SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
ATIVIDADE
         DE
   RECUPERAÇÃO                COLÉGIO ESTADUAL “OLAVO BILAC”
                                  ALUNO:...........................................................N:.....
       PROFESSOR                   SÉRIE: 1ª TURMA: “B” DATA:........./........./2012
  JORGE MARCOS


 1.     “O mito e uma narrativa. E um discurso, uma fala.              V.    Ocupa-se com os princípios, as causas e condições
        E uma forma de as sociedades espelharem suas                         do conhecimento que pretenda ser racional e
        contradições, exprimirem seus paradoxos,                             verdadeiro; põe em questão e problematiza
        duvidas e inquietações. Pode ser visto como uma                      valores morais, políticos, religiosos, artísticos e
        possibilidade de se refletir sobre a existência, o                   culturais.
        cosmos, as situações de ‘estar no mundo’ ou as
        relações sociais”. Everado Rocha.                             Das afirmações feitas acima

 Mediante essa definição geral de mito e correto afirmar               [A] I, III e V são corretas.
 que                                                                   [B] I e II são incorretas.
                                                                       [C] II, IV e V são corretas.
 [A] As sociedades com conhecimentos cientifico,                       [D] todas são corretas.
     tecnológico      e     filosófico  complexamente                  [E] todas são incorretas.
     constituídos não possuem mitos, pois eliminaram
     as duvidas e os paradoxos.                                       3.     “Só se pode entender o que é a filosofia, a que
 [B] Platão, um dos filósofos mais estudados e                               ponto ela não é uma coisa abstrata – da mesma
     influentes do pensamento ocidental, não recorria                        forma que um quadro ou uma obra musical não
     aos mitos em seus diálogos, apesar de ter sido o                        são absolutamente abstratos –, só através da
     primeiro a utilizar o termo mitologia.                                  história da filosofia, com a condição de concebê-la
 [C] alguns mitos oferecem modelos de vida e podem                           corretamente. (...) Há uma coisa que me parece
     servir como referencias para a vida de muitas                           certa: um filósofo não é uma pessoa que
     pessoas mesmo no século XXI.                                            contempla e também não é alguém que reflete.
 [D] D. as sociedades antigas, ocidentais e orientais,                       Um filósofo é alguém que cria. Só que ele cria um
     foram fundadas sobre o mesmo mito primitivo,                            tipo de coisa muito especial, ele cria conceitos. Os
     variando, apenas, os nomes de seus personagens.                         conceitos não nascem prontos, não andam pelo
 [E] Todas as afirmações acima estão corretas.                               céu, não são estrelas, não são contemplados. É
                                                                             preciso criá-los, fabricá-los em função dos
 2.     “Advento da Polis, nascimento da filosofia: entre                    problemas que são constituídos, problemas que o
        as duas ordens de fenômenos os vínculos são                          pensamento enfrenta e que têm um sentido. [Em
        demasiado estreitos para que o pensamento                            suma,] fazer filosofia é constituir problemas que
        racional não apareça, em suas origens, solidário                     têm um sentido e criar os conceitos que nos fazem
        das estruturas sociais e mentais próprias da                         avançar na compreensão e na solução dos
        cidade grega. Assim recolocada na história, a                        problemas”. Gilles Deleuze.
        filosofia despoja-se desse caráter de revelação
        absoluta que às vezes lhe foi atribuído, saudando,            Sobre o excerto acima seguem as seguintes afirmações:
        na jovem ciência dos jônios, a razão intemporal
        que veio encarnar-se no Tempo. A escola de                     I.    Para Deleuze a tarefa do filósofo é criativa.
        Mileto não viu nascer a Razão; ela construiu uma              II.    Conforme a concepção de Deleuze cabe à filosofia
        razão, uma primeira forma de racionalidade”.                         contemplar e refletir sobre os problemas que
        Jean Pierre Vernant.                                                 existem desde sempre e, para eles, encontrar
                                                                             conceitos que verdadeira e definitivamente os
 Sobre a Filosofia seguem as seguintes afirmações:                           solucionem.
                                                                     III.    A filosofia é uma atividade criativa, assim como a
  I.    Ela foi revelada pela deusa Razão a Tales de                         arte, no entanto o que ela cria são conceitos.
        Mileto quando este afirmou que o princípio de                 IV.    Deleuze retira do filósofo o direito à reflexão sobre
        tudo é a água.                                                       o mundo ou sobre o que os outros filósofos
 II.    Ela foi inventada pelos gregos e decorre do                          pensaram.
        advento da Polis, a cidade organizada por leis e
        instituições que, por meio delas, eliminou todo               Dessas afirmações
        tipo de disputa.
III.    Ela rejeita o sobrenatural, a interferência de                [A]    apenas uma está correta.
        agentes divinos na explicação dos fenômenos;                  [B]    apenas uma está incorreta.
        problematiza, discute e põe em questão até                    [C]    duas estão corretas e duas estão incorretas.
        mesmo as teorias racionais elaboradas com rigor               [D]    todas estão corretas.
        filosófico.                                                   [E]    todas estão incorretas.
IV.     Surgiu no século VI a.C. nas colônias gregas da
        Magna Grécia e da Jônia, apenas no século
        seguinte deslocou-se para Atenas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014
Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014
Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014Mary Alvarenga
 
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)Atividades Diversas Cláudia
 
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
Prova filosofia 1º ano /  I bimestreProva filosofia 1º ano /  I bimestre
Prova filosofia 1º ano / I bimestreMary Alvarenga
 
Atividade de Filosofia -1º, 2º e 3º ano - IV bimestre
Atividade de Filosofia -1º, 2º e 3º ano  -  IV bimestreAtividade de Filosofia -1º, 2º e 3º ano  -  IV bimestre
Atividade de Filosofia -1º, 2º e 3º ano - IV bimestreMary Alvarenga
 
Filosofia II bimestre- 2º ano
Filosofia  II bimestre- 2º anoFilosofia  II bimestre- 2º ano
Filosofia II bimestre- 2º anoMary Alvarenga
 
Avaliação de filosofia 1º ano 2º bimetre
Avaliação de filosofia   1º ano    2º bimetreAvaliação de filosofia   1º ano    2º bimetre
Avaliação de filosofia 1º ano 2º bimetreananiasdoamaral
 
Simulado de Filosofia - 1º ano / 2015
Simulado de Filosofia - 1º ano  / 2015 Simulado de Filosofia - 1º ano  / 2015
Simulado de Filosofia - 1º ano / 2015 Mary Alvarenga
 
Atividades Filosofia: Pré-Socráticos
Atividades Filosofia: Pré-SocráticosAtividades Filosofia: Pré-Socráticos
Atividades Filosofia: Pré-SocráticosDoug Caesar
 
Plano Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
Plano   Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano Plano   Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
Plano Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano Mary Alvarenga
 
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científicoAtividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científicoDoug Caesar
 
Cruzadinha de Filosofia - Política, poder e Estado
Cruzadinha de Filosofia -  Política, poder e EstadoCruzadinha de Filosofia -  Política, poder e Estado
Cruzadinha de Filosofia - Política, poder e EstadoMary Alvarenga
 
Atividade de Filosofia
Atividade de FilosofiaAtividade de Filosofia
Atividade de FilosofiaMary Alvarenga
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaMary Alvarenga
 
AVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docx
AVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docxAVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docx
AVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docxProf. Noe Assunção
 

Mais procurados (20)

Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014
Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014
Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014
 
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
 
Filosofia 8 ano
Filosofia  8 anoFilosofia  8 ano
Filosofia 8 ano
 
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
Prova filosofia 1º ano /  I bimestreProva filosofia 1º ano /  I bimestre
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
 
Atividade de Filosofia -1º, 2º e 3º ano - IV bimestre
Atividade de Filosofia -1º, 2º e 3º ano  -  IV bimestreAtividade de Filosofia -1º, 2º e 3º ano  -  IV bimestre
Atividade de Filosofia -1º, 2º e 3º ano - IV bimestre
 
Prova filosofia-1b-
Prova filosofia-1b-Prova filosofia-1b-
Prova filosofia-1b-
 
Filosofia II bimestre- 2º ano
Filosofia  II bimestre- 2º anoFilosofia  II bimestre- 2º ano
Filosofia II bimestre- 2º ano
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
Avaliação de filosofia 1º ano 2º bimetre
Avaliação de filosofia   1º ano    2º bimetreAvaliação de filosofia   1º ano    2º bimetre
Avaliação de filosofia 1º ano 2º bimetre
 
Simulado de Filosofia - 1º ano / 2015
Simulado de Filosofia - 1º ano  / 2015 Simulado de Filosofia - 1º ano  / 2015
Simulado de Filosofia - 1º ano / 2015
 
Atividades Filosofia: Pré-Socráticos
Atividades Filosofia: Pré-SocráticosAtividades Filosofia: Pré-Socráticos
Atividades Filosofia: Pré-Socráticos
 
Plano Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
Plano   Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano Plano   Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
Plano Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
 
Atitudes filosóficas
Atitudes filosóficasAtitudes filosóficas
Atitudes filosóficas
 
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científicoAtividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
 
Cruzadinha de Filosofia - Política, poder e Estado
Cruzadinha de Filosofia -  Política, poder e EstadoCruzadinha de Filosofia -  Política, poder e Estado
Cruzadinha de Filosofia - Política, poder e Estado
 
Prova filosofia 3º ano
Prova filosofia 3º anoProva filosofia 3º ano
Prova filosofia 3º ano
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Atividade de Filosofia
Atividade de FilosofiaAtividade de Filosofia
Atividade de Filosofia
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
AVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docx
AVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docxAVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docx
AVALIAÇÃO FINAL O QUE É FILOSOFIA - Prof.Ms. Noe Assunção.docx
 

Destaque

Texto excelente para refletir
Texto excelente para refletirTexto excelente para refletir
Texto excelente para refletirMary Alvarenga
 
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012Rafael Oliveira
 
UNICENTRO 2010 objetiva
UNICENTRO 2010 objetivaUNICENTRO 2010 objetiva
UNICENTRO 2010 objetivacursohistoria
 
Ufu 2007-2-prova-completa-1a-fase-1a-dia-c-gabarito
Ufu 2007-2-prova-completa-1a-fase-1a-dia-c-gabaritoUfu 2007-2-prova-completa-1a-fase-1a-dia-c-gabarito
Ufu 2007-2-prova-completa-1a-fase-1a-dia-c-gabaritoEdilene de S. Costa oliveira
 
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agostoLista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agostoGleycilene Garcia Lima
 
Atividades filosofia estoicismo, cinismo e ceticismo
Atividades filosofia estoicismo, cinismo e ceticismoAtividades filosofia estoicismo, cinismo e ceticismo
Atividades filosofia estoicismo, cinismo e ceticismoDoug Caesar
 
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio - 2º ano
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio -    2º ano Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio -    2º ano
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio - 2º ano Mary Alvarenga
 
Cruzadinha de Filosofia - estética
Cruzadinha de Filosofia  - estética    Cruzadinha de Filosofia  - estética
Cruzadinha de Filosofia - estética Mary Alvarenga
 
Texto: Pensar e conhecer
Texto: Pensar e conhecerTexto: Pensar e conhecer
Texto: Pensar e conhecerMary Alvarenga
 
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaDarlan Campos
 
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007Alex Eduardo Ribeiro
 
Empréstimos linguísticos
Empréstimos linguísticosEmpréstimos linguísticos
Empréstimos linguísticosLucas Jansen
 
Capítulo 10 – a origem de novas espécies
Capítulo 10 – a origem de novas espéciesCapítulo 10 – a origem de novas espécies
Capítulo 10 – a origem de novas espéciesLilian Nubia
 
Filosofia da razão à modernidade - nosso tempo
Filosofia da razão à modernidade -  nosso tempoFilosofia da razão à modernidade -  nosso tempo
Filosofia da razão à modernidade - nosso tempoLuci Bonini
 
Avaliação de filosofia 2° ano
Avaliação de filosofia   2° anoAvaliação de filosofia   2° ano
Avaliação de filosofia 2° anoananiasdoamaral
 
Prova de filosofia 1 ano e. i.
Prova de filosofia 1 ano e. i.Prova de filosofia 1 ano e. i.
Prova de filosofia 1 ano e. i.Tiago Melgaço
 

Destaque (20)

Texto excelente para refletir
Texto excelente para refletirTexto excelente para refletir
Texto excelente para refletir
 
A lenda da filosofia
A lenda da filosofia   A lenda da filosofia
A lenda da filosofia
 
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
 
Prova Filosofia
Prova FilosofiaProva Filosofia
Prova Filosofia
 
UNICENTRO 2010 objetiva
UNICENTRO 2010 objetivaUNICENTRO 2010 objetiva
UNICENTRO 2010 objetiva
 
Ufu 2007-2-prova-completa-1a-fase-1a-dia-c-gabarito
Ufu 2007-2-prova-completa-1a-fase-1a-dia-c-gabaritoUfu 2007-2-prova-completa-1a-fase-1a-dia-c-gabarito
Ufu 2007-2-prova-completa-1a-fase-1a-dia-c-gabarito
 
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agostoLista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
 
Atividades filosofia estoicismo, cinismo e ceticismo
Atividades filosofia estoicismo, cinismo e ceticismoAtividades filosofia estoicismo, cinismo e ceticismo
Atividades filosofia estoicismo, cinismo e ceticismo
 
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio - 2º ano
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio -    2º ano Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio -    2º ano
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio - 2º ano
 
Cruzadinha de Filosofia - estética
Cruzadinha de Filosofia  - estética    Cruzadinha de Filosofia  - estética
Cruzadinha de Filosofia - estética
 
Texto: Pensar e conhecer
Texto: Pensar e conhecerTexto: Pensar e conhecer
Texto: Pensar e conhecer
 
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
 
Prova final
Prova finalProva final
Prova final
 
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
Prova ENAD Tecnologia em Radiologia Médica - 2007
 
Empréstimos linguísticos
Empréstimos linguísticosEmpréstimos linguísticos
Empréstimos linguísticos
 
Avaliação de filosofia 1º ano
Avaliação de filosofia   1º anoAvaliação de filosofia   1º ano
Avaliação de filosofia 1º ano
 
Capítulo 10 – a origem de novas espécies
Capítulo 10 – a origem de novas espéciesCapítulo 10 – a origem de novas espécies
Capítulo 10 – a origem de novas espécies
 
Filosofia da razão à modernidade - nosso tempo
Filosofia da razão à modernidade -  nosso tempoFilosofia da razão à modernidade -  nosso tempo
Filosofia da razão à modernidade - nosso tempo
 
Avaliação de filosofia 2° ano
Avaliação de filosofia   2° anoAvaliação de filosofia   2° ano
Avaliação de filosofia 2° ano
 
Prova de filosofia 1 ano e. i.
Prova de filosofia 1 ano e. i.Prova de filosofia 1 ano e. i.
Prova de filosofia 1 ano e. i.
 

Semelhante a Prova de recuperação 1º ano b filosofia

Passagem do pensamento mítico ao filosófico
Passagem do pensamento mítico ao filosóficoPassagem do pensamento mítico ao filosófico
Passagem do pensamento mítico ao filosóficoRafael Oliveira
 
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Aula 01   filosofia mito, natureza e razãoAula 01   filosofia mito, natureza e razão
Aula 01 filosofia mito, natureza e razãoElizeu Nascimento Silva
 
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIO
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIOTrabalho Conclusão Didática - UNIRIO
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIOFabiana Melo Sousa
 
A evolução da reflexão humana.
A evolução da reflexão humana.A evolução da reflexão humana.
A evolução da reflexão humana.PatriciaKarla
 
Apostila de Filosofia
Apostila de FilosofiaApostila de Filosofia
Apostila de FilosofiaLuci Bonini
 
Conhecimento platônico
Conhecimento platônico Conhecimento platônico
Conhecimento platônico Camila Brito
 
Aula 06 - Epistemologias contemporâneas modernas - Deleuze e Morin
Aula 06 - Epistemologias contemporâneas modernas - Deleuze e MorinAula 06 - Epistemologias contemporâneas modernas - Deleuze e Morin
Aula 06 - Epistemologias contemporâneas modernas - Deleuze e MorinMarco Bonito
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo
Filosofia Grega Clássica ao HelenismoFilosofia Grega Clássica ao Helenismo
Filosofia Grega Clássica ao HelenismoCarson Souza
 
História da Filosofia dos Pré Socráticos ao Helenismo
História da Filosofia   dos Pré Socráticos ao HelenismoHistória da Filosofia   dos Pré Socráticos ao Helenismo
História da Filosofia dos Pré Socráticos ao HelenismoLucio Oliveira
 
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humanaEvolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana19121992
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.Altair Moisés Aguilar
 
AULAS FILOSOFIA.pdf SOCRATES E PLATAO E ARISTOTELES
AULAS FILOSOFIA.pdf SOCRATES E PLATAO E ARISTOTELESAULAS FILOSOFIA.pdf SOCRATES E PLATAO E ARISTOTELES
AULAS FILOSOFIA.pdf SOCRATES E PLATAO E ARISTOTELESluluzivania
 
A moral antiga e a moral moderna, de Victor Brochard
A moral antiga e a moral moderna, de Victor BrochardA moral antiga e a moral moderna, de Victor Brochard
A moral antiga e a moral moderna, de Victor BrochardJaimir Conte
 

Semelhante a Prova de recuperação 1º ano b filosofia (20)

Aula 1 filosofia
Aula 1 filosofiaAula 1 filosofia
Aula 1 filosofia
 
Passagem do pensamento mítico ao filosófico
Passagem do pensamento mítico ao filosóficoPassagem do pensamento mítico ao filosófico
Passagem do pensamento mítico ao filosófico
 
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Aula 01   filosofia mito, natureza e razãoAula 01   filosofia mito, natureza e razão
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
 
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIO
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIOTrabalho Conclusão Didática - UNIRIO
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIO
 
2a. apostila-de-filosofia
2a. apostila-de-filosofia2a. apostila-de-filosofia
2a. apostila-de-filosofia
 
1 apostila-filosofia go ok
1 apostila-filosofia go ok1 apostila-filosofia go ok
1 apostila-filosofia go ok
 
Antropologia
Antropologia Antropologia
Antropologia
 
A evolução da reflexão humana.
A evolução da reflexão humana.A evolução da reflexão humana.
A evolução da reflexão humana.
 
Mito a Filosofia.pptx
Mito a Filosofia.pptxMito a Filosofia.pptx
Mito a Filosofia.pptx
 
Apostila de Filosofia
Apostila de FilosofiaApostila de Filosofia
Apostila de Filosofia
 
Antropologia Filosófica
Antropologia FilosóficaAntropologia Filosófica
Antropologia Filosófica
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
 
Conhecimento platônico
Conhecimento platônico Conhecimento platônico
Conhecimento platônico
 
Aula 06 - Epistemologias contemporâneas modernas - Deleuze e Morin
Aula 06 - Epistemologias contemporâneas modernas - Deleuze e MorinAula 06 - Epistemologias contemporâneas modernas - Deleuze e Morin
Aula 06 - Epistemologias contemporâneas modernas - Deleuze e Morin
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo
Filosofia Grega Clássica ao HelenismoFilosofia Grega Clássica ao Helenismo
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo
 
História da Filosofia dos Pré Socráticos ao Helenismo
História da Filosofia   dos Pré Socráticos ao HelenismoHistória da Filosofia   dos Pré Socráticos ao Helenismo
História da Filosofia dos Pré Socráticos ao Helenismo
 
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humanaEvolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
 
AULAS FILOSOFIA.pdf SOCRATES E PLATAO E ARISTOTELES
AULAS FILOSOFIA.pdf SOCRATES E PLATAO E ARISTOTELESAULAS FILOSOFIA.pdf SOCRATES E PLATAO E ARISTOTELES
AULAS FILOSOFIA.pdf SOCRATES E PLATAO E ARISTOTELES
 
A moral antiga e a moral moderna, de Victor Brochard
A moral antiga e a moral moderna, de Victor BrochardA moral antiga e a moral moderna, de Victor Brochard
A moral antiga e a moral moderna, de Victor Brochard
 

Mais de Jorge Marcos Oliveira (20)

Texto sobre corrupção
Texto sobre corrupçãoTexto sobre corrupção
Texto sobre corrupção
 
19 de novembro
19 de novembro19 de novembro
19 de novembro
 
Memória das praças praça valadão
Memória das praças   praça valadãoMemória das praças   praça valadão
Memória das praças praça valadão
 
Um sonho e um pesadelo
Um sonho e um pesadeloUm sonho e um pesadelo
Um sonho e um pesadelo
 
Carnaval antigo
Carnaval antigoCarnaval antigo
Carnaval antigo
 
Aribé banese
Aribé baneseAribé banese
Aribé banese
 
Preseed 2014-revisão 23
Preseed 2014-revisão 23Preseed 2014-revisão 23
Preseed 2014-revisão 23
 
Preseed 2014-revisão 20
Preseed 2014-revisão 20Preseed 2014-revisão 20
Preseed 2014-revisão 20
 
Preseed 2014-revisão 18
Preseed 2014-revisão 18Preseed 2014-revisão 18
Preseed 2014-revisão 18
 
Preseed 2014-revisão 18
Preseed 2014-revisão 18Preseed 2014-revisão 18
Preseed 2014-revisão 18
 
Preseed 2014-revisão 16
Preseed 2014-revisão 16Preseed 2014-revisão 16
Preseed 2014-revisão 16
 
Preseed 2014-revisão 18
Preseed 2014-revisão 18Preseed 2014-revisão 18
Preseed 2014-revisão 18
 
Preseed 2014-revisão 17
Preseed 2014-revisão 17Preseed 2014-revisão 17
Preseed 2014-revisão 17
 
Preseed 2014-revisão 15
Preseed 2014-revisão 15Preseed 2014-revisão 15
Preseed 2014-revisão 15
 
Preseed 2014-revisão 14
Preseed 2014-revisão 14Preseed 2014-revisão 14
Preseed 2014-revisão 14
 
Preseed 2014-revisão 13
Preseed 2014-revisão 13Preseed 2014-revisão 13
Preseed 2014-revisão 13
 
Preseed 2014-revisão 13
Preseed 2014-revisão 13Preseed 2014-revisão 13
Preseed 2014-revisão 13
 
Preseed 2014-revisão 12
Preseed 2014-revisão 12Preseed 2014-revisão 12
Preseed 2014-revisão 12
 
Preseed 2014-revisão 11
Preseed 2014-revisão 11Preseed 2014-revisão 11
Preseed 2014-revisão 11
 
Preseed 2014-revisão 10
Preseed 2014-revisão 10Preseed 2014-revisão 10
Preseed 2014-revisão 10
 

Último

Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalErikOliveira40
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfEversonFerreira20
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 

Último (20)

Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 

Prova de recuperação 1º ano b filosofia

  • 1. ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO COLÉGIO ESTADUAL “OLAVO BILAC” ALUNO:...........................................................N:..... PROFESSOR SÉRIE: 1ª TURMA: “B” DATA:........./........./2012 JORGE MARCOS 1. “O mito e uma narrativa. E um discurso, uma fala. V. Ocupa-se com os princípios, as causas e condições E uma forma de as sociedades espelharem suas do conhecimento que pretenda ser racional e contradições, exprimirem seus paradoxos, verdadeiro; põe em questão e problematiza duvidas e inquietações. Pode ser visto como uma valores morais, políticos, religiosos, artísticos e possibilidade de se refletir sobre a existência, o culturais. cosmos, as situações de ‘estar no mundo’ ou as relações sociais”. Everado Rocha. Das afirmações feitas acima Mediante essa definição geral de mito e correto afirmar [A] I, III e V são corretas. que [B] I e II são incorretas. [C] II, IV e V são corretas. [A] As sociedades com conhecimentos cientifico, [D] todas são corretas. tecnológico e filosófico complexamente [E] todas são incorretas. constituídos não possuem mitos, pois eliminaram as duvidas e os paradoxos. 3. “Só se pode entender o que é a filosofia, a que [B] Platão, um dos filósofos mais estudados e ponto ela não é uma coisa abstrata – da mesma influentes do pensamento ocidental, não recorria forma que um quadro ou uma obra musical não aos mitos em seus diálogos, apesar de ter sido o são absolutamente abstratos –, só através da primeiro a utilizar o termo mitologia. história da filosofia, com a condição de concebê-la [C] alguns mitos oferecem modelos de vida e podem corretamente. (...) Há uma coisa que me parece servir como referencias para a vida de muitas certa: um filósofo não é uma pessoa que pessoas mesmo no século XXI. contempla e também não é alguém que reflete. [D] D. as sociedades antigas, ocidentais e orientais, Um filósofo é alguém que cria. Só que ele cria um foram fundadas sobre o mesmo mito primitivo, tipo de coisa muito especial, ele cria conceitos. Os variando, apenas, os nomes de seus personagens. conceitos não nascem prontos, não andam pelo [E] Todas as afirmações acima estão corretas. céu, não são estrelas, não são contemplados. É preciso criá-los, fabricá-los em função dos 2. “Advento da Polis, nascimento da filosofia: entre problemas que são constituídos, problemas que o as duas ordens de fenômenos os vínculos são pensamento enfrenta e que têm um sentido. [Em demasiado estreitos para que o pensamento suma,] fazer filosofia é constituir problemas que racional não apareça, em suas origens, solidário têm um sentido e criar os conceitos que nos fazem das estruturas sociais e mentais próprias da avançar na compreensão e na solução dos cidade grega. Assim recolocada na história, a problemas”. Gilles Deleuze. filosofia despoja-se desse caráter de revelação absoluta que às vezes lhe foi atribuído, saudando, Sobre o excerto acima seguem as seguintes afirmações: na jovem ciência dos jônios, a razão intemporal que veio encarnar-se no Tempo. A escola de I. Para Deleuze a tarefa do filósofo é criativa. Mileto não viu nascer a Razão; ela construiu uma II. Conforme a concepção de Deleuze cabe à filosofia razão, uma primeira forma de racionalidade”. contemplar e refletir sobre os problemas que Jean Pierre Vernant. existem desde sempre e, para eles, encontrar conceitos que verdadeira e definitivamente os Sobre a Filosofia seguem as seguintes afirmações: solucionem. III. A filosofia é uma atividade criativa, assim como a I. Ela foi revelada pela deusa Razão a Tales de arte, no entanto o que ela cria são conceitos. Mileto quando este afirmou que o princípio de IV. Deleuze retira do filósofo o direito à reflexão sobre tudo é a água. o mundo ou sobre o que os outros filósofos II. Ela foi inventada pelos gregos e decorre do pensaram. advento da Polis, a cidade organizada por leis e instituições que, por meio delas, eliminou todo Dessas afirmações tipo de disputa. III. Ela rejeita o sobrenatural, a interferência de [A] apenas uma está correta. agentes divinos na explicação dos fenômenos; [B] apenas uma está incorreta. problematiza, discute e põe em questão até [C] duas estão corretas e duas estão incorretas. mesmo as teorias racionais elaboradas com rigor [D] todas estão corretas. filosófico. [E] todas estão incorretas. IV. Surgiu no século VI a.C. nas colônias gregas da Magna Grécia e da Jônia, apenas no século seguinte deslocou-se para Atenas.