SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
Diário Oficial REPÚBLICA FEDERATIVA DO
BRASIL
Imprensa Nacional BRASÍLIA - DF
.
Nº 211 – 04/11/10 – p.78
MINISTÉRIO DA SAÚDE
SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE
PORTARIA Nº 594, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010
O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS n° 511, de 02
de dezembro de 2000, que institui o Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde - SCNES;
Considerando a Portaria no- 587/GM, de 6 de abril de 2004, que estabelece mecanismos para organização e
implantação de Redes EstaduaisMunicipais de Atenção à Hanseníase;
Considerando a Portaria no- 399/GM, de 22 de fevereiro de 2006, que divulga o Pacto pela Saúde 2006 -
Consolidação do Sistema Único de Saúde - SUS e aprova as Diretrizes Operacionais com seus três
componentes: Pactos Pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão;
Considerando a Portaria no 648/GM de 28 de março de 2006 que e aprova a Política Nacional de Atenção
Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o
Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS);
Considerando a Portaria no- 699/GM, de 30 de março de 2006, que regulamenta a implementação das
Diretrizes Operacionais dos Pactos Pela Vida e de Gestão;
Considerando a Portaria no- 3.252/GM de 22 de dezembro de 2009, que aprova as diretrizes para execução e
financiamento das ações de Vigilância em Saúde pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios e dá
outras providências;
Considerando a Portaria no- 3.125/GM, de 7 de outubro de 2010, que aprova as Diretrizes para a Vigilância,
Atenção e Controle da Hanseníase;
Considerando a responsabilidade da Atenção Primária, em especial das Equipes de Saúde da Família, na
identificação e tratamento dos casos de Hanseníase;
Considerando o caráter infeccioso e crônico da hanseníase, que pode cursar com episódios agudos, com alto
poder incapacitante e que demanda acompanhamento de longo prazo com assistência clínica, cirúrgica,
reabilitadora e de vigilância epidemiológica;
Considerando a necessidade de subsidiar tecnicamente os gestores estaduais e municipais no planejamento,
implementação e monitoramento de serviços que atuem de modo integrado e articulado, com fluxo de
referência e contra-referência definidos, que possibilitem a continuidade e a qualidade do atendimento em
todos os níveis da atenção e a vigilância epidemiológica da hanseníase, resolve:
Art. 1º - Incluir, na Tabela de Serviços Especializados/Classificação do SCNES- Sistema de Cadastro Nacional
de Estabelecimentos de Saúde, o serviço de Atenção Integral em Hanseníase, descrito na Tabela a seguir:
Cód
.
Descrição do
Serviço
Código de
Classificação
Descrição da
Classificação Grupo de CBO
CBOS
Requeridos Descrição
158 Serviço de
Atenção Integral
em Han-seníase
001 Serviço de
Atenção Integral
em Hanseníase
Tipo I
01 2231; 2235;
3222.
Médicos;
Enfermeiros;
Auxiliar nico de
Enfermagem
ou Téc-
002 Serviço de
Atenção Integral
em Hanseníase
Tipo II
01 2231; 2235;
3222; 2236;
2239.
Médicos;
Enfermeiros;
Auxiliar nico
ou Téc-
de Enfermagem; Fisioterapeuta
e Terapeu-ta Ocupacional.
003 Serviço de
Atenção Integral
em Hanseníase
Tipo III
01
2231; 2235;
3222; 2236;
2239.
Médicos; Enfermeiros; Auxiliar
ou Téc-nico
de Enfermagem; Fisioterapeuta
Terapeuta Ocupacional.
Art. 2º - Definir como Serviço de Atenção Integral em Hanseníase aquele que possui condições técnicas,
instalações físicas, equipamentos e recursos humanos capacitados para a realização das ações mínimas
descritas a seguir:
Serviço de Atenção Integral em Hanseníase Tipo I
a)Ações educativas de promoção da saúde no âmbito dos serviços e da coletividade;
b) Vigilância epidemiológica: identificação, acompanhamento dos casos, exame de contato e notificação ao
Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN;
c) Diagnóstico de casos de hanseníase;
d) Avaliação neurológica simplificada e do grau de incapacidade;
e) Exame dos contatos, orientação e apoio, mesmo que o paciente esteja sendo atendido em serviço do Tipo
II e III;
f) Tratamento com poliquimioterapia (PQT) padrão;
g) Acompanhamento do paciente durante o tratamento da hanseníase e após a alta, mesmo que ele esteja
sendo atendido em serviço do Tipo II ou III;
h) Prevenção de incapacidades, com técnicas simples e autocuidado apoiado pela equipe;
i) Encaminhamento para outros profissionais ou serviços
Serviço de Atenção Integral em Hanseníase Tipo II
a) Ações educativas de promoção da saúde no âmbito dos serviços;
b) Vigilância epidemiológica: identificação, acompanhamento dos casos, exame de contato e notificação ao
Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN;
c) Diagnóstico de casos de hanseníase, inclusive da forma neural pura; das reações hansênicas e adversas
aos medicamentos; das recidivas; e de outras intercorrências e seqüelas;
d) Avaliação neurológica simplificada e do grau de incapacidade;
e) Coleta de raspado dérmico para baciloscopia;
f) Tratamento com poliquimioterapia padrão e com esquemas substitutivos;
g) Acompanhamento do paciente durante o tratamento da hanseníase e após a alta;
h) Prevenção e tratamento de incapacidades e autocuidado apoiado pela equipe;
i) Encaminhamento para outros profissionais ou serviços.
Serviço de Atenção Integral em Hanseníase Tipo III
a) Ações educativas de promoção da saúde no âmbito dos serviços;
b) Vigilância epidemiológica: identificação, acompanhamento dos casos, exame de contato e notificação ao
Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN;
c) Diagnóstico de casos de hanseníase, inclusive da forma neural pura; das reações hansênicas e adversas
aos medicamentos; das recidivas; e de outras intercorrências e seqüelas;
d) Avaliação neurológica simplificada e do grau de incapacidade;
e) Baciloscopia;
f) Tratamento com poliquimioterapia padrão e com esquemas substitutivos;
g) Internação;
h) Atendimento pré e pós-operatório;
i) Procedimentos cirúrgicos;
j) Exames complementares laboratoriais e de imagem;
k) Prevenção e tratamento de incapacidades e autocuidado apoiado pela equipe;
l) Encaminhamento para outros profissionais ou serviços.
§1º - As pessoas com sequelas de hanseníase devem ter acesso a órteses, palmilhas e calçados adaptados,
sejam eles confeccionados ou dispensados pelos Serviços do tipo II ou III, ou por outros serviços da rede do
Sistema Único de Saúde - SUS.
§2º - As ações educativas de promoção da saúde no âmbito dos serviços e da coletividade, assim como a
vigilância epidemiológica (identificação, acompanhamento dos casos de hanseníase, exame de contato e
notificação ao Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN) devem estar presentes em toda a
rede de atenção à saúde e deve ocorrer de acordo com o disposto na Portaria no- 3.252/GM, de 22 de
dezembro de 2009, ou outro instrumento legal que venha substituí-la.
Art. 3º - Estabelecer que os Serviços de Atenção Integral em Hanseníase devem contar com equipe mínima,
para desenvolver as ações mínimas definidas no art. 2o- desta Portaria para cada nível de atenção primária e
especializada (ambulatorial e hospitalar) em hanseníase, conforme quadro do art. 1º .
Art. 4º - Estabelecer que as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde definam e pactuem na Comissão
Intergestora Bipartite (CIB) os serviços de atenção integral em hanseníase.
Art. 5º - Estabelecer a obrigatoriedade do acompanhamento, controle e avaliação dos Serviços de Atenção
Integral em Hanseníase, a ser realizado pelos gestores Estaduais e Municipais, e do Distrito Federal,
garantindo o cumprimento desta Portaria.
Art. 6º - Estabelecer que as Secretarias de Saúde dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios adotem
as providências necessárias ao cumprimento das normas previstas nesta Portaria, podendo instituir
normas de caráter complementar e suplementar, a fim de adequá-las às necessidades locais.
Art. 7º - Estabelecer que a Secretaria de Atenção à Saúde - Departamento de Regulação, Avaliação e
Controle de Sistemas/Coordenação-Geral dos Sistemas de Informação, adote as providências necessárias
junto ao Departamento de Informática do SUS-DATASUS/SE/MS, para o cumprimento do disposto nesta
Portaria, no que diz respeito à atualização nos Sistemas de Informação correspondentes.
Art. 8º - Esta Portaria entra em vigor na data da sua publicação, com efeitos a partir da competência dezembro
de 2010.
ALBERTO BELTRAME

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cartão Nacional de Saúde será obrigatório no SUS
Cartão Nacional de Saúde será obrigatório no SUSCartão Nacional de Saúde será obrigatório no SUS
Cartão Nacional de Saúde será obrigatório no SUSMinistério da Saúde
 
Normas e Procedimentos de Uso Cartão Nacional de Saúde
Normas e Procedimentos de Uso Cartão Nacional de SaúdeNormas e Procedimentos de Uso Cartão Nacional de Saúde
Normas e Procedimentos de Uso Cartão Nacional de SaúdeFarmacêutico Digital
 
00 plano de_trabalho_2018_caps_iii (1)
00 plano de_trabalho_2018_caps_iii (1)00 plano de_trabalho_2018_caps_iii (1)
00 plano de_trabalho_2018_caps_iii (1)cristiano docarmo
 
APS e Redes de Atenção à Saúde
APS e Redes de Atenção à SaúdeAPS e Redes de Atenção à Saúde
APS e Redes de Atenção à SaúdeSimone Almeida
 
Portaria 2048 gm
Portaria 2048 gmPortaria 2048 gm
Portaria 2048 gmAndreia1909
 
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergenciaPortaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergenciaAloisio Amaral
 
A relação médico paciente e sua quebra em uma sociedade em massa.
A relação médico paciente e sua quebra em uma sociedade em massa. A relação médico paciente e sua quebra em uma sociedade em massa.
A relação médico paciente e sua quebra em uma sociedade em massa. Leonardo Savassi
 
Rede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à SaúdeRede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à Saúdeferaps
 
6. novas legislações port nova pnab
6. novas legislações port nova pnab6. novas legislações port nova pnab
6. novas legislações port nova pnabLeonardo Savassi
 
Rede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs lesteRede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs lesteRubens Kon
 
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDEINTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDEValdirene1977
 
2014 CMMFC - APS no mundo - Savassi
2014   CMMFC - APS no mundo - Savassi2014   CMMFC - APS no mundo - Savassi
2014 CMMFC - APS no mundo - SavassiLeonardo Savassi
 
Política nacional para a prevenção e controle do câncer
Política nacional para a prevenção e controle do câncerPolítica nacional para a prevenção e controle do câncer
Política nacional para a prevenção e controle do câncerJosé Ripardo
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSGhiordanno Bruno
 

Mais procurados (19)

Cartilha Vaga Zero
Cartilha Vaga ZeroCartilha Vaga Zero
Cartilha Vaga Zero
 
Cartão Nacional de Saúde será obrigatório no SUS
Cartão Nacional de Saúde será obrigatório no SUSCartão Nacional de Saúde será obrigatório no SUS
Cartão Nacional de Saúde será obrigatório no SUS
 
Normas e Procedimentos de Uso Cartão Nacional de Saúde
Normas e Procedimentos de Uso Cartão Nacional de SaúdeNormas e Procedimentos de Uso Cartão Nacional de Saúde
Normas e Procedimentos de Uso Cartão Nacional de Saúde
 
00 plano de_trabalho_2018_caps_iii (1)
00 plano de_trabalho_2018_caps_iii (1)00 plano de_trabalho_2018_caps_iii (1)
00 plano de_trabalho_2018_caps_iii (1)
 
APS e Redes de Atenção à Saúde
APS e Redes de Atenção à SaúdeAPS e Redes de Atenção à Saúde
APS e Redes de Atenção à Saúde
 
Portaria 2048 gm
Portaria 2048 gmPortaria 2048 gm
Portaria 2048 gm
 
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergenciaPortaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
 
A relação médico paciente e sua quebra em uma sociedade em massa.
A relação médico paciente e sua quebra em uma sociedade em massa. A relação médico paciente e sua quebra em uma sociedade em massa.
A relação médico paciente e sua quebra em uma sociedade em massa.
 
Rede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à SaúdeRede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à Saúde
 
Brasília Saudável
Brasília SaudávelBrasília Saudável
Brasília Saudável
 
6. novas legislações port nova pnab
6. novas legislações port nova pnab6. novas legislações port nova pnab
6. novas legislações port nova pnab
 
Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...
Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...
Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...
 
Rede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs lesteRede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs leste
 
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDEINTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
 
2014 CMMFC - APS no mundo - Savassi
2014   CMMFC - APS no mundo - Savassi2014   CMMFC - APS no mundo - Savassi
2014 CMMFC - APS no mundo - Savassi
 
Manual do Sinan
Manual do SinanManual do Sinan
Manual do Sinan
 
Política nacional para a prevenção e controle do câncer
Política nacional para a prevenção e controle do câncerPolítica nacional para a prevenção e controle do câncer
Política nacional para a prevenção e controle do câncer
 
Urgências e emergências na atenção primária à saúde
Urgências e emergências na atenção primária à saúdeUrgências e emergências na atenção primária à saúde
Urgências e emergências na atenção primária à saúde
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
 

Semelhante a Portaria594 29112010

Portaria nº 1.378, de 9 de julho de 2013
Portaria nº 1.378, de 9 de julho de 2013Portaria nº 1.378, de 9 de julho de 2013
Portaria nº 1.378, de 9 de julho de 2013cmspg
 
DOC-20230105-WA0101..pdf
DOC-20230105-WA0101..pdfDOC-20230105-WA0101..pdf
DOC-20230105-WA0101..pdfUBSORATRIO
 
Apresentação+portaria+3252 09
Apresentação+portaria+3252 09Apresentação+portaria+3252 09
Apresentação+portaria+3252 09enfagilcimara
 
Edital igararassu-pe-03-2020
Edital igararassu-pe-03-2020Edital igararassu-pe-03-2020
Edital igararassu-pe-03-2020BrunaOliveira709
 
Por uma oncologia mais atual e justa
 Por uma oncologia mais atual e justa Por uma oncologia mais atual e justa
Por uma oncologia mais atual e justaOncoguia
 
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergenciaPortaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergenciaAloisio Amaral
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...Proqualis
 
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia SampaioInfraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia SampaioOncoguia
 
Carta direito usuarios_2ed2007
Carta direito usuarios_2ed2007Carta direito usuarios_2ed2007
Carta direito usuarios_2ed2007Cínthia Lima
 
Politica nac urgencias
Politica nac urgenciasPolitica nac urgencias
Politica nac urgenciassherlainefa80
 
Politica nac urgencias
Politica nac urgenciasPolitica nac urgencias
Politica nac urgenciassherlainefa80
 

Semelhante a Portaria594 29112010 (20)

Portaria nº 1.378, de 9 de julho de 2013
Portaria nº 1.378, de 9 de julho de 2013Portaria nº 1.378, de 9 de julho de 2013
Portaria nº 1.378, de 9 de julho de 2013
 
DOC-20230105-WA0101..pdf
DOC-20230105-WA0101..pdfDOC-20230105-WA0101..pdf
DOC-20230105-WA0101..pdf
 
Nota tecnica 16
Nota tecnica 16Nota tecnica 16
Nota tecnica 16
 
NOAS 01/2001
NOAS 01/2001NOAS 01/2001
NOAS 01/2001
 
RDC 36 25 07_2013
RDC 36 25 07_2013RDC 36 25 07_2013
RDC 36 25 07_2013
 
Ciclo i 02
Ciclo i 02Ciclo i 02
Ciclo i 02
 
Apresentação+portaria+3252 09
Apresentação+portaria+3252 09Apresentação+portaria+3252 09
Apresentação+portaria+3252 09
 
Estatudo do idoso
Estatudo do idosoEstatudo do idoso
Estatudo do idoso
 
Edital igararassu-pe-03-2020
Edital igararassu-pe-03-2020Edital igararassu-pe-03-2020
Edital igararassu-pe-03-2020
 
Por uma oncologia mais atual e justa
 Por uma oncologia mais atual e justa Por uma oncologia mais atual e justa
Por uma oncologia mais atual e justa
 
Palestra acs
Palestra acsPalestra acs
Palestra acs
 
Principios e diretrizes
Principios e diretrizesPrincipios e diretrizes
Principios e diretrizes
 
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergenciaPortaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
Portaria 2048 de_2002_urgencia_e_emergencia
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
 
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia SampaioInfraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
 
Carta direito usuarios_2ed2007
Carta direito usuarios_2ed2007Carta direito usuarios_2ed2007
Carta direito usuarios_2ed2007
 
Politica nac urgencias
Politica nac urgenciasPolitica nac urgencias
Politica nac urgencias
 
Politica nac urgencias
Politica nac urgenciasPolitica nac urgencias
Politica nac urgencias
 
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo BarrosAções prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
 
Slides grupo8
Slides grupo8Slides grupo8
Slides grupo8
 

Mais de Carlos Manzoli

Mídia kit Rádio Jovem Pan Curitiba
Mídia kit Rádio Jovem Pan CuritibaMídia kit Rádio Jovem Pan Curitiba
Mídia kit Rádio Jovem Pan CuritibaCarlos Manzoli
 
Mídia Kit RICTV Paraná
Mídia Kit RICTV ParanáMídia Kit RICTV Paraná
Mídia Kit RICTV ParanáCarlos Manzoli
 
Mídia Kit RICTV Curitiba
Mídia Kit RICTV CuritibaMídia Kit RICTV Curitiba
Mídia Kit RICTV CuritibaCarlos Manzoli
 
Midia kit RICTV Maringá
Midia kit RICTV MaringáMidia kit RICTV Maringá
Midia kit RICTV MaringáCarlos Manzoli
 
Mídia kit rictv centro oeste
Mídia kit rictv centro oesteMídia kit rictv centro oeste
Mídia kit rictv centro oesteCarlos Manzoli
 
Projeto Perfil Náutico Digital
Projeto Perfil Náutico DigitalProjeto Perfil Náutico Digital
Projeto Perfil Náutico DigitalCarlos Manzoli
 
Perfil Rádio Ouro Verde FM
Perfil Rádio Ouro Verde FMPerfil Rádio Ouro Verde FM
Perfil Rádio Ouro Verde FMCarlos Manzoli
 
Toda mulher tem o seu lado easy
Toda mulher tem o seu lado easyToda mulher tem o seu lado easy
Toda mulher tem o seu lado easyCarlos Manzoli
 
Todo mundo tem seu lado easy
Todo mundo tem seu lado easyTodo mundo tem seu lado easy
Todo mundo tem seu lado easyCarlos Manzoli
 
Guia Curitiba Apresenta Dezembro 2015
Guia Curitiba Apresenta Dezembro 2015Guia Curitiba Apresenta Dezembro 2015
Guia Curitiba Apresenta Dezembro 2015Carlos Manzoli
 
Auto Papo com Boris Feldman
Auto Papo com Boris FeldmanAuto Papo com Boris Feldman
Auto Papo com Boris FeldmanCarlos Manzoli
 
Guia Curitiba Apresenta novembro 2015
Guia Curitiba Apresenta novembro 2015Guia Curitiba Apresenta novembro 2015
Guia Curitiba Apresenta novembro 2015Carlos Manzoli
 
91ROCKweb patrocínios
91ROCKweb patrocínios91ROCKweb patrocínios
91ROCKweb patrocíniosCarlos Manzoli
 

Mais de Carlos Manzoli (20)

Mídia kit Rádio Jovem Pan Curitiba
Mídia kit Rádio Jovem Pan CuritibaMídia kit Rádio Jovem Pan Curitiba
Mídia kit Rádio Jovem Pan Curitiba
 
Mídia Kit RICTV Paraná
Mídia Kit RICTV ParanáMídia Kit RICTV Paraná
Mídia Kit RICTV Paraná
 
Mídia Kit RICTV Curitiba
Mídia Kit RICTV CuritibaMídia Kit RICTV Curitiba
Mídia Kit RICTV Curitiba
 
Midia kit Londrina
Midia kit Londrina Midia kit Londrina
Midia kit Londrina
 
Midia kit RICTV Maringá
Midia kit RICTV MaringáMidia kit RICTV Maringá
Midia kit RICTV Maringá
 
Mídia kit rictv centro oeste
Mídia kit rictv centro oesteMídia kit rictv centro oeste
Mídia kit rictv centro oeste
 
Projeto Perfil Náutico Digital
Projeto Perfil Náutico DigitalProjeto Perfil Náutico Digital
Projeto Perfil Náutico Digital
 
Perfil Rádio Ouro Verde FM
Perfil Rádio Ouro Verde FMPerfil Rádio Ouro Verde FM
Perfil Rádio Ouro Verde FM
 
Toda mulher tem o seu lado easy
Toda mulher tem o seu lado easyToda mulher tem o seu lado easy
Toda mulher tem o seu lado easy
 
Todo mundo tem seu lado easy
Todo mundo tem seu lado easyTodo mundo tem seu lado easy
Todo mundo tem seu lado easy
 
Perfil Ouro Verde FM
Perfil Ouro Verde FMPerfil Ouro Verde FM
Perfil Ouro Verde FM
 
Guia Curitiba Apresenta Dezembro 2015
Guia Curitiba Apresenta Dezembro 2015Guia Curitiba Apresenta Dezembro 2015
Guia Curitiba Apresenta Dezembro 2015
 
Auto Papo com Boris Feldman
Auto Papo com Boris FeldmanAuto Papo com Boris Feldman
Auto Papo com Boris Feldman
 
Show Lionel Richie
Show Lionel RichieShow Lionel Richie
Show Lionel Richie
 
Guia Curitiba Apresenta novembro 2015
Guia Curitiba Apresenta novembro 2015Guia Curitiba Apresenta novembro 2015
Guia Curitiba Apresenta novembro 2015
 
Pn Mídia
Pn MídiaPn Mídia
Pn Mídia
 
Mix Fm audiência
Mix Fm audiênciaMix Fm audiência
Mix Fm audiência
 
Mix Fm curitiba
Mix Fm curitibaMix Fm curitiba
Mix Fm curitiba
 
91ROCKweb
91ROCKweb91ROCKweb
91ROCKweb
 
91ROCKweb patrocínios
91ROCKweb patrocínios91ROCKweb patrocínios
91ROCKweb patrocínios
 

Último

Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxWenderSantos21
 

Último (10)

Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 

Portaria594 29112010

  • 1. Diário Oficial REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Imprensa Nacional BRASÍLIA - DF . Nº 211 – 04/11/10 – p.78 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 594, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS n° 511, de 02 de dezembro de 2000, que institui o Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde - SCNES; Considerando a Portaria no- 587/GM, de 6 de abril de 2004, que estabelece mecanismos para organização e implantação de Redes EstaduaisMunicipais de Atenção à Hanseníase; Considerando a Portaria no- 399/GM, de 22 de fevereiro de 2006, que divulga o Pacto pela Saúde 2006 - Consolidação do Sistema Único de Saúde - SUS e aprova as Diretrizes Operacionais com seus três componentes: Pactos Pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão; Considerando a Portaria no 648/GM de 28 de março de 2006 que e aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS); Considerando a Portaria no- 699/GM, de 30 de março de 2006, que regulamenta a implementação das Diretrizes Operacionais dos Pactos Pela Vida e de Gestão; Considerando a Portaria no- 3.252/GM de 22 de dezembro de 2009, que aprova as diretrizes para execução e financiamento das ações de Vigilância em Saúde pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios e dá outras providências; Considerando a Portaria no- 3.125/GM, de 7 de outubro de 2010, que aprova as Diretrizes para a Vigilância, Atenção e Controle da Hanseníase; Considerando a responsabilidade da Atenção Primária, em especial das Equipes de Saúde da Família, na identificação e tratamento dos casos de Hanseníase; Considerando o caráter infeccioso e crônico da hanseníase, que pode cursar com episódios agudos, com alto poder incapacitante e que demanda acompanhamento de longo prazo com assistência clínica, cirúrgica, reabilitadora e de vigilância epidemiológica; Considerando a necessidade de subsidiar tecnicamente os gestores estaduais e municipais no planejamento, implementação e monitoramento de serviços que atuem de modo integrado e articulado, com fluxo de referência e contra-referência definidos, que possibilitem a continuidade e a qualidade do atendimento em todos os níveis da atenção e a vigilância epidemiológica da hanseníase, resolve: Art. 1º - Incluir, na Tabela de Serviços Especializados/Classificação do SCNES- Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, o serviço de Atenção Integral em Hanseníase, descrito na Tabela a seguir: Cód . Descrição do Serviço Código de Classificação Descrição da Classificação Grupo de CBO CBOS Requeridos Descrição 158 Serviço de Atenção Integral em Han-seníase 001 Serviço de Atenção Integral em Hanseníase Tipo I 01 2231; 2235; 3222. Médicos; Enfermeiros; Auxiliar nico de Enfermagem ou Téc- 002 Serviço de Atenção Integral em Hanseníase Tipo II 01 2231; 2235; 3222; 2236; 2239. Médicos; Enfermeiros; Auxiliar nico ou Téc- de Enfermagem; Fisioterapeuta e Terapeu-ta Ocupacional. 003 Serviço de Atenção Integral em Hanseníase Tipo III 01 2231; 2235; 3222; 2236; 2239. Médicos; Enfermeiros; Auxiliar ou Téc-nico de Enfermagem; Fisioterapeuta Terapeuta Ocupacional. Art. 2º - Definir como Serviço de Atenção Integral em Hanseníase aquele que possui condições técnicas, instalações físicas, equipamentos e recursos humanos capacitados para a realização das ações mínimas descritas a seguir: Serviço de Atenção Integral em Hanseníase Tipo I a)Ações educativas de promoção da saúde no âmbito dos serviços e da coletividade; b) Vigilância epidemiológica: identificação, acompanhamento dos casos, exame de contato e notificação ao Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN; c) Diagnóstico de casos de hanseníase;
  • 2. d) Avaliação neurológica simplificada e do grau de incapacidade; e) Exame dos contatos, orientação e apoio, mesmo que o paciente esteja sendo atendido em serviço do Tipo II e III; f) Tratamento com poliquimioterapia (PQT) padrão; g) Acompanhamento do paciente durante o tratamento da hanseníase e após a alta, mesmo que ele esteja sendo atendido em serviço do Tipo II ou III; h) Prevenção de incapacidades, com técnicas simples e autocuidado apoiado pela equipe; i) Encaminhamento para outros profissionais ou serviços Serviço de Atenção Integral em Hanseníase Tipo II a) Ações educativas de promoção da saúde no âmbito dos serviços; b) Vigilância epidemiológica: identificação, acompanhamento dos casos, exame de contato e notificação ao Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN; c) Diagnóstico de casos de hanseníase, inclusive da forma neural pura; das reações hansênicas e adversas aos medicamentos; das recidivas; e de outras intercorrências e seqüelas; d) Avaliação neurológica simplificada e do grau de incapacidade; e) Coleta de raspado dérmico para baciloscopia; f) Tratamento com poliquimioterapia padrão e com esquemas substitutivos; g) Acompanhamento do paciente durante o tratamento da hanseníase e após a alta; h) Prevenção e tratamento de incapacidades e autocuidado apoiado pela equipe; i) Encaminhamento para outros profissionais ou serviços. Serviço de Atenção Integral em Hanseníase Tipo III a) Ações educativas de promoção da saúde no âmbito dos serviços; b) Vigilância epidemiológica: identificação, acompanhamento dos casos, exame de contato e notificação ao Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN; c) Diagnóstico de casos de hanseníase, inclusive da forma neural pura; das reações hansênicas e adversas aos medicamentos; das recidivas; e de outras intercorrências e seqüelas; d) Avaliação neurológica simplificada e do grau de incapacidade; e) Baciloscopia; f) Tratamento com poliquimioterapia padrão e com esquemas substitutivos; g) Internação; h) Atendimento pré e pós-operatório; i) Procedimentos cirúrgicos; j) Exames complementares laboratoriais e de imagem; k) Prevenção e tratamento de incapacidades e autocuidado apoiado pela equipe; l) Encaminhamento para outros profissionais ou serviços. §1º - As pessoas com sequelas de hanseníase devem ter acesso a órteses, palmilhas e calçados adaptados, sejam eles confeccionados ou dispensados pelos Serviços do tipo II ou III, ou por outros serviços da rede do Sistema Único de Saúde - SUS. §2º - As ações educativas de promoção da saúde no âmbito dos serviços e da coletividade, assim como a vigilância epidemiológica (identificação, acompanhamento dos casos de hanseníase, exame de contato e notificação ao Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN) devem estar presentes em toda a rede de atenção à saúde e deve ocorrer de acordo com o disposto na Portaria no- 3.252/GM, de 22 de dezembro de 2009, ou outro instrumento legal que venha substituí-la. Art. 3º - Estabelecer que os Serviços de Atenção Integral em Hanseníase devem contar com equipe mínima, para desenvolver as ações mínimas definidas no art. 2o- desta Portaria para cada nível de atenção primária e especializada (ambulatorial e hospitalar) em hanseníase, conforme quadro do art. 1º . Art. 4º - Estabelecer que as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde definam e pactuem na Comissão Intergestora Bipartite (CIB) os serviços de atenção integral em hanseníase. Art. 5º - Estabelecer a obrigatoriedade do acompanhamento, controle e avaliação dos Serviços de Atenção Integral em Hanseníase, a ser realizado pelos gestores Estaduais e Municipais, e do Distrito Federal, garantindo o cumprimento desta Portaria. Art. 6º - Estabelecer que as Secretarias de Saúde dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios adotem as providências necessárias ao cumprimento das normas previstas nesta Portaria, podendo instituir normas de caráter complementar e suplementar, a fim de adequá-las às necessidades locais. Art. 7º - Estabelecer que a Secretaria de Atenção à Saúde - Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas/Coordenação-Geral dos Sistemas de Informação, adote as providências necessárias junto ao Departamento de Informática do SUS-DATASUS/SE/MS, para o cumprimento do disposto nesta Portaria, no que diz respeito à atualização nos Sistemas de Informação correspondentes. Art. 8º - Esta Portaria entra em vigor na data da sua publicação, com efeitos a partir da competência dezembro de 2010. ALBERTO BELTRAME