SlideShare uma empresa Scribd logo
Principais Características
Tecelagem - Introdução
 Plana: Necessariamente é o entrelaçamento entre
2 fios (urdume e trama).
 Tecidos lisos, duplos e triplos.
 Depende de várias outras etapas de processo
 Formação de bobinas, ou cones (filatório de anel);
 Urdição;
 Engomagem;
 Acondicionamento do fio de trama.
 Malha: Entrelaçamento de um tipo de fio
 Malha por trama (Circular);
 Malha por urdimento (Ketten).
 Menos etapas e processo de formação mais rápido.
Tecelagem Plana -
Propriedades
 Formação do tecido plano
 Abertura da cala;
 Levantamento e rebaixamento
de camadas de urdume.
 Inserção do fio de trama;
 Formas variadas de inserção.
 Batida do pente
 Acomodação da trama inserida
ao tecido já formado.
Processos de Formação
(Etapas)
 Embalagem do fio em grandes quantidades;
 Urdição;
 Engomagem;
 Remeteção;
 Acondicionamento da trama;
 Tecelagem.
 Produto de saída: Rolo de urdideira;
 Bobinas, ou cones, de fios
 Dispostos numa gaiola;
 Tensionadores: Mantém a tensão de alimentação do
rolo constante durante todo o processo.
 Dispositivos em cada fio da gaiola;
 Feito por discos de metal, barras, ou combinado.
 Sensores
 Máquinas atuais: interrompe o funcionamento da
máquina quando ocorre ruptura de um fio.
 Pente (Cabeçeira)
 Separação dos fios de forma a ter um rolo mais
homogêneo.
Processos de Formação -
Urdição
Processos de Formação -
Urdição
 Tipos de urdideira
 Contínua;
 Maioria dos tecidos;
 Rolo formado com uma
camada única dos fios em
toda sua extensão.
 Seccional.
 Tecidos com urdimento
diferenciado;
 Formação de camadas de
fios num mesmo rolo.
Processos de Formação -
Engomagem Produto de saída: Rolo
de urdume.
 Junção de vários rolos
de urdideira.
 Aplicação de goma.
 Resistir à tensão aplicada
pelo tear.
 Controle de vários
parâmetros de processo
 Carga de goma, pressão
de espremedura da
manta, temperatura da
zona de secagem, etc.
 Processo semelhante à engomagem normal;
 Diferença:Tingimento dos fios de urdume
 Caixas de umectação e de corante antes da caixa de goma
 Pricipais efeitos de tingimento
 Sobretingimentos (Bottoming eTopping);
 Delavê;
Engomagem do Indigo
 Passamento dos fios de
urdume pelos olhais do
quadro de liços.
 Plano de remeteção
 Ordenação do passamento
dos fios pelos quadros.
 A padronagem do tecido
é definida pelo plano de
remeteção.
 Quantidade mínima de
quadros para a formação
de um determinado
desenho
Processos de Formação -
Remeteção
 Ao sair da fiação: Fio com uma carga de tensão muito alta.
 Para sua utilização como fio de trama é necessário realizar
um acondicionamento.
 Relaxamento das tensões do fio, provenientes da fiação;
 Retorno da estabilidade dimensional do fio;
 Aspecto da bobina mais “fofa”.
 Formas acondicionamento
 Autoclave
 Gasto elevado;
 Pode ter mais de uma utilização (Venda de fios);
 “Xorela”
 A água é borrifada de tubulações suspensas com microfuros (econômico);
 Galpões específicos para esse procedimento;
 Necessidade de disposição das bobinas em paletes, sendo que o conjunto de
bobinas do topo deve ser coberta com mais uma camada de palete.
Processos de Formação – Fio de
trama
Processos de Formação –
Tecelagem
 Tear
 Máquina onde é realizado o processo de tecimento
em si.
 Parte onde ocorre as três etapas principais de
formação do tecido plano
 Abertura da cala;
 Inserção da trama;
 Batida do pente.
 Tipos de Teares
 Manuais;
 Mecânicos.
 Teares Manuais
 As três etapas realizadas
manualmente;
 Mais utilizados em
trabalhos artesanais.
Tipos de Teares
Tipos de Teares
 Teares Mecânicos
 As três etapas são realizadas mecanicamente.
 Tipos de teares (Diferenciação)
 Quanto à forma de abertura de cala
 Teares de quadros-de-liços;
 Teares Jacquard.
 Quanto ao tipo de inserção de trama
 Lançadeira;
 Projétil;
 Pinça;
 Jato-de-água;
 Jato-de-ar;
 Tambor rotativo.
 Tear de quadro-de-liços:
Desenhos básicos com
algumas variações entre eles.
 Desenhos básicos
 Tafetá (Tela);
 Sarja;
 Cetim;
 Variações
 Panamá;
 Batávias;
 Espinha-de-peixe, etc.
Tipos de Teares
Tipos de Teares
 Teares Jacquard
 Construção de desenhos complexos;
 Controle da evolução feita fio-a-fio;
 Padrões feitos por meio de tabelas pinadas, ou por arquivos digitais.
 Possibilidade de produção de artigos felpudos (Toalhas) por utilizar dois
rolos de urdume.
Tipos de Teares
 Os primeiros teares mecânicos produzidos eram
com inserção de lançadeira.
 Carretel dentro de um dispositivo que fazia o percurso
da inserção da trama.
 Possibilidade de se produzir tecidos planos tubulares;
 Riscos de acidentes graves
 Lançadeira fora do percurso de inserção.
 Inovações
 Inserção de projétil
 Produção mais rápida;
 Aumento de defeitos de “falta de trama”;
 Desgaste muito rápido dos componentes de inserção.
Tipos de Teares
 Inovações
 Inserção por pinças
 Redução dos acidentes e das perdas de trama;
 Melhorias na composição das pinças;
 Produtividade razoável.
 Inserção por Jato-de-água
 Principal utilização: Redução da quantidade de fibrilas
dentro as sala de tecelagem;
 Poucas unidades devido ao alto custo para utilização de
dutos de água para exclusivamente alimentar os teares.
Tipos de Teares
 Inovações
 Inserção por Jato-de-ar
 Maioria dos teares em atividade hoje nas fábricas;
 Alta relação custo x benefício, quanto à produtividade e consumo;
 Capacidade de trabalho em altas rotações (750 – 900 RPM);
 Necessidade de climatação das salas
 Umidade relativa do ar deve permanecer alta para evitar problemas
quanto à ruptura de trama e, consequentemente, quanto à saúde do
trabalhador e rendimento das máquinas.
 Inserção por Tubo rotativo
 Altas produções em altos rendimentos;
 Poucas paradas de máquinas por ruptura de trama, ou abertura
irregular da cala.
 Não foi bem aceita: Dificuldade de mudança do desenho
 Exemplo: O tambor para a produzir o tafetá é totalmente diferente do
tambor que produz a sarja e a troca de um pelo outro é muito difícil.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula teórica fiação e Titulação
Aula teórica fiação e TitulaçãoAula teórica fiação e Titulação
Aula teórica fiação e Titulação
Marcel Jefferson Gonçalves
 
Malharia retilínea
Malharia retilínea Malharia retilínea
Malharia retilínea
Barbara Allexia
 
Materiais e Processos Têxteis
Materiais e Processos TêxteisMateriais e Processos Têxteis
Materiais e Processos Têxteis
José Carlos de Castro
 
Materiais e tecnologia têxtil III
Materiais e tecnologia têxtil IIIMateriais e tecnologia têxtil III
Materiais e tecnologia têxtil III
Fernanda
 
1 fibras têxteis classificação e propriedades
1 fibras têxteis classificação e propriedades1 fibras têxteis classificação e propriedades
1 fibras têxteis classificação e propriedades
Marcel Jefferson Gonçalves
 
Materiais e Processos Têxteis-Parte 2
Materiais e Processos Têxteis-Parte 2Materiais e Processos Têxteis-Parte 2
Materiais e Processos Têxteis-Parte 2
José Carlos de Castro
 
Os fios têxteis e a tecnologia da fiação
Os fios têxteis e a tecnologia da fiaçãoOs fios têxteis e a tecnologia da fiação
Os fios têxteis e a tecnologia da fiação
tcredu
 
Apostila de Padronagem Têxtil
Apostila de Padronagem TêxtilApostila de Padronagem Têxtil
Apostila de Padronagem Têxtil
Rodrigo Lacerda
 
TECNOLOGIA TÊXTIL (Antonio Bacelar)
TECNOLOGIA TÊXTIL (Antonio Bacelar)TECNOLOGIA TÊXTIL (Antonio Bacelar)
TECNOLOGIA TÊXTIL (Antonio Bacelar)
Antonio Bacelar
 
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidadeFundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Débora Cseri
 
Mostruário de tecidos
Mostruário de tecidosMostruário de tecidos
Mostruário de tecidos
Barbara Allexia
 
Fibras relação estrutura - props - usos
Fibras   relação estrutura - props - usosFibras   relação estrutura - props - usos
Fibras relação estrutura - props - usos
felins
 
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwaraApostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
wsilveirasouza
 
Apostila beneficiamentosprimriosaseco
Apostila beneficiamentosprimriosasecoApostila beneficiamentosprimriosaseco
Apostila beneficiamentosprimriosaseco
Leandro
 
Apostila engomagemumprocessointerativo
Apostila engomagemumprocessointerativoApostila engomagemumprocessointerativo
Apostila engomagemumprocessointerativo
Leandro
 
Analise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama f
Analise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama fAnalise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama f
Analise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama f
Constantino Monteiro Alves
 
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabricoFiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Constantino Monteiro Alves
 
Tecidos - Tafetá, Tricoline e Laise
Tecidos - Tafetá, Tricoline e LaiseTecidos - Tafetá, Tricoline e Laise
Tecidos - Tafetá, Tricoline e Laise
Vivian Vianna
 
Fibras Naturais
Fibras NaturaisFibras Naturais
Fibras Naturais
Larissa Alves
 
Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Aula teórica Fibras têxteis (rm)Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Marcel Jefferson Gonçalves
 

Mais procurados (20)

Aula teórica fiação e Titulação
Aula teórica fiação e TitulaçãoAula teórica fiação e Titulação
Aula teórica fiação e Titulação
 
Malharia retilínea
Malharia retilínea Malharia retilínea
Malharia retilínea
 
Materiais e Processos Têxteis
Materiais e Processos TêxteisMateriais e Processos Têxteis
Materiais e Processos Têxteis
 
Materiais e tecnologia têxtil III
Materiais e tecnologia têxtil IIIMateriais e tecnologia têxtil III
Materiais e tecnologia têxtil III
 
1 fibras têxteis classificação e propriedades
1 fibras têxteis classificação e propriedades1 fibras têxteis classificação e propriedades
1 fibras têxteis classificação e propriedades
 
Materiais e Processos Têxteis-Parte 2
Materiais e Processos Têxteis-Parte 2Materiais e Processos Têxteis-Parte 2
Materiais e Processos Têxteis-Parte 2
 
Os fios têxteis e a tecnologia da fiação
Os fios têxteis e a tecnologia da fiaçãoOs fios têxteis e a tecnologia da fiação
Os fios têxteis e a tecnologia da fiação
 
Apostila de Padronagem Têxtil
Apostila de Padronagem TêxtilApostila de Padronagem Têxtil
Apostila de Padronagem Têxtil
 
TECNOLOGIA TÊXTIL (Antonio Bacelar)
TECNOLOGIA TÊXTIL (Antonio Bacelar)TECNOLOGIA TÊXTIL (Antonio Bacelar)
TECNOLOGIA TÊXTIL (Antonio Bacelar)
 
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidadeFundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
 
Mostruário de tecidos
Mostruário de tecidosMostruário de tecidos
Mostruário de tecidos
 
Fibras relação estrutura - props - usos
Fibras   relação estrutura - props - usosFibras   relação estrutura - props - usos
Fibras relação estrutura - props - usos
 
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwaraApostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
 
Apostila beneficiamentosprimriosaseco
Apostila beneficiamentosprimriosasecoApostila beneficiamentosprimriosaseco
Apostila beneficiamentosprimriosaseco
 
Apostila engomagemumprocessointerativo
Apostila engomagemumprocessointerativoApostila engomagemumprocessointerativo
Apostila engomagemumprocessointerativo
 
Analise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama f
Analise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama fAnalise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama f
Analise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama f
 
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabricoFiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
 
Tecidos - Tafetá, Tricoline e Laise
Tecidos - Tafetá, Tricoline e LaiseTecidos - Tafetá, Tricoline e Laise
Tecidos - Tafetá, Tricoline e Laise
 
Fibras Naturais
Fibras NaturaisFibras Naturais
Fibras Naturais
 
Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Aula teórica Fibras têxteis (rm)Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Aula teórica Fibras têxteis (rm)
 

Destaque

Fibras texteis
Fibras texteisFibras texteis
Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim
Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bimApostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim
Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim
Limafabiana
 
Consultextil - Tecelagem
Consultextil - TecelagemConsultextil - Tecelagem
Consultextil - Tecelagem
consultextil
 
Trabalho têxteis
Trabalho têxteisTrabalho têxteis
Trabalho têxteis
João Pereira
 
Apostila ppcp textil
Apostila ppcp textilApostila ppcp textil
Apostila ppcp textil
sollavanderias
 
Apostilha tcnica
Apostilha tcnicaApostilha tcnica
Apostilha tcnica
Marcelo Silva
 
Legislação textil
Legislação textilLegislação textil
Legislação textil
Marcos Cinto
 
Curso Java #04 - Programação Orientada a Objetos
Curso Java #04 - Programação Orientada a Objetos Curso Java #04 - Programação Orientada a Objetos
Curso Java #04 - Programação Orientada a Objetos
Renato Sousa
 
Improving market share noshir marfatia
Improving market share noshir marfatiaImproving market share noshir marfatia
Improving market share noshir marfatia
Sanjay Patil
 
Aula00
Aula00Aula00
Aula00
Renato Sousa
 
Sample tzb18
Sample tzb18Sample tzb18
Sample tzb18
Trendz Bureau
 
A grande tecelagem
A grande tecelagemA grande tecelagem
Tecelagem do 5ºE- 0405
Tecelagem do 5ºE- 0405Tecelagem do 5ºE- 0405
Tecelagem do 5ºE- 0405
asartesvisuais
 
Marles - Verão 2016 - parte 4: Estilo Nacional
Marles - Verão 2016 - parte 4: Estilo NacionalMarles - Verão 2016 - parte 4: Estilo Nacional
Marles - Verão 2016 - parte 4: Estilo Nacional
Marles Indústria Têxtil e Comércio Ltda.
 
Avaliacao ambiental
Avaliacao ambientalAvaliacao ambiental
Avaliacao ambiental
Rodrigo Lacerda
 

Destaque (15)

Fibras texteis
Fibras texteisFibras texteis
Fibras texteis
 
Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim
Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bimApostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim
Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim
 
Consultextil - Tecelagem
Consultextil - TecelagemConsultextil - Tecelagem
Consultextil - Tecelagem
 
Trabalho têxteis
Trabalho têxteisTrabalho têxteis
Trabalho têxteis
 
Apostila ppcp textil
Apostila ppcp textilApostila ppcp textil
Apostila ppcp textil
 
Apostilha tcnica
Apostilha tcnicaApostilha tcnica
Apostilha tcnica
 
Legislação textil
Legislação textilLegislação textil
Legislação textil
 
Curso Java #04 - Programação Orientada a Objetos
Curso Java #04 - Programação Orientada a Objetos Curso Java #04 - Programação Orientada a Objetos
Curso Java #04 - Programação Orientada a Objetos
 
Improving market share noshir marfatia
Improving market share noshir marfatiaImproving market share noshir marfatia
Improving market share noshir marfatia
 
Aula00
Aula00Aula00
Aula00
 
Sample tzb18
Sample tzb18Sample tzb18
Sample tzb18
 
A grande tecelagem
A grande tecelagemA grande tecelagem
A grande tecelagem
 
Tecelagem do 5ºE- 0405
Tecelagem do 5ºE- 0405Tecelagem do 5ºE- 0405
Tecelagem do 5ºE- 0405
 
Marles - Verão 2016 - parte 4: Estilo Nacional
Marles - Verão 2016 - parte 4: Estilo NacionalMarles - Verão 2016 - parte 4: Estilo Nacional
Marles - Verão 2016 - parte 4: Estilo Nacional
 
Avaliacao ambiental
Avaliacao ambientalAvaliacao ambiental
Avaliacao ambiental
 

Semelhante a Processos formadores de tecidos

Analise tecidos planos e controlo da qualidade
Analise tecidos planos e controlo da qualidadeAnalise tecidos planos e controlo da qualidade
Analise tecidos planos e controlo da qualidade
Constantino Monteiro Alves
 
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
tcredu
 
Licença Ambiental
Licença AmbientalLicença Ambiental
Licença Ambiental
José Ferreira
 
03 entelagem
03   entelagem03   entelagem
03 entelagem
Ricardo Pampu
 
Processos para filmes tubulares 2
Processos para filmes tubulares 2Processos para filmes tubulares 2
Processos para filmes tubulares 2
João Carlos Sobreira
 
Processo de Trefilação
Processo de TrefilaçãoProcesso de Trefilação
Processo de Trefilação
Rafael Leal
 
Lais Usp Caracterizacao Defeitos
Lais Usp Caracterizacao DefeitosLais Usp Caracterizacao Defeitos
Lais Usp Caracterizacao Defeitos
PEDRO PACHECO
 
Corte e costura
Corte e costuraCorte e costura
Corte e costura
dalvasdias
 
101471857 corte-e-costura-pdf
101471857 corte-e-costura-pdf101471857 corte-e-costura-pdf
101471857 corte-e-costura-pdf
Julyana Biavatti
 
5 - Trefilacao.pdf
5 - Trefilacao.pdf5 - Trefilacao.pdf
5 - Trefilacao.pdf
HEBERTRODRIGUESDEPAU1
 
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramasMaquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Laila Miranda
 
RaynenQili KnitCAD Help.pt.pdf
RaynenQili KnitCAD Help.pt.pdfRaynenQili KnitCAD Help.pt.pdf
RaynenQili KnitCAD Help.pt.pdf
Luke987250
 
Conformação Mecânica trefilação
Conformação Mecânica trefilaçãoConformação Mecânica trefilação
Conformação Mecânica trefilação
Rogger Antunes
 
Tecnologia Têxtil II Processos de acabamentos .ppt
Tecnologia Têxtil II Processos de acabamentos .pptTecnologia Têxtil II Processos de acabamentos .ppt
Tecnologia Têxtil II Processos de acabamentos .ppt
JocileneBorges3
 
Abaulamento
AbaulamentoAbaulamento
USINAGENS
USINAGENSUSINAGENS
USINAGENS
MateusCastilho6
 
Telhas de fibrocimento
Telhas de fibrocimentoTelhas de fibrocimento
Telhas de fibrocimento
Joao Freire
 
Universo da Costura
Universo da CosturaUniverso da Costura
Universo da Costura
Nilzeth Gusmao
 
HIGIÊNE OCUPACIONAL 02.aaaaaaaaaaaaaaaaaaaapptx
HIGIÊNE OCUPACIONAL 02.aaaaaaaaaaaaaaaaaaaapptxHIGIÊNE OCUPACIONAL 02.aaaaaaaaaaaaaaaaaaaapptx
HIGIÊNE OCUPACIONAL 02.aaaaaaaaaaaaaaaaaaaapptx
RafaelSantos84677
 
Quadrant apresentação revestimento tivar 88 pt
Quadrant   apresentação revestimento tivar 88 ptQuadrant   apresentação revestimento tivar 88 pt
Quadrant apresentação revestimento tivar 88 pt
Marcos Sasaki
 

Semelhante a Processos formadores de tecidos (20)

Analise tecidos planos e controlo da qualidade
Analise tecidos planos e controlo da qualidadeAnalise tecidos planos e controlo da qualidade
Analise tecidos planos e controlo da qualidade
 
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
 
Licença Ambiental
Licença AmbientalLicença Ambiental
Licença Ambiental
 
03 entelagem
03   entelagem03   entelagem
03 entelagem
 
Processos para filmes tubulares 2
Processos para filmes tubulares 2Processos para filmes tubulares 2
Processos para filmes tubulares 2
 
Processo de Trefilação
Processo de TrefilaçãoProcesso de Trefilação
Processo de Trefilação
 
Lais Usp Caracterizacao Defeitos
Lais Usp Caracterizacao DefeitosLais Usp Caracterizacao Defeitos
Lais Usp Caracterizacao Defeitos
 
Corte e costura
Corte e costuraCorte e costura
Corte e costura
 
101471857 corte-e-costura-pdf
101471857 corte-e-costura-pdf101471857 corte-e-costura-pdf
101471857 corte-e-costura-pdf
 
5 - Trefilacao.pdf
5 - Trefilacao.pdf5 - Trefilacao.pdf
5 - Trefilacao.pdf
 
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramasMaquinas de costura/tipos de ponto/tramas
Maquinas de costura/tipos de ponto/tramas
 
RaynenQili KnitCAD Help.pt.pdf
RaynenQili KnitCAD Help.pt.pdfRaynenQili KnitCAD Help.pt.pdf
RaynenQili KnitCAD Help.pt.pdf
 
Conformação Mecânica trefilação
Conformação Mecânica trefilaçãoConformação Mecânica trefilação
Conformação Mecânica trefilação
 
Tecnologia Têxtil II Processos de acabamentos .ppt
Tecnologia Têxtil II Processos de acabamentos .pptTecnologia Têxtil II Processos de acabamentos .ppt
Tecnologia Têxtil II Processos de acabamentos .ppt
 
Abaulamento
AbaulamentoAbaulamento
Abaulamento
 
USINAGENS
USINAGENSUSINAGENS
USINAGENS
 
Telhas de fibrocimento
Telhas de fibrocimentoTelhas de fibrocimento
Telhas de fibrocimento
 
Universo da Costura
Universo da CosturaUniverso da Costura
Universo da Costura
 
HIGIÊNE OCUPACIONAL 02.aaaaaaaaaaaaaaaaaaaapptx
HIGIÊNE OCUPACIONAL 02.aaaaaaaaaaaaaaaaaaaapptxHIGIÊNE OCUPACIONAL 02.aaaaaaaaaaaaaaaaaaaapptx
HIGIÊNE OCUPACIONAL 02.aaaaaaaaaaaaaaaaaaaapptx
 
Quadrant apresentação revestimento tivar 88 pt
Quadrant   apresentação revestimento tivar 88 ptQuadrant   apresentação revestimento tivar 88 pt
Quadrant apresentação revestimento tivar 88 pt
 

Mais de Augusto Junior

Probabilidade e Estatística - Aula 03
Probabilidade e Estatística - Aula 03Probabilidade e Estatística - Aula 03
Probabilidade e Estatística - Aula 03
Augusto Junior
 
Probabilidade e Estatística - Aula 01
Probabilidade e Estatística - Aula 01Probabilidade e Estatística - Aula 01
Probabilidade e Estatística - Aula 01
Augusto Junior
 
Probabilidade e Estatística - Aula 02
Probabilidade e Estatística - Aula 02Probabilidade e Estatística - Aula 02
Probabilidade e Estatística - Aula 02
Augusto Junior
 
Probabilidade e Estatística - Aula 04
Probabilidade e Estatística - Aula 04Probabilidade e Estatística - Aula 04
Probabilidade e Estatística - Aula 04
Augusto Junior
 
Matemática aplicada aula01
Matemática aplicada aula01Matemática aplicada aula01
Matemática aplicada aula01
Augusto Junior
 
Segurança e medicina do trabalho aula6
Segurança e medicina do trabalho aula6Segurança e medicina do trabalho aula6
Segurança e medicina do trabalho aula6
Augusto Junior
 
Segurança e medicina do trabalho aula5
Segurança e medicina do trabalho aula5Segurança e medicina do trabalho aula5
Segurança e medicina do trabalho aula5
Augusto Junior
 
Segurança e medicina do trabalho aula4
Segurança e medicina do trabalho aula4Segurança e medicina do trabalho aula4
Segurança e medicina do trabalho aula4
Augusto Junior
 
Segurança e medicina do trabalho aula2
Segurança e medicina do trabalho aula2Segurança e medicina do trabalho aula2
Segurança e medicina do trabalho aula2
Augusto Junior
 
Segurança e medicina do trabalho aula1
Segurança e medicina do trabalho aula1Segurança e medicina do trabalho aula1
Segurança e medicina do trabalho aula1
Augusto Junior
 
Segurança e medicina do trabalho aula3
Segurança e medicina do trabalho aula3Segurança e medicina do trabalho aula3
Segurança e medicina do trabalho aula3
Augusto Junior
 
Aula pre sal 6 sistemas de produção
Aula pre sal 6 sistemas de produçãoAula pre sal 6 sistemas de produção
Aula pre sal 6 sistemas de produção
Augusto Junior
 
Aula pre sal 5 completação de poços
Aula pre sal 5 completação de poçosAula pre sal 5 completação de poços
Aula pre sal 5 completação de poços
Augusto Junior
 
Aula pre sal 4 perfuração de poços
Aula pre sal 4 perfuração de poçosAula pre sal 4 perfuração de poços
Aula pre sal 4 perfuração de poços
Augusto Junior
 
Aula pre sal 3 extração e suas burocracias
Aula pre sal 3 extração e suas burocraciasAula pre sal 3 extração e suas burocracias
Aula pre sal 3 extração e suas burocracias
Augusto Junior
 
Aula pre sal 2 - A origem do pré-sal
Aula pre sal 2 - A origem do pré-salAula pre sal 2 - A origem do pré-sal
Aula pre sal 2 - A origem do pré-sal
Augusto Junior
 
Aula pre sal 1 - Noções do Petróleo
Aula pre sal 1 - Noções do PetróleoAula pre sal 1 - Noções do Petróleo
Aula pre sal 1 - Noções do Petróleo
Augusto Junior
 
Matemática financeira aula 4
Matemática financeira aula 4Matemática financeira aula 4
Matemática financeira aula 4
Augusto Junior
 
Matemática financeira aula 3
Matemática financeira aula 3Matemática financeira aula 3
Matemática financeira aula 3
Augusto Junior
 
Matemática financeira pronatec aula 1
Matemática financeira pronatec   aula 1Matemática financeira pronatec   aula 1
Matemática financeira pronatec aula 1
Augusto Junior
 

Mais de Augusto Junior (20)

Probabilidade e Estatística - Aula 03
Probabilidade e Estatística - Aula 03Probabilidade e Estatística - Aula 03
Probabilidade e Estatística - Aula 03
 
Probabilidade e Estatística - Aula 01
Probabilidade e Estatística - Aula 01Probabilidade e Estatística - Aula 01
Probabilidade e Estatística - Aula 01
 
Probabilidade e Estatística - Aula 02
Probabilidade e Estatística - Aula 02Probabilidade e Estatística - Aula 02
Probabilidade e Estatística - Aula 02
 
Probabilidade e Estatística - Aula 04
Probabilidade e Estatística - Aula 04Probabilidade e Estatística - Aula 04
Probabilidade e Estatística - Aula 04
 
Matemática aplicada aula01
Matemática aplicada aula01Matemática aplicada aula01
Matemática aplicada aula01
 
Segurança e medicina do trabalho aula6
Segurança e medicina do trabalho aula6Segurança e medicina do trabalho aula6
Segurança e medicina do trabalho aula6
 
Segurança e medicina do trabalho aula5
Segurança e medicina do trabalho aula5Segurança e medicina do trabalho aula5
Segurança e medicina do trabalho aula5
 
Segurança e medicina do trabalho aula4
Segurança e medicina do trabalho aula4Segurança e medicina do trabalho aula4
Segurança e medicina do trabalho aula4
 
Segurança e medicina do trabalho aula2
Segurança e medicina do trabalho aula2Segurança e medicina do trabalho aula2
Segurança e medicina do trabalho aula2
 
Segurança e medicina do trabalho aula1
Segurança e medicina do trabalho aula1Segurança e medicina do trabalho aula1
Segurança e medicina do trabalho aula1
 
Segurança e medicina do trabalho aula3
Segurança e medicina do trabalho aula3Segurança e medicina do trabalho aula3
Segurança e medicina do trabalho aula3
 
Aula pre sal 6 sistemas de produção
Aula pre sal 6 sistemas de produçãoAula pre sal 6 sistemas de produção
Aula pre sal 6 sistemas de produção
 
Aula pre sal 5 completação de poços
Aula pre sal 5 completação de poçosAula pre sal 5 completação de poços
Aula pre sal 5 completação de poços
 
Aula pre sal 4 perfuração de poços
Aula pre sal 4 perfuração de poçosAula pre sal 4 perfuração de poços
Aula pre sal 4 perfuração de poços
 
Aula pre sal 3 extração e suas burocracias
Aula pre sal 3 extração e suas burocraciasAula pre sal 3 extração e suas burocracias
Aula pre sal 3 extração e suas burocracias
 
Aula pre sal 2 - A origem do pré-sal
Aula pre sal 2 - A origem do pré-salAula pre sal 2 - A origem do pré-sal
Aula pre sal 2 - A origem do pré-sal
 
Aula pre sal 1 - Noções do Petróleo
Aula pre sal 1 - Noções do PetróleoAula pre sal 1 - Noções do Petróleo
Aula pre sal 1 - Noções do Petróleo
 
Matemática financeira aula 4
Matemática financeira aula 4Matemática financeira aula 4
Matemática financeira aula 4
 
Matemática financeira aula 3
Matemática financeira aula 3Matemática financeira aula 3
Matemática financeira aula 3
 
Matemática financeira pronatec aula 1
Matemática financeira pronatec   aula 1Matemática financeira pronatec   aula 1
Matemática financeira pronatec aula 1
 

Último

Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 

Último (20)

Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 

Processos formadores de tecidos

  • 2. Tecelagem - Introdução  Plana: Necessariamente é o entrelaçamento entre 2 fios (urdume e trama).  Tecidos lisos, duplos e triplos.  Depende de várias outras etapas de processo  Formação de bobinas, ou cones (filatório de anel);  Urdição;  Engomagem;  Acondicionamento do fio de trama.  Malha: Entrelaçamento de um tipo de fio  Malha por trama (Circular);  Malha por urdimento (Ketten).  Menos etapas e processo de formação mais rápido.
  • 3. Tecelagem Plana - Propriedades  Formação do tecido plano  Abertura da cala;  Levantamento e rebaixamento de camadas de urdume.  Inserção do fio de trama;  Formas variadas de inserção.  Batida do pente  Acomodação da trama inserida ao tecido já formado.
  • 4. Processos de Formação (Etapas)  Embalagem do fio em grandes quantidades;  Urdição;  Engomagem;  Remeteção;  Acondicionamento da trama;  Tecelagem.
  • 5.  Produto de saída: Rolo de urdideira;  Bobinas, ou cones, de fios  Dispostos numa gaiola;  Tensionadores: Mantém a tensão de alimentação do rolo constante durante todo o processo.  Dispositivos em cada fio da gaiola;  Feito por discos de metal, barras, ou combinado.  Sensores  Máquinas atuais: interrompe o funcionamento da máquina quando ocorre ruptura de um fio.  Pente (Cabeçeira)  Separação dos fios de forma a ter um rolo mais homogêneo. Processos de Formação - Urdição
  • 6. Processos de Formação - Urdição  Tipos de urdideira  Contínua;  Maioria dos tecidos;  Rolo formado com uma camada única dos fios em toda sua extensão.  Seccional.  Tecidos com urdimento diferenciado;  Formação de camadas de fios num mesmo rolo.
  • 7. Processos de Formação - Engomagem Produto de saída: Rolo de urdume.  Junção de vários rolos de urdideira.  Aplicação de goma.  Resistir à tensão aplicada pelo tear.  Controle de vários parâmetros de processo  Carga de goma, pressão de espremedura da manta, temperatura da zona de secagem, etc.
  • 8.  Processo semelhante à engomagem normal;  Diferença:Tingimento dos fios de urdume  Caixas de umectação e de corante antes da caixa de goma  Pricipais efeitos de tingimento  Sobretingimentos (Bottoming eTopping);  Delavê; Engomagem do Indigo
  • 9.  Passamento dos fios de urdume pelos olhais do quadro de liços.  Plano de remeteção  Ordenação do passamento dos fios pelos quadros.  A padronagem do tecido é definida pelo plano de remeteção.  Quantidade mínima de quadros para a formação de um determinado desenho Processos de Formação - Remeteção
  • 10.  Ao sair da fiação: Fio com uma carga de tensão muito alta.  Para sua utilização como fio de trama é necessário realizar um acondicionamento.  Relaxamento das tensões do fio, provenientes da fiação;  Retorno da estabilidade dimensional do fio;  Aspecto da bobina mais “fofa”.  Formas acondicionamento  Autoclave  Gasto elevado;  Pode ter mais de uma utilização (Venda de fios);  “Xorela”  A água é borrifada de tubulações suspensas com microfuros (econômico);  Galpões específicos para esse procedimento;  Necessidade de disposição das bobinas em paletes, sendo que o conjunto de bobinas do topo deve ser coberta com mais uma camada de palete. Processos de Formação – Fio de trama
  • 11. Processos de Formação – Tecelagem  Tear  Máquina onde é realizado o processo de tecimento em si.  Parte onde ocorre as três etapas principais de formação do tecido plano  Abertura da cala;  Inserção da trama;  Batida do pente.  Tipos de Teares  Manuais;  Mecânicos.
  • 12.  Teares Manuais  As três etapas realizadas manualmente;  Mais utilizados em trabalhos artesanais. Tipos de Teares
  • 13. Tipos de Teares  Teares Mecânicos  As três etapas são realizadas mecanicamente.  Tipos de teares (Diferenciação)  Quanto à forma de abertura de cala  Teares de quadros-de-liços;  Teares Jacquard.  Quanto ao tipo de inserção de trama  Lançadeira;  Projétil;  Pinça;  Jato-de-água;  Jato-de-ar;  Tambor rotativo.
  • 14.  Tear de quadro-de-liços: Desenhos básicos com algumas variações entre eles.  Desenhos básicos  Tafetá (Tela);  Sarja;  Cetim;  Variações  Panamá;  Batávias;  Espinha-de-peixe, etc. Tipos de Teares
  • 15. Tipos de Teares  Teares Jacquard  Construção de desenhos complexos;  Controle da evolução feita fio-a-fio;  Padrões feitos por meio de tabelas pinadas, ou por arquivos digitais.  Possibilidade de produção de artigos felpudos (Toalhas) por utilizar dois rolos de urdume.
  • 16. Tipos de Teares  Os primeiros teares mecânicos produzidos eram com inserção de lançadeira.  Carretel dentro de um dispositivo que fazia o percurso da inserção da trama.  Possibilidade de se produzir tecidos planos tubulares;  Riscos de acidentes graves  Lançadeira fora do percurso de inserção.  Inovações  Inserção de projétil  Produção mais rápida;  Aumento de defeitos de “falta de trama”;  Desgaste muito rápido dos componentes de inserção.
  • 17. Tipos de Teares  Inovações  Inserção por pinças  Redução dos acidentes e das perdas de trama;  Melhorias na composição das pinças;  Produtividade razoável.  Inserção por Jato-de-água  Principal utilização: Redução da quantidade de fibrilas dentro as sala de tecelagem;  Poucas unidades devido ao alto custo para utilização de dutos de água para exclusivamente alimentar os teares.
  • 18. Tipos de Teares  Inovações  Inserção por Jato-de-ar  Maioria dos teares em atividade hoje nas fábricas;  Alta relação custo x benefício, quanto à produtividade e consumo;  Capacidade de trabalho em altas rotações (750 – 900 RPM);  Necessidade de climatação das salas  Umidade relativa do ar deve permanecer alta para evitar problemas quanto à ruptura de trama e, consequentemente, quanto à saúde do trabalhador e rendimento das máquinas.  Inserção por Tubo rotativo  Altas produções em altos rendimentos;  Poucas paradas de máquinas por ruptura de trama, ou abertura irregular da cala.  Não foi bem aceita: Dificuldade de mudança do desenho  Exemplo: O tambor para a produzir o tafetá é totalmente diferente do tambor que produz a sarja e a troca de um pelo outro é muito difícil.