SlideShare uma empresa Scribd logo
Perfuração de PoçosPerfuração de Poços
Uma introdução aoUma introdução ao
processo e às suasprocesso e às suas
particularidadesparticularidades
PerfuraçãoPerfuração
Realizada através de
uma sonda.
Utilização de vários
equipamentos.
◦ Brocas, fluidos de
perfuração, etc.
Um poço é perfurado
em diversas fases.
◦ Compreendem as
operações normais de
perfuração.
Equipamentos da sondaEquipamentos da sonda
Sustentação de cargas
◦ Constituído do mastro
(torre), subestrutura e
base (fundação).
◦ O peso da coluna de
perfuração é transferida
para esse componentes
nesta ordem.
Torre (Mastro)Torre (Mastro)
Estrutura de aço especial, de forma
piramidal;
Espaço vertical acima da plataforma;
Execução de “manobras”.
◦ Retirada de uma broca desgastada até a
superfície para ser substituída por uma nova.
São desmontáveis
◦ Utilização da mesma estrutura em novos poços.
Razoável custo x benefício
◦ Custo inicial elevado. Economia de tempo de
montagem em perfurações.
Subestruturas e BasesSubestruturas e Bases
Subestruturas
◦ Vigas de aço especial montadas sobre a base;
◦ Cria um espaço de trabalho abaixo da
plataforma;
◦ Instalação dos equipamentos de segurança do
poço.
Base
◦ Estruturas rígidas em concreto, aço ou
madeira;
◦ Apoiadas no solo resistente;
◦ Suportam as vibrações e deslocamentos
provocados pela sonda.
Movimentação de cargaMovimentação de carga
Movimentação das
colunas de
perfuração, de
revestimento.
Componentes
◦ Guincho;
◦ Coroamento;
◦ Catarina;
◦ Gancho;
◦ Cabo de perfuração;
◦ Elevador.
GuinchoGuincho
Elemento que movimenta o cabo.
Responsável pela movimentação das tubulações
no poço.
Conjunto de polias fixo que fica apoiado na parte
superior da torre/mastro, por onde passam os
cabos de perfuração.
Bloco de CoroamentoBloco de Coroamento
CatarinaCatarina
Conjunto de polias
móvel num pino
central.
Pela movimentação
dos cabos passados
ela se movimenta ao
longo da torre.
GanchoGancho
Ligação da carga ao sistema de
polias (catarina);
Possuem sistema interno de
amortecimento.
◦ Evita que golpes causados na
movimentação não se propaguem
para a Catarina.
Sistema de RotaçãoSistema de Rotação
Existem 3 tipos
◦Sondas convencionais;
◦Sondas “Top Drive”;
◦Motor de Fundo
Sondas ConvencionaisSondas Convencionais
Coluna de perfuração é girada pela mesa rotativa;
A rotação é transmitida a um tubo de parede
poligonal (kelly).
Sondas “Top Drive”Sondas “Top Drive”
Menor número de
conexões.
Facilita a retirada da
coluna.
Perfuração de três em
três tubos (mais
fundo).
Swivel
◦ Separa os elementos
rotativos dos
estacionários (Catarina);
◦ Injeção de fluido no
interior da coluna de
perfuração.
Segurança do PoçoSegurança do Poço
Cabeça de Poço
◦ Constituida de diversos
equipamentos que
permitem a ancoragem e
vedação das colunas de
revestimento na
superfície.
Preventores
◦ Permitem o fechamento
do espaço anular.
◦ Blowout
 Controle ineficaz de um
fluxo indesejado do fluido
dentro do poço.
 Sérias consequências em
vários setores.
◦ Blowout Preventer (BOP)
 Conjunto de válvulas que
permite fechar o poço.
Segurança do PoçoSegurança do Poço
BrocasBrocas
Sem partes móveis
◦ Diminui a possibilidade
de falhas.
◦ Principais tipos
 Integral
 Lâminas de aço;
 Sumiu após o
aparecimento das brocas
de cones.
 Diamantes
 Naturais;
 Artificais.
◦ Saída de fluido de
perfuração pelo
centro da broca.
Com partes móveis
◦ Pode ter de um a quatro cones.
◦ Dois principais elementos
 Estrutura cortante
 Fileiras de dentes montados sobre o cone.
 Rolamentos
BrocasBrocas
Fluidos de PerfuraçãoFluidos de Perfuração
Mistura de sólidos, líquidos, produtos
químicos e até gás.
Devem ser especificados de forma a
garantir uma perfuração rápida e segura.
Propriedades
◦ Físicas: Densidade, filtração, etc.
◦ Químicas: pH, alcalinidade, etc.
Fluidos de PerfuraçãoFluidos de Perfuração
Classificação
◦ De acordo com a sua composição.
◦ Fases dispersante e dispersa.
 Definem não apenas o tipo de fluido, mas também
as suas características e propriedades.
◦ Principal critério: Constituição principal de
fase dispersante.
 Fluidos à base de água;
 Fluidos à base de óleo;
 Fluidos à base de ar.
Operações normais de perfuraçãoOperações normais de perfuração
Alargamento e repassamento
◦ Perfurar o poço com broca de diâmetro maior.
Revestimento
◦ Constitui uma das parcelas mais caras da
perfuração de um poço de petróleo.
 15 a 20% no mar, e pode chegar a 50% em terra.
◦ Número de fases e o comprimento das colunas
determinados em função dos problemas que
podem surgir
 Desmoronamento das paredes do poço;
 Perda do fluido de perfuração para as formações.
Cimentação
◦ Preenchimento do espaço entre a tubulação de
revestimento e as paredes do poço através de
bombeamento da pasta de cimento e água.
◦ Fixa a tubulação e evita a migração de fluidos por
detrás do revestimento (zonas permeáveis).
Perfilagem
◦ Medição de algumas propriedades das formações
para caracterização e avaliação econômica.
Movimentação da sonda para uma nova
locação após o término do poço.
Operações normais de perfuraçãoOperações normais de perfuração
Otimização da PerfuraçãoOtimização da Perfuração
Escolha de parâmetros para conseguir uma
perfuração econômica e segura.
Principais elementos que influenciam no
custo da perfuração:
◦ Programa de revestimento;
◦ Programa de fluido de pefuração;
◦ Programa de brocas;
◦ Parâmetros Mecânicos;
◦ Parâmetros Hidráulicos.
Outros elementos
◦ Parâmetros Mecânicos;
◦ Parâmetros Hidráulicos.
Perfuração DirecionalPerfuração Direcional
Técnica de,
intencionalmente,
desviar a trajetória
de um poço vertical.
Objetivo
◦ Atingir pontos que
não se encontram
diretamente abaixo da
sua locação da
superfície.
Principais finalidades
◦ Controlar um poço em
Blowout através de poços
de alívio;
◦ Atingir jazidas em abaixo
de locais inacessíveis
(rios, lagoas, cidades,
etc.);
◦ Desviar a trajetória de
poço de acidentes
geológicos;
◦ Desviar poços que
tiveram o trecho final
perdido por problemas
operacionais.
Perfuração DirecionalPerfuração Direcional

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fluidos de Perfuração
Fluidos de Perfuração Fluidos de Perfuração
Fluidos de Perfuração
Anderson Pontes
 
Métodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aulaMétodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aula
PublicaTUDO
 
Apostila de sistemas de sonda
Apostila de sistemas de sondaApostila de sistemas de sonda
Apostila de sistemas de sonda
Nilton Braga
 
Lista de exercícios perfuração resolução
Lista de exercícios perfuração   resoluçãoLista de exercícios perfuração   resolução
Lista de exercícios perfuração resolução
Pedro Monteiro
 
LATEC - UFF. SAIBA COMO FUNCIONA SONDA DE PERFURAÇÃO TERRESTRE.
LATEC - UFF. SAIBA COMO FUNCIONA SONDA DE PERFURAÇÃO TERRESTRE.LATEC - UFF. SAIBA COMO FUNCIONA SONDA DE PERFURAÇÃO TERRESTRE.
LATEC - UFF. SAIBA COMO FUNCIONA SONDA DE PERFURAÇÃO TERRESTRE.
LATEC - UFF
 
Perfuração e completação
Perfuração e completaçãoPerfuração e completação
Perfuração e completação
Sydney Dias
 
07 coluna de perfuração portugues 90
07 coluna de perfuração portugues 9007 coluna de perfuração portugues 90
07 coluna de perfuração portugues 90
Igor Cencic :.
 
Operações especiais de perfuração
Operações especiais de perfuraçãoOperações especiais de perfuração
Operações especiais de perfuração
Alisson André Silva Balbino
 
Engenharia de perfurao_e_compl
Engenharia de perfurao_e_complEngenharia de perfurao_e_compl
Engenharia de perfurao_e_compl
Sydney Dias
 
Controle de Poço - Well Control - Driller
Controle de Poço - Well Control - DrillerControle de Poço - Well Control - Driller
Controle de Poço - Well Control - Driller
SQC_Group
 
14 aula perfuração de poços
14 aula perfuração de poços14 aula perfuração de poços
14 aula perfuração de poços
Homero Alves de Lima
 
15 aula torres de perfuração e equipamentos
15 aula torres de perfuração e equipamentos15 aula torres de perfuração e equipamentos
15 aula torres de perfuração e equipamentos
Homero Alves de Lima
 
Reservatórios de Petróelo
Reservatórios de PetróeloReservatórios de Petróelo
Reservatórios de Petróelo
Anderson Pontes
 
Sistema de Suspensão (Plataformas de Petróleo)
Sistema de Suspensão (Plataformas de Petróleo)Sistema de Suspensão (Plataformas de Petróleo)
Sistema de Suspensão (Plataformas de Petróleo)
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Trabalho controlo de produção de areia em poços de petróleo
Trabalho controlo de produção de areia em poços de petróleoTrabalho controlo de produção de areia em poços de petróleo
Trabalho controlo de produção de areia em poços de petróleo
Ernesto Mampuiya
 
2569264 modulo-iii-nocoes-de-perfuracao
2569264 modulo-iii-nocoes-de-perfuracao2569264 modulo-iii-nocoes-de-perfuracao
2569264 modulo-iii-nocoes-de-perfuracao
Nuno Miguel Martins
 
Reservatórios aula 4
Reservatórios   aula 4Reservatórios   aula 4
Reservatórios aula 4
CássioEmanuel LuaaCostta
 
Apresentação revestimento e cimentação
Apresentação revestimento e cimentaçãoApresentação revestimento e cimentação
Apresentação revestimento e cimentação
Sandro Marden
 
18 aula brocas
18 aula brocas18 aula brocas
18 aula brocas
Homero Alves de Lima
 
Perfuração de poços de petróleo - artigo
Perfuração de poços de petróleo - artigoPerfuração de poços de petróleo - artigo
Perfuração de poços de petróleo - artigo
albertopsouza
 

Mais procurados (20)

Fluidos de Perfuração
Fluidos de Perfuração Fluidos de Perfuração
Fluidos de Perfuração
 
Métodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aulaMétodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aula
 
Apostila de sistemas de sonda
Apostila de sistemas de sondaApostila de sistemas de sonda
Apostila de sistemas de sonda
 
Lista de exercícios perfuração resolução
Lista de exercícios perfuração   resoluçãoLista de exercícios perfuração   resolução
Lista de exercícios perfuração resolução
 
LATEC - UFF. SAIBA COMO FUNCIONA SONDA DE PERFURAÇÃO TERRESTRE.
LATEC - UFF. SAIBA COMO FUNCIONA SONDA DE PERFURAÇÃO TERRESTRE.LATEC - UFF. SAIBA COMO FUNCIONA SONDA DE PERFURAÇÃO TERRESTRE.
LATEC - UFF. SAIBA COMO FUNCIONA SONDA DE PERFURAÇÃO TERRESTRE.
 
Perfuração e completação
Perfuração e completaçãoPerfuração e completação
Perfuração e completação
 
07 coluna de perfuração portugues 90
07 coluna de perfuração portugues 9007 coluna de perfuração portugues 90
07 coluna de perfuração portugues 90
 
Operações especiais de perfuração
Operações especiais de perfuraçãoOperações especiais de perfuração
Operações especiais de perfuração
 
Engenharia de perfurao_e_compl
Engenharia de perfurao_e_complEngenharia de perfurao_e_compl
Engenharia de perfurao_e_compl
 
Controle de Poço - Well Control - Driller
Controle de Poço - Well Control - DrillerControle de Poço - Well Control - Driller
Controle de Poço - Well Control - Driller
 
14 aula perfuração de poços
14 aula perfuração de poços14 aula perfuração de poços
14 aula perfuração de poços
 
15 aula torres de perfuração e equipamentos
15 aula torres de perfuração e equipamentos15 aula torres de perfuração e equipamentos
15 aula torres de perfuração e equipamentos
 
Reservatórios de Petróelo
Reservatórios de PetróeloReservatórios de Petróelo
Reservatórios de Petróelo
 
Sistema de Suspensão (Plataformas de Petróleo)
Sistema de Suspensão (Plataformas de Petróleo)Sistema de Suspensão (Plataformas de Petróleo)
Sistema de Suspensão (Plataformas de Petróleo)
 
Trabalho controlo de produção de areia em poços de petróleo
Trabalho controlo de produção de areia em poços de petróleoTrabalho controlo de produção de areia em poços de petróleo
Trabalho controlo de produção de areia em poços de petróleo
 
2569264 modulo-iii-nocoes-de-perfuracao
2569264 modulo-iii-nocoes-de-perfuracao2569264 modulo-iii-nocoes-de-perfuracao
2569264 modulo-iii-nocoes-de-perfuracao
 
Reservatórios aula 4
Reservatórios   aula 4Reservatórios   aula 4
Reservatórios aula 4
 
Apresentação revestimento e cimentação
Apresentação revestimento e cimentaçãoApresentação revestimento e cimentação
Apresentação revestimento e cimentação
 
18 aula brocas
18 aula brocas18 aula brocas
18 aula brocas
 
Perfuração de poços de petróleo - artigo
Perfuração de poços de petróleo - artigoPerfuração de poços de petróleo - artigo
Perfuração de poços de petróleo - artigo
 

Destaque

Aula pre sal 3 extração e suas burocracias
Aula pre sal 3 extração e suas burocraciasAula pre sal 3 extração e suas burocracias
Aula pre sal 3 extração e suas burocracias
Augusto Junior
 
Aula pre sal 5 completação de poços
Aula pre sal 5 completação de poçosAula pre sal 5 completação de poços
Aula pre sal 5 completação de poços
Augusto Junior
 
Tema Monografia Curso MSO (Engenharia de Sistemas Offshore) 13ª Turma
Tema Monografia Curso MSO (Engenharia de Sistemas Offshore) 13ª TurmaTema Monografia Curso MSO (Engenharia de Sistemas Offshore) 13ª Turma
Tema Monografia Curso MSO (Engenharia de Sistemas Offshore) 13ª Turma
Renan Alves Rego, MBA
 
Engenharia de petroleo offshore3
Engenharia de petroleo offshore3Engenharia de petroleo offshore3
Engenharia de petroleo offshore3
Cristian Nunes
 
Aula pre sal 2 - A origem do pré-sal
Aula pre sal 2 - A origem do pré-salAula pre sal 2 - A origem do pré-sal
Aula pre sal 2 - A origem do pré-sal
Augusto Junior
 
Agricultura unificado 2013
Agricultura unificado 2013Agricultura unificado 2013
Agricultura unificado 2013
Alexandre Quadrado
 
Aula pre sal 6 sistemas de produção
Aula pre sal 6 sistemas de produçãoAula pre sal 6 sistemas de produção
Aula pre sal 6 sistemas de produção
Augusto Junior
 
6 11-2012-geopolitica-do-petroleo
6 11-2012-geopolitica-do-petroleo6 11-2012-geopolitica-do-petroleo
6 11-2012-geopolitica-do-petroleo
Alexandre Quadrado
 
Aula pre sal 1 - Noções do Petróleo
Aula pre sal 1 - Noções do PetróleoAula pre sal 1 - Noções do Petróleo
Aula pre sal 1 - Noções do Petróleo
Augusto Junior
 
Pré sal
Pré salPré sal
Pré sal
Beatriz Henkels
 
Pré sal
Pré salPré sal
Pré sal
gabriellecomte
 
Slide pré sal
Slide pré salSlide pré sal
Slide pré sal
MrWaall
 

Destaque (12)

Aula pre sal 3 extração e suas burocracias
Aula pre sal 3 extração e suas burocraciasAula pre sal 3 extração e suas burocracias
Aula pre sal 3 extração e suas burocracias
 
Aula pre sal 5 completação de poços
Aula pre sal 5 completação de poçosAula pre sal 5 completação de poços
Aula pre sal 5 completação de poços
 
Tema Monografia Curso MSO (Engenharia de Sistemas Offshore) 13ª Turma
Tema Monografia Curso MSO (Engenharia de Sistemas Offshore) 13ª TurmaTema Monografia Curso MSO (Engenharia de Sistemas Offshore) 13ª Turma
Tema Monografia Curso MSO (Engenharia de Sistemas Offshore) 13ª Turma
 
Engenharia de petroleo offshore3
Engenharia de petroleo offshore3Engenharia de petroleo offshore3
Engenharia de petroleo offshore3
 
Aula pre sal 2 - A origem do pré-sal
Aula pre sal 2 - A origem do pré-salAula pre sal 2 - A origem do pré-sal
Aula pre sal 2 - A origem do pré-sal
 
Agricultura unificado 2013
Agricultura unificado 2013Agricultura unificado 2013
Agricultura unificado 2013
 
Aula pre sal 6 sistemas de produção
Aula pre sal 6 sistemas de produçãoAula pre sal 6 sistemas de produção
Aula pre sal 6 sistemas de produção
 
6 11-2012-geopolitica-do-petroleo
6 11-2012-geopolitica-do-petroleo6 11-2012-geopolitica-do-petroleo
6 11-2012-geopolitica-do-petroleo
 
Aula pre sal 1 - Noções do Petróleo
Aula pre sal 1 - Noções do PetróleoAula pre sal 1 - Noções do Petróleo
Aula pre sal 1 - Noções do Petróleo
 
Pré sal
Pré salPré sal
Pré sal
 
Pré sal
Pré salPré sal
Pré sal
 
Slide pré sal
Slide pré salSlide pré sal
Slide pré sal
 

Semelhante a Aula pre sal 4 perfuração de poços

Aula 2.pdf
Aula 2.pdfAula 2.pdf
Aula 2.pdf
AfonsoCuamba1
 
Abertura de poço
Abertura de poçoAbertura de poço
Abertura de poço
Ednesio Sitoe
 
Lista de exercícios perfuração resolução
Lista de exercícios perfuração   resoluçãoLista de exercícios perfuração   resolução
Lista de exercícios perfuração resolução
Pedro Monteiro
 
Aula-Perfuração.ppt
Aula-Perfuração.pptAula-Perfuração.ppt
Aula-Perfuração.ppt
OseiasAlvesPessoa
 
PedroDuarte_AguasPenacova.pdf
PedroDuarte_AguasPenacova.pdfPedroDuarte_AguasPenacova.pdf
PedroDuarte_AguasPenacova.pdf
AfonsoCuamba1
 
Tubulões a céu aberto
Tubulões a céu abertoTubulões a céu aberto
Tubulões a céu aberto
Jupira Silva
 
Aula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xeroxAula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xerox
Ely Barros
 
Aula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xeroxAula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xerox
Matheus Alves
 
05 perfuração direcional
05 perfuração direcional05 perfuração direcional
05 perfuração direcional
brunoping
 
Fluidos de perfuração e completação_aula 1.pdf
Fluidos de perfuração e completação_aula 1.pdfFluidos de perfuração e completação_aula 1.pdf
Fluidos de perfuração e completação_aula 1.pdf
jackson_lima
 
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
LukasSeize
 
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
LukasSeize
 
Perfuraçâo 2
Perfuraçâo 2Perfuraçâo 2
Perfuraçâo 2
vifrabx
 
Fundação
FundaçãoFundação
PRONAE AULA 7
PRONAE AULA 7 PRONAE AULA 7
PRONAE AULA 7
Thiago Amorim
 
02
0202
55131990 desmonte-de-rochas-com-explosivos
55131990 desmonte-de-rochas-com-explosivos55131990 desmonte-de-rochas-com-explosivos
55131990 desmonte-de-rochas-com-explosivos
Antonio Rodrigues Filho
 
Curso direcional jb
Curso direcional jbCurso direcional jb
Curso direcional jb
tecpetrogas
 
Curso direcional jb
Curso direcional jbCurso direcional jb
Curso direcional jb
Sydney Dias
 
Curso de Mineração
Curso de MineraçãoCurso de Mineração
Curso de Mineração
Allan Dantas
 

Semelhante a Aula pre sal 4 perfuração de poços (20)

Aula 2.pdf
Aula 2.pdfAula 2.pdf
Aula 2.pdf
 
Abertura de poço
Abertura de poçoAbertura de poço
Abertura de poço
 
Lista de exercícios perfuração resolução
Lista de exercícios perfuração   resoluçãoLista de exercícios perfuração   resolução
Lista de exercícios perfuração resolução
 
Aula-Perfuração.ppt
Aula-Perfuração.pptAula-Perfuração.ppt
Aula-Perfuração.ppt
 
PedroDuarte_AguasPenacova.pdf
PedroDuarte_AguasPenacova.pdfPedroDuarte_AguasPenacova.pdf
PedroDuarte_AguasPenacova.pdf
 
Tubulões a céu aberto
Tubulões a céu abertoTubulões a céu aberto
Tubulões a céu aberto
 
Aula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xeroxAula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xerox
 
Aula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xeroxAula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xerox
 
05 perfuração direcional
05 perfuração direcional05 perfuração direcional
05 perfuração direcional
 
Fluidos de perfuração e completação_aula 1.pdf
Fluidos de perfuração e completação_aula 1.pdfFluidos de perfuração e completação_aula 1.pdf
Fluidos de perfuração e completação_aula 1.pdf
 
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
 
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
 
Perfuraçâo 2
Perfuraçâo 2Perfuraçâo 2
Perfuraçâo 2
 
Fundação
FundaçãoFundação
Fundação
 
PRONAE AULA 7
PRONAE AULA 7 PRONAE AULA 7
PRONAE AULA 7
 
02
0202
02
 
55131990 desmonte-de-rochas-com-explosivos
55131990 desmonte-de-rochas-com-explosivos55131990 desmonte-de-rochas-com-explosivos
55131990 desmonte-de-rochas-com-explosivos
 
Curso direcional jb
Curso direcional jbCurso direcional jb
Curso direcional jb
 
Curso direcional jb
Curso direcional jbCurso direcional jb
Curso direcional jb
 
Curso de Mineração
Curso de MineraçãoCurso de Mineração
Curso de Mineração
 

Mais de Augusto Junior

Probabilidade e Estatística - Aula 03
Probabilidade e Estatística - Aula 03Probabilidade e Estatística - Aula 03
Probabilidade e Estatística - Aula 03
Augusto Junior
 
Probabilidade e Estatística - Aula 01
Probabilidade e Estatística - Aula 01Probabilidade e Estatística - Aula 01
Probabilidade e Estatística - Aula 01
Augusto Junior
 
Probabilidade e Estatística - Aula 02
Probabilidade e Estatística - Aula 02Probabilidade e Estatística - Aula 02
Probabilidade e Estatística - Aula 02
Augusto Junior
 
Probabilidade e Estatística - Aula 04
Probabilidade e Estatística - Aula 04Probabilidade e Estatística - Aula 04
Probabilidade e Estatística - Aula 04
Augusto Junior
 
Matemática aplicada aula01
Matemática aplicada aula01Matemática aplicada aula01
Matemática aplicada aula01
Augusto Junior
 
Segurança e medicina do trabalho aula6
Segurança e medicina do trabalho aula6Segurança e medicina do trabalho aula6
Segurança e medicina do trabalho aula6
Augusto Junior
 
Segurança e medicina do trabalho aula5
Segurança e medicina do trabalho aula5Segurança e medicina do trabalho aula5
Segurança e medicina do trabalho aula5
Augusto Junior
 
Segurança e medicina do trabalho aula4
Segurança e medicina do trabalho aula4Segurança e medicina do trabalho aula4
Segurança e medicina do trabalho aula4
Augusto Junior
 
Segurança e medicina do trabalho aula2
Segurança e medicina do trabalho aula2Segurança e medicina do trabalho aula2
Segurança e medicina do trabalho aula2
Augusto Junior
 
Segurança e medicina do trabalho aula1
Segurança e medicina do trabalho aula1Segurança e medicina do trabalho aula1
Segurança e medicina do trabalho aula1
Augusto Junior
 
Segurança e medicina do trabalho aula3
Segurança e medicina do trabalho aula3Segurança e medicina do trabalho aula3
Segurança e medicina do trabalho aula3
Augusto Junior
 
Matemática financeira aula 4
Matemática financeira aula 4Matemática financeira aula 4
Matemática financeira aula 4
Augusto Junior
 
Processos formadores de tecidos
Processos formadores de tecidosProcessos formadores de tecidos
Processos formadores de tecidos
Augusto Junior
 
Matemática financeira aula 3
Matemática financeira aula 3Matemática financeira aula 3
Matemática financeira aula 3
Augusto Junior
 
Matemática financeira pronatec aula 1
Matemática financeira pronatec   aula 1Matemática financeira pronatec   aula 1
Matemática financeira pronatec aula 1
Augusto Junior
 
Matemática financeira pronatec aula 2
Matemática financeira pronatec   aula 2Matemática financeira pronatec   aula 2
Matemática financeira pronatec aula 2
Augusto Junior
 

Mais de Augusto Junior (16)

Probabilidade e Estatística - Aula 03
Probabilidade e Estatística - Aula 03Probabilidade e Estatística - Aula 03
Probabilidade e Estatística - Aula 03
 
Probabilidade e Estatística - Aula 01
Probabilidade e Estatística - Aula 01Probabilidade e Estatística - Aula 01
Probabilidade e Estatística - Aula 01
 
Probabilidade e Estatística - Aula 02
Probabilidade e Estatística - Aula 02Probabilidade e Estatística - Aula 02
Probabilidade e Estatística - Aula 02
 
Probabilidade e Estatística - Aula 04
Probabilidade e Estatística - Aula 04Probabilidade e Estatística - Aula 04
Probabilidade e Estatística - Aula 04
 
Matemática aplicada aula01
Matemática aplicada aula01Matemática aplicada aula01
Matemática aplicada aula01
 
Segurança e medicina do trabalho aula6
Segurança e medicina do trabalho aula6Segurança e medicina do trabalho aula6
Segurança e medicina do trabalho aula6
 
Segurança e medicina do trabalho aula5
Segurança e medicina do trabalho aula5Segurança e medicina do trabalho aula5
Segurança e medicina do trabalho aula5
 
Segurança e medicina do trabalho aula4
Segurança e medicina do trabalho aula4Segurança e medicina do trabalho aula4
Segurança e medicina do trabalho aula4
 
Segurança e medicina do trabalho aula2
Segurança e medicina do trabalho aula2Segurança e medicina do trabalho aula2
Segurança e medicina do trabalho aula2
 
Segurança e medicina do trabalho aula1
Segurança e medicina do trabalho aula1Segurança e medicina do trabalho aula1
Segurança e medicina do trabalho aula1
 
Segurança e medicina do trabalho aula3
Segurança e medicina do trabalho aula3Segurança e medicina do trabalho aula3
Segurança e medicina do trabalho aula3
 
Matemática financeira aula 4
Matemática financeira aula 4Matemática financeira aula 4
Matemática financeira aula 4
 
Processos formadores de tecidos
Processos formadores de tecidosProcessos formadores de tecidos
Processos formadores de tecidos
 
Matemática financeira aula 3
Matemática financeira aula 3Matemática financeira aula 3
Matemática financeira aula 3
 
Matemática financeira pronatec aula 1
Matemática financeira pronatec   aula 1Matemática financeira pronatec   aula 1
Matemática financeira pronatec aula 1
 
Matemática financeira pronatec aula 2
Matemática financeira pronatec   aula 2Matemática financeira pronatec   aula 2
Matemática financeira pronatec aula 2
 

Último

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 

Aula pre sal 4 perfuração de poços

  • 1. Perfuração de PoçosPerfuração de Poços Uma introdução aoUma introdução ao processo e às suasprocesso e às suas particularidadesparticularidades
  • 2. PerfuraçãoPerfuração Realizada através de uma sonda. Utilização de vários equipamentos. ◦ Brocas, fluidos de perfuração, etc. Um poço é perfurado em diversas fases. ◦ Compreendem as operações normais de perfuração.
  • 3. Equipamentos da sondaEquipamentos da sonda Sustentação de cargas ◦ Constituído do mastro (torre), subestrutura e base (fundação). ◦ O peso da coluna de perfuração é transferida para esse componentes nesta ordem.
  • 4. Torre (Mastro)Torre (Mastro) Estrutura de aço especial, de forma piramidal; Espaço vertical acima da plataforma; Execução de “manobras”. ◦ Retirada de uma broca desgastada até a superfície para ser substituída por uma nova. São desmontáveis ◦ Utilização da mesma estrutura em novos poços. Razoável custo x benefício ◦ Custo inicial elevado. Economia de tempo de montagem em perfurações.
  • 5. Subestruturas e BasesSubestruturas e Bases Subestruturas ◦ Vigas de aço especial montadas sobre a base; ◦ Cria um espaço de trabalho abaixo da plataforma; ◦ Instalação dos equipamentos de segurança do poço. Base ◦ Estruturas rígidas em concreto, aço ou madeira; ◦ Apoiadas no solo resistente; ◦ Suportam as vibrações e deslocamentos provocados pela sonda.
  • 6. Movimentação de cargaMovimentação de carga Movimentação das colunas de perfuração, de revestimento. Componentes ◦ Guincho; ◦ Coroamento; ◦ Catarina; ◦ Gancho; ◦ Cabo de perfuração; ◦ Elevador.
  • 7. GuinchoGuincho Elemento que movimenta o cabo. Responsável pela movimentação das tubulações no poço.
  • 8. Conjunto de polias fixo que fica apoiado na parte superior da torre/mastro, por onde passam os cabos de perfuração. Bloco de CoroamentoBloco de Coroamento
  • 9. CatarinaCatarina Conjunto de polias móvel num pino central. Pela movimentação dos cabos passados ela se movimenta ao longo da torre.
  • 10. GanchoGancho Ligação da carga ao sistema de polias (catarina); Possuem sistema interno de amortecimento. ◦ Evita que golpes causados na movimentação não se propaguem para a Catarina.
  • 11. Sistema de RotaçãoSistema de Rotação Existem 3 tipos ◦Sondas convencionais; ◦Sondas “Top Drive”; ◦Motor de Fundo
  • 12. Sondas ConvencionaisSondas Convencionais Coluna de perfuração é girada pela mesa rotativa; A rotação é transmitida a um tubo de parede poligonal (kelly).
  • 13. Sondas “Top Drive”Sondas “Top Drive” Menor número de conexões. Facilita a retirada da coluna. Perfuração de três em três tubos (mais fundo). Swivel ◦ Separa os elementos rotativos dos estacionários (Catarina); ◦ Injeção de fluido no interior da coluna de perfuração.
  • 14. Segurança do PoçoSegurança do Poço Cabeça de Poço ◦ Constituida de diversos equipamentos que permitem a ancoragem e vedação das colunas de revestimento na superfície.
  • 15. Preventores ◦ Permitem o fechamento do espaço anular. ◦ Blowout  Controle ineficaz de um fluxo indesejado do fluido dentro do poço.  Sérias consequências em vários setores. ◦ Blowout Preventer (BOP)  Conjunto de válvulas que permite fechar o poço. Segurança do PoçoSegurança do Poço
  • 16. BrocasBrocas Sem partes móveis ◦ Diminui a possibilidade de falhas. ◦ Principais tipos  Integral  Lâminas de aço;  Sumiu após o aparecimento das brocas de cones.  Diamantes  Naturais;  Artificais. ◦ Saída de fluido de perfuração pelo centro da broca.
  • 17. Com partes móveis ◦ Pode ter de um a quatro cones. ◦ Dois principais elementos  Estrutura cortante  Fileiras de dentes montados sobre o cone.  Rolamentos BrocasBrocas
  • 18. Fluidos de PerfuraçãoFluidos de Perfuração Mistura de sólidos, líquidos, produtos químicos e até gás. Devem ser especificados de forma a garantir uma perfuração rápida e segura. Propriedades ◦ Físicas: Densidade, filtração, etc. ◦ Químicas: pH, alcalinidade, etc.
  • 19. Fluidos de PerfuraçãoFluidos de Perfuração Classificação ◦ De acordo com a sua composição. ◦ Fases dispersante e dispersa.  Definem não apenas o tipo de fluido, mas também as suas características e propriedades. ◦ Principal critério: Constituição principal de fase dispersante.  Fluidos à base de água;  Fluidos à base de óleo;  Fluidos à base de ar.
  • 20. Operações normais de perfuraçãoOperações normais de perfuração Alargamento e repassamento ◦ Perfurar o poço com broca de diâmetro maior. Revestimento ◦ Constitui uma das parcelas mais caras da perfuração de um poço de petróleo.  15 a 20% no mar, e pode chegar a 50% em terra. ◦ Número de fases e o comprimento das colunas determinados em função dos problemas que podem surgir  Desmoronamento das paredes do poço;  Perda do fluido de perfuração para as formações.
  • 21. Cimentação ◦ Preenchimento do espaço entre a tubulação de revestimento e as paredes do poço através de bombeamento da pasta de cimento e água. ◦ Fixa a tubulação e evita a migração de fluidos por detrás do revestimento (zonas permeáveis). Perfilagem ◦ Medição de algumas propriedades das formações para caracterização e avaliação econômica. Movimentação da sonda para uma nova locação após o término do poço. Operações normais de perfuraçãoOperações normais de perfuração
  • 22. Otimização da PerfuraçãoOtimização da Perfuração Escolha de parâmetros para conseguir uma perfuração econômica e segura. Principais elementos que influenciam no custo da perfuração: ◦ Programa de revestimento; ◦ Programa de fluido de pefuração; ◦ Programa de brocas; ◦ Parâmetros Mecânicos; ◦ Parâmetros Hidráulicos. Outros elementos ◦ Parâmetros Mecânicos; ◦ Parâmetros Hidráulicos.
  • 23. Perfuração DirecionalPerfuração Direcional Técnica de, intencionalmente, desviar a trajetória de um poço vertical. Objetivo ◦ Atingir pontos que não se encontram diretamente abaixo da sua locação da superfície.
  • 24. Principais finalidades ◦ Controlar um poço em Blowout através de poços de alívio; ◦ Atingir jazidas em abaixo de locais inacessíveis (rios, lagoas, cidades, etc.); ◦ Desviar a trajetória de poço de acidentes geológicos; ◦ Desviar poços que tiveram o trecho final perdido por problemas operacionais. Perfuração DirecionalPerfuração Direcional