SlideShare uma empresa Scribd logo
67 
Padronagem de Tecidos Planos 
I. Construções Tipicas de Alguns Artigos 
São inúmeras as possibilidades de combinação entre fios e ligamentos. Seria impossível fazer-se um 
levantamento de todos os tipos de tecidos existents, uma vez que todos os dias novas estruturas são 
criadas em todas as partes do mundo. 
Existem, entretanto, certas construções que são bastante utilizadas em todas as tecelagens. 
Apresentaremos aqui, algumas das mais usuais, com a finalidade de possibilitar uma comparação 
entre os elementos que compõe esses tecidos. 
As estruturas a seguir são típicas de diversos artigos, apresentados com seu nome comercial. A 
maior parte tem ligamento TELA, seguido pela SARJA e, finalmente pelo CETIM, que são os 
ligamentos fundamentais. Outros ligamentos são também relacionados, possibilitando uma 
comparação mais detalhada. 
i. Estruturas Típicas em Ligamento Tela 
O ligamento tela é o mais simples dos ligamentos e é, também o que possibilita maiores contrações 
de urdume e trama, o que pode ser observado na coluna diferença. Na média essa contração está em 
torno de 12%, podendo alcançar até pouco mais de 20% nos casos de tecidos de estrutura fechada. 
Estruturas abertas apresentam contrações menores. 
Não obstante isso, é o ligamento utilizado nos tecidos mais leves, uma vez que o entrelaçamento 
prende bem os fios, ainda que os fatores de cobertura de urdume e trama sejam baixos, reduzindo a 
possibilidade de esgarçamento. 
Tecidos em ligamento tela são utilizados nas mais diversas finalidades, desde vestuário, até uso 
técnico e industrial, podendo ser cru, estampado, tinto em peça ou, com fio tinto. 
Cambraia 
Tecido bastante fino, sempre leve (inferior a 135 g/m2), normalmente em algodão puro, sendo 
também bastante apreciada a cambraia de linho. Possui uso, principalmente, em camisas masculinas 
e blusas femininas. 
Organdi 
Tecido bastante fino, sempre leve (inferior a 135 g/m2), normalmente em algodão puro, sendo 
também utilizada a poliamida, a viscose e o acetato, sendo bastante apreciado o organdi de seda, 
que recebe o nome especial de organza. Possui uso, principalmente, em roupas femininas. 
Voile 
Tecido bastante fino, sempre leve (inferior a 135 g/m2), normalmente em algodão puro, sendo 
também utilizadas misturas de algodão com poliéster para artigos mais baratos. Possui uso, 
principalmente, em camisas masculinas e blusas femininas. 
Gaze Cirúrgica 
Tecido bastante fino, sempre leve (inferior a 135 g/m2), sempre em algodão puro, tratado para dar-lhe 
características hidrófilas.
Tricoline 
Tecido fino, sempre leve (inferior a 135 g/m2), em algodão puro. Possui uso, principalmente, em 
camisas masculinas, blusas femininas, vestidos e saias. 
Popeline 
São tecidos leves ou médios quanto à densidade superficial (inferior a 135 g/m2, até 270 g/m2), 
sempre com estrutura fechada, em algodão puro, ou em misturas dessa fibra com poliéster. Os fios 
são normalmente cardados, sendo utilizados os penteados para artigos de melhor qualidade. Usado 
principalmente para vestuário. 
Flanela 
Tecido leve (inferior a 135 g/m2), em algodão puro. Utiliza-se uma trama possui um título 
aproximadamente o dobro do respectivo urdume. O uso da trama mais grossa justifica-se pelo 
acabamento que lhe será dado, onde os pêlos serão levantados. 
Feito com fio tinto são utilizados em vestuário, como camisas masculinas para inverno, por 
exemplo. Tinto em peça e produzido com fios de baixa qualidade, são utilizados para panos de 
limpeza e polimento. 
ii. Estruturas Típicas do Ligamento Sarja 
O ligamento sarja é o primeiro mais complexo depois do ligamento tela. Os tecidos em ligamento 
sarja são principalmente utilizados para vestuário, particularmente em roupas profissionais, como 
macacão, avental e em outros tecidos onde uma construção forte é fundamental. Destaca-se a sua 
utilização em jeans que, se atualmente é um importante item da moda, teve sua origem como 
vestimenta de garimpeiros. 
É freqüentemente mais firme que o tecido em ligamento tela, tendo menos tendência a sujar-se, 
apesar de ser de limpeza mais difícil na lavagem. Normalmente o tecido é tinto em peça, exceção ao 
tecido denim (onde o urdume é tinto e a trama é de fio cru). Nada impede que seja estampado, 
sendo isso, entretanto, raro de ocorrer. 
68 
Brim 
Tecido bastante popular, de densidade superficial média, (entre 136 e 270 g/m2), normalmente em 
algodão puro ou misturas desta fibra, ou de viscose com poliéster. Possui uso, principalmente, em 
calças e roupas profissionais. O ligamento utilizado é a sarja 2/1, geralmente com diagonal à 
esquerda conforme a figura abaixo: 
Ilustração 78: 
Ligamento do 
Brim.
69
70 
Sarja 1/3 
Tecido de densidade superficial leve (até 135 g/m2), nas estruturas relacionadas a seguir, pode 
entretanto, ser também de densidade superficial média, normalmente em algodão puro, ou misura 
dessa fibra, ou de viscose com poliéster. Os fios são cardados podendo ter grande variedade de 
títulos. É um tecido pouco produzido, para uso, principalmente, em vestuário. 
Ilustração 79: 
Ligamento Sarja 1/3. 
Sarja 3/1 
Tecido bastante popular, de densidade superficial média ou pesada, (entre 136 e 270 e superior a 
271 g/m2), normalmente em algodão puro, ou mistura dessa fibra, ou de viscose com poliéster. Para 
uso principalmente, em roupas esportes ou profissionais. 
Denim 
Ilustração 80: 
Ligamento Sarja 3/1. 
Provavelmente o tecido mais popular atualmente. Trata-se de um tipo especial de brim, onde o fio 
de urdume é tinto (geralmente em azul índigo) e trama crua. A densidade superficial é média ou 
pesada (entre 136 e 270 e superior a 271 g/m2), sempre em algodão puro. Possui uso, 
principalmente, em roupas esportes ou profissionais. 
Ilustração81: 
Ligamento Denim.
iii. Estruturas Típicas do Ligamento Cetim 
O ligamento cetim é o mais complexo dos ligamentos fundamentais. Os tecidos em ligamento cetim 
são principalmente utilizados para vestuário (particularmente para roupas de noite) para forros de 
casacos e paletós e para decoração, estando frenqüentemente ligado à idéia de luxo. 
É normalmente menos firme que o tecido em ligamento tela ou em sarja. O reflexo de luz dos fios 
flutuantes possibilitam ao tecido o brilho que aparece na direção dos fios de maior cobertura. Tem 
melhor caimento que os tecidos em tela e em sarja. Tem menos tendência a sujar-se, sendo de 
limpeza mais fácil na lavagem. Quanto mais quadros de liços tiver a repetição, maior será a 
cobertura do urdume. Normalmente, o tecido é tinto em peça. Mas nada impede que seja 
estampado, sendo isso, entretanto, raro de ocorrer. 
71 
Cetim de Urdume 5 Quadros 
Tecido sempre fechado, de densidade superficial leve ou média, (inferior a 135 e até 270 g/m2), 
normalmente em algodão puro, ou misturas dessa fibra, ou de viscose com poliéster. Os fios podem 
ser cardados ou penteados. 
Ilustração 82: Ligamento 
do Cetim de Urdume 5 
Quadros. 
Cetim de Trama 5 Quadros 
Ilustração 83: 
Ligamento do Cetim de 
Trama 5 Quadros. 
Tecido sempre fechado, de densidade superficial leve, (inferior a 135 g/m2), normalmente em 
algodão puro, ou misturas dessa fibra, ou de viscose com poliéster. Os fios podem ser cardados ou 
penteados. 
I.Densidade Superficial do Tecido (Gramatura) 
A densidade superficial do tecido é a quantidade de massa por unidade de superfície. Utiliza-se, 
normalmente, gramas por metro quadrado (g/m2). O tecido pode ser avaliado através da gramatura 
conforme a tabela abaixo:
72 
g/m2 Avaliação 
< 135 LEVE 
Entre 136 e 270 MÉDIO 
> 271 PESADO 
Tabela 1: Classificação da Gramatura. Fonte: CRESPIM (2000). 
Método de Teste Padrão para Massa por Unidade de Área (Peso) do 
Tecido (Ensaio de Gramatura) 
Norma ASTM D 3776-96 – Standard Test Method for Mass Per Unit Area (Weight) of Fabric. 
Opção A Pedaço Completo, Rolo ou Cortado 
Opção B Amostra com a Largura Completa 
Opção C Pequeno Pedaço de Tecido 
Opção D Tecidos Estreitos 
Opção E Pequeno Pedaço de Tecido 
a) Significado e Uso: 
Este procedimento é aplicável quando um pequeno pedaço de tecido é mandado para o laboratório 
para ser usado como corpo de prova. Os resultados são considerados para serem aplicáveis na amostra 
e não necessariamente para o lote do qual a amostra foi retirada. As medições por este método não 
incluem ourela e deve ser informada dessa maneira, a menos que uma ourela seja especificada. 
b) Amostragem: 
A opção C é usada só quando há disponível um tecido limitado e não deve ser usado para teste de 
aceitação. Preparar os seguintes corpos de prova de um pequeno pedaço de tecido é possível. 
c) Preparando os corpos de prova: 
Prepare um corpo de prova condicionado tendo uma área de pelo menos 130 cm2 ou número de corpo 
de prova cortado dado menor tirado de diferentes partes do tecido de amostra e tendo uma área total 
de pelo menos 130 cm2. Não pegue esses corpos de prova mais perto do que um décimo da largura do 
tecido de uma ourela ou corte do final. Se tecido insuficiente é disponível para encontrar estes 
critérios, anote este fato no relatório. A obtenção dos corpos de prova devem seguir como no esquema 
apresentado abaixo:
Ilustração 1: Obtenção de Amostras. 
d) Procedimento: 
 Determine a área do(s) corpo(s) de prova usado(s). Para corpo de prova dado cortado, a área 
dada é normalmente informada. Para outros corpos de prova, multiplique o comprimento pela 
largura. 
 O peso da(s) amostra(s) em ± 0,1% de massa (peso) na balança. Corpos de prova de um tecido 
73 
podem ser pesados juntos. 
e) Cálculos: 
Dimensões e massa podem ser determinadas nas unidades SI e calculadas usando as seguintes 
equações: 
 Calcule a área da amostra (em m2); 
 Pese a amostra; 
 Faça o cálculo: 
g /m2= Peso 
Área

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tecnologia Textil - Apostilha tecnica
Tecnologia Textil - Apostilha tecnica Tecnologia Textil - Apostilha tecnica
Tecnologia Textil - Apostilha tecnica
Consultor em negócios de moda mineira
 
30 Tecidos
30 Tecidos30 Tecidos
30 Tecidos
Vivian Vianna
 
Mostruário de tecidos
Mostruário de tecidosMostruário de tecidos
Mostruário de tecidos
Barbara Allexia
 
Materiais e tecnologia têxtil III
Materiais e tecnologia têxtil IIIMateriais e tecnologia têxtil III
Materiais e tecnologia têxtil III
Fernanda
 
Tecidos - Tafetá, Tricoline e Laise
Tecidos - Tafetá, Tricoline e LaiseTecidos - Tafetá, Tricoline e Laise
Tecidos - Tafetá, Tricoline e Laise
Vivian Vianna
 
Analise tecidos planos e controlo da qualidade
Analise tecidos planos e controlo da qualidadeAnalise tecidos planos e controlo da qualidade
Analise tecidos planos e controlo da qualidade
Constantino Monteiro Alves
 
Processos formadores de tecidos
Processos formadores de tecidosProcessos formadores de tecidos
Processos formadores de tecidos
Augusto Junior
 
Malharia retilínea
Malharia retilínea Malharia retilínea
Malharia retilínea
Barbara Allexia
 
Titulação
TitulaçãoTitulação
Titulação
rmgimenez
 
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidadeFundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Débora Cseri
 
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabricoFiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Constantino Monteiro Alves
 
Tecnologia Textil-basica
Tecnologia Textil-basicaTecnologia Textil-basica
Tecnologia Textil-basica
José Carlos de Castro
 
Materiais e Processos Têxteis-Parte 2
Materiais e Processos Têxteis-Parte 2Materiais e Processos Têxteis-Parte 2
Materiais e Processos Têxteis-Parte 2
José Carlos de Castro
 
Materiais e Processos Têxteis
Materiais e Processos TêxteisMateriais e Processos Têxteis
Materiais e Processos Têxteis
José Carlos de Castro
 
Tecelagem plana
Tecelagem planaTecelagem plana
Tecelagem plana
Claudio Roberto
 
Analise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama f
Analise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama fAnalise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama f
Analise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama f
Constantino Monteiro Alves
 
Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim
Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bimApostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim
Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim
Limafabiana
 
Controle do processo Fiação (passador I, passador II e maçaroqueira)
Controle do processo Fiação (passador I, passador II e maçaroqueira)Controle do processo Fiação (passador I, passador II e maçaroqueira)
Controle do processo Fiação (passador I, passador II e maçaroqueira)
Fabio Cerqueira
 
Controlo qualidade e processos de fiações de fios para malhas
Controlo qualidade e processos de fiações de fios para malhasControlo qualidade e processos de fiações de fios para malhas
Controlo qualidade e processos de fiações de fios para malhas
Constantino Monteiro Alves
 
Introdução ao Universo Têxtil
Introdução ao Universo TêxtilIntrodução ao Universo Têxtil
Introdução ao Universo Têxtil
Focus Têxtil
 

Mais procurados (20)

Tecnologia Textil - Apostilha tecnica
Tecnologia Textil - Apostilha tecnica Tecnologia Textil - Apostilha tecnica
Tecnologia Textil - Apostilha tecnica
 
30 Tecidos
30 Tecidos30 Tecidos
30 Tecidos
 
Mostruário de tecidos
Mostruário de tecidosMostruário de tecidos
Mostruário de tecidos
 
Materiais e tecnologia têxtil III
Materiais e tecnologia têxtil IIIMateriais e tecnologia têxtil III
Materiais e tecnologia têxtil III
 
Tecidos - Tafetá, Tricoline e Laise
Tecidos - Tafetá, Tricoline e LaiseTecidos - Tafetá, Tricoline e Laise
Tecidos - Tafetá, Tricoline e Laise
 
Analise tecidos planos e controlo da qualidade
Analise tecidos planos e controlo da qualidadeAnalise tecidos planos e controlo da qualidade
Analise tecidos planos e controlo da qualidade
 
Processos formadores de tecidos
Processos formadores de tecidosProcessos formadores de tecidos
Processos formadores de tecidos
 
Malharia retilínea
Malharia retilínea Malharia retilínea
Malharia retilínea
 
Titulação
TitulaçãoTitulação
Titulação
 
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidadeFundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
 
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabricoFiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
 
Tecnologia Textil-basica
Tecnologia Textil-basicaTecnologia Textil-basica
Tecnologia Textil-basica
 
Materiais e Processos Têxteis-Parte 2
Materiais e Processos Têxteis-Parte 2Materiais e Processos Têxteis-Parte 2
Materiais e Processos Têxteis-Parte 2
 
Materiais e Processos Têxteis
Materiais e Processos TêxteisMateriais e Processos Têxteis
Materiais e Processos Têxteis
 
Tecelagem plana
Tecelagem planaTecelagem plana
Tecelagem plana
 
Analise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama f
Analise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama fAnalise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama f
Analise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama f
 
Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim
Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bimApostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim
Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim
 
Controle do processo Fiação (passador I, passador II e maçaroqueira)
Controle do processo Fiação (passador I, passador II e maçaroqueira)Controle do processo Fiação (passador I, passador II e maçaroqueira)
Controle do processo Fiação (passador I, passador II e maçaroqueira)
 
Controlo qualidade e processos de fiações de fios para malhas
Controlo qualidade e processos de fiações de fios para malhasControlo qualidade e processos de fiações de fios para malhas
Controlo qualidade e processos de fiações de fios para malhas
 
Introdução ao Universo Têxtil
Introdução ao Universo TêxtilIntrodução ao Universo Têxtil
Introdução ao Universo Têxtil
 

Destaque

Classificação+dos+tecidos+planos
Classificação+dos+tecidos+planosClassificação+dos+tecidos+planos
Classificação+dos+tecidos+planos
Miriam Granda
 
Sample tzb18
Sample tzb18Sample tzb18
Sample tzb18
Trendz Bureau
 
Marles - Verão 2016 - parte 4: Estilo Nacional
Marles - Verão 2016 - parte 4: Estilo NacionalMarles - Verão 2016 - parte 4: Estilo Nacional
Marles - Verão 2016 - parte 4: Estilo Nacional
Marles Indústria Têxtil e Comércio Ltda.
 
Avaliacao ambiental
Avaliacao ambientalAvaliacao ambiental
Avaliacao ambiental
Rodrigo Lacerda
 
Aula5 slides textoliterárionãoliterário
Aula5 slides textoliterárionãoliterárioAula5 slides textoliterárionãoliterário
Aula5 slides textoliterárionãoliterário
Bárbara Santos
 
Atividade comparada
Atividade comparadaAtividade comparada
Atividade comparada
Mara Júnia
 
Desenvolvimento sustentável e a indústria têxtil
Desenvolvimento sustentável e a indústria têxtilDesenvolvimento sustentável e a indústria têxtil
Desenvolvimento sustentável e a indústria têxtil
tcredu
 
Plano de aula - Script
Plano de aula - ScriptPlano de aula - Script
Plano de aula - Script
Marcus Albuquerque
 
Fornituras, pasamanerias y componentes de una prenda
Fornituras, pasamanerias y componentes de una prendaFornituras, pasamanerias y componentes de una prenda
Fornituras, pasamanerias y componentes de una prenda
alejandrinarincon69
 
Fibras relação estrutura - props - usos
Fibras   relação estrutura - props - usosFibras   relação estrutura - props - usos
Fibras relação estrutura - props - usos
felins
 
Trabalho têxteis
Trabalho têxteisTrabalho têxteis
Trabalho têxteis
João Pereira
 
Dicas do texto narrativo
Dicas do texto narrativoDicas do texto narrativo
Dicas do texto narrativo
Priscila Eiras
 
Apostila ppcp textil
Apostila ppcp textilApostila ppcp textil
Apostila ppcp textil
sollavanderias
 
Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Aula teórica Fibras têxteis (rm)Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Marcel Jefferson Gonçalves
 
51161222 tipologia-textual
51161222 tipologia-textual51161222 tipologia-textual
51161222 tipologia-textual
Éric Santos
 
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileiraRevisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
ma.no.el.ne.ves
 
Contexto de produção, circulação e recepção de textos
Contexto de produção, circulação e recepção de textosContexto de produção, circulação e recepção de textos
Contexto de produção, circulação e recepção de textos
ma.no.el.ne.ves
 
CORES
CORESCORES

Destaque (18)

Classificação+dos+tecidos+planos
Classificação+dos+tecidos+planosClassificação+dos+tecidos+planos
Classificação+dos+tecidos+planos
 
Sample tzb18
Sample tzb18Sample tzb18
Sample tzb18
 
Marles - Verão 2016 - parte 4: Estilo Nacional
Marles - Verão 2016 - parte 4: Estilo NacionalMarles - Verão 2016 - parte 4: Estilo Nacional
Marles - Verão 2016 - parte 4: Estilo Nacional
 
Avaliacao ambiental
Avaliacao ambientalAvaliacao ambiental
Avaliacao ambiental
 
Aula5 slides textoliterárionãoliterário
Aula5 slides textoliterárionãoliterárioAula5 slides textoliterárionãoliterário
Aula5 slides textoliterárionãoliterário
 
Atividade comparada
Atividade comparadaAtividade comparada
Atividade comparada
 
Desenvolvimento sustentável e a indústria têxtil
Desenvolvimento sustentável e a indústria têxtilDesenvolvimento sustentável e a indústria têxtil
Desenvolvimento sustentável e a indústria têxtil
 
Plano de aula - Script
Plano de aula - ScriptPlano de aula - Script
Plano de aula - Script
 
Fornituras, pasamanerias y componentes de una prenda
Fornituras, pasamanerias y componentes de una prendaFornituras, pasamanerias y componentes de una prenda
Fornituras, pasamanerias y componentes de una prenda
 
Fibras relação estrutura - props - usos
Fibras   relação estrutura - props - usosFibras   relação estrutura - props - usos
Fibras relação estrutura - props - usos
 
Trabalho têxteis
Trabalho têxteisTrabalho têxteis
Trabalho têxteis
 
Dicas do texto narrativo
Dicas do texto narrativoDicas do texto narrativo
Dicas do texto narrativo
 
Apostila ppcp textil
Apostila ppcp textilApostila ppcp textil
Apostila ppcp textil
 
Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Aula teórica Fibras têxteis (rm)Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Aula teórica Fibras têxteis (rm)
 
51161222 tipologia-textual
51161222 tipologia-textual51161222 tipologia-textual
51161222 tipologia-textual
 
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileiraRevisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
 
Contexto de produção, circulação e recepção de textos
Contexto de produção, circulação e recepção de textosContexto de produção, circulação e recepção de textos
Contexto de produção, circulação e recepção de textos
 
CORES
CORESCORES
CORES
 

Semelhante a Padronagem de tecidos planos

03 entelagem
03   entelagem03   entelagem
03 entelagem
Ricardo Pampu
 
Testes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De Algodao
Testes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De AlgodaoTestes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De Algodao
Testes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De Algodao
PEDRO PACHECO
 
Corteecostura 120702190651-phpapp02-141113100401-conversion-gate02
Corteecostura 120702190651-phpapp02-141113100401-conversion-gate02Corteecostura 120702190651-phpapp02-141113100401-conversion-gate02
Corteecostura 120702190651-phpapp02-141113100401-conversion-gate02
Bárbara Nunes
 
101471857 corte-e-costura-pdf-120914125833-phpapp01
101471857 corte-e-costura-pdf-120914125833-phpapp01101471857 corte-e-costura-pdf-120914125833-phpapp01
101471857 corte-e-costura-pdf-120914125833-phpapp01
Claudia Luzz
 
Corte e costura
Corte e costuraCorte e costura
Corte e costura
dalvasdias
 
101471857 corte-e-costura-pdf
101471857 corte-e-costura-pdf101471857 corte-e-costura-pdf
101471857 corte-e-costura-pdf
Julyana Biavatti
 
Faça suas próprias roupas
Faça suas próprias roupasFaça suas próprias roupas
Os fios têxteis e a tecnologia da fiação
Os fios têxteis e a tecnologia da fiaçãoOs fios têxteis e a tecnologia da fiação
Os fios têxteis e a tecnologia da fiação
tcredu
 
Apostilha tcnica
Apostilha tcnicaApostilha tcnica
Apostilha tcnica
Marcelo Silva
 
Definições de Tipos de Fios e Linhas para Costura
Definições de Tipos de Fios e Linhas para Costura Definições de Tipos de Fios e Linhas para Costura
Definições de Tipos de Fios e Linhas para Costura
Débora Cseri
 

Semelhante a Padronagem de tecidos planos (10)

03 entelagem
03   entelagem03   entelagem
03 entelagem
 
Testes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De Algodao
Testes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De AlgodaoTestes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De Algodao
Testes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De Algodao
 
Corteecostura 120702190651-phpapp02-141113100401-conversion-gate02
Corteecostura 120702190651-phpapp02-141113100401-conversion-gate02Corteecostura 120702190651-phpapp02-141113100401-conversion-gate02
Corteecostura 120702190651-phpapp02-141113100401-conversion-gate02
 
101471857 corte-e-costura-pdf-120914125833-phpapp01
101471857 corte-e-costura-pdf-120914125833-phpapp01101471857 corte-e-costura-pdf-120914125833-phpapp01
101471857 corte-e-costura-pdf-120914125833-phpapp01
 
Corte e costura
Corte e costuraCorte e costura
Corte e costura
 
101471857 corte-e-costura-pdf
101471857 corte-e-costura-pdf101471857 corte-e-costura-pdf
101471857 corte-e-costura-pdf
 
Faça suas próprias roupas
Faça suas próprias roupasFaça suas próprias roupas
Faça suas próprias roupas
 
Os fios têxteis e a tecnologia da fiação
Os fios têxteis e a tecnologia da fiaçãoOs fios têxteis e a tecnologia da fiação
Os fios têxteis e a tecnologia da fiação
 
Apostilha tcnica
Apostilha tcnicaApostilha tcnica
Apostilha tcnica
 
Definições de Tipos de Fios e Linhas para Costura
Definições de Tipos de Fios e Linhas para Costura Definições de Tipos de Fios e Linhas para Costura
Definições de Tipos de Fios e Linhas para Costura
 

Último

Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 

Padronagem de tecidos planos

  • 1. 67 Padronagem de Tecidos Planos I. Construções Tipicas de Alguns Artigos São inúmeras as possibilidades de combinação entre fios e ligamentos. Seria impossível fazer-se um levantamento de todos os tipos de tecidos existents, uma vez que todos os dias novas estruturas são criadas em todas as partes do mundo. Existem, entretanto, certas construções que são bastante utilizadas em todas as tecelagens. Apresentaremos aqui, algumas das mais usuais, com a finalidade de possibilitar uma comparação entre os elementos que compõe esses tecidos. As estruturas a seguir são típicas de diversos artigos, apresentados com seu nome comercial. A maior parte tem ligamento TELA, seguido pela SARJA e, finalmente pelo CETIM, que são os ligamentos fundamentais. Outros ligamentos são também relacionados, possibilitando uma comparação mais detalhada. i. Estruturas Típicas em Ligamento Tela O ligamento tela é o mais simples dos ligamentos e é, também o que possibilita maiores contrações de urdume e trama, o que pode ser observado na coluna diferença. Na média essa contração está em torno de 12%, podendo alcançar até pouco mais de 20% nos casos de tecidos de estrutura fechada. Estruturas abertas apresentam contrações menores. Não obstante isso, é o ligamento utilizado nos tecidos mais leves, uma vez que o entrelaçamento prende bem os fios, ainda que os fatores de cobertura de urdume e trama sejam baixos, reduzindo a possibilidade de esgarçamento. Tecidos em ligamento tela são utilizados nas mais diversas finalidades, desde vestuário, até uso técnico e industrial, podendo ser cru, estampado, tinto em peça ou, com fio tinto. Cambraia Tecido bastante fino, sempre leve (inferior a 135 g/m2), normalmente em algodão puro, sendo também bastante apreciada a cambraia de linho. Possui uso, principalmente, em camisas masculinas e blusas femininas. Organdi Tecido bastante fino, sempre leve (inferior a 135 g/m2), normalmente em algodão puro, sendo também utilizada a poliamida, a viscose e o acetato, sendo bastante apreciado o organdi de seda, que recebe o nome especial de organza. Possui uso, principalmente, em roupas femininas. Voile Tecido bastante fino, sempre leve (inferior a 135 g/m2), normalmente em algodão puro, sendo também utilizadas misturas de algodão com poliéster para artigos mais baratos. Possui uso, principalmente, em camisas masculinas e blusas femininas. Gaze Cirúrgica Tecido bastante fino, sempre leve (inferior a 135 g/m2), sempre em algodão puro, tratado para dar-lhe características hidrófilas.
  • 2. Tricoline Tecido fino, sempre leve (inferior a 135 g/m2), em algodão puro. Possui uso, principalmente, em camisas masculinas, blusas femininas, vestidos e saias. Popeline São tecidos leves ou médios quanto à densidade superficial (inferior a 135 g/m2, até 270 g/m2), sempre com estrutura fechada, em algodão puro, ou em misturas dessa fibra com poliéster. Os fios são normalmente cardados, sendo utilizados os penteados para artigos de melhor qualidade. Usado principalmente para vestuário. Flanela Tecido leve (inferior a 135 g/m2), em algodão puro. Utiliza-se uma trama possui um título aproximadamente o dobro do respectivo urdume. O uso da trama mais grossa justifica-se pelo acabamento que lhe será dado, onde os pêlos serão levantados. Feito com fio tinto são utilizados em vestuário, como camisas masculinas para inverno, por exemplo. Tinto em peça e produzido com fios de baixa qualidade, são utilizados para panos de limpeza e polimento. ii. Estruturas Típicas do Ligamento Sarja O ligamento sarja é o primeiro mais complexo depois do ligamento tela. Os tecidos em ligamento sarja são principalmente utilizados para vestuário, particularmente em roupas profissionais, como macacão, avental e em outros tecidos onde uma construção forte é fundamental. Destaca-se a sua utilização em jeans que, se atualmente é um importante item da moda, teve sua origem como vestimenta de garimpeiros. É freqüentemente mais firme que o tecido em ligamento tela, tendo menos tendência a sujar-se, apesar de ser de limpeza mais difícil na lavagem. Normalmente o tecido é tinto em peça, exceção ao tecido denim (onde o urdume é tinto e a trama é de fio cru). Nada impede que seja estampado, sendo isso, entretanto, raro de ocorrer. 68 Brim Tecido bastante popular, de densidade superficial média, (entre 136 e 270 g/m2), normalmente em algodão puro ou misturas desta fibra, ou de viscose com poliéster. Possui uso, principalmente, em calças e roupas profissionais. O ligamento utilizado é a sarja 2/1, geralmente com diagonal à esquerda conforme a figura abaixo: Ilustração 78: Ligamento do Brim.
  • 3. 69
  • 4. 70 Sarja 1/3 Tecido de densidade superficial leve (até 135 g/m2), nas estruturas relacionadas a seguir, pode entretanto, ser também de densidade superficial média, normalmente em algodão puro, ou misura dessa fibra, ou de viscose com poliéster. Os fios são cardados podendo ter grande variedade de títulos. É um tecido pouco produzido, para uso, principalmente, em vestuário. Ilustração 79: Ligamento Sarja 1/3. Sarja 3/1 Tecido bastante popular, de densidade superficial média ou pesada, (entre 136 e 270 e superior a 271 g/m2), normalmente em algodão puro, ou mistura dessa fibra, ou de viscose com poliéster. Para uso principalmente, em roupas esportes ou profissionais. Denim Ilustração 80: Ligamento Sarja 3/1. Provavelmente o tecido mais popular atualmente. Trata-se de um tipo especial de brim, onde o fio de urdume é tinto (geralmente em azul índigo) e trama crua. A densidade superficial é média ou pesada (entre 136 e 270 e superior a 271 g/m2), sempre em algodão puro. Possui uso, principalmente, em roupas esportes ou profissionais. Ilustração81: Ligamento Denim.
  • 5. iii. Estruturas Típicas do Ligamento Cetim O ligamento cetim é o mais complexo dos ligamentos fundamentais. Os tecidos em ligamento cetim são principalmente utilizados para vestuário (particularmente para roupas de noite) para forros de casacos e paletós e para decoração, estando frenqüentemente ligado à idéia de luxo. É normalmente menos firme que o tecido em ligamento tela ou em sarja. O reflexo de luz dos fios flutuantes possibilitam ao tecido o brilho que aparece na direção dos fios de maior cobertura. Tem melhor caimento que os tecidos em tela e em sarja. Tem menos tendência a sujar-se, sendo de limpeza mais fácil na lavagem. Quanto mais quadros de liços tiver a repetição, maior será a cobertura do urdume. Normalmente, o tecido é tinto em peça. Mas nada impede que seja estampado, sendo isso, entretanto, raro de ocorrer. 71 Cetim de Urdume 5 Quadros Tecido sempre fechado, de densidade superficial leve ou média, (inferior a 135 e até 270 g/m2), normalmente em algodão puro, ou misturas dessa fibra, ou de viscose com poliéster. Os fios podem ser cardados ou penteados. Ilustração 82: Ligamento do Cetim de Urdume 5 Quadros. Cetim de Trama 5 Quadros Ilustração 83: Ligamento do Cetim de Trama 5 Quadros. Tecido sempre fechado, de densidade superficial leve, (inferior a 135 g/m2), normalmente em algodão puro, ou misturas dessa fibra, ou de viscose com poliéster. Os fios podem ser cardados ou penteados. I.Densidade Superficial do Tecido (Gramatura) A densidade superficial do tecido é a quantidade de massa por unidade de superfície. Utiliza-se, normalmente, gramas por metro quadrado (g/m2). O tecido pode ser avaliado através da gramatura conforme a tabela abaixo:
  • 6. 72 g/m2 Avaliação < 135 LEVE Entre 136 e 270 MÉDIO > 271 PESADO Tabela 1: Classificação da Gramatura. Fonte: CRESPIM (2000). Método de Teste Padrão para Massa por Unidade de Área (Peso) do Tecido (Ensaio de Gramatura) Norma ASTM D 3776-96 – Standard Test Method for Mass Per Unit Area (Weight) of Fabric. Opção A Pedaço Completo, Rolo ou Cortado Opção B Amostra com a Largura Completa Opção C Pequeno Pedaço de Tecido Opção D Tecidos Estreitos Opção E Pequeno Pedaço de Tecido a) Significado e Uso: Este procedimento é aplicável quando um pequeno pedaço de tecido é mandado para o laboratório para ser usado como corpo de prova. Os resultados são considerados para serem aplicáveis na amostra e não necessariamente para o lote do qual a amostra foi retirada. As medições por este método não incluem ourela e deve ser informada dessa maneira, a menos que uma ourela seja especificada. b) Amostragem: A opção C é usada só quando há disponível um tecido limitado e não deve ser usado para teste de aceitação. Preparar os seguintes corpos de prova de um pequeno pedaço de tecido é possível. c) Preparando os corpos de prova: Prepare um corpo de prova condicionado tendo uma área de pelo menos 130 cm2 ou número de corpo de prova cortado dado menor tirado de diferentes partes do tecido de amostra e tendo uma área total de pelo menos 130 cm2. Não pegue esses corpos de prova mais perto do que um décimo da largura do tecido de uma ourela ou corte do final. Se tecido insuficiente é disponível para encontrar estes critérios, anote este fato no relatório. A obtenção dos corpos de prova devem seguir como no esquema apresentado abaixo:
  • 7. Ilustração 1: Obtenção de Amostras. d) Procedimento: Determine a área do(s) corpo(s) de prova usado(s). Para corpo de prova dado cortado, a área dada é normalmente informada. Para outros corpos de prova, multiplique o comprimento pela largura. O peso da(s) amostra(s) em ± 0,1% de massa (peso) na balança. Corpos de prova de um tecido 73 podem ser pesados juntos. e) Cálculos: Dimensões e massa podem ser determinadas nas unidades SI e calculadas usando as seguintes equações: Calcule a área da amostra (em m2); Pese a amostra; Faça o cálculo: g /m2= Peso Área