reais, O Pianista, filme escrito e dirigido pelo cineasta Roman
Polanski, narra a história de um pianista polonês judeu que, contando com a sorte, por
meio de uma série de coincidências e com muita obstinação, consegue sobreviver ao
massacre de seu povo pelos alemães, nos guetos e nas ruas de Varsóvia, durante a 2ª
Grande Guerra.
O que faz dessa película especial está na abordagem peculiar de situar a crueldade
de determinadas cenas. Momentos em que a condição de violência e humilhação a
qual o povo judeu fora submetido. Retratada de forma tão direta e crua. Tamanha
crueldade filmada por Polanski parece não está em um contexto cinematográfico.
Como se não tivesse sido preparada. A cena é seca, surpreendente, naturalizada, sem
propósito, conforme o fora concebida e implementada pelos nazistas.
O PIANISTA
Em um primeiro momento, a abordagem coletiva, engloba o drama geral para a
população de judeus; nos dois terços finais, o diretor desloca o centro para um
drama individual, em que se assiste abismado um ser humano se tornar um farrapo,
representado pelo ator Adrien Brody. O personagem busca sobreviver àquela
insensata perseguição.
Entretanto, o personagem central assume uma posição dúbia: mesmo
indignado, abandona lutas coletivas de resistência. Tenta uma sua saída e de sua
família, no entando os seus morrem nos campos de concentração. Não há como
culpar as opções individuais em meio ao caos. Polanski não instaura um relativismo
de isenção absoluta. Deixa dúvidas sobre as possibilidades de julgar as opções
subjetivas em meio a tamanho conflito social.
O conflito entre a arte e a guerra surge de forma esplêndida.
O pianista utiliza sua notoriedade artística para estabelecer uma rede
de solidariedades que o ajudaram enquanto foi possível.
Há duas cenas centrais, no que se refere ao papel da arte: um
momento em que o ator protagonista toca imaginariamente um
piano, já que deveria se manter em silêncio. A segunda quando ao
tocar piano para o oficial alemão, como se sua arte estivesse no
último recôndito de dignidade. A arte, em última instância, revela-se
o baluarte da dignidade humana.
O PIANISTA
O ponto central na abordagem do diretor consite no fato de que, mesmo com
um final esperado (o “herói” se salva). As questões que permeiam o filme não
encontram respostas lineares e fáceis, instando a sociedade a pensar nos
caminhos possíveis para evitar os conflitos de guerra, que acabam por instaurar
a irracionalidade, tornar as pessoas não em humanos, mas em bichos em busca
da sobrevivência.
Enfim, O Pianista, aborda a coragem de reler feridas já tão remexidas, com
originalidade, profundidade e veemência. Esse filme constitui um alerta e um
épico de esperança para que a humanidade não se esqueça que em uma guerra
são pessoas comuns que perdem suas vidas. Humanos inocentes dos ardis de
poderosos e seus projetos de controle mundial.
O PIANISTA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
pnaicdertsis
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
GernciadeProduodeMat
 
Enem competências para a redação
Enem   competências para a redaçãoEnem   competências para a redação
Enem competências para a redação
Elaine Maia
 
Conto
ContoConto
Discurso direto e indireto
Discurso direto e indiretoDiscurso direto e indireto
Discurso direto e indireto
professoraIsabel
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
Luciene Gomes
 
4. generos textuais aula 3
4. generos textuais   aula 34. generos textuais   aula 3
4. generos textuais aula 3
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Resumo - gênero textual
Resumo - gênero textualResumo - gênero textual
Resumo - gênero textual
Ana Lúcia Moura Neves
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Cláudia Heloísa
 
Linha do tempo - Literatura
Linha do tempo - LiteraturaLinha do tempo - Literatura
Linha do tempo - Literatura
Marô de Paula
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Edna Brito
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
Valeria Nunes
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
Myllenne Abreu
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
ISJ
 
O índio na literatura brasileira
O índio na literatura brasileiraO índio na literatura brasileira
O índio na literatura brasileira
ma.no.el.ne.ves
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
Jose Arnaldo Silva
 
Ironia e humor em textos variados 2
Ironia e humor em textos variados 2Ironia e humor em textos variados 2
Ironia e humor em textos variados 2
Eudesia Carvalho
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
Rita Tramonte
 

Mais procurados (20)

Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
 
Enem competências para a redação
Enem   competências para a redaçãoEnem   competências para a redação
Enem competências para a redação
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Discurso direto e indireto
Discurso direto e indiretoDiscurso direto e indireto
Discurso direto e indireto
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Resenha crítica
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
 
4. generos textuais aula 3
4. generos textuais   aula 34. generos textuais   aula 3
4. generos textuais aula 3
 
Resumo - gênero textual
Resumo - gênero textualResumo - gênero textual
Resumo - gênero textual
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Linha do tempo - Literatura
Linha do tempo - LiteraturaLinha do tempo - Literatura
Linha do tempo - Literatura
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
O índio na literatura brasileira
O índio na literatura brasileiraO índio na literatura brasileira
O índio na literatura brasileira
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
 
Ironia e humor em textos variados 2
Ironia e humor em textos variados 2Ironia e humor em textos variados 2
Ironia e humor em textos variados 2
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
 

Destaque

AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Resenha crítica modelo
Resenha crítica   modeloResenha crítica   modelo
Resenha crítica modelo
taise_paz
 
Resenha acadêmica
Resenha acadêmicaResenha acadêmica
Resenha acadêmica
megainfoin
 
EXEMPLO DE RESENHA CRITICA
EXEMPLO DE RESENHA CRITICAEXEMPLO DE RESENHA CRITICA
EXEMPLO DE RESENHA CRITICA
Larissa Gomes
 
Proposta de aula resenha.docx
Proposta de aula resenha.docxProposta de aula resenha.docx
Proposta de aula resenha.docx
Virginia Fortes
 
Resenha pronta
Resenha prontaResenha pronta
Resenha pronta
familiaestagio
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Padrões de diversidade Guth Berger Falcon Rodrigues
Padrões de diversidade   Guth Berger Falcon RodriguesPadrões de diversidade   Guth Berger Falcon Rodrigues
Padrões de diversidade Guth Berger Falcon Rodrigues
Carlos Alberto Monteiro
 
05 08 2011 resenha lideranca nas organizacoes
05 08 2011 resenha lideranca nas organizacoes05 08 2011 resenha lideranca nas organizacoes
05 08 2011 resenha lideranca nas organizacoes
betejorgino
 
Aula resumo e resenha carla
Aula resumo e resenha carlaAula resumo e resenha carla
Aula resumo e resenha carla
Carlos Alberto Monteiro
 
Tutorial R
Tutorial RTutorial R
Gradientes de diversidade e a teoria metabólica da ecologia
Gradientes de diversidade e a teoria metabólica da ecologiaGradientes de diversidade e a teoria metabólica da ecologia
Gradientes de diversidade e a teoria metabólica da ecologia
Carlos Alberto Monteiro
 
Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisa  Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisa
Professor de Química
 
Fichamento resenha - artigos - monografias - nbr apresentação
Fichamento   resenha - artigos - monografias - nbr apresentaçãoFichamento   resenha - artigos - monografias - nbr apresentação
Fichamento resenha - artigos - monografias - nbr apresentação
joana2017
 
Ecossistemologia - Slides usados em aula 04/04/2016
Ecossistemologia - Slides usados em aula 04/04/2016Ecossistemologia - Slides usados em aula 04/04/2016
Ecossistemologia - Slides usados em aula 04/04/2016
Carlos Alberto Monteiro
 
Ecossistemologia Biodiversidade 2016
Ecossistemologia Biodiversidade 2016Ecossistemologia Biodiversidade 2016
Ecossistemologia Biodiversidade 2016
Carlos Alberto Monteiro
 
Revisão ARTIGO APP
Revisão ARTIGO APPRevisão ARTIGO APP
Revisão ARTIGO APP
Carlos Alberto Monteiro
 
Apresentacao biogeografia igor rosário & daniela coelho
Apresentacao biogeografia igor rosário & daniela coelhoApresentacao biogeografia igor rosário & daniela coelho
Apresentacao biogeografia igor rosário & daniela coelho
Denise Marini
 
Aves migratorias pantanal
Aves migratorias pantanalAves migratorias pantanal
Aves migratorias pantanal
AvistarBrasil
 
Caminiculas e classificação
Caminiculas e classificaçãoCaminiculas e classificação
Caminiculas e classificação
unesp
 

Destaque (20)

AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
 
Resenha crítica modelo
Resenha crítica   modeloResenha crítica   modelo
Resenha crítica modelo
 
Resenha acadêmica
Resenha acadêmicaResenha acadêmica
Resenha acadêmica
 
EXEMPLO DE RESENHA CRITICA
EXEMPLO DE RESENHA CRITICAEXEMPLO DE RESENHA CRITICA
EXEMPLO DE RESENHA CRITICA
 
Proposta de aula resenha.docx
Proposta de aula resenha.docxProposta de aula resenha.docx
Proposta de aula resenha.docx
 
Resenha pronta
Resenha prontaResenha pronta
Resenha pronta
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
 
Padrões de diversidade Guth Berger Falcon Rodrigues
Padrões de diversidade   Guth Berger Falcon RodriguesPadrões de diversidade   Guth Berger Falcon Rodrigues
Padrões de diversidade Guth Berger Falcon Rodrigues
 
05 08 2011 resenha lideranca nas organizacoes
05 08 2011 resenha lideranca nas organizacoes05 08 2011 resenha lideranca nas organizacoes
05 08 2011 resenha lideranca nas organizacoes
 
Aula resumo e resenha carla
Aula resumo e resenha carlaAula resumo e resenha carla
Aula resumo e resenha carla
 
Tutorial R
Tutorial RTutorial R
Tutorial R
 
Gradientes de diversidade e a teoria metabólica da ecologia
Gradientes de diversidade e a teoria metabólica da ecologiaGradientes de diversidade e a teoria metabólica da ecologia
Gradientes de diversidade e a teoria metabólica da ecologia
 
Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisa  Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisa
 
Fichamento resenha - artigos - monografias - nbr apresentação
Fichamento   resenha - artigos - monografias - nbr apresentaçãoFichamento   resenha - artigos - monografias - nbr apresentação
Fichamento resenha - artigos - monografias - nbr apresentação
 
Ecossistemologia - Slides usados em aula 04/04/2016
Ecossistemologia - Slides usados em aula 04/04/2016Ecossistemologia - Slides usados em aula 04/04/2016
Ecossistemologia - Slides usados em aula 04/04/2016
 
Ecossistemologia Biodiversidade 2016
Ecossistemologia Biodiversidade 2016Ecossistemologia Biodiversidade 2016
Ecossistemologia Biodiversidade 2016
 
Revisão ARTIGO APP
Revisão ARTIGO APPRevisão ARTIGO APP
Revisão ARTIGO APP
 
Apresentacao biogeografia igor rosário & daniela coelho
Apresentacao biogeografia igor rosário & daniela coelhoApresentacao biogeografia igor rosário & daniela coelho
Apresentacao biogeografia igor rosário & daniela coelho
 
Aves migratorias pantanal
Aves migratorias pantanalAves migratorias pantanal
Aves migratorias pantanal
 
Caminiculas e classificação
Caminiculas e classificaçãoCaminiculas e classificação
Caminiculas e classificação
 

Semelhante a Resenha Crítica - Aula

Resenha
ResenhaResenha
Resumo, Resenha e Resenha Crítica
Resumo, Resenha e Resenha CríticaResumo, Resenha e Resenha Crítica
Resumo, Resenha e Resenha Crítica
Marco Mendes
 
Analise literaria
Analise literariaAnalise literaria
Analise literaria
Universidade Pedagogica
 
Roteiro 4º bimestre
Roteiro  4º bimestreRoteiro  4º bimestre
Roteiro 4º bimestre
Daniela F Almenara
 
Slide Resenha 2.ppt
Slide Resenha 2.pptSlide Resenha 2.ppt
Slide Resenha 2.ppt
julianafreitas14586
 
20100312212133_redaaao_e_interpretaaao_de_textos_-_06-01-09.pdf
20100312212133_redaaao_e_interpretaaao_de_textos_-_06-01-09.pdf20100312212133_redaaao_e_interpretaaao_de_textos_-_06-01-09.pdf
20100312212133_redaaao_e_interpretaaao_de_textos_-_06-01-09.pdf
MaiteFerreira4
 
Resenhaacadmica 100907142029-phpapp02
Resenhaacadmica 100907142029-phpapp02Resenhaacadmica 100907142029-phpapp02
Resenhaacadmica 100907142029-phpapp02
Jonathan Pires
 
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Vinicius Mendes
 
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Vinicius Mendes
 
Como fazer uma resenha
Como fazer uma resenhaComo fazer uma resenha
Como fazer uma resenha
Lorena Falqueto
 
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Vinicius Mendes
 
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Vinicius Mendes
 
1 português1
1 português11 português1
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
Virginia Fortes
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
Virginia Fortes
 
Resenhacritica
ResenhacriticaResenhacritica
Resenhacritica
GustavoArouche1
 
Tipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuaisTipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuais
Marcia Oliveira
 
Português completo
Português completoPortuguês completo
Português completo
luciana couto
 
Como Fazer Uma Resenha
Como Fazer Uma ResenhaComo Fazer Uma Resenha
Como Fazer Uma Resenha
guest658d05
 
Sequencia didatica 2
Sequencia didatica 2Sequencia didatica 2
Sequencia didatica 2
dalvabambil
 

Semelhante a Resenha Crítica - Aula (20)

Resenha
ResenhaResenha
Resenha
 
Resumo, Resenha e Resenha Crítica
Resumo, Resenha e Resenha CríticaResumo, Resenha e Resenha Crítica
Resumo, Resenha e Resenha Crítica
 
Analise literaria
Analise literariaAnalise literaria
Analise literaria
 
Roteiro 4º bimestre
Roteiro  4º bimestreRoteiro  4º bimestre
Roteiro 4º bimestre
 
Slide Resenha 2.ppt
Slide Resenha 2.pptSlide Resenha 2.ppt
Slide Resenha 2.ppt
 
20100312212133_redaaao_e_interpretaaao_de_textos_-_06-01-09.pdf
20100312212133_redaaao_e_interpretaaao_de_textos_-_06-01-09.pdf20100312212133_redaaao_e_interpretaaao_de_textos_-_06-01-09.pdf
20100312212133_redaaao_e_interpretaaao_de_textos_-_06-01-09.pdf
 
Resenhaacadmica 100907142029-phpapp02
Resenhaacadmica 100907142029-phpapp02Resenhaacadmica 100907142029-phpapp02
Resenhaacadmica 100907142029-phpapp02
 
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
 
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
 
Como fazer uma resenha
Como fazer uma resenhaComo fazer uma resenha
Como fazer uma resenha
 
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
 
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
Comofazerumaresenha 121128140431-phpapp02
 
1 português1
1 português11 português1
1 português1
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
 
Resenhacritica
ResenhacriticaResenhacritica
Resenhacritica
 
Tipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuaisTipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuais
 
Português completo
Português completoPortuguês completo
Português completo
 
Como Fazer Uma Resenha
Como Fazer Uma ResenhaComo Fazer Uma Resenha
Como Fazer Uma Resenha
 
Sequencia didatica 2
Sequencia didatica 2Sequencia didatica 2
Sequencia didatica 2
 

Mais de Carlos Alberto Monteiro

Diversidade de Scolitynae (Coleoptera, Curculionidae) em Fragmentos de Flores...
Diversidade de Scolitynae (Coleoptera, Curculionidae) em Fragmentos de Flores...Diversidade de Scolitynae (Coleoptera, Curculionidae) em Fragmentos de Flores...
Diversidade de Scolitynae (Coleoptera, Curculionidae) em Fragmentos de Flores...
Carlos Alberto Monteiro
 
Roteiro para elaboração de aplano RPPN
Roteiro para elaboração de aplano RPPNRoteiro para elaboração de aplano RPPN
Roteiro para elaboração de aplano RPPN
Carlos Alberto Monteiro
 
Pacto2009 restauração florestal
Pacto2009 restauração florestalPacto2009 restauração florestal
Pacto2009 restauração florestal
Carlos Alberto Monteiro
 
Dissertação sobre chuva de sementes na recuperação de áreas
Dissertação sobre chuva de sementes na recuperação de áreasDissertação sobre chuva de sementes na recuperação de áreas
Dissertação sobre chuva de sementes na recuperação de áreas
Carlos Alberto Monteiro
 
Flavio Monteiro Santos dissertação restauração
Flavio Monteiro Santos dissertação restauraçãoFlavio Monteiro Santos dissertação restauração
Flavio Monteiro Santos dissertação restauração
Carlos Alberto Monteiro
 
Fragmentos Florestais - Ecossistemologia
Fragmentos Florestais - EcossistemologiaFragmentos Florestais - Ecossistemologia
Fragmentos Florestais - Ecossistemologia
Carlos Alberto Monteiro
 
Caos em uma comunidade
Caos em uma comunidadeCaos em uma comunidade
Caos em uma comunidade
Carlos Alberto Monteiro
 
O justo e a justica politica
O justo e a justica politicaO justo e a justica politica
O justo e a justica politica
Carlos Alberto Monteiro
 
O acaso na biologia evolutiva
O acaso na biologia evolutivaO acaso na biologia evolutiva
O acaso na biologia evolutiva
Carlos Alberto Monteiro
 
General ecology
General ecologyGeneral ecology
General ecology
Carlos Alberto Monteiro
 
Design Fernanda de Souza Quintao
Design Fernanda de Souza QuintaoDesign Fernanda de Souza Quintao
Design Fernanda de Souza Quintao
Carlos Alberto Monteiro
 
Causalidade e acaso
Causalidade e acasoCausalidade e acaso
Causalidade e acaso
Carlos Alberto Monteiro
 
Terry Eagleton - Marx e a critica literária
Terry Eagleton -  Marx e a critica literáriaTerry Eagleton -  Marx e a critica literária
Terry Eagleton - Marx e a critica literária
Carlos Alberto Monteiro
 
Dialogos - Estudos de Revisão
Dialogos - Estudos de RevisãoDialogos - Estudos de Revisão
Dialogos - Estudos de Revisão
Carlos Alberto Monteiro
 
Terry eagleton cultura
Terry eagleton   culturaTerry eagleton   cultura
Terry eagleton cultura
Carlos Alberto Monteiro
 
Reforma ortografica
Reforma ortograficaReforma ortografica
Reforma ortografica
Carlos Alberto Monteiro
 
Teoria sobre enunciado
Teoria sobre enunciadoTeoria sobre enunciado
Teoria sobre enunciado
Carlos Alberto Monteiro
 
Manual de artigo ciêntífico
Manual de artigo ciêntíficoManual de artigo ciêntífico
Manual de artigo ciêntífico
Carlos Alberto Monteiro
 
Roteiro para revisão bibliográfica
Roteiro para revisão bibliográficaRoteiro para revisão bibliográfica
Roteiro para revisão bibliográfica
Carlos Alberto Monteiro
 
Artigos de Revisão - metadados
Artigos de Revisão - metadadosArtigos de Revisão - metadados
Artigos de Revisão - metadados
Carlos Alberto Monteiro
 

Mais de Carlos Alberto Monteiro (20)

Diversidade de Scolitynae (Coleoptera, Curculionidae) em Fragmentos de Flores...
Diversidade de Scolitynae (Coleoptera, Curculionidae) em Fragmentos de Flores...Diversidade de Scolitynae (Coleoptera, Curculionidae) em Fragmentos de Flores...
Diversidade de Scolitynae (Coleoptera, Curculionidae) em Fragmentos de Flores...
 
Roteiro para elaboração de aplano RPPN
Roteiro para elaboração de aplano RPPNRoteiro para elaboração de aplano RPPN
Roteiro para elaboração de aplano RPPN
 
Pacto2009 restauração florestal
Pacto2009 restauração florestalPacto2009 restauração florestal
Pacto2009 restauração florestal
 
Dissertação sobre chuva de sementes na recuperação de áreas
Dissertação sobre chuva de sementes na recuperação de áreasDissertação sobre chuva de sementes na recuperação de áreas
Dissertação sobre chuva de sementes na recuperação de áreas
 
Flavio Monteiro Santos dissertação restauração
Flavio Monteiro Santos dissertação restauraçãoFlavio Monteiro Santos dissertação restauração
Flavio Monteiro Santos dissertação restauração
 
Fragmentos Florestais - Ecossistemologia
Fragmentos Florestais - EcossistemologiaFragmentos Florestais - Ecossistemologia
Fragmentos Florestais - Ecossistemologia
 
Caos em uma comunidade
Caos em uma comunidadeCaos em uma comunidade
Caos em uma comunidade
 
O justo e a justica politica
O justo e a justica politicaO justo e a justica politica
O justo e a justica politica
 
O acaso na biologia evolutiva
O acaso na biologia evolutivaO acaso na biologia evolutiva
O acaso na biologia evolutiva
 
General ecology
General ecologyGeneral ecology
General ecology
 
Design Fernanda de Souza Quintao
Design Fernanda de Souza QuintaoDesign Fernanda de Souza Quintao
Design Fernanda de Souza Quintao
 
Causalidade e acaso
Causalidade e acasoCausalidade e acaso
Causalidade e acaso
 
Terry Eagleton - Marx e a critica literária
Terry Eagleton -  Marx e a critica literáriaTerry Eagleton -  Marx e a critica literária
Terry Eagleton - Marx e a critica literária
 
Dialogos - Estudos de Revisão
Dialogos - Estudos de RevisãoDialogos - Estudos de Revisão
Dialogos - Estudos de Revisão
 
Terry eagleton cultura
Terry eagleton   culturaTerry eagleton   cultura
Terry eagleton cultura
 
Reforma ortografica
Reforma ortograficaReforma ortografica
Reforma ortografica
 
Teoria sobre enunciado
Teoria sobre enunciadoTeoria sobre enunciado
Teoria sobre enunciado
 
Manual de artigo ciêntífico
Manual de artigo ciêntíficoManual de artigo ciêntífico
Manual de artigo ciêntífico
 
Roteiro para revisão bibliográfica
Roteiro para revisão bibliográficaRoteiro para revisão bibliográfica
Roteiro para revisão bibliográfica
 
Artigos de Revisão - metadados
Artigos de Revisão - metadadosArtigos de Revisão - metadados
Artigos de Revisão - metadados
 

Último

APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 

Resenha Crítica - Aula

  • 2. • DEFINIÇÃO: A resenha – também conhecida como crítica – é um texto geralmente jornalístico, de opinião, que procura fazer uma avaliação elogiosa, construtiva ou negativa de um objeto sociocultural, como um show, um DVD, um filme, um espetáculo, um livro, etc. • Sua estrutura divide-se em duas partes, sendo a primeira um pequeno resumo ou visão geral do autor do objeto avaliado. Na segunda parte, o resenhista desfila sua crítica, com critério e impessoalidade. CONCEITO DE RESENHA
  • 3. RESENHA - TIPOLOGIA • Informativa ou descritiva: apenas expõe o conteúdo do texto. O enfoque está na obra. O resenhista não aprofunda a análise do texto, limitando-se a narrar a estrutura do mesmo. Crítica: expõe o conteúdo e tece uma análise profunda do pensamento teórico do autor. Faz relação do conteúdo do texto com a produção teórica da área. Explicita juízo de valor sobre a qualidade do texto. Crítico-informativa: Apresenta a obra ao mesmo tempo tecendo comentários críticos sobre esta.
  • 4. Requisitos Básicos Salvador (1979, p. 139) aponta alguns requisitos para a elaboração de uma resenha: a) Conhecimento completo da obra; b) Competência na matéria; c) Capacidade de juízo de valor; d) Fidelidade ao pensamento do autor.
  • 5. RESENHA DE TEXTO Objetivo: elaborar comentários sobre um texto para publicação ou divulgação. Formatação: A resenha inicia-se com a abertura de um cabeçalho onde transcreve-se os dados bibliográficos completos da obra resenhada. Estrutura da resenha:  Introdução – Exposição sintética do conteúdo do texto. Apresentação de sua estrutura.  Desenvolvimento – Análise temática. Apresenta ideias principais, argumentos, etc.  Conclusão – Comentário sobre o texto. Faz-se uma avaliação da obra que se resenhou.
  • 6. Modelo de Resenha AUTOR (SOBRENOME); Nome. Título da Obra; n da edição; local de edição; editora e ano de publicação. Credenciais do autor: Quem é? Títulos. De onde é? Onde faz pesquisa? Onde leciona? O que publicou? Qual sua área/linha de pesquisa? Resumo da obra: De que trata a obra? Qual sua característica principal? Qual a perspectiva de tratamento do tema? Qual o problema focalizado? Qual o objetivo do autor? Descrição do conteúdo.
  • 8. Resenha Crítica Apreciação do resenhista:  Qual a contribuição da obra para a área?  Qual sua coerência interna?  Qual a originalidade do texto?  Qual o alcance do texto?  Qual a relevância do texto?  A conclusão está apoiada em argumentos/fatos? Indicações do Resenhista  A quem é dirigida a obra? Exige conhecimento mais aprofundado do assunto? Linguagem é acessível?
  • 9. 1° parágrafo: cabeçalho (Informações técnicas da obra: Título, autor ou diretor, editora, cidade, duração p/ filme ); 2° parágrafo- resumo da obra: 3°, 4°, 5°... parágrafos- analisando: (Cada item em um parágrafo diferente) • Identificar os pontos positivos e negativos da obra; • Como é a linguagem empregada e que tipo de público deseja atingir? • Quais os pontos que mais chamaram sua atenção; quê? • Qual o contexto histórico e social abordado; mesmo autor); • Quais as mensagens subliminares;
  • 11.  O Diário de uma garota (Record, Maria Julieta Drummond de Andrade) consiste em um texto que comove de tão bonito. Nele o leitor encontra o registro amoroso e miúdo dos pequenos nadas que preencheram os dias de uma adolescente em férias, no verão antigo de 41 para 42.  Acabados os exames, Maria Julieta começa seu diário, anotado em um caderno de capa dura que ela ganha já usado até a página 49. É a partir daí que o espaço é todo da menina, que se propõe a registrar nele os principais acontecimentos destas férias para mais tarde recordar coisas já esquecidas.  O resultado final dá conta plena do recado e ultrapassa em muito a proclamada modéstia do texto que, ao ser concebido, tinha como destinatária única a mãe da autora, a quem o caderno deveria ser entregue quando acabado.
  • 12.  E quais foram os afazeres de Maria Julieta naquele longínquo verão? Foram muitos, pontilhados de muita comilança e de muita leitura: cinema, doce-de-leite, novena, o Tico-Tico, doce-de-banana, teatrinho, visita, picolés, missa, rosca, cinema de novo, sapatos novos de camurça branca, o Cruzeiro, bem-casados, romances franceses, comunhão, recorte de gravuras, espiar casamentos, bolinho de legumes, festas de aniversário, Missa do galo, carta para a família, dor-de-barriga, desenho de aquarela, mingau, indigestão ... Tudo parecia pouco para encher os dias de uma garota carioca em férias mineiras, das quais regressa sozinha, de avião.
  • 13. Tantas e tão preciosas evocações resgatam do esquecimento um modo de vida que é hoje apenas um dolorido retrato na parede. Retrato, entretanto, que, graças à arte de Julieta, escapa da moldura, ganha movimentos, cheiros, risos e vida. O livro, no entanto, guarda ainda outras riquezas: por exemplo, o tom autêntico de sua linguagem, que, se comprometeu sua autora, evita as pompas, guarda, no entanto, o sotaque antigo do tempo em que os adolescentes que faziam diários dominavam os pronomes cujo / a / os / as, conheciam a impessoalidade do verbo haver no sentido de existir e empregavam, sem pestanejar, o mais-que-perfeito do indicativo quando de direito ...
  • 14. Outra e não menor riqueza do livro é o acerto de seu projeto gráfico, aos cuidados de Raquel Braga. Aproveitando para ilustração recortes que Maria Julieta pregava em seu diário e reproduzindo na capa do livro a capa marmorizada do caderno, com sua lombada e cantoneiras imitando couro, o resultado é um trabalho em que forma e conteúdo se casam tão bem casados que este Diário de uma garota acaba constituindo uma grande festa para seus leitores.  Marisa Lajolo - Jornal da Tarde, 18 jan. 1986.
  • 15.  O texto é uma resenha crítica, pois nele a resenhadora apresenta um breve resumo da obra, mas também faz uma apreciação do seu valor (exemplo, 1º período do 1º parágrafo, 3º parágrafo). Ao comentar a linguagem do livro (6º parágrafo), emite um juízo de valor sobre ela, estabelecendo um paralelo entre os adolescentes da década de 40 e os de hoje do ponto de vista da capacidade de se expressar por escrito. No último parágrafo comenta o projeto gráfico da obra e faz uma apreciação a respeito dele.
  • 17. RESUMO • É uma apresentação sintética e seletiva das ideias de um texto, ressaltando a progressão e articulação delas. Nele deve aparecer as principais ideias do autor no texto (Medeiros, 2005). • O resumo tem por objetivo dar uma visão rápida ao leitor, para que ele possa decidir sobre a conveniência da leitura do texto inteiro.
  • 18. Características do Resumo • Redigido em linguagem objetiva; • Não há repetição de frases inteiras do original; • Respeita a ordem em que as ideias ou fatos são apresentados. Atenção: Não apresenta juízo de valor
  • 19. RESENHA  Também chamada de recensão ou análise bibliográfica.  É um tipo de resumo crítico, contudo mais abrangente: permite comentários e opiniões, incluindo julgamento de valor, comparações com outras obras da mesma área e avaliação da obra (Andrade apud Medeiros, 2005);  É uma síntese (não é resumo) ou comentário de obras publicadas.
  • 20.  Compreender as partes essenciais do texto 1º. Leia o texto inteiro ininterruptamente e responda: do que o texto trata? 2º. Releia o texto e compreenda melhor o significado das palavras difíceis. Recorra ao dicionário se necessário.  Identifique o sentido de frases mais complexas;  Faça um glossário do texto para agilizar sua leitura;  Estabeleça a progressão em que as partes do texto se sucedem  A correlação entre cada uma dessas partes PASSOS PARA ELABORAR UM RESUMO:
  • 22. 1001 discos para ouvir antes de morrer Livro compensa pela ampla seleção, que vai do glam ao synth-pop O nome do livro não é dos mais surpreendentes. 1001 Discos Para Ouvir Antes de Morrer, catatau de 960 páginas, entra na esteira de publicações que elegem os melhores filmes para assistir e lugares para conhecer antes de bater as botas. Apesar do nome inspirar certa desconfiança, a proposta é honesta: reunir 90 críticos e jornalistas musicais para peneirar os lançamentos essenciais da música nos últimos 50 anos. O livro foi lançado no Brasil pela Sextante, em tradução para o português de Portugal, e tem edição geral de Robert Dimery.
  • 23. • O tratamento gráfico é vistoso, bem caprichado. A capa é ilustrada com uma foto de Sid Vicious - ex-baixista dos Sex Pistols - em um de seus arroubos de estrelismo, e as páginas internas são recheadas por imagens de discos e de artistas fazendo poses. • A divisão do livro é feita por décadas, e cada início de capítulo traz pequenas pílulas de contextualização história, informando alguns dos principais acontecimentos daqueles anos. Assim como toda lista de melhores filmes sempre trará Cidadão Kane no topo, espere muitas obviedades, como uma overdose de Beatles, Radiohead e a presença de brasileiros como Caetano Veloso e Mutantes. Mas num geral, a coletânea é coerente e equilibrada, lembrando o trabalho de gente como o Einsturzende Neubaten e Missy Elliot, por exemplo.
  • 24. O PIANISTA Baseado em fatos reais, O Pianista, filme escrito e dirigido pelo cineasta Roman Polanski, narra a história de um pianista polonês judeu que, contando com a sorte, por meio de uma série de coincidências e com muita obstinação, consegue sobreviver ao massacre de seu povo pelos alemães, nos guetos e nas ruas de Varsóvia, durante a 2ª Grande Guerra. O que faz dessa película especial está na abordagem peculiar de situar a crueldade de determinadas cenas. Momentos em que a condição de violência e humilhação a qual o povo judeu fora submetido. Retratada de forma tão direta e crua. Tamanha crueldade filmada por Polanski parece não está em um contexto cinematográfico. Como se não tivesse sido preparada. A cena é seca, surpreendente, naturalizada, sem propósito, conforme o fora concebida e implementada pelos nazistas.
  • 25. O PIANISTA Em um primeiro momento, a abordagem coletiva, engloba o drama geral para a população de judeus; nos dois terços finais, o diretor desloca o centro para um drama individual, em que se assiste abismado um ser humano se tornar um farrapo, representado pelo ator Adrien Brody. O personagem busca sobreviver àquela insensata perseguição. Entretanto, o personagem central assume uma posição dúbia: mesmo indignado, abandona lutas coletivas de resistência. Tenta uma sua saída e de sua família, no entando os seus morrem nos campos de concentração. Não há como culpar as opções individuais em meio ao caos. Polanski não instaura um relativismo de isenção absoluta. Deixa dúvidas sobre as possibilidades de julgar as opções subjetivas em meio a tamanho conflito social.
  • 26. O conflito entre a arte e a guerra surge de forma esplêndida. O pianista utiliza sua notoriedade artística para estabelecer uma rede de solidariedades que o ajudaram enquanto foi possível. Há duas cenas centrais, no que se refere ao papel da arte: um momento em que o ator protagonista toca imaginariamente um piano, já que deveria se manter em silêncio. A segunda quando ao tocar piano para o oficial alemão, como se sua arte estivesse no último recôndito de dignidade. A arte, em última instância, revela-se o baluarte da dignidade humana. O PIANISTA
  • 27. O ponto central na abordagem do diretor consite no fato de que, mesmo com um final esperado (o “herói” se salva). As questões que permeiam o filme não encontram respostas lineares e fáceis, instando a sociedade a pensar nos caminhos possíveis para evitar os conflitos de guerra, que acabam por instaurar a irracionalidade, tornar as pessoas não em humanos, mas em bichos em busca da sobrevivência. Enfim, O Pianista, aborda a coragem de reler feridas já tão remexidas, com originalidade, profundidade e veemência. Esse filme constitui um alerta e um épico de esperança para que a humanidade não se esqueça que em uma guerra são pessoas comuns que perdem suas vidas. Humanos inocentes dos ardis de poderosos e seus projetos de controle mundial. O PIANISTA