SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Atividade Piscatória
• A principal área de pesca em Portugal é o MarTerritorial (zona até 12 milhas da costa).
•Atualmente, Portugal pratica a pesca longínqua no Noroeste e Nordeste Atlântico, no
Atlântico Centro e no Atlântico Sul.
• Depois da entrada de Portugal na União Europeia, o acesso às áreas de pesca
dificultou-se, uma vez que o nosso país tem a obrigação de respeitar as normas
comunitárias e a Política Comum de Pescas. Atualmente, Portugal apresenta a frota
mais pequena entre os estados-membros, sendo cada vez mais difícil obter licenças
para pescar fora da Zona Económica Exclusiva (ZEE).
A política comum das pescas é um conjunto de regras que se aplicam à gestão das frotas de pesca
europeias e à conservação das unidades populacionais de peixes. Concebida para gerir um recurso
comum, esta política confere a todas as frotas de pesca europeias igualdade de acesso às águas e
aos pesqueiros da UE e permite uma concorrência leal entre os pescadores. Os países da UE
tomaram medidas para assegurar a sustentabilidade da indústria da pesca europeia e evitar que esta
comprometa a dimensão e a produtividade das unidades populacionais a longo prazo.
• Garantir que a pesca e a aquicultura são sustentáveis do ponto de vista ambiental,
económico e social e que constituam uma fonte de alimentos saudáveis para os
cidadãos europeus;
• Promover um setor de pescas dinâmico e garantir um nível de vida justo para as
comunidades piscatórias;
• Estabelecer limites para que as práticas de pesca em demasia não prejudiquem o
bem estar dos peixes. Face a isto, a Política Comum de Pescas estipula que entre
2015 e 2020 vão ser estabelecidos limites de captura sustentáveis.
• A política comum das pescas adota, assim, uma abordagem prudente,
reconhecendo o impacto da atividade humana sobre todos os elementos
do ecossistema, procura tornar as frotas de pesca mais seletivas nas suas capturas
e acabar com a prática das devoluções de peixes indesejados.
Clique
A Política Comum das Pescas divide-se em quatro grandes áreas:
• Gestão da pesca;
• Política internacional;
• Política de mercado e política comercial;
• Financiamento da política:
FEP 2007-2013
FEAMP 2014-2020
As infraestruturas portuárias são muito
importantes pois permitem:
• a realização de operações de carga e descarga do pescado;
• a conservação do pescado e o escoamento do pescado.
Em Portugal, estas infraestruturas têm constituído um
impedimento à boa conservação e seu rápido
escoamento no mercado, devido:
• às técnicas de descargas serem ainda rudimentares;
Porto de Mar deVila Praia de
Âncora
•à pequena dimensão, uma vez que a sua capacidade de cargas e descargas é de
pequeno volume;
• à ausência de barreiras protetoras e de cais de acostagem e desembarque;
• à sua localização, pois são de difícil acesso;
• à falta de instalações para a conservação do pescado;
• à existência de algumas lotas sem as mínimas condições higiénicas.
Ações de modernização:
• o processo de venda direta vai passar a ser feito por um
sistema eletrónico e informatizado, o que permitirá uma
maior rapidez e transparência;
• a melhoria das ações de fiscalização do cumprimento
das regras de captura e higiene;
• o aumento e desenvolvimento dos equipamentos de
apoio aos portos, como câmaras frigoríficas, túneis de
congelação e fábricas de gelo, para apoio às atividades
de comercialização;
• o desenvolvimento de serviços de apoio como
escritórios, centro e abastecimento de combustíveis,
bancos, restaurantes, etc.
Porto de Mar de Lisboa
Porto de Mar do Douro
• A frota de pesca portuguesa de acordo com a área pode classificar-se como frota de:
- pesca local e costeira quando as embarcações são nas águas nacionais;
- pesca do largo ou longínqua, quando as embarcações atuam em águas internacionais.
Pesca Local
Pesca Costeira
Pesca do Largo ou Longínqua
• A pesca local é caracterizada por ser praticada em águas interiores ou perto da costa até 6
milhas como, por exemplo: rios, lagos, praias, entre outros;
Está associada:
- à utilização de artes de pesca com linhas, armadilhas…;
- ao tempo de permanência no mar ser curto;
- a um elevado número de embarcações de pequena dimensão;
- à criação de maior número de posto de trabalho;
- ao desembarque do pescado fresco de maior valor comercial como a pescada, o pargo, a
lampreia, etc.
• A pesca costeira é caracterizada por ser praticada em áreas afastadas da costa a uma distância
superior a 6 milhas da linha da costa.
Está associada:
- à utilização de embarcações de maior autonomia;
- às melhores condições de conservação do pescado a bordo;
- Ao facto do tempo de permanência no mar ser de 2 a 3 semanas.
• A pesca do largo ou longínqua é caracterizada por ser praticada em águas internacionais
nomeadamente no atlântico norte, na costa ocidental africana e no atlântico sul.
Está associada:
- à utilização de navios, equipados com tecnologias que permitem a transformação, conservação e
congelação do pescado;
- ao tempo de permanência no mar que é, normalmente, de semanas ou meses.
As técnicas bem como a forma de captura do pescado
permitem classificar a pesca como artesanal/tradicional ou
industrial.
PESCA ARTESANAL:
• Predomina nos países em desenvolvimento.
• As técnicas de capturas são rudimentares e pouco seletivas.
• As embarcações caracterizam-se como frágeis de pequena
dimensão e com equipamentos simples.
• Opera nas zonas costeiras.
• O destino do pescado é o autoconsumo e lotas ou mercados.
• As capturas são feitas em pequenas quantidades.
• A tripulação é reduzida.
PESCA INDUSTRIAL:
• Predomina nos países desenvolvidos.
• As técnicas de captura são sofisticadas.
• As embarcações caracterizam-se como resistentes de grande dimensão e com equipamento
sofisticado (semelhante ao de fábricas)
• Opera, muitas vezes, em países estrangeiros e em alto mar.
• O destino do pescado é o abastecimento de grandes mercados e de indústrias conserveiras.
• As capturas são feitas em grandes quantidades.
• A tripulação é numerosa.
• A frota nacional esta classificada em embarcações de pesca local costeira e do largo e engloba as
embarcações registadas nos portos do continente, na Região Autónoma dos Açores, e da Região
Autónoma da Madeira. As principais espécies desembarcadas de peixe fresco e refrigerado são: a
sardinha, a cavala, os polvos, os carapaus, o peixe-espada preto entre outras espécies similares.
Polvo
Carapau
CavalaSardinha
Peixe-
Espada
Preto
• A frota de pesca nacional registada a 1 de janeiro de 2015 é composta por 8161 embarcações com uma
capacidade total de arqueação bruta de 98343 GT e uma capacidade total em potência de 362627 kW.
Em termos de dimensão da frota comunitária, Portugal ocupa o quarto lugar relativamente ao estado
membro com o maior número de embarcações.
A frota divide se em três tipos:
• Frota de pesca local: são embarcações de pequena dimensão pois são de curto período de tempo,
onde se ocupa de águas do interior como os rios ou lagunas e perto da costa. São utilizados métodos
artesanais e captura se espécies de maior valor e ocupa maior parte dos pesca costeira: tem
embarcações de 9 a 33pescadores;
• Frota de metros: Usa-se alguns meios modernos de captura como o cerco e o arrasto.
• Frota de pesca do largo: tem autonomia para permanecer no mar durante longos períodos. Usa se
técnicas modernas de detenção e captura de cardumes, no entanto tem navios de conservação da
pescada com o apoio dos navios-fábrica.
• Características da mão-de-obra: o número de pescadores tem vindo a sofrer uma diminuição devido:
- Ao abandono da atividade;
- Reforma;
- Modernização funcional da frota.
O licenciamento da atividade de pesca marítima em águas internacionais tem como objetivo a utilização
das oportunidades de pesca de que Portugal dispõe, de acordo com o Princípio de Estabilidade Relativa
consagrado na Política Comum de Pesca (PCP) de 1983, em águas de alto-mar geridas por Organizações
Regionais de Pesca (ORP).
Organizações Regionais de Pesca do Norte:
• Operam atualmente 13 navios que dirigem a sua atividade essencialmente à captura de bacalhau,
cantarilho e palmeta.
• No Atlântico Noroeste, na área da NAFO - Northwest Atlantic Fisheries Organisation, a frota portuguesa
captura essencialmente cantarilho, bacalhau e palmeta, a par de outras quotas disponíveis para Portugal,
como abrótea e raia.
• As condições de operação são fixadas pelas Medidas de Conservação e Cumprimento que estabelecem
também as quotas anuais atribuídas para as diferentes espécies às Partes Contratantes.
• As condições de operação são estabelecidas pelas Recomendações adotadas anualmente para as
espécies regulamentadas - arenque, verdinho, sarda, cantarilho, arinca e espécies de profundidade - e pelo
Esquema de Controlo.
• No mar Mediterrâneo, a CGPM - Comissão Geral de Pescas para o Mediterrâneo, cuja origem remonta a
1949, adota recomendações relativas à conservação e gestão das pescas na respetiva área da Convenção.
Organizações Regionais de Pesca do Sul:
• A ICCAT - International Commission for the Conservation of Atlantic Tunas tem vindo a estabelecer
restrições à captura de espécies como o espadarte, atum rabilho, atum voador e atum patudo em todo o
Atlântico, com implicações sobre as quotas da UE e, consequentemente, portuguesas.
• As águas internacionais do Oceano Índico são regulamentadas por organizações que adotam resoluções,
condições e limitações ao exercício da pesca.
• Portugal não tem acesso ao licenciamento na zona da Convenção da sua frota palangreira de superfície,
estando proibida, nessa zona, a pesca de espadarte.
• É ainda de referir a existência de uma Organização Regional de Pesca cuja área regulamentar se situa
para lá dos limites das Zonas Económicas Exclusivas de Angola, Namíbia e África do Sul que visa a
conservação e gestão de espécies transzonais do Atlântico Sudeste e estabelece condições de operação
específicas, entre as quais o embarque obrigatório de observador científico a bordo durante toda a
campanha de pesca.
Organizações:
ICES - International Council for the Exploitation of the Sea;
NAFO - NorthwestAtlantic Fisheries Organisation;
NEAFC - North-East Atlantic Fisheries Commission;
CGPM - Comissão Geral de Pescas para o Mediterrâneo;
ICCAT - International Commission for the Conservation of Atlantic Tunas;
IOTC - Indian Ocean Tuna Commission;
SIOFA - South Indian Ocean Fisheries Agreement;
WCPFC – Western Central Pacific Fisheries Commission;
SPRFMO - South Pacific Regional Fisheries Management Organisation;
IATTC/CIAT - Inter-American TropicalTuna Commission; SEAFO - South East Atlantic Fisheries
Organisation.
0
10,000
20,000
30,000
40,000
50,000
60,000
70,000
80,000
Atum e Similares Carapau Sardinha Bacalhau
Peixe Descarregado - 2008
Total
0
10 000
20 000
30 000
40 000
50 000
60 000
70 000
Atum e Similares Carapau Sardinha Bacalhau
Peixe Descarregado - 2010
Total
0
5000
10000
15000
20000
25000
30000
35000
Atum e Similares Carapau Sardinha Bacalhau
Peixe Descarregado - 2012
Total
0
5,000
10,000
15,000
20,000
25,000
Atum e Similares Carapau Sardinha Bacalhau
Peixe Descarregado - 2014
Total
0
50,000
100,000
150,000
200,000
250,000
2008 2010 2012 2014
Total Peixe Descarregado
Total
• 2008- Crise económica que afetou drasticamente o nosso país inclusive todas as
atividades existentes incluindo a atividade piscatória;
• Diminuição do Peixe Descarregado de 2008 a 2014, passando de 213 556 para 166
302, respetivamente;
• Diminuição da Sardinha descarregada que ultrapassava as 75 mil toneladas e que
atualmente ultrapassa apenas as 15 mil toneladas;
• Contrariamente aos resultados da Sardinha surge o Carapau, que tem sofrido um
aumento, registando em 2010 um valor de 12 402 e em 2012 de 18900.
• O Bacalhau é um peixe que não regista uma pesca descarregada linear mas
comparativamente a 2008 apresenta valores superiores em 2014. EM 2008 este peixe
apresentava um descarga de 3 237 e em 2014 apresenta valores de 5 978.
• Por fim, o Atum que por sua vez, também não é constante exibe em 2014 um total de
12 349 e em 2012 de 14699, sendo o seu pico mais alto em 2010 de 18 924.
LOBATO Cláudia; OLIVEIRA Simone. Ensino Secundário. Geografia 10ºano: R@io-X
10
http://saberesnet.webnode.pt/disciplinas/geografia/a9%C2%BA%20ano/resumos/pesca/
http://ec.europa.eu/fisheries/cfp/index_pt.htm
http://www.dgrm.mam.gov.pt/xportal/xmain?xpid=dgrm&actualmenu=1470572&selecte
dmenu=1470597&xpgid=genericPageV2&conteudoDetalhe_v2=1473862
https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes&PUBLICACOESpub
_boui=128975&PUBLICACOEStema=55505&PUBLICACOESmodo=2
Trabalho Realizado Por:
Juliana Oliveira Nº 19
Rosa Inês Nº 24
Sara Oliveira Nº 27
SofiaTeixeira Nº 28
10ºLH2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoRita Pontes
 
Potencialidades do litoral
Potencialidades do litoralPotencialidades do litoral
Potencialidades do litoralIlda Bicacro
 
Pp a pesca em portugal
Pp a pesca em portugalPp a pesca em portugal
Pp a pesca em portugalmariasilva3851
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosRaffaella Ergün
 
Auto da barca do inferno- O frade
Auto da barca do inferno- O fradeAuto da barca do inferno- O frade
Auto da barca do inferno- O fradeZé Carlos Barbosa
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)Ilda Bicacro
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesvermar2010
 
Principais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesaPrincipais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesaThepatriciamartins12
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesAnaGomes40
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particularHelena Coutinho
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasIlda Bicacro
 
Características da população agrícola
Características da população agrícolaCaracterísticas da população agrícola
Características da população agrícolaMaria Adelaide
 
Recursos marítimos
Recursos marítimosRecursos marítimos
Recursos marítimosmanjosp
 
Sermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixesSermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixesLiliana Matos
 

Mais procurados (20)

As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºano
 
Potencialidades do litoral
Potencialidades do litoralPotencialidades do litoral
Potencialidades do litoral
 
Regioes agrarias
Regioes agrariasRegioes agrarias
Regioes agrarias
 
Tipos de Pesca
Tipos de PescaTipos de Pesca
Tipos de Pesca
 
Pp a pesca em portugal
Pp a pesca em portugalPp a pesca em portugal
Pp a pesca em portugal
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
 
Auto da barca do inferno- O frade
Auto da barca do inferno- O fradeAuto da barca do inferno- O frade
Auto da barca do inferno- O frade
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Principais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesaPrincipais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesa
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 
Características da população agrícola
Características da população agrícolaCaracterísticas da população agrícola
Características da população agrícola
 
Recursos marítimos
Recursos marítimosRecursos marítimos
Recursos marítimos
 
Pesca
PescaPesca
Pesca
 
Sermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixesSermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixes
 
Parlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglêsParlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglês
 

Destaque (20)

Pesca
PescaPesca
Pesca
 
Pesca
PescaPesca
Pesca
 
Mar e literatura
Mar e literaturaMar e literatura
Mar e literatura
 
Living library 20anos sve
Living library 20anos sveLiving library 20anos sve
Living library 20anos sve
 
A construção social da praia
A construção social da praiaA construção social da praia
A construção social da praia
 
Mar na literatura
Mar na literaturaMar na literatura
Mar na literatura
 
Tratamento de resíduos
Tratamento de resíduosTratamento de resíduos
Tratamento de resíduos
 
Concurso #rbcool regulamento
Concurso #rbcool regulamentoConcurso #rbcool regulamento
Concurso #rbcool regulamento
 
Portugal é mar guimarães
Portugal é mar guimarãesPortugal é mar guimarães
Portugal é mar guimarães
 
S. Valentim: "A Química e o Amor"
S. Valentim: "A Química e o Amor"S. Valentim: "A Química e o Amor"
S. Valentim: "A Química e o Amor"
 
Tipos de Pesca - Apresentação Oral - Geografia A 10º Ano
Tipos de Pesca - Apresentação Oral - Geografia A 10º AnoTipos de Pesca - Apresentação Oral - Geografia A 10º Ano
Tipos de Pesca - Apresentação Oral - Geografia A 10º Ano
 
Pesca
PescaPesca
Pesca
 
Pequenos corações verdes
Pequenos corações verdesPequenos corações verdes
Pequenos corações verdes
 
Pdf halloween 2015
Pdf halloween 2015Pdf halloween 2015
Pdf halloween 2015
 
1ª República em Portugal
1ª República em Portugal1ª República em Portugal
1ª República em Portugal
 
Palavras do mundo portugal
Palavras do mundo portugalPalavras do mundo portugal
Palavras do mundo portugal
 
1ª República em Guimarães
1ª República em Guimarães1ª República em Guimarães
1ª República em Guimarães
 
Pdf saber em gel
Pdf saber em gelPdf saber em gel
Pdf saber em gel
 
O cinema faz 120 anos
O cinema faz 120 anosO cinema faz 120 anos
O cinema faz 120 anos
 
O merlo branco português
O merlo branco   portuguêsO merlo branco   português
O merlo branco português
 

Semelhante a Pesca

Geografia 10ºC/BE3
Geografia 10ºC/BE3 Geografia 10ºC/BE3
Geografia 10ºC/BE3 Biblioteia
 
Tipos de Pesca, Geografia A - 11º ano, elementos da pesca
Tipos de Pesca, Geografia A - 11º ano, elementos da pescaTipos de Pesca, Geografia A - 11º ano, elementos da pesca
Tipos de Pesca, Geografia A - 11º ano, elementos da pescaMadalenaTasker
 
Recursos maritimos - Pesca
Recursos maritimos - PescaRecursos maritimos - Pesca
Recursos maritimos - Pescavando
 
Pesca………………………………………………………………………………………..
Pesca………………………………………………………………………………………..Pesca………………………………………………………………………………………..
Pesca………………………………………………………………………………………..MadalenaMatias4
 
Recursos Marítimos - Pesca
Recursos Marítimos - PescaRecursos Marítimos - Pesca
Recursos Marítimos - Pescavando
 
A Pesca! Atividades Económicas
A Pesca! Atividades EconómicasA Pesca! Atividades Económicas
A Pesca! Atividades EconómicasAndre Alves
 
Geografia 10ºC/ BE
Geografia 10ºC/  BEGeografia 10ºC/  BE
Geografia 10ºC/ BEBiblioteia
 
Terminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de SinesTerminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de SinesTânia Domingos
 
A pesca
A pescaA pesca
A pescaanatao
 
Atividade económica-Setor Primário-Pesca
Atividade económica-Setor Primário-PescaAtividade económica-Setor Primário-Pesca
Atividade económica-Setor Primário-PescaCarlaCarrio1
 
Geografia 10ºC/BE
Geografia 10ºC/BEGeografia 10ºC/BE
Geografia 10ºC/BEBiblioteia
 
A valorização do mar português
A valorização do mar portuguêsA valorização do mar português
A valorização do mar portuguêsIga Almeida
 

Semelhante a Pesca (20)

Geografia 10ºC/BE3
Geografia 10ºC/BE3 Geografia 10ºC/BE3
Geografia 10ºC/BE3
 
Conguefu
ConguefuConguefu
Conguefu
 
Tipos de Pesca, Geografia A - 11º ano, elementos da pesca
Tipos de Pesca, Geografia A - 11º ano, elementos da pescaTipos de Pesca, Geografia A - 11º ano, elementos da pesca
Tipos de Pesca, Geografia A - 11º ano, elementos da pesca
 
Recursos maritimos - Pesca
Recursos maritimos - PescaRecursos maritimos - Pesca
Recursos maritimos - Pesca
 
pesca.ppt
pesca.pptpesca.ppt
pesca.ppt
 
A pesca esrp
A pesca esrpA pesca esrp
A pesca esrp
 
Pesca………………………………………………………………………………………..
Pesca………………………………………………………………………………………..Pesca………………………………………………………………………………………..
Pesca………………………………………………………………………………………..
 
Recursos Marítimos - Pesca
Recursos Marítimos - PescaRecursos Marítimos - Pesca
Recursos Marítimos - Pesca
 
A Pesca! Atividades Económicas
A Pesca! Atividades EconómicasA Pesca! Atividades Económicas
A Pesca! Atividades Económicas
 
Geografia 10ºC/ BE
Geografia 10ºC/  BEGeografia 10ºC/  BE
Geografia 10ºC/ BE
 
Recursos Marinhos
Recursos MarinhosRecursos Marinhos
Recursos Marinhos
 
Pesca
Pesca Pesca
Pesca
 
Terminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de SinesTerminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de Sines
 
A pesca
A pescaA pesca
A pesca
 
Atividade económica-Setor Primário-Pesca
Atividade económica-Setor Primário-PescaAtividade económica-Setor Primário-Pesca
Atividade económica-Setor Primário-Pesca
 
Geografia 10ºC/BE
Geografia 10ºC/BEGeografia 10ºC/BE
Geografia 10ºC/BE
 
A valorização do mar português
A valorização do mar portuguêsA valorização do mar português
A valorização do mar português
 
Pesca 2
Pesca 2Pesca 2
Pesca 2
 
Pescas 2011
Pescas 2011Pescas 2011
Pescas 2011
 
Actividade Piscatória
Actividade PiscatóriaActividade Piscatória
Actividade Piscatória
 

Mais de Maria Paredes

Frankenstein - JÚLIA.pptx
Frankenstein - JÚLIA.pptxFrankenstein - JÚLIA.pptx
Frankenstein - JÚLIA.pptxMaria Paredes
 
ENGLISH VINGLISH - JÚLIA.pptx
ENGLISH VINGLISH - JÚLIA.pptxENGLISH VINGLISH - JÚLIA.pptx
ENGLISH VINGLISH - JÚLIA.pptxMaria Paredes
 
English Vinglish - BEATRIZ GUI.docx
English Vinglish - BEATRIZ GUI.docxEnglish Vinglish - BEATRIZ GUI.docx
English Vinglish - BEATRIZ GUI.docxMaria Paredes
 
Frankenstein - JÚLIA.pptx
Frankenstein - JÚLIA.pptxFrankenstein - JÚLIA.pptx
Frankenstein - JÚLIA.pptxMaria Paredes
 
Nicolinas - ORIANA.pptx
Nicolinas - ORIANA.pptxNicolinas - ORIANA.pptx
Nicolinas - ORIANA.pptxMaria Paredes
 
GUALTERIANAS - BEATRIZ GUIMARÃES -URL -FORM.pptx
GUALTERIANAS - BEATRIZ GUIMARÃES -URL -FORM.pptxGUALTERIANAS - BEATRIZ GUIMARÃES -URL -FORM.pptx
GUALTERIANAS - BEATRIZ GUIMARÃES -URL -FORM.pptxMaria Paredes
 
CHRISTMAS TRADITIONS - BEATRIZ GUI.pptx
CHRISTMAS TRADITIONS - BEATRIZ GUI.pptxCHRISTMAS TRADITIONS - BEATRIZ GUI.pptx
CHRISTMAS TRADITIONS - BEATRIZ GUI.pptxMaria Paredes
 
NOSSA SENHORA DA AGONIA - ANA LUÍSA-CRISTIANA.pptx
NOSSA SENHORA DA AGONIA - ANA LUÍSA-CRISTIANA.pptxNOSSA SENHORA DA AGONIA - ANA LUÍSA-CRISTIANA.pptx
NOSSA SENHORA DA AGONIA - ANA LUÍSA-CRISTIANA.pptxMaria Paredes
 
Texto 4 - A carta formal
Texto 4 - A carta formalTexto 4 - A carta formal
Texto 4 - A carta formalMaria Paredes
 
Textos 2 e 3 - Pequenos corações verdes
Textos 2 e 3 - Pequenos corações verdesTextos 2 e 3 - Pequenos corações verdes
Textos 2 e 3 - Pequenos corações verdesMaria Paredes
 
Ficha informativa +ficha de trabalho dicionário
Ficha informativa +ficha de trabalho dicionárioFicha informativa +ficha de trabalho dicionário
Ficha informativa +ficha de trabalho dicionárioMaria Paredes
 
Ficha de trabalho quem é quem +correção
Ficha de trabalho   quem é quem +correçãoFicha de trabalho   quem é quem +correção
Ficha de trabalho quem é quem +correçãoMaria Paredes
 
Avaliação do aluno na leitura
Avaliação do aluno na leituraAvaliação do aluno na leitura
Avaliação do aluno na leituraMaria Paredes
 
Descrição das sessões
Descrição das sessõesDescrição das sessões
Descrição das sessõesMaria Paredes
 
Melody - compreensão na leitura- INGLÊS
Melody -  compreensão na leitura- INGLÊSMelody -  compreensão na leitura- INGLÊS
Melody - compreensão na leitura- INGLÊSMaria Paredes
 
Melody - compreensão na leitura
Melody -   compreensão na leitura  Melody -   compreensão na leitura
Melody - compreensão na leitura Maria Paredes
 
Página de um diário - Leon leyson
Página de um diário -  Leon leysonPágina de um diário -  Leon leyson
Página de um diário - Leon leysonMaria Paredes
 
Textos do principezinho e o confinamento 10 lh4
Textos do principezinho e o confinamento   10 lh4Textos do principezinho e o confinamento   10 lh4
Textos do principezinho e o confinamento 10 lh4Maria Paredes
 
Portefólios do 10 LH4
Portefólios do 10 LH4Portefólios do 10 LH4
Portefólios do 10 LH4Maria Paredes
 
I am the tourism ambassador of my country
I am the tourism ambassador of my countryI am the tourism ambassador of my country
I am the tourism ambassador of my countryMaria Paredes
 

Mais de Maria Paredes (20)

Frankenstein - JÚLIA.pptx
Frankenstein - JÚLIA.pptxFrankenstein - JÚLIA.pptx
Frankenstein - JÚLIA.pptx
 
ENGLISH VINGLISH - JÚLIA.pptx
ENGLISH VINGLISH - JÚLIA.pptxENGLISH VINGLISH - JÚLIA.pptx
ENGLISH VINGLISH - JÚLIA.pptx
 
English Vinglish - BEATRIZ GUI.docx
English Vinglish - BEATRIZ GUI.docxEnglish Vinglish - BEATRIZ GUI.docx
English Vinglish - BEATRIZ GUI.docx
 
Frankenstein - JÚLIA.pptx
Frankenstein - JÚLIA.pptxFrankenstein - JÚLIA.pptx
Frankenstein - JÚLIA.pptx
 
Nicolinas - ORIANA.pptx
Nicolinas - ORIANA.pptxNicolinas - ORIANA.pptx
Nicolinas - ORIANA.pptx
 
GUALTERIANAS - BEATRIZ GUIMARÃES -URL -FORM.pptx
GUALTERIANAS - BEATRIZ GUIMARÃES -URL -FORM.pptxGUALTERIANAS - BEATRIZ GUIMARÃES -URL -FORM.pptx
GUALTERIANAS - BEATRIZ GUIMARÃES -URL -FORM.pptx
 
CHRISTMAS TRADITIONS - BEATRIZ GUI.pptx
CHRISTMAS TRADITIONS - BEATRIZ GUI.pptxCHRISTMAS TRADITIONS - BEATRIZ GUI.pptx
CHRISTMAS TRADITIONS - BEATRIZ GUI.pptx
 
NOSSA SENHORA DA AGONIA - ANA LUÍSA-CRISTIANA.pptx
NOSSA SENHORA DA AGONIA - ANA LUÍSA-CRISTIANA.pptxNOSSA SENHORA DA AGONIA - ANA LUÍSA-CRISTIANA.pptx
NOSSA SENHORA DA AGONIA - ANA LUÍSA-CRISTIANA.pptx
 
Texto 4 - A carta formal
Texto 4 - A carta formalTexto 4 - A carta formal
Texto 4 - A carta formal
 
Textos 2 e 3 - Pequenos corações verdes
Textos 2 e 3 - Pequenos corações verdesTextos 2 e 3 - Pequenos corações verdes
Textos 2 e 3 - Pequenos corações verdes
 
Ficha informativa +ficha de trabalho dicionário
Ficha informativa +ficha de trabalho dicionárioFicha informativa +ficha de trabalho dicionário
Ficha informativa +ficha de trabalho dicionário
 
Ficha de trabalho quem é quem +correção
Ficha de trabalho   quem é quem +correçãoFicha de trabalho   quem é quem +correção
Ficha de trabalho quem é quem +correção
 
Avaliação do aluno na leitura
Avaliação do aluno na leituraAvaliação do aluno na leitura
Avaliação do aluno na leitura
 
Descrição das sessões
Descrição das sessõesDescrição das sessões
Descrição das sessões
 
Melody - compreensão na leitura- INGLÊS
Melody -  compreensão na leitura- INGLÊSMelody -  compreensão na leitura- INGLÊS
Melody - compreensão na leitura- INGLÊS
 
Melody - compreensão na leitura
Melody -   compreensão na leitura  Melody -   compreensão na leitura
Melody - compreensão na leitura
 
Página de um diário - Leon leyson
Página de um diário -  Leon leysonPágina de um diário -  Leon leyson
Página de um diário - Leon leyson
 
Textos do principezinho e o confinamento 10 lh4
Textos do principezinho e o confinamento   10 lh4Textos do principezinho e o confinamento   10 lh4
Textos do principezinho e o confinamento 10 lh4
 
Portefólios do 10 LH4
Portefólios do 10 LH4Portefólios do 10 LH4
Portefólios do 10 LH4
 
I am the tourism ambassador of my country
I am the tourism ambassador of my countryI am the tourism ambassador of my country
I am the tourism ambassador of my country
 

Último

Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxMarceloMonteiro213738
 

Último (20)

Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 

Pesca

  • 2. • A principal área de pesca em Portugal é o MarTerritorial (zona até 12 milhas da costa).
  • 3. •Atualmente, Portugal pratica a pesca longínqua no Noroeste e Nordeste Atlântico, no Atlântico Centro e no Atlântico Sul.
  • 4. • Depois da entrada de Portugal na União Europeia, o acesso às áreas de pesca dificultou-se, uma vez que o nosso país tem a obrigação de respeitar as normas comunitárias e a Política Comum de Pescas. Atualmente, Portugal apresenta a frota mais pequena entre os estados-membros, sendo cada vez mais difícil obter licenças para pescar fora da Zona Económica Exclusiva (ZEE).
  • 5. A política comum das pescas é um conjunto de regras que se aplicam à gestão das frotas de pesca europeias e à conservação das unidades populacionais de peixes. Concebida para gerir um recurso comum, esta política confere a todas as frotas de pesca europeias igualdade de acesso às águas e aos pesqueiros da UE e permite uma concorrência leal entre os pescadores. Os países da UE tomaram medidas para assegurar a sustentabilidade da indústria da pesca europeia e evitar que esta comprometa a dimensão e a produtividade das unidades populacionais a longo prazo.
  • 6. • Garantir que a pesca e a aquicultura são sustentáveis do ponto de vista ambiental, económico e social e que constituam uma fonte de alimentos saudáveis para os cidadãos europeus; • Promover um setor de pescas dinâmico e garantir um nível de vida justo para as comunidades piscatórias; • Estabelecer limites para que as práticas de pesca em demasia não prejudiquem o bem estar dos peixes. Face a isto, a Política Comum de Pescas estipula que entre 2015 e 2020 vão ser estabelecidos limites de captura sustentáveis.
  • 7. • A política comum das pescas adota, assim, uma abordagem prudente, reconhecendo o impacto da atividade humana sobre todos os elementos do ecossistema, procura tornar as frotas de pesca mais seletivas nas suas capturas e acabar com a prática das devoluções de peixes indesejados. Clique
  • 8. A Política Comum das Pescas divide-se em quatro grandes áreas: • Gestão da pesca; • Política internacional; • Política de mercado e política comercial; • Financiamento da política: FEP 2007-2013 FEAMP 2014-2020
  • 9. As infraestruturas portuárias são muito importantes pois permitem: • a realização de operações de carga e descarga do pescado; • a conservação do pescado e o escoamento do pescado. Em Portugal, estas infraestruturas têm constituído um impedimento à boa conservação e seu rápido escoamento no mercado, devido: • às técnicas de descargas serem ainda rudimentares; Porto de Mar deVila Praia de Âncora
  • 10. •à pequena dimensão, uma vez que a sua capacidade de cargas e descargas é de pequeno volume; • à ausência de barreiras protetoras e de cais de acostagem e desembarque; • à sua localização, pois são de difícil acesso; • à falta de instalações para a conservação do pescado; • à existência de algumas lotas sem as mínimas condições higiénicas.
  • 11. Ações de modernização: • o processo de venda direta vai passar a ser feito por um sistema eletrónico e informatizado, o que permitirá uma maior rapidez e transparência; • a melhoria das ações de fiscalização do cumprimento das regras de captura e higiene; • o aumento e desenvolvimento dos equipamentos de apoio aos portos, como câmaras frigoríficas, túneis de congelação e fábricas de gelo, para apoio às atividades de comercialização; • o desenvolvimento de serviços de apoio como escritórios, centro e abastecimento de combustíveis, bancos, restaurantes, etc. Porto de Mar de Lisboa Porto de Mar do Douro
  • 12. • A frota de pesca portuguesa de acordo com a área pode classificar-se como frota de: - pesca local e costeira quando as embarcações são nas águas nacionais; - pesca do largo ou longínqua, quando as embarcações atuam em águas internacionais. Pesca Local Pesca Costeira Pesca do Largo ou Longínqua
  • 13. • A pesca local é caracterizada por ser praticada em águas interiores ou perto da costa até 6 milhas como, por exemplo: rios, lagos, praias, entre outros; Está associada: - à utilização de artes de pesca com linhas, armadilhas…; - ao tempo de permanência no mar ser curto; - a um elevado número de embarcações de pequena dimensão; - à criação de maior número de posto de trabalho; - ao desembarque do pescado fresco de maior valor comercial como a pescada, o pargo, a lampreia, etc.
  • 14. • A pesca costeira é caracterizada por ser praticada em áreas afastadas da costa a uma distância superior a 6 milhas da linha da costa. Está associada: - à utilização de embarcações de maior autonomia; - às melhores condições de conservação do pescado a bordo; - Ao facto do tempo de permanência no mar ser de 2 a 3 semanas.
  • 15. • A pesca do largo ou longínqua é caracterizada por ser praticada em águas internacionais nomeadamente no atlântico norte, na costa ocidental africana e no atlântico sul. Está associada: - à utilização de navios, equipados com tecnologias que permitem a transformação, conservação e congelação do pescado; - ao tempo de permanência no mar que é, normalmente, de semanas ou meses.
  • 16. As técnicas bem como a forma de captura do pescado permitem classificar a pesca como artesanal/tradicional ou industrial. PESCA ARTESANAL: • Predomina nos países em desenvolvimento. • As técnicas de capturas são rudimentares e pouco seletivas. • As embarcações caracterizam-se como frágeis de pequena dimensão e com equipamentos simples. • Opera nas zonas costeiras. • O destino do pescado é o autoconsumo e lotas ou mercados. • As capturas são feitas em pequenas quantidades. • A tripulação é reduzida.
  • 17. PESCA INDUSTRIAL: • Predomina nos países desenvolvidos. • As técnicas de captura são sofisticadas. • As embarcações caracterizam-se como resistentes de grande dimensão e com equipamento sofisticado (semelhante ao de fábricas) • Opera, muitas vezes, em países estrangeiros e em alto mar. • O destino do pescado é o abastecimento de grandes mercados e de indústrias conserveiras. • As capturas são feitas em grandes quantidades. • A tripulação é numerosa.
  • 18. • A frota nacional esta classificada em embarcações de pesca local costeira e do largo e engloba as embarcações registadas nos portos do continente, na Região Autónoma dos Açores, e da Região Autónoma da Madeira. As principais espécies desembarcadas de peixe fresco e refrigerado são: a sardinha, a cavala, os polvos, os carapaus, o peixe-espada preto entre outras espécies similares. Polvo Carapau CavalaSardinha Peixe- Espada Preto
  • 19. • A frota de pesca nacional registada a 1 de janeiro de 2015 é composta por 8161 embarcações com uma capacidade total de arqueação bruta de 98343 GT e uma capacidade total em potência de 362627 kW. Em termos de dimensão da frota comunitária, Portugal ocupa o quarto lugar relativamente ao estado membro com o maior número de embarcações. A frota divide se em três tipos: • Frota de pesca local: são embarcações de pequena dimensão pois são de curto período de tempo, onde se ocupa de águas do interior como os rios ou lagunas e perto da costa. São utilizados métodos artesanais e captura se espécies de maior valor e ocupa maior parte dos pesca costeira: tem embarcações de 9 a 33pescadores; • Frota de metros: Usa-se alguns meios modernos de captura como o cerco e o arrasto. • Frota de pesca do largo: tem autonomia para permanecer no mar durante longos períodos. Usa se técnicas modernas de detenção e captura de cardumes, no entanto tem navios de conservação da pescada com o apoio dos navios-fábrica.
  • 20. • Características da mão-de-obra: o número de pescadores tem vindo a sofrer uma diminuição devido: - Ao abandono da atividade; - Reforma; - Modernização funcional da frota.
  • 21. O licenciamento da atividade de pesca marítima em águas internacionais tem como objetivo a utilização das oportunidades de pesca de que Portugal dispõe, de acordo com o Princípio de Estabilidade Relativa consagrado na Política Comum de Pesca (PCP) de 1983, em águas de alto-mar geridas por Organizações Regionais de Pesca (ORP). Organizações Regionais de Pesca do Norte: • Operam atualmente 13 navios que dirigem a sua atividade essencialmente à captura de bacalhau, cantarilho e palmeta. • No Atlântico Noroeste, na área da NAFO - Northwest Atlantic Fisheries Organisation, a frota portuguesa captura essencialmente cantarilho, bacalhau e palmeta, a par de outras quotas disponíveis para Portugal, como abrótea e raia.
  • 22. • As condições de operação são fixadas pelas Medidas de Conservação e Cumprimento que estabelecem também as quotas anuais atribuídas para as diferentes espécies às Partes Contratantes. • As condições de operação são estabelecidas pelas Recomendações adotadas anualmente para as espécies regulamentadas - arenque, verdinho, sarda, cantarilho, arinca e espécies de profundidade - e pelo Esquema de Controlo. • No mar Mediterrâneo, a CGPM - Comissão Geral de Pescas para o Mediterrâneo, cuja origem remonta a 1949, adota recomendações relativas à conservação e gestão das pescas na respetiva área da Convenção. Organizações Regionais de Pesca do Sul: • A ICCAT - International Commission for the Conservation of Atlantic Tunas tem vindo a estabelecer restrições à captura de espécies como o espadarte, atum rabilho, atum voador e atum patudo em todo o Atlântico, com implicações sobre as quotas da UE e, consequentemente, portuguesas.
  • 23. • As águas internacionais do Oceano Índico são regulamentadas por organizações que adotam resoluções, condições e limitações ao exercício da pesca. • Portugal não tem acesso ao licenciamento na zona da Convenção da sua frota palangreira de superfície, estando proibida, nessa zona, a pesca de espadarte. • É ainda de referir a existência de uma Organização Regional de Pesca cuja área regulamentar se situa para lá dos limites das Zonas Económicas Exclusivas de Angola, Namíbia e África do Sul que visa a conservação e gestão de espécies transzonais do Atlântico Sudeste e estabelece condições de operação específicas, entre as quais o embarque obrigatório de observador científico a bordo durante toda a campanha de pesca.
  • 24. Organizações: ICES - International Council for the Exploitation of the Sea; NAFO - NorthwestAtlantic Fisheries Organisation; NEAFC - North-East Atlantic Fisheries Commission; CGPM - Comissão Geral de Pescas para o Mediterrâneo; ICCAT - International Commission for the Conservation of Atlantic Tunas; IOTC - Indian Ocean Tuna Commission; SIOFA - South Indian Ocean Fisheries Agreement; WCPFC – Western Central Pacific Fisheries Commission; SPRFMO - South Pacific Regional Fisheries Management Organisation; IATTC/CIAT - Inter-American TropicalTuna Commission; SEAFO - South East Atlantic Fisheries Organisation.
  • 25. 0 10,000 20,000 30,000 40,000 50,000 60,000 70,000 80,000 Atum e Similares Carapau Sardinha Bacalhau Peixe Descarregado - 2008 Total
  • 26. 0 10 000 20 000 30 000 40 000 50 000 60 000 70 000 Atum e Similares Carapau Sardinha Bacalhau Peixe Descarregado - 2010 Total
  • 27. 0 5000 10000 15000 20000 25000 30000 35000 Atum e Similares Carapau Sardinha Bacalhau Peixe Descarregado - 2012 Total
  • 28. 0 5,000 10,000 15,000 20,000 25,000 Atum e Similares Carapau Sardinha Bacalhau Peixe Descarregado - 2014 Total
  • 29. 0 50,000 100,000 150,000 200,000 250,000 2008 2010 2012 2014 Total Peixe Descarregado Total
  • 30. • 2008- Crise económica que afetou drasticamente o nosso país inclusive todas as atividades existentes incluindo a atividade piscatória; • Diminuição do Peixe Descarregado de 2008 a 2014, passando de 213 556 para 166 302, respetivamente; • Diminuição da Sardinha descarregada que ultrapassava as 75 mil toneladas e que atualmente ultrapassa apenas as 15 mil toneladas; • Contrariamente aos resultados da Sardinha surge o Carapau, que tem sofrido um aumento, registando em 2010 um valor de 12 402 e em 2012 de 18900. • O Bacalhau é um peixe que não regista uma pesca descarregada linear mas comparativamente a 2008 apresenta valores superiores em 2014. EM 2008 este peixe apresentava um descarga de 3 237 e em 2014 apresenta valores de 5 978. • Por fim, o Atum que por sua vez, também não é constante exibe em 2014 um total de 12 349 e em 2012 de 14699, sendo o seu pico mais alto em 2010 de 18 924.
  • 31. LOBATO Cláudia; OLIVEIRA Simone. Ensino Secundário. Geografia 10ºano: R@io-X 10 http://saberesnet.webnode.pt/disciplinas/geografia/a9%C2%BA%20ano/resumos/pesca/ http://ec.europa.eu/fisheries/cfp/index_pt.htm http://www.dgrm.mam.gov.pt/xportal/xmain?xpid=dgrm&actualmenu=1470572&selecte dmenu=1470597&xpgid=genericPageV2&conteudoDetalhe_v2=1473862 https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes&PUBLICACOESpub _boui=128975&PUBLICACOEStema=55505&PUBLICACOESmodo=2
  • 32. Trabalho Realizado Por: Juliana Oliveira Nº 19 Rosa Inês Nº 24 Sara Oliveira Nº 27 SofiaTeixeira Nº 28 10ºLH2