SlideShare uma empresa Scribd logo
Estrutura Geológica e Relevo
www.slideshare.net/demetrio33
www.melo-geografia.blogspot.com.br
www.facebook.com/demetrio.melo.71
Competência de Área
Competência de área 6 - Compreender a sociedade e a natureza,
reconhecendo suas interações no espaço em diferentes contextos
históricos e geográficos.
Habilidades
H26 - Identificar em fontes diversas o processo de ocupação dos meios
físicos e as relações da vida humana com a paisagem.
H29 - Reconhecer a função dos recursos naturais na produção do
espaço geográfico, relacionando-os com as mudanças provocadas
pelas ações humanas.
http://melo-geografia.blogspot.com.br/2013/06/diretrizes-
curriculares-em-geografia.html
2
O território físico brasileiro se constitui de um conjunto de rochas e
minerais de diferentes idades e materiais.
Predominam os materiais dos Éons Arqueano e Proterozoico, mas
existem diversas estruturas do Fenerozoico.
É de extrema importância os estudos sobre a dinâmica litológica,
seja em razão da disposição das edificações sobre a crosta, seja
por razões de produção econômica mineral.
No caso do relevo se constitui em importante fator na distribuição
das bacias hidrográficas, age como fator climático e interfere nas
temperaturas e dinâmicas das massas de ar.
3
Prof Demetrio Melo - Brasil: Estrutura Geológica e Relevo
5
Quando nos referimos a estrutura geológica o fazemos para
facilitar a classificação do relevo, e para isto leva-se em conta:
• as idades das rochas;
• as forças de atuação na crosta;
• a distribuição das rochas e minerais na crosta;
• a identificação das estruturas.
• São basicamente três macroestruturas do relevo terrestre:
dobramentos modernos, crátons (escudos cristalinos ou maciços)
e bacias sedimentares.
A Geologia é a ciência que estuda a gênese terrestre,
sua composição química, seus movimentos convectivos e
sua ação na crosta da Terra.
A Geomorfologia, por sua parte, estuda as feições da
litosfera, e os principais agentes de sua formação.
Nesse ponto se faz presente a dinâmica humana
enquanto agente geográfico.
6
São as forças tectônicas,
que permitem a formação
de vulcões, maremotos,
montanhas.
7
CICLO DAS ROCHAS
No movimento da deriva continental existe sempre a possibilidade
de choque entre as placas, nos limites ocorrem a orogênese, que é
a própria formação de montanhas.
A placa mais densa mergulha em direção ao manto (subducção),
enquanto que a continental se dobra no soerguimento.
8
São as grandes
cadeias de
montanhas da Terra
formadas a partir de
movimentos
orogenéticos na
crosta (encontro entre
placas tectônicas),
que tiveram origem
no Cenozoico (há
cerca de 65 milhões).
9
EPIROGÊNESE é a movimentação lenta e generalizada da crosta
terrestre, a qual sofre soerguimentos ou rebaixamentos amplos.
Soerguimentos são também definidos como "movimentos positivos"
(vertical e para cima) e abaixamentos como "movimento
negativo" (vertical e para baixo) das placas tectônicas.
Quando a epirogênese provoca rebaixamento do relevo pode
levar à transgressão marinha (avanço), e no soerguimento a
regressão marinha.
Este movimento também produz diferentes falhas na estrutura do
relevo.
10
Os escudos cristalinos são constituídos por rochas magmáticas e
metamórficas do Arqueano e Proterozoico. Aproximadamente
36% do território nacional é formado por esta estrutura
geológica, onde são explorados minérios metálicos e não
metálicos.
11
Planalto da Borborema com encosta escarpada. Trecho BR-230/PB
São as forças atmosféricas,
relativas aos fenômenos
climáticos que moldam a
superfície da litosfera. 12
GELO E NEVE
CHUVAS
São grandes estruturas da litosfera constituídas por espessas
camadas de rochas sedimentares. São resultado direto das forças
exógenas do relevo, que no caso brasileiro são muito abundantes.
A maior parte das bacias são fanerozoicas.
13
Serra da Capivara: formação
sedimentar do quaternário.
Localizado no estado do Piauí
O Brasil tem cerca de 60% de seu território ocupado por bacias
sedimentares, totalizando uma área de 6.436.200 km², dos quais
76% estão em terra e 24% em plataforma continental.
• Datadas do Paleozoico, do Mesozoico e do Cenozoico, as bacias
sedimentares brasileiras são divididas em três tipos, a saber:
• Bacias sedimentares de grande extensão: bacias Amazônica, do
Parnaíba (ou Meio-Norte), do Paraná (ou Paranaica) e Central;
• Bacias sedimentares de menor extensão: bacias do Pantanal Mato-
Grossense, do São Francisco (ou Sanfranciscana), do Recôncavo
Tucano e a Litorânea;
• Bacias de compartimento de planalto (bacias muito pequenas):
bacias de Curitiba, Taubaté e São Paulo, dentre outras.
• Atualmente, nove das bacias sedimentares brasileiras são
produtoras de petróleo. São elas: Campos, Espírito Santo, Tucano,
Recôncavo, Santos, Sergipe-Alagoas, Potiguar, Ceará e Solimões.
14
As diversas mudanças no
planeta Terra são
catalogadas de acordos
com os Éons, Eras, Períodos
e Épocas
15
Aroldo de Azevedo
16
Aziz Ab’Saber Jurandyr. S Ross
Para Azevedo o relevo
brasileiro era
constituído de duas
feições:
> Planícies= 03
> Planaltos= 08
Percebe-se que a
preocupação central era
quanto a altimetria
O mérito dessa
classificação foi a
introdução da
geomorfologia, além de
o País passar a ter uma
única regionalização.
17
Aziz introduziu novas
metodologias
considerando as
mudanças climáticas
durante as eras
geológicas, e não
somente as estruturas
litológicas do relevo.
Aziz manteve as
unidades de Azevedo,
porém percebeu que a
erosão ao longo das eras
era fator determinante
para sua classificação,
além das faces de
sedimentação.
18
O Prof. Ross elaborou sua
classificação com base nas
imagens do projeto
Radambrasil.
Com as novas ferramentas
de georreferencimanto e
sensores remotos Ross
dividiu o relevo em três
estruturas:
Planaltos (11);
Depressões (11)
Planícies (6)
Nessa classificação são
considerados a altitude, a
geologia e os fatores
geomorfológicos, além das
potencialidades minerais
do Brasil
19
Grande parte do território brasileiro é de origem
arqueozoica a pré-cambriana. Com intenso processo de
erosão ao longo dos últimos 2 bilhões de anos, daí
resultam nossas baixas altitudes (de 300 a 800m de
altitude).
Os planaltos ocupam cerca de 38% da nossa
superfície, dando-nos uma grande vantagem
energética, em função da excelente distribuição
pluviométrica e rios caudalosos permitem a instalação
de usinas hidrelétricas, tais como ocorrem no Rio São
Francisco.
20
21
22
As estruturas sedimentares
ocupam uma grande
extensão do País, tais
como no Parque de Vila
Velha no Paraná.
A erosão eólica ajudou a
criar as formas vistas na
fotografia ao lado.
23
As áreas sedimentares
no País tem grande
diversidade geológica,
na Amazônia as rochas
são de origem
proterozóica, e com
grande reservas
minerais, enquanto que
o Pantanal sua
principal formação é
do cenozoico.
24
Referir-se a
estrutura
geológica de um
território é
estabelecer
relação entre os
agentes de
formação das
rochas e minerais,
e sua distribuição
espacial
25
ALTITUDE: é a distância, medida na vertical, desde o nível médio das
águas do mar até ao lugar considerado. O lugar A tem uma altitude positiva
(400 m) e o lugar B encontra-se no nível médio das águas do mar (0 m). Porém,
quando a altitude é negativa e o lugar se encontra submerso (C ou D) designa-se
por profundidade ou altitude negativa. 26
27
As análises de perfis de relevo podem auxiliar no processo de
ocupação e uso do solo: urbanização, agropecuária ou mineração.
28
Segundo o DNPM (2003) o
Brasil está entre os 8 maiores
produtores mundiais de
minerais metálicos.
O mapa ao lado dá uma
melhor ideia da distribuição
das jazidas.
Outra importância são as
jazidas minerais, tais como as
de Al, Mg, Sn, Fe, Pt, Co, Ur,
Au, dentre outros Th.
29
Existe relação direta entre o relevo e a cobertura vegetal e a
formação hidrográfica. Quando não se respeita os parâmetros de
ocupação de morros e encostas o resultado pode ser catastrófico. 30
Nos Andes Peruanos
Terraços de Arroz
na China
Plantio em curvas de
nível
O plantio em curvas de nível respeitam a topografia, já que a
plantação é paralela a cada nível de altitude. Isso reduz os efeitos
do escoamento superficial da água. 31
Voçoroca aberta em
região de campos
Cratera aberta por conta da
redução da cobertura vegetal
A manutenção da vegetação e melhorar o padrão de drenagem podem
reduzir os impactos sobre os solos e evitar maiores desastres. 32
33
Nova Friburgo em 2011.
Deslizamento de terra
provocou centenas de mortos
e milhares de desabrigados.
Imagem da CPTEC.
Boletim de alerta havia sido
emitido antes da tragédia.
34
Em diversos lugares no mundo podem ocorrer maremotos (ou
tsunamis). O relevo costeiro pode amplificar o fenômeno, como
ocorreu na Indonésia em 2004 ou no Japão em 2011.
35
36
Professor Demétrio Melo
Graduado e Licenciado pela Universidade Federal da Paraíba
Mestrando em Geografia pela UFPB – Linha Urbano e Rural
Pós-Graduação em Geografia e Gestão Ambiental – Universidade Integrada de Patos
Desejo bons estudos
Entre em contato para maiores esclarecimentos:
www.facebook.com/demetrio.melo.71
www.melo-geografia.blogspot.com
www.slideshare.net/Demetrio33
Prof. Demétrio Melo
Currículo Lattes
37

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

America do sul
America do sulAmerica do sul
America do sul
Camila Brito
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
Alexia 14
 
Tempo Geológico
Tempo GeológicoTempo Geológico
Tempo Geológico
Lucca
 
Apresentação TCC
Apresentação TCCApresentação TCC
Apresentação TCC
Maíra Masiero
 
Tipos De Clima
Tipos De ClimaTipos De Clima
Tipos De Clima
João Morais
 
Evaporação e Evapotranspiração
Evaporação e Evapotranspiração Evaporação e Evapotranspiração
Evaporação e Evapotranspiração
Hidrologia UFC
 
Trabalho priscila biomas tundra
Trabalho priscila  biomas tundraTrabalho priscila  biomas tundra
Trabalho priscila biomas tundra
Silenezé Souza
 
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios MorfoclimáticosBrasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
Rogerio Silveira
 
Relevo -região norte
Relevo  -região norteRelevo  -região norte
Relevo -região norte
Guilherme Sant'Anna
 
Tempo geológico
Tempo geológicoTempo geológico
Tempo geológico
Ezequias Guimaraes
 
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
Brasil, organização política
Brasil, organização políticaBrasil, organização política
Brasil, organização política
Alexandre Ramos
 
Elementos climáticos
Elementos climáticosElementos climáticos
Elementos climáticos
Professora Verônica Santos
 
Noções básicas de climatologia
Noções básicas de climatologiaNoções básicas de climatologia
Noções básicas de climatologia
Silmara Vedoveli
 
O que é Periódico Indexado e como identificar nas principais bases de dados?
O que é Periódico Indexado e como identificar nas principais bases de dados?O que é Periódico Indexado e como identificar nas principais bases de dados?
O que é Periódico Indexado e como identificar nas principais bases de dados?
Universidade de São Paulo
 
O sertão e o meio norte
O sertão e o meio norteO sertão e o meio norte
O sertão e o meio norte
flaviocosac
 
Fernando Collor e Itamar Franco
Fernando Collor e Itamar FrancoFernando Collor e Itamar Franco
Fernando Collor e Itamar Franco
Beatriz Miranda
 
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASILESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
Prof.Paulo/geografia
 
Geologia do Maranhão (IBGE,2011)
Geologia do Maranhão (IBGE,2011)Geologia do Maranhão (IBGE,2011)
Geologia do Maranhão (IBGE,2011)
Pedro Wallace
 
Europa – aspectos naturais
Europa – aspectos naturaisEuropa – aspectos naturais
Europa – aspectos naturais
Professor
 

Mais procurados (20)

America do sul
America do sulAmerica do sul
America do sul
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Tempo Geológico
Tempo GeológicoTempo Geológico
Tempo Geológico
 
Apresentação TCC
Apresentação TCCApresentação TCC
Apresentação TCC
 
Tipos De Clima
Tipos De ClimaTipos De Clima
Tipos De Clima
 
Evaporação e Evapotranspiração
Evaporação e Evapotranspiração Evaporação e Evapotranspiração
Evaporação e Evapotranspiração
 
Trabalho priscila biomas tundra
Trabalho priscila  biomas tundraTrabalho priscila  biomas tundra
Trabalho priscila biomas tundra
 
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios MorfoclimáticosBrasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
 
Relevo -região norte
Relevo  -região norteRelevo  -região norte
Relevo -região norte
 
Tempo geológico
Tempo geológicoTempo geológico
Tempo geológico
 
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
Biogeografia
 
Brasil, organização política
Brasil, organização políticaBrasil, organização política
Brasil, organização política
 
Elementos climáticos
Elementos climáticosElementos climáticos
Elementos climáticos
 
Noções básicas de climatologia
Noções básicas de climatologiaNoções básicas de climatologia
Noções básicas de climatologia
 
O que é Periódico Indexado e como identificar nas principais bases de dados?
O que é Periódico Indexado e como identificar nas principais bases de dados?O que é Periódico Indexado e como identificar nas principais bases de dados?
O que é Periódico Indexado e como identificar nas principais bases de dados?
 
O sertão e o meio norte
O sertão e o meio norteO sertão e o meio norte
O sertão e o meio norte
 
Fernando Collor e Itamar Franco
Fernando Collor e Itamar FrancoFernando Collor e Itamar Franco
Fernando Collor e Itamar Franco
 
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASILESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
 
Geologia do Maranhão (IBGE,2011)
Geologia do Maranhão (IBGE,2011)Geologia do Maranhão (IBGE,2011)
Geologia do Maranhão (IBGE,2011)
 
Europa – aspectos naturais
Europa – aspectos naturaisEuropa – aspectos naturais
Europa – aspectos naturais
 

Destaque

Prof demetrio melo brasil população e imigração
Prof demetrio melo   brasil população e imigraçãoProf demetrio melo   brasil população e imigração
Prof demetrio melo brasil população e imigração
Deto - Geografia
 
Prof demetrio melo brasil regionalização
Prof demetrio melo   brasil regionalizaçãoProf demetrio melo   brasil regionalização
Prof demetrio melo brasil regionalização
Deto - Geografia
 
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do RelevoProf Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Deto - Geografia
 
Demétrio brasil território e expansão
Demétrio brasil território e expansãoDemétrio brasil território e expansão
Demétrio brasil território e expansão
Deto - Geografia
 
Prodetur
ProdeturProdetur
Prodetur
alyssonadi
 
Prof demetrio melo temas para ac3 3º bimestre
Prof demetrio melo   temas para ac3 3º bimestreProf demetrio melo   temas para ac3 3º bimestre
Prof demetrio melo temas para ac3 3º bimestre
Deto - Geografia
 
Tipos de investigacion
Tipos de investigacionTipos de investigacion
Tipos de investigacion
Fred Anco Ramirez
 
Prof demetrio melo região nordeste alternativas
Prof demetrio melo   região nordeste alternativasProf demetrio melo   região nordeste alternativas
Prof demetrio melo região nordeste alternativas
Deto - Geografia
 
Prof demetrio melo novo codigo florestal
Prof demetrio melo   novo codigo florestalProf demetrio melo   novo codigo florestal
Prof demetrio melo novo codigo florestal
Deto - Geografia
 
Prof demetrio melo conflito israel palestinos
Prof demetrio melo   conflito israel palestinosProf demetrio melo   conflito israel palestinos
Prof demetrio melo conflito israel palestinos
Deto - Geografia
 
Prof demetrio melo propriedade fundiária
Prof demetrio melo   propriedade fundiáriaProf demetrio melo   propriedade fundiária
Prof demetrio melo propriedade fundiária
Deto - Geografia
 
Lefebvre henri-a-vida-cotidiana-no-mundo-moderno
Lefebvre henri-a-vida-cotidiana-no-mundo-modernoLefebvre henri-a-vida-cotidiana-no-mundo-moderno
Lefebvre henri-a-vida-cotidiana-no-mundo-moderno
Deto - Geografia
 
Horacio capel filosofia y ciencia en la geografia contemporanea
Horacio capel filosofia y ciencia en la geografia contemporaneaHoracio capel filosofia y ciencia en la geografia contemporanea
Horacio capel filosofia y ciencia en la geografia contemporanea
Deto - Geografia
 
Formação das Ondas
Formação das OndasFormação das Ondas
Formação das Ondas
Filipe Marques
 
Brasil: Pecuária - dados
Brasil: Pecuária - dadosBrasil: Pecuária - dados
Brasil: Pecuária - dados
Deto - Geografia
 
Prof demetrio brasil fatores climaticos
Prof demetrio brasil fatores climaticosProf demetrio brasil fatores climaticos
Prof demetrio brasil fatores climaticos
Deto - Geografia
 
Prof demétrio melo movimentos etnicos separatistas
Prof demétrio melo movimentos etnicos separatistasProf demétrio melo movimentos etnicos separatistas
Prof demétrio melo movimentos etnicos separatistas
Deto - Geografia
 
Estrutura geológica, relevo e riquezas minerais da Amazônia
Estrutura geológica, relevo e riquezas minerais da AmazôniaEstrutura geológica, relevo e riquezas minerais da Amazônia
Estrutura geológica, relevo e riquezas minerais da Amazônia
Portal do Vestibulando
 
Prof demétrio melo ufrn aula preparatória
Prof demétrio melo   ufrn aula preparatóriaProf demétrio melo   ufrn aula preparatória
Prof demétrio melo ufrn aula preparatória
Deto - Geografia
 
Relevo do Brasil
Relevo do BrasilRelevo do Brasil
Relevo do Brasil
Everton Pessoa
 

Destaque (20)

Prof demetrio melo brasil população e imigração
Prof demetrio melo   brasil população e imigraçãoProf demetrio melo   brasil população e imigração
Prof demetrio melo brasil população e imigração
 
Prof demetrio melo brasil regionalização
Prof demetrio melo   brasil regionalizaçãoProf demetrio melo   brasil regionalização
Prof demetrio melo brasil regionalização
 
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do RelevoProf Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
 
Demétrio brasil território e expansão
Demétrio brasil território e expansãoDemétrio brasil território e expansão
Demétrio brasil território e expansão
 
Prodetur
ProdeturProdetur
Prodetur
 
Prof demetrio melo temas para ac3 3º bimestre
Prof demetrio melo   temas para ac3 3º bimestreProf demetrio melo   temas para ac3 3º bimestre
Prof demetrio melo temas para ac3 3º bimestre
 
Tipos de investigacion
Tipos de investigacionTipos de investigacion
Tipos de investigacion
 
Prof demetrio melo região nordeste alternativas
Prof demetrio melo   região nordeste alternativasProf demetrio melo   região nordeste alternativas
Prof demetrio melo região nordeste alternativas
 
Prof demetrio melo novo codigo florestal
Prof demetrio melo   novo codigo florestalProf demetrio melo   novo codigo florestal
Prof demetrio melo novo codigo florestal
 
Prof demetrio melo conflito israel palestinos
Prof demetrio melo   conflito israel palestinosProf demetrio melo   conflito israel palestinos
Prof demetrio melo conflito israel palestinos
 
Prof demetrio melo propriedade fundiária
Prof demetrio melo   propriedade fundiáriaProf demetrio melo   propriedade fundiária
Prof demetrio melo propriedade fundiária
 
Lefebvre henri-a-vida-cotidiana-no-mundo-moderno
Lefebvre henri-a-vida-cotidiana-no-mundo-modernoLefebvre henri-a-vida-cotidiana-no-mundo-moderno
Lefebvre henri-a-vida-cotidiana-no-mundo-moderno
 
Horacio capel filosofia y ciencia en la geografia contemporanea
Horacio capel filosofia y ciencia en la geografia contemporaneaHoracio capel filosofia y ciencia en la geografia contemporanea
Horacio capel filosofia y ciencia en la geografia contemporanea
 
Formação das Ondas
Formação das OndasFormação das Ondas
Formação das Ondas
 
Brasil: Pecuária - dados
Brasil: Pecuária - dadosBrasil: Pecuária - dados
Brasil: Pecuária - dados
 
Prof demetrio brasil fatores climaticos
Prof demetrio brasil fatores climaticosProf demetrio brasil fatores climaticos
Prof demetrio brasil fatores climaticos
 
Prof demétrio melo movimentos etnicos separatistas
Prof demétrio melo movimentos etnicos separatistasProf demétrio melo movimentos etnicos separatistas
Prof demétrio melo movimentos etnicos separatistas
 
Estrutura geológica, relevo e riquezas minerais da Amazônia
Estrutura geológica, relevo e riquezas minerais da AmazôniaEstrutura geológica, relevo e riquezas minerais da Amazônia
Estrutura geológica, relevo e riquezas minerais da Amazônia
 
Prof demétrio melo ufrn aula preparatória
Prof demétrio melo   ufrn aula preparatóriaProf demétrio melo   ufrn aula preparatória
Prof demétrio melo ufrn aula preparatória
 
Relevo do Brasil
Relevo do BrasilRelevo do Brasil
Relevo do Brasil
 

Semelhante a Prof Demetrio Melo - Brasil: Estrutura Geológica e Relevo

Prof demetrio melo brasil estrutura geológica e relevo
Prof demetrio melo   brasil estrutura geológica e relevoProf demetrio melo   brasil estrutura geológica e relevo
Prof demetrio melo brasil estrutura geológica e relevo
Deto - Geografia
 
Questões Marco Aurelio
Questões Marco AurelioQuestões Marco Aurelio
Questões Marco Aurelio
sylviasantana
 
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Banco de questões Geografia
Banco de questões GeografiaBanco de questões Geografia
Banco de questões Geografia
aroudus
 
ENEM 500 Questões de GEOGRAFIA para vestibular
ENEM 500 Questões de GEOGRAFIA para vestibularENEM 500 Questões de GEOGRAFIA para vestibular
ENEM 500 Questões de GEOGRAFIA para vestibular
atoanemachado2
 
1Geomorfo_Geodiversidade_PI.pdf
1Geomorfo_Geodiversidade_PI.pdf1Geomorfo_Geodiversidade_PI.pdf
1Geomorfo_Geodiversidade_PI.pdf
CleberDosSantos11
 
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
ProfMario De Mori
 
Projetomedicina.geologia
Projetomedicina.geologiaProjetomedicina.geologia
Projetomedicina.geologia
Camila Brito
 
Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
Camila Brito
 
A GRANDE COLISÃO PRÉ-CAMBRIANA DO SUDESTE BRASILEIRO E A ESTRUTURAÇÃO REGIONAL
A GRANDE COLISÃO PRÉ-CAMBRIANA DO SUDESTE BRASILEIRO E A ESTRUTURAÇÃO REGIONALA GRANDE COLISÃO PRÉ-CAMBRIANA DO SUDESTE BRASILEIRO E A ESTRUTURAÇÃO REGIONAL
A GRANDE COLISÃO PRÉ-CAMBRIANA DO SUDESTE BRASILEIRO E A ESTRUTURAÇÃO REGIONAL
Daniel Ramos
 
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M B 2010
G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M B 2010G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M B 2010
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M B 2010
ProfMario De Mori
 
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M A 2010
G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M A 2010G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M A 2010
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M A 2010
ProfMario De Mori
 
Capítulo 6 estrutura e formas do relevo.pptx
Capítulo 6 estrutura e formas do relevo.pptxCapítulo 6 estrutura e formas do relevo.pptx
Capítulo 6 estrutura e formas do relevo.pptx
mariaalbuquerque015
 
Prof Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e Minerais
Prof Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e MineraisProf Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e Minerais
Prof Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e Minerais
Deto - Geografia
 
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Fernando Bueno
 
Aula 1b a formação relevo do brasileiro
Aula 1b a formação relevo do brasileiroAula 1b a formação relevo do brasileiro
Aula 1b a formação relevo do brasileiro
geopedrote
 
Porradão do Bartinho
Porradão do BartinhoPorradão do Bartinho
Porradão do Bartinho
Rogério Bartilotti
 
Abalos Sismicos No Brasil E No Mundo
Abalos Sismicos No Brasil E No MundoAbalos Sismicos No Brasil E No Mundo
Abalos Sismicos No Brasil E No Mundo
Planeta Diário Online
 
Prof demetrio melo estrutura geológica da terra 3-serie
Prof demetrio melo   estrutura geológica da terra 3-serieProf demetrio melo   estrutura geológica da terra 3-serie
Prof demetrio melo estrutura geológica da terra 3-serie
Deto - Geografia
 
Revisão uefs geografia
Revisão uefs geografiaRevisão uefs geografia
Revisão uefs geografia
Ademir Aquino
 

Semelhante a Prof Demetrio Melo - Brasil: Estrutura Geológica e Relevo (20)

Prof demetrio melo brasil estrutura geológica e relevo
Prof demetrio melo   brasil estrutura geológica e relevoProf demetrio melo   brasil estrutura geológica e relevo
Prof demetrio melo brasil estrutura geológica e relevo
 
Questões Marco Aurelio
Questões Marco AurelioQuestões Marco Aurelio
Questões Marco Aurelio
 
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
 
Banco de questões Geografia
Banco de questões GeografiaBanco de questões Geografia
Banco de questões Geografia
 
ENEM 500 Questões de GEOGRAFIA para vestibular
ENEM 500 Questões de GEOGRAFIA para vestibularENEM 500 Questões de GEOGRAFIA para vestibular
ENEM 500 Questões de GEOGRAFIA para vestibular
 
1Geomorfo_Geodiversidade_PI.pdf
1Geomorfo_Geodiversidade_PI.pdf1Geomorfo_Geodiversidade_PI.pdf
1Geomorfo_Geodiversidade_PI.pdf
 
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
 
Projetomedicina.geologia
Projetomedicina.geologiaProjetomedicina.geologia
Projetomedicina.geologia
 
Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
 
A GRANDE COLISÃO PRÉ-CAMBRIANA DO SUDESTE BRASILEIRO E A ESTRUTURAÇÃO REGIONAL
A GRANDE COLISÃO PRÉ-CAMBRIANA DO SUDESTE BRASILEIRO E A ESTRUTURAÇÃO REGIONALA GRANDE COLISÃO PRÉ-CAMBRIANA DO SUDESTE BRASILEIRO E A ESTRUTURAÇÃO REGIONAL
A GRANDE COLISÃO PRÉ-CAMBRIANA DO SUDESTE BRASILEIRO E A ESTRUTURAÇÃO REGIONAL
 
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M B 2010
G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M B 2010G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M B 2010
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M B 2010
 
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M A 2010
G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M A 2010G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M A 2010
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M A 2010
 
Capítulo 6 estrutura e formas do relevo.pptx
Capítulo 6 estrutura e formas do relevo.pptxCapítulo 6 estrutura e formas do relevo.pptx
Capítulo 6 estrutura e formas do relevo.pptx
 
Prof Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e Minerais
Prof Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e MineraisProf Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e Minerais
Prof Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e Minerais
 
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
 
Aula 1b a formação relevo do brasileiro
Aula 1b a formação relevo do brasileiroAula 1b a formação relevo do brasileiro
Aula 1b a formação relevo do brasileiro
 
Porradão do Bartinho
Porradão do BartinhoPorradão do Bartinho
Porradão do Bartinho
 
Abalos Sismicos No Brasil E No Mundo
Abalos Sismicos No Brasil E No MundoAbalos Sismicos No Brasil E No Mundo
Abalos Sismicos No Brasil E No Mundo
 
Prof demetrio melo estrutura geológica da terra 3-serie
Prof demetrio melo   estrutura geológica da terra 3-serieProf demetrio melo   estrutura geológica da terra 3-serie
Prof demetrio melo estrutura geológica da terra 3-serie
 
Revisão uefs geografia
Revisão uefs geografiaRevisão uefs geografia
Revisão uefs geografia
 

Mais de Deto - Geografia

PROF DEMETRIO MELO - FATORES CLIMÁTICOS E VEGETAÇÃO.pdf
PROF DEMETRIO MELO - FATORES CLIMÁTICOS E VEGETAÇÃO.pdfPROF DEMETRIO MELO - FATORES CLIMÁTICOS E VEGETAÇÃO.pdf
PROF DEMETRIO MELO - FATORES CLIMÁTICOS E VEGETAÇÃO.pdf
Deto - Geografia
 
Prof demétrio melo geografia - estado e cartografia mapas e projeções 3-serie
Prof demétrio melo   geografia - estado e cartografia mapas e projeções 3-serieProf demétrio melo   geografia - estado e cartografia mapas e projeções 3-serie
Prof demétrio melo geografia - estado e cartografia mapas e projeções 3-serie
Deto - Geografia
 
Prof demetrio melo europa geografia
Prof demetrio melo   europa geografiaProf demetrio melo   europa geografia
Prof demetrio melo europa geografia
Deto - Geografia
 
Castoriadis cornelius A Instituição maginaria da sociedade
Castoriadis cornelius A Instituição maginaria da sociedadeCastoriadis cornelius A Instituição maginaria da sociedade
Castoriadis cornelius A Instituição maginaria da sociedade
Deto - Geografia
 
3º BIMESTRE GEOGRAFIA II - AC3
3º BIMESTRE GEOGRAFIA II - AC33º BIMESTRE GEOGRAFIA II - AC3
3º BIMESTRE GEOGRAFIA II - AC3
Deto - Geografia
 
Demétrio - Geografia - 2ª Série - EM - TD REGIÕES NORTE E NORDESTE
Demétrio - Geografia - 2ª Série - EM - TD REGIÕES NORTE E NORDESTEDemétrio - Geografia - 2ª Série - EM - TD REGIÕES NORTE E NORDESTE
Demétrio - Geografia - 2ª Série - EM - TD REGIÕES NORTE E NORDESTE
Deto - Geografia
 
La organización da unidad econòmica campesina - Alexander Chayanov
La organización da unidad econòmica campesina - Alexander ChayanovLa organización da unidad econòmica campesina - Alexander Chayanov
La organización da unidad econòmica campesina - Alexander Chayanov
Deto - Geografia
 
Livro condicao pos-moderna-david-harvey
Livro condicao pos-moderna-david-harveyLivro condicao pos-moderna-david-harvey
Livro condicao pos-moderna-david-harvey
Deto - Geografia
 
Demetrio geog ii geo sul 2 ano ac3 2º bimestre
Demetrio geog ii geo sul 2 ano ac3 2º bimestreDemetrio geog ii geo sul 2 ano ac3 2º bimestre
Demetrio geog ii geo sul 2 ano ac3 2º bimestre
Deto - Geografia
 
Demetrio geografia td brasil cidadania e representatividade
Demetrio geografia td brasil cidadania e representatividadeDemetrio geografia td brasil cidadania e representatividade
Demetrio geografia td brasil cidadania e representatividade
Deto - Geografia
 
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios MorfoclimáticosProf Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Deto - Geografia
 
Prof Demétrio Melo - TD 2ª Série E.M. - Brasil: Climas
Prof Demétrio Melo - TD 2ª Série E.M. - Brasil: ClimasProf Demétrio Melo - TD 2ª Série E.M. - Brasil: Climas
Prof Demétrio Melo - TD 2ª Série E.M. - Brasil: Climas
Deto - Geografia
 
PROF DEMÉTRIO MELO POLÍGONO ATIVIDADE COMPLEMENTAR
PROF DEMÉTRIO MELO POLÍGONO ATIVIDADE COMPLEMENTARPROF DEMÉTRIO MELO POLÍGONO ATIVIDADE COMPLEMENTAR
PROF DEMÉTRIO MELO POLÍGONO ATIVIDADE COMPLEMENTAR
Deto - Geografia
 
Prof Demétrio Melo - Geografia Regional: China - espaço e produção
Prof Demétrio Melo - Geografia Regional: China - espaço e produçãoProf Demétrio Melo - Geografia Regional: China - espaço e produção
Prof Demétrio Melo - Geografia Regional: China - espaço e produção
Deto - Geografia
 
Demetrio geo ii geo sul td regionalização brasileira
Demetrio geo ii geo sul   td regionalização brasileiraDemetrio geo ii geo sul   td regionalização brasileira
Demetrio geo ii geo sul td regionalização brasileira
Deto - Geografia
 

Mais de Deto - Geografia (15)

PROF DEMETRIO MELO - FATORES CLIMÁTICOS E VEGETAÇÃO.pdf
PROF DEMETRIO MELO - FATORES CLIMÁTICOS E VEGETAÇÃO.pdfPROF DEMETRIO MELO - FATORES CLIMÁTICOS E VEGETAÇÃO.pdf
PROF DEMETRIO MELO - FATORES CLIMÁTICOS E VEGETAÇÃO.pdf
 
Prof demétrio melo geografia - estado e cartografia mapas e projeções 3-serie
Prof demétrio melo   geografia - estado e cartografia mapas e projeções 3-serieProf demétrio melo   geografia - estado e cartografia mapas e projeções 3-serie
Prof demétrio melo geografia - estado e cartografia mapas e projeções 3-serie
 
Prof demetrio melo europa geografia
Prof demetrio melo   europa geografiaProf demetrio melo   europa geografia
Prof demetrio melo europa geografia
 
Castoriadis cornelius A Instituição maginaria da sociedade
Castoriadis cornelius A Instituição maginaria da sociedadeCastoriadis cornelius A Instituição maginaria da sociedade
Castoriadis cornelius A Instituição maginaria da sociedade
 
3º BIMESTRE GEOGRAFIA II - AC3
3º BIMESTRE GEOGRAFIA II - AC33º BIMESTRE GEOGRAFIA II - AC3
3º BIMESTRE GEOGRAFIA II - AC3
 
Demétrio - Geografia - 2ª Série - EM - TD REGIÕES NORTE E NORDESTE
Demétrio - Geografia - 2ª Série - EM - TD REGIÕES NORTE E NORDESTEDemétrio - Geografia - 2ª Série - EM - TD REGIÕES NORTE E NORDESTE
Demétrio - Geografia - 2ª Série - EM - TD REGIÕES NORTE E NORDESTE
 
La organización da unidad econòmica campesina - Alexander Chayanov
La organización da unidad econòmica campesina - Alexander ChayanovLa organización da unidad econòmica campesina - Alexander Chayanov
La organización da unidad econòmica campesina - Alexander Chayanov
 
Livro condicao pos-moderna-david-harvey
Livro condicao pos-moderna-david-harveyLivro condicao pos-moderna-david-harvey
Livro condicao pos-moderna-david-harvey
 
Demetrio geog ii geo sul 2 ano ac3 2º bimestre
Demetrio geog ii geo sul 2 ano ac3 2º bimestreDemetrio geog ii geo sul 2 ano ac3 2º bimestre
Demetrio geog ii geo sul 2 ano ac3 2º bimestre
 
Demetrio geografia td brasil cidadania e representatividade
Demetrio geografia td brasil cidadania e representatividadeDemetrio geografia td brasil cidadania e representatividade
Demetrio geografia td brasil cidadania e representatividade
 
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios MorfoclimáticosProf Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
 
Prof Demétrio Melo - TD 2ª Série E.M. - Brasil: Climas
Prof Demétrio Melo - TD 2ª Série E.M. - Brasil: ClimasProf Demétrio Melo - TD 2ª Série E.M. - Brasil: Climas
Prof Demétrio Melo - TD 2ª Série E.M. - Brasil: Climas
 
PROF DEMÉTRIO MELO POLÍGONO ATIVIDADE COMPLEMENTAR
PROF DEMÉTRIO MELO POLÍGONO ATIVIDADE COMPLEMENTARPROF DEMÉTRIO MELO POLÍGONO ATIVIDADE COMPLEMENTAR
PROF DEMÉTRIO MELO POLÍGONO ATIVIDADE COMPLEMENTAR
 
Prof Demétrio Melo - Geografia Regional: China - espaço e produção
Prof Demétrio Melo - Geografia Regional: China - espaço e produçãoProf Demétrio Melo - Geografia Regional: China - espaço e produção
Prof Demétrio Melo - Geografia Regional: China - espaço e produção
 
Demetrio geo ii geo sul td regionalização brasileira
Demetrio geo ii geo sul   td regionalização brasileiraDemetrio geo ii geo sul   td regionalização brasileira
Demetrio geo ii geo sul td regionalização brasileira
 

Último

FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 

Prof Demetrio Melo - Brasil: Estrutura Geológica e Relevo

  • 1. Estrutura Geológica e Relevo www.slideshare.net/demetrio33 www.melo-geografia.blogspot.com.br www.facebook.com/demetrio.melo.71
  • 2. Competência de Área Competência de área 6 - Compreender a sociedade e a natureza, reconhecendo suas interações no espaço em diferentes contextos históricos e geográficos. Habilidades H26 - Identificar em fontes diversas o processo de ocupação dos meios físicos e as relações da vida humana com a paisagem. H29 - Reconhecer a função dos recursos naturais na produção do espaço geográfico, relacionando-os com as mudanças provocadas pelas ações humanas. http://melo-geografia.blogspot.com.br/2013/06/diretrizes- curriculares-em-geografia.html 2
  • 3. O território físico brasileiro se constitui de um conjunto de rochas e minerais de diferentes idades e materiais. Predominam os materiais dos Éons Arqueano e Proterozoico, mas existem diversas estruturas do Fenerozoico. É de extrema importância os estudos sobre a dinâmica litológica, seja em razão da disposição das edificações sobre a crosta, seja por razões de produção econômica mineral. No caso do relevo se constitui em importante fator na distribuição das bacias hidrográficas, age como fator climático e interfere nas temperaturas e dinâmicas das massas de ar. 3
  • 5. 5 Quando nos referimos a estrutura geológica o fazemos para facilitar a classificação do relevo, e para isto leva-se em conta: • as idades das rochas; • as forças de atuação na crosta; • a distribuição das rochas e minerais na crosta; • a identificação das estruturas. • São basicamente três macroestruturas do relevo terrestre: dobramentos modernos, crátons (escudos cristalinos ou maciços) e bacias sedimentares.
  • 6. A Geologia é a ciência que estuda a gênese terrestre, sua composição química, seus movimentos convectivos e sua ação na crosta da Terra. A Geomorfologia, por sua parte, estuda as feições da litosfera, e os principais agentes de sua formação. Nesse ponto se faz presente a dinâmica humana enquanto agente geográfico. 6
  • 7. São as forças tectônicas, que permitem a formação de vulcões, maremotos, montanhas. 7 CICLO DAS ROCHAS
  • 8. No movimento da deriva continental existe sempre a possibilidade de choque entre as placas, nos limites ocorrem a orogênese, que é a própria formação de montanhas. A placa mais densa mergulha em direção ao manto (subducção), enquanto que a continental se dobra no soerguimento. 8
  • 9. São as grandes cadeias de montanhas da Terra formadas a partir de movimentos orogenéticos na crosta (encontro entre placas tectônicas), que tiveram origem no Cenozoico (há cerca de 65 milhões). 9
  • 10. EPIROGÊNESE é a movimentação lenta e generalizada da crosta terrestre, a qual sofre soerguimentos ou rebaixamentos amplos. Soerguimentos são também definidos como "movimentos positivos" (vertical e para cima) e abaixamentos como "movimento negativo" (vertical e para baixo) das placas tectônicas. Quando a epirogênese provoca rebaixamento do relevo pode levar à transgressão marinha (avanço), e no soerguimento a regressão marinha. Este movimento também produz diferentes falhas na estrutura do relevo. 10
  • 11. Os escudos cristalinos são constituídos por rochas magmáticas e metamórficas do Arqueano e Proterozoico. Aproximadamente 36% do território nacional é formado por esta estrutura geológica, onde são explorados minérios metálicos e não metálicos. 11 Planalto da Borborema com encosta escarpada. Trecho BR-230/PB
  • 12. São as forças atmosféricas, relativas aos fenômenos climáticos que moldam a superfície da litosfera. 12 GELO E NEVE CHUVAS
  • 13. São grandes estruturas da litosfera constituídas por espessas camadas de rochas sedimentares. São resultado direto das forças exógenas do relevo, que no caso brasileiro são muito abundantes. A maior parte das bacias são fanerozoicas. 13 Serra da Capivara: formação sedimentar do quaternário. Localizado no estado do Piauí
  • 14. O Brasil tem cerca de 60% de seu território ocupado por bacias sedimentares, totalizando uma área de 6.436.200 km², dos quais 76% estão em terra e 24% em plataforma continental. • Datadas do Paleozoico, do Mesozoico e do Cenozoico, as bacias sedimentares brasileiras são divididas em três tipos, a saber: • Bacias sedimentares de grande extensão: bacias Amazônica, do Parnaíba (ou Meio-Norte), do Paraná (ou Paranaica) e Central; • Bacias sedimentares de menor extensão: bacias do Pantanal Mato- Grossense, do São Francisco (ou Sanfranciscana), do Recôncavo Tucano e a Litorânea; • Bacias de compartimento de planalto (bacias muito pequenas): bacias de Curitiba, Taubaté e São Paulo, dentre outras. • Atualmente, nove das bacias sedimentares brasileiras são produtoras de petróleo. São elas: Campos, Espírito Santo, Tucano, Recôncavo, Santos, Sergipe-Alagoas, Potiguar, Ceará e Solimões. 14
  • 15. As diversas mudanças no planeta Terra são catalogadas de acordos com os Éons, Eras, Períodos e Épocas 15
  • 16. Aroldo de Azevedo 16 Aziz Ab’Saber Jurandyr. S Ross
  • 17. Para Azevedo o relevo brasileiro era constituído de duas feições: > Planícies= 03 > Planaltos= 08 Percebe-se que a preocupação central era quanto a altimetria O mérito dessa classificação foi a introdução da geomorfologia, além de o País passar a ter uma única regionalização. 17
  • 18. Aziz introduziu novas metodologias considerando as mudanças climáticas durante as eras geológicas, e não somente as estruturas litológicas do relevo. Aziz manteve as unidades de Azevedo, porém percebeu que a erosão ao longo das eras era fator determinante para sua classificação, além das faces de sedimentação. 18
  • 19. O Prof. Ross elaborou sua classificação com base nas imagens do projeto Radambrasil. Com as novas ferramentas de georreferencimanto e sensores remotos Ross dividiu o relevo em três estruturas: Planaltos (11); Depressões (11) Planícies (6) Nessa classificação são considerados a altitude, a geologia e os fatores geomorfológicos, além das potencialidades minerais do Brasil 19
  • 20. Grande parte do território brasileiro é de origem arqueozoica a pré-cambriana. Com intenso processo de erosão ao longo dos últimos 2 bilhões de anos, daí resultam nossas baixas altitudes (de 300 a 800m de altitude). Os planaltos ocupam cerca de 38% da nossa superfície, dando-nos uma grande vantagem energética, em função da excelente distribuição pluviométrica e rios caudalosos permitem a instalação de usinas hidrelétricas, tais como ocorrem no Rio São Francisco. 20
  • 21. 21
  • 22. 22 As estruturas sedimentares ocupam uma grande extensão do País, tais como no Parque de Vila Velha no Paraná. A erosão eólica ajudou a criar as formas vistas na fotografia ao lado.
  • 23. 23 As áreas sedimentares no País tem grande diversidade geológica, na Amazônia as rochas são de origem proterozóica, e com grande reservas minerais, enquanto que o Pantanal sua principal formação é do cenozoico.
  • 24. 24 Referir-se a estrutura geológica de um território é estabelecer relação entre os agentes de formação das rochas e minerais, e sua distribuição espacial
  • 25. 25
  • 26. ALTITUDE: é a distância, medida na vertical, desde o nível médio das águas do mar até ao lugar considerado. O lugar A tem uma altitude positiva (400 m) e o lugar B encontra-se no nível médio das águas do mar (0 m). Porém, quando a altitude é negativa e o lugar se encontra submerso (C ou D) designa-se por profundidade ou altitude negativa. 26
  • 27. 27 As análises de perfis de relevo podem auxiliar no processo de ocupação e uso do solo: urbanização, agropecuária ou mineração.
  • 28. 28
  • 29. Segundo o DNPM (2003) o Brasil está entre os 8 maiores produtores mundiais de minerais metálicos. O mapa ao lado dá uma melhor ideia da distribuição das jazidas. Outra importância são as jazidas minerais, tais como as de Al, Mg, Sn, Fe, Pt, Co, Ur, Au, dentre outros Th. 29
  • 30. Existe relação direta entre o relevo e a cobertura vegetal e a formação hidrográfica. Quando não se respeita os parâmetros de ocupação de morros e encostas o resultado pode ser catastrófico. 30
  • 31. Nos Andes Peruanos Terraços de Arroz na China Plantio em curvas de nível O plantio em curvas de nível respeitam a topografia, já que a plantação é paralela a cada nível de altitude. Isso reduz os efeitos do escoamento superficial da água. 31
  • 32. Voçoroca aberta em região de campos Cratera aberta por conta da redução da cobertura vegetal A manutenção da vegetação e melhorar o padrão de drenagem podem reduzir os impactos sobre os solos e evitar maiores desastres. 32
  • 33. 33 Nova Friburgo em 2011. Deslizamento de terra provocou centenas de mortos e milhares de desabrigados. Imagem da CPTEC. Boletim de alerta havia sido emitido antes da tragédia.
  • 34. 34 Em diversos lugares no mundo podem ocorrer maremotos (ou tsunamis). O relevo costeiro pode amplificar o fenômeno, como ocorreu na Indonésia em 2004 ou no Japão em 2011.
  • 35. 35
  • 36. 36
  • 37. Professor Demétrio Melo Graduado e Licenciado pela Universidade Federal da Paraíba Mestrando em Geografia pela UFPB – Linha Urbano e Rural Pós-Graduação em Geografia e Gestão Ambiental – Universidade Integrada de Patos Desejo bons estudos Entre em contato para maiores esclarecimentos: www.facebook.com/demetrio.melo.71 www.melo-geografia.blogspot.com www.slideshare.net/Demetrio33 Prof. Demétrio Melo Currículo Lattes 37