Potencialidades do litoral
Recursos marítimos
 Portugal tem uma extensa linha de costa,
sobre a qual o mar exerce a sua ação erosiva,
determinando os atuais contornos ...
Ponta Delgada Cascais
As potencialidades do litoral
EriceiraViana do Castelo
 Proximidade do mar
• influencia fortemente ...
 Ao longo do litoral encontram-se inúmeras formas de utilização do mar
como recurso, nomeadamente:
• a pesca, a aquicultu...
• principalmente pela
acessibilidade que proporcionam,
As áreas costeiras…
atraem também:
• a indústria
• o comércio
• os...
As características da linha de costa
• área de contacto entre o mar e a terra
emersa, ao nível atingido pela maré mais
alt...
Fig. Características da linha de costa em Portugal
Continental.
A costa de praia, baixa e
arenosa, ocupa menor
extensão.
...
Fig.CaracterísticasdalinhadecostaemPortugal
Continental.
 Costa de arriba
alta e escarpada:
Fig.Vistaapartirdocabo
deSãoV...
 No litoral
norte…
Fig. Praia Norte, em Viana do Castelo (2012).
• a costa é sobretudo baixa e
rochosa, por corresponder ...
• com reentrâncias
propícias à deposição
de areias…
Fig. Praia da Manta Rota
e de Altura, no sotavento
algarvio (2012).
 ...
 Na Madeira e nos
Açores…
Fig.Umaspetodacosta,nonordesteda
ilhadeSãoMiguel(2012).
Fig.PraiadePorto
Santo(2009).
• a costa...
 As características da linha de costa resultam, da ação que o mar exerce
sobre ela, sendo continuamente modificada pela e...
 O poder erosivo
das ondas:
Fig. Recuo de uma arriba.
•arrancados à
base das arribas;
éreforçado
• ou lançados no mar pel...
• A abrasão marinha desgasta a base da arriba, retirando o apoio à parte superior (A), que
acaba por desmoronar-se (B).
• ...
 As arribas talhadas em
formações rochosas de maior
dureza resistem melhor à
abrasão marinha…
Fig. Aspeto da praia d’El R...
• Os fragmentos resultantes
do desgaste das arribas;
• assim como areias e outros
materiais de origem fluvial…
acumulando-...
 Por vezes, dá-se o
assoreamento da foz dos
rios e da entrada de
reentrâncias da costa…
Fig. Barreira de areia com uma es...
 A configuração da
linha de costa
• transgressões marinhas• regressões marinhas
também foi influenciada por
• movimentos ...
• áreas com características
próprias, que se destacam na
linha de costa
Fig. Principais acidentes da linha de
costa em Por...
 A ria de Aveiro…
• é, por vezes, denominada
haff-delta.
• laguna separada do mar por
uma espessa restinga;
• formou-se d...
Fig. Aspeto da ria Formosa e imagem de
satélite.
 A ria Formosa ou
ria de Faro…
• formada pela acumulação de
materiais tr...
As rias de Aveiro
e de Faro
• assumem grande
importância no litoral
português
 pelas atividades
que aí se
desenvolvem.
...
• constituem zonas húmidas de
grande riqueza ecológica;
Fig. Imagem de satélite dos estuários do
Tejo e do Sado.
Os estuár...
• outrora foi um grande golfo
cuja dimensão foi sendo
reduzida pela acumulação de
sedimentos marinhos.
Outros acidentes do...
• istmo resultante da acumulação de
areias e seixos transportados pelo
mar, que uniram uma pequena ilha ao
continente.
Fig...
Fig.Principaiscaboseportosdepesca,emPortugal
Continental.
• saliências talhadas em formações
rochosas muito resistentes, a...
• A linha de costa pouco recortada e
muito exposta a ventos e vagas; Daí a necessidade de construção
de abrigos e portos a...
A abundância de peixe
Principais fatores que influenciam os recursos piscatórios
base alimentar de
muitas espécies
marinh...
• extensão submersa da placa continental, de fraco declive e cuja
profundidade não ultrapassa os 200 metros. Termina com u...
Plataforma continental: fatores favoráveis
à abundância de recursos piscatórios
Baixa
profundidade
Maior
iluminação
Boas c...
Fig.Plataformacontinentalportuguesa(Continente).
• é quase inexistente nas Regiões
Autónomas,
• a sua largura, de um modo ...
 A plataforma continental
europeia:
Fig. Plataforma continental europeia.
• condição natural pouco favorável
à pesca port...
Correntes marítimas
• as áreas de confluência
de uma corrente fria com
uma quente,
• as correntes frias,
por isso, são mai...
A deriva do Atlântico Norte da corrente quente do
Golfo, de águas pobres em nutrientes, atinge a
costa portuguesa já em de...
Fig. Redução da temperatura do ar e da água por efeito do fenómeno de
upwelling, que torna possível pescar maior quantidad...
• a zona contígua – zona de mar alto entre
12 e 24 milhas marítimas, sobre a qual o
Estado pode exercer fiscalização para
...
• definida em 1982, na Conferência
Internacional sobre o Direito do Mar, da
ONU. Fig. ZEE portuguesa atual e a que poderá
...
 A ZEE portuguesa…
Fig. 2 ZEE portuguesa atual e a que poderá
resultar da proposta de alargamento, cuja
aprovação pelas N...
Potencialidades do litoral
Fim da apresentação
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pp potencialidades do litoral

2.390 visualizações

Publicada em

Pp potencialidades do litoral

  1. 1. Potencialidades do litoral Recursos marítimos
  2. 2.  Portugal tem uma extensa linha de costa, sobre a qual o mar exerce a sua ação erosiva, determinando os atuais contornos do litoral.  É nas áreas mais abrigadas que se situam os principais portos de mar.  Com uma plataforma continental estreita, os recursos piscatórios são menos abundantes… Potencialidades do litoral Fig. Plataforma continental portuguesa (Continente). • Porém, a presença de correntes marítimas, com ocorrência de upwelling, favorece a abundância de algumas espécies. •…pelo que Portugal se encontra em desvantagem face aos países da Europa do Norte e Ocidental.
  3. 3. Ponta Delgada Cascais As potencialidades do litoral EriceiraViana do Castelo  Proximidade do mar • influencia fortemente o clima e a vida humana. • a litoralização caracteriza a repartição da população e das atividades económicas. • potencial de recursos naturais e de oportunidades que o mar oferece;  que importa conhecer, preservar e valorizar. Potencialidades do litoral
  4. 4.  Ao longo do litoral encontram-se inúmeras formas de utilização do mar como recurso, nomeadamente: • a pesca, a aquicultura, a extração de sal, bem como atividades desportivas, turísticas, de lazer e recreio, entre outras. Observação de cetáceos Pico (Açores) Embarcações de recreio e turismo (Funchal) Extração de sal (ria de Aveiro) Potencialidades do litoral
  5. 5. • principalmente pela acessibilidade que proporcionam, As áreas costeiras… atraem também: • a indústria • o comércio • os serviços em geral  em particular nas Regiões Autónomas, pelo seu caráter insular. • permitindo o desenvolvimento das atividades portuárias, Potencialidades do litoral
  6. 6. As características da linha de costa • área de contacto entre o mar e a terra emersa, ao nível atingido pela maré mais alta, em período de calma.  Linha de costa… • sua configuração depende das formações rochosas do litoral. • pouco recortada em grande parte da sua extensão. • costa portuguesa, com mais de 2500 km Potencialidades do litoral
  7. 7. Fig. Características da linha de costa em Portugal Continental. A costa de praia, baixa e arenosa, ocupa menor extensão.  No litoral português… • predomina a costa de arriba, ora alta e escarpada ora mais baixa. Potencialidades do litoral
  8. 8. Fig.CaracterísticasdalinhadecostaemPortugal Continental.  Costa de arriba alta e escarpada: Fig.Vistaapartirdocabo deSãoVicente,paranorte (2012). • onde o mar contacta com afloramentos rochosos de maior dureza; no barlavento algarvio.  da Nazaré à foz do Tejo; do cabo Espichel à foz do Sado;  do cabo de Sines ao de São Vicente; Nazaré Foz do Tejo C. Espichel C. Sines C. São Vicente Barlavento Algarvio Potencialidades do litoral
  9. 9.  No litoral norte… Fig. Praia Norte, em Viana do Castelo (2012). • a costa é sobretudo baixa e rochosa, por corresponder a uma estreita faixa de costa de emersão. • embora seja talhada em formações rochosas de grande dureza… Potencialidades do litoral
  10. 10. • com reentrâncias propícias à deposição de areias… Fig. Praia da Manta Rota e de Altura, no sotavento algarvio (2012).  entre Espinho e São Pedro de Moel;  no estuário do Tejo;  da foz do Sado ao cabo de Sines;  no sotavento algarvio. • surge onde o mar contacta com formações rochosas mais brandas…  O litoral baixo: Fig. Praia da Baía – Espinho (2012). Potencialidades do litoral
  11. 11.  Na Madeira e nos Açores… Fig.Umaspetodacosta,nonordesteda ilhadeSãoMiguel(2012). Fig.PraiadePorto Santo(2009). • a costa de praia é pouco representativa… • domina o litoral de arriba alta, especialmente na parte norte das ilhas. as maiores extensões encontram-se: • em S. Miguel, nos Açores, • e na costa sul da ilha de Porto Santo, na Madeira. Potencialidades do litoral
  12. 12.  As características da linha de costa resultam, da ação que o mar exerce sobre ela, sendo continuamente modificada pela erosão marinha. Fig. A ação do mar transforma, lentamente, a linha de costa – arriba, em São Lourenço, Ericeira (2012). Ação do mar sobre a linha de costa Erosão marinha: processo de desgaste pela força do movimento constante das ondas (energia cinética), que desgasta e fragmenta as formações rochosas do litoral, de transporte e acumulação desses fragmentos A B Potencialidades do litoral
  13. 13.  O poder erosivo das ondas: Fig. Recuo de uma arriba. •arrancados à base das arribas; éreforçado • ou lançados no mar pelos rios e transportados pelas correntes marítimas. • pela areia e pelos fragmentos • projetados pelas ondas, provocam uma intensa erosão mecânica – abrasão marinha. • que leva ao progressivo recuo das arribas. Potencialidades do litoral
  14. 14. • A abrasão marinha desgasta a base da arriba, retirando o apoio à parte superior (A), que acaba por desmoronar-se (B). • Os fragmentos rochosos acumulam-se na base da arriba, na plataforma de abrasão (faixa entre o mar e a arriba, ligeiramente inclinada para o mar que, na maré baixa, fica emersa, submergindo na maré alta). • A continuidade do processo faz recuar a arriba, alargando a plataforma de abrasão (C). • No mar também se acumulam materiais do desgaste da arriba – plataforma de acumulação –, que continuam a ser desgastados e, muitas vezes, arrastados pelo mar. • Se uma arriba deixa de ser atingida pelo mar, considera-se arriba morta ou fóssil, como é o caso da arriba fóssil da Caparica. Fig.Recuodeumaarriba. Potencialidades do litoral
  15. 15.  As arribas talhadas em formações rochosas de maior dureza resistem melhor à abrasão marinha… Fig. Aspeto da praia d’El Rey, a norte do cabo Carvoeiro, na maré baixa (2012). … ao contrário das arribas de rochas mais brandas, que recuam mais facilmente. Potencialidades do litoral
  16. 16. • Os fragmentos resultantes do desgaste das arribas; • assim como areias e outros materiais de origem fluvial… acumulando-se e originando praias mais ou menos extensas, onde os materiais acumulados continuam a ser fragmentados e arredondados. …são transportados pelas correntes marítimas… …e depositados em áreas onde a velocidade das correntes é menor, Fig. Praia da Nazaré Potencialidades do litoral
  17. 17.  Por vezes, dá-se o assoreamento da foz dos rios e da entrada de reentrâncias da costa… Fig. Barreira de areia com uma estreita abertura para o mar, na foz do Arelho, associada à lagoa de Óbidos (2011). • formando-se restingas e barreiras de areia e seixos, a que, geralmente, se associam áreas lagunares. Potencialidades do litoral
  18. 18.  A configuração da linha de costa • transgressões marinhas• regressões marinhas também foi influenciada por • movimentos tectónicos e alterações climáticas que provocaram:  recuo do mar, que fez emergir áreas anteriormente submersas e que se transformam em costas de emersão;  avanço do mar sobre áreas continentais, que passam a estar submersas, constituindo costas de submersão. Potencialidades do litoral
  19. 19. • áreas com características próprias, que se destacam na linha de costa Fig. Principais acidentes da linha de costa em Portugal Continental. Principais acidentes do litoral português  Acidentes do litoral • originadas pela ação do mar sobre a linha de costa. Potencialidades do litoral
  20. 20.  A ria de Aveiro… • é, por vezes, denominada haff-delta. • laguna separada do mar por uma espessa restinga; • formou-se devido à regressão das águas do mar… •…e à acumulação de sedimentos marinhos transportados pelo rio Vouga. Fig. Aspeto de um braço da ria de Aveiro no centro da cidade (2012) e sua presumível evolução. Potencialidades do litoral
  21. 21. Fig. Aspeto da ria Formosa e imagem de satélite.  A ria Formosa ou ria de Faro… • formada pela acumulação de materiais transportados pela deriva litoral. • área lagunar, separada do mar por uma extensa restinga Potencialidades do litoral
  22. 22. As rias de Aveiro e de Faro • assumem grande importância no litoral português  pelas atividades que aí se desenvolvem.  pela diversidade de ecossistemas;  pela riqueza de recursos disponíveis; Fig. Ria de Aveiro.Fig. Ria de Faro. Potencialidades do litoral
  23. 23. • constituem zonas húmidas de grande riqueza ecológica; Fig. Imagem de satélite dos estuários do Tejo e do Sado. Os estuários do Tejo e do Sado  Estuários do Tejo e do Sado • pela sua dimensão, permitem um importante desenvolvimento das atividades portuárias; • onde foram definidas as reservas naturais do estuário do Tejo e do estuário do Sado. Potencialidades do litoral
  24. 24. • outrora foi um grande golfo cuja dimensão foi sendo reduzida pela acumulação de sedimentos marinhos. Outros acidentes do litoral Fig.ConchadeSãoMartinho. Fig.PraiadeSão MartinhodoPorto.  Concha de São Martinho do Porto • pequena baía com uma estreita abertura para o mar Potencialidades do litoral
  25. 25. • istmo resultante da acumulação de areias e seixos transportados pelo mar, que uniram uma pequena ilha ao continente. Fig. Tômbolo de Peniche. Fig. Peniche.  Tômbolo de Peniche Potencialidades do litoral
  26. 26. Fig.Principaiscaboseportosdepesca,emPortugal Continental. • saliências talhadas em formações rochosas muito resistentes, a maioria em costa alta. • proporcionam proteção natural e servem de abrigo aos portos de mar;  Na costa portuguesa, destacam- se ainda diversos cabos. Potencialidades do litoral
  27. 27. • A linha de costa pouco recortada e muito exposta a ventos e vagas; Daí a necessidade de construção de abrigos e portos artificiais, como são os casos de Leixões e Sines.• oferece poucas condições naturais propícias aos portos marítimos. Fig. Porto de Leixões – Matosinhos. Fonte:APDL–Administraçãodos PortosdoDouroeLeixões,SA Fig. Porto de Sines. Fonte:Administração doPortodeSines,SA  Portos marítimos • localizam-se, geralmente, no flanco sul dos cabos. Potencialidades do litoral
  28. 28. A abundância de peixe Principais fatores que influenciam os recursos piscatórios base alimentar de muitas espécies marinhas. • pelas condições de temperatura, iluminação, salinidade e oxigenação das águas; • de que depende a existência de maior ou menor quantidade de plâncton, • dependem muito da profundidade das águas e das correntes marítimas… é influenciada: • existem áreas de maior abundância e diversidade de espécies e outras onde os recursos piscatórios são mais escassos. Potencialidades do litoral
  29. 29. • extensão submersa da placa continental, de fraco declive e cuja profundidade não ultrapassa os 200 metros. Termina com um acentuado aumento do declive, no talude continental. Fig. O fundo marinho – da plataforma continental à zona abissal. A plataforma continental • área de grande abundância de pescado; Potencialidades do litoral
  30. 30. Plataforma continental: fatores favoráveis à abundância de recursos piscatórios Baixa profundidade Maior iluminação Boas condições para a formação de grandes quantidades de plâncton Águas mais agitadas Maior oxigenação Receção de água doce pelo desaguar dos rios • Menor teor de sal, pela mistura de água doce • Diversidade de nutrientes minerais e orgânicos transportados pelas águas fluviais Maior quantidade e diversidade de fauna marinha e de espécies vegetais (algas, limos, etc.) Potencialidades do litoral
  31. 31. Fig.Plataformacontinentalportuguesa(Continente). • é quase inexistente nas Regiões Autónomas, • a sua largura, de um modo geral, varia entre 30 e 60 km (maior extensão, cerca de 70 km, ao largo do cabo da Roca).  A plataforma Continental: • constitui somente cerca de 10% dos fundos marinhos; • proporcionam mais de 80% das capturas totais da pesca mundial. • em Portugal Continental, é relativamente estreita ao longo de todo o litoral, Potencialidades do litoral
  32. 32.  A plataforma continental europeia: Fig. Plataforma continental europeia. • condição natural pouco favorável à pesca portuguesa, por se traduzir numa menor abundância de pescado. • mais estreita na península Ibérica, • é mais extensa no noroeste da Europa. • a sul do cabo da Roca a sua extensão é ainda mais reduzida. Potencialidades do litoral
  33. 33. Correntes marítimas • as áreas de confluência de uma corrente fria com uma quente, • as correntes frias, por isso, são mais ricas em nutrientes; com origem na subida de águas profundas que arrastam matéria orgânica e mineral depositada no fundo do mar , favorecem a diversidade de espécies e a renovação dos stocks – reservas piscícolas. por originarem maior agitação e oxigenação das águas e consequente formação de plâncton  As correntes marítimas favorecem a abundância de pescado, sobretudo: Potencialidades do litoral
  34. 34. A deriva do Atlântico Norte da corrente quente do Golfo, de águas pobres em nutrientes, atinge a costa portuguesa já em deslocação para sul, tomando a designação de corrente de Portugal. A sudoeste do território, a corrente de Portugal encontra-se com a corrente fria das Canárias. O afloramento costeiro ou upwelling, que ocorre no verão, por efeito da nortada (ventos fortes de norte) que sopra no litoral, afastando as águas superficiais para o largo e originando uma corrente de compensação. Desfavorável à abundância de pescado. Favoráveis à abundância e qualidade de recursos piscatórios. EmPortugal: Potencialidades do litoral
  35. 35. Fig. Redução da temperatura do ar e da água por efeito do fenómeno de upwelling, que torna possível pescar maior quantidade de espécies como a sardinha e o carapau, nos meses de verão, em Portugal. Potencialidades do litoral
  36. 36. • a zona contígua – zona de mar alto entre 12 e 24 milhas marítimas, sobre a qual o Estado pode exercer fiscalização para prevenir ou reprimir infrações às suas leis; Fig. Espaços marítimos de soberania dos Estados costeiros. De quem é o mar?  A utilização dos mares como fonte de recursos tem suscitado algumas questões que, foram refletidas e discutidas a nível internacional…  A realização de várias conferências internacionais definiram: • o mar territorial ou águas territoriais – águas até 12 milhas dos limites exteriores da costa e sobre as quais o Estado detém soberania; Potencialidades do litoral
  37. 37. • definida em 1982, na Conferência Internacional sobre o Direito do Mar, da ONU. Fig. ZEE portuguesa atual e a que poderá resultar da proposta de alargamento.  A zona económica exclusiva – ZEE: • zona de soberania dos Estados costeiros sobre o espaço aéreo, o mar, os fundos e o subsolo marinhos, até uma distância de 200 milhas náuticas, • onde o Estado tem direitos de exploração, investigação, conservação e gestão dos recursos naturais. Potencialidades do litoral
  38. 38.  A ZEE portuguesa… Fig. 2 ZEE portuguesa atual e a que poderá resultar da proposta de alargamento, cuja aprovação pelas Nações Unidas dependerá da verificação de critérios que demonstrem a continuidade geológica e denominadores comuns, entre o atual espaço e o proposto. • extensão de quase 1 800 000 km2, • é a maior da UE e a 5.ª maior do Mundo; • Açores.• Portugal Continental • Madeira reparte-se por três áreas distintas: Potencialidades do litoral
  39. 39. Potencialidades do litoral
  40. 40. Fim da apresentação

×