SlideShare uma empresa Scribd logo
FACULDADE 7 DE SETEMBRO – FA7
              CURSO GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO




POLÍTICAS ECOAMBIENTAIS APLICADAS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÀO CIVIL


                          JUSTIN MULDER




                        FORTALEZA – 2009
JUSTIN MULDER




POLÍTICAS ECOAMBIENTAIS APLICADAS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÀO CIVIL




                              Artigo apresentado à Faculdade 7 de Setembro como
                              requisito parcial para obtenção do título de Bacharel
                              em Administração de Empresas.


                     Orientador: Prof. Maiso Dias Alves Júnior, Mestre.




                        FORTALEZA – 2009
RESUMO


     O artigo concentrou-se na identificação de políticas ecoambientais aplicadas em
empresas de construção civil. A metodologia adotada para identificação destas políticas
ecoambientais, inclui uma pesquisa de campo com as 8 (oito) principais empreiteiras atuantes
na cidade de Fortaleza (CE), adotando um questionário elaborado à partir de assuntos
presentes na gestão ambiental, como o Desenvolvimento Sustentável, a Ecoeficiência e a
Produção Mais Limpa. Os resultados mostram que há interesse das empreiteiras em possuírem
um desenvolvimento sustentável dentro da organização, mas poucas ações e falhas de
comunicação dessas políticas não as tornam definitivamente sustentáveis. As conclusões
retratam que possuir diretrizes ambientais claras e objetivas, é a maneira mais fácil à aplicação
e o controle de ações sustentáveis da organização.
Palavras-Chave: Desenvolvimento Sustentável, Ecoeficiência e Produção Mais Limpa.


ABSTRACT


     The article focused on identifying environmental policies applied in the civil
construction companies. The methodology adopted to identification of these environmental
policies includes a field search with 8 main contractors engaged in the city of Fortaleza (CE),
a questionnaire was made, with issues about environmental management, such as sustainable
development, the ecoefficiency and cleaner production. The results show that there is interest
of contractors in possession of a sustainable development within the organization, but few
actions and communication failures of these policies does not turn them permanently
sustainable. The conclusions portray that have clear and straightforward environmental
guidelines, it is the easiest to implement and sustainable actions control of the organization.
Key words: Sustainable Development, ecoefficiency and Cleaner Production.


1    INTRODUÇÃO


     O planeta vem sofrendo sérias transformações em seu meio ambiente ao longo dos
séculos, principalmente nas últimas décadas. O crescimento descontrolado da população, o
consumo desenfreado e as grandes corporações contribuíram para que os efeitos viessem à
tona. Buraco na camada de ozônio causado pelo excesso de CO² (Dióxido de Carbono)
causado pelas empresas e automóveis, aumento da maré causado pelo derretimento das
geleiras em conseqüência do aquecimento global, população mais sensível às doenças
respiratórias em conseqüência da poluição das grandes metrópoles e a extinção de inúmeras
espécies da fauna e da flora causados pelas queimadas e desmatamentos irregulares são alguns
exemplos do que o homem fez ao planeta.
     O ser humano, para sua sobrevivência, de um modo ou outro, sempre modificou o
ambiente natural (DIAS, 2009). Mas ao invés de adotar um consumo sustentável, já que o
homem é o animal que mais fácil se adapta ao meio ambiente natural, ele adotou um consumo
predatório e sem precedentes, levando o planeta a caminho da extinção.
     No entanto, as empresas são os grandes motores desta máquina que vem degradando o
planeta. Essas práticas poluidoras têm repercutido e denegrindo cada vez mais a sua imagem.
Ainda assim, há empresas que buscam reverter essa situação adotando políticas ambientais
sustentáveis, adotando, por exemplo, a certificação Leed (Leadership in Energy and
Environmental Design), que confere à empresa o status de green building, ou seja, o
certificado de construção verde, seguindo normas e padrões ecoambientais. No Brasil, os
números de empresas brasileiras que adotaram esse tipo de certificação são pouco
significativos. Desde 2004, apenas 139 construções brasileiras procuraram a LEED, sendo que
66% desse total nos últimos dois anos (INFOMONEY, 2009). Outro tipo de certificação
muito importante e adotada por algumas empresas é a da série ISO – International
Organization for Standartization, uma organização internacional que elabora normas
internacionais para serem adotadas nas mais diversas empresas. E a ISO 14000 é um
certificado específico para práticas ambientais aplicadas nas empresas, aonde é subdivida em
ISSO 14001 e ISSO 14004, a primeira é ligada a um Sistema de Gestão Ambiental e a
segunda é ligada a princípios e elementos integrantes a um Sistema de Gestão Ambiental
eficaz.
     Contudo, a problemática ambiental hoje faz parte da pauta obrigatória da maior parte dos
encontros mundiais e torna-se uma preocupação crescente da maioria das empresas que não
querem continuar fazendo o papel de vilãs da sociedade (DIAS, 2009). E as organizações que
decidirem utilizar de um sistema estratégico integrado às questões ambientais, irão conseguir
vantagens competitivas e redução de custos, por exemplo. E no Brasil essas práticas
ambientais já vêm sendo adotadas por algumas empresas, principalmente na área da
construção civil. Mas ainda existem algumas empresas que são vistas como vilãs por
construírem em áreas ambientalmente protegidas, passando por cima de leis e normas. Outras
por utilizarem um sistema de construção que não visa a economia de recursos no processo
produtivo e, há ainda aquelas que não se preocupam com a reciclagem de resíduos após o
processo produtivo.
     Assim, diante do contexto abordado, o objetivo geral desse artigo é analisar as políticas
ecoambientais aplicadas pelas principais empreiteiras da cidade de Fortaleza (empresas com
faturamento bruto anual maior que R$ 60 milhões, denominadas como Empresas de Grande
Porte, segundo classificação do BNDES), levando em consideração os impactos que elas
causam nestas organizações. O cumprimento deste se dará a partir dos seguintes objetivos
específicos: identificar as ações ambientais presentes no processo produtivo (construção)
destas empreiteiras e; analisar o grau de comprometimento das empreiteiras com relação às
políticas ambientais aplicadas na organização como um todo (processos internos /
fornecedores / clientes).
     No entanto, no desenvolvimento desse artigo, serão abordados os aspectos teóricos sobre
Desenvolvimento Sustentável e, Ecoeficiência e Produção Mais Limpa (PML) presentes no
questionário da pesquisa aplicada.


2    AS EMPRESAS E O MEIO AMBIENTE


Desenvolvimento Sustentável


     Desenvolvimento sustentável nada mais é do que uma harmonização de diversas ações
voltada para um só objetivo: o pleno equilíbrio. Há um envolvimento que passa tanto pelos
aspectos ambientais até aos socioculturais.
     É um modelo que extingue o desenvolvimento predatório, onde se dá apenas pelo
consumo desenfreado de matérias-primas sem pensar nas implicações em um futuro de
escassez desses recursos naturais.
     A definição mais aceita como conceito de desenvolvimento sustentável surgiu na
Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento da ONU que defende que o
mesmo corresponde ao:


                            Desenvolvimento capaz de suprir as necessidades da geração atual, sem
                            comprometer a capacidade de atender as necessidades das futuras gerações. É o
                            desenvolvimento que não esgota os recursos para o futuro (WWF BRASIL, 2009).


     Mas embora o desenvolvimento sustentável seja um conceito muito debatido, há uma
visão sobre o tema que pode se diferenciar de um conceito para o outro. Pois se para um pode
ser motivo de crescimento econômico através do uso racional dos recursos naturais, para outro
pode ser o desenvolvimento harmônico da sociedade como resultado final dessas ações
racionais desses recursos.
     Entretanto, hoje há empresas que utilizam dessa gestão baseada no desenvolvimento
sustentável, a sustentabilidade corporativa. A Fundação Brasileira para o Desenvolvimento
Sustentável - FBDS define Sustentabilidade Corporativa como:


                        Corporações preocupadas com sua inserção no meio onde operam que buscam levar
                        em conta necessidades e preocupações de todos os seus públicos de interesse -
                        clientes, empregados, comunidades, governo, parceiros, fornecedores. E mais:
                        visam a criação de valor ao acionista no longo prazo.


     Contudo, o desenvolvimento sustentável nas organizações apresenta três dimensões, que
são: a econômica, a social e a ambiental (DIAS, 2009). No que diz respeito à econômica, ela
leva em consideração se é viável no quesito rentabilidade. No âmbito social, ela leva em
consideração desde ao ambiente de trabalho que a organização proporciona aos funcionários
até as participações socioculturais da comunidade. Já no ponto de vista ambiental, leva-se em
consideração desde a produção mais limpa até o desenvolvimento de uma cultura ambiental na
organização.    No entanto, o mais importante na abordagem das três dimensões da
sustentabilidade empresarial é o equilíbrio dinâmico necessário e permanente que devem ter
(DIAS, 2009).


Ecoeficiência e Produção Mais Limpa (PML)


     Quando falamos em ações ecológicas aplicadas pelas empresas, logo lembramos de
empresas que direcionam essas ações para o marketing através de parcerias com ONGs ou
patrocínios de eventos ambientais por exemplo. Mas ninguém se dá conta que a área produtiva
é a que anda de mãos dadas a ela. Segundo Donaire (2009), a área de produção é aquela que
possui o maior envolvimento com a questão ambiental. É a área que irá reduzir ou eliminar os
impactos ambientais no processo produtivo através da ecoeficiência e da Produção Mais
Limpa (PML).
     A PML ou Produção Mais Limpa é uma estratégia ambiental que engloba processos
produtivos, produtos e serviços. Assim, no que se refere a processos, o foco estará na
conservação de matérias-primas e energia; no que se remete aos produtos à redução de
impactos negativos em seu ciclo de vida ; e no que se refere aos serviços, à preocupação
ambiental quanto ao projeto e fornecimento. Segundo o Centro Nacional de Tecnologia Limpa
- CNTL (2009):


                          Produção mais limpa significa a aplicação contínua de uma estratégia econômica,
                          ambiental e tecnológica integrada aos processos e produtos, a fim de aumentar a
                          eficiência no uso de matérias-primas, água e energia, através da não-geração,
                          minimização ou reciclagem de resíduos gerados em um processo produtivo. Esta
                          abordagem induz inovação nas empresas, dando um passo em direção ao
                          desenvolvimento econômico sustentado e competitivo, não apenas para elas, mas
                          para toda a região que abrangem.


     Já ecoeficiência é a relação de eficiência dos recursos naturais disponíveis à
responsabilidade ambiental. Portanto, ecoeficiência é o uso mais eficiente de materiais e
energia, a fim de reduzir os custos econômicos e os impactos ambientais (CEBDS, 2009).
     Segundo a World Business Council For Sustainable Development - WBCSD (1996 apud
DIAS 2009, p. 130) os sete fatores para alcançar com êxito a ecoeficiência são:
     1. Reduzir a intensidade de uso de materiais.
     2. Diminuir a demanda intensa de energia.
     3. Reduzir a dispersão de substâncias tóxicas.
     4. Incentivar a reciclagem dos materiais.
     5. Maximizar o uso sustentável dos recursos renováveis.
     6. Prolongar a vida útil dos produtos.
     7. Incrementar a intensidade de serviços.


     Contudo, tanto a Ecoeficiência como a Produção Mais Limpa, são temas discutidos que
fortalecem o conceito de sistemas de gestão ambiental nas empresas. Segundo Dias (2009), O
Sistema de Gestão Ambiental é o conjunto de responsabilidades organizacionais,
procedimentos, processos e meios que se adotam para a implantação de uma política
ambiental em determinada empresa. No entanto, é um método que faz com que as
organizações funcionem estabelecendo as normas e tendo como conseqüência uma política
ambiental bem definida.
     E segundo Elkington e Burke (1989 apud DONAIRE, 2009, p. 50) os dez passos para a
excelência ambiental são os seguintes:
     1. Desenvolva e publique uma política ambiental.
     2. Estabeleça metas e continue a avaliar ganhos.
     3. Defina claramente as responsabilidades ambientais de cada uma das áreas e do
         pessoal administrativo (Linha ou Assessoria)
4. Divulgue interna e externamente a política, os objetivos e metas e as
            responsabilidade.
     5. Obtenha recursos adequados.
     6. Eduque e treine seu pessoal e informe os consumidores e a comunidade.
     7. Acompanhe a situação ambiental da empresa e faça auditorias e relatórios.
     8. Acompanhe a evolução da discussão sobre a questão ambiental.
     9. Contribua para os programas ambientais da comunidade e invista em pesquisa e
            desenvolvimento aplicado à área ambiental.
     10. Ajude a conciliar os diferentes interesses existentes entre todos os envolvidos:
            empresas, consumidores, comunidades, acionistas, etc.


3    METODOLOGIA


     O desenvolvimento da pesquisa se deu através de uma pesquisa quantitativa descritiva e
com caráter exploratório. Quanto ao tipo de amostra utilizado na pesquisa, foi abordada a
amostra intencional ou por julgamento, onde são escolhidos os casos a serem incluídos na
pesquisa.
     Quanto ao delineamento da pesquisa, foi através de questionário com perguntas
fechadas. Já a formatação para as respostas se deu através de respostas múltiplas. E quanto à
técnica de coleta de dados utilizado para aplicação da pesquisa, foi através de e-mail.
     Assim, para realização dessa pesquisa foram selecionadas 8 (oito) empreiteiras. Os
critérios utilizados para a escolha dessas empreiteiras foram: empresas atuantes na cidade de
Fortaleza e estando classificadas como empresas de Grande Porte (empresas com faturamento
bruto anual acima de R$ 60 milhões segundo BNDES). E no que se refere ao período para a
aplicação da pesquisa, foram dedicados entre os dias 9 e 26 de novembro de 2009.


4    ANÁLISE DOS RESULTADOS


     Os dados apresentados têm por finalidade abordar as políticas ecoambientais aplicadas
nas empreiteiras, analisando o grau de comprometimento ambiental que a empresa possui em
seu processo produtivo e na organização como toda.
Desenvolvimento Sustentável na Organização


      O Desenvolvimento Sustentável nas organizações tem como característica principal
estabelecer diretrizes a respeito de ações socioambientais internas e externas na organização.
Assim, ao analisar a presença do desenvolvimento sustentável nas empreiteiras, verificou-se
com unanimidade que todas as 8 (oito) empreiteiras possuem esse compromisso.
      Mas, o gráfico 01 a seguir, apresenta dados referentes ao tipo de formalização assumida
com esse compromisso aplicado nas organizações.




           Certificações
            Ambientais




  Não está Formalizado




                           0      1         2        3         4      5   6      7        8


Gráfico 01 – Formalização do Compromisso Sustentável na Organização
Fonte: Pesquisa de Campo (2009)



      Analisando o gráfico acima, conclui-se que há uma grande falha no que se diz respeito a
formalização desse compromisso. A falta de um compromisso formalmente assumido faz com
que a empresa perca essa credibilidade a frente do mercado e de seus colaboradores, pelo
simples fato de não ter nenhum tipo de formalização que possa ser percebida.
      Contudo, das oito empresas presentes na pesquisa, apenas uma possui um tipo de
formalização deste compromisso, através da certificação ambiental. Sendo assim, a única com
o compromisso formalmente descrito, bem como a única que possui certificações ambientais,
como a Green Building Council Brasil – Conselho Brasileiro de Construções Verdes e a
Bureau Veritas Certification – Certificação Bureau Veritas.
      Entretanto, percebe-se que há falhas na comunicação para disseminação dos
compromissos firmados pelas empreiteiras logo nas diretrizes das empresas, pois sete
empresas não possuem nenhuma formalização e outra que restringe apenas em certificações
ambientais. Deixando de publicar esses compromissos em website da organização, em códigos
de éticas, bem como em balanços socioambientais que poderiam agregar mais conhecimento e
valor aos seus colaboradores e clientes.


Procedimentos de Divulgação dos Compromissos


      Para as organizações, possuir compromissos referentes ao Desenvolvimento Sustentável
não é o suficiente, as empresas devem repassá-los aos seus colaboradores e clientes para
agregar mais valor e conhecimento, bem como para firmar parcerias para que a organização
seja vista como uma empresa sustentável, por exemplo. A seguir, segue o gráfico 02 que
refere ao direcionamento desses compromissos firmados nas empreiteiras:


                   Outros


  Instituições Financeiras


            Fornecedores


               Cliente PJ


               Cliente PF


           Público Interno


                             0    1         2   3     4       5      6      7       8   9


Gráfico 02 – Divulgações dos Compromissos
Fonte: Pesquisa de Campo (2009)


      Analisando o gráfico acima, concluí-se que todas as empreiteiras focam na disseminação
dos compromissos ao público interno. Mas há apenas uma minoria que disseminam além
desse público, como em clientes PF e PJ, fornecedores e instituições financeiras.
      Porém percebe-se que essa falta de disseminação pode ser referente à falta de um
compromisso sustentável formalizado. Assim, dificultando a disseminação de informações e
dificultando a implantação de políticas ecoambientais com seus colaboradores.
A seguir, segue o gráfico 03 referente à empresa com a adoção de procedimentos de
comunicação, conscientização e mobilização do público interno em relação a política
ambiental:




  Não Adotam




       Adotam




                0           1           2            3           4    5           6    7


Gráfico 03 – Procedimentos de Comunicação das Políticas Ambientais
Fonte: Pesquisa de Campo 2009



      Analisando o gráfico acima nota-se que apenas duas empresas adotam algum tipo de
procedimento de comunicação em geral do público interno em relação a política ambiental.
No entanto, percebe-se que a falta de conhecimento do público interno referente a ações
ambientais dentro da organização é consequência da pouca importância que a própria
empreiteira se posiciona à frente de seus funcionários. Deixando a desejar em aspectos
referentes a políticas ambientais que deveriam ser prioritários na organização.


Política de Comunicação do Desempenho Ambiental


      Segue o gráfico 04 abaixo referente a política de comunicação do desempenho ambiental
adotado pelas empreiteiras. No que se refere a legenda: A – a empresa não divulga
informações relacionadas ao aspecto; B - a empresa só informa mediante demanda da parte
interessada; C - a empresa divulga informações por meio de relatórios e website, mas não
atende demanda específicas de partes interessadas; D - a empresa divulga informações por
meio de relatórios, website e atende demanda específicas de partes interessadas e; N/A - o
aspecto identificado não está presente na companhia.
Investimentos ambientais

            Licenças e autorizações ambientais

                Qualidade ambiental no entorno

                             Riscos Ambientais

                                Efluentes Líquidos                                       N/A
                                 Resíduos sólidos                                        D
                                                                                         C
           Emissões atmosféricas significativos                                          B
                            Emissões de ruídos                                           A

                           Consumo de energia

                                Consumo de água

  Consumo de recursos naturais não renováveis

       Consumo de recursos naturais renováveis

                                                     0   1   2   3   4   5   6   7   8


Gráfico 04 - Política de Comunicação do Desempenho Ambiental
Fonte: Pesquisa de Campo 2009


      Analisando o gráfico acima, percebe-se que quase todos os itens referentes ao
desempenho ambiental são divulgados pelas empreiteiras apenas mediante da demanda da
parte interessada. Nas quais podemos citar: investimentos ambientais, licenças e autorizações
ambientais, qualidade ambiental no entorno, riscos ambientais, efluentes líquidos, resíduos
sólidos, consumo de energia, água e recursos naturais não renováveis.
      Já os itens referentes a consumo de recursos naturais renováveis e emissões atmosféricas
significativos, quase todas as empreiteiras não divulgam esses aspectos.
      Entretanto, nota-se que as empreiteiras usam uma política de comunicação do
desempenho ambiental muito fraco, adotando em sua maioria, políticas de divulgação
mediante da demanda da parte interessada, ou até, nem divulgam tais desempenho. Reflexo de
uma política de desempenho ambiental muito fraco que se divulgado todos os itens, para
diversos canais de comunicação, poderiam comprometer a empresa no que diz respeito ao
desenvolvimento sustentável, por não adotar diversos desempenhos ambientais de forma
eficaz, por exemplo.
Gestão Ambiental


      Cada vez mais as empresas buscam ser sustentáveis. Para agregar mais valor a empresa e
consequentemente a sua imagem. Entretanto, precisam de uma gestão adequada para criação e
aplicação de diretrizes ecoambientais. Mas para isso, precisam de um setor, ou cargos que
possam cumprir com esses compromissos.
      Mediante a pesquisa aplicada nas empreiteiras, é notável que haja falhas nesse processo
de gestão. Pois segundo resultados obtidos, nenhuma organização possui um setor exclusivo
para tratar de sustentabilidade. E as sete das oito empreiteiras, não possuem também um cargo
de liderança ambiental que poderiam aplicar tais compromissos ambientais. No entanto, o
gráfico 05 a seguir demonstra a que nível hierárquico das empreiteiras responde ao principal
gestor ambiental:


                   Outro


  Gerencia Operacional


                Diretoria


       Vice Presidência


            Presidência


                            0    1           2          3          4          5          6


Gráfico 05 - Gestor Ambiental
Fonte: Pesquisa de Campo 2009


      Nota-se, que na maioria das empreiteiras, o cargo de gestor ambiental responde a
diretoria da organização. Mesmo sem conhecimento específicos, a diretoria é responsável
pelas diretrizes e tomadas de decisões no que se refere a sustentabilidade. Aonde a
presidência, a vice-presidência e a gerencia operacional mostram-se ausentes na gestão
ambiental conforme resultado da pesquisa. Aonde o nível “outro”, se refere na sua maioria, a
consultores ambientais, por exemplo.
Uso Sustentável dos Recursos Naturais


      Para algumas empresas, principalmente as que atuam com processos produtivos, o uso
sustentável de recursos naturais estão presentes muitas vezes para redução dos custos, mas
também para melhorar a imagem da organização.
      Segundo pesquisa aplicada nas empreiteiras, foi constatado que apenas uma empresa das
oito presentes na pesquisa, incorpora o uso sustentável dos recursos naturais renováveis como
requisito prioritário, sendo ela encontrada nas diretrizes e objetivos da empresa. Esse item
mostra que, mesmo as empreiteiras aderindo ao desenvolvimento sustentável, a grande
maioria não levam em consideração o uso sustentável desses recursos como prioritário, um
ponto que pode contradizer a empresa se adere mesmo o desenvolvimento sustentável na
organização, pelo fato das empreiteiras utilizarem muito desses recursos renováveis no
processo produtivo, como por exemplo, a utilização da água.
      Mas no que se refere às Políticas Ambientais aplicadas nas empreiteiras em relação ao
uso/consumo sustentável de seus produtos/serviços, segue a tabela 01 referente à mesma:


                                       Tabela 01 – Políticas Ambientais
                           Políticas Ambientais                               Sim   Não   N/A

Programas de conscientização e orientação de consumidores finais com vistas
ao uso sustentável de produtos e serviços.                                    2     6     -

Programas de suporte técnico aos consumidores finais com vistas ao uso
sustentável dos produtos e serviços.                                           1    7     -

Estimulo financeiro aos consumidores finais com o uso sustentável dos
produtos e serviços.                                                          1     7     -
Fonte: Pesquisa de Campo 2009



      Na tabela acima, nota-se que as principais empreiteiras não possuem uma Política
Ambiental bem implantada na organização. Deixar a desejar desde programas de
conscientização e orientação de consumidores finais com vistas ao uso sustentável de produtos
e serviços, a estímulos financeiros aos consumidores finais com o uso sustentável dos
produtos e serviços. Percebe-se apenas uma ligeira importância do programa de
conscientização em relação aos suportes técnicos e estímulos financeiros, mas que no geral
são quase insignificantes diante dos resultados obtidos.
CONSIDERAÇÕES FINAIS


     Este trabalho discorreu sobre as políticas ecoambientais aplicadas em algumas
empreiteiras da cidade de Fortaleza (CE). Abordando temas teóricos como desenvolvimento
sustentável, produção mais limpa e ecoeficiência, aplicadas no dia-a-dia dessas organizações.
     Hoje, para não serem reconhecidas como vilãs da natureza, muitas empresas vêm
aderindo políticas sustentáveis dentro e fora da organização. No Brasil, muitas destas práticas
são aderidas por empresas de construção civil. No entanto, como objetivo geral, o trabalho
teve como finalidade analisar as políticas ecoambientais aplicadas pelas principais
empreiteiras da capital, onde a mesma foi subdividida em dois objetivos específicos que
atingiram o resultado esperado, em identificar as ações ambientais presentes no processo
produtivo (construção) e analisar o grau de comprometimento das empreiteiras com relação às
políticas ambientais aplicadas na organização como um todo.
     Mesmo a amostra sendo relativamente pequena, é notável que grande parte das
empreiteiras possuem diversas falhas no que responde a uma organização sustentável. Não é
porque uma pessoa faz coleta seletiva de seu lixo que ela é considerada amiga da natureza,
pois, para ter uma política de desenvolvimento sustentável, tanto na vida pessoal como na
organização, é preciso ter diretrizes que direcionam diversas ações do seu dia-a-dia em prol
desse desenvolvimento.
     Nesta pesquisa constatou-se que as empreiteiras têm sim, interesse em ser sustentáveis,
mas em parte. Há muitas falhas na gestão dessas políticas, desde a comunicação interna para
conscientização ambiental, ao uso racional de recursos naturais renováveis, por exemplo.
Muitas dessas empreiteiras possuem algumas políticas ambientais adotadas, muitas delas
aplicadas no processo produtivo, mas de forma pouco eficaz. Pois como já foi dito
anteriormente, uma ação não nos dá o mérito de considerarmos a organização sustentável.
     No entanto, percebe-se que, para ter ações sustentáveis como Produção Mais Limpa de
forma eficaz, por exemplo, formalizar as políticas ambientais nas diretrizes da organização,
vinculando-as em diversas formas de comunicação, é o primeiro passo a ser feito para que a
empresa seja percebida de forma clara. E em consequência disso, por possuir diretrizes
ambientais claras e objetivas, é mais fácil a aplicação e o controle das demais ações
sustentáveis da organização. Não precisando necessariamente de um setor exclusivo a
sustentabilidade, mas possuir cargos de liderança ambiental na empresa ajudaria muito as
organizações para a criação e para a aplicação dessas políticas ambientais, deixando as
decisões referentes ao meio ambiente com especialistas e não mais nas mãos da diretoria,
como foi constatado na pesquisa.
REFERÊNCIAS


BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Disponível em:
<http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Navegacao_Suplementar/Perfil/>.
Acesso em: 7 de nov. 2009.

CEBDS - Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável. Disponível
em: <http://www.cebds.org.br/cebds/eco-rbe-ecoeficiencia.asp>. Acesso em: 12 de set. 2009.

CNTL - Centro Nacional de Tecnologia Limpa. Disponível em: <www.rs.senai.br/cntl>.
Acesso em: 12 de set. 2009.

DIAS, Reinaldo. Gestão Ambiental: Responsabilidade Social e Sustentabilidade. 1. ed. - 5.
reimpr. - São Paulo: Atlas, 2009.


DONAIRE, Denis. Gestão Ambiental na Empresa. 2. ed. – 11. reimpr. – São Paulo: Atlas,
2009.


FBDS – Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável. Disponível em:
<http://www.fbds.org.br/rubrique.php3?id_rubrique=62>. Acesso em: 6 de nov. 2009.

TACHIZAWA, Takeshy. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Corporativa. 6. ed.
revista e ampliada – São Paulo: Atlas, 2009.


WWF BRASIL - World Wild Found Brasil. Disponível em:
<http://www.wwf.org.br/informacoes/questoes_ambientais/>. Acesso em: 08 set. 2009.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ecodesign Ciclo De Vida
Ecodesign Ciclo De VidaEcodesign Ciclo De Vida
Ecodesign Ciclo De Vida
martha
 
Resum
ResumResum
Ecologia industrial
Ecologia industrialEcologia industrial
Ecologia industrial
Marco Teixeira
 
Responsabilidade social e sustentabilidade
Responsabilidade social e sustentabilidadeResponsabilidade social e sustentabilidade
Responsabilidade social e sustentabilidade
ALVARO RAMOS
 
Apresentação de laura silvia valente de macedo tst ppcs
Apresentação de laura silvia valente de macedo tst ppcsApresentação de laura silvia valente de macedo tst ppcs
Apresentação de laura silvia valente de macedo tst ppcs
leonardo2710
 
Trabalho pesquisa sobre responsabilidade social e ambiental
Trabalho pesquisa sobre responsabilidade social e ambientalTrabalho pesquisa sobre responsabilidade social e ambiental
Trabalho pesquisa sobre responsabilidade social e ambiental
Joao Moreira
 
Engenharia de Produção - Gestão ambiental - Sustentabilidade
Engenharia de Produção - Gestão ambiental - SustentabilidadeEngenharia de Produção - Gestão ambiental - Sustentabilidade
Engenharia de Produção - Gestão ambiental - Sustentabilidade
Fernando Alves
 
Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental
sionara14
 
Aula 9 política pública ambiental
Aula 9   política pública ambientalAula 9   política pública ambiental
Aula 9 política pública ambiental
Alex Santiago Nina
 
Sustentabilidade Empresarial: Instrumento de Competitividade
Sustentabilidade Empresarial: Instrumento de CompetitividadeSustentabilidade Empresarial: Instrumento de Competitividade
Sustentabilidade Empresarial: Instrumento de Competitividade
Laercio Bruno Filho
 
Cps tst florance iclei-ago11_fkl
Cps tst florance   iclei-ago11_fklCps tst florance   iclei-ago11_fkl
Cps tst florance iclei-ago11_fkl
leonardo2710
 
Mudanças climáticas, economia de baixo carbono e desenvolvimento sustentável:...
Mudanças climáticas, economia de baixo carbono e desenvolvimento sustentável:...Mudanças climáticas, economia de baixo carbono e desenvolvimento sustentável:...
Mudanças climáticas, economia de baixo carbono e desenvolvimento sustentável:...
Santander Brasil
 
Responsabilidade social da Google
Responsabilidade social da GoogleResponsabilidade social da Google
Responsabilidade social da Google
cantanhede096
 
GESTÃO AMBIENTAL
GESTÃO AMBIENTALGESTÃO AMBIENTAL
GESTÃO AMBIENTAL
Filipa Andrade
 
Apresentacao nomoto trt_07_jun_13
Apresentacao nomoto trt_07_jun_13Apresentacao nomoto trt_07_jun_13
Apresentacao nomoto trt_07_jun_13
leonardo2710
 
Guia Gestor de TI Sustentabilidade
Guia Gestor de TI SustentabilidadeGuia Gestor de TI Sustentabilidade
Guia Gestor de TI Sustentabilidade
Ana Paula Reis
 
Aula 7 gestão ambiental empresarial
Aula 7   gestão ambiental empresarialAula 7   gestão ambiental empresarial
Aula 7 gestão ambiental empresarial
Alex Santiago Nina
 
Gestão ambiental aula 1 - facear
Gestão ambiental   aula 1 - facearGestão ambiental   aula 1 - facear
Gestão ambiental aula 1 - facear
Diego Alves
 
Natureza Verde - Sustentabilidade
Natureza Verde - SustentabilidadeNatureza Verde - Sustentabilidade
Natureza Verde - Sustentabilidade
Edson Jaccoud
 
Gestão ambiental apresentação
Gestão ambiental apresentaçãoGestão ambiental apresentação
Gestão ambiental apresentação
Igor Cosenza Dionisio
 

Mais procurados (20)

Ecodesign Ciclo De Vida
Ecodesign Ciclo De VidaEcodesign Ciclo De Vida
Ecodesign Ciclo De Vida
 
Resum
ResumResum
Resum
 
Ecologia industrial
Ecologia industrialEcologia industrial
Ecologia industrial
 
Responsabilidade social e sustentabilidade
Responsabilidade social e sustentabilidadeResponsabilidade social e sustentabilidade
Responsabilidade social e sustentabilidade
 
Apresentação de laura silvia valente de macedo tst ppcs
Apresentação de laura silvia valente de macedo tst ppcsApresentação de laura silvia valente de macedo tst ppcs
Apresentação de laura silvia valente de macedo tst ppcs
 
Trabalho pesquisa sobre responsabilidade social e ambiental
Trabalho pesquisa sobre responsabilidade social e ambientalTrabalho pesquisa sobre responsabilidade social e ambiental
Trabalho pesquisa sobre responsabilidade social e ambiental
 
Engenharia de Produção - Gestão ambiental - Sustentabilidade
Engenharia de Produção - Gestão ambiental - SustentabilidadeEngenharia de Produção - Gestão ambiental - Sustentabilidade
Engenharia de Produção - Gestão ambiental - Sustentabilidade
 
Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental
 
Aula 9 política pública ambiental
Aula 9   política pública ambientalAula 9   política pública ambiental
Aula 9 política pública ambiental
 
Sustentabilidade Empresarial: Instrumento de Competitividade
Sustentabilidade Empresarial: Instrumento de CompetitividadeSustentabilidade Empresarial: Instrumento de Competitividade
Sustentabilidade Empresarial: Instrumento de Competitividade
 
Cps tst florance iclei-ago11_fkl
Cps tst florance   iclei-ago11_fklCps tst florance   iclei-ago11_fkl
Cps tst florance iclei-ago11_fkl
 
Mudanças climáticas, economia de baixo carbono e desenvolvimento sustentável:...
Mudanças climáticas, economia de baixo carbono e desenvolvimento sustentável:...Mudanças climáticas, economia de baixo carbono e desenvolvimento sustentável:...
Mudanças climáticas, economia de baixo carbono e desenvolvimento sustentável:...
 
Responsabilidade social da Google
Responsabilidade social da GoogleResponsabilidade social da Google
Responsabilidade social da Google
 
GESTÃO AMBIENTAL
GESTÃO AMBIENTALGESTÃO AMBIENTAL
GESTÃO AMBIENTAL
 
Apresentacao nomoto trt_07_jun_13
Apresentacao nomoto trt_07_jun_13Apresentacao nomoto trt_07_jun_13
Apresentacao nomoto trt_07_jun_13
 
Guia Gestor de TI Sustentabilidade
Guia Gestor de TI SustentabilidadeGuia Gestor de TI Sustentabilidade
Guia Gestor de TI Sustentabilidade
 
Aula 7 gestão ambiental empresarial
Aula 7   gestão ambiental empresarialAula 7   gestão ambiental empresarial
Aula 7 gestão ambiental empresarial
 
Gestão ambiental aula 1 - facear
Gestão ambiental   aula 1 - facearGestão ambiental   aula 1 - facear
Gestão ambiental aula 1 - facear
 
Natureza Verde - Sustentabilidade
Natureza Verde - SustentabilidadeNatureza Verde - Sustentabilidade
Natureza Verde - Sustentabilidade
 
Gestão ambiental apresentação
Gestão ambiental apresentaçãoGestão ambiental apresentação
Gestão ambiental apresentação
 

Destaque

Origen y evolución, procesos y características de las clases sociales en el m...
Origen y evolución, procesos y características de las clases sociales en el m...Origen y evolución, procesos y características de las clases sociales en el m...
Origen y evolución, procesos y características de las clases sociales en el m...
Yubizay Yaneyly Chacon Garcia
 
sexualidad
sexualidadsexualidad
Tha price of tha god.pt.3.doc
Tha price of tha god.pt.3.docTha price of tha god.pt.3.doc
Tha price of tha god.pt.3.doc
Cmen-Ce
 
Mkt320 cw1-inauri
Mkt320 cw1-inauriMkt320 cw1-inauri
Mkt320 cw1-inauri
Levani Inauri
 
Accesibilidad en las Aulas Virtuales
Accesibilidad en las Aulas VirtualesAccesibilidad en las Aulas Virtuales
Accesibilidad en las Aulas Virtuales
Veronica Gomez
 
Medical students’ approaches to learning before and after the cardiology prob...
Medical students’ approaches to learning before and after the cardiology prob...Medical students’ approaches to learning before and after the cardiology prob...
Medical students’ approaches to learning before and after the cardiology prob...
Eugenia Savvidou
 
Présentation CPI 2016 Bibliothèque de semences : Bibliothèque publique de Wes...
Présentation CPI 2016 Bibliothèque de semences : Bibliothèque publique de Wes...Présentation CPI 2016 Bibliothèque de semences : Bibliothèque publique de Wes...
Présentation CPI 2016 Bibliothèque de semences : Bibliothèque publique de Wes...
Valérie Rioux
 
Presentación2
Presentación2Presentación2
Presentación2
Blanca Madrid
 
Resume Bhaskar
Resume BhaskarResume Bhaskar
Resume Bhaskar
Masupatri Bhaskar
 
Articulos
ArticulosArticulos
MATERI PEMBELAJARAN TIK SEMESTER 1 BAB 1
MATERI PEMBELAJARAN TIK SEMESTER 1 BAB 1MATERI PEMBELAJARAN TIK SEMESTER 1 BAB 1
MATERI PEMBELAJARAN TIK SEMESTER 1 BAB 1
ica nisa
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
Bevenido FisioM2
 
James G. Tangen Resume
James G. Tangen ResumeJames G. Tangen Resume
James G. Tangen Resume
James Tangen
 
Vero informatica
Vero informaticaVero informatica
Vero informatica
veronica rodriguez
 
Natural Science Unit 1
Natural Science Unit 1Natural Science Unit 1
Natural Science Unit 1
María De Francisco Fernández
 
Fisiologia 6
Fisiologia 6Fisiologia 6
Fisiologia 6
EvelysV
 
Algebra basica 2910 2016
Algebra basica 2910 2016Algebra basica 2910 2016
Algebra basica 2910 2016
Glicerio Gavilan
 
Aportes
AportesAportes
Act2
Act2Act2

Destaque (20)

Origen y evolución, procesos y características de las clases sociales en el m...
Origen y evolución, procesos y características de las clases sociales en el m...Origen y evolución, procesos y características de las clases sociales en el m...
Origen y evolución, procesos y características de las clases sociales en el m...
 
sexualidad
sexualidadsexualidad
sexualidad
 
Tha price of tha god.pt.3.doc
Tha price of tha god.pt.3.docTha price of tha god.pt.3.doc
Tha price of tha god.pt.3.doc
 
Mkt320 cw1-inauri
Mkt320 cw1-inauriMkt320 cw1-inauri
Mkt320 cw1-inauri
 
Accesibilidad en las Aulas Virtuales
Accesibilidad en las Aulas VirtualesAccesibilidad en las Aulas Virtuales
Accesibilidad en las Aulas Virtuales
 
Medical students’ approaches to learning before and after the cardiology prob...
Medical students’ approaches to learning before and after the cardiology prob...Medical students’ approaches to learning before and after the cardiology prob...
Medical students’ approaches to learning before and after the cardiology prob...
 
Présentation CPI 2016 Bibliothèque de semences : Bibliothèque publique de Wes...
Présentation CPI 2016 Bibliothèque de semences : Bibliothèque publique de Wes...Présentation CPI 2016 Bibliothèque de semences : Bibliothèque publique de Wes...
Présentation CPI 2016 Bibliothèque de semences : Bibliothèque publique de Wes...
 
Presentación2
Presentación2Presentación2
Presentación2
 
Resume Bhaskar
Resume BhaskarResume Bhaskar
Resume Bhaskar
 
Articulos
ArticulosArticulos
Articulos
 
MATERI PEMBELAJARAN TIK SEMESTER 1 BAB 1
MATERI PEMBELAJARAN TIK SEMESTER 1 BAB 1MATERI PEMBELAJARAN TIK SEMESTER 1 BAB 1
MATERI PEMBELAJARAN TIK SEMESTER 1 BAB 1
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
 
My UX Road Map
My UX Road MapMy UX Road Map
My UX Road Map
 
James G. Tangen Resume
James G. Tangen ResumeJames G. Tangen Resume
James G. Tangen Resume
 
Vero informatica
Vero informaticaVero informatica
Vero informatica
 
Natural Science Unit 1
Natural Science Unit 1Natural Science Unit 1
Natural Science Unit 1
 
Fisiologia 6
Fisiologia 6Fisiologia 6
Fisiologia 6
 
Algebra basica 2910 2016
Algebra basica 2910 2016Algebra basica 2910 2016
Algebra basica 2910 2016
 
Aportes
AportesAportes
Aportes
 
Act2
Act2Act2
Act2
 

Semelhante a POLÍTICAS ECOAMBIENTAIS APLICADAS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÀO CIVIL

Sustentabilidade e Responsabilidade Social
Sustentabilidade e Responsabilidade SocialSustentabilidade e Responsabilidade Social
Sustentabilidade e Responsabilidade Social
Paulo Fernandes
 
Rumo ao capitalismo sustentável
Rumo ao capitalismo sustentávelRumo ao capitalismo sustentável
Rumo ao capitalismo sustentável
Lucas Amaral Lauriano
 
TRABALHO RH
TRABALHO  RHTRABALHO  RH
TRABALHO RH
ingridasc
 
Gestao de-residuos solidos
 Gestao de-residuos solidos Gestao de-residuos solidos
Gestao de-residuos solidos
Orlando Junior Binda
 
Guia ASGI - Metrô de São Paulo
Guia ASGI - Metrô de São PauloGuia ASGI - Metrô de São Paulo
Guia ASGI - Metrô de São Paulo
MetrdeSoPaulo
 
ASPECTOS SOCIAIS E EDUCACIONAIS NO MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DA ARACRU...
ASPECTOS SOCIAIS E EDUCACIONAIS NO MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DA ARACRU...ASPECTOS SOCIAIS E EDUCACIONAIS NO MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DA ARACRU...
ASPECTOS SOCIAIS E EDUCACIONAIS NO MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DA ARACRU...
1sested
 
Contabilidade Ambietal
Contabilidade AmbietalContabilidade Ambietal
Contabilidade Ambietal
pedrophzp
 
5 mitos sobre sustentabilidade empresarial
5 mitos sobre sustentabilidade empresarial5 mitos sobre sustentabilidade empresarial
5 mitos sobre sustentabilidade empresarial
Instituto Brasileiro de Sustentabilidade - INBS
 
SUSTENTABILIDADE - APOSTILA - POS GRADUAÇÃO.pdf
SUSTENTABILIDADE - APOSTILA  - POS GRADUAÇÃO.pdfSUSTENTABILIDADE - APOSTILA  - POS GRADUAÇÃO.pdf
SUSTENTABILIDADE - APOSTILA - POS GRADUAÇÃO.pdf
nascimentojunior3
 
Livro logística reversa
Livro logística reversaLivro logística reversa
Livro logística reversa
elianeiarabendix
 
Ecodesign Ciclo De Vida
Ecodesign Ciclo De VidaEcodesign Ciclo De Vida
Ecodesign Ciclo De Vida
martha
 
Artigo mario ernesto
Artigo mario ernestoArtigo mario ernesto
Artigo mario ernesto
Thiago Turbian
 
ESG | Environmental, Social & Governance
ESG | Environmental, Social & GovernanceESG | Environmental, Social & Governance
ESG | Environmental, Social & Governance
Grupo Index
 
tudo gestao .ppt
tudo gestao .ppttudo gestao .ppt
tudo gestao .ppt
ssuser9677931
 
Avaliação Sistemática avaliação maturidade sustentabilidade
Avaliação Sistemática avaliação maturidade sustentabilidadeAvaliação Sistemática avaliação maturidade sustentabilidade
Avaliação Sistemática avaliação maturidade sustentabilidade
VG Comunicação
 
ava facul uva unijorge (8).pdf
ava facul uva unijorge (8).pdfava facul uva unijorge (8).pdf
Gestaoda responsabilidadesocial
Gestaoda responsabilidadesocialGestaoda responsabilidadesocial
Gestaoda responsabilidadesocial
Luana Fidelis
 
EY guia ESG para CEOs
EY guia ESG para CEOsEY guia ESG para CEOs
EY guia ESG para CEOs
FernandoSanchezParag
 
Cap elida pedrini, lima e sanchez uv 05 08 09
Cap elida pedrini, lima e sanchez uv 05 08 09Cap elida pedrini, lima e sanchez uv 05 08 09
Cap elida pedrini, lima e sanchez uv 05 08 09
AlexandredeGusmaoPedrini
 
A CONTABILIDADE NO UNIVERSO SUSTENTÁVEL
A CONTABILIDADE NO UNIVERSO SUSTENTÁVELA CONTABILIDADE NO UNIVERSO SUSTENTÁVEL
A CONTABILIDADE NO UNIVERSO SUSTENTÁVEL
Maria Araújo
 

Semelhante a POLÍTICAS ECOAMBIENTAIS APLICADAS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÀO CIVIL (20)

Sustentabilidade e Responsabilidade Social
Sustentabilidade e Responsabilidade SocialSustentabilidade e Responsabilidade Social
Sustentabilidade e Responsabilidade Social
 
Rumo ao capitalismo sustentável
Rumo ao capitalismo sustentávelRumo ao capitalismo sustentável
Rumo ao capitalismo sustentável
 
TRABALHO RH
TRABALHO  RHTRABALHO  RH
TRABALHO RH
 
Gestao de-residuos solidos
 Gestao de-residuos solidos Gestao de-residuos solidos
Gestao de-residuos solidos
 
Guia ASGI - Metrô de São Paulo
Guia ASGI - Metrô de São PauloGuia ASGI - Metrô de São Paulo
Guia ASGI - Metrô de São Paulo
 
ASPECTOS SOCIAIS E EDUCACIONAIS NO MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DA ARACRU...
ASPECTOS SOCIAIS E EDUCACIONAIS NO MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DA ARACRU...ASPECTOS SOCIAIS E EDUCACIONAIS NO MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DA ARACRU...
ASPECTOS SOCIAIS E EDUCACIONAIS NO MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DA ARACRU...
 
Contabilidade Ambietal
Contabilidade AmbietalContabilidade Ambietal
Contabilidade Ambietal
 
5 mitos sobre sustentabilidade empresarial
5 mitos sobre sustentabilidade empresarial5 mitos sobre sustentabilidade empresarial
5 mitos sobre sustentabilidade empresarial
 
SUSTENTABILIDADE - APOSTILA - POS GRADUAÇÃO.pdf
SUSTENTABILIDADE - APOSTILA  - POS GRADUAÇÃO.pdfSUSTENTABILIDADE - APOSTILA  - POS GRADUAÇÃO.pdf
SUSTENTABILIDADE - APOSTILA - POS GRADUAÇÃO.pdf
 
Livro logística reversa
Livro logística reversaLivro logística reversa
Livro logística reversa
 
Ecodesign Ciclo De Vida
Ecodesign Ciclo De VidaEcodesign Ciclo De Vida
Ecodesign Ciclo De Vida
 
Artigo mario ernesto
Artigo mario ernestoArtigo mario ernesto
Artigo mario ernesto
 
ESG | Environmental, Social & Governance
ESG | Environmental, Social & GovernanceESG | Environmental, Social & Governance
ESG | Environmental, Social & Governance
 
tudo gestao .ppt
tudo gestao .ppttudo gestao .ppt
tudo gestao .ppt
 
Avaliação Sistemática avaliação maturidade sustentabilidade
Avaliação Sistemática avaliação maturidade sustentabilidadeAvaliação Sistemática avaliação maturidade sustentabilidade
Avaliação Sistemática avaliação maturidade sustentabilidade
 
ava facul uva unijorge (8).pdf
ava facul uva unijorge (8).pdfava facul uva unijorge (8).pdf
ava facul uva unijorge (8).pdf
 
Gestaoda responsabilidadesocial
Gestaoda responsabilidadesocialGestaoda responsabilidadesocial
Gestaoda responsabilidadesocial
 
EY guia ESG para CEOs
EY guia ESG para CEOsEY guia ESG para CEOs
EY guia ESG para CEOs
 
Cap elida pedrini, lima e sanchez uv 05 08 09
Cap elida pedrini, lima e sanchez uv 05 08 09Cap elida pedrini, lima e sanchez uv 05 08 09
Cap elida pedrini, lima e sanchez uv 05 08 09
 
A CONTABILIDADE NO UNIVERSO SUSTENTÁVEL
A CONTABILIDADE NO UNIVERSO SUSTENTÁVELA CONTABILIDADE NO UNIVERSO SUSTENTÁVEL
A CONTABILIDADE NO UNIVERSO SUSTENTÁVEL
 

Mais de MaisoDias

Terceirização na Administração Pública: Um estudo do Comportamento Organizaci...
Terceirização na Administração Pública: Um estudo do Comportamento Organizaci...Terceirização na Administração Pública: Um estudo do Comportamento Organizaci...
Terceirização na Administração Pública: Um estudo do Comportamento Organizaci...
MaisoDias
 
Iara veras - Voluntariado Corporativo: A Importância do Voluntariado para o D...
Iara veras - Voluntariado Corporativo: A Importância do Voluntariado para o D...Iara veras - Voluntariado Corporativo: A Importância do Voluntariado para o D...
Iara veras - Voluntariado Corporativo: A Importância do Voluntariado para o D...
MaisoDias
 
Henryqueta - Empreendedor Individual: Análise de e do Processo de Concessão d...
Henryqueta - Empreendedor Individual: Análise de e do Processo de Concessão d...Henryqueta - Empreendedor Individual: Análise de e do Processo de Concessão d...
Henryqueta - Empreendedor Individual: Análise de e do Processo de Concessão d...
MaisoDias
 
Caio
CaioCaio
Caio
MaisoDias
 
Apresentação - empreender consciente
Apresentação - empreender conscienteApresentação - empreender consciente
Apresentação - empreender consciente
MaisoDias
 
PRÁTICAS DE MARKETING DE ENTRETENIMENTO: UM ESTUDO DAS BANDAS DE FORRÓ DO CEA...
PRÁTICAS DE MARKETING DE ENTRETENIMENTO: UM ESTUDO DAS BANDAS DE FORRÓ DO CEA...PRÁTICAS DE MARKETING DE ENTRETENIMENTO: UM ESTUDO DAS BANDAS DE FORRÓ DO CEA...
PRÁTICAS DE MARKETING DE ENTRETENIMENTO: UM ESTUDO DAS BANDAS DE FORRÓ DO CEA...
MaisoDias
 
GESTÃO AMBIENTAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE ESTRATÉGIAS DE VE...
GESTÃO AMBIENTAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE ESTRATÉGIAS DE VE...GESTÃO AMBIENTAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE ESTRATÉGIAS DE VE...
GESTÃO AMBIENTAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE ESTRATÉGIAS DE VE...
MaisoDias
 
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOB A ÓTICA DE ABASTECIMENTO DO ESTADO...
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOB A ÓTICA DE ABASTECIMENTO DO ESTADO...DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOB A ÓTICA DE ABASTECIMENTO DO ESTADO...
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOB A ÓTICA DE ABASTECIMENTO DO ESTADO...
MaisoDias
 
EMPREENDEDORISMO FEMININO: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL CRIATIVO DAS MULHERES NO ...
EMPREENDEDORISMO FEMININO: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL CRIATIVO DAS MULHERES NO ...EMPREENDEDORISMO FEMININO: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL CRIATIVO DAS MULHERES NO ...
EMPREENDEDORISMO FEMININO: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL CRIATIVO DAS MULHERES NO ...
MaisoDias
 
O PAPEL DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL COMO INFLUENCIADOR NA GESTÃO ORGANIZACION...
O PAPEL DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL COMO INFLUENCIADOR NA GESTÃO ORGANIZACION...O PAPEL DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL COMO INFLUENCIADOR NA GESTÃO ORGANIZACION...
O PAPEL DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL COMO INFLUENCIADOR NA GESTÃO ORGANIZACION...
MaisoDias
 
O PERFIL EMPREENDEDOR DA GERAÇÃO Y: UM ESTUDO DE CASO DA ASSOCIAÇÃO DE JOVENS...
O PERFIL EMPREENDEDOR DA GERAÇÃO Y: UM ESTUDO DE CASO DA ASSOCIAÇÃO DE JOVENS...O PERFIL EMPREENDEDOR DA GERAÇÃO Y: UM ESTUDO DE CASO DA ASSOCIAÇÃO DE JOVENS...
O PERFIL EMPREENDEDOR DA GERAÇÃO Y: UM ESTUDO DE CASO DA ASSOCIAÇÃO DE JOVENS...
MaisoDias
 
PROFISSIONALIZAÇÃO NO TERCEIRO SETOR: ESTUDO COMPARATIVO SOB A PERSPECTIVA DO...
PROFISSIONALIZAÇÃO NO TERCEIRO SETOR: ESTUDO COMPARATIVO SOB A PERSPECTIVA DO...PROFISSIONALIZAÇÃO NO TERCEIRO SETOR: ESTUDO COMPARATIVO SOB A PERSPECTIVA DO...
PROFISSIONALIZAÇÃO NO TERCEIRO SETOR: ESTUDO COMPARATIVO SOB A PERSPECTIVA DO...
MaisoDias
 
EMPREENDEDORISMO FEMININO: UM ESTUDO DAS MULHERES EMPREENDEDORAS COM MODELO P...
EMPREENDEDORISMO FEMININO: UM ESTUDO DAS MULHERES EMPREENDEDORAS COM MODELO P...EMPREENDEDORISMO FEMININO: UM ESTUDO DAS MULHERES EMPREENDEDORAS COM MODELO P...
EMPREENDEDORISMO FEMININO: UM ESTUDO DAS MULHERES EMPREENDEDORAS COM MODELO P...
MaisoDias
 
O PERFIL EMPREEDEDOR COMO DIFERENCIAL NA INTERCIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS
O PERFIL EMPREEDEDOR COMO DIFERENCIAL NA INTERCIONALIZAÇÃO DE EMPRESASO PERFIL EMPREEDEDOR COMO DIFERENCIAL NA INTERCIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS
O PERFIL EMPREEDEDOR COMO DIFERENCIAL NA INTERCIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS
MaisoDias
 
CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO TERCEIRO SETOR: UM ESTUDO MULTICASO DAS ENTIDADES FIL...
CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO TERCEIRO SETOR: UM ESTUDO MULTICASO DAS ENTIDADES FIL...CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO TERCEIRO SETOR: UM ESTUDO MULTICASO DAS ENTIDADES FIL...
CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO TERCEIRO SETOR: UM ESTUDO MULTICASO DAS ENTIDADES FIL...
MaisoDias
 
O MERCADO GLS NA CIDADE DE FORTALEZA: O PERFIL DO CONSUMIDOR DE UMA SAUNA GAY
O MERCADO GLS NA CIDADE DE FORTALEZA: O PERFIL DO CONSUMIDOR DE UMA SAUNA GAYO MERCADO GLS NA CIDADE DE FORTALEZA: O PERFIL DO CONSUMIDOR DE UMA SAUNA GAY
O MERCADO GLS NA CIDADE DE FORTALEZA: O PERFIL DO CONSUMIDOR DE UMA SAUNA GAY
MaisoDias
 

Mais de MaisoDias (16)

Terceirização na Administração Pública: Um estudo do Comportamento Organizaci...
Terceirização na Administração Pública: Um estudo do Comportamento Organizaci...Terceirização na Administração Pública: Um estudo do Comportamento Organizaci...
Terceirização na Administração Pública: Um estudo do Comportamento Organizaci...
 
Iara veras - Voluntariado Corporativo: A Importância do Voluntariado para o D...
Iara veras - Voluntariado Corporativo: A Importância do Voluntariado para o D...Iara veras - Voluntariado Corporativo: A Importância do Voluntariado para o D...
Iara veras - Voluntariado Corporativo: A Importância do Voluntariado para o D...
 
Henryqueta - Empreendedor Individual: Análise de e do Processo de Concessão d...
Henryqueta - Empreendedor Individual: Análise de e do Processo de Concessão d...Henryqueta - Empreendedor Individual: Análise de e do Processo de Concessão d...
Henryqueta - Empreendedor Individual: Análise de e do Processo de Concessão d...
 
Caio
CaioCaio
Caio
 
Apresentação - empreender consciente
Apresentação - empreender conscienteApresentação - empreender consciente
Apresentação - empreender consciente
 
PRÁTICAS DE MARKETING DE ENTRETENIMENTO: UM ESTUDO DAS BANDAS DE FORRÓ DO CEA...
PRÁTICAS DE MARKETING DE ENTRETENIMENTO: UM ESTUDO DAS BANDAS DE FORRÓ DO CEA...PRÁTICAS DE MARKETING DE ENTRETENIMENTO: UM ESTUDO DAS BANDAS DE FORRÓ DO CEA...
PRÁTICAS DE MARKETING DE ENTRETENIMENTO: UM ESTUDO DAS BANDAS DE FORRÓ DO CEA...
 
GESTÃO AMBIENTAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE ESTRATÉGIAS DE VE...
GESTÃO AMBIENTAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE ESTRATÉGIAS DE VE...GESTÃO AMBIENTAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE ESTRATÉGIAS DE VE...
GESTÃO AMBIENTAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE ESTRATÉGIAS DE VE...
 
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOB A ÓTICA DE ABASTECIMENTO DO ESTADO...
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOB A ÓTICA DE ABASTECIMENTO DO ESTADO...DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOB A ÓTICA DE ABASTECIMENTO DO ESTADO...
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOB A ÓTICA DE ABASTECIMENTO DO ESTADO...
 
EMPREENDEDORISMO FEMININO: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL CRIATIVO DAS MULHERES NO ...
EMPREENDEDORISMO FEMININO: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL CRIATIVO DAS MULHERES NO ...EMPREENDEDORISMO FEMININO: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL CRIATIVO DAS MULHERES NO ...
EMPREENDEDORISMO FEMININO: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL CRIATIVO DAS MULHERES NO ...
 
O PAPEL DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL COMO INFLUENCIADOR NA GESTÃO ORGANIZACION...
O PAPEL DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL COMO INFLUENCIADOR NA GESTÃO ORGANIZACION...O PAPEL DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL COMO INFLUENCIADOR NA GESTÃO ORGANIZACION...
O PAPEL DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL COMO INFLUENCIADOR NA GESTÃO ORGANIZACION...
 
O PERFIL EMPREENDEDOR DA GERAÇÃO Y: UM ESTUDO DE CASO DA ASSOCIAÇÃO DE JOVENS...
O PERFIL EMPREENDEDOR DA GERAÇÃO Y: UM ESTUDO DE CASO DA ASSOCIAÇÃO DE JOVENS...O PERFIL EMPREENDEDOR DA GERAÇÃO Y: UM ESTUDO DE CASO DA ASSOCIAÇÃO DE JOVENS...
O PERFIL EMPREENDEDOR DA GERAÇÃO Y: UM ESTUDO DE CASO DA ASSOCIAÇÃO DE JOVENS...
 
PROFISSIONALIZAÇÃO NO TERCEIRO SETOR: ESTUDO COMPARATIVO SOB A PERSPECTIVA DO...
PROFISSIONALIZAÇÃO NO TERCEIRO SETOR: ESTUDO COMPARATIVO SOB A PERSPECTIVA DO...PROFISSIONALIZAÇÃO NO TERCEIRO SETOR: ESTUDO COMPARATIVO SOB A PERSPECTIVA DO...
PROFISSIONALIZAÇÃO NO TERCEIRO SETOR: ESTUDO COMPARATIVO SOB A PERSPECTIVA DO...
 
EMPREENDEDORISMO FEMININO: UM ESTUDO DAS MULHERES EMPREENDEDORAS COM MODELO P...
EMPREENDEDORISMO FEMININO: UM ESTUDO DAS MULHERES EMPREENDEDORAS COM MODELO P...EMPREENDEDORISMO FEMININO: UM ESTUDO DAS MULHERES EMPREENDEDORAS COM MODELO P...
EMPREENDEDORISMO FEMININO: UM ESTUDO DAS MULHERES EMPREENDEDORAS COM MODELO P...
 
O PERFIL EMPREEDEDOR COMO DIFERENCIAL NA INTERCIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS
O PERFIL EMPREEDEDOR COMO DIFERENCIAL NA INTERCIONALIZAÇÃO DE EMPRESASO PERFIL EMPREEDEDOR COMO DIFERENCIAL NA INTERCIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS
O PERFIL EMPREEDEDOR COMO DIFERENCIAL NA INTERCIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS
 
CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO TERCEIRO SETOR: UM ESTUDO MULTICASO DAS ENTIDADES FIL...
CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO TERCEIRO SETOR: UM ESTUDO MULTICASO DAS ENTIDADES FIL...CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO TERCEIRO SETOR: UM ESTUDO MULTICASO DAS ENTIDADES FIL...
CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO TERCEIRO SETOR: UM ESTUDO MULTICASO DAS ENTIDADES FIL...
 
O MERCADO GLS NA CIDADE DE FORTALEZA: O PERFIL DO CONSUMIDOR DE UMA SAUNA GAY
O MERCADO GLS NA CIDADE DE FORTALEZA: O PERFIL DO CONSUMIDOR DE UMA SAUNA GAYO MERCADO GLS NA CIDADE DE FORTALEZA: O PERFIL DO CONSUMIDOR DE UMA SAUNA GAY
O MERCADO GLS NA CIDADE DE FORTALEZA: O PERFIL DO CONSUMIDOR DE UMA SAUNA GAY
 

Último

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 

POLÍTICAS ECOAMBIENTAIS APLICADAS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÀO CIVIL

  • 1. FACULDADE 7 DE SETEMBRO – FA7 CURSO GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO POLÍTICAS ECOAMBIENTAIS APLICADAS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÀO CIVIL JUSTIN MULDER FORTALEZA – 2009
  • 2. JUSTIN MULDER POLÍTICAS ECOAMBIENTAIS APLICADAS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÀO CIVIL Artigo apresentado à Faculdade 7 de Setembro como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Administração de Empresas. Orientador: Prof. Maiso Dias Alves Júnior, Mestre. FORTALEZA – 2009
  • 3. RESUMO O artigo concentrou-se na identificação de políticas ecoambientais aplicadas em empresas de construção civil. A metodologia adotada para identificação destas políticas ecoambientais, inclui uma pesquisa de campo com as 8 (oito) principais empreiteiras atuantes na cidade de Fortaleza (CE), adotando um questionário elaborado à partir de assuntos presentes na gestão ambiental, como o Desenvolvimento Sustentável, a Ecoeficiência e a Produção Mais Limpa. Os resultados mostram que há interesse das empreiteiras em possuírem um desenvolvimento sustentável dentro da organização, mas poucas ações e falhas de comunicação dessas políticas não as tornam definitivamente sustentáveis. As conclusões retratam que possuir diretrizes ambientais claras e objetivas, é a maneira mais fácil à aplicação e o controle de ações sustentáveis da organização. Palavras-Chave: Desenvolvimento Sustentável, Ecoeficiência e Produção Mais Limpa. ABSTRACT The article focused on identifying environmental policies applied in the civil construction companies. The methodology adopted to identification of these environmental policies includes a field search with 8 main contractors engaged in the city of Fortaleza (CE), a questionnaire was made, with issues about environmental management, such as sustainable development, the ecoefficiency and cleaner production. The results show that there is interest of contractors in possession of a sustainable development within the organization, but few actions and communication failures of these policies does not turn them permanently sustainable. The conclusions portray that have clear and straightforward environmental guidelines, it is the easiest to implement and sustainable actions control of the organization. Key words: Sustainable Development, ecoefficiency and Cleaner Production. 1 INTRODUÇÃO O planeta vem sofrendo sérias transformações em seu meio ambiente ao longo dos séculos, principalmente nas últimas décadas. O crescimento descontrolado da população, o consumo desenfreado e as grandes corporações contribuíram para que os efeitos viessem à tona. Buraco na camada de ozônio causado pelo excesso de CO² (Dióxido de Carbono) causado pelas empresas e automóveis, aumento da maré causado pelo derretimento das
  • 4. geleiras em conseqüência do aquecimento global, população mais sensível às doenças respiratórias em conseqüência da poluição das grandes metrópoles e a extinção de inúmeras espécies da fauna e da flora causados pelas queimadas e desmatamentos irregulares são alguns exemplos do que o homem fez ao planeta. O ser humano, para sua sobrevivência, de um modo ou outro, sempre modificou o ambiente natural (DIAS, 2009). Mas ao invés de adotar um consumo sustentável, já que o homem é o animal que mais fácil se adapta ao meio ambiente natural, ele adotou um consumo predatório e sem precedentes, levando o planeta a caminho da extinção. No entanto, as empresas são os grandes motores desta máquina que vem degradando o planeta. Essas práticas poluidoras têm repercutido e denegrindo cada vez mais a sua imagem. Ainda assim, há empresas que buscam reverter essa situação adotando políticas ambientais sustentáveis, adotando, por exemplo, a certificação Leed (Leadership in Energy and Environmental Design), que confere à empresa o status de green building, ou seja, o certificado de construção verde, seguindo normas e padrões ecoambientais. No Brasil, os números de empresas brasileiras que adotaram esse tipo de certificação são pouco significativos. Desde 2004, apenas 139 construções brasileiras procuraram a LEED, sendo que 66% desse total nos últimos dois anos (INFOMONEY, 2009). Outro tipo de certificação muito importante e adotada por algumas empresas é a da série ISO – International Organization for Standartization, uma organização internacional que elabora normas internacionais para serem adotadas nas mais diversas empresas. E a ISO 14000 é um certificado específico para práticas ambientais aplicadas nas empresas, aonde é subdivida em ISSO 14001 e ISSO 14004, a primeira é ligada a um Sistema de Gestão Ambiental e a segunda é ligada a princípios e elementos integrantes a um Sistema de Gestão Ambiental eficaz. Contudo, a problemática ambiental hoje faz parte da pauta obrigatória da maior parte dos encontros mundiais e torna-se uma preocupação crescente da maioria das empresas que não querem continuar fazendo o papel de vilãs da sociedade (DIAS, 2009). E as organizações que decidirem utilizar de um sistema estratégico integrado às questões ambientais, irão conseguir vantagens competitivas e redução de custos, por exemplo. E no Brasil essas práticas ambientais já vêm sendo adotadas por algumas empresas, principalmente na área da construção civil. Mas ainda existem algumas empresas que são vistas como vilãs por construírem em áreas ambientalmente protegidas, passando por cima de leis e normas. Outras por utilizarem um sistema de construção que não visa a economia de recursos no processo
  • 5. produtivo e, há ainda aquelas que não se preocupam com a reciclagem de resíduos após o processo produtivo. Assim, diante do contexto abordado, o objetivo geral desse artigo é analisar as políticas ecoambientais aplicadas pelas principais empreiteiras da cidade de Fortaleza (empresas com faturamento bruto anual maior que R$ 60 milhões, denominadas como Empresas de Grande Porte, segundo classificação do BNDES), levando em consideração os impactos que elas causam nestas organizações. O cumprimento deste se dará a partir dos seguintes objetivos específicos: identificar as ações ambientais presentes no processo produtivo (construção) destas empreiteiras e; analisar o grau de comprometimento das empreiteiras com relação às políticas ambientais aplicadas na organização como um todo (processos internos / fornecedores / clientes). No entanto, no desenvolvimento desse artigo, serão abordados os aspectos teóricos sobre Desenvolvimento Sustentável e, Ecoeficiência e Produção Mais Limpa (PML) presentes no questionário da pesquisa aplicada. 2 AS EMPRESAS E O MEIO AMBIENTE Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento sustentável nada mais é do que uma harmonização de diversas ações voltada para um só objetivo: o pleno equilíbrio. Há um envolvimento que passa tanto pelos aspectos ambientais até aos socioculturais. É um modelo que extingue o desenvolvimento predatório, onde se dá apenas pelo consumo desenfreado de matérias-primas sem pensar nas implicações em um futuro de escassez desses recursos naturais. A definição mais aceita como conceito de desenvolvimento sustentável surgiu na Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento da ONU que defende que o mesmo corresponde ao: Desenvolvimento capaz de suprir as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade de atender as necessidades das futuras gerações. É o desenvolvimento que não esgota os recursos para o futuro (WWF BRASIL, 2009). Mas embora o desenvolvimento sustentável seja um conceito muito debatido, há uma visão sobre o tema que pode se diferenciar de um conceito para o outro. Pois se para um pode
  • 6. ser motivo de crescimento econômico através do uso racional dos recursos naturais, para outro pode ser o desenvolvimento harmônico da sociedade como resultado final dessas ações racionais desses recursos. Entretanto, hoje há empresas que utilizam dessa gestão baseada no desenvolvimento sustentável, a sustentabilidade corporativa. A Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável - FBDS define Sustentabilidade Corporativa como: Corporações preocupadas com sua inserção no meio onde operam que buscam levar em conta necessidades e preocupações de todos os seus públicos de interesse - clientes, empregados, comunidades, governo, parceiros, fornecedores. E mais: visam a criação de valor ao acionista no longo prazo. Contudo, o desenvolvimento sustentável nas organizações apresenta três dimensões, que são: a econômica, a social e a ambiental (DIAS, 2009). No que diz respeito à econômica, ela leva em consideração se é viável no quesito rentabilidade. No âmbito social, ela leva em consideração desde ao ambiente de trabalho que a organização proporciona aos funcionários até as participações socioculturais da comunidade. Já no ponto de vista ambiental, leva-se em consideração desde a produção mais limpa até o desenvolvimento de uma cultura ambiental na organização. No entanto, o mais importante na abordagem das três dimensões da sustentabilidade empresarial é o equilíbrio dinâmico necessário e permanente que devem ter (DIAS, 2009). Ecoeficiência e Produção Mais Limpa (PML) Quando falamos em ações ecológicas aplicadas pelas empresas, logo lembramos de empresas que direcionam essas ações para o marketing através de parcerias com ONGs ou patrocínios de eventos ambientais por exemplo. Mas ninguém se dá conta que a área produtiva é a que anda de mãos dadas a ela. Segundo Donaire (2009), a área de produção é aquela que possui o maior envolvimento com a questão ambiental. É a área que irá reduzir ou eliminar os impactos ambientais no processo produtivo através da ecoeficiência e da Produção Mais Limpa (PML). A PML ou Produção Mais Limpa é uma estratégia ambiental que engloba processos produtivos, produtos e serviços. Assim, no que se refere a processos, o foco estará na conservação de matérias-primas e energia; no que se remete aos produtos à redução de impactos negativos em seu ciclo de vida ; e no que se refere aos serviços, à preocupação
  • 7. ambiental quanto ao projeto e fornecimento. Segundo o Centro Nacional de Tecnologia Limpa - CNTL (2009): Produção mais limpa significa a aplicação contínua de uma estratégia econômica, ambiental e tecnológica integrada aos processos e produtos, a fim de aumentar a eficiência no uso de matérias-primas, água e energia, através da não-geração, minimização ou reciclagem de resíduos gerados em um processo produtivo. Esta abordagem induz inovação nas empresas, dando um passo em direção ao desenvolvimento econômico sustentado e competitivo, não apenas para elas, mas para toda a região que abrangem. Já ecoeficiência é a relação de eficiência dos recursos naturais disponíveis à responsabilidade ambiental. Portanto, ecoeficiência é o uso mais eficiente de materiais e energia, a fim de reduzir os custos econômicos e os impactos ambientais (CEBDS, 2009). Segundo a World Business Council For Sustainable Development - WBCSD (1996 apud DIAS 2009, p. 130) os sete fatores para alcançar com êxito a ecoeficiência são: 1. Reduzir a intensidade de uso de materiais. 2. Diminuir a demanda intensa de energia. 3. Reduzir a dispersão de substâncias tóxicas. 4. Incentivar a reciclagem dos materiais. 5. Maximizar o uso sustentável dos recursos renováveis. 6. Prolongar a vida útil dos produtos. 7. Incrementar a intensidade de serviços. Contudo, tanto a Ecoeficiência como a Produção Mais Limpa, são temas discutidos que fortalecem o conceito de sistemas de gestão ambiental nas empresas. Segundo Dias (2009), O Sistema de Gestão Ambiental é o conjunto de responsabilidades organizacionais, procedimentos, processos e meios que se adotam para a implantação de uma política ambiental em determinada empresa. No entanto, é um método que faz com que as organizações funcionem estabelecendo as normas e tendo como conseqüência uma política ambiental bem definida. E segundo Elkington e Burke (1989 apud DONAIRE, 2009, p. 50) os dez passos para a excelência ambiental são os seguintes: 1. Desenvolva e publique uma política ambiental. 2. Estabeleça metas e continue a avaliar ganhos. 3. Defina claramente as responsabilidades ambientais de cada uma das áreas e do pessoal administrativo (Linha ou Assessoria)
  • 8. 4. Divulgue interna e externamente a política, os objetivos e metas e as responsabilidade. 5. Obtenha recursos adequados. 6. Eduque e treine seu pessoal e informe os consumidores e a comunidade. 7. Acompanhe a situação ambiental da empresa e faça auditorias e relatórios. 8. Acompanhe a evolução da discussão sobre a questão ambiental. 9. Contribua para os programas ambientais da comunidade e invista em pesquisa e desenvolvimento aplicado à área ambiental. 10. Ajude a conciliar os diferentes interesses existentes entre todos os envolvidos: empresas, consumidores, comunidades, acionistas, etc. 3 METODOLOGIA O desenvolvimento da pesquisa se deu através de uma pesquisa quantitativa descritiva e com caráter exploratório. Quanto ao tipo de amostra utilizado na pesquisa, foi abordada a amostra intencional ou por julgamento, onde são escolhidos os casos a serem incluídos na pesquisa. Quanto ao delineamento da pesquisa, foi através de questionário com perguntas fechadas. Já a formatação para as respostas se deu através de respostas múltiplas. E quanto à técnica de coleta de dados utilizado para aplicação da pesquisa, foi através de e-mail. Assim, para realização dessa pesquisa foram selecionadas 8 (oito) empreiteiras. Os critérios utilizados para a escolha dessas empreiteiras foram: empresas atuantes na cidade de Fortaleza e estando classificadas como empresas de Grande Porte (empresas com faturamento bruto anual acima de R$ 60 milhões segundo BNDES). E no que se refere ao período para a aplicação da pesquisa, foram dedicados entre os dias 9 e 26 de novembro de 2009. 4 ANÁLISE DOS RESULTADOS Os dados apresentados têm por finalidade abordar as políticas ecoambientais aplicadas nas empreiteiras, analisando o grau de comprometimento ambiental que a empresa possui em seu processo produtivo e na organização como toda.
  • 9. Desenvolvimento Sustentável na Organização O Desenvolvimento Sustentável nas organizações tem como característica principal estabelecer diretrizes a respeito de ações socioambientais internas e externas na organização. Assim, ao analisar a presença do desenvolvimento sustentável nas empreiteiras, verificou-se com unanimidade que todas as 8 (oito) empreiteiras possuem esse compromisso. Mas, o gráfico 01 a seguir, apresenta dados referentes ao tipo de formalização assumida com esse compromisso aplicado nas organizações. Certificações Ambientais Não está Formalizado 0 1 2 3 4 5 6 7 8 Gráfico 01 – Formalização do Compromisso Sustentável na Organização Fonte: Pesquisa de Campo (2009) Analisando o gráfico acima, conclui-se que há uma grande falha no que se diz respeito a formalização desse compromisso. A falta de um compromisso formalmente assumido faz com que a empresa perca essa credibilidade a frente do mercado e de seus colaboradores, pelo simples fato de não ter nenhum tipo de formalização que possa ser percebida. Contudo, das oito empresas presentes na pesquisa, apenas uma possui um tipo de formalização deste compromisso, através da certificação ambiental. Sendo assim, a única com o compromisso formalmente descrito, bem como a única que possui certificações ambientais, como a Green Building Council Brasil – Conselho Brasileiro de Construções Verdes e a Bureau Veritas Certification – Certificação Bureau Veritas. Entretanto, percebe-se que há falhas na comunicação para disseminação dos compromissos firmados pelas empreiteiras logo nas diretrizes das empresas, pois sete
  • 10. empresas não possuem nenhuma formalização e outra que restringe apenas em certificações ambientais. Deixando de publicar esses compromissos em website da organização, em códigos de éticas, bem como em balanços socioambientais que poderiam agregar mais conhecimento e valor aos seus colaboradores e clientes. Procedimentos de Divulgação dos Compromissos Para as organizações, possuir compromissos referentes ao Desenvolvimento Sustentável não é o suficiente, as empresas devem repassá-los aos seus colaboradores e clientes para agregar mais valor e conhecimento, bem como para firmar parcerias para que a organização seja vista como uma empresa sustentável, por exemplo. A seguir, segue o gráfico 02 que refere ao direcionamento desses compromissos firmados nas empreiteiras: Outros Instituições Financeiras Fornecedores Cliente PJ Cliente PF Público Interno 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Gráfico 02 – Divulgações dos Compromissos Fonte: Pesquisa de Campo (2009) Analisando o gráfico acima, concluí-se que todas as empreiteiras focam na disseminação dos compromissos ao público interno. Mas há apenas uma minoria que disseminam além desse público, como em clientes PF e PJ, fornecedores e instituições financeiras. Porém percebe-se que essa falta de disseminação pode ser referente à falta de um compromisso sustentável formalizado. Assim, dificultando a disseminação de informações e dificultando a implantação de políticas ecoambientais com seus colaboradores.
  • 11. A seguir, segue o gráfico 03 referente à empresa com a adoção de procedimentos de comunicação, conscientização e mobilização do público interno em relação a política ambiental: Não Adotam Adotam 0 1 2 3 4 5 6 7 Gráfico 03 – Procedimentos de Comunicação das Políticas Ambientais Fonte: Pesquisa de Campo 2009 Analisando o gráfico acima nota-se que apenas duas empresas adotam algum tipo de procedimento de comunicação em geral do público interno em relação a política ambiental. No entanto, percebe-se que a falta de conhecimento do público interno referente a ações ambientais dentro da organização é consequência da pouca importância que a própria empreiteira se posiciona à frente de seus funcionários. Deixando a desejar em aspectos referentes a políticas ambientais que deveriam ser prioritários na organização. Política de Comunicação do Desempenho Ambiental Segue o gráfico 04 abaixo referente a política de comunicação do desempenho ambiental adotado pelas empreiteiras. No que se refere a legenda: A – a empresa não divulga informações relacionadas ao aspecto; B - a empresa só informa mediante demanda da parte interessada; C - a empresa divulga informações por meio de relatórios e website, mas não atende demanda específicas de partes interessadas; D - a empresa divulga informações por meio de relatórios, website e atende demanda específicas de partes interessadas e; N/A - o aspecto identificado não está presente na companhia.
  • 12. Investimentos ambientais Licenças e autorizações ambientais Qualidade ambiental no entorno Riscos Ambientais Efluentes Líquidos N/A Resíduos sólidos D C Emissões atmosféricas significativos B Emissões de ruídos A Consumo de energia Consumo de água Consumo de recursos naturais não renováveis Consumo de recursos naturais renováveis 0 1 2 3 4 5 6 7 8 Gráfico 04 - Política de Comunicação do Desempenho Ambiental Fonte: Pesquisa de Campo 2009 Analisando o gráfico acima, percebe-se que quase todos os itens referentes ao desempenho ambiental são divulgados pelas empreiteiras apenas mediante da demanda da parte interessada. Nas quais podemos citar: investimentos ambientais, licenças e autorizações ambientais, qualidade ambiental no entorno, riscos ambientais, efluentes líquidos, resíduos sólidos, consumo de energia, água e recursos naturais não renováveis. Já os itens referentes a consumo de recursos naturais renováveis e emissões atmosféricas significativos, quase todas as empreiteiras não divulgam esses aspectos. Entretanto, nota-se que as empreiteiras usam uma política de comunicação do desempenho ambiental muito fraco, adotando em sua maioria, políticas de divulgação mediante da demanda da parte interessada, ou até, nem divulgam tais desempenho. Reflexo de uma política de desempenho ambiental muito fraco que se divulgado todos os itens, para diversos canais de comunicação, poderiam comprometer a empresa no que diz respeito ao desenvolvimento sustentável, por não adotar diversos desempenhos ambientais de forma eficaz, por exemplo.
  • 13. Gestão Ambiental Cada vez mais as empresas buscam ser sustentáveis. Para agregar mais valor a empresa e consequentemente a sua imagem. Entretanto, precisam de uma gestão adequada para criação e aplicação de diretrizes ecoambientais. Mas para isso, precisam de um setor, ou cargos que possam cumprir com esses compromissos. Mediante a pesquisa aplicada nas empreiteiras, é notável que haja falhas nesse processo de gestão. Pois segundo resultados obtidos, nenhuma organização possui um setor exclusivo para tratar de sustentabilidade. E as sete das oito empreiteiras, não possuem também um cargo de liderança ambiental que poderiam aplicar tais compromissos ambientais. No entanto, o gráfico 05 a seguir demonstra a que nível hierárquico das empreiteiras responde ao principal gestor ambiental: Outro Gerencia Operacional Diretoria Vice Presidência Presidência 0 1 2 3 4 5 6 Gráfico 05 - Gestor Ambiental Fonte: Pesquisa de Campo 2009 Nota-se, que na maioria das empreiteiras, o cargo de gestor ambiental responde a diretoria da organização. Mesmo sem conhecimento específicos, a diretoria é responsável pelas diretrizes e tomadas de decisões no que se refere a sustentabilidade. Aonde a presidência, a vice-presidência e a gerencia operacional mostram-se ausentes na gestão ambiental conforme resultado da pesquisa. Aonde o nível “outro”, se refere na sua maioria, a consultores ambientais, por exemplo.
  • 14. Uso Sustentável dos Recursos Naturais Para algumas empresas, principalmente as que atuam com processos produtivos, o uso sustentável de recursos naturais estão presentes muitas vezes para redução dos custos, mas também para melhorar a imagem da organização. Segundo pesquisa aplicada nas empreiteiras, foi constatado que apenas uma empresa das oito presentes na pesquisa, incorpora o uso sustentável dos recursos naturais renováveis como requisito prioritário, sendo ela encontrada nas diretrizes e objetivos da empresa. Esse item mostra que, mesmo as empreiteiras aderindo ao desenvolvimento sustentável, a grande maioria não levam em consideração o uso sustentável desses recursos como prioritário, um ponto que pode contradizer a empresa se adere mesmo o desenvolvimento sustentável na organização, pelo fato das empreiteiras utilizarem muito desses recursos renováveis no processo produtivo, como por exemplo, a utilização da água. Mas no que se refere às Políticas Ambientais aplicadas nas empreiteiras em relação ao uso/consumo sustentável de seus produtos/serviços, segue a tabela 01 referente à mesma: Tabela 01 – Políticas Ambientais Políticas Ambientais Sim Não N/A Programas de conscientização e orientação de consumidores finais com vistas ao uso sustentável de produtos e serviços. 2 6 - Programas de suporte técnico aos consumidores finais com vistas ao uso sustentável dos produtos e serviços. 1 7 - Estimulo financeiro aos consumidores finais com o uso sustentável dos produtos e serviços. 1 7 - Fonte: Pesquisa de Campo 2009 Na tabela acima, nota-se que as principais empreiteiras não possuem uma Política Ambiental bem implantada na organização. Deixar a desejar desde programas de conscientização e orientação de consumidores finais com vistas ao uso sustentável de produtos e serviços, a estímulos financeiros aos consumidores finais com o uso sustentável dos produtos e serviços. Percebe-se apenas uma ligeira importância do programa de conscientização em relação aos suportes técnicos e estímulos financeiros, mas que no geral são quase insignificantes diante dos resultados obtidos.
  • 15. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho discorreu sobre as políticas ecoambientais aplicadas em algumas empreiteiras da cidade de Fortaleza (CE). Abordando temas teóricos como desenvolvimento sustentável, produção mais limpa e ecoeficiência, aplicadas no dia-a-dia dessas organizações. Hoje, para não serem reconhecidas como vilãs da natureza, muitas empresas vêm aderindo políticas sustentáveis dentro e fora da organização. No Brasil, muitas destas práticas são aderidas por empresas de construção civil. No entanto, como objetivo geral, o trabalho teve como finalidade analisar as políticas ecoambientais aplicadas pelas principais empreiteiras da capital, onde a mesma foi subdividida em dois objetivos específicos que atingiram o resultado esperado, em identificar as ações ambientais presentes no processo produtivo (construção) e analisar o grau de comprometimento das empreiteiras com relação às políticas ambientais aplicadas na organização como um todo. Mesmo a amostra sendo relativamente pequena, é notável que grande parte das empreiteiras possuem diversas falhas no que responde a uma organização sustentável. Não é porque uma pessoa faz coleta seletiva de seu lixo que ela é considerada amiga da natureza, pois, para ter uma política de desenvolvimento sustentável, tanto na vida pessoal como na organização, é preciso ter diretrizes que direcionam diversas ações do seu dia-a-dia em prol desse desenvolvimento. Nesta pesquisa constatou-se que as empreiteiras têm sim, interesse em ser sustentáveis, mas em parte. Há muitas falhas na gestão dessas políticas, desde a comunicação interna para conscientização ambiental, ao uso racional de recursos naturais renováveis, por exemplo. Muitas dessas empreiteiras possuem algumas políticas ambientais adotadas, muitas delas aplicadas no processo produtivo, mas de forma pouco eficaz. Pois como já foi dito anteriormente, uma ação não nos dá o mérito de considerarmos a organização sustentável. No entanto, percebe-se que, para ter ações sustentáveis como Produção Mais Limpa de forma eficaz, por exemplo, formalizar as políticas ambientais nas diretrizes da organização, vinculando-as em diversas formas de comunicação, é o primeiro passo a ser feito para que a empresa seja percebida de forma clara. E em consequência disso, por possuir diretrizes ambientais claras e objetivas, é mais fácil a aplicação e o controle das demais ações sustentáveis da organização. Não precisando necessariamente de um setor exclusivo a sustentabilidade, mas possuir cargos de liderança ambiental na empresa ajudaria muito as organizações para a criação e para a aplicação dessas políticas ambientais, deixando as
  • 16. decisões referentes ao meio ambiente com especialistas e não mais nas mãos da diretoria, como foi constatado na pesquisa.
  • 17. REFERÊNCIAS BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Disponível em: <http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Navegacao_Suplementar/Perfil/>. Acesso em: 7 de nov. 2009. CEBDS - Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: <http://www.cebds.org.br/cebds/eco-rbe-ecoeficiencia.asp>. Acesso em: 12 de set. 2009. CNTL - Centro Nacional de Tecnologia Limpa. Disponível em: <www.rs.senai.br/cntl>. Acesso em: 12 de set. 2009. DIAS, Reinaldo. Gestão Ambiental: Responsabilidade Social e Sustentabilidade. 1. ed. - 5. reimpr. - São Paulo: Atlas, 2009. DONAIRE, Denis. Gestão Ambiental na Empresa. 2. ed. – 11. reimpr. – São Paulo: Atlas, 2009. FBDS – Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: <http://www.fbds.org.br/rubrique.php3?id_rubrique=62>. Acesso em: 6 de nov. 2009. TACHIZAWA, Takeshy. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Corporativa. 6. ed. revista e ampliada – São Paulo: Atlas, 2009. WWF BRASIL - World Wild Found Brasil. Disponível em: <http://www.wwf.org.br/informacoes/questoes_ambientais/>. Acesso em: 08 set. 2009.