SlideShare uma empresa Scribd logo
Ficha de Avaliação
Correção                                GEOGRAFIA A

 11º Ano: Turma E                                                                 2012/01/18


                                                   I

 A figura 1 representa as unidades geomorfológicas que constituem o território
 português continental.

  1. As unidades geomorfológicas podem enunciar-
      se pela seguinte ordem cronológica, da mais
      recente para a mais antiga…
     A. Bacia Sedimentar do Tejo e Sado; Orlas
         Sedimentares Ocidental e Meridional; Maciço
         Antigo.
     B. Orla Sedimentar Ocidental; Bacia Sedimentar
         do Tejo e Sado; Orla Sedimentar Meridional;
         Maciço Antigo.
     C. Maciço Antigo; Bacia Sedimentar do Tejo e
         Sado;     Orlas    Sedimentares       Ocidental    e
         Meridional.
     D. Orla Sedimentar Meridional; Orla Sedimentar
         Ocidental; Bacia Sedimentar do Tejo e Sado;
         Maciço Antigo.
  2. A Bacia Sedimentar do Tejo e Sado é constituída            Fig. 1 – Unidades Geomorfológicas de
                                                                Portugal continental.
      por rochas sedimentares, dominando…
      A. Areias e argilas.
      B. Basaltos e calcários microcristalinos.
      C. Arenitos e mármores.
      D. Granitos e xistos.


                                                                                                 1
 As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo
                                                                   Maria dos Anjos Poeira
3. No Maciço Antigo, a secção norte distingue-se da secção sul porque…
     A. Apresenta um relevo aplanado e de baixa altitude.
     B. Aí se localizam as maiores reservas da União Europeia de ferro e caulino.
     C. É constituída dominantemente por rochas de origem magmática plutónica.
     D. Integra a maior cordilheira da Península Ibérica, onde se destaca a serra de
         Monchique.


4. As Orlas Sedimentares correspondem a unidades geomorfológicas…
     A. Caracterizadas pela existência de formas de relevo muito acidentadas.
     B. Dominadas por extensas peneplanícies, resultantes da acumulação de
         sedimentos fluviais.
     C. Onde dominam calcários arenitos e argilas.
     D. Que tiveram origem em fenómenos vulcânicos, pelo que aí dominam basaltos
         e granitos.


5. É no Maciço Antigo que se localizam as…
     A. Principais pedreiras de calcário para fins industriais.
     B. Mais importantes minas de sal-gema.
     C. Principais jazidas de recursos minerais metálicos.
     D. Maiores explorações de areias para exportação.


                                                  II
Os recursos do subsolo, tendo em vista as respetivas características físicas e
químicas, podem classificar-se em diferentes tipos.
1. Entre os minerais metálicos mais explorados no nosso país, contam-se…
     A. Ferro, volfrâmio e urânio.
     B. Diatomito, quartzo e cobre.
     C. Estanho, cobre e volfrâmio.
     D. Calcário microcristalino, barite e titânio.


2. A mina Neves Corvo constitui, atualmente, a maior reserva da União Europeia
   de…
   A. Ferro.
   B. Tungsténio.
   C. Urânio.
   D. Cobre.



                                                                                           2
As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo
                                                                  Maria dos Anjos Poeira
3. O sal-gema constitui um importante recurso mineral não metálico, que se explora
     em minas localizadas na secção norte do Maciço Antigo. Esta afirmação é…
     A. Verdadeira, porque a principal mina em exploração localiza-se na Urgeiriça.
     B. Verdadeira, porque se trata de um mineral de origem magmática.
     C. Falsa, porque as minas em funcionamento estão localizadas nas Orlas
         Sedimentares Ocidental e Meridional.
     D. Falsa, porque se trata de um recurso hidromineral explorado na secção sul do
         Maciço Antigo.


4. As rochas industriais mais exploradas em Portugal são…
     A. Ardósia e xisto.
     B. Areia e saibro.
     C. Argila e margas.
     D. Calcário sedimentar e granito.


5. A área mais importante de extração de mármores em Portugal localiza-se no
     Alentejo, na faixa…
     A. Alvito, Redondo, Vila Viçosa.
     B. Estremoz, Reguengos, Serpa.
     C. Estremoz, Borba, Vila Viçosa
     D. Borba, Moura, Serpa.




                                                                                      3
As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo
                                                           Maria dos Anjos Poeira
III



 Observa atentamente o gráfico da figura 2.




                   Fig. 2 – Evolução do valor de produção na indústria extrativa. (Fonte: DGE)


1. Descreve a evolução do valor de produção da indústria extrativa.
Resp. - O valor tem vindo, globalmente, a aumentar, salientando-se, a partir de
2003, a importância da produção dos minerais metálicos e a quebra registada ao
nível da produção das rochas industriais.
2. Apresenta três causas que justificam a evolução do valor da produção das águas
     minerais e de nascente.
Resp. – Melhoria do nível de vida da população; mudança de hábitos de
consumo; preocupação com a qualidade da água consumida…
3. Justifica a evolução do valor de produção dos minerais metálicos até 2003 e
     após essa data, considerando os minerais explorados, o contexto comercial e a
     tecnologia de exploração.
Resp. – Até 2003, o valor de produção dos minerais metálicos manteve-se
estável, mas a partir dessa data aumentou de forma muito significativa, devido à
subida da cotação desse recurso a nível mundial e à melhoria do desempenho
registado na exploração, na sequência da introdução de técnicas e tecnologias
mais sofisticadas, que tornaram o produto mais competitivo.




                                                                                                       4
As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo
                                                                              Maria dos Anjos Poeira
4. As águas termais incluem-se num subsector dos recursos hidrotermais que tem
     manifestado tendência para se expandir.

     Comenta a afirmação, referindo:
     - a evolução da importância das estâncias termais;
     - o esforço de revitalização das termas, tendo em vista o desenvolvimento
     regional.
Resp. – As estâncias termais, muito procuradas para fins terapêuticos,
começaram a entrar em decadência em meados do século XX, no decurso da
evolução da medicina e da farmacopeia. Atualmente, assiste-se, novamente, à
procura de estâncias termais, não só para fins medicinais mas também como
espaços de lazer, afastados do bulício do turismo massificado. Desta forma,
muitas estâncias estão a ser revitalizadas e são encaradas como âncoras para o
desenvolvimento regional, oferecendo emprego à população, divulgando a
região, promovendo a preservação do património e atraindo novos serviços. As
novas termas poderão, assim, ajudar a estancar o despovoamento e a dinamizar
economicamente e culturalmente as regiões.


                                                 IV
As cidades são lugares de concentração de população, não se utilizando para a
sua classificação critérios universais.

1. Em Portugal o critério utilizado para classificar os aglomerados populacionais
    como sendo cidade:
    A. Consiste na funcionalidade dominante (sector terciário).
    B. Conjuga o total de habitantes com a existência de um certo número de
         equipamentos e infraestruturas.
    C. Relaciona-se com a extensão espacial da aglomeração.
    D. Tem a ver com a capacidade reivindicativa dos cidadãos.

2. Em Portugal, o número mínimo de habitantes que um aglomerado deve ter para
    ascender à categoria de centro urbano é de:
    A. 5000.
    B. 10 000.
    C. 15 000.
    D. 50 000.



                                                                                    5
As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo
                                                           Maria dos Anjos Poeira
3. A diferenciação do espaço urbano em áreas funcionais é condicionado pela(o):
    A. Conjunto de características ambientais dos diferentes lugares.
    B. Diferente grau de acessibilidade dos diversos lugares.
    C. Maior ou menor concentração de monumentos históricos.
    D. Dinamismo económico dos vários espaços.

4. Área funcional é toda a superfície do espaço urbano:
    A. Onde domina o sector terciário.
    B. Equipada com infraestruturas de apoio ao comércio.
    C. Que apresenta certa homogeneidade ao nível da função dominante.
    D. Com elevado grau de acessibilidade.

5. O CBD:
    A. Caracteriza-se pela predominância do sector residencial da classe alta.
    B. Tem vindo a desaparecer nas cidades com maior dinamismo económico.
    C. Distingue-se pela concentração de um conjunto restrito de atividades ligadas
         ao comércio a retalho.
    D. Localiza-se nas áreas de maior acessibilidade.


                             V
Observa a figura 3


1. Define taxa de urbanização.
Resp. – ver manual (pág.253 – glossário)
2. Descreve a distribuição da taxa de urbanização
    em Portugal continental.
Resp. – A população urbana tende a concentrar-
se nos concelhos do litoral, com especial
destaque para os da Área Metropolitana do
Porto, da Área Metropolitana de Lisboa e do
litoral algarvio. No interior prevalecem os
concelhos de população rural, assinalando-se,
contudo, a concentração de população urbana
em algumas capitais de distrito.

                                                           Fig. 3 – Taxa de urbanização por concelho. (Fonte: INE)




                                                                                                                 6
As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo
                                                                    Maria dos Anjos Poeira
3. Explica o aumento nos valores da taxa de urbanização, registado em Portugal, a
    partir de meados do século XX.
Resp. – O processo de industrialização em Portugal intensificou-se a partir da
década de 60 do século XX e fez-se sentir com especial intensidade nos distritos
do litoral, onde existia mais mão-de-obra disponível, mais serviços de apoio à
indústria e maior facilidade de transportes e comunicações. No interior, a
persistência de uma agricultura tradicional de baixo rendimento e baixa
produtividade incentivou o êxodo rural. Os distritos do litoral conheceram,
nesse período, um impulso no crescimento demográfico e económico, imparável
até aos dias de hoje.
4. A figura põe em evidência o processo de litoralização a que se assiste em
    Portugal.
    4.1.     Comenta a afirmação.
    Resp. – A resposta deve ser estruturada apresentando:
    - definição do conceito de litoralização;
    - identificação das Áreas Metropolitanas do Porto e de Lisboa, como sendo
    áreas de maior concentração populacional e de atividades económicas;
    - referência à bipolarização da rede urbana;
    - relação do processo de litoralização com a intensificação das assimetrias
    regionais (litoral sobrepovoado/interior despovoado e envelhecido).
                                                 VI


Considera o Doc. 1.
                                              DOC. 1

                  Comércio e serviços: da Baixa lisboeta às novas centralidades
O centro terciário de comércio e serviços ocupa há muito a Baixa. Começou nos anos 60 a
migrar para norte pela Avenida da Liberdade (serviços) e pela Almirante Reis (comércio
especializado), para, depois de meados dos anos 70, se fixar na zona das Avenidas Novas,
que sofreram uma profunda alteração morfo-funcional com a substituição dos imóveis
habitacionais por edifícios de escritórios. A zona da Marquês de Pombal – Avenidas Novas é
hoje um verdadeiro bairro de negócios central onde se encontra a maior concentração de
serviços e empresas. Entretanto, a Baixa perdeu funções e atratividade deixando de ser o
centro da região urbana, para ser apenas um centro. Parte da Administração Pública do
País e do município mantém-se nas praças do Comércio – Município, mas a sede do governo
e muitos ministérios há anos que se dispersam pela cidade. De modo semelhante, o município
de Lisboa tem a maior parte dos serviços fora da Baixa, em larga medida concentrados no
Campo Grande.
O centro financeiro que se posicionava imediatamente a norte do centro administrativo está a
(re)constituir-se bem mais a norte no rebordo do centro terciário das avenidas em edifícios



                                                                                            7
As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo
                                                                   Maria dos Anjos Poeira
modernos (eixo Av. João XXI –Berna, com prolongamentos para a Av. Das Forças Armadas
onde se localiza a Bolsa de Valores), não obstante a permanência de sedes e edifícios de
representação dos bancos mais antigos na parte meridional da Baixa.

                   Adaptado de: Teresa Barata Salgueiro, «Desenvolvimento Urbano de Lisboa», Revista de Estudos Regionais,
                                                                                              RLVT, 2º Semestre de 2002.




1. Explica a forma tradicional de organização das atividades no CBD, tendo em
    conta os fatores que a influenciam.
2. Comenta a afirmação destacada, justificando as novas tendências de localização
    terciária nos centros urbanos.
3. Refere alguns problemas com que se debatem as áreas centrais de muitas
    cidades.
4. Aponta soluções para a resolução dos problemas referidos na alínea anterior.
Resp. – ver correção da ficha 16 do caderno de atividades publicada no blogue.




                                                                                                                         8
As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo
                                                                                   Maria dos Anjos Poeira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Problemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursosProblemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursos
manjosp
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Raffaella Ergün
 
Rede urbana nacional
Rede urbana nacionalRede urbana nacional
Rede urbana nacional
Cacilda Basto
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
Raffaella Ergün
 
Corr 11 teste2_dez_2016
Corr 11 teste2_dez_2016Corr 11 teste2_dez_2016
Corr 11 teste2_dez_2016
Ilda Bicacro
 
1 recursos do-subsolo (1)
1 recursos do-subsolo (1)1 recursos do-subsolo (1)
1 recursos do-subsolo (1)
Ilda Bicacro
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
Ilda Bicacro
 
Resumos Globais 10º
Resumos Globais 10ºResumos Globais 10º
Resumos Globais 10º
Gonçalo Paiva
 
1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo
CatarinaTavares28
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
Raffaella Ergün
 
A distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteA distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporte
Ilda Bicacro
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Ilda Bicacro
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
Ilda Bicacro
 
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
713773
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
Sara Guerra
 
A competitividade dos diferentes modos de transporte
A competitividade dos diferentes modos de transporteA competitividade dos diferentes modos de transporte
A competitividade dos diferentes modos de transporte
Ilda Bicacro
 
Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solar
Ilda Bicacro
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
713773
 
As Cidades Cbd
As Cidades CbdAs Cidades Cbd
As Cidades Cbd
Maria Adelaide
 
A organização das áreas urbanas
A organização das áreas urbanasA organização das áreas urbanas
A organização das áreas urbanas
Ilda Bicacro
 

Mais procurados (20)

Problemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursosProblemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursos
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
Rede urbana nacional
Rede urbana nacionalRede urbana nacional
Rede urbana nacional
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
 
Corr 11 teste2_dez_2016
Corr 11 teste2_dez_2016Corr 11 teste2_dez_2016
Corr 11 teste2_dez_2016
 
1 recursos do-subsolo (1)
1 recursos do-subsolo (1)1 recursos do-subsolo (1)
1 recursos do-subsolo (1)
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
 
Resumos Globais 10º
Resumos Globais 10ºResumos Globais 10º
Resumos Globais 10º
 
1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
 
A distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteA distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporte
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
 
A competitividade dos diferentes modos de transporte
A competitividade dos diferentes modos de transporteA competitividade dos diferentes modos de transporte
A competitividade dos diferentes modos de transporte
 
Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solar
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
 
As Cidades Cbd
As Cidades CbdAs Cidades Cbd
As Cidades Cbd
 
A organização das áreas urbanas
A organização das áreas urbanasA organização das áreas urbanas
A organização das áreas urbanas
 

Semelhante a Correção teste4 jan

Teste4 jan
Teste4 janTeste4 jan
Teste4 jan
manjosp
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
Filipe Leal
 
Geo 7 resp
Geo 7 respGeo 7 resp
Geo 7 resp
julio2012souto
 
Uern 2011
 Uern 2011 Uern 2011
Uern 2011
João Bosco Sousa
 
Uern 2011
 Uern 2011 Uern 2011
Uern 2011
BoscOliveira
 
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Teste 1 cn7 2018-2019_final
Teste 1 cn7 2018-2019_finalTeste 1 cn7 2018-2019_final
Teste 1 cn7 2018-2019_final
Ordem dos Biólogos
 
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptxrecursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
RitaMagalhaes16
 
Obj geografia - cartografia formação geológica do brasil-lista
Obj   geografia - cartografia formação geológica do brasil-listaObj   geografia - cartografia formação geológica do brasil-lista
Obj geografia - cartografia formação geológica do brasil-lista
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Geogab
GeogabGeogab
Geogab
NTE_Itaocara
 
Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro
Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morroTreinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro
Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro
Rogério Bartilotti
 
1º SIMULADO_ROFRAN_3º ANO 2023.docx
1º SIMULADO_ROFRAN_3º ANO 2023.docx1º SIMULADO_ROFRAN_3º ANO 2023.docx
1º SIMULADO_ROFRAN_3º ANO 2023.docx
Antonio Ednelson
 
Recursos marítimos
Recursos marítimosRecursos marítimos
Recursos marítimos
manjosp
 
Cova do vapor
Cova do vaporCova do vapor
Cova do vapor
Felipe Regues
 
Lista 2 - geografia
Lista 2 - geografiaLista 2 - geografia
Lista 2 - geografia
Gerson Coppes
 
Ficha de Trabalho - Relevo
Ficha de Trabalho - RelevoFicha de Trabalho - Relevo
Ficha de Trabalho - Relevo
abarros
 
Dinamica costeira 304
Dinamica costeira 304Dinamica costeira 304
Dinamica costeira 304
RCCBONFIM
 
Dragão do Mar - Estudo de Requalificação
Dragão do Mar - Estudo de Requalificação Dragão do Mar - Estudo de Requalificação
Dragão do Mar - Estudo de Requalificação
LUCIMARA GARCIA
 
GEOGRAFIA A - Síntese 2
GEOGRAFIA A - Síntese 2GEOGRAFIA A - Síntese 2
GEOGRAFIA A - Síntese 2
Idalina Leite
 
3 Exames nacionais Recursos Subsolo.pdf
3 Exames nacionais Recursos Subsolo.pdf3 Exames nacionais Recursos Subsolo.pdf
3 Exames nacionais Recursos Subsolo.pdf
Guilherme20061
 

Semelhante a Correção teste4 jan (20)

Teste4 jan
Teste4 janTeste4 jan
Teste4 jan
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
 
Geo 7 resp
Geo 7 respGeo 7 resp
Geo 7 resp
 
Uern 2011
 Uern 2011 Uern 2011
Uern 2011
 
Uern 2011
 Uern 2011 Uern 2011
Uern 2011
 
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
 
Teste 1 cn7 2018-2019_final
Teste 1 cn7 2018-2019_finalTeste 1 cn7 2018-2019_final
Teste 1 cn7 2018-2019_final
 
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptxrecursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
 
Obj geografia - cartografia formação geológica do brasil-lista
Obj   geografia - cartografia formação geológica do brasil-listaObj   geografia - cartografia formação geológica do brasil-lista
Obj geografia - cartografia formação geológica do brasil-lista
 
Geogab
GeogabGeogab
Geogab
 
Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro
Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morroTreinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro
Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro
 
1º SIMULADO_ROFRAN_3º ANO 2023.docx
1º SIMULADO_ROFRAN_3º ANO 2023.docx1º SIMULADO_ROFRAN_3º ANO 2023.docx
1º SIMULADO_ROFRAN_3º ANO 2023.docx
 
Recursos marítimos
Recursos marítimosRecursos marítimos
Recursos marítimos
 
Cova do vapor
Cova do vaporCova do vapor
Cova do vapor
 
Lista 2 - geografia
Lista 2 - geografiaLista 2 - geografia
Lista 2 - geografia
 
Ficha de Trabalho - Relevo
Ficha de Trabalho - RelevoFicha de Trabalho - Relevo
Ficha de Trabalho - Relevo
 
Dinamica costeira 304
Dinamica costeira 304Dinamica costeira 304
Dinamica costeira 304
 
Dragão do Mar - Estudo de Requalificação
Dragão do Mar - Estudo de Requalificação Dragão do Mar - Estudo de Requalificação
Dragão do Mar - Estudo de Requalificação
 
GEOGRAFIA A - Síntese 2
GEOGRAFIA A - Síntese 2GEOGRAFIA A - Síntese 2
GEOGRAFIA A - Síntese 2
 
3 Exames nacionais Recursos Subsolo.pdf
3 Exames nacionais Recursos Subsolo.pdf3 Exames nacionais Recursos Subsolo.pdf
3 Exames nacionais Recursos Subsolo.pdf
 

Mais de manjosp

Recursos hídricos2
Recursos hídricos2Recursos hídricos2
Recursos hídricos2
manjosp
 
Formas relevo litoral
Formas relevo litoralFormas relevo litoral
Formas relevo litoral
manjosp
 
3.a sessao -_ferramentas_web_2.0
3.a sessao -_ferramentas_web_2.03.a sessao -_ferramentas_web_2.0
3.a sessao -_ferramentas_web_2.0
manjosp
 
Tutorial issuu
Tutorial issuuTutorial issuu
Tutorial issuu
manjosp
 
Manual prezi-aluno
Manual prezi-alunoManual prezi-aluno
Manual prezi-aluno
manjosp
 
Manualcalameo
ManualcalameoManualcalameo
Manualcalameo
manjosp
 
Conteudos 2.a sessao
Conteudos 2.a sessaoConteudos 2.a sessao
Conteudos 2.a sessao
manjosp
 
Manual web20 professores
Manual web20 professoresManual web20 professores
Manual web20 professores
manjosp
 
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixõesBrochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
manjosp
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
manjosp
 
Tormes porto 10_11_maio
Tormes porto 10_11_maioTormes porto 10_11_maio
Tormes porto 10_11_maio
manjosp
 
Trabalho de grupo cidades
Trabalho de grupo cidadesTrabalho de grupo cidades
Trabalho de grupo cidades
manjosp
 
Teste5 fev
Teste5 fevTeste5 fev
Teste5 fev
manjosp
 
Cidades sustentabilidade urbana
Cidades sustentabilidade urbanaCidades sustentabilidade urbana
Cidades sustentabilidade urbana
manjosp
 
As áreas urbanas
As áreas urbanasAs áreas urbanas
As áreas urbanasmanjosp
 
Ficha 16
Ficha 16Ficha 16
Ficha 16
manjosp
 
Ficha 15
Ficha 15Ficha 15
Ficha 15
manjosp
 
Areas urbanas
Areas urbanasAreas urbanas
Areas urbanas
manjosp
 
Teste 3 dez 07
Teste 3 dez 07Teste 3 dez 07
Teste 3 dez 07
manjosp
 
Projeto a leitura e as ciências
Projeto a leitura e as ciênciasProjeto a leitura e as ciências
Projeto a leitura e as ciências
manjosp
 

Mais de manjosp (20)

Recursos hídricos2
Recursos hídricos2Recursos hídricos2
Recursos hídricos2
 
Formas relevo litoral
Formas relevo litoralFormas relevo litoral
Formas relevo litoral
 
3.a sessao -_ferramentas_web_2.0
3.a sessao -_ferramentas_web_2.03.a sessao -_ferramentas_web_2.0
3.a sessao -_ferramentas_web_2.0
 
Tutorial issuu
Tutorial issuuTutorial issuu
Tutorial issuu
 
Manual prezi-aluno
Manual prezi-alunoManual prezi-aluno
Manual prezi-aluno
 
Manualcalameo
ManualcalameoManualcalameo
Manualcalameo
 
Conteudos 2.a sessao
Conteudos 2.a sessaoConteudos 2.a sessao
Conteudos 2.a sessao
 
Manual web20 professores
Manual web20 professoresManual web20 professores
Manual web20 professores
 
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixõesBrochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
Tormes porto 10_11_maio
Tormes porto 10_11_maioTormes porto 10_11_maio
Tormes porto 10_11_maio
 
Trabalho de grupo cidades
Trabalho de grupo cidadesTrabalho de grupo cidades
Trabalho de grupo cidades
 
Teste5 fev
Teste5 fevTeste5 fev
Teste5 fev
 
Cidades sustentabilidade urbana
Cidades sustentabilidade urbanaCidades sustentabilidade urbana
Cidades sustentabilidade urbana
 
As áreas urbanas
As áreas urbanasAs áreas urbanas
As áreas urbanas
 
Ficha 16
Ficha 16Ficha 16
Ficha 16
 
Ficha 15
Ficha 15Ficha 15
Ficha 15
 
Areas urbanas
Areas urbanasAreas urbanas
Areas urbanas
 
Teste 3 dez 07
Teste 3 dez 07Teste 3 dez 07
Teste 3 dez 07
 
Projeto a leitura e as ciências
Projeto a leitura e as ciênciasProjeto a leitura e as ciências
Projeto a leitura e as ciências
 

Último

UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 

Último (20)

UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 

Correção teste4 jan

  • 1. Ficha de Avaliação Correção GEOGRAFIA A 11º Ano: Turma E 2012/01/18 I A figura 1 representa as unidades geomorfológicas que constituem o território português continental. 1. As unidades geomorfológicas podem enunciar- se pela seguinte ordem cronológica, da mais recente para a mais antiga… A. Bacia Sedimentar do Tejo e Sado; Orlas Sedimentares Ocidental e Meridional; Maciço Antigo. B. Orla Sedimentar Ocidental; Bacia Sedimentar do Tejo e Sado; Orla Sedimentar Meridional; Maciço Antigo. C. Maciço Antigo; Bacia Sedimentar do Tejo e Sado; Orlas Sedimentares Ocidental e Meridional. D. Orla Sedimentar Meridional; Orla Sedimentar Ocidental; Bacia Sedimentar do Tejo e Sado; Maciço Antigo. 2. A Bacia Sedimentar do Tejo e Sado é constituída Fig. 1 – Unidades Geomorfológicas de Portugal continental. por rochas sedimentares, dominando… A. Areias e argilas. B. Basaltos e calcários microcristalinos. C. Arenitos e mármores. D. Granitos e xistos. 1 As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo Maria dos Anjos Poeira
  • 2. 3. No Maciço Antigo, a secção norte distingue-se da secção sul porque… A. Apresenta um relevo aplanado e de baixa altitude. B. Aí se localizam as maiores reservas da União Europeia de ferro e caulino. C. É constituída dominantemente por rochas de origem magmática plutónica. D. Integra a maior cordilheira da Península Ibérica, onde se destaca a serra de Monchique. 4. As Orlas Sedimentares correspondem a unidades geomorfológicas… A. Caracterizadas pela existência de formas de relevo muito acidentadas. B. Dominadas por extensas peneplanícies, resultantes da acumulação de sedimentos fluviais. C. Onde dominam calcários arenitos e argilas. D. Que tiveram origem em fenómenos vulcânicos, pelo que aí dominam basaltos e granitos. 5. É no Maciço Antigo que se localizam as… A. Principais pedreiras de calcário para fins industriais. B. Mais importantes minas de sal-gema. C. Principais jazidas de recursos minerais metálicos. D. Maiores explorações de areias para exportação. II Os recursos do subsolo, tendo em vista as respetivas características físicas e químicas, podem classificar-se em diferentes tipos. 1. Entre os minerais metálicos mais explorados no nosso país, contam-se… A. Ferro, volfrâmio e urânio. B. Diatomito, quartzo e cobre. C. Estanho, cobre e volfrâmio. D. Calcário microcristalino, barite e titânio. 2. A mina Neves Corvo constitui, atualmente, a maior reserva da União Europeia de… A. Ferro. B. Tungsténio. C. Urânio. D. Cobre. 2 As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo Maria dos Anjos Poeira
  • 3. 3. O sal-gema constitui um importante recurso mineral não metálico, que se explora em minas localizadas na secção norte do Maciço Antigo. Esta afirmação é… A. Verdadeira, porque a principal mina em exploração localiza-se na Urgeiriça. B. Verdadeira, porque se trata de um mineral de origem magmática. C. Falsa, porque as minas em funcionamento estão localizadas nas Orlas Sedimentares Ocidental e Meridional. D. Falsa, porque se trata de um recurso hidromineral explorado na secção sul do Maciço Antigo. 4. As rochas industriais mais exploradas em Portugal são… A. Ardósia e xisto. B. Areia e saibro. C. Argila e margas. D. Calcário sedimentar e granito. 5. A área mais importante de extração de mármores em Portugal localiza-se no Alentejo, na faixa… A. Alvito, Redondo, Vila Viçosa. B. Estremoz, Reguengos, Serpa. C. Estremoz, Borba, Vila Viçosa D. Borba, Moura, Serpa. 3 As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo Maria dos Anjos Poeira
  • 4. III Observa atentamente o gráfico da figura 2. Fig. 2 – Evolução do valor de produção na indústria extrativa. (Fonte: DGE) 1. Descreve a evolução do valor de produção da indústria extrativa. Resp. - O valor tem vindo, globalmente, a aumentar, salientando-se, a partir de 2003, a importância da produção dos minerais metálicos e a quebra registada ao nível da produção das rochas industriais. 2. Apresenta três causas que justificam a evolução do valor da produção das águas minerais e de nascente. Resp. – Melhoria do nível de vida da população; mudança de hábitos de consumo; preocupação com a qualidade da água consumida… 3. Justifica a evolução do valor de produção dos minerais metálicos até 2003 e após essa data, considerando os minerais explorados, o contexto comercial e a tecnologia de exploração. Resp. – Até 2003, o valor de produção dos minerais metálicos manteve-se estável, mas a partir dessa data aumentou de forma muito significativa, devido à subida da cotação desse recurso a nível mundial e à melhoria do desempenho registado na exploração, na sequência da introdução de técnicas e tecnologias mais sofisticadas, que tornaram o produto mais competitivo. 4 As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo Maria dos Anjos Poeira
  • 5. 4. As águas termais incluem-se num subsector dos recursos hidrotermais que tem manifestado tendência para se expandir. Comenta a afirmação, referindo: - a evolução da importância das estâncias termais; - o esforço de revitalização das termas, tendo em vista o desenvolvimento regional. Resp. – As estâncias termais, muito procuradas para fins terapêuticos, começaram a entrar em decadência em meados do século XX, no decurso da evolução da medicina e da farmacopeia. Atualmente, assiste-se, novamente, à procura de estâncias termais, não só para fins medicinais mas também como espaços de lazer, afastados do bulício do turismo massificado. Desta forma, muitas estâncias estão a ser revitalizadas e são encaradas como âncoras para o desenvolvimento regional, oferecendo emprego à população, divulgando a região, promovendo a preservação do património e atraindo novos serviços. As novas termas poderão, assim, ajudar a estancar o despovoamento e a dinamizar economicamente e culturalmente as regiões. IV As cidades são lugares de concentração de população, não se utilizando para a sua classificação critérios universais. 1. Em Portugal o critério utilizado para classificar os aglomerados populacionais como sendo cidade: A. Consiste na funcionalidade dominante (sector terciário). B. Conjuga o total de habitantes com a existência de um certo número de equipamentos e infraestruturas. C. Relaciona-se com a extensão espacial da aglomeração. D. Tem a ver com a capacidade reivindicativa dos cidadãos. 2. Em Portugal, o número mínimo de habitantes que um aglomerado deve ter para ascender à categoria de centro urbano é de: A. 5000. B. 10 000. C. 15 000. D. 50 000. 5 As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo Maria dos Anjos Poeira
  • 6. 3. A diferenciação do espaço urbano em áreas funcionais é condicionado pela(o): A. Conjunto de características ambientais dos diferentes lugares. B. Diferente grau de acessibilidade dos diversos lugares. C. Maior ou menor concentração de monumentos históricos. D. Dinamismo económico dos vários espaços. 4. Área funcional é toda a superfície do espaço urbano: A. Onde domina o sector terciário. B. Equipada com infraestruturas de apoio ao comércio. C. Que apresenta certa homogeneidade ao nível da função dominante. D. Com elevado grau de acessibilidade. 5. O CBD: A. Caracteriza-se pela predominância do sector residencial da classe alta. B. Tem vindo a desaparecer nas cidades com maior dinamismo económico. C. Distingue-se pela concentração de um conjunto restrito de atividades ligadas ao comércio a retalho. D. Localiza-se nas áreas de maior acessibilidade. V Observa a figura 3 1. Define taxa de urbanização. Resp. – ver manual (pág.253 – glossário) 2. Descreve a distribuição da taxa de urbanização em Portugal continental. Resp. – A população urbana tende a concentrar- se nos concelhos do litoral, com especial destaque para os da Área Metropolitana do Porto, da Área Metropolitana de Lisboa e do litoral algarvio. No interior prevalecem os concelhos de população rural, assinalando-se, contudo, a concentração de população urbana em algumas capitais de distrito. Fig. 3 – Taxa de urbanização por concelho. (Fonte: INE) 6 As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo Maria dos Anjos Poeira
  • 7. 3. Explica o aumento nos valores da taxa de urbanização, registado em Portugal, a partir de meados do século XX. Resp. – O processo de industrialização em Portugal intensificou-se a partir da década de 60 do século XX e fez-se sentir com especial intensidade nos distritos do litoral, onde existia mais mão-de-obra disponível, mais serviços de apoio à indústria e maior facilidade de transportes e comunicações. No interior, a persistência de uma agricultura tradicional de baixo rendimento e baixa produtividade incentivou o êxodo rural. Os distritos do litoral conheceram, nesse período, um impulso no crescimento demográfico e económico, imparável até aos dias de hoje. 4. A figura põe em evidência o processo de litoralização a que se assiste em Portugal. 4.1. Comenta a afirmação. Resp. – A resposta deve ser estruturada apresentando: - definição do conceito de litoralização; - identificação das Áreas Metropolitanas do Porto e de Lisboa, como sendo áreas de maior concentração populacional e de atividades económicas; - referência à bipolarização da rede urbana; - relação do processo de litoralização com a intensificação das assimetrias regionais (litoral sobrepovoado/interior despovoado e envelhecido). VI Considera o Doc. 1. DOC. 1 Comércio e serviços: da Baixa lisboeta às novas centralidades O centro terciário de comércio e serviços ocupa há muito a Baixa. Começou nos anos 60 a migrar para norte pela Avenida da Liberdade (serviços) e pela Almirante Reis (comércio especializado), para, depois de meados dos anos 70, se fixar na zona das Avenidas Novas, que sofreram uma profunda alteração morfo-funcional com a substituição dos imóveis habitacionais por edifícios de escritórios. A zona da Marquês de Pombal – Avenidas Novas é hoje um verdadeiro bairro de negócios central onde se encontra a maior concentração de serviços e empresas. Entretanto, a Baixa perdeu funções e atratividade deixando de ser o centro da região urbana, para ser apenas um centro. Parte da Administração Pública do País e do município mantém-se nas praças do Comércio – Município, mas a sede do governo e muitos ministérios há anos que se dispersam pela cidade. De modo semelhante, o município de Lisboa tem a maior parte dos serviços fora da Baixa, em larga medida concentrados no Campo Grande. O centro financeiro que se posicionava imediatamente a norte do centro administrativo está a (re)constituir-se bem mais a norte no rebordo do centro terciário das avenidas em edifícios 7 As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo Maria dos Anjos Poeira
  • 8. modernos (eixo Av. João XXI –Berna, com prolongamentos para a Av. Das Forças Armadas onde se localiza a Bolsa de Valores), não obstante a permanência de sedes e edifícios de representação dos bancos mais antigos na parte meridional da Baixa. Adaptado de: Teresa Barata Salgueiro, «Desenvolvimento Urbano de Lisboa», Revista de Estudos Regionais, RLVT, 2º Semestre de 2002. 1. Explica a forma tradicional de organização das atividades no CBD, tendo em conta os fatores que a influenciam. 2. Comenta a afirmação destacada, justificando as novas tendências de localização terciária nos centros urbanos. 3. Refere alguns problemas com que se debatem as áreas centrais de muitas cidades. 4. Aponta soluções para a resolução dos problemas referidos na alínea anterior. Resp. – ver correção da ficha 16 do caderno de atividades publicada no blogue. 8 As áreas urbanas: dinâmicas internas/Recursos do subsolo Maria dos Anjos Poeira