SlideShare uma empresa Scribd logo
Turismo

Petróleo, gás
natural e outros
minerais

Aquacultura

Desporto e
lazer

Pescado
RECURSOS
MARINHOS

Energia das ondas e
mares

Sal
A pesca é uma atividade económica muito

importante, já que o peixe constitui um importante
recurso alimentar e 12,5 milhões de pessoas ,a
nível mundial, têm o seu emprego direta ou
indiretamente associado à pesca.
Os oceanos e as águas continentais são detentores de

uma grande riqueza e constituem a grande esperança
alimentícia de um mundo superpovoado.

Existem áreas mais propícias à pesca do que outras.
Tal deve-se a factores naturais.
Factores condicionantes da
actividade piscatória
Profundidade das águas
Temperatura das águas
Salinidade
Correntes marítimas
Áreas oceânicas mais privilegiadas
para o crescimento do pescado
Plataformas continentais

Áreas de choque de correntes marítimas
PLATAFORMA CONTINENTAL

É a parte do fundo oceânico de fraco declive que se
estende desde o litoral até à profundidade de 200 metros.
PLATAFORMA CONTINENTAL
É a área com maior importância biológica no

conjunto dos fundos oceânicos, devido:

À fraca profundidade, que permite maior penetração de

luz solar e favorece a formação de plâncton (alimento
de muitas espécies de peixe)
Às águas mais agitadas e, por isso, mais ricas em
oxigénio e em plâncton
À menor salinidade das águas, graças à agitação e às
águas dos rios que nelas desaguam
À grande riqueza de nutrientes orgânicos e inorgânicos
que são transportados pelos rios.
Costa Portuguesa
 A costa ocidental portuguesa, com maior intensidade

no Verão, sofre a influência da corrente de Portugal. A
Corrente de Portugal, de direção Norte-Sul, é uma
ramificação da Corrente Quente do Golfo do México
(Gulf Stream), que surge no golfo do México e é
arrastada pelos ventos de Oeste e Sudoeste para
nordeste, em direção à Europa, onde chega ao norte
da Escandinávia e ao oceano Glacial Ártico.
Costa Portuguesa
A Corrente de Portugal é uma corrente quente, não sendo,

por isso, muito favorável ao desenvolvimento das
atividades piscícolas. Contudo, os ventos fortes de
quadrante norte (nortada), que se fazem sentir ao longo
da costa, sobretudo no Verão, arrastam consigo para o
largo as águas superficiais. Desenvolve-se assim, uma
corrente de compensação, ou seja, as águas frias e
profundas ascendem à superfície para substituir as que
foram afastadas pelo vento, levando a um aumento da
agitação das águas e a uma diminuição da temperatura, o
que se traduz numa maior oxigenação das águas e numa
maior abundância de plâncton e outros nutrientes. Esta
corrente de compensação designa-se por upwelling.
Upwelling – É uma corrente de ascendente de águas

frias (do fundo para a superfície).

O fenómeno de upwelling é, nos meses de Verão,

responsável pelas maiores quantidades de espécies –
como a sardinha, o carapau, …, ao longo da costa
portuguesa.
As correntes marítimas
O upwelling
Águas do Nordeste Atlântico, junto à costa europeia – uma das mais
importantes áreas de pesca a nível mundial .
Espécies mais frequentes: arenque, bacalhau, atum e sardinha.
Características: plataforma continental extensa, temperaturas relativamente
baixas e escassa salinidade.
Águas do Noroeste Atlântico, junto ao continente americano – outra área de
grande exploração.
Área chamada bancos da Terra Nova.
Característica: plataforma continental extensa e onde a corrente fria do
Lavrador se encontra com as águas quentes de correntes provenientes do Golfo
do México.
Outras áreas de exploração mais recente (à medida que as regiões de
exploração tradicional dão provas de esgotamento):
-Águas costeiras da Mauritânia, onde os pescadores portugueses têm
conseguido licença de captura
-Águas do Golfo da Guiné
-Águas de alguns países da América Latina, como as dos mares das
Falklands
Tipos de pesca
Pesca tradicional
Pesca moderna
(ver pág. 50
Tipos de pesca quanto à área de pesca
Pesca local – praticada em águas interiores ou perto

da costa (até cerca de 10km)
Pesca costeira – A partir de 10km (embarcações com
maior potência e autonomia)
Pesca de largo – a partir de +- 20km (embarcações de
grande tonelagem, com meios de autonomia no
mínimo de 15 dias)
Praticada em águas internacionais ou ZEE
estrangeiras por navios-fábrica (transformação,
conservação e congelação do pescado a bordo).
Permanência no mar semanas ou meses.
ZEE portuguesa

ZEE (Zona Económica
Exclusiva) - Corresponde a
uma área que se estende
desde a linha de costa até 200
milhas marítimas (cerca de
320km).

A ZEE portuguesa tem uma
extensão aproximada de
1.727.408 Km² , e é a maior de
todos os países da UE.
Cada país fica responsável pela gestão das águas da sua ZEE, competindolhe a preservação da qualidade e quantidade de espécies piscícolas aí
existentes.
Águas internacionais – área marítimas de acesso livre a
todos os países, situada a mais de duzentas milhas da costa.
(1 milha = 1,609344 quilómetros)
Impactos causados pela pesca
Sobreexploração
Risco de sobrevivência de muitas espécies
Diminuição da capacidade reprodutora das diferentes

espécies

Poluição dos mares e oceanos
Diminuição da qualidade e quantidade das espécies
Põe em causa o equilíbrio dos ecossistemas marinhos
Medidas de preservação das espécies piscícolas
Criação das ZEE (definidas pela ONU 1982)
Alargamento da malha das redes
Definição de áreas ou épocas do ano em que se proíbe

a pesca
Estabelecimento de quotas em que se define a
quantidade de capturas permitidas por espécie
Prática da aquacultura
A aquacultura: uma alternativa à pesca
convencional
Aquacultura – criação/produção em viveiro de

recursos piscícolas e de vegetais marinhos (algas),
através de técnicas que procuram recriar as condições
favoráveis à reprodução e desenvolvimento dessas
espécies.

Uma forma de promover o
equilíbrio natural
Ver pág. 51 (manual faces da Terra
8 –parte 2 – areal editores)
Desvantagens da aquacultura:

 O número de peixes selvagens, como o salmão, e a sua qualidade tem

vindo a sofrer alterações;
 As rações e os produtos utilizados para esta prática podem prejudicar
o ecossistema, caso sejam lançados no meio ambiente sem o devido
tratamento;
 Ambientalistas afirmam que a aquacultura serve a grandes grupos
multinacionais, e não beneficia diretamente as populações ribeirinhas
locais;
 Os criadores utilizam grandes quantidades de proteínas de baixo
custo para ração, produzindo produtos de alto custo (ex.: camarão),
em vez de apostarem na produção de outras populações piscícolas,
menos dispendiosas;
 Rápida propagação de doenças e, consequentemente, um menor
tempo de reação face a qualquer problema;
 reduz-se a mão-de-obra necessária, pois a colheita é muito mais
simples do que a realizada na pesca;
 Aumentar a dispersão de espécies invasivas.
De acordo com a FAO (Food and Agricultural Organization),

um hectar cultivado com peixes produz mais do que com
qualquer outro animal. Por isso, a aquacultura assume uma
grande importância no panorama do abastecimento alimentar
mundial;
Oferece vantagens sociais às populações de inúmeros países
onde o pescado marinho não pode chegar em boas condições
sanitárias e a preços razoáveis;
Alguns veem a produção orgânica de peixes como uma forma de
manter a qualidade do pescado, sem alterar o equilíbrio
ambiental;
Consegue-se aumentar significativamente a quantidade de
peixe produzido comparativamente com a pesca;
É possível manter uma dieta equilibrada e adequada às espécies
assegurando que se desenvolvam de forma saudável, não
alterando o seu valor nutritivo.
A Pesca em Portugal
A Frota Portuguesa
A frota de pesca portuguesa, a quarta maior da União
Europeia (UE), perdeu mais de 600 embarcações entre
2000 e 2004.
A frota portuguesa (10089 unidades) é a terceira mais
envelhecida da UE, com uma idade média de 25,7 anos e
um assinalável numero de embarcações com mais de 50
anos. De acordo com os dados do Eurostat, 94,4% das
embarcações de pesca portuguesas pesam menos de 25
toneladas, e 91% tem menos de 12 metros de
comprimento.
Agronoticias, 3/11/2005 (adaptado)
Navio bacalhoeiro Português,
Principais Características da Pesca
Portuguesa
Envelhecimento da frota;
Embarcações de reduzida dimensão;
Vocacionada quase exclusivamente para a pesca

costeira;
Mar com grande biodiversidade, mas em pequenas
quantidades;
Plataforma Continental de reduzida dimensão, apesar
da grande dimensão da ZEE;
Setor mais modernizado sofre os efeitos da grande
concorrência internacional, devido à falta de acordos
de pesca.
Medidas para a Pesca Portuguesa
Modernização da frota;
Novos navios de maior TAB (pesca em locais mais

longínquos; mas com maiores stocks piscícolas);
Aposta na formação profissional e na qualificação da
mão-de-obra;
Renovação das infraestruturas existentes (portos,
lotas e redes frigoríficas) ou construção de novos
equipamentos;
Negociação de novos acordos de pesca no âmbito da
Política Comum de Pescas, nomeadamente com o
aumento das quotas de captura;
Desenvolvimento da aquacultura.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
Ilda Bicacro
 
Tipos de Pesca
Tipos de PescaTipos de Pesca
Tipos de Pesca
Geografia .
 
A Atividade Piscatória
A Atividade PiscatóriaA Atividade Piscatória
A Atividade Piscatória
Catarina Castro
 
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Ilda Bicacro
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
Ilda Bicacro
 
A rede hidrográfica
A rede hidrográficaA rede hidrográfica
A rede hidrográfica
Rosária Zamith
 
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atualLitoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Idalina Leite
 
Disponibilidades Hídricas
Disponibilidades HídricasDisponibilidades Hídricas
Disponibilidades Hídricas
acbaptista
 
Aquicultura
AquiculturaAquicultura
Aquicultura
Miguel Jesus
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
Paula Oliveira Cruz
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
Lurdes Augusto
 
Obstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimentoObstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimento
Rosária Zamith
 
Resumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaResumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - Geografia
Ana Delgado
 
Região agrária do Ribatejo e Oeste.
Região agrária do Ribatejo e Oeste.Região agrária do Ribatejo e Oeste.
Região agrária do Ribatejo e Oeste.
Mariana Costa
 
Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Agricultura 11º ano (exceto PAC)Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Maria Inês Jorge
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
Helena Coutinho
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
Sara Guerra
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Raffaella Ergün
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticos
Ilda Bicacro
 

Mais procurados (20)

Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
 
Tipos de Pesca
Tipos de PescaTipos de Pesca
Tipos de Pesca
 
A Atividade Piscatória
A Atividade PiscatóriaA Atividade Piscatória
A Atividade Piscatória
 
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 
A rede hidrográfica
A rede hidrográficaA rede hidrográfica
A rede hidrográfica
 
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atualLitoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
 
Disponibilidades Hídricas
Disponibilidades HídricasDisponibilidades Hídricas
Disponibilidades Hídricas
 
Aquicultura
AquiculturaAquicultura
Aquicultura
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Obstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimentoObstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimento
 
Resumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaResumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - Geografia
 
Região agrária do Ribatejo e Oeste.
Região agrária do Ribatejo e Oeste.Região agrária do Ribatejo e Oeste.
Região agrária do Ribatejo e Oeste.
 
Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Agricultura 11º ano (exceto PAC)Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Agricultura 11º ano (exceto PAC)
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticos
 

Semelhante a Pesca

Tipos de pesca
Tipos de pescaTipos de pesca
Tipos de pesca
oscardcr
 
Pesca
PescaPesca
Atividade económica-Setor Primário-Pesca
Atividade económica-Setor Primário-PescaAtividade económica-Setor Primário-Pesca
Atividade económica-Setor Primário-Pesca
CarlaCarrio1
 
Pesca………………………………………………………………………………………..
Pesca………………………………………………………………………………………..Pesca………………………………………………………………………………………..
Pesca………………………………………………………………………………………..
MadalenaMatias4
 
Pesca
PescaPesca
IECJ - Cap. 13 - Oceanos e mares
IECJ - Cap. 13 - Oceanos e maresIECJ - Cap. 13 - Oceanos e mares
IECJ - Cap. 13 - Oceanos e mares
profrodrigoribeiro
 
Pesca
PescaPesca
Pesca
Mayjö .
 
A pesca esrp
A pesca esrpA pesca esrp
A pesca esrp
Geografias Geo
 
Pescas 2011
Pescas 2011Pescas 2011
Pescas 2011
Idalina Leite
 
A Pesca! Atividades Económicas
A Pesca! Atividades EconómicasA Pesca! Atividades Económicas
A Pesca! Atividades Económicas
Andre Alves
 
6 recursos marítimos correção
6 recursos marítimos correção6 recursos marítimos correção
6 recursos marítimos correção
CliaLouro2
 
6 Recursos marítimos CORREÇÃOooo (2).pdf
6 Recursos marítimos CORREÇÃOooo (2).pdf6 Recursos marítimos CORREÇÃOooo (2).pdf
6 Recursos marítimos CORREÇÃOooo (2).pdf
MarianaCombo
 
Pesca
Pesca Pesca
Relação politica publica pesca tecnologia sustentatbilidade
Relação politica publica pesca tecnologia sustentatbilidadeRelação politica publica pesca tecnologia sustentatbilidade
Relação politica publica pesca tecnologia sustentatbilidade
Victor Hugo Silva
 
Tipos de pesca e aquicultura.ppt
 Tipos de pesca e aquicultura.ppt Tipos de pesca e aquicultura.ppt
Tipos de pesca e aquicultura.ppt
ticia_23
 
Recursos Marinhos
Recursos MarinhosRecursos Marinhos
Recursos Marinhos
martapereiraaa
 
1.pesca -factores_e_tipos_fil_eminimizer_
1.pesca  -factores_e_tipos_fil_eminimizer_1.pesca  -factores_e_tipos_fil_eminimizer_
1.pesca -factores_e_tipos_fil_eminimizer_
Gonçalo Simões
 
Unidade4
Unidade4Unidade4
Trabalho de Geografia - grupo B
Trabalho de Geografia - grupo BTrabalho de Geografia - grupo B
Trabalho de Geografia - grupo B
androla
 
RECURSOS PESQUEIROS AMAZÔNICOS: STATUS ATUAL DA EXPLORAÇÃO E PERSPECTIVAS DE ...
RECURSOS PESQUEIROS AMAZÔNICOS: STATUS ATUAL DA EXPLORAÇÃO E PERSPECTIVAS DE ...RECURSOS PESQUEIROS AMAZÔNICOS: STATUS ATUAL DA EXPLORAÇÃO E PERSPECTIVAS DE ...
RECURSOS PESQUEIROS AMAZÔNICOS: STATUS ATUAL DA EXPLORAÇÃO E PERSPECTIVAS DE ...
Carlos Ferreira
 

Semelhante a Pesca (20)

Tipos de pesca
Tipos de pescaTipos de pesca
Tipos de pesca
 
Pesca
PescaPesca
Pesca
 
Atividade económica-Setor Primário-Pesca
Atividade económica-Setor Primário-PescaAtividade económica-Setor Primário-Pesca
Atividade económica-Setor Primário-Pesca
 
Pesca………………………………………………………………………………………..
Pesca………………………………………………………………………………………..Pesca………………………………………………………………………………………..
Pesca………………………………………………………………………………………..
 
Pesca
PescaPesca
Pesca
 
IECJ - Cap. 13 - Oceanos e mares
IECJ - Cap. 13 - Oceanos e maresIECJ - Cap. 13 - Oceanos e mares
IECJ - Cap. 13 - Oceanos e mares
 
Pesca
PescaPesca
Pesca
 
A pesca esrp
A pesca esrpA pesca esrp
A pesca esrp
 
Pescas 2011
Pescas 2011Pescas 2011
Pescas 2011
 
A Pesca! Atividades Económicas
A Pesca! Atividades EconómicasA Pesca! Atividades Económicas
A Pesca! Atividades Económicas
 
6 recursos marítimos correção
6 recursos marítimos correção6 recursos marítimos correção
6 recursos marítimos correção
 
6 Recursos marítimos CORREÇÃOooo (2).pdf
6 Recursos marítimos CORREÇÃOooo (2).pdf6 Recursos marítimos CORREÇÃOooo (2).pdf
6 Recursos marítimos CORREÇÃOooo (2).pdf
 
Pesca
Pesca Pesca
Pesca
 
Relação politica publica pesca tecnologia sustentatbilidade
Relação politica publica pesca tecnologia sustentatbilidadeRelação politica publica pesca tecnologia sustentatbilidade
Relação politica publica pesca tecnologia sustentatbilidade
 
Tipos de pesca e aquicultura.ppt
 Tipos de pesca e aquicultura.ppt Tipos de pesca e aquicultura.ppt
Tipos de pesca e aquicultura.ppt
 
Recursos Marinhos
Recursos MarinhosRecursos Marinhos
Recursos Marinhos
 
1.pesca -factores_e_tipos_fil_eminimizer_
1.pesca  -factores_e_tipos_fil_eminimizer_1.pesca  -factores_e_tipos_fil_eminimizer_
1.pesca -factores_e_tipos_fil_eminimizer_
 
Unidade4
Unidade4Unidade4
Unidade4
 
Trabalho de Geografia - grupo B
Trabalho de Geografia - grupo BTrabalho de Geografia - grupo B
Trabalho de Geografia - grupo B
 
RECURSOS PESQUEIROS AMAZÔNICOS: STATUS ATUAL DA EXPLORAÇÃO E PERSPECTIVAS DE ...
RECURSOS PESQUEIROS AMAZÔNICOS: STATUS ATUAL DA EXPLORAÇÃO E PERSPECTIVAS DE ...RECURSOS PESQUEIROS AMAZÔNICOS: STATUS ATUAL DA EXPLORAÇÃO E PERSPECTIVAS DE ...
RECURSOS PESQUEIROS AMAZÔNICOS: STATUS ATUAL DA EXPLORAÇÃO E PERSPECTIVAS DE ...
 

Mais de Rosária Zamith

Obstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimentoObstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimento
Rosária Zamith
 
Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)
Rosária Zamith
 
A dinâmica do litoral
A dinâmica do litoralA dinâmica do litoral
A dinâmica do litoral
Rosária Zamith
 
Dinâmica de Uma Bacia Hidrográfica
Dinâmica de Uma Bacia HidrográficaDinâmica de Uma Bacia Hidrográfica
Dinâmica de Uma Bacia Hidrográfica
Rosária Zamith
 
Cidades (blog)
Cidades (blog)Cidades (blog)
Cidades (blog)
Rosária Zamith
 
Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)
Rosária Zamith
 
O turismo
O turismoO turismo
O turismo
Rosária Zamith
 
Comércio internacional
Comércio internacionalComércio internacional
Comércio internacional
Rosária Zamith
 
A produção industrial
A produção industrialA produção industrial
A produção industrial
Rosária Zamith
 
Ambiente e sociedade
Ambiente e sociedadeAmbiente e sociedade
Ambiente e sociedade
Rosária Zamith
 
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Rosária Zamith
 
A dinâmica do litoral
A dinâmica do litoralA dinâmica do litoral
A dinâmica do litoral
Rosária Zamith
 
Escala – um elemento fundamental
Escala – um elemento fundamentalEscala – um elemento fundamental
Escala – um elemento fundamental
Rosária Zamith
 
Tabela 2008 Completa
Tabela 2008 CompletaTabela 2008 Completa
Tabela 2008 Completa
Rosária Zamith
 

Mais de Rosária Zamith (14)

Obstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimentoObstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimento
 
Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)
 
A dinâmica do litoral
A dinâmica do litoralA dinâmica do litoral
A dinâmica do litoral
 
Dinâmica de Uma Bacia Hidrográfica
Dinâmica de Uma Bacia HidrográficaDinâmica de Uma Bacia Hidrográfica
Dinâmica de Uma Bacia Hidrográfica
 
Cidades (blog)
Cidades (blog)Cidades (blog)
Cidades (blog)
 
Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)
 
O turismo
O turismoO turismo
O turismo
 
Comércio internacional
Comércio internacionalComércio internacional
Comércio internacional
 
A produção industrial
A produção industrialA produção industrial
A produção industrial
 
Ambiente e sociedade
Ambiente e sociedadeAmbiente e sociedade
Ambiente e sociedade
 
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
 
A dinâmica do litoral
A dinâmica do litoralA dinâmica do litoral
A dinâmica do litoral
 
Escala – um elemento fundamental
Escala – um elemento fundamentalEscala – um elemento fundamental
Escala – um elemento fundamental
 
Tabela 2008 Completa
Tabela 2008 CompletaTabela 2008 Completa
Tabela 2008 Completa
 

Pesca

  • 1.
  • 2. Turismo Petróleo, gás natural e outros minerais Aquacultura Desporto e lazer Pescado RECURSOS MARINHOS Energia das ondas e mares Sal
  • 3. A pesca é uma atividade económica muito importante, já que o peixe constitui um importante recurso alimentar e 12,5 milhões de pessoas ,a nível mundial, têm o seu emprego direta ou indiretamente associado à pesca.
  • 4. Os oceanos e as águas continentais são detentores de uma grande riqueza e constituem a grande esperança alimentícia de um mundo superpovoado. Existem áreas mais propícias à pesca do que outras. Tal deve-se a factores naturais.
  • 5. Factores condicionantes da actividade piscatória Profundidade das águas Temperatura das águas Salinidade Correntes marítimas
  • 6. Áreas oceânicas mais privilegiadas para o crescimento do pescado Plataformas continentais Áreas de choque de correntes marítimas
  • 7. PLATAFORMA CONTINENTAL É a parte do fundo oceânico de fraco declive que se estende desde o litoral até à profundidade de 200 metros.
  • 8. PLATAFORMA CONTINENTAL É a área com maior importância biológica no conjunto dos fundos oceânicos, devido: À fraca profundidade, que permite maior penetração de luz solar e favorece a formação de plâncton (alimento de muitas espécies de peixe) Às águas mais agitadas e, por isso, mais ricas em oxigénio e em plâncton À menor salinidade das águas, graças à agitação e às águas dos rios que nelas desaguam À grande riqueza de nutrientes orgânicos e inorgânicos que são transportados pelos rios.
  • 9. Costa Portuguesa  A costa ocidental portuguesa, com maior intensidade no Verão, sofre a influência da corrente de Portugal. A Corrente de Portugal, de direção Norte-Sul, é uma ramificação da Corrente Quente do Golfo do México (Gulf Stream), que surge no golfo do México e é arrastada pelos ventos de Oeste e Sudoeste para nordeste, em direção à Europa, onde chega ao norte da Escandinávia e ao oceano Glacial Ártico.
  • 10. Costa Portuguesa A Corrente de Portugal é uma corrente quente, não sendo, por isso, muito favorável ao desenvolvimento das atividades piscícolas. Contudo, os ventos fortes de quadrante norte (nortada), que se fazem sentir ao longo da costa, sobretudo no Verão, arrastam consigo para o largo as águas superficiais. Desenvolve-se assim, uma corrente de compensação, ou seja, as águas frias e profundas ascendem à superfície para substituir as que foram afastadas pelo vento, levando a um aumento da agitação das águas e a uma diminuição da temperatura, o que se traduz numa maior oxigenação das águas e numa maior abundância de plâncton e outros nutrientes. Esta corrente de compensação designa-se por upwelling.
  • 11. Upwelling – É uma corrente de ascendente de águas frias (do fundo para a superfície). O fenómeno de upwelling é, nos meses de Verão, responsável pelas maiores quantidades de espécies – como a sardinha, o carapau, …, ao longo da costa portuguesa.
  • 14.
  • 15. Águas do Nordeste Atlântico, junto à costa europeia – uma das mais importantes áreas de pesca a nível mundial . Espécies mais frequentes: arenque, bacalhau, atum e sardinha. Características: plataforma continental extensa, temperaturas relativamente baixas e escassa salinidade.
  • 16. Águas do Noroeste Atlântico, junto ao continente americano – outra área de grande exploração. Área chamada bancos da Terra Nova. Característica: plataforma continental extensa e onde a corrente fria do Lavrador se encontra com as águas quentes de correntes provenientes do Golfo do México.
  • 17. Outras áreas de exploração mais recente (à medida que as regiões de exploração tradicional dão provas de esgotamento): -Águas costeiras da Mauritânia, onde os pescadores portugueses têm conseguido licença de captura -Águas do Golfo da Guiné -Águas de alguns países da América Latina, como as dos mares das Falklands
  • 18.
  • 19.
  • 20. Tipos de pesca Pesca tradicional Pesca moderna (ver pág. 50
  • 21. Tipos de pesca quanto à área de pesca Pesca local – praticada em águas interiores ou perto da costa (até cerca de 10km) Pesca costeira – A partir de 10km (embarcações com maior potência e autonomia) Pesca de largo – a partir de +- 20km (embarcações de grande tonelagem, com meios de autonomia no mínimo de 15 dias) Praticada em águas internacionais ou ZEE estrangeiras por navios-fábrica (transformação, conservação e congelação do pescado a bordo). Permanência no mar semanas ou meses.
  • 22. ZEE portuguesa ZEE (Zona Económica Exclusiva) - Corresponde a uma área que se estende desde a linha de costa até 200 milhas marítimas (cerca de 320km). A ZEE portuguesa tem uma extensão aproximada de 1.727.408 Km² , e é a maior de todos os países da UE. Cada país fica responsável pela gestão das águas da sua ZEE, competindolhe a preservação da qualidade e quantidade de espécies piscícolas aí existentes. Águas internacionais – área marítimas de acesso livre a todos os países, situada a mais de duzentas milhas da costa. (1 milha = 1,609344 quilómetros)
  • 23.
  • 24. Impactos causados pela pesca Sobreexploração Risco de sobrevivência de muitas espécies Diminuição da capacidade reprodutora das diferentes espécies Poluição dos mares e oceanos Diminuição da qualidade e quantidade das espécies Põe em causa o equilíbrio dos ecossistemas marinhos
  • 25. Medidas de preservação das espécies piscícolas Criação das ZEE (definidas pela ONU 1982) Alargamento da malha das redes Definição de áreas ou épocas do ano em que se proíbe a pesca Estabelecimento de quotas em que se define a quantidade de capturas permitidas por espécie Prática da aquacultura
  • 26. A aquacultura: uma alternativa à pesca convencional Aquacultura – criação/produção em viveiro de recursos piscícolas e de vegetais marinhos (algas), através de técnicas que procuram recriar as condições favoráveis à reprodução e desenvolvimento dessas espécies. Uma forma de promover o equilíbrio natural Ver pág. 51 (manual faces da Terra 8 –parte 2 – areal editores)
  • 27. Desvantagens da aquacultura:  O número de peixes selvagens, como o salmão, e a sua qualidade tem vindo a sofrer alterações;  As rações e os produtos utilizados para esta prática podem prejudicar o ecossistema, caso sejam lançados no meio ambiente sem o devido tratamento;  Ambientalistas afirmam que a aquacultura serve a grandes grupos multinacionais, e não beneficia diretamente as populações ribeirinhas locais;  Os criadores utilizam grandes quantidades de proteínas de baixo custo para ração, produzindo produtos de alto custo (ex.: camarão), em vez de apostarem na produção de outras populações piscícolas, menos dispendiosas;  Rápida propagação de doenças e, consequentemente, um menor tempo de reação face a qualquer problema;  reduz-se a mão-de-obra necessária, pois a colheita é muito mais simples do que a realizada na pesca;  Aumentar a dispersão de espécies invasivas.
  • 28. De acordo com a FAO (Food and Agricultural Organization), um hectar cultivado com peixes produz mais do que com qualquer outro animal. Por isso, a aquacultura assume uma grande importância no panorama do abastecimento alimentar mundial; Oferece vantagens sociais às populações de inúmeros países onde o pescado marinho não pode chegar em boas condições sanitárias e a preços razoáveis; Alguns veem a produção orgânica de peixes como uma forma de manter a qualidade do pescado, sem alterar o equilíbrio ambiental; Consegue-se aumentar significativamente a quantidade de peixe produzido comparativamente com a pesca; É possível manter uma dieta equilibrada e adequada às espécies assegurando que se desenvolvam de forma saudável, não alterando o seu valor nutritivo.
  • 29. A Pesca em Portugal A Frota Portuguesa A frota de pesca portuguesa, a quarta maior da União Europeia (UE), perdeu mais de 600 embarcações entre 2000 e 2004. A frota portuguesa (10089 unidades) é a terceira mais envelhecida da UE, com uma idade média de 25,7 anos e um assinalável numero de embarcações com mais de 50 anos. De acordo com os dados do Eurostat, 94,4% das embarcações de pesca portuguesas pesam menos de 25 toneladas, e 91% tem menos de 12 metros de comprimento. Agronoticias, 3/11/2005 (adaptado)
  • 31. Principais Características da Pesca Portuguesa Envelhecimento da frota; Embarcações de reduzida dimensão; Vocacionada quase exclusivamente para a pesca costeira; Mar com grande biodiversidade, mas em pequenas quantidades; Plataforma Continental de reduzida dimensão, apesar da grande dimensão da ZEE; Setor mais modernizado sofre os efeitos da grande concorrência internacional, devido à falta de acordos de pesca.
  • 32. Medidas para a Pesca Portuguesa Modernização da frota; Novos navios de maior TAB (pesca em locais mais longínquos; mas com maiores stocks piscícolas); Aposta na formação profissional e na qualificação da mão-de-obra; Renovação das infraestruturas existentes (portos, lotas e redes frigoríficas) ou construção de novos equipamentos; Negociação de novos acordos de pesca no âmbito da Política Comum de Pescas, nomeadamente com o aumento das quotas de captura; Desenvolvimento da aquacultura.